#CubaSalvaVidas e chega a cada canto de 🌍 com a sua solidariedade.

#CubaViva #Angola-Cuba

Partilhamos 📸 de ontem na comunidade do Cazenga, uma das mais povoadas de Luanda, onde médicos cubanos e angolanos, como equipa, atenderam mais de 2.000 pessoas.
A Feira da Saúde prestou homenagem à independência de #Angola🇦🇴, o dia do professor angolano, o 5º aniversário do desaparecimento físico de #Fidel e os 46 anos de relações diplomáticas entre as duas nações.
Foi organizado com o apoio das autoridades locais, da Associação de Antigos Estudantes Angolanos em #Cuba (Caimaneros), da Clínica Meditex, da Embaixada de Cuba e de outras organizações de solidariedade.

O significado de Fidel Castro destacado na Costa Rica.

#FidelCastro #FidelVive #CostaRica #Cuba

Os participantes no programa Alternativas, na Rádio 16 da Costa Rica, destacaram hoje a transcendência do pensamento do líder histórico da Revolução Cubana, no quinto aniversário do seu desaparecimento físico.

Durante as duas horas do programa, intitulado Con su luz presente: No aniversário do desaparecimento físico de Fidel Castro, os oradores falaram sobre o líder cubano, contaram anedotas e insistiram na necessidade de estudar o seu pensamento e obra.

O professor universitário Abner Barrera recordou que a escalada ideológica desencadeada contra o triunfo da Revolução Cubana para caluniar tinha Fidel Castro como um dos seus principais alvos.

Depois de destacar Fidel como uma personalidade notável na América Latina, Barrera sustentou que não se conhece nenhum outro caso semelhante que registe mais de 638 conspirações contra a sua vida, provenientes da Agência Central de Inteligência (CIA) dos Estados Unidos e o facto único de pelo menos dois mil jornalistas de todo o mundo terem pedido para se encontrarem com ele todos os anos.

“Portanto, não é uma figura menor ou apenas outro presidente latino-americano; é uma figura central na história do continente, com grande influência na política internacional no século XX e em parte do século XXI”, sublinhou.

Sobre o mito do culto da personalidade, o professor universitário indicou que fiel à ética de Marti que “toda a glória do mundo cabe num grão de milho”, Fidel Castro rejeitou qualquer manifestação deste tipo e foi consistente até às últimas horas da sua vida.

Ele disse que Fidel Castro insistiu que, uma vez falecido, o seu nome e figura nunca deveriam ser usados para nomear instituições, praças, parques, avenidas, ruas ou outros locais públicos, nem deveriam ser erguidos na sua memória monumentos, bustos, estátuas e outras formas semelhantes de tributo.

Por seu lado, o ex-ministro da Cultura, Juventude e Desporto da Costa Rica Arnoldo Mora exaltou que “Fidel é um antes e um depois na história do povo. Fidel é o grito de liberdade de todos os povos. Fidel é uma figura que pertence à história universal. Nasceu em Cuba, lutou em Cuba, foi o governante de Cuba, mas ele pertence a todos nós. Fidel é um legado para a humanidade”.

Por esta razão”, disse o filósofo e académico, “pensamos que o estudo da sua vida, das suas obras, do seu pensamento, das suas ideias faz parte da herança de toda a humanidade, e ele salientou que ao honrarmos Fidel nestes países e em todos os países do mundo, estamos a fazê-lo como parte da nossa.

Qualquer homem que lute pela verdadeira independência do seu povo contra todas as formas de colonialismo ou imperialismo, contra todas as formas de discriminação, encontra um modelo em Fidel.

Cuba, com essa capacidade de resistência, com esse heroísmo do seu povo, e com essa vontade inspirada pela liderança de Fidel, é um exemplo para todo o mundo e esse exemplo é o que mais repulsa o império, o que mais os magoa.

“Honrar Fidel, inspirar-se no seu exemplo, meditar e reflectir sobre as suas ideias, saber que a sua vida continua a ser um farol que ilumina as pessoas em todo o mundo. Fidel é hoje honrado por todos os homens honrados da terra porque Fidel é a herança da humanidade”, disse ele.

Pela sua parte, a segunda secretária da embaixada de Cuba na Costa Rica, Maday Traba, salientou a confiança de Fidel Castro na juventude e é por isso que hoje “nós jovens revolucionários cubanos somos garantes do seu legado e dizemos em voz alta: ‘Eu sou Fidel'”.

Fonte:
Rádio Habana Cuba

Espontaneidade e institucionalidade revolucionária.

#CubaViveEnSuHistoria #UnaSolaRevolucion #CubaVive

Por Raúl A. Palmero Fernández

Uma opinião humilde sobre espontaneidade revolucionária e institucionalidade.

Antes de mais, gostaria de expressar o meu respeito e admiração por este grupo de jovens que tomou a iniciativa de defender a Revolução. Isto tem um valor enorme e um capital simbólico que desequilibrou os nossos inimigos. Eles, os imperialistas e as suas mascotes, não conseguem compreender esta fórmula, pois não a conseguiam compreender quando o Trillo estava no poder. O impacto, que não haja dúvidas, tem sido favorável ao processo, e tem tido um alcance internacional.

Como é possível que espontaneamente, fora das instituições, a juventude cubana defenda “a ditadura”? Bem, eles ainda estão a estudar o fenómeno haha.

Por outro lado, muito caros camaradas participaram no sit-in. Pessoas que não hesitam em defender a Revolução e o Socialismo.

Ao contrário de Trillo, onde houve uma certa preguiça institucional em quebrar a inércia, no caso do sit-in pude ver, como vários dos meus colegas participantes afirmaram, que as autoridades políticas mediaram, conciliaram, acompanharam e aprovaram a iniciativa apresentada por este grupo de jovens.

Devo confessar que tenho algumas diferenças conceptuais com vários dos participantes, que pude verificar lendo entrevistas e ouvindo declarações que fizeram; mas isso não me assusta, porque não sou o portador da verdade absoluta, nem compreendo a força revolucionária como uma frente homogénea. Da mesma forma, posso mencionar nomes de pessoas que usaram os seus cachecóis com os quais me sinto completamente identificado.

Tem sido difícil para mim definir o fenómeno dos Cachecóis Vermelhos, especialmente porque eles próprios deixam claro que não são um movimento. É por isso que tento definir não o facto do sit-in, mas o colectivo de jovens que o organizou e articulou.

Pude observar um grupo de jovens com um elevado nível intelectual e cultural, muitos dos quais estão agrupados em projectos e movimentos não institucionais, que se articularam através de redes sociais ou de certos espaços sindicais que lhes foram oferecidos. É um grupo diversificado, heterogéneo e ecuménico, que se identifica como “esquerdo”, e que, no fundo, se sente comprometido com os princípios da Revolução, com um marcado carácter anti-imperialista.

Alguns declararam que, confrontados com fricções e incompressões com as instituições e organizações, procuraram formas alternativas de organização.

O balanço positivo é evidente. Tanto de um ponto de vista simbólico comunicacional como cultural. Ao mesmo tempo, demonstra a possibilidade e a necessidade de fazer coisas novas, atraentes e sinceras, marcadas pelo selo da epopeia revolucionária. Também transmite uma mensagem de apoio popular ao processo, e reafirma o enriquecimento e a heterogeneidade do pensamento revolucionário cubano.

No entanto, não posso deixar de me preocupar com certas manifestações que despedem como tendo perdido o trabalho original, criativo e eficaz de dentro das organizações. Lutei durante toda a minha curta vida para defender e construir a Revolução a partir do interior das organizações. Claro que me deparei com obstáculos, incompressões e obstáculos, que por vezes sinto que me derrotam, mas compreendo este processo como parte do processo natural de fazer a Revolução.

Temos muitos exemplos na nossa América de processos que têm lutado à margem das organizações durante muitos anos sem conseguir fazer triunfar as suas revoluções.

Com isto não me refiro a ninguém em particular, porque sei que esta não tem sido a opinião unânime ou a atitude prevalecente dos participantes. É uma observação pessoal, uma preocupação sincera, e creio que há também uma responsabilidade sobre aqueles de nós que em algum momento foram capazes de liderar uma organização.

Estou convencido de que a Revolução sem as suas instituições é um organismo sem esqueleto. Podemos ter mil iniciativas, grupos de telegramas, influenciadores, movimentos, minorias reconhecidas e organizadas, canais de todo o tipo; isto fortalece-nos e devemos tentar que dê cada vez mais frutos; mas na fase actual da construção do socialismo em Cuba, perante os desafios históricos e geográficos, a Revolução sem o seu Partido, UJC, FEU, etc. …. duraria tanto tempo como um merengue ao sol.

Ambos os extremos nos levariam ao desastre.

Nem as instituições podem ser fechadas, entidades metafísicas, portadoras de verdade absoluta que negam todo o tipo de espontaneidade e diversidade; nem os projectos independentes e autenticamente revolucionários devem renunciar a participar na melhoria das organizações, trabalhando com o seu apoio, e reconhecendo a institucionalidade revolucionária.

Não estou a dizer que isto nos aconteceu no caso dos Pañuelos, apenas penso que devemos estar atentos, estar alerta.

Não estou a dizer que isto nos aconteceu no caso dos Pañuelos, apenas penso que precisamos de estar conscientes disso, de estar vigilantes.

O sit-in e outras iniciativas têm todo o direito a existir e a continuar a emergir. Caberá a todos nós, revolucionários, alcançar a simbiose necessária.

A este respeito, quando o Trillo, fui capaz de reflectir um pouco:

“A revolução é um fenómeno muito mais amplo e mais inclusivo do que o Estado, do que o governo e a instituição; mesmo que o aparelho institucional tenha de desempenhar um papel essencial como instrumento do processo de transformações. É a comunhão mais clara de todos os elementos do sistema político, mesmo aqueles que exibem contradições mais ou menos acentuadas, que desejam melhorar a realidade social sem comprometer a soberania e independência do projecto do país, nem levar-nos de volta por imposição a uma fase inferior de desenvolvimento histórico, negando as aspirações de justiça socialista e de progresso subscritas pela imensa maioria dos cubanos no actual texto constitucional. A Revolução é mais do que as suas instituições, mas é também as suas instituições. A distinção entre institucionalidade e espontaneidade foi exacerbada e amplificada por um sector reaccionário como parte do seu oportunismo discursivo. Partilho e identifico-me com o proclamado direito à “espontaneidade revolucionária”, mas sem promover a desconexão radical entre iniciativa popular e apoio institucional, que apenas contribui para o plano Zanjonista do século XXI. Deve haver uma simbiose de construção permanente; à medida que nos afastarmos deste equilíbrio, estaremos a favorecer o divisionismo sem contradições antagónicas. Aqueles que partem do fetiche teórico, que nega a realidade e o tracto social, de uma divisão irreconciliável entre o sistema político e a sociedade civil, nunca serão capazes de compreender isso” (e esses são a burguesia com a sua abobada separação entre a sociedade política e a sociedade civil, que Marx e Lênin rasgaram em pedaços).

Em Cuba, o diálogo existe e deve ser consolidado entre todos, excepto com aqueles que respondem à agenda do inimigo histórico da nação (quer sejam mercenários ou o façam de graça, afinal, são anexadores).

Deve haver também um exercício de ponderação, hierarquização, a partir das estruturas colegiadas de poder, das ideias no quadro da consciência social, que contribuem directa e constantemente para o que definimos como projecto do país até 2030 (definido pelo Partido mas discutido e aprovado em cada bloco deste país).

Para concluir, deixaria algumas propostas, que discuti e defendi no seio da minha organização, que é a União da Juventude Comunista Jovem:

👉 Penso que devemos aperfeiçoar a Política de atenção efectiva a estes sectores da juventude, alcançando uma relação viável de influência mútua com o aparelho institucional da Revolução.

👉 Da mesma forma, devemos conceber novos sistemas que nos permitam receber e tornar as “iniciativas revolucionárias” uma resposta natural.

👉 Não podemos renunciar que a nossa UJC continua a acolher iniciativas da juventude e a funcionar como um guarda-chuva de articulação. É esse o seu mandato constitucional e também a nossa aspiração. Terá de ser feito de novas maneiras e formas, mas cabe a todos nós participar nesta construção.

Há uma necessidade urgente de maior originalidade, criatividade e frescura, ideias que desbravam novos caminhos na acção institucional e que respondem cada vez mais precisamente aos interesses populares. É isto que está a ser discutido hoje nas reuniões de balanço do PCC.

👉 Da mesma forma, para reavaliar o âmbito de atenção das nossas organizações e movimentos; para ver que grupos e sectores ainda se sentem negligenciados ou não envolvidos.

👉 E muito importante, hoje mais do que nunca, o exército é necessário. Nada fará da administração, instituições e organizações da Revolução o que queremos que sejam por si sós. É necessário transformar a partir do interior. Temos de dar um passo em frente nas próximas eleições para delegados do Poder Popular, temos de aderir a um comité municipal de juventude, temos de discutir nas instituições culturais, administrativas e de serviço, as contradições que nos afectam hoje, e tomar as rédeas.

Desculpem-me por ter sido tão demorada. Mas tenho pensado em tudo isto há vários dias. Espero que seja de alguma utilidade para o debate que se tem vindo a realizar há dias.

A informação sobre Cuba está a ser manipulada como habitualmente.

#ManipulacionMediatica #RedesSociales #SubversionContraCuba #CubaVive #CubaNoEstaSola #CubaViveEnSuHistoria

LIDERANÇA AUTENTICA face aos falsos profetas.

#CubaVive #UnaSolaRevolucion #CubaViveEnSuHistoria #FidelEntreNosotros #LaFuerzaDeUnPais

Internacionalismo de Fidel

“Os tempos são muito difíceis, mas tenho a mais absoluta convicção de que com a coragem e a inteligência de nosso povo e com sua solidariedade, que se expressou de maneira tão espontânea e generosa neste encontro, o povo cubano, no qual vocês terão o companheiro mais firme e leal na luta, saberá lutar, saberá cumprir o seu dever e saberá cumprir o seu propósito de salvar a pátria, a Revolução e as conquistas do socialismo ”.

Fidel Castro Ruz, discurso de encerramento
do IV Encontro do Fórum Paulista,
Havana, 24 de julho de 1993

Embora tenha sido uma obra coletiva, como toda obra da Revolução Cubana, a Segunda Declaração de Havana constitui a síntese original, integral e imperecível do Terceiro Mundo de Fidel e da ideologia latino-americanista. Nos quase sessenta anos decorridos desde 4 de fevereiro de 1962, foi aprovado, com vivas e levantadas as mãos, por mais de um milhão de homens e mulheres reunidos na Plaza de la Revolución “José Martí” em Havana, em representação de Out da grande maioria do povo cubano, mudaram muito as condições, características, meios e métodos das lutas populares no mundo. No entanto, os valores e princípios internacionalistas, terceiro-mundistas e latino-americanistas consagrados neste documento histórico devem ser sempre a bússola imperdível com que o partido, o governo, as organizações de massa e sociais, e a sociedade socialista cubana em geral, atuam. as atualizações e ajustes periódicos essenciais às suas respectivas relações internacionais.

“Dos povos de Cuba aos povos da América e do mundo” é o título da Segunda Declaração de Havana que, após citar o fragmento mais conhecido da carta inacabada de José Martí a Manuel Mercado, datada de 18 de maio de 1895, [ 1] estados:

Já em 1895, Martí apontava o perigo que pairava sobre a América e chamava o imperialismo pelo nome: imperialismo. Ele advertiu os povos da América que eles estavam mais do que todos interessados ​​em que Cuba não sucumbisse à ganância ianque, desprezando os povos latino-americanos. E com o seu próprio sangue, derramado por Cuba e pela América, rubricou as palavras póstumas que, em homenagem à sua memória, o povo cubano hoje subscreve como título desta Declaração.

Seria impossível revisar neste sentido, nem mesmo em seus termos mais gerais, a solidariedade internacionalista, civil e militar, oferecida pela Revolução Cubana a outros povos de todas as latitudes do mundo. Sem pretensão de preencher esse vazio, arrisco algumas palavras sobre o povo cubano, em sua condição de “o mais forte e fiel companheiro de luta” da América Latina e do Caribe, como Fidel o definiu no IV Encontro de São Paulo. Fórum.

As primeiras três décadas da vida da Revolução foram passadas em uma era bipolar em que o surgimento das lutas de libertação nacional – anticolonialista, antiimperialista e anticapitalista – e a ação do Movimento dos Países Não Alinhados, em busca de uma Nova Ordem Econômica , se destacaram. Reivindicações internacionais e outras levantadas pelo então chamado Terceiro Mundo.

O triunfo do Exército Rebelde em Cuba, em 1º de janeiro de 1959, foi um catalisador para o surgimento de novas formas de luta popular na América Latina. Em correspondência com as exigências do palco, o internacionalismo cubano teve suas expressões mais conotadas na região com a participação de lutadores da ilha na façanha de Che na Bolívia, apoio ao governo do presidente Salvador Allende no Chile, amizade e colaboração com os progressistas governos militares de Juan Velasco Alvarado no Peru e Omar Torrijos Herrera no Panamá, o fortalecimento das relações com as nações caribenhas, o apoio às lutas dos povos contra os estados de “segurança nacional” impostos pelo imperialismo norte-americano, e como culminação do palco, na irmandade com a Revolução Sandinista na Nicarágua e o governo do Movimento das Novas Joias em Granada, ambos triunfantes em 1979.

Nas três décadas passadas, marcadas pela marca do colapso do bloco socialista europeu nucleado em torno da União Soviética – evento que o imperialismo aproveitou para tornar invisível sua própria crise sistêmica, e a social-democracia para encobrir sua capitulação total à neoliberalismo -, em vez de ser imobilizada por memórias nostálgicas e concepções superadas pela história, a Revolução Cubana deu todo o seu apoio à abertura e expansão dos novos horizontes de transformação social revolucionária e reforma progressiva no subcontinente.

Sempre atento aos tempos e aos processos políticos internacionais e continentais, nos anos 1980, que acabou sendo a década de transição entre a bipolaridade e a unipolaridade mundial, Fidel posicionou Cuba na linha de frente das grandes batalhas políticas do final do século. XX e início do XXI. Com coerência, harmonia e senso de complementaridade:

Ele liderou o partido no titânico combate político para demonstrar que a crise terminal em que os países socialistas da Europa Oriental e a própria União Soviética se afundaram não anunciou ou determinou a extinção das lutas emancipatórias, e o conduziu ao caminho do estabelecimento e estreitamento das relações com os novos movimentos políticos – nascidos, revitalizados e / ou fortalecidos, conforme o caso, em meio ao declínio e derrota das ditaduras e plutocracias militares da época -, em sua condição de forças emergentes que incorporaram às suas lutas uma ampla variedade de demandas e questões sociais;

Ele liderou o governo para que, junto com seus pares da região, fosse um participante ativo no enfrentamento dos três principais problemas continentais da década: o apoio à solução negociada do conflito centro-americano – em cujo epicentro estavam os nicaraguenses. as forças revolucionárias e El Salvador—, o apoio à soberania argentina sobre as Ilhas Malvinas e o repúdio às onerosas condições impostas aos povos em decorrência da crise da dívida externa; e,
compreendeu, respeitou e incentivou as organizações de massa e sociais cubanas, que em sintonia com seus respectivos conteúdos de trabalho, perspectivas, interesses e sensibilidades, desenvolveram uma interação estreita e fecunda com os movimentos populares do resto do continente, que marcharam na vanguarda do a luta contra a reestruturação neoliberal e todas as formas de opressão, exploração e discriminação.

De Fidel e Lula partiu a iniciativa de realizar, em julho de 1990, o Encontro de Partidos e Organizações Políticas de Esquerda da América Latina e do Caribe, posteriormente rebatizado de Fórum de São Paulo, no qual o PCC acompanhou ativamente e construtivamente o processo de reestruturação organizacional e redefinição programática da esquerda e do progressismo na região.

Com o mesmo compromisso, as massas e organizações sociais cubanas participaram do Fórum Social Mundial, nascido em Porto Alegre em 2001, e de várias redes e campanhas latino-americanas e caribenhas, entre elas a Assembleia dos Povos do Caribe, comemoração dos 500 anos da resistência indígena, negra e popular, as ações contra a guerra, a militarização e as bases militares, a luta contra a ALCA e as reuniões anuais sobre globalização e problemas de desenvolvimento organizadas pela Associação Nacional de Economistas e Contadores de Cuba de 1999 a 2010.

A vida mostrou que a linha de ação promovida por Fidel era a correta: apenas seis anos, onze meses e doze dias após a dissolução da União Soviética, formalizada em 25 de dezembro de 1991, que serviu de base para alguém prever o ” Fim da história ”, Hugo Chávez conquistou a presidência da Venezuela pela primeira vez, em 6 de dezembro de 1998, e com essa vitória estabeleceu o primeiro elo de uma longa e fecunda cadeia de eleições e reeleições de governos esquerdistas e progressistas latino-americanos. [2]

Em meio a um mapa político regional nunca antes visto, o internacionalismo, o latino-americanismo e o caribenismo cubanos floresceram em todas as suas manifestações e dimensões. Com a mesma coerência, harmonia e sentido de complementaridade que demonstrou ao longo das duas décadas anteriores, Fidel:

orientou o partido para o estreitamento, fortalecimento e adaptação às novas condições de interação construtiva com as forças políticas de esquerda e progressista, que em alguns países governaram e em outros, embora não viessem a exercer o governo, ocupavam espaços institucionais sem precedentes, a política que de forma alguma implicava discriminar ou subestimar o valor ou a importância da fraternidade e da solidariedade com setores da esquerda avançou menos ou não se aventurou neste campo;

liderou o governo a partir de um salto qualitativo nas relações bilaterais com as nações governadas por forças de esquerda e progressistas, melhorou as relações com outras nações não governadas pela esquerda e pelo progressismo, mas para as quais a correlação regional de forças nos encorajou a nos aproximar de Cuba, e a inserção de nosso país na rede de mecanismos de acordo político e integração econômica formada pela ALBA-TCP, MERCOSUL hegemonizado pelo progressismo, CARICOM, UNASUL e CELAC; e
compreendeu, respeitou e encorajou as organizações de massas e sociais cubanas, que multiplicaram e fortaleceram sua ação fraterna comum com os movimentos populares, cuja força e combatividade os fizeram o pilar fundamental da eleição e da sustentabilidade dos governos de esquerda e progressistas.

Da correlação regional de forças favoráveis ​​aos movimentos populares, à esquerda e ao progressismo, deve-se notar que a atuação de Cuba nas três áreas mencionadas, a partidária, a governamental e a social, inextricavelmente fundidas na ideologia internacionalista de Fidel, foi uma contribuição decisiva para:

O nascimento de uma família solidária, latino-americana e caribenha, com a qual Cuba estabeleceu uma relação fraterna mutuamente vantajosa, o que em grande medida ajudou a neutralizar as consequências do duplo bloqueio e do período especial, cujos efeitos devastadores sofreu, com o extrema severidade, desde o colapso da URSS.

A vitória política obtida por esta família solidária ao fazer com que a OEA anulasse a expulsão de Cuba do Sistema Interamericano, acordada em 30 de janeiro de 1962, em Punta del Este, Uruguai, pela VIII Reunião de Consulta daquela organização, à qual O povo cubano respondeu por meio da Segunda Declaração de Havana. Graças à ação conjunta da ALBA-TCP, MERCOSUL, UNASUL, CARICOM e Grupo do Rio (logo depois CELAC), essa sanção foi suspensa pela XXXIX Assembléia Geral da OEA, em San Pedro Sula, Honduras., Em 3 de junho de 2009. Embora Cuba jamais retorne à OEA, ela reconhece o simbolismo desse ato de reparação.
O processo de normalização das relações entre os Estados Unidos e Cuba, levado a cabo pelos governos de Barack Obama e Raúl Castro, que conduziu ao restabelecimento dos laços diplomáticos em dezembro de 2014, à abertura de embaixadas em agosto de 2015 e ao relaxamento parcial de um mínimo dos elementos do bloqueio econômico. Uma das principais motivações dos Estados Unidos neste processo foi sair do isolamento continental em que o tinha colocado a rejeição latino-americana e caribenha ao bloqueio a Cuba.

Com a liderança pessoal de Fidel, contaram as multifacetadas relações exteriores de Cuba até que um grave problema de saúde o levou a emitir a Proclamação de 31 de julho de 2006, que acabaria por marcar a cessação de suas funções à frente do partido e do Estado Cubanos. Porém, tão logo sua relativa recuperação o permitiu, ele retomou a divulgação de suas idéias, utilizando o novo método de veicular sistematicamente suas reflexões na imprensa, tarefa que durou quase até o momento de seu desaparecimento físico, em 25 de novembro. 2016

A América Latina e o Caribe voltam a passar por momentos muito difíceis, não iguais, mas comparáveis ​​por sua complexidade e perigos, aos quais Fidel se referiu no encerramento do IV Encontro do Fórum de São Paulo. Foi uma época em que o imperialismo norte-americano, que desde o início da década de 1980 impôs ao mundo a globalização neoliberal, como forma de contrabalançar sua perda de competitividade econômica e hegemonia política, aproveitou o fim da bipolaridade para anunciar uma nova ordem mundial.

Nesse contexto, na América Latina e no Caribe, os estados de segurança nacional das décadas de 1960 a 1980 foram substituídos por “democracias neoliberais”, [3] subordinadas a mecanismos transnacionais de controle e sanção.

A absoluta incompatibilidade entre as extremas contradições econômicas e sociais exacerbadas pela reestruturação neoliberal e o arcabouço institucional democrático-liberal pelo qual se pretendia legitimar a nova forma de saqueio, é um dos fatores explicativos da cadeia de eleições e reeleições de governos. na esquerda e os progressistas começaram em dezembro de 1998, que em nenhum momento deixou de tentar destruir as administrações de William Clinton, George Bush Jr., Barack Obama, Donald Trump e Joseph Biden.

Por meio da desestabilização de amplo espectro, as chamadas estratégias de luta não violenta e guerras de quarta e / ou quinta geração, o imperialismo norte-americano e as oligarquias latino-americanas, também com o apoio de seus aliados europeus, turvaram o mapa político favorável aos movimentos populares. E forças políticas progressistas e esquerdistas dos anos 2000. Golpes de Estado de vários tipos em Honduras (2009), Paraguai (2012), Brasil (2016) e Bolívia (2019), derrotas eleitorais na Argentina (2015), El Salvador (2019) e Uruguai (2019), uma virada à direita de um presidente eleito no Equador (2017), e um agravamento dos ataques e bloqueios contra os restantes governos de esquerda e progressistas, incluindo o de Cuba, caracterizam estes tempos muito difíceis. A eleição de governos de orientação popular no México (2018), Argentina (2019), Bolívia (2020) e Peru (2021) é extremamente importante, mas não é suficiente para reverter a correlação de forças adversa.

Os espaços e mecanismos de globalização que o imperialismo norte-americano construiu, através da ameaça e do uso da força, nas décadas de oitenta e noventa do século passado, para os utilizar em termos do restabelecimento da sua supremacia económica e hegemonia mundial, estão esgotados e se voltou contra ele.

Coube a Donald Trump negá-los, destruí-los ou transformá-los em espaços funcionais para suas necessidades e interesses atuais, que nada mais fez para exagerar e imprimir sua tragicômica marca pessoal no unilateralismo do “America First”, a política da economia sanções e cerco militar. contra seus rivais (Rússia e China), a pressão sobre seus próprios aliados (União Europeia e Japão) para compartilhar os custos da dominação mundial dos EUA e a retirada da América Latina e do Caribe para um esquema transnacional de dominação , controle e Sanções semelhantes ao imposto nos anos 1990, só que não são mais “legitimados” com democracias neoliberais, mas com democracias excepcionais, como as de Mauricio Macri, Jair Bolsonaro ou Jeanine Áñez.

Como parte desta estratégia global e continental é que, após a “preparação de artilharia” realizada com as 243 medidas de reforço do bloqueio adotadas pela administração Trump, e um uso prolongado do impacto econômico e social da COVID-19, o Norte O imperialismo americano decide escalar a estratégia de “luta não violenta”, sistematizada por Gene Sharp, contra Cuba, sabendo que não será capaz de criar uma correlação de forças internas a favor da “mudança de regime”, mas com a intenção de agregando adeptos para o ressurgimento do bloqueio extraterritorial, com o propósito de “punir” o povo cubano, ainda mais do que o fez em seis décadas, por seu apoio à Revolução.

Nestes tempos tão difíceis, como nos tempos muito difíceis da crise terminal e do colapso do bloco socialista europeu e da URSS, o Período Especial e a Batalha de Ideias, os valores e princípios internacionalistas, do Terceiro Mundo e da América Latina deve ser consagrada na Segunda Declaração de Havana a bússola com que o partido, o governo, as organizações de massas e sociais, e a sociedade socialista cubana em geral, realizem a necessária atualização e adaptação de suas respectivas relações externas, com coerência e harmonia e a complementaridade correspondente com o legado de Fidel.

[1] “Agora posso escrever … Corro o risco de todos os dias dar minha vida por meu país, e meu dever … impedir que, a tempo com a independência de Cuba, os Estados Unidos se espalhem pelas Antilhas e caiam , com essa força mais, em nossas terras da América. Tudo o que fiz até hoje, e farei, é por isso … As mesmas obrigações menores e públicas dos povos, mais vitalmente interessados ​​em impedir que Cuba abra, devido à anexação dos imperialistas, o caminho que tem de ser bloqueados, e com Cegamos o nosso sangue, desde a anexação dos povos da nossa América ao Norte revoltado e brutal que os despreza, teriam impedido a sua adesão ostensiva e evidente ajuda a este sacrifício que se faz para o seu bem imediato e deles. Eu vivi no monstro e conheço suas entranhas; e minha funda é de David. “

[2] Na Venezuela, Brasil, Argentina, Uruguai, Bolívia, Equador, Nicarágua, Honduras, Paraguai e El Salvador, e mais recentemente no México, Argentina e Bolívia a recuperação do governo, e no Peru.

[3] A democracia neoliberal é caracterizada pelo culto aos elementos formais da democracia burguesa, tais como multipartidarismo, eleições periódicas, voto secreto, rejeição de fraudes, alternância de governo e outros, mas com um Estado destituído de capacidade de exercer uma política real poder e, conseqüentemente, localizado fora do espaço de confronto gramsciano, no qual a esquerda e o movimento popular podiam arrancar concessões em matéria de política social e redistribuição de riqueza. Esse “modelo” é complementado por um conceito de direitos humanos que enfatiza as liberdades civis destinadas a legitimar esse exercício antidemocrático, mas exclui, mesmo quando os aceita verbalmente, a satisfação dos direitos econômicos e sociais. Ver Roberto Regalado: The Latin American Left in Government: Alternative or Recycling?, Ocean Sur, México, 2012, pp. 53-54.

Con Filo: O negócio de prêmios, músicas e ideologia (+ Vídeo)

“Pátria e vida”, slogan que o próprio Fidel proclamou há muitos anos, tornou-se, pelo metabolismo mercantil, o novo slogan da restauração capitalista. Hoje vamos falar sobre prêmios, canções, ideologia, negócios e o andamento da máquina que afeta negativamente o socialismo cubano.
Em vídeo, The Business of Awards, Songs and Ideology:

%d bloggers like this: