O que pode a Europa ensinar a Cuba: liberdades, ou repressão .

#UnionEuropea #DerechosHumanos #Democracia #EstadosUnidos #InjerenciaDeEEUU

Por José Manzaneda

O Parlamento Europeu aprovou uma condenação de Cuba pela “extrema violência e repressão contra manifestantes pacíficos” durante os protestos de Julho (1).

“Repressão brutal” na ilha, diz a imprensa europeia (2). Mas se observarmos mais de perto as dezenas de vídeos publicados sobre esses incidentes (3) (4) (5), e desligarmos o som da narração, o que é que vemos realmente? Uma polícia cubana mal treinada que dá uma resposta morna às agressões (6), e cujas expressões mais violentas são quase infantis em comparação com as acções de muitas polícias em todo o mundo. Para começar, os da própria Europa (7).

A verdadeira brutalidade policial tem sido praticada, em mais do que alguns cenários de protesto, pela polícia espanhola, por exemplo (8). A sua intervenção contra o referendo na Catalunha em 2017 feriu cerca de 800 pessoas (9). O Tribunal dos Direitos Humanos de Estrasburgo emitiu dez condenações contra Espanha por não ter investigado queixas – mais de cinco mil casos documentados – de tortura policial e maus-tratos (10). Onde estão as condenações do Parlamento Europeu?

Falam-nos de detenções em Cuba por “demonstrarem pacificamente a sua liberdade de expressão” (11). Isto é falso. Ninguém nega que houve excessos ou acções irregulares -severificando-as investigadas pelo Ministério Público Militar-, mas em geral as operações policiais responderam não a protestos pacíficos, mas a ataques com pedras e cocktails molotov (12), e a assaltos e roubos de bens públicos (13).

O Parlamento Europeu nunca condenou o governo da Colômbia (70 mortes devido à repressão nos protestos de Abril) (14), o do Chile (34 mortes nos protestos de 2019) (15), ou o governo golpista provisório da Bolívia, que causou 32 mortes (16). Neste último caso, o Parlamento Europeu reconheceu o golpe como um governo legítimo e, meses mais tarde, denunciou a detenção do presidente como “arbitrária e ilegal” (17). O Parlamento Europeu também não condenou, em 2020, a acção policial nos EUA durante os protestos da Black Lives Matter, que resultaram em 30 mortes e 14.000 detenções (18).

A UE tem acordos de comércio e cooperação extensivos com todos estes países. Mas agora o seu Parlamento – nas mãos dos aliados de direita de Washington – apela à destruição do Acordo de Diálogo e Cooperação UE-Cuba devido a uma prática policial claramente menos repressiva do que a de todos esses países (19).

Falam-nos do assédio em Cuba aos “vencedores do Prémio Sakharov” como Guillermo Fariñas (20). Mas o que aconteceria a este último se, como europeu, confessasse na imprensa que estava a negociar com o governo dos EUA uma intervenção militar no seu país (21)? Ele já teria estado na prisão há muito tempo. Mas em Cuba, além de ser preso durante algumas horas, não lhe acontece absolutamente nada (22).

Os protestos em Cuba foram o resultado previsível de uma situação muito prolongada de dificuldades materiais, apagões, falta de medicamentos e alimentos, escassez de transportes e longas filas de espera. Mas nem o Parlamento nem os meios de comunicação social europeus explicam as suas causas. Por um lado, uma brutal guerra económica dos EUA, com 243 sanções nos últimos quatro anos, que dinamizaram cada uma das fontes de rendimento do país (acordos médicos internacionais, viagens dos EUA, remessas da emigração…) e que deixaram a ilha praticamente sem combustível, através de sanções ao seu principal fornecedor, a Venezuela, e às companhias de navegação de países terceiros (23). Por outro lado, a pandemia levou ao encerramento da única fonte de rendimento restante do país, o turismo. E finalmente, uma campanha de um milhão de dólares nos meios de comunicação social, financiada por agências federais dos EUA, para mobilizar um sector ainda pequeno mas já visível da população da ilha contra o governo cubano (24). Uma campanha na qual, a fim de inflar a imagem da repressão, inúmeras histórias falsas foram utilizadas para transformar as acções policiais no Brasil (25), África do Sul (26) e República Dominicana (27) em imagens de Cuba.

De qualquer modo, o equilíbrio não poderia ter sido mais “pírrico, vil e vil”, como o presidente do México denunciou há alguns dias, com cujas palavras de mestre nos despedimos: “É errado que o governo dos Estados Unidos utilize o bloqueio para impedir o bem-estar do povo cubano para que, forçados por necessidade, tenham de enfrentar o seu próprio governo. Se esta estratégia perversa fosse bem sucedida – algo que não parece provável dada a dignidade a que nos referimos – repito, se fosse bem sucedida, tornar-se-ia um triunfo pírrico, vil e desprezível. Uma dessas manchas que não pode ser apagada mesmo com toda a água dos oceanos” (28).

Autor: tudoparaminhacuba

Adiamos nossas vozes hoje e sempre por Cuba. Faz da tua vida sino que toque o sulco, que floresça e frutifique a árvore luminoso da ideia. Levanta a tua voz sobre a voz sem nome dos outros, e faz com que se veja junto ao poeta o homem. Encha todo o teu espírito de lume, procura o empenamento da cume, e se o apoio rugoso do teu bastão, embate algum obstáculo ao teu desejo, ¡ ABANA A ASA DO ATREVIMENTO, PERANTE O ATREVIMENTO DO OBSTÁCULO ! (Palavras Fundamentais, Nicolás Guillen)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: