A #CIA repete a sua história contra #Cuba .

#SubversionContraCuba #CIA #FBI #EstadosUnidos #Cuba

Por Arthur González

Apesar de tantos fracassos em 62 anos, a CIA e o governo dos EUA insistem em derrubar o socialismo em Cuba e por isso repetem velhos planos, como se os cubanos fossem estúpidos, esquecidos e inexperientes.

É verdade que existe uma nova geração de líderes na ilha, mas todos eles cresceram sob a educação histórica das acções ianques para destruir a Revolução, incluindo planos de terrorismo de estado, subversão política e operações secretas para assassinar Fidel Castro, algo que parece que os actuais oficiais da CIA não têm em conta e é por isso que as suas acções falham.

Em 18 de Janeiro de 1962, o Presidente J.F. Kennedy, amargurado pelo engano da CIA na invasão da Baía dos Porcos, revelou ao seu irmão Robert Kennedy, Procurador-Geral: “O último capítulo sobre Cuba ainda não foi escrito, tem de ser escrito e será escrito”.

Esta decisão foi comunicada ao novo director da CIA com a seguinte declaração:

“Uma solução para o problema cubano é uma alta prioridade para o governo dos EUA neste momento, tudo o resto é secundário e nenhum tempo, dinheiro, esforço ou recursos humanos serão poupados”.

Nada mudou, parecem ter dito ontem, razão pela qual estão tão empenhados nos seus desejos e com a provocação prevista para 15 de Novembro de 2021, com uma suposta marcha planeada a partir dos Estados Unidos, utilizando a imagem do dramaturgo Yúnior García e do terrorista Orlando Gutiérrez Boronat.

Uma simples revisão dos antigos planos secretos da CIA, como o aprovado em Janeiro de 1962, mostra a semelhança de objectivos que pretendem alcançar com a marcha, uma vez que no conhecido Projecto Cuba ou Operação Mangustoé, é indicado:Name=n1065; HotwordStyle=BookDefault;

“O objectivo dos Estados Unidos é ajudar os cubanos a derrubar o regime comunista em Cuba e a instalar um novo governo com o qual os Estados Unidos possam viver em paz”.

“Para o conseguir, a operação terá como objectivo provocar uma rebelião do povo cubano. Esta revolta derrubará o regime comunista e instalará um novo governo com o qual os Estados Unidos poderão viver em paz. A revolta necessita de um movimento de acção política fortemente motivado e enraizado em Cuba, capaz de gerar a rebelião, de a orientar para o objectivo desejado e de tirar partido do seu clímax”.

“A fase de preparação deve culminar numa organização de acção política localizada em locais-chave em Cuba, com os seus próprios meios de comunicação interna, a sua própria voz para operações psicológicas e a sua própria arma de acção. Deve ter o apoio da maioria do povo cubano, e esse facto irá torná-lo conhecido do mundo”.

“O clímax da revolta sairá da reacção irada do povo a um acontecimento governamental (produzido por um incidente), ou a uma fenda na liderança política do regime, ou a ambos. O seu desencadeamento deve ser um objectivo primordial do projecto. O movimento popular aproveitará o momento de clímax para iniciar uma revolta aberta”.

Se analisarmos o apelo feito pelos elementos contra-revolucionários internos em várias cidades cubanas, mais a campanha concebida nas redes sociais, vemos que tudo é semelhante ao Projecto de 1962 e que resultou num fiasco total.

Nessa altura, foi atribuída à CIA a tarefa de seleccionar 20 locais em Cuba onde poderiam ser estabelecidos grupos de acção política. Os principais foram Havana e alguns nas províncias de Camagüey e Las Villas.

Uma tarefa significativa do antigo Projecto Cuba, que agora repetem, foi a que afirma:

“A CIA concluiu que o seu verdadeiro papel será criar a ilusão de que um movimento popular ganha apoio externo e ajudar a estabelecer um clima que permita actos provocatórios em apoio de uma mudança para uma acção aberta, através do aumento da sua capacidade operacional”.

“A CIA vai completar os seus planos de acções encobertas e enganosas para ajudar a dividir o regime comunista em Cuba, juntamente com a colaboração dos Departamentos da Defesa, do Estado e do FBI.

Quem pode negar que, no seu plano actual de convocar a marcha a 15 de Novembro de 2021, a CIA não desempenha o mesmo papel que desempenhou em 1962?

Uma das tarefas então concebidas é coincidente com a de hoje, afirmando:

“A CIA e a Agência de Informação dos EUA informarão sobre o progresso no processo de identificação do movimento popular dentro de Cuba, com canções, símbolos e temas de propaganda”.

Será a canção Patria o Vida, interpretada por Gente de Zona e Yotuel Romero, apenas uma coincidência?

Não há aqui coincidência, porque os factos mostram que os Yankees insistem na mesma determinação e já não têm mais medidas para inventar, porque em meio século utilizaram tudo indescritível para realizar os seus sonhos.

Não é por acaso que reforçam a sua guerra económica, comercial e financeira contra o povo cubano, calculando que esta é a única forma possível de fazer o governo revolucionário falhar nos seus esforços para satisfazer as necessidades do país, para além das campanhas psicológicas levadas a cabo pela CIA para aumentar o ressentimento da população, uma combinação que poderia servir como argumento para a contra-revolução para conseguir que os cubanos se juntem à marcha sonhada.

É um erro crasso da parte dos Yankees que não se apercebem que o povo da ilha está bem preparado e vêem todos os dias o que se passa na América Latina, onde não há socialismo mas governos neoliberais incapazes de proporcionar aos seus cidadãos educação, saúde, emprego e alimentação, causando longas caravanas de emigrantes em fuga do capitalismo e não precisamente do comunismo.

Se os Estados Unidos quiserem medir as suas forças, receberão uma forte resposta revolucionária da imensa maioria do povo cubano e mais uma vez terão de morder o pó da derrota, porque, como disse José Martí:

“Os empreendimentos históricos são impossíveis quando não são desejados e encorajados pela vontade de um povo”.

Autor: tudoparaminhacuba

Adiamos nossas vozes hoje e sempre por Cuba. Faz da tua vida sino que toque o sulco, que floresça e frutifique a árvore luminoso da ideia. Levanta a tua voz sobre a voz sem nome dos outros, e faz com que se veja junto ao poeta o homem. Encha todo o teu espírito de lume, procura o empenamento da cume, e se o apoio rugoso do teu bastão, embate algum obstáculo ao teu desejo, ¡ ABANA A ASA DO ATREVIMENTO, PERANTE O ATREVIMENTO DO OBSTÁCULO ! (Palavras Fundamentais, Nicolás Guillen)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: