Ministro da Casa Civil autorizado por Bolsonaro a iniciar transição.

#Brasil #Política #EleccionesPresidenciales #JairBolsonaro #Lula

JA Online

O ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, afirmou hoje ter recebido autorização por parte do Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, para iniciar o processo de transição da presidência.

© Fotografia por: Arthur Menescal/Bloomberg via Getty Images

“O Presidente Jair Bolsonaro me autorizou. Quando for provocado, com base na lei, nós iniciaremos o processo de transição”, disse Ciro Nogueira, no Palácio da Alvorada, depois de Jair Bolsonaro ter pedido aos apoiantes que parassem as manifestações, num discurso em que não cumprimentou Lula da Silva, vencedor das eleições de domingo.

“A presidente do PT [Partido dos Trabalhadores], segundo ela em nome do presidente Lula, disse que na quinta-feira será formalizado o nome do vice-presidente Geraldo Alckmin. Aguardaremos que isso seja formalizado para cumprir a lei do nosso país”, concluiu Ciro Nogueira.

Coisas de “la famiglia”.

#RedesSociales #ManipulaciónMediática #Economía #ElBloqueoEsReal #PorLaFamiliaCubana #MejorSinBloqueo

Por Iroel Sánchez

“A economia não é política, deixe de ver tudo da política”, lê-se frequentemente em redes digitais, mas entre as dezenas de contas cubanas suspensas pela rede social Twitter por razões políticas óbvias é a de um programa de televisão dedicado à análise económica.

“Sejam verdadeiros meios de comunicação públicos e dêem espaço a toda a pluralidade de critérios sobre o que está a acontecer em Cuba”, a imprensa cubana é frequentemente questionada, mas nenhum meio de comunicação público estrangeiro, que normalmente são unânimes e dão um único ponto de vista quando se fala sobre esta ilha, tem recebido as queixas dos jornalistas cubanos sobre a mais recente agressão contra eles, incluindo o encerramento da conta no Facebook do editor-chefe do diário Granma Internacional.

*O telefone pode ser visto hoje no Museu da Revolução.

“Seja objectivo, mantenha-se fiel aos factos, siga o modelo da BBC”, ainda que aquele órgão de comunicação social britânico tenha afirmado sem provas que a polícia em Cuba guarda as filas com armas longas.

“Não use mais a palavra guerra para se referir ao que acontece na Internet, isso é um exagero”, e recentemente o órgão de comunicação social norte-americano Mintpress publicou que o London College, onde os principais comandantes da NATO são treinados, também treina os executivos das grandes empresas de redes sociais digitais.

“A ETECSA não deveria ter quaisquer ligações com o governo cubano”, a chamada imprensa independente continua a repetir, enquanto a mesma Mintpress acaba de publicar que dezenas de executivos do Google vêm da CIA, mas nenhum meio de comunicação reconhecido como livre e independente fez eco de algo tão revelador.

“As empresas cubanas devem tornar públicas as suas contas e torná-las públicas”, e sim, os trabalhadores cubanos devem aumentar a sua participação e controlo sobre a gestão das empresas que constitucionalmente possuem. Mas o novo dono do Twitter, Elon Musk, que o adquiriu por 44 mil milhões, um número ao alcance de qualquer trabalhador, não será responsável perante ninguém pelo que fará e desfará com uma entidade que participou em golpes e campanhas de desestabilização que influenciam a vida de milhões de pessoas e o destino de países inteiros (Por exemplo: a “revolução verde” do Irão em 2009, confessada por Hillary Clinton à CNN, o bem documentado golpe pós-eleitoral na Bolívia em 2019, e o frustrado SOSCuba em 2021).

Portanto, se pessoas dos Estados Unidos utilizam a Internet e as suas redes sociais para organizar e pagar por actos terroristas em Cuba e nem o FBI, Twitter, Google ou Facebook fazem nada contra eles, não se surpreendam, estão todos metidos nisto. O executivo do Google Jared Cohen, antigo funcionário da Condelezza Rice, e mais tarde de Hillary Clinton no Departamento de Estado, disse em coro com Marco Rubio do coração de Wahinton DC em 21 de Março de 2012: Temos de utilizar a Internet para mudar e democratizar Cuba. “Change Cuba” para a tornar como costumava ser, quando a grande empresa tecnológica da época (ITT), que também não estava envolvida na política, deu ao democrático Batista um telefone de ouro* para representar muito bem os seus interesses. Tal como os amigos de Fulgencio, que encheram Havana de casinos e bordéis, eles pertencem à “la familgia”, no sentido mafioso da expressão.

Cuba é um exemplo de resistência.

#ElBloqueoEsReal #EliminaElBloqueo #Cuba #MejorSinBloqueo #PorLaFamiliaCubana #SolidaridadVSBloqueo

Diaz-Canel recebeu Massimiliano Smeriglio, Membro do #Parlamento Europeu

O Primeiro Secretário do Comité Central do Partido Comunista e Presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, recebeu ontem o Deputado Europeu, Massimiliano Smeriglio, a quem agradeceu a sua actividade de apoio a Cuba e à sua luta contra o bloqueio dos EUA.

Reafirmou ao visitante que Cuba está disposta a empenhar-se no diálogo político a fim de manter uma relação honesta, transparente e aberta e de discutir questões sobre as quais podem mesmo existir pontos de vista diferentes, de acordo com o website da Presidência.

Díaz-Canel ofereceu uma explicação detalhada do impacto negativo da política hostil pela qual o governo dos EUA pune a ilha: “Não estamos a falar do bloqueio tradicional, que durou mais de 60 anos, mas sim de um período de intensificação”.

Massimiliano Smeriglio expressou a sua gratidão pela hospitalidade e pela “oportunidade de ver muitas coisas diferentes, sem negar os problemas que existem”, no que descreveu como “muito intensas e belas” horas, referindo-se às visitas à escola especial Solidariedade com o Panamá, ao Instituto de Vacinas Finlay, ao bairro La Concepción em Havana, e ao município de Bahía Honda, em Artemisa.

Smeriglio disse que os parlamentares têm diante de si a missão de dar a conhecer ao mundo o significado do bloqueio e as leis que Trump põem em prática para o tornar mais rigoroso, para o que destacou a atitude de Cuba não só como um exemplo histórico, mas também como um exemplo contemporâneo de resistência.

Díaz-Canel foi acompanhado no intercâmbio pelo Secretário da Assembleia Nacional do Poder Popular, Homero Acosta Álvarez, e Yolanda Ferrer Gómez, Presidente da Comissão de Relações Internacionais daquele órgão.

Embaixadora da Suécia quer mais intercâmbio.

#Angola #Suecia #Economía

Jornal de Angola

O Presidente da República recebeu a embaixadora do Reino da Suécia em Angola, Ewa Polano, com quem avaliou questões multilaterais e bilaterais, sobretudo, aspectos que têm a ver com o clima.

Embaixadora Ewa Polano foi recebida pelo Chefe de Estado © Fotografia por: Dombele Bernardo | Edições Novembro

Em declarações à imprensa, no final do encontro com o Chefe de Estado, que durou menos de trinta minutos, no Palácio Presidencial, a diplomata sueca informou que Angola e a Suécia preparam temas sobre energia solar, devendo estar presentes na Conferência sobre o Clima, a decorrer nos próximos dias na estância balnear de Sharm El Sheikh, na República Árabe do Egipto.

Referiu, a propósito, que o seu país está a financiar o projecto de energia solar  para a África Subsaariana, avaliado em 560 milhões de dólares.

Manifestou o interesse das empresas suecas continuarem a trabalhar em Angola nos projectos de infra-estruturas aeroportuárias e portuárias, incluindo projectos de energia solar e telecomunicações.

A Suécia foi responsável pela construção do primeiro Centro de Formação de Pescas no país (Cefopescas) e do Posto de Electrificação do município dos Dembos, na província do Bengo.

Ewa Polano elogiou o desenvolvimento económico e social do país nos últimos cinco anos e aproveitou para felicitar o Presidente João Lourenço, pela reeleição à frente dos  destinos do país.

¿Por qué denunciamos o #Bloqueo?

#EEUU #MejorSinBloqueo #Cuba #Solidaridad

Foto: Yaciel Peña de la Peña
Nunca nos cansaremos de denunciar o bloqueio que os Estados Unidos exercem sobre o nosso país, porque há mais de 60 anos que afecta a vida do nosso povo de todas as formas possíveis.

Denunciamo-la no meio de uma crise económica aguda, em primeiro lugar, porque muitas interpretações podem ser feitas sobre ela, mas a primeira de todas é que é uma crise induzida pelo terrorismo económico que temos sofrido desde Janeiro de 1959. Os dilemas políticos, sociais, ideológicos, ideológicos, culturais e subjectivos presentes em Cuba têm um pano de fundo de carências que se mantêm há décadas.

Denunciamos isto porque eles querem que seja esquecido, para que possam atribuir todas as nossas limitações ao suposto fracasso do socialismo como alternativa, e é nossa responsabilidade histórica dizer aos povos do mundo que o socialismo não foi mais longe aqui porque teve de enfrentar todo o tipo de obstáculos e violência, como parte de uma agenda intervencionista injusta.

Denunciamo-la porque a angústia, frustrações e desespero que gera no nosso povo, bem como os problemas sociais que condiciona, são sistematicamente utilizados como parte de uma guerra cultural, comunicacional e mediática contra a nossa nação.

Denunciamo-lo porque querem que deixemos de o mencionar quando analisamos as causas das nossas contradições, mas não vamos cometer esse erro. Colocaremos sobre a mesa os nossos próprios erros na construção do socialismo, mas sem a ingenuidade de acreditar na história de que as dificuldades que enfrentamos são devidas a um bloqueio “interno”.

Denunciamo-lo porque foi intensificado com novas medidas quando a COVID-19 estava a dizimar as linhas mais importantes do desenvolvimento económico do país.

Denunciamo-lo porque no meio de recentes catástrofes naturais e acidentes de imenso custo para Cuba, sobretudo devido à perda de vidas humanas, a ajuda dos Estados Unidos tem sido fraca em comparação com a solidariedade de outras nações irmãs, e com as perdas equivalentes a 6,364 milhões de dólares que o bloqueio nos causou só nos primeiros 14 meses da administração de Joe Biden.

Denunciamo-lo porque nunca seremos indiferentes a qualquer forma de violência ou injustiça contra qualquer pessoa no mundo e, neste caso, está a ser exercida contra a nossa.

Denunciamo-la devido ao seu carácter imperialista, porque não afecta apenas Cuba ou os cubanos que vivem na ilha, afecta muitas pessoas em todo o lado.

E o mais importante sobre esta denúncia repetida é que ela é apoiada pelo mundo. Por esta razão, nunca nos cansaremos de agradecer a todos os países que reafirmam a sua posição contra o bloqueio ano após ano nas Nações Unidas, assim como a todos os governos, movimentos sociais, colectivos, organizações e indivíduos que nos oferecem a sua solidariedade, levantam a sua voz e nos acompanham nesta luta pela vida e pela esperança.

Congressistas de Miami e estações de televisão desrespeitam abertamente as leis federais dos EUA.

#SOSEstadosUnidso #SOSViolenciaEnEEUU # Emigración #CubaPorLaVida #CubaPorLaPaz #LeyesMigratorias #EstadosUnidos #LasLeyesSeCumplen

Tony Blair recebido pelo Chefe de Estado.

#Angola #ReinoUnido #Política #TonyBlair

Jornal de Angola

Ainda esta terça-feira(01), o Chefe de Estado recebeu o patrono do Instituto para Mudança Global, Tony Blair, uma instituição sem fins lucrativos que possui projectos em 14 países africanos para ajudá-los a tirar melhor partido da globalização.

Momento do encontro de ontem com o antigo Primeiro-Ministro britânico no Palácio Presidencial © Fotografia por: Dombele Bernardo | Edições Novembro

No  caso específico de Angola, o Instituto Tony Blair quer cooperar em matéria de globalização e implementação de uma visão  de desenvolvimento económico e social que respeite as próprias idiossincrasias e contextos.

Por via de programas de cooperação, o Instituto disponibiliza consultores para trabalharem com os Governos, a fim de ajudá-los a implementar as próprias visões para o desenvolvimento.

No final do encontro, o antigo Primeiro-Ministro do Reino Unido, entre 1997 e 2007, não prestou declarações aos jornalistas. Na qualidade de patrono da instituição, é pela terceira vez que visita Angola, para troca de informações com o Chefe de Estado.

#Cuba #MejorSinBloqueo

#Cuba #MejorSinBloqueo #PorLaFamiliaCubana #EliminaElBloqueoYa #CubaNoEstaSola

Dentro de algumas horas, o mundo vai ouvir pela 30ª vez, um relatório irrefutável sobre as consequências do bloqueio genocida contra o povo de #Cuba.

Total Energies investe 3 mil milhões de dólares na exploração petrolífera

#Angola #Francia #Economía #Petróleo

Garrido Fragoso

A petrolífera francesa Total Energies disponibilizou, recentemente, 3 mil milhões de dólares, para serem empregados em projectos ligados às energias renováveis em várias localidades do país, bem como de exploração de petróleo e gás na Bacia do Rio Kwanza, mais concretamente no Bloco 17. A petrolífera francesa Total Energies disponibilizou, recentemente, 3 mil milhões de dólares, para serem empregados em projectos ligados às energias renováveis em várias localidades do país, bem como de exploração de petróleo e gás na Bacia do Rio Kwanza, mais concretamente no Bloco 17.

O Presidente da República, João Lourenço, recebeu, ontem, o director- -geral da multinacional petrolífera francesa © Fotografia por: Dombele Bernardo | Edições Novembro

A informação foi prestada, esta terça-feira(01), em Luanda, à imprensa, pelo director-geral da multinacional francesa, Patrick Pouyanné, no final da audiência que lhe foi concedida pelo Presidente da República, João Lourenço, no Palácio Presidencial, na Cidade Alta.

“Disponibilizámos, no presente ano, 3 mil milhões de dólares que serão investidos em projectos petrolíferos específicos na Bacia do Rio Kwanza, como no projecto de exploração Begónia e outros de expansão do Bloco 17”, declarou Patrick Pouyanné, que sublinhou o desejo de ver operacionais tais projectos até 2024.

Patrick Pouyanné informou que, a partir de 2024, a Total Energies pensa criar novos projectos, como o de “Águas Profundas”, “Cameia”, “Golfinho”, que já estão a ser projectados na Bacia do Rio Kwanza.

“Estamos a trabalhar com as autoridades angolanas e caso cheguemos a um bom entendimento desejamos ver estes projectos em funcionamento até meados do próximo ano”, admitiu o gestor da multinacional francesa, que também avançou a intenção da empresa explorar, nos próximos tempos, um total de sete blocos, na mesma bacia.

O director-geral da Total Energies considerou “excelente” o ambiente de negócios com Angola.

Lembrou, a propósito, que a sua empresa opera há mais de 70 anos em Angola e desfruta de “grande apoio” do Executivo angolano, incluindo dos parceiros (Sonangol e Agência Nacional de Petróleo e Gás), para, cada vez mais, investir no território angolano.

A Total Energies produz, actualmente, 550 mil barris de petróleo por dia, o que representa quase 50 por cento da produção total no país.

Energia solar para a indústria mineira

Com o Chefe de Estado, o director-geral da Total Energies disse, também, ter analisado a possibilidade de a sua companhia fornecer energia solar à indústria mineira no país, com vista à redução dos custos no sector de Mineração.

Lembrou, a propósito, que em Junho do ano passado foi assinado um acordo, que resultou na criação do Parque Solar, na província da Huíla, que vai gerar 35 Megawatts para a rede nacional.

“Em Angola não estamos apenas focados no sector dos Petróleos e Gás como era tradição, mas também na área das Energias Renováveis”, informou Patrick Pouyanné, que admitiu o acréscimo de mais 8 Megawatts ao Parque Solar da Huíla, num investimento total de 100 milhões de dólares.

Líder russo envia novo líder britânico para o pânico!

#Rusia #Ucrania #UniónEuropea #Petróleo #NordStream #InjerenciaDeEEU8U

%d bloggers gostam disto: