Das redes: Revolta anti-governamental em Puentes Grandes ou a revolução do arroz amarelo.

#Cuba #HuracánIan #FakeNews

Por Redacción Razones de Cuba

Era de esperar, era lógico, mas desta vez não ouvi falar disso nas redes, nem através da lente nebulosa da “Imprensa Independente”, vi-o de perto, de facto, mesmo debaixo do meu nariz. Observa-se como o pequeno grupo que tem estado sentado no canto, não esta semana, mas toda a sua vida, à volta do altifalante portátil através do qual somos sexualmente violados ao ritmo do reggaeton, fica cada vez mais alto no meio de risos e álcool.

Imagen de Razones de Cuba

Depois o maior tipo, aquele com os molares dourados, que nunca foi conhecido por ter um emprego na vizinhança, aquele que está mais longe de ser um exemplo para as gerações futuras, agarra num ramo de árvore caído e grita: “Arriba, vamo a viral a ejtooo” (Para cima, vamos viral a ejtooo). Depois os seus seguidores, entre eles adolescentes com I-Phone na mão e sapatos de marca, juntam-se, pouco a pouco, como um crescendo orquestral. Alguém puxa um caldeirão e uma colher, uma jovem com um casaco de casa transporta um bebé. De repente, um macho alfa audaz atira um contentor cheio de lixo para a Avenida 51, os carros abrandam, manobrando perigosamente à volta do lixo. Os vizinhos reúnem-se, a proporção de cidadãos corajosos que protestam contra os espectadores é esmagadoramente favorável a estes últimos. Risos, um certo gosto de diversão, histeria colectiva, confusão.

E a polícia chegou, sim senhor. Sem alarido, um carro patrulha, dois, um carro do governo local. Sem gritos, sem violência. Dois oficiais com a patente de coronel falam com o grupo (em vez da multidão, lembrem-se que a “multidão” regista e dá a sua opinião mas não participa) sem excessos. Descarregam-se, fazem a catarse necessária após horas de stress, não há uma única detenção ou situação violenta de ambos os lados. Murmuram acordos, possíveis soluções imediatas. O grande líder da rebelião popular não está lá para tudo isso, o adolescente que atirou o contentor apenas observa sem usar o seu alegado cupão, bilhete, bilhete ou virar para ser ouvido, sentado calmamente num canto. O comentário colectivo é: “Está a ficar quente aqui dentro”.

Dentro de uma hora, os veículos chegam com um paliativo acordado: alimentos em pequenas caixas e uma garrafa térmica de xarope para refrigerantes ao preço de custo. A fila acumula-se, no meio de luzes improvisadas e do folclore da cidade. Todos trazem as suas rações, chegam mesmo a comentar que o arroz amarelo é muito bom. Vejo a jovem mulher com o bebé passar com várias caixas e o incitador Golias com duas caixas gordurosas e um botão de xarope enquanto, como Pedro Navaja, o seu dente de ouro brilha por toda a avenida. Fica escuro e há silêncio mastigatório. A polícia vai-se embora.

Algumas horas mais tarde, ouve-se uma voz: “Se não voltarem a pôr o lú, eu volto a formá-lo”. Os jovens reúnem-se novamente na esquina, a noite está a avançar. Acho que eles estão a conspirar. Quando vou para a cama tarde, sinto a comoção, uma dúzia de conga bêbados e risonhos a agarrar ritmicamente os seus caldeirões ao grito de: “Ponham o lú”, enquanto encorajam os vizinhos a deixar as suas casas.

Desta vez não houve curiosos espectadores, apenas uma espreitadela através de uma janela, e não importava quantas vezes contornavam os dois quarteirões do bairro, não encontravam apoio. Desta vez nem sequer chegou a polícia. O que aconteceu? Covardia? Digestão? Ou pior… os órgãos repressivos colocaram um sedativo no xarope?

Consigo instalar-me na cama entre o calor e os mosquitos que após 4 dias já nem me mordem porque sentem tanta pena de mim. Ao longe, baixo, como um hino de derrota, um reggaetón balbucia a partir da mesma buzina, quase sem carga, uma obscenidade ininteligível. Eu consigo adormecer.

Eles nunca põem o “lú”.

Extraído de Cubadebate

Advertisement

Autor: tudoparaminhacuba

Adiamos nossas vozes hoje e sempre por Cuba. Faz da tua vida sino que toque o sulco, que floresça e frutifique a árvore luminoso da ideia. Levanta a tua voz sobre a voz sem nome dos outros, e faz com que se veja junto ao poeta o homem. Encha todo o teu espírito de lume, procura o empenamento da cume, e se o apoio rugoso do teu bastão, embate algum obstáculo ao teu desejo, ¡ ABANA A ASA DO ATREVIMENTO, PERANTE O ATREVIMENTO DO OBSTÁCULO ! (Palavras Fundamentais, Nicolás Guillen)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: