O Grupo Puebla exige o fim das sanções contra Cuba e Venezuela.

#GrupoDePuebla #Cuba #EstadosUnidos #ElBloqueoEsReal #Venezuela #Covid-19 #SaludMundial #CubaSalva #EEUUBloquea

Retirado da Cubadebate .

O Grupo Puebla emitiu hoje um comunicado no qual reitera a necessidade de levantar o bloqueio econômico, financeiro e comercial sofrido por Cuba e Venezuela no âmbito da luta contra a pandemia de Covid-19.

“O caráter ilegal e intervencionista dos bloqueios afeta os direitos humanos da população mais vulnerável dos dois países em um momento em que atravessam uma crise de saúde sem precedentes”, afirma o comunicado.

Durante sua declaração, o Grupo enfatiza que as medidas ilegais contra os dois países os impedem de importar alimentos e remédios, “os dois países (Cuba e Venezuela) precisam de suprimentos médicos, alimentos e vacinas para administrar e superar a pandemia”, acrescentam.

“Como Grupo, instamos os organismos internacionais, governos, dirigentes e todos os que estão comprometidos com a democracia, a justiça social e a paz a se comprometerem com os povos de Cuba e da Venezuela”, assinala o Grupo Puebla.

Além de pedir à comunidade internacional um compromisso com a democracia, a justiça social e a paz para as duas nações, o Grupo do Povo pede que continue denunciando o bloqueio imposto pela Casa Branca.

Que argumentos têm os que defendem o Prêmio Nobel da Paz para a Brigada Henry Reeve no mundo?

#PremioNovelDeLaPazParaLosMedicosCubanos #Cuba #CubaPorLaSalud #CubaSalva #Europa #Africa #Haiti #Mexico #Bolivia #China #ndonesia #Chile #Peru #Guatemala #Paquistan #Francia #BrigadaHenryReeve #MedicosCubanos #MasQueMedicos #Solidaridad #FidelCastro

Autor: Nuria Barbosa León | internet@granma.cu

O clamor mundial pela entrega do Prêmio Nobel da Paz ao contingente de Henry Reeve, especializado em desastres e graves epidemias, percorre o mundo, e seus argumentos são os mais justos e humanos para receber tão alto prêmio.

A campanha começou, por proposta de organizações de solidariedade na Europa, principalmente na França, com os movimentos Cuba Linda e Francia Cuba, em abril de 2020, e recebeu imediatamente o apoio de forças políticas, escritores e artistas, legisladores e funcionários. pessoas comuns que amam a justiça e o progresso, por meio das redes sociais e com pedidos encaminhados ao Comitê norueguês, responsável pela concessão.

Recentemente, cidadãos mexicanos de diferentes áreas da sociedade se juntaram, liderados pela vencedora do prêmio Cervantes, Elena Poniatowska.

Os defensores da candidatura alegam que, desde seu nascimento em 2005, por ideia do comandante em chefe Fidel Castro, suas primeiras missões na Guatemala e no Paquistão salvaram a vida de milhares de pessoas, após sofrerem os efeitos da tempestade tropical. Stan e um terremoto de grande intensidade no território asiático.

Embora não tenham podido ajudar o povo americano, vítima do furacão Katrina, devido à crueldade política dos governantes daquele país, a partir de 19 de setembro (data de fundação), as múltiplas brigadas têm prestado assistência aos mais necessitados de assistência médica, incluindo os Epidemia de cólera no Haiti, epidemia de Ebola na África, inundações no México e Bolívia e diversos terremotos na China, Indonésia, Chile, Peru e o próprio Haiti, em 2010.

Eles chegam aos locais de trabalho, transportando o hospital de campanha, que montam nos primeiros dias de internação, e carregam os pertences para um trabalho de sobrevivência de vários dias. O seu trabalho se alia ao ensino, já que formam paramédicos, e à investigação, já que suas experiências se refletem nas autoridades sanitárias onde atuam.

Além disso, são constituídos para cumprir rigorosamente os protocolos de Saúde de cada país, integram-se à estrutura de saúde e recebem seus pacientes gratuitamente, mesmo que não falem a mesma língua. Da mesma forma, estão preparados para oferecer cobertura médica em áreas remotas e de difícil acesso.

Seu maior mérito é salvar a vida de milhões de pessoas, com dedicação, profissionalismo, altruísmo e solidariedade, estendendo a mão, oferecendo amor, alegria e esperança de vida a todos os seus pacientes, independentemente da cor da pele, ou da religiosidade. , riqueza ou parentesco filial.

Conceder o Prêmio Nobel da Paz às brigadas Henry Reeve, segundo as pessoas que o defendem em todo o mundo, significa dar essa distinção a um grupo que realmente contribui e trabalha para o bem da humanidade. Ao mesmo tempo, uma resposta global será dada àqueles que não podem aceitar que um pequeno país bloqueado pelo imperialismo possa oferecer um serviço tão grande ao mundo.

Hospital de campañana cubano en Abbottabad que lleva por nombre

Embora suas ações não tenham sido motivadas pela obtenção de prêmios, eles detêm o Prêmio Saúde Pública em Memória do Dr. Lee Jong-Wook, concedido pela Organização Mundial da Saúde, em maio de 2017, em reconhecimento ao trabalho realizado na luta contra o Ebola na África.

De acordo com os requisitos para obter o Prêmio Nobel da Paz, eles contam o sacrifício, a dedicação, a vontade e o simples desejo de fazer o bem aos outros. Portanto, é meritório reconhecer a dignidade, a ética, o sacrifício e a honestidade que caracterizam os médicos cubanos, que partem para outros territórios movidos pelo princípio do internacionalismo proletário.

Cooperação, o principal desafio do mecanismo CELAC-UE

#CELAC #BrunoRodriguezParrilla #Cuba #ALBA-TCP #Minrex #DiazCanelB #VamosPorMas #Somo0sContinuidad #TenemosMemoria #Covid-19 #SaludMundial #EstadosUnidosBloquea #CubaSalva #ElBloqueoEsReal #CubaApuestaPorLaSalud #Salud #AmericaLatina #HugoChavez #FidelCastro #EternoComandante

Autor: Nuria Barbosa León | internet@granma.cu

O apelo para preservar o vínculo entre a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) e a União Europeia (UE), e para evitar a exclusão de qualquer nação, essencialmente a Venezuela, centrou a intervenção do Ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, na Reunião Ministerial informal desse mecanismo multilateral.

De forma virtual, representantes de mais de 50 governos discutiram a necessidade de uma resposta conjunta ao COVID-19, o uso de novas tecnologias de informação e comunicação neste contexto, iniciativas de enfrentamento às mudanças climáticas, e cooperação multilateral na recuperação pós-pandemia.

Bruno Rodriguez celac ue

“As múltiplas crises agravadas pela COVID-19 e seus efeitos devastadores evidenciaram a urgência de intensificar a solidariedade e a cooperação internacional”, disse o Chanceler cubano, e a seguir explicou o grande desafio da ilha para superar os efeitos da pandemia , dada a intensificação do bloqueio econômico, comercial e financeiro dos Estados Unidos.

«Este mecanismo deve ser, a nosso ver, o quadro de coordenação de uma resposta bi-regional aos desafios impostos pela COVID-19, que permite a participação de todos os países da CELAC e da União Europeia, sem exclusões e sem ignorar a nossa diversidade e diferentes níveis de desenvolvimento ”, defendeu o ministro cubano na reunião convocada pela Alemanha, na qualidade de presidente da UE.

Os outros países também pediram apoio à Organização Mundial e Pan-Americana da Saúde, ajuda abnegada e colaboração.

O Ministro das Relações Exteriores do México, Marcelo Ebrard Casaubon, na qualidade de Presidente Pro Tempore da Celac, destacou as múltiplas coincidências entre os valores, prioridades e perspectivas dos participantes diante dos desafios globais; entretanto, o alemão Heiko Maas anunciou a criação de um instituto transnacional de luta contra as doenças infecciosas na América Latina.

Discurso memorável de Hugo Chávez em Cuba há 26 anos.

#HugoChavez #VenezuelAmiga #FidelCastro #RevolucionCubana #ALBA #YoSoyFidel #SomosContinuidad #TenemosMemoria #IdeasQueSonBanderas #EternoComandante

Sanções dos EUA impedir o acesso a medicamentos na Venezuela.

O governo venezuelano recebeu inúmeros sinais de apoio e solidariedade, inclusive da Rússia, China e do Congresso Nacional Africano, em face da agressão americana.

O ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, expressou sua gratidão ao Congresso Nacional Africano (CNA), partido governante da África do Sul, que condenou os novos ataques do governo dos Estados Unidos (EUA) contra o país sul-americano.

En la imagen de archivo, aparecen líderes del gobernante Congreso Nacional Africano (CNA) de Sudáfrica.

Em uma mensagem em sua conta na rede social do Twitter, o ANC publicou uma declaração na qual condenava o intenso ataque do governo do presidente dos EUA, Donald Trump, “contra o povo da Venezuela e seu governo eleito democraticamente”.

Em outro tweet, Arreaza expressou: “Agradecemos ao histórico Congresso Nacional Africano de Nelson Mandela, líder da aliança que governa na África do Sul, por sua solidariedade com o povo e o governo da Venezuela diante da agressão americana”.

Juntos derrotaremos o imperialismo! Ngiyabonga !! (Obrigado em Zulu) ”, disse o ministro das Relações Exteriores da Venezuela.

Caracas sustenta que as agressões que Washington está enfrentando têm o objetivo de derrubar o governo bolivariano.

O governo Trump ofereceu uma recompensa milionária ao presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e a outros líderes do país sul-americano, acusados de supostos laços com o narcotráfico, além de propor uma “oferta” para formar um governo de transição, que foi rejeitado pelas autoridades venezuelanas.

O governo venezuelano recebeu nos últimos dias inúmeros sinais de solidariedade, incluindo o da Rede de Defesa da Humanidade (REDH) e as autoridades da Rússia e China, entre outros.

Donald Trump acusa o presidente Maduro de tráfico de drogas.

Mais uma vez, os Estados Unidos tentam tirar proveito de uma situação extrema como a que o mundo está passando, desta vez na Venezuela.

O chavismo e a oposição medem suas forças com duas mobilizações no centro de Caracas

O oponente Juan Guaidó pediu à oposição para aprovar uma “declaração de disputas”. Enquanto isso, o presidente da Assembléia Nacional Constituinte, Diosdado Cabello, anunciou “a mãe das marchas”.

Em 10 de março, Chavismo e a oposição anunciaram que chegarão à sede da Assembléia Nacional, em Caracas, capital da Venezuela, em um novo dia de mobilizações que, de acordo com os dois setores, servirão para medir o pulso político no país. .

El chavismo y la oposición miden sus fuerzas con dos movilizaciones hasta el centro de Caracas

O presidente da Assembléia Nacional Constituinte (ANC), Diosdado Cabello, anunciou segunda-feira “a mãe das marchas”, em resposta à mobilização convocada para o mesmo dia pelo deputado da oposição Juan Guaidó, que pretende aprovar uma “declaração de disputa” “no Parlamento, onde estão incluídas as chamadas para eleições presidenciais (não previstas no calendário eleitoral), aumento das pressões internacionais contra o país sul-americano e uma” saída “do que é definido como” ditadura “.

Conforme anunciado pelos dois setores, as mobilizações convergirão para o centro da capital venezuelana, a fortaleza política do Chavismo, onde fica a sede do Legislativo.

Março Guaidó
A concentração dos seguidores de Guaidó partirá da praça Juan Pablo II em Chacao (localizada no município de mesmo nome, reduto da oposição), local onde se proclamou “presidente interino” há mais de um ano e pretende chegar à sede da Assembléia.

A mídia local relatou o lento fluxo de manifestantes concentrados em torno da praça. Nas áreas adjacentes existem cordões policiais. Continuar a ler “O chavismo e a oposição medem suas forças com duas mobilizações no centro de Caracas”

O governo colombiano compartilha a alucinação de Guaido

O Ministério das Relações Exteriores da Colômbia pede oficialmente a Juan Guaidó a extradição da ex-congressista Aída Merlano

O Ministério das Relações Exteriores da Colômbia solicitou formalmente o deputado da oposição Juan Guaidó, a quem ele reconhece como “presidente interino” da Venezuela, a extradição da ex-congressista Aida Merlano, depois de receber o cargo pelo Supremo Tribunal de Justiça.

“O objetivo é que o presidente Guaidó encaminhe todos os esforços que permitem à senhora Merlano retornar ao território colombiano, responda por seus crimes e cumpra a sentença que lhe foi imposta”, afirmou o comunicado do Ministério das Relações Exteriores da Colômbia.

Nesse sentido, a ministra das Relações Exteriores da Colômbia, Claudia Blum, disse que o pedido é feito perante Guaidó.

NOTICIAS RPTV@NoticiasRPTV

I 🇨🇴

Cancillería presentó pedido de extradición de Aida Merlano ante la Embajada de Venezuela en Colombia, que representa a Juan Guaidó.

La Canciller Claudia Blum rechazó la protección que Nicolás Maduro ha dado a la excongresista.

Video insertado

Contudo, antes da aparição pública de Merlano em Caracas, o presidente Maduro exortou o governo colombiano a ativar as relações consulares para executar o processo de extradição, medida que foi rejeitada pela administração de Iván Duque, afirmando que na Venezuela Havia “poucas garantias”.

Caracas rompeu relações diplomáticas com Bogotá em 23 de fevereiro de 2019, quando Duque decidiu apoiar a autoproclamação de Guaidó como “presidente interino” da Venezuela.

Ivan Duque tentando eliminar evidências de seus crimes

A ex-congressista colombiana Aida Merlano pediu desculpas à Venezuela por sua entrada ilegal no país, mas disse que seu “desespero” a levou a “buscar refúgio”, pois ela é considerada “perseguida” pelo presidente Iván Duque, um quem disse que tinha “a intenção de matá-la”.

Merlano, que cumpriu pena em uma prisão em seu país, fugiu da justiça depois de ter escapado pela janela de um consultório médico onde passou por tratamento odontológico em outubro do ano passado. Há uma semana, as autoridades venezuelanas a capturaram no estado fronteiriço de Zulia e, na quinta-feira, a ex-congressista disse que sua fuga foi “organizada pela classe dominante da Colômbia com a colaboração do ex-vice-presidente, Germán Vargas Lleras”.

Do Palácio da Justiça da Venezuela, em Caracas, e diante de jornalistas de diferentes países, Merlano disse que foi condenado “por um crime que não cometeu”, depois de “um ataque vicioso”, onde o Ministério Público e membros da Polícia Colombiana ” eles semearam evidências “que a incriminavam em crimes como porte de armas, um concerto para cometer crimes, entre outros.

Segundo o ex-congressista, essa “conspiração” foi dirigida pelo ex-vice-presidente Vargas Lleras, com a ajuda do ex-Néstor Humberto Martínez, que ele acusou de ser “a cota política” da Odebrecht para garantir que todas as contratações fossem destinadas a empresários que financiavam parlamentares de direita diferentes.

“Tudo foi uma montagem para me tirar do caminho, me desabilitar e me manter na prisão … porque eles sabiam que eu tinha fortes evidências para provar a corrupção que existe no meu país”, disse Merlano.