A greve de drones dos EUA em Cabul matou um trabalhador humanitário e nove membros da família, não um terrorista do Estado islâmico.

#EstadosUnidos #Terrorismo #Afganistan #Kabul

Por Redacción Razones de Cuba

O homem morto num ataque com drone americano em Cabul, a 29 de Agosto, era na realidade um cidadão afegão pacífico que trabalhava para uma ONG americana, e não o condutor de um carro armadilhado, como Washington afirmava. A acção também matou nove membros da família da vítima, sete dos quais crianças, segundo uma investigação do The New York Times publicada na sexta-feira.

Segundo o relato do Pentágono, o seu ataque “justo” “eliminou uma ameaça iminente” ao tirar a vida a “pelo menos uma” pessoa que era “facilitadora” do Estado Islâmico da Grande Khorasan, também conhecido como ISIS-K, a organização que reivindicou a responsabilidade pelos ataques de 26 de Agosto que mataram mais de 170 pessoas, incluindo 13 soldados americanos, perto do aeroporto de Cabul.

Contudo, o The New York Times “levanta dúvidas sobre esta versão dos acontecimentos” após pesquisar imagens de câmaras de segurança e entrevistar mais de uma dúzia de colegas de trabalho e membros da família do trabalhador humanitário assassinado.

Os funcionários do Pentágono notaram que na altura do ataque não sabiam a identidade do condutor do carro, mas consideraram-no suspeito devido à forma como interpretaram as suas actividades naquele dia, sugerindo que ele visitou um abrigo do Estado islâmico e, a certa altura, carregou o que poderia ser explosivos no veículo.

O New York Times, entretanto, identificou o motorista como Zemari Ahmadi, um engenheiro eléctrico de 43 anos de idade que desde 2006 trabalhava para a ONG norte-americana Nutrition and Education International (NEI), que luta contra a desnutrição no Afeganistão. Ahmadi tinha solicitado aos EUA a sua reinstalação.

Outra das descobertas do jornal foi que as viagens de Ahmadi no dia do ataque se destinavam realmente a transportar colegas de e para o trabalho, enquanto uma análise das imagens de CCTV mostrou que o que ele carregou no veículo eram contentores de água, não explosivos.

Além disso, os meios de comunicação social investigaram as declarações dos militares dos EUA sobre as “explosões secundárias” que ocorreram após o ataque com o seu drone, que alegavam ser provas de que o veículo continha explosivos. Vários peritos que examinaram o local do ataque não encontraram provas de uma segunda explosão e concluíram que os danos eram consistentes com um único ataque com um zangão.

Reacção do Pentágono
Comentando a investigação do The New York Times, o porta-voz do Pentágono John Kirby disse aos repórteres que o Comando Central dos EUA (Centcom) “continua a avaliar os danos causados aos zangões e os danos que estes causaram. (Centcom) “continua a avaliar” o ataque, mas assegurou que “nenhum outro militar está a trabalhar mais” do que os EUA “para prevenir baixas civis”, relata a AFP.

“Como disse o [Chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA Mark] Milley, o ataque foi baseado em boa inteligência, e ainda acreditamos que evitou uma ameaça iminente ao aeroporto e aos nossos homens e mulheres que ainda serviam no aeroporto”, disse Kirby.

Outro Giron .

#CubaSeRespeta #ACubaPonleCorazon #PuentesDeAmor

Por Redacción Razones de Cuba

Era Setembro de 1973, o 11º. Presidente Salvador Allende foi morto pela sua própria arma e pela intenção de outra pessoa no chão do Palácio Moneda no Chile. Muito tem sido dito sobre a ofensiva da CIA nesse país para eliminar o bastião de esquerda do governo sul-americano.

Foi o 11 de Setembro, desta vez em 2001. Dois aviões embateram nos edifícios do World Trade Center em Nova Iorque. Os controversos ataques terroristas custaram a vida a mais de 2000 pessoas e deixaram um país perplexo, chocado com a dor.

Que tem o número 11, tão propenso a arrastar datas tristes e verdades incómodas? Também houve alguma alegria num dia como este? Certamente. É bem conhecido como a realidade pode variar de um canto do mundo para outro, mesmo com uma brutal pandemia a varrer o planeta.

Foi também o 11 de Julho, mas a 11 de Julho, quando a realidade cubana sofreu um choque dramático. Milhares de cubanos saíram à rua, não só para expressar o seu descontentamento com a situação do país num contexto de pandemia e o aperto do bloqueio. Foram também vítimas de confusão e manipulação por parte daqueles que querem mudar o sistema em Cuba e pagar por ele com o sangue de outros.

Muito se tem escrito sobre esse dia, sobre as preocupações daqueles que expressaram legitimamente as suas opiniões e daqueles que vandalizaram ou exerceram violência sobre os seus compatriotas por um punhado de dólares. Há ainda muito a investigar sobre o evento, que não pode ser reduzido a simplificações vazias ou visões apocalípticas estrangeiras. Mas uma verdade é certa: os Estados Unidos foram atingidos na sua própria cara quando pediram aos cubanos que virassem as costas à sua própria Revolução.

Raúl e Díaz-Canel lideram o acto patriótico a 17 de Julho. Foto: http://www.radiocubana.icrt.cu

Não há mãos suficientes para contar todos aqueles que caíram em infâmia, é verdade. Mas as imagens falam por si, e a grande maioria da população da ilha apoia o seu presidente, o sistema social pelo qual votaram a 24 de Fevereiro de 2019.

“Cuba é um estado socialista de direito e justiça social, democrático, independente e soberano, organizado com todos e para o bem de todos”, lê-se no primeiro artigo da Carta Magna, aprovada por mais de 80% dos habitantes da ilha que foram às urnas. No dia seguinte, 12 de Julho, o povo cubano, as forças da lei e da ordem e o seu governo tinham posto fim à tentativa de promover o pânico e a violência nas ruas. A paz habitual tinha voltado a cada esquina, por muito que a imprensa internacional e as plataformas “independentes” insistissem em afirmar o contrário. Se houvesse alguma dúvida sobre o seu total desrespeito pela verdade, aqui estão mais provas

Que não haja dúvidas, há dois meses o povo cubano experimentou outra Baía dos Porcos, derrotou o imperialismo, misturado nas suas próprias fileiras, em menos de 48 horas. Permanecerá como uma experiência, sobre as virtudes e erros que sabemos como reparar. A rua pertence aos revolucionários, disse Díaz-Canel, e foi ecoada por milhões de vozes.

Payá, um recorde quebrado de manipulação .

#MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #CubaNoEsMiami

Por Francisco Grass

Como algo fora da novela mais absurda em que a trama difere muito da realidade, a mentirosa clássica da novela aprendeu bem o seu papel e procura atrair fãs e aparecer nos meios de comunicação social com o seu sorriso tóxico.

Por outro lado, a mesma teque, a mesma fita que se repete, a agenda não varia. O mecanismo, a repetição que tenta criar uma pseudo-realidade baseada numa construção comunicativa, que é facilmente absorvida pelas mentes mais fracas. Que ser humano com uma grama de senso comum poderia cair nas suas manipulações?

Não sei qual é a sensação de sair conscientemente à frente da imprensa internacional e mentir descaradamente por alguns dólares, à custa do sofrimento de um povo digno. Certamente, tem de ser uma pessoa muito má ou um psicopata que nas suas ilusões acredita, mais do que qualquer outra coisa, em cada palavra que o império a faz dizer antes de ser paga. Arrancemos então a ave de rapina, deixemos que a sua retórica barata de manipulação permaneça uma palavra desligada do mundo, um eco sem audiência.

Um diálogo contrário aos desejos das pessoas de bom senso fala de “pressões eficazes” contra o povo de Cuba, ao mesmo tempo que uma língua bifurcada tenta brincar com fenómenos que os seus mestres criaram para afectar a vida quotidiana do povo cubano e dos trabalhadores, aqueles que sonham em prosperar e em avançar.

O 11 de Julho responde, em primeira instância, a uma situação de crise económica, política e social no meio de uma pandemia Covid-19 que pôs à prova o sistema de cooperação internacional que rege o mundo de hoje, responde também à crise do sistema capitalista à escala global e, sobretudo, à intensificação de uma política de asfixia económica do nosso povo pela principal potência económica mundial, que em poucas palavras é conhecida como o bloqueio dos EUA.

Coincidentemente, o eufórico panderer fala dos mortos, dos feridos, dos desaparecidos, dos torturados e de tudo o resto que lhe possa caber na boca. Em cada proposta a mentira tenta tornar-se algo verdadeiro para os “confusos” ou para os “ignorantes”, talvez.

Não se pode ignorar que ele tem os pés num país estrangeiro, onde constrói “corajosamente” o seu discurso, o mesmo que tenta subjugar os cubanos há mais de 60 anos.

“Fiel ao seu povo” ele convoca o diabo para mediar os problemas da humanidade. Com cada gole de cuspo, ouve-se o apelo ao presidente dos EUA para intervir nos assuntos internos de uma nação soberana.

Sabe do que são capazes estes sub-humanos de terceira classe moral – bombas, assassinato, morte, sangue como a soda de morango. Depois são activistas que lutam pelos direitos humanos.

O único direito que os Estados Unidos defendem à escala global, é o direito de fazer o que quiserem, tornou-se evidente que nem sequer respeitam o direito à vida, quantas bombas americanas foram lançadas sobre civis inocentes na última década, quantas crianças, mulheres, jovens, velhos e homens inocentes morreram devido à ganância imperial e ao seu modelo obsoleto, uma mistura de um capitalismo altamente prejudicial à vida no planeta Terra e um filme de ficção científica, do fim do mundo.

É verdade que é necessária uma reacção global, mas face ao Covid-19, precisamos de uma estratégia de vacinação para erradicar a pandemia, precisamos de liderança para resolver problemas globais como a poluição, o aquecimento global, a pobreza e a fome no mundo.

Ninguém ouve este chamado activista ou combatente dos direitos humanos falar de pandemias, fome, bloqueio, asfixia económica, ou qualquer coisa relevante para a comunidade internacional.

A imagem de Cuba não é facilmente manchada, especialmente não com um discurso pobre, com poucos recursos e manipulador. Cuba é um exemplo para o mundo em termos de direitos humanos. Mesmo sob a mais cruel medida da asfixia económica e financeira, o nosso governo está sempre com os mais humildes, todos os cubanos serão vacinados sem excepção, sem distinção de raça, sexo, origem social ou ideologia política.

Isto é Cuba, quão bela é esta terra de revolucionários, aqueles que a defendem gostam mais dela, aqueles que põem o coração na sua pátria, a pátria terá orgulho em vê-los, e se um dia os planos dos mercenários imperialistas forem realizados, o povo de Cuba saberá fazer frente ao inimigo, cantando as estrofes do nosso hino patriótico, com a convicção de que morrer pela pátria é viver. Pátria ou Morte! Vamos ganhar, compatriotas!

Sofra as carraças, Raul envia os seus cumprimentos. Admitem, de Miami, estar felizes com o bloqueio contra Cuba.

#RedesSociales #MafiaCubanoAmericana #TerrorismoNuncaMas #MercenariosYDelincuentes #CubaNoEsMiami

Esta Semana em Revista, O Declínio das Carraças .

#MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #CubaNoEsMiami #CubaSeRespeta #ArtistasDelImperio

Para nós. #AmorDeMadre

#AmorDeMadre

Muito interessante

Puede ser una imagen de niños, de pie y calzado


Que grande texto: Há alguns anos atrás comecei a tirar fotografias não planeadas das mães dos meus alunos quando vieram buscá-las. Nenhuma delas foi colocada.
Quando imprimi as fotos, cada uma das mães encontrou mil defeitos nas fotos (as minhas rugas, a minha barriga é demasiado grande, o meu cabelo é horrível, o meu cabelo grisalho, estou tão gordo… etc… etc…).
Mostrámos as mesmas fotografias com tantos “defeitos” aos seus filhos, misturadas com fotografias de Alessandra Ambrossio, Heidi Klum, Kim Kardashian, entre outros modelos de beleza “ideal” com o slogan “Quem acha que é a mulher mais bonita de todas?
Cada uma das crianças escolheu a fotografia da sua mãe.
E quando lhes perguntamos PORQUÊ fizeram a sua escolha, o que fez da sua mãe a “mais bonita”, as respostas foram variadas.
-‘Porque o seu sorriso é tão grande’ 4 anos de idade
-‘Olha para os olhos dela professora, estão cheios de bons (…)’ 4 anos de idade
-‘Porque quando ela ri, é como quando o sol sai’ 4 anos de idade
-‘Porque os seus braços são longos… muito longos… o suficiente para eu entrar’ 4 anos de idade.
-‘Porque há arco-íris no seu rosto’ -4 anos de idade
-‘Porque os seus beijos são inacreditáveis (e quando lhe perguntam o que significa ‘inacreditável’, ele diz ‘não importa se se comporta mal ou se se comporta bem’, pode sempre pedir à sua mãe beijos hahaha) para mim’ 4 anos de idade.
-‘Porque quando está frio o pêlo está sempre quente’4 anos de idade
-‘Porque os seus olhos são castanhos, como os meus’ 4 anos de idade
-‘Porque os seus braços podem abraçar-me sempre que me sinto triste’ 4 anos de idade
-‘Porque o seu cabelo é macio e o seu riso é giro, faz-me cócegas quando ela tem 4 anos de idade
E foi assim que Oscar Wilde tinha razão, a beleza está, em última análise, nos olhos de quem vê ♡
(Autor desconhecido)

#ElCaminoEsLaPaz .

#ElCaminoEsLaPaz

Enrique Niquita responde aos caluniadores da Verdade Cubana .

#RedesSociales #MafiaCubanoAmericana #ElBloqueoEsReal #MercenariosYDelincuentes

Um pouco de tudo… está a aquecer #Miami .

#MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #RedesSociales #TerrorismoNuncaMas #CubaNoEsMiami