Joe Biden e o seu caminho para o fracasso.

Por Arthur González

Pressionado por um grupo de pessoas amargas em Miami, o presidente dos EUA aumenta as sanções contra o povo cubano, acreditando no que lhe é dito por aqueles que em 62 anos só conseguiram falhar no seu sonho de derrubar a Revolução, e esse mesmo destino recairá sobre o presidente nas próximas eleições, porque no final, os americanos de origem cubana darão o seu voto ao partido republicano.

Biden está a mostrar muita fraqueza perante os mafiosos no Congresso, quebrando as suas promessas de campanha de que eliminaria algumas das medidas impostas por Trump contra Cuba, e até acrescentou outras para jogar nas mãos da Florida, mas a vida vai mostrar-lhe os seus erros.

No meio da pandemia de Covid-19, deu a sua aprovação para que a máfia e os serviços de inteligência intensificassem as suas acções com vista à execução da chamada guerra não convencional, com a utilização de redes sociais, juntamente com a criminosa guerra económica e financeira que tem a economia da ilha em crise.

Uma destas medidas foi o apelo a protestos, sabendo que aumentariam o número de contágios e, assim, tentariam fazer cair o sistema de saúde cubano, algo verdadeiramente desumano e impiedoso que contradiz a sua suposta preocupação com o bem-estar do povo. O resultado é palpável, o número de pessoas doentes cresceu como nunca antes e quase sobrecarregou as capacidades hospitalares, mas Cuba mostra o seu potencial e não deixa ninguém sem os cuidados adequados, apesar dos recursos limitados.

A solidariedade internacional demonstra apoio à Revolução e alarga a rejeição das políticas dos EUA contra uma pequena nação que luta pela independência.

Biden está sob pressão dos senadores Bob Menendez e Marco Rubio, que o acusam diariamente de não ser mais forte nas suas medidas contra Cuba. É por isso que, numa tentativa de parecer forte, sancionou ridiculamente vários funcionários da ilha que não viajam para os Estados Unidos, nem têm contas bancárias nesse país, mostrando o seu desespero de parecer forte, e até recebeu um pequeno grupo de cubanos da Florida, no seu delírio para ganhar votos no futuro.

Ao mesmo tempo, desencadeou uma pressão invulgar sobre a União Europeia e a OEA para se juntarem aos Estados Unidos no seu ataque a Cuba, sob o pretexto manipulado de “repressão” contra os manifestantes, quando os ianques e os europeus não têm moral porque são eles que reprimem brutalmente os seus cidadãos.

Para criar uma matriz de opinião anti-cubana, tiveram de recorrer a imagens de outros países como se estivessem em Cuba, mentiras que estão gradualmente a ser reveladas, incluindo polícias brasileiros a espancar pessoas no terreno, ou manifestações no Egipto e na Argentina, como se estivessem em cidades cubanas, e publicar imagens das pessoas que apoiam a Revolução, fingindo ser oponentes.

As cruzadas mediáticas contra Cuba realizadas em redes sociais são pagas com dinheiro do NED, USAID, Departamento de Estado e CIA, porque não podem mostrar uma repressão semelhante à que acontece nas cidades ianques, europeias, asiáticas e latino-americanas, onde a polícia assassina e espanca impiedosamente aqueles que exigem direitos que os cubanos gozam, incluindo a saúde, educação, emprego e segurança social.

Porque é que Washington e a União Europeia não condenam as brutais repressões em França contra os coletes amarelos, que protestaram durante um ano, nem se preocupam com as actuais, que se arrastam há três semanas consecutivas, com mais de 200.000 pessoas a exigir liberdade?

Não estão preocupados com as manifestações a que assistimos hoje em dia na Suíça, onde mais de 4.000 pessoas marcharam contra as medidas tomadas pelo governo, que ameaçam as liberdades civis, ou as que se realizaram em Itália?

Onde estavam os senadores Marco Rubio, Bob Menendez, Ted Cruz, Albio Sires e outros senadores “preocupados” que agora se juntam ao espectáculo para atacar Cuba, que não exigiram que o Senado aprovasse uma resolução bipartidária para sancionar os chefes de polícia que permitiram a repressão selvagem contra aqueles que exigiam justiça para os assassinos de George Floyd e outros cidadãos negros?

Face a estes actos condenáveis, a União Europeia permaneceu cúmplice em silêncio, tal como a OEA.

Esta Europa “preocupada” e culta não quer saber dos direitos humanos das pessoas assassinadas na Colômbia, nem dos reprimidos com enorme violência no Chile. É claro que estes governos não são de esquerda.

Joseph Borrell, Alto Representante da União Europeia, aparentemente não se importa com os actuais protestos na Hungria, onde milhares de trabalhadores da saúde se queixam das más condições de trabalho e da deterioração do sistema de saúde pública.

Há muito cinismo neste mundo, porque a OEA não condenou os mais de 300 massacres de camponeses colombianos, nem os detidos e desaparecidos no Chile, Honduras ou Guatemala.

Para esses países o NED não afecta orçamentos para fomentar enormes cruzadas mediáticas, como fazem contra Cuba, atormentadas por falsidades que têm confundido muitas pessoas decentes no mundo.

A máfia anti-cubana assegura que agora é o momento de endurecer as sanções contra o povo cubano, a fim de realizar o seu sonho de destruir o socialismo e Biden, na sua fraqueza política, está a jogar o seu jogo com mais sanções, mais campanhas de imprensa para distorcer a realidade da ilha e pressão diplomática sobre outros países para se juntarem à sua estratégia desumana.

O tempo encarregar-se-á de dissipar as mentiras fabricadas contra Cuba e muitos dos que hoje se juntam às acusações, só porque acreditam no que as redes sociais distorceram e que nunca levantam a voz para condenar a criminosa guerra económica, comercial e financeira a que os cubanos têm resistido durante mais de 60 anos, precisarão de muita humildade para reconhecerem que estavam errados.

Confrontado com factos semelhantes, José Martí disse:

“Esperar é uma forma de vencer”.

Publicado por tudoparaminhacuba

Adiamos nossas vozes hoje e sempre por Cuba. Faz da tua vida sino que toque o sulco, que floresça e frutifique a árvore luminoso da ideia. Levanta a tua voz sobre a voz sem nome dos outros, e faz com que se veja junto ao poeta o homem. Encha todo o teu espírito de lume, procura o empenamento da cume, e se o apoio rugoso do teu bastão, embate algum obstáculo ao teu desejo, ¡ ABANA A ASA DO ATREVIMENTO, PERANTE O ATREVIMENTO DO OBSTÁCULO ! (Palavras Fundamentais, Nicolás Guillen)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: