Os angolanos apoiam a resistência de Cuba contra as agressões dos EUA . #Cuba #Angola #ElBloqueoEsReal #UnBlockCuba

#Cuba #Angola #ElBloqueoEsReal #UnBlockCuba

Prensa Latina
Cuba recebeu novos sinais de solidariedade dos angolanos, que denunciaram aqui as agressões dos Estados Unidos contra a nação das Caraíbas e recordaram o legado histórico de Fidel Castro.

Ao abrigo das medidas de biossegurança impostas pelo Covid-19, um campus educacional em Luanda serviu de cenário para o encontro, para o qual foram convidados diplomatas da ilha, liderados pela Embaixadora Esther Armenteros.

O encontro teve lugar no Instituto Técnico de Saúde “Comandante Fidel Castro Ruz”, um lugar que evoca os estreitos laços de fraternidade entre os dois povos, disse Armenteros e o assessor de imprensa e cultura, Raúl González.

Foi um acto simbólico, com um número reduzido de participantes devido à pandemia, “mas não podíamos ignorar o aniversário de Fidel” a 13 de Agosto, disse o director-geral da escola, Antonio Pacavira.

Segundo ele, “Cuba é o fruto que nunca caiu e nunca cairá”, embora os governos dos EUA mantenham a doutrina Monroe, adoptada desde 1823 sob a ideia de que os países da América Latina cairiam como frutos maduros nas mãos de Washington.

O licenciado em psicologia sublinhou a rejeição internacional do bloqueio económico, comercial e financeiro imposto ao país antilhano há mais de meio século pela potência norte-americana.
Eles punem o povo cubano porque a sua Revolução é um exemplo de solidariedade para com o mundo”, disse o orador, que lamentou o uso de redes sociais para espalhar mentiras e falsas notícias sobre a realidade diária naquele estado insular.

Se Fidel Castro estivesse agora connosco, estaria a apelar à cooperação e solidariedade global para enfrentar o Covid-19, a única forma de pôr fim ao flagelo da doença, disse o intelectual.
Para o seu compatriota Nuno Francisco, chefe da associação de antigos estudantes angolanos formados em Cuba, essa nação poderá sempre contar com o apoio das populações africanas.

“Vim para a Ilha da Juventude (no sul do arquipélago cubano) quando tinha apenas 13 anos de idade e voltei depois de terminar a universidade; é por isso que digo sempre que sou filho de duas revoluções, de dois povos irmãos”, disse ele.

Segundo o professor reformado Viegas Baptista, ele fez parte dos primeiros grupos de jovens angolanos formados na maior ilha das Antilhas, onde nasceu o seu filho primogénito e anos mais tarde as suas duas filhas estudaram medicina.

Aos 67 anos de idade, disse ao Prensa Latina, sente-se “regozijado e feliz” com uma experiência de melhoria cultural, que também lhe deu a oportunidade de ensinar bolsistas do seu país em Cuba.
“Ensinei português e a geografia e história de Angola, que foram essenciais na educação desses estudantes, longe da sua pátria”, disse ele.

Ministro da Cultura denuncia campanha contra-revolucionária contra a Bienal de Havana.

#BienalDeLaHabana #PasionXCuba #UnblockCuba #PuentesDeAmor #XCubaYo

O Ministro da Cultura de Cuba, Alpidio Alonso, denunciou hoje a existência de uma campanha contra-revolucionária contra a Bienal de Havana e confirmou que o evento se realizará a pedido dos próprios artistas da ilha.

“Denuncio a partir daqui a campanha contra-revolucionária contra a Bienal de Havana, que compra opiniões e tenta utilizar artistas como operadores políticos. Fá-lo-emos porque foi publicamente solicitado por criadores cubanos em diálogo franco”, disse o chefe da organização.

Imagen

Estas acções, disse, fazem parte de uma campanha contra-revolucionária contra o sector cultural, em paralelo ao bloqueio económico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos, e referiu-se aos planos de subversão orquestrados por Washington com a compra de opiniões e a pressão sobre intelectuais e jornalistas.

Alonso anunciou também que o México será o convidado de honra na 30ª edição da Feira Internacional do Livro de Havana, agendada para Fevereiro de 2022.

A nação asteca tem uma imensa tradição literária, para além do extenso intercâmbio e relações entre os dois países durante vários séculos. Graças à vontade do México de participar neste evento, poderemos aceder ao seu património passado e contemporâneo”, reconheceu ele.

Com este convite, respondemos também à solidariedade historicamente expressa pelo povo mexicano, intensificada nestes dias do Festival Internacional Cervantino, com sede em Guanajuato, e durante a visita do Presidente Miguel Díaz-Canel Bermúdez, em Setembro passado”, assegurou ele.

Venezuela e UE ultrapassam “impasse” em relação aos observadores eleitorais.

#Venezuela #UnionEuropea

Continuam a surgir provas sobre as ligações do Arquipélago à violênciaCIA. Eliecer Apretaste!

#ManipulacionMediatica #RedesSociales #TuMarchaNoMeConvence #NosVemosEl15 #PasionXCuba

A #CIA repete a sua história contra #Cuba .

#SubversionContraCuba #CIA #FBI #EstadosUnidos #Cuba

Por Arthur González

Apesar de tantos fracassos em 62 anos, a CIA e o governo dos EUA insistem em derrubar o socialismo em Cuba e por isso repetem velhos planos, como se os cubanos fossem estúpidos, esquecidos e inexperientes.

É verdade que existe uma nova geração de líderes na ilha, mas todos eles cresceram sob a educação histórica das acções ianques para destruir a Revolução, incluindo planos de terrorismo de estado, subversão política e operações secretas para assassinar Fidel Castro, algo que parece que os actuais oficiais da CIA não têm em conta e é por isso que as suas acções falham.

Em 18 de Janeiro de 1962, o Presidente J.F. Kennedy, amargurado pelo engano da CIA na invasão da Baía dos Porcos, revelou ao seu irmão Robert Kennedy, Procurador-Geral: “O último capítulo sobre Cuba ainda não foi escrito, tem de ser escrito e será escrito”.

Esta decisão foi comunicada ao novo director da CIA com a seguinte declaração:

“Uma solução para o problema cubano é uma alta prioridade para o governo dos EUA neste momento, tudo o resto é secundário e nenhum tempo, dinheiro, esforço ou recursos humanos serão poupados”.

Nada mudou, parecem ter dito ontem, razão pela qual estão tão empenhados nos seus desejos e com a provocação prevista para 15 de Novembro de 2021, com uma suposta marcha planeada a partir dos Estados Unidos, utilizando a imagem do dramaturgo Yúnior García e do terrorista Orlando Gutiérrez Boronat.

Uma simples revisão dos antigos planos secretos da CIA, como o aprovado em Janeiro de 1962, mostra a semelhança de objectivos que pretendem alcançar com a marcha, uma vez que no conhecido Projecto Cuba ou Operação Mangustoé, é indicado:Name=n1065; HotwordStyle=BookDefault;

“O objectivo dos Estados Unidos é ajudar os cubanos a derrubar o regime comunista em Cuba e a instalar um novo governo com o qual os Estados Unidos possam viver em paz”.

“Para o conseguir, a operação terá como objectivo provocar uma rebelião do povo cubano. Esta revolta derrubará o regime comunista e instalará um novo governo com o qual os Estados Unidos poderão viver em paz. A revolta necessita de um movimento de acção política fortemente motivado e enraizado em Cuba, capaz de gerar a rebelião, de a orientar para o objectivo desejado e de tirar partido do seu clímax”.

“A fase de preparação deve culminar numa organização de acção política localizada em locais-chave em Cuba, com os seus próprios meios de comunicação interna, a sua própria voz para operações psicológicas e a sua própria arma de acção. Deve ter o apoio da maioria do povo cubano, e esse facto irá torná-lo conhecido do mundo”.

“O clímax da revolta sairá da reacção irada do povo a um acontecimento governamental (produzido por um incidente), ou a uma fenda na liderança política do regime, ou a ambos. O seu desencadeamento deve ser um objectivo primordial do projecto. O movimento popular aproveitará o momento de clímax para iniciar uma revolta aberta”.

Se analisarmos o apelo feito pelos elementos contra-revolucionários internos em várias cidades cubanas, mais a campanha concebida nas redes sociais, vemos que tudo é semelhante ao Projecto de 1962 e que resultou num fiasco total.

Nessa altura, foi atribuída à CIA a tarefa de seleccionar 20 locais em Cuba onde poderiam ser estabelecidos grupos de acção política. Os principais foram Havana e alguns nas províncias de Camagüey e Las Villas.

Uma tarefa significativa do antigo Projecto Cuba, que agora repetem, foi a que afirma:

“A CIA concluiu que o seu verdadeiro papel será criar a ilusão de que um movimento popular ganha apoio externo e ajudar a estabelecer um clima que permita actos provocatórios em apoio de uma mudança para uma acção aberta, através do aumento da sua capacidade operacional”.

“A CIA vai completar os seus planos de acções encobertas e enganosas para ajudar a dividir o regime comunista em Cuba, juntamente com a colaboração dos Departamentos da Defesa, do Estado e do FBI.

Quem pode negar que, no seu plano actual de convocar a marcha a 15 de Novembro de 2021, a CIA não desempenha o mesmo papel que desempenhou em 1962?

Uma das tarefas então concebidas é coincidente com a de hoje, afirmando:

“A CIA e a Agência de Informação dos EUA informarão sobre o progresso no processo de identificação do movimento popular dentro de Cuba, com canções, símbolos e temas de propaganda”.

Será a canção Patria o Vida, interpretada por Gente de Zona e Yotuel Romero, apenas uma coincidência?

Não há aqui coincidência, porque os factos mostram que os Yankees insistem na mesma determinação e já não têm mais medidas para inventar, porque em meio século utilizaram tudo indescritível para realizar os seus sonhos.

Não é por acaso que reforçam a sua guerra económica, comercial e financeira contra o povo cubano, calculando que esta é a única forma possível de fazer o governo revolucionário falhar nos seus esforços para satisfazer as necessidades do país, para além das campanhas psicológicas levadas a cabo pela CIA para aumentar o ressentimento da população, uma combinação que poderia servir como argumento para a contra-revolução para conseguir que os cubanos se juntem à marcha sonhada.

É um erro crasso da parte dos Yankees que não se apercebem que o povo da ilha está bem preparado e vêem todos os dias o que se passa na América Latina, onde não há socialismo mas governos neoliberais incapazes de proporcionar aos seus cidadãos educação, saúde, emprego e alimentação, causando longas caravanas de emigrantes em fuga do capitalismo e não precisamente do comunismo.

Se os Estados Unidos quiserem medir as suas forças, receberão uma forte resposta revolucionária da imensa maioria do povo cubano e mais uma vez terão de morder o pó da derrota, porque, como disse José Martí:

“Os empreendimentos históricos são impossíveis quando não são desejados e encorajados pela vontade de um povo”.

%d bloggers like this: