Lei, ou algaraviar para meter um “Gato por liebre”?

#ConstituciónCubana #UnaSolaRevolucion #LaRazonEsNuestroEscudo #UnMejorPais

Por Ernesto Estévez Rams

Vivemos num planeta dominado pela hegemonia do capitalismo – mundo manifestado em formas imperiais e subimperiais, antes de mais pelos EUA desde a sua emergência após a Segunda Guerra Mundial. Numa época de declínio da hegemonia imperial dos EUA no planeta, vemos a formação cada vez mais evidente de blocos regionais que de alguma forma lhe estão contrapostos. Estes blocos, em alguns casos, são mesmo manifestações de certas burguesias nacionais cujos interesses não se alinham necessariamente com os dos EUA.

Por razões históricas e geográficas, a subordinação da América Latina à hegemonia dos EUA é muito mais acentuada e em condições de vassalagem muito mais manifestas do que em outras regiões do mundo. Pela mesma razão, a nossa região tem vindo a travar uma batalha aguda em termos contra-hegemónicos há décadas. As burguesias latino-americanas há muito que não têm capacidade e força para se estabelecerem em oposição aos EUA, mesmo que estes últimos limitem o seu próprio desenvolvimento como classe: é uma burguesia cliente.

Há tentativas de certos sectores nacionalistas das burguesias latino-americanas de se contraporem à hegemonia dos EUA, mas o seu alcance real tem sido muito limitado. A sua própria hegemonia dentro dos seus países é, quando muito, muito instável, o que levou a mais do que alguns golpes de Estado e outras derrotas violentas mais ou menos disfarçadas de uma certa legalidade “democrática”.

Esta realidade global e, em particular, regional significa que os nossos sistemas jurídicos, incluindo as constituições, não são um exercício endógeno que tem lugar fora deste contexto. Neste momento, vemos esta luta na União Europeia, onde a relação entre as constituições nacionais e a ordem política consagrada de forma supranacional no bloco está a ser discutida em termos muito concretos. O Supremo Tribunal polaco decidiu que certas disposições da UE são contrárias à Constituição polaca.

Na Europa, esta luta disfarça a violência com que se instala por detrás de uma etapa “democrática”. Noutras regiões, não há muita paciência para tais diligências e elas são rapidamente desmanteladas para mostrar a sua violência de uma forma flagrante e brutal. Quando Zelaya quis mudar a ordem constitucional do seu país, com a intenção explícita de reduzir a capacidade imperial de intervir na mesma, um golpe de Estado terminou de forma rápida e expedita, enquanto a Secretária de Estado Hilary Clinton aplaudiu sem hesitações a violação das aparentes regras teatrais, e o fim abrupto da peça com aquele deus ex machina de intervenção.

As constituições, como toda a jurisprudência que emana, num dado momento, da organização política de uma sociedade, reflectem correlações de forças internas e externas. Mas em última análise, como Marx analisou, respondem às relações de produção subjacentes, que é a classe no poder e a força da sua hegemonia face a outras classes, mas desde a emergência do imperialismo capitalista global, estas relações de produção e estas correlações de classe já não estão confinadas ao país, respondem de forma marcada às relações de classe que se estabelecem a nível supranacional. Podem reflectir, por exemplo, a capacidade de uma burguesia nacional de se proteger contra a invasão de burguesias estrangeiras. As constituições respondem aos sistemas económicos dos quais emergem. Este é um argumento antigo e bem conhecido, sistematizado por muitos, incluindo num bom número de páginas do antigo Marx.

Alguns nas suas análises constitucionais esquecem-no, ou querem que o esqueçamos. O que é novo, talvez hoje, é que o carácter de classe das leis é mais evidente e directo, que não se limita ao Estado-nação mas vai para além dele, mesmo que as leis mantenham o seu carácter nacional.

Em Cuba, todas as nossas constituições, mas em particular as que surgiram desde o triunfo da Revolução, não são apenas uma manifestação de uma ordem económica e política interna específica, mas respondem a um contexto supranacional que, em última análise, determina a nossa capacidade de sermos uma nação, ou seja, a nossa soberania, também vista como uma questão de classe; qualquer análise que ignore esta realidade como um facto essencial, grita mais pelos seus silêncios do que pelo que diz.

Os nossos artigos constitucionais sobre a irreversibilidade do socialismo e o partido único são, em primeiro lugar, artigos que respondem a este contexto supranacional, ou seja, da agressão do imperialismo global, em particular do imperialismo dos EUA contra Cuba como um Estado-nação. Vê-los de uma perspectiva endógena é puramente miópico, inconsciente ou tendencioso. Nesse sentido, estes artigos não são puramente “ideologia”, são uma manifestação, no espaço da lei, de uma vontade de defender o Estado como representação da soberania de classe que nos demos a nós próprios face ao imperialismo americano. É impressionante como tudo isto é ignorado em análises que tentam erguer como um direito “moral” justificado por certas doutrinas, ditadas à margem da nossa realidade concreta, acções políticas contra estes preceitos constitucionais e que tentam reduzir o debate a uma mera questão endógena. Cada acção política em Cuba determina o seu carácter, qualquer que seja o seu tipo, pelo posicionamento que assume na prática face ao dilema essencial da nação cubana: a sua forma de existência baseada na classe face ao imperialismo ianque.

Toda a acção política que é instrumental para a agressão dos EUA é essencialmente violenta e ilegítima, porque é útil para o exercício violento desse imperialismo. A nossa batalha dentro de Cuba é manter internamente uma esmagadora correlação socialista de forças que contraria a correlação imensamente desfavorável das forças da hegemonia imperialista fora de Cuba. As nossas leis devem responder a esta realidade. Como Fidel disse em clara síntese, a Constituição cubana é a filha da Revolução e não o contrário. E essa Revolução, protegida pela nossa história, é nacionalista, anti-imperialista e socialista. O resto é uma algaraviada para nos vender um porco num espeto.

Autor: tudoparaminhacuba

Adiamos nossas vozes hoje e sempre por Cuba. Faz da tua vida sino que toque o sulco, que floresça e frutifique a árvore luminoso da ideia. Levanta a tua voz sobre a voz sem nome dos outros, e faz com que se veja junto ao poeta o homem. Encha todo o teu espírito de lume, procura o empenamento da cume, e se o apoio rugoso do teu bastão, embate algum obstáculo ao teu desejo, ¡ ABANA A ASA DO ATREVIMENTO, PERANTE O ATREVIMENTO DO OBSTÁCULO ! (Palavras Fundamentais, Nicolás Guillen)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: