O bloqueio, um meio para assumir o controlo de Cuba .

#UnblockCuba #ElBloqueoEsReal #Cuba #XCubaYo #JornadaDeLaCulturaCubana

Por : Manuel Gonzalez Gonzalez

Em geral, quase todos nós já ouvimos falar do bloqueio americano a Cuba, mas infelizmente, nem todos estamos plenamente conscientes do alcance e das consequências desta prática política criminosa contra o povo cubano, que afecta todos os aspectos das suas vidas, privando-os de produtos ou tornando-os desnecessariamente caros. Uma prática que a Assembleia Geral da ONU tem vindo a condenar há décadas por uma esmagadora maioria de 184 votos contra os dois votos dos Estados Unidos e de Israel.

O documentário recentemente lançado, Unblock Cuba, permite-nos mergulhar no bloqueio de uma forma conveniente e didáctica. É um trabalho louvável realizado por um grupo de jovens na casa dos vinte anos, agrupados na Furor Producciones, dirigida por Sergio Gregori, que aos quinze anos de idade se viu face a face com o bloqueio e as suas consequências.

As declarações do antigo vice-presidente do KGB, Nicolai Leonov, que actuou como tradutor entre Nikita Kruchov e Fidel Castro em várias ocasiões, são inovadoras e interessantes. Através das suas palavras, podemos ver a crise dos mísseis cubanos e a relação entre Cuba e a União Soviética de uma forma que os filmes americanos nunca nos disseram.

Outra parte muito interessante deste trabalho é que nos mostra como a aplicação de sanções extraterritoriais do bloqueio se tornou uma arma económica dos Estados Unidos contra empresas europeias e espanholas que operam em Cuba, às quais líderes como o Alto Representante da UE Josep Borrell, o Eurodeputado e ex-Ministro dos Negócios Estrangeiros José Manuel García-Margallo e a Ministra da Indústria, Comércio e Turismo María Reyes Maroto protestaram.

Unblock Cuba é o título de um documentário sobre a história e consequências do bloqueio que os governos dos EUA têm vindo a aplicar ao povo cubano desde 1960, meses após o triunfo da revolução socialista cubana, que pôs fim ao colonialismo norte-americano na ilha. O bloqueio tem sido como uma segunda pele para a revolução cubana. Como tal, este filme é, em grande parte, um documento da história da revolução. Mas não só. Mostra como, antes da revolução, Cuba estava na mira dos Estados Unidos, que primeiro tentaram comprá-la à Espanha e depois utilizaram a derrota espanhola para se instalarem na ilha. Até à revolução.

Embora o documentário tenha sido feito com meios limitados, ganhou prémios e nomeações em mais de vinte festivais. Pode ser visto na Filmin ou adquirido no website da Furor Producciones (https://www.unblockcuba.es/). Estão também a realizar exibições em diferentes cidades de Espanha, geralmente ligadas a associações de amizade com Cuba.

O desbloqueio de Cuba terminou em 2019, pelo que o impacto que o bloqueio teve durante a pandemia não aparece, tal como o facto de não poderem comprar seringas suficientes para administrar as vacinas que foram capazes de criar. A este respeito, há outro documentário, The War Against Cuba, dirigido por Reed Lindsay e produzido por Oliver Stone, cuja terceira parte incide sobre a perversão do ataque do governo dos EUA à medicina cubana no meio da pandemia. Pode ser visto no Youtube.

O Grande Fuso (“Grammy” ou “Grams” de…)

#CubaNoEsMiami #ArtistasDelImperio #MercenariosYDelincuentes #ElBloqueoEsReal #CubaLibreYSoberana #XCubaYo #UnblockCuba

Sergio Gregori: ‘O Departamento de Estado dos EUA escreveu-me para me dizer que estavam a bloquear o financiamento da multidão do documentário’.

#UnblockCuba #FurorTV #RevolucionCubana #XCubaYo #CubaLibreYSoberana

Por : Manuel Gonzales Gonzales

Sergio Gregori, 24 anos, director da Unblock Cuba, é o chefe visível de um projecto de comunicação, Furor Producciones, no qual vários jovens nos seus primeiros vinte anos de idade têm trabalhado desde os seus dezassete anos. Este projecto inclui uma estação de televisão online, a Furor TV, que começou a funcionar na sala de estar da sua casa de estudantes e que tem atraído uma boa parte da esquerda política e cultural. Possuem agora um local espaçoso e bem equipado.

Sergio Gregori: 'Me escribió el Departamento de Estado de EEUU para decirme que bloqueaban el crowfunding del documental'

Com a idade de 15 anos, Gregori começou a fazer um documentário sobre a vida dos cubanos comuns. “No início, o filme não tinha qualquer intenção política, eu só queria conhecer a realidade de Cuba. Cuba tinha-me alcançado através dos capacetes com o grupo musical Orishas, agora anti-Castro, mas que na altura falava de um ponto de vista social, e então conheci a história da Cuba revolucionária, do Ché Guevara, do Fidel Castro e da revolução dos barbudo. Tudo isso teve um impacto em mim desde muito jovem, uma vez que me tornei político desde muito cedo. Aos 14 anos de idade comecei a organizar-me e a interessar-me pela política, e o tema de Cuba estava muito presente. Mas é verdade que no início o filme não tinha qualquer intenção política. Não tinha um ponto de vista claro sobre o que estava a acontecer em Cuba.

Para financiar o documentário, lançou um projecto de patrocínio e de crowdfunding que enfrentou o bloqueio: “De repente descubro que o Departamento de Estado norte-americano me escreve e me diz que a campanha está bloqueada pela lei norte-americana. Eu era um cidadão europeu, que nada tinha a ver com Cuba e que na realidade queria fazer um filme sem intenção política, e descobri que a campanha estava bloqueada porque a sede de uma das empresas ligadas ao micro-patronato se situava nos Estados Unidos”. O âmbito do bloqueio tinha torpedeado a iniciativa de um adolescente espanhol, mas, paradoxalmente, oito anos mais tarde, este jovem acabou por transformar o documentário numa denúncia detalhada do bloqueio, que ele considera um instrumento não só contra o carácter socialista de Cuba, mas também um meio de assumir o controlo da ilha, proibindo qualquer pessoa de negociar com ela, incluindo aliados da UE.

Tendo encerrado a rota do patrocínio, organizaram um concerto no Auditório Marcelino Camacho, através da mediação de Cayo Lara, que tinha participado na campanha de patrocínio, mas não conseguiram angariar mais do que o dinheiro suficiente para cobrir as despesas. No final, foi a vontade, a imaginação e a ousadia que tornaram possível este filme “0 custo”, nas palavras do seu realizador. Em 2017 e 2019, Gregori e outros colegas da Furor Producciones inscreveram-se como jornalistas na Feira Internacional de Turismo em Havana e utilizaram o seu tempo livre para filmar os testemunhos que aparecem no documentário.

%d bloggers like this: