Papa Francisco: o conflito na Ucrânia esconde outros problemas como a fome na África

© AP Photo / Alessandra Tarantino

Desde 24 de fevereiro, todos os holofotes recaem sobre a Europa Oriental por causa das tensões entre Moscou e Kyiv. No entanto, há crises tão graves que é preocupante que pouca atenção seja dada a elas no resto do mundo, disse o líder da Igreja Católica.
O Papa Francisco lembrou em sua missa dominical de 14 de agosto que a Somália está passando por uma fome sem precedentes e lamentou que esse tipo de problema fique em segundo plano porque quase toda a atenção da comunidade internacional está voltada para o conflito na Ucrânia.
Por isso, exortou as organizações internacionais e os governos dos países mais ricos a enviarem ajuda humanitária à nação africana, para onde mais de um milhão de pessoas tiveram de se deslocar devido à seca que assola todo o território, segundo dados do United Nações.

“Infelizmente, a guerra [na Ucrânia] distraiu a atenção e os recursos, mas esses são os objetivos que exigem o máximo empenho: a luta contra a fome, a saúde, a educação”, disse o Papa Francisco da Plaza de Saint Peter, no Vaticano.

O Sumo Pontífice lembrou também que a fome se espalha pelo Chifre da África devido aos efeitos das mudanças climáticas, que tendem a ser mais devastadoras nas áreas mais desprotegidas e vulneráveis ​​do planeta.

“As pessoas desta região, que já vivem em condições muito precárias, estão agora em perigo mortal por causa da seca”, alertou Francisco.

Em julho passado, a União Européia (UE) informou sobre o envio aéreo de ajuda humanitária para áreas somalis de difícil acesso. O primeiro voo carregou 6,5 toneladas de alimentos e suprimentos médicos para o distrito de Elbarde, no sudoeste da Somália.
A UE destinou até 800 mil euros para esta operação, que vai apoiar a nação africana durante a época seca, destaca a nota.
Segundo o Comissário Europeu para a Gestão de Crises, Janez Lenarcic, este ano a seca no Corno de África é agravada pelas consequências da crise ucraniana.

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) disse que a fome pode ser oficialmente declarada em oito regiões da Somália, onde cada vez mais terras são inférteis e o gado está morrendo por falta de água e comida. No entanto, não é necessária uma declaração para que a comunidade internacional comece a agir o mais rápido possível, disse o órgão.

“A fome está agora assediando todo o país. Mais e mais famílias estão sendo forçadas a deixar tudo para trás porque literalmente não há água ou comida em suas aldeias. O financiamento da ajuda precisa ser aumentado urgentemente antes que seja tarde demais”, disse ele. O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e o Conselho Norueguês de Refugiados (NRC), em um comunicado conjunto divulgado em 11 de agosto.

O ACNUR disse que são necessários pelo menos US$ 9,5 milhões para ajudar as comunidades deslocadas apenas pela seca, que atinge os moradores há dois anos, muitas vezes enfrentando outros problemas como pobreza extrema, falta de oportunidades, baixos níveis educacionais e violência armada.

Sputnik

Autor: tudoparaminhacuba

Adiamos nossas vozes hoje e sempre por Cuba. Faz da tua vida sino que toque o sulco, que floresça e frutifique a árvore luminoso da ideia. Levanta a tua voz sobre a voz sem nome dos outros, e faz com que se veja junto ao poeta o homem. Encha todo o teu espírito de lume, procura o empenamento da cume, e se o apoio rugoso do teu bastão, embate algum obstáculo ao teu desejo, ¡ ABANA A ASA DO ATREVIMENTO, PERANTE O ATREVIMENTO DO OBSTÁCULO ! (Palavras Fundamentais, Nicolás Guillen)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: