Um novo messias e uma democracia seqüestrada .

#MafiaCubanoAmericana #ManipulacionPolitica #MercenariosYDelincuentes #SubversionContraCuba

Por Francisco Grass

Onde estão as tentativas vãs de levar Cuba por um caminho falso e duvidoso? A própria pergunta responde, todos eles se despenharam como um avião no meio do deserto, e por isso é nesta tragicomédia, imediatamente risível e dolorosa, que um novo “messias” da contra-revolução interna em Cuba, o novo Judas Iscariotes do povo, Yunior García Aguilera, emerge da poeira imunda da traição.

Talvez tudo faça parte de uma nova peça, talvez Judas esteja a preparar-se para um papel de liderança num novo filme de Hollywood. Ninguém está a retirar o talento ao jovem. É claro que não é apenas o seu mérito. Ele próprio bebeu do seio da Revolução, das suas escolas e universidades. Agora, depois de receber uma educação de qualidade, vai até à equipa oposta, flerta com o inimigo, gosta da relva verde do outro lado da cerca

É incrível como alguém pode gerar uma obra de arte, escrever guiões, agir com originalidade e ao mesmo tempo vender o seu próprio povo por tão pouco. Como pode um actor e argumentista trair a sua pátria e o seu povo de forma tão descarada?

Quem é que este tipo pensa que é? De escrever guiões, tornou-se autor de cartas solicitando marchas pacíficas, refugiando-se na Constituição da República de Cuba, especificamente no Artigo 56, que também fala da Declaração Universal dos Direitos do Homem, Artigo 20.

Parece que Yunior vai finalmente tomar coragem e apelar a uma marcha pacífica contra o bloqueio, depois de ter enviado uma carta ao Presidente dos Estados Unidos Joe Biden exigindo o fim do crime contra a humanidade que afecta a vida dos cubanos há mais de 60 anos, privando-os mesmo do acesso a bens de primeira necessidade e medicamentos nestes tempos de pandemia.

Nem sequer sonhem com esse Yunior, senhoras e senhores! É disso que Cuba precisa, mas a Pátria olha para o seu filho enquanto ele tenta vendê-lo a preço de saldo às piranhas sem coração da Florida, aquelas frustradas que mantêm o sorriso macabro de Batista nas suas carteiras. Outro Bobolón, outro Randy Malcom, outro Alexander, outro Yomil, onde, pergunto-me, onde estão os Maceos e o Fidel?

Yunior, compadre, o artigo 56º da Constituição da República de Cuba garante o direito de reunião, manifestação e associação para fins pacíficos, mas, pergunto-lhe, considera que está no meio de uma guerra híbrida promovida pela primeira potência económica e militar do mundo contra o nosso país? no meio de uma política de bloqueio de ferro intencionalmente intensificada para provocar o desespero na população, no meio de uma pandemia global que custou a vida a milhões de pessoas no mundo e a alguns milhares no nosso país, o momento mais apropriado para apelar à vossa “marcha pacífica”, que ambos sabemos ser uma provocação? , Não, ainda menos depois da experiência de 11 de Julho, e isso não vai acontecer, porque mostrou que está a agir, nunca melhor dito, sob o manual do império e não sob a necessidade sincera de demonstrar pacificamente.

Pode comunicar o que desejar em tempo e forma, mesmo assim, não retira a dupla intencionalidade da acção que afecta directamente a segurança da nação, que usando a democracia tem o direito de considerar se uma “marcha pacífica”, se não for, é necessária para alcançar um diálogo com possíveis sectores da nossa sociedade que queiram envolver-se num diálogo aberto sobre questões que lhes dizem respeito, Isto está actualmente a ser feito, e demonstra por sua vez que, mesmo em situações complexas para a nação, o Estado cubano garante o princípio universal da democracia de acordo com o nosso modelo económico, político e social, que foi ratificado pela grande maioria, o socialismo.

Qual é a intenção por detrás da sua proposta para uma “marcha pacífica”?

A violência que era evidente a 11 de Julho foi importada, é o ódio que se aninha no coração das hienas sanguinárias que habitam na Florida e dos seus lacaios internos contra o seu próprio povo, um ódio visceral, um vestígio da Cuba pré-revolucionária, é o ódio das classes burguesas contra os trabalhadores e os mais humildes, é o ódio dos ricos contra os pobres, esse círculo vicioso que encontrou o seu fim com o triunfo da Revolução a 1 de Janeiro de 1959.

A violência que se tornou evidente a 11 de Julho foi recriada pela primeira vez na mente distorcida de pessoas apegadas a terroristas como Luis Posada Carriles, que usam o povo, manipulam-no, aproveitam as suas dificuldades, aquelas que eles próprios geram, colocam-nos uns contra os outros, dividem cubanos, famílias, criam sentimentos alheios ao significado da cidadania cubana, que é o amor pela pátria, a solidariedade e o espírito de luta pela sua liberdade.

Em Cuba não há prisioneiros políticos, aos actores envolvidos nos acontecimentos de 11 de Julho foram dadas todas as garantias legais, e os seus julgamentos seguem o que está estabelecido na lei de processo penal e na correspondência com os crimes por eles cometidos nos acontecimentos, nenhum crime pelo qual são acusados está associado ao político, mas por desprezo, agressão contra as autoridades, contra as pessoas, destruição de bens sociais, entre muitos outros que serão sujeitos ao quadro punitivo dentro do actual código penal, de acordo com o tipo de crime e as suas tipologias.

Qualquer cubano digno gostaria de resolver os problemas da nossa sociedade de forma pacífica e democrática, até que alguém do seu círculo viciado apareça e proponha o contrário. A vossa chamada marcha pacífica de 5000 pessoas e mais é algo que o Estado não pode permitir tendo em conta a situação actual, existem agora outras prioridades, sobretudo a vida de uma nação que luta contra o Covid-19, no meio de tantas coisas, das quais o vosso enxame “pacífico” não vai resolver nenhuma delas.

Nenhum dos vossos manifestantes “pacíficos” tem qualquer intenção de marchar em apoio às vacinas cubanas, contra o bloqueio, não chamam entre vós para plantar alimentos, não exigem que as famílias cubanas que vivem nos Estados Unidos possam enviar remessas aos seus familiares que vivem na ilha, Em suma, tudo o que afirma ser pacífico, acaba por ser o oposto, porque não se comandam uns aos outros, são peões de outras pessoas que não são nada pacíficas e que brincam cruelmente com o povo humilde e trabalhador de Cuba.

Porque devemos permitir-lhe partir, conhecendo antecipadamente as suas intenções sujas e as dos seus mestres? Sabe do que estão a falar, da sua marcha “pacífica”, à qual pessoas de todos os tipos se juntam livre e ingenuamente, com a cobertura da imprensa “independente”, meios de comunicação como ADN Cuba, Ciber Cuba, Cuba Cute, entre muitos outros que são financiados pelos Estados Unidos para criar uma pseudo-realidade da ilha que serve de prelúdio a uma revolução colorida apoiada pela extrema-direita na Florida e parte da Europa e da América Latina.

Estes meios de comunicação, cujos jornalistas se dizem “independentes” dependem cada vez mais do Departamento de Estado norte-americano e da CIA. O que nos tomam por Judas, deixam a democracia marchar livremente, vocês que a raptaram, não são o messias do povo, são Judas Iscariotes, e nenhum traidor deve falar de democracia ou de marchas pacíficas, as vossas palavras podem dizer isso, mas o veneno sujo do que escondem produz um fedor que pode ser cheirado a quilómetros de distância. Para outro cão com esse osso!

Yunior García Aguilera, o “patriota preocupado”.

Quem ganhou as guerras no #Iraque e no #Afeganistão ?

#EUA #OTAN #ONU #DerechosHumanos #Democracia #Terrorismo #Afganistan #Irak

Por Redacción Razones de Cuba

Durante a guerra de 20 anos contra o Afeganistão, os EUA gastaram mais de 2,2 triliões de dólares em armas. Numa outra guerra, a guerra do Iraque, o Pentágono gastou mais de 1,7 triliões de dólares desde o seu início, em Março de 2003. Em ambos os países, mais de um milhão de pessoas já morreram nos combates e a destruição material inclui danos extensivos a Sítios do Património Mundial.

E tanto no Iraque como no Afeganistão, e acrescentamos a Líbia, também atacada por Washington e pela OTAN, a situação do pós-guerra é de instabilidade, grande afetação económica e social e apropriação dos seus recursos.

Enquanto isto acontece, a despesa militar mundial no ano passado foi de quase dois triliões de dólares, como denunciou o Primeiro Secretário do Partido Comunista de Cuba e Presidente da República, Miguel Díaz-Canel, perante a Assembleia Geral da ONU. “Quantas vidas teriam sido salvas se esses recursos tivessem sido atribuídos à saúde ou à produção e distribuição de vacinas”, perguntou ele. Argumentou: “As respostas possíveis a essa questão residem numa mudança de paradigma e na transformação de uma ordem internacional profundamente desigual e antidemocrática.

Os exemplos do que aconteceu no Iraque, como no Afeganistão, mostram que os únicos vencedores nestes conflitos foram o Complexo Industrial Militar e os contratantes privados que, sob a égide da CIA ou do Pentágono, enviam dezenas de milhares de mercenários para apoiar e fazer parte dos contingentes militares mobilizados por Washington e pela OTAN.

Quando o Pentágono, sob as ordens do então presidente George W. Bush, se lançou contra o Iraque com milhares de militares e meios de guerra que incluíam armas proibidas como o uso de urânio empobrecido nas suas bombas e foguetes, uma grande parte do investimento multimilionário dedicado à guerra foi parar às mãos de empresas privadas ou contratantes.

Sob o nome Blackwater, a empresa que era considerada o principal exército mercenário do mundo teve mesmo de mudar o seu patronímico face ao óbvio descrédito após o seu envolvimento no assassinato de civis – incluindo crianças iraquianas – e na tortura.

Em 2004, na cidade martirizada de Fallujah, quatro dos seus mercenários foram executados e enforcados na ponte à entrada da cidade, acção reivindicada pela resistência iraquiana, após o assassinato de 17 civis por estes empreiteiros.

Para o trabalho genocida na nação iraquiana, as empresas privadas contratadas receberam, só nos primeiros anos da guerra, mais de 85 mil milhões de dólares, de acordo com dados do Congresso dos EUA.

No Afeganistão, de onde as tropas dos EUA e da OTAN acabam de se retirar em derrota após 20 anos de guerra, os únicos vencedores têm sido os mesmos: empreiteiros privados e o Complexo Industrial Militar dos EUA.

Dos 2,3 triliões de dólares que esta guerra injusta custou aos contribuintes americanos, estima-se que pouco mais de um trilião de dólares foi para as várias empresas privadas que contrataram milhares de mercenários. As empresas com os maiores contratos no Afeganistão, segundo estimativas de Haidi Peltier, director do projecto “20 Anos de Guerra” da Universidade de Boston, citado pela bbc, foram: “14,4 mil milhões-Dyncorp International, 13,5 mil milhões-Fluor Corporation, 3,6 mil milhões-Kellogg Brown Root (kbr), 2,5 mil milhões-Raytheon Technologies e 1,2 mil milhões-Aegis llc”.

Os números cobrem essencialmente o período 2008-2021. Acrescente-se a isto que, entre 2008 e 2017, os EUA perderam, por utilização indevida ou fraude, cerca de 15,5 mil milhões de dólares destinados à reconstrução no Afeganistão, de acordo com o The New York Times.

Para além da vassalagem aos EUA e Celac: a razão pela qual a OEA vai desaparecer.

#EUA #OEA #CELAC #EconomiaMundial #UnionEuropea #CHINA

Javier Buenrostro, historiador por la Universidad Nacional Autónoma de México y McGill University.

Javier Buenrostro, historiador por la Universidad Nacional Autónoma de México y McGill University.

A 18 de Setembro, o México acolheu a VI Cimeira da Comunidade dos Estados da América Latina e das Caraíbas (CELAC), dois dias após a celebração da independência do México. Havia muitas expectativas para esta reunião em que participaram 31 nações e onde se especulava que a substituição de uma Organização dos Estados Americanos (OEA) obsoleta e decadente, uma organização que nasceu em 1948 para proteger os interesses dos Estados Unidos durante a Guerra Fria no quadro dos acordos de Bretton Woods, a criação do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial e a imposição do dólar como moeda internacional de referência, poderia ser discutida em profundidade.

A OEA teve a sua quota-parte de baixos e altos na sua história, embora tenham existido mais vales do que picos. Um dos pontos mais baixos foi em Punta del Este (Uruguai) em 1962, quando foi decidido expulsar Cuba da organização, sendo o México e a própria Cuba as únicas nações a votar contra a resolução. Nos últimos anos, desde a liderança de Luis Almagro, a OEA tem demonstrado ser um organismo profundamente parcial a favor da direita latino-americana e dos interesses regionais dos Estados Unidos. Um caso em questão é o envolvimento da OEA e de Luis Almagro no golpe de Estado sofrido por Evo Morales na Bolívia, que só pôde ser revertido graças ao apoio esmagador do povo boliviano ao Movimento para o Socialismo (MAS) nas eleições seguintes.

A 6ª Cimeira Celac teve momentos de alguma intensidade, especialmente devido aos confrontos verbais entre os Presidentes Miguel Díaz-Canel (Cuba) e Nicolás Maduro (Venezuela), por um lado, e Luis Lacalle Pou (Uruguai) e Mario Abdo Benítez (Paraguai), por outro. A ausência do Brasil, devido à decisão da direita Jair Bolsonaro de sair no ano passado, e a participação precipitada da Argentina, devido ao cancelamento de Alberto Fernández no último minuto e à demissão a meio do evento do Ministro dos Negócios Estrangeiros Felipe Solá, também deixaram a sua marca na reunião internacional.

Mas a mensagem mais importante do Celac veio de fora da América Latina. O Presidente da China, Xi Jinping, foi o único convidado de fora da nossa área geográfica a dar uma mensagem, e este convite veio do México, o país anfitrião, que também detém a presidência pro tempore da Celac e, ao mesmo tempo, é um vizinho e importante parceiro comercial dos Estados Unidos. Uma combinação e tanto.

“O capitalismo tal como o conhecemos está em crise e a ordem global está a mudar a um ritmo acelerado, mantendo a direcção anteriormente prevista. E isto é que a China acabará por ser o actor económico global mais importante nas próximas três décadas”.

As críticas ao Presidente López Obrador da direita mexicana e ao conservadorismo não tardaram a chegar. Os condenados ao desastre mencionaram que a presença dos presidentes de Cuba, Venezuela e sobretudo da China durante a cimeira poderia fazer explodir as relações com os Estados Unidos. Estas opiniões mostram não só que a direita mexicana adoraria manter uma relação de vassalagem com os Estados Unidos, mas também a sua incapacidade de compreender que o mundo está a mudar e que não é o mesmo que foi durante a Guerra Fria, especialmente depois da pandemia de Covid-19.

Todas as análises económicas concordam que o mundo sofreu a pior recessão económica desde a Grande Depressão. O capitalismo tal como o conhecemos está em crise e a ordem global está a mudar a um ritmo acelerado, embora na direcção anteriormente prevista. E isto é que a China acabará por ser o actor económico mais importante do mundo pelo menos durante as próximas três décadas.

Mexico President Andres Manuel Lopez Obrador(C) poses for a photo with leaders and prime ministers during the summit of the Community of Latin American and Caribbean States (CELAC), at the National Palace in Mexico City, Mexico September 18, 2021. Mexico’s Presidency/Handout via REUTERS ATTENTION EDITORS – THIS IMAGE HAS BEEN SUPPLIED BY A THIRD PARTY. NO RESALES. NO ARCHIVES

Dois acontecimentos paralelos à Cimeira do Celac confirmam isto. A primeira é que o Grupo Evergrande, até há pouco tempo o maior promotor imobiliário do mundo, está perto da falência com mais de 300 mil milhões de dólares de passivo. O que é impressionante é que, apesar dos números espantosos, os analistas excluíram uma crise financeira global como a que ocorreu em 2008 com o colapso da empresa americana Lehman Brothers. Parece que o problema ficará na China não só porque Evergrande tem lá a maior parte das suas dívidas, mas também porque a economia chinesa é capaz de absorver e lidar com esta crise financeira. Esta é a dimensão da economia e da capacidade financeira da China, se ainda tivéssemos dúvidas.

O outro facto que chamou a nossa atenção foi o discurso de Joe Biden à Assembleia Geral da ONU há alguns dias atrás. Biden foi muito claro que os EUA não querem uma nova Guerra Fria com a China ou um mundo dividido em blocos rígidos e, embora ele defendesse uma concorrência vigorosa com outras potências, evitou o discurso duro e confrontativo utilizado por Donald Trump. Biden era consciente e cauteloso face à nova realidade global que já é evidente aos olhos do mundo, com excepção de certos conservadores antiquados que ainda pensam que vivemos no mundo que foi forjado no pós-guerra, há mais de setenta anos.

Nem os acordos de Bretton Woods, nem o mal denominado Consenso de Washington, nem o Fundo Monetário Internacional, nem o Banco Mundial, nem a dolarização da economia são já os princípios orientadores da economia mundial, nem devem ser as vozes orientadoras das organizações internacionais, nem devem ser as vozes orientadoras da política externa na América Latina. A OEA já está morta e o seu coveiro não será o CELAC, mas a ordem económica mundial que lhe deu origem e que agora também está defunta.

A nova ordem, pelo menos no futuro imediato, será baseada no multilateralismo, mas na qual a China desempenhará um papel preponderante ao lado dos Estados Unidos, que também manterão um papel de liderança. O unilateralismo não é uma opção e a cooperação internacional terá de se tornar uma realidade e deixar de ser puro discurso e boas intenções.

López Obrador deu um passo nesta direcção na Cimeira Celac, convidando os restantes participantes a construir algo semelhante no continente americano à Comunidade Económica que deu origem à actual União Europeia. Ou seja, criar um corpo mais equitativo e plural e não apenas um que sirva os interesses dos Estados Unidos. Isso já não funciona na realidade.

Extraído de RT