A razão é o nosso escudo…

#LaRazonEsNuestroEscudo #XCubaYo #CubaLibreYSoberana #UnblockCuba

Por Redacción Razones de Cuba

Após meses difíceis de pandemia, de uma crise económica mundial chocante, de um bloqueio intensificado e sustentado – que aparentemente atingiu o nosso povo – Cuba começa a reavivar a sua vida social, espaços e serviços públicos, escolas, turismo e outros sectores da economia.

Já somos o país das Américas com a maior percentagem da população com pelo menos uma dose administrada das vacinas contra a COVID-19, o país com a maior taxa de vacinação diária do mundo e o único que conseguiu desenvolver uma campanha maciça para crianças a partir dos dois anos de idade; tudo isto foi possível graças à capacidade do país para produzir as suas próprias vacinas, como resultado da política científica elaborada e promovida por Fidel e do talento de homens e mulheres forjados pela Revolução.

Estamos a erguer-nos com a nossa própria força, com o espírito inflexível, dignidade e resiliência do nosso povo, com a liderança serena e firme do país, com o espírito de vitória e a criatividade que tem sido cultivada no meio de tantos anos de duras batalhas.

Aqueles que apostaram no fracasso do Socialismo em Cuba e viram o 11 de Julho como o golpe definitivo para a Revolução, estão frustrados e apressados nos seus planos. Estão a tentar impedir qualquer possibilidade de bem-estar, desenvolvimento individual e colectivo, tranquilidade cívica e paz na nossa pátria.

É por isso que estão a promover várias acções de desestabilização no país, a fim de provocar um incidente que conduzirá a uma explosão social que provocará a tão almejada intervenção militar, que estão a exigir com veemência em Miami e mesmo em frente da própria Casa Branca.

Nem 62 anos de bloqueio nem as suas 243 medidas adicionais foram capazes nem serão capazes de nos derrubar, daí a repetida tentativa de um “golpe suave”. Faz parte da guerra não convencional que eles se aplicam a nós com intensidade. Ataque em cima do golpe.

No Relatório Central ao 8º Congresso do Partido, o General do Exército Raul Castro Ruz advertiu:

“O programa de subversão e influência ideológica e cultural foi redobrado, visando desacreditar o modelo socialista de desenvolvimento e apresentando-nos a restauração capitalista como a única alternativa.

“A componente subversiva da política dos EUA em relação a Cuba está centrada em minar a unidade nacional. Neste sentido, é dada prioridade a acções dirigidas aos jovens, mulheres e académicos, ao sector artístico e intelectual, jornalistas, desportistas, pessoas de diversidade sexual e de religiões. Questões de interesse para grupos específicos ligados à protecção dos animais, ao ambiente, ou a manifestações artísticas e culturais são manipuladas, todas com o objectivo de desconsiderar as instituições existentes.

“Ao mesmo tempo, cresce o apoio monetário ao desenvolvimento de plataformas para gerar conteúdos ideológicos que apelam abertamente ao derrube da Revolução, lançam apelos a manifestações em espaços públicos, incitam à sabotagem e a actos terroristas, incluindo o assassinato de agentes da lei e de representantes do poder revolucionário. Sem a menor modéstia declaram as taxas pagas pelos Estados Unidos aos executores destas acções criminosas.

“Não esqueçamos que o governo dos EUA criou o “Grupo de Trabalho Internet para Cuba” que visa transformar as redes sociais em canais de subversão, criando redes sem fios fora do controlo do Estado e levando a cabo ataques cibernéticos a infra-estruturas críticas.

[…]

“A mentira, a manipulação e a difusão de notícias falsas já não conhecem limites. Através deles, uma imagem virtual de Cuba como uma sociedade moribunda e sem futuro, à beira do colapso e dando lugar à desejada explosão social, está a ser moldada e divulgada aos quatro ventos”.

Sectores da contra-revolução tradicional e novos personagens, educados em cursos de liderança financiados por fundações americanas ou pelo orçamento federal dos EUA, uniram forças para tentar alcançar estes objectivos. Falta-lhes uma base social no país, mas são devidamente instruídos, financiados e apoiados a partir do estrangeiro.

O império coloca dinheiro e expectativas nos anexadores treinados por eles, que sob a falsa bandeira do pacifismo procuram provocar nova agitação, gerar o caos e induzir a desestabilização do país.

Nas últimas semanas, tornaram públicas as suas intenções de realizar uma marcha supostamente pacífica em Novembro, concebida para ter lugar simultaneamente em várias cidades de todo o país. As suas intenções declaradas e esquema organizacional revelam uma provocação articulada como parte da estratégia de “mudança de regime” para Cuba, que já foi tentada anteriormente noutros países.

Eles escolhem datas com um certo simbolismo… Mas desta vez parece que também queriam mostrar a sua estatura anexionista. Será que queriam celebrar o aniversário do Presidente Biden com um ataque à Revolução que tem incomodado tanto as administrações imperiais durante 62 anos? Ficaram em falta.

Um dos seus promotores foi formado em cursos patrocinados pela fundação de direita argentina CADAL, universidades americanas e think tanks como o Carniege Fund for International Peace (dirigido até há pouco tempo pelo actual director da CIA, William J. Burns). Entre os temas da sua doutrinação têm sido a formação de líderes, o confronto contra estruturas governamentais, a dinâmica de mobilização, e o papel das forças armadas na “transição democrática”.

A 11 de Julho último, foi o organizador de uma tentativa de aquisição do ICRT, cumprindo a instrução 167 do Workshop de Acção Não-Violenta, que afirma: “ataques” não violentos: invasões: começar com uma marcha e tomar posse pacífica de um lugar ou propriedade.

Mais recentemente, juntou-se a um projecto subversivo em vestuário académico, no qual partilha um lugar no seu Conselho Deliberativo com o terrorista Orlando Gutiérrez Boronat.

Entre os organizadores da manifestação de Novembro encontram-se os líderes contra-revolucionários do chamado Conselho para a Transição Democrática de Cuba, uma plataforma que se articula em torno do golpe anticonstitucional no país, e que reconheceram abertamente receber financiamento do National Endowment for Democracy (NED), uma frente para o governo dos EUA.

Assim que foi anunciada pelos seus organizadores, a marcha recebeu o apoio público e notório dos legisladores americanos, dos operadores políticos da máfia anti-cubana e dos meios de comunicação social que encorajam acções contra a Revolução.

Tweets, declarações, Assembleias de Resistência e outras acções frenéticas enchem Miami nestes dias, como se a manifestação se realizasse naquela cidade. Mudança de regime, derrubamento do governo e intervenção militar é mais uma vez a narrativa dominante no Sul da Florida.

Entre os mais fervorosos apoiantes da provocação estão os congressistas Marco Rubio, Mario Díaz-Balart e María Elvira Salazar; o terrorista reconvertido Gutiérrez Boronat (que declarou o seu apoio a esta acção “para derrubar o regime”), a Fundação Nacional Cubano-Americana e a comitiva mercenária da Brigada 2506, cujo actual presidente declarou em Miami que “Com estas medidas será fomentada uma explosão dentro de Cuba para que mais uma vez os nossos irmãos tomem as ruas e isto conduzirá ao colapso de um regime…. “

Como denunciou a MintPressNews, muitos dos operadores da campanha de comunicação social digital em apoio à manifestação são residentes na Florida e noutros estados dos EUA. “O envolvimento de cidadãos estrangeiros nos assuntos internos de Cuba está a um nível dificilmente concebível nos Estados Unidos”, diz a publicação.

O envolvimento directo do governo dos EUA na farsa contra-revolucionária é também explícito e provocador. Não foi tomado qualquer cuidado para o esconder e ninguém o pode fazer honestamente. Os altos funcionários governamentais estão directamente envolvidos na sua promoção e, com o apoio dos serviços especiais, na sua organização. Um instrumento importante, embora não o único, é a embaixada dos EUA em Cuba, cujas declarações públicas incluem frequentemente uma ingerência flagrante nos assuntos internos da nação.

Este gabinete, fruto dos acordos bilaterais assinados em 2015 para formalizar as relações diplomáticas entre os dois países, não cumpriu qualquer função diplomática durante anos. Não serve sequer para fornecer os serviços consulares e de migração que os cidadãos de ambos os países exigem e dos quais dependem.

Os seus funcionários, incluindo o Encarregado de Negócios, são obrigados a desempenhar o papel indigno de babysitters para os expoentes contra-revolucionários e provocadores no nosso país, com a ingrata tarefa de ficar atrás deles, fornecendo-lhes apoio logístico e material, bem como aconselhamento e orientação. Tudo é conhecido e documentado. A própria actividade da embaixada em redes digitais fornece provas do que está a acontecer e do que a contra-revolução está a fazer.

Tal comportamento está em total violação do direito internacional e, em particular, da Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas.

Com tais patrocinadores e intenções declaradas, é muito difícil presumir civilidade e pacifismo na acção convocada para Novembro. Muito menos de intenções legítimas e soberanas.

O que está aqui em jogo, e ninguém deve ter dúvidas, é o direito de Cuba de se defender contra a agressão estrangeira, independentemente do disfarce que esta assuma.

Os organizadores tentam camuflar-se na Constituição para legitimar a provocação. Utilizam preceitos constitucionais para defender estratégias inconstitucionais. Invocam o direito de manifestação tal como expresso na Carta Magna, mas esquecem que a própria Constituição, no artigo 45, declara que os direitos das pessoas são limitados, entre outras coisas, pelo respeito por esta norma suprema: “O exercício dos direitos das pessoas é limitado apenas pelos direitos dos outros, segurança colectiva, bem-estar geral, respeito pela ordem pública, a Constituição e as leis”.

Esta Carta Magna, aprovada em referendo há apenas três anos por 86,85% dos eleitores, define claramente no Artigo 4 que: “O sistema socialista aprovado por esta Constituição é irrevogável”. E no artigo 229 também declara que “Em caso algum são reformáveis as declarações sobre a irrevogabilidade do sistema socialista estabelecidas no artigo 4, e a proibição de negociar nas circunstâncias previstas no artigo 16 (a)”.

É evidente que nem agora nem no futuro o direito de manifestação pode ser utilizado para subverter o sistema político, para derrubar o projecto socialista cubano ou para estabelecer alianças com grupos e organizações que recebem financiamento estrangeiro com o objectivo de promover os interesses do governo dos EUA e de outras potências estrangeiras.

Não existe no nosso país o direito de agir a favor dos interesses de uma potência estrangeira e de colocar em risco a estabilidade dos nossos cidadãos. É inconstitucional, ilegítimo e imoral subscrever um projecto anexionista. As nossas leis assim o dizem e a nossa história assim o diz.

Foi isto que o nosso Herói Nacional José Martí advertiu: “Há outro plano mais sinistro para a nossa terra do que o que conhecemos até agora, e que é o plano iníquo de forçar a ilha, de a precipitar em guerra para ter um pretexto para intervir na mesma, e com o crédito de mediador e fiador, de a guardar para si próprios. (…) Morrer, a fim de dar uma base para a ascensão destas pessoas que nos empurram para a morte em seu próprio benefício? As nossas vidas valem mais, e é necessário que a ilha o saiba a tempo, e há cubanos, cubanos, que servem estes interesses, com manifestações disfarçadas de patriotismo”.

Basta de mentiras e de manipulações grosseiras dos factos. Ninguém vai ser esmagado por tanques nas ruas à medida que os porta-vozes da próxima provocação se tiverem espalhado. O exercício Moncada faz parte da formação que estamos constantemente a fazer na preparação para a defesa. Face a provocações como esta, somos assistidos pelo acto mais legítimo em defesa do povo e das suas conquistas.

Dignidade, resistência e unidade são as nossas forças mais poderosas face à acção desonrosa e anexadora desonrosa que serve o inimigo histórico da nação cubana no seu plano de nos fracturar e dividir a fim de nos derrotar.

Não conseguiram e não conseguirão fazê-lo. A razão é o nosso escudo.

Autor: tudoparaminhacuba

Adiamos nossas vozes hoje e sempre por Cuba. Faz da tua vida sino que toque o sulco, que floresça e frutifique a árvore luminoso da ideia. Levanta a tua voz sobre a voz sem nome dos outros, e faz com que se veja junto ao poeta o homem. Encha todo o teu espírito de lume, procura o empenamento da cume, e se o apoio rugoso do teu bastão, embate algum obstáculo ao teu desejo, ¡ ABANA A ASA DO ATREVIMENTO, PERANTE O ATREVIMENTO DO OBSTÁCULO ! (Palavras Fundamentais, Nicolás Guillen)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: