Acciones contra Cuba, Cuba, Historia de Cuba, Tarará

El que a hierro mata a hierro muere .

Categories: # Cuba, #CIA, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Cuba, Historia de Cuba, Tarará, CUBA - ESTADOS UNIDOS, raul castro | Deixe um comentário

Um duplo discurso de ódio: #MaríaElviraSalazar, do falso jornalismo à política barata de #Miami.

Por Francisco Grass

Filha de pais cubanos reinstalados nos Estados Unidos após o triunfo da Revolução, María Elvira Salazar cresceu no próprio seio do império. A realidade é que quando criança começou a desenvolver-se a partir da ideologia daqueles que não apoiam a ideia de uma Cuba livre e independente, com todos e para o bem de todos, em vez de uma eterna neocolónia ou dependência dos Estados Unidos.

Amleto Battisti Lora: el Rey del juego en La Habana - Todo Cuba

É difícil, portanto, compreender a ambivalência do uso da palavra “liberdade” para Cuba quando o cidadão americano a utiliza claramente para fins políticos.

Licenciado em Comunicação pelo Miami Dade College (MDC), o jovem comunicador tornou-se rapidamente um catalisador das ideias daqueles que fugiram de Cuba com o rabo entre as pernas, não daqueles que emigraram em busca de um melhor nível de vida, mas dos assassinos e torturadores que fugiram da ilha juntamente com uma burguesia que respondeu aos interesses dos Estados Unidos.

Herdeira daqueles que sonharam ver o colapso da Revolução para dividir novamente Cuba como se fosse uma tarte de maçã, María Elvira traiu o código de ética da sua profissão, que é permanecer imparcial, fiel aos factos, apresentar-lhes dados reais e de uma forma transparente.

Por outras palavras, ela é uma “falsa jornalista”, um termo que decidi usar pessoalmente para me referir a esse tipo de jornalista que ganha a vida com o que o pós-modernismo e o relativismo trouxeram sob a forma de pós-verdade e pós-comunicação através de notícias falsas, manipulando audiências com uma capacidade limitada para o pensamento crítico.

Parece que o seu interesse em infestar o mundo com ódio e falsos ideais democráticos sustentados pela idolatria do dinheiro levou a falsa jornalista a entrar no mundo da política, ou talvez seja porque a sua carreira “bem sucedida” se situou entre a pausa e o fim. É a cruel realidade capitalista da imagem e da idade na televisão em rede.

María Elvira Salazar dice que el presidente quiere evitar abusos en la  Enmienda 14

Seria algo ingénuo pensar que na sua práxis política Maria Elvira honraria o lema de Harvard que do latim “Veritas” se refere à verdade ou à procura dela pela ciência, talvez se tenham esquecido de pôr “pós” na frente, pelo que da lógica se poderia entender mais a partir de um lema “Postveritas” ou pós-verdade, na medida em que Maria Elvira é uma Campeã Olímpica.

Utilizando os seus conhecimentos das ciências da comunicação, a falsa jornalista e agora política norte-americana, María Elvira, tornou-se um instrumento parcialmente eficaz do império para exercer uma influência comunicacional pró-imperial no mundo hispânico, e em particular em sectores da direita cubano-americana sediada na Florida.

Contudo, não podemos ser ingénuos, os seus programas e discursos tóxicos têm penetrado o público nacional durante anos, e agora a falsa jornalista na sua carreira política está a optar por um discurso que conhece tão bem como a palma da sua mão, um discurso baseado na agressão directa contra Cuba e o seu governo. Acções que a levaram a ganhar o 27º distrito congressional da Florida para a facção republicana.

Para melhor compreender, a sua carreira política depende de os cubanos continuarem a sofrer privações e a manter o bloqueio genocida, agravando ainda mais este acto, que viola de forma flagrante a carta das nações unidas, o direito internacional, e os ideais de democracia que o cidadão americano afirma defender em nome do “povo” de Cuba.

É o que alguns poucos gatos esgotados dentro e fora da ilha gostariam de ser chamados “povo”, em contraste com os mais de 11 milhões que se levantam todos os dias para construir um país com o suor da testa e o machete na mão.

Voltando ao assunto, concentremo-nos na carreira política da cidadã norte-americana María Elvira Salazar nas últimas semanas. Não admira que ela tenha saltado para o comboio da “campanha mediática sem precedentes dirigida contra Cuba” a 11 de Julho.

Uma campanha de guerra não convencional, bem orquestrada e não convencional, destinada a desencadear uma guerra civil em Cuba, e assim, os escolhidos pela providência divina largariam as suas bombas democráticas em nome da “liberdade”, “liberdade de expressão” e “direitos humanos”, onde o sangue se transformaria em refrigerante de morango.

Un doble discurso de odio: María Elvira Salazar, del fakejournalism a la  politiquería barata de Miami | Razones de Cuba

Não sou religioso, mas acredito que por muito que o acto seja decorado como “humanitário”, não há sentido de paraíso, não há sequer uma pitada de humanidade neste.

O discurso enganoso e obscuro, destinado a confundir o povo, é uma arma letal se lhe for permitido crescer e criar raízes. É por isso que, como bom cubano, não lhes pode ser permitido continuar a esticar a pastilha elástica.

Vamos analisar o discurso político de María Elvillra a partir da sua conta pessoal no Twitter

Estamos a observar a congressista a passear pelos corredores do congresso, rodeada pelo eco da sala, que parece ser a sua única companhia.

Em primeiro lugar, ela fala de uma suposta delegação de cubanos convidados à Casa Branca, nesse sentido, o que mais me impressiona não é o seu pobre discurso, mas as suas características extraverbais, ela parece feliz, animada, quem são esses convidados, parece que eles nem sequer a quiseram acompanhar perante as câmaras.

A congressista diz que “só há aqui um povo cubano que precisa de liberdade”, depois levanta a mão direita e forma um “L” com os dedos, um símbolo utilizado pela contra-revolução interna e que foi evidente no vandalismo de 11 de Julho.

Diz também para “enviar a mensagem ao presidente de que precisamos de conectividade”. Para ser honesto, não creio que a congressista norte-americana tenha um problema de conectividade, e não percebo a que presidente se refere no seu discurso, parece estar a referir-se ao presidente dos Estados Unidos.

É curioso ver como ela se inclui num grupo ao qual não pertence, mas ao qual o seu governo bloqueou durante mais de 60 anos, limitando-os de todos os tipos de bens e serviços, incluindo a conectividade.

Não é claro para muitos, mas para mim é tão claro como o dia, o povo cubano já goza de conectividade apesar de haver pessoas como esta senhora que são responsáveis pela manutenção de um bloqueio desumano que impede o acesso a tecnologias que podem responder às exigências da população.

Ela diz não querer que o povo cubano se sinta só, mas as suas acções revelam uma distorção entre discurso e realidade, já sabemos que quando a congressista diz “povo” está a referir-se a um pequeno grupo de cubanos alinhado com a política de Trump, ou seja, fome, miséria, caos, divisão, tudo parte de uma agenda imperial que nada tem a ver com o povo.

Contudo, utilizando um discurso afirmativo típico do uso da pós-verdade, María Elvira fala em números, que não são apenas mentiras, mas que ela sabe de antemão que, se toda a contra-revolução interna e externa for tomada em conjunto, não chegam sequer a meio milhão. Um discurso que se destina a recrutar pessoas “confusas” para a causa de Roma, e sob uma fachada, esconde uma narrativa de um futuro apocalíptico.

É vergonhoso ver que enquanto a Florida é um epicentro pandémico da Covid-19, a Congressista Maria Elvira está a bisbilhotar a vida e a política de outras nações.

Não está a enganar ninguém Maria Elvira, todos sabem onde está a coxear, tal como a comunidade internacional conhece o prestígio e a qualidade do Sistema Nacional de Saúde Pública de Cuba e dos seus médicos.

Por outro lado, parece necessário recordar à Congressista que aqueles que lançaram a Campanha com hashtags e rótulos #SOSCuba, #SOSMatanzas, e iniciaram uma desescalada mediática contra a tranquilidade do povo cubano foram os seus companheiros no Departamento de Estado dos EUA.

Os mesmos que inseriram a ideia em sectores radicais da contra-revolução da intervenção “humanitária” em Cuba, sabendo de antemão que seria a menos conveniente para o povo cubano e especialmente para a sociedade civil.

Por outro lado, a congressista fala de “o resto da comunidade a observá-los e a apoiá-los”, incluindo, evidentemente, os Estados Unidos. Há uma clara omissão quanto à comunidade que apoia estes grupos de pessoas de mentalidade radical que atacam o governo e o verdadeiro povo de Cuba.

A verdade é esta, não é a comunidade internacional, pois na última votação na Assembleia Geral das Nações Unidas contra o bloqueio americano a Cuba, houve um apelo quase absoluto de todas as nações do mundo contra o genocídio.

Ainda mais risível é que não encontraram apoio na Organização dos Estados Americanos (OEA), conhecida por ser um laboratório do império para desestabilizar e derrubar governos progressistas na América Latina.

Estão isolados, desesperados, sabem que está iminente uma viragem na política cubana, pressionam o mais que podem, e pode-se ver no seu discurso uma preocupação, penso que sabem que o povo de Cuba não vai desistir facilmente da sua revolução.

Uma volta dos acontecimentos, e o seu pagamento está terminado.

Categories: # Cuba, # yo voto vs bloqueo, #solidaridadvs bloqueo, A Força-Tarefa da Internet para Cuba do Departamento de Estado, A força-tarefa e a guerra na internet contra Cuba, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Cuba, Historia de Cuba, Tarará, Acciones contra Cuba, fake news, Acuerdos, Béisbol, Cuba, Deportes, Federación Cubana de Béisbol, Grandes Ligas de Béisbol, Marco Rubio, Serie Nacional de Béisbol, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, congresso, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, CubavsBloqueo, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI | Deixe um comentário

E assim começaram as campanhas de ódio financiadas pelos congressistas norte-americanos contra #Cuba.

Categories: # Cuba, # yo voto vs bloqueo, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, #EstadosUnidos, #solidaridadvs bloqueo, A Força-Tarefa da Internet para Cuba do Departamento de Estado, A força-tarefa e a guerra na internet contra Cuba, ações intervencionistas dos EUA, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Cuba, Historia de Cuba, Tarará, Acciones contra Cuba, fake news, Acuerdos, Béisbol, Cuba, Deportes, Federación Cubana de Béisbol, Grandes Ligas de Béisbol, Marco Rubio, Serie Nacional de Béisbol, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, INTERVENÇÕES HUMANITÁRIAS DOS EUA, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, Redes sociais, Solidaridad, UNION EUROPEA | Deixe um comentário

#PUENTESDEAMOR Contra o bloqueio em frente da Casa Branca.

Categories: # Cuba, #CubaCoopera, A Força-Tarefa da Internet para Cuba do Departamento de Estado, A força-tarefa e a guerra na internet contra Cuba, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Cuba, Historia de Cuba, Tarará, Acciones contra Cuba, fake news, BLOQUEIO VS CUBA | Deixe um comentário

#Cuba: Nota de #Prensa del #MINREX .

Categories: # Cuba, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, A força-tarefa e a guerra na internet contra Cuba, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Cuba, Historia de Cuba, Tarará, Acciones contra Cuba, fake news, BLOQUEIO VS CUBA, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, campanha anti-cubana, joe biden, MINREX, SANCIONES | Deixe um comentário

Sumário da história.

Autor: Ernesto Estévez Rams | internet@granma.cu

Aos pés de um jagüey, Carlos Manuel dizia a todos sem distinção: a partir de hoje, ombro a ombro, pela liberdade de Cuba, Pátria ou Morte!

A cavalo, na Plaza de Bayamo, Perucho dizia ao povo: aqui está a carta, chama-se Patria o Muerte!

No corcel, lutando com vergonha, o Major se lançou sobre o adversário gritando “Pátria ou Morte!”

E lá no exílio, a esposa apaixonada respondeu à vileza da traição: Pátria ou Morte!

Ao pé de uma mangueira, Maceo disse-lhe o contrário: Não nos entendemos, e um mambí exaltado gritou às tropas cubanas: 23, Pátria ou Morte!

E a mãe de todos, na frente de outro filho caído, gritou para o mais novo: e tu, levanta-te, Pátria ou Morte!

Ferido na garganta com um cordão, Gómez cobriu o pescoço com um lenço e ordenou sua corneta: Você joga a Marcha da Pátria ou da Morte!

patria

Com a estrela que ilumina e mata, Martí falava aos humildes e em seu verso feito prosa ordenava-lhes: Com todos, Pátria ou Morte!

Ao entrar no porto de Havana e ver a bandeira indignada, Bonifácio avisou a todos: Nossos mortos erguendo os braços, Pátria ou Morte!

Diante da guarda rural, quatro tiros e sete golpes de facão, Quentin disse ao racismo: Pátria ou Morte!

Ao ser morto pelas balas do tirano, Mella descreveu seu destino: Pela Revolução, Pátria ou Morte!

Para acabar com os malandros que sequestraram a República, Villena propôs ao povo: Assuma o comando da Pátria ou da Morte!

Ao ianque e seu frontman incomodado com as nacionalizações, Guiteras disse com firmeza: A eletricidade é nossa Pátria ou Morte!

Pelo diferencial do açúcar, de costas para o assassino, de frente para o povo, Jesus caiu gritando: Pátria ou Morte!

Quando os olhos do homem assassinado foram trazidos até ele, Haydée disse aos capangas: Por meu irmão, Pátria ou Morte!

Quando as varas de balas cruzadas pareciam marcar a derrota, Almeida gritou a todos: Ninguém se rende aqui, Pátria ou Morte!

No palácio de outrora, agora do povo em armas, Camilo lembrava-nos do poeta: Irmãos, a Revolução acabou, Pátria ou Morte!

Na escola rural daquele altiplano, Che disse ao seu assassino: Atira que aqui é Pátria ou Morte!

E então, diante de todos os heróis, aqueles que ontem foram nós e hoje somos eles, Fidel resumiu para nós a história que já existiu e aquela que seria para sempre: Pátria ou

Categories: # Cuba, #CIA CONTRA EL CHE, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Cuba, Historia de Cuba, Tarará, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, HISTORIA DE CUBA | Deixe um comentário

Pátria ou Morte .

Autor: Pedro Jorge Velázquez | internet@granma.cu

Martí foi traído. Não há tempo para se intimidar por aqueles que procuram pisotear nosso país com uma canção. Quanto esquecimento existe no adeus? Quanto ódio cabe nas artérias de Miami? Quem nos esquece, esquece os jovens que cantam com eles, esquece seu povo, esquece sua pátria, esquece Martí. Os que cantam o fazem como se Cuba não lhes tivesse dado nada, como se tivessem se tornado artistas em Júpiter, como se não se lembrassem onde cresceram e quem os abraçou pela primeira vez, como se respeitar as nossas deficiências fosse não um dever, como se o oportunismo pudesse tirar tão rapidamente a gratidão de ser cubano; como se viver nestas ruas, como se cavar no nosso sulco, como se comer do nosso próprio prato, não fosse orgulho.

Martí era um independentista. Que ninguém se esqueça disso. Martí morreu por nós porque odiava o jugo espanhol e conhecia o monstro do norte. É por isso que ele o chamou de Golias e queria ser Davi. Sua morte foi a maneira mais digna de viver. A pátria o viu morrer e abriu suas entranhas para recebê-lo. Martí nunca cedeu suas terras aos interesses de outro governo. Ele nunca foi um anexacionista. Ele nunca foi um traidor. Ele nunca escreveu contra sua pátria ou fez qualquer discurso contra seu povo. Ele não permitiu que ninguém o manipulasse porque ele era um homem de ferro e luzes. E quando teve que plantar na frente de Zambrana, com a testa mais franzida que Nova York já viu, ele o fez. É por isso que peço que levante sua voz hoje. Faça isso por Martí.

Obra de Pedro San Jorge

Aquela canção inundada de ódio que tenta zombar de tudo o que somos, de tudo o que demos para sermos livres, do que foi derramado neste chão; aquela música que tenta mudar Cuba por um milhão de visualizações no YouTube, que tenta negociar nosso prestígio para curtir; aquela canção de seis zumbis hipnotizados pelo boom e pelo mercado, de seis tipos presos à hegemonia e ao egoísmo, de seis ratos que não sabem que a esse povo, como Martí, não falta dignidade; Essa canção rag e covarde não me representa. Seu ódio não me representa. Sua letra nojenta não me representa. Gente de Zona não me representa. Martí me representa. Descemer Bueno não me representa. Che me representa. Maykel Osorbo não me representa. Silvio me representa. Funky não me representa. Israel me representa. Yotuel não me representa. Fidel me representa.

No dia em que foi decidido aqui gritar Pátria ou Morte, não estávamos brincando de soldado. Estávamos mudando infernos, estávamos fundando uma cidade. Martí também gritou “Independência ou Morte” porque sabia que não havia outra maneira de salvar o país. No dia em que foi decidido gritar Pátria ou Morte aqui, não houve tentativa de impor uma doutrina, mas sim foi prestado respeito àqueles que morreram para alcançar a independência. No dia em que Fidel gritou Pátria o Muerte, todo o país chorava porque cem irmãos nos mataram em uma explosão e 400 ficaram feridos. A CIA os matou. O ódio os matou. Para que você conheça bem. Gritamos pelos 34 desaparecidos daquela explosão, pelas dezenas de homens inválidos para o resto da vida, pelas viúvas, pelos órfãos, pelas mães que queriam desaparecer. E tinha que ser Pátria ou Morte em Girón quando eles vieram nos invadir e nos matar. E tinha que ser Homeland ou Death in the Escambray quando famílias inteiras foram mortas a tiros. E teve que ser Homeland or Death quando um avião com 73 cubanos deixando Barbados desabou. Pátria ou Morte é nossa única verdade, nossa declaração, nossa denúncia, nosso grito, nosso veredicto e também será nosso epitáfio.

De que país e de que vida você está falando, que idolatra o ódio de outro governo contra seu país? Qual é o dominó bloqueado? Quem trancou o dominó? De que país e de que vida você está falando, que não cantam contra um bloqueio que acaba com a vida dos cubanos? De que “sangue para pensar diferente” você está falando? Onde é isso? Onde ficou a bússola, onde eles se perderam, quando mudaram? De que país e de que vida você está falando, se Maykel Osorbo recentemente pediu uma intervenção militar? É esse o país que eles querem? Invadido? De que país você está falando, se canta contra ele de outra fronteira? De que vida eles estão falando, se ofenderam nossos mortos mais sagrados? De que país e de que vida você está falando, se a vida neste país não foi respeitada até o triunfo da Revolução?

Deixe a história agora, que esta é e será Pátria ou Morte, porque respeitamos aqueles que nos deram sonhos e liberdade. “Não é uma frase numantina ou suicida, mas uma disposição impenitente de entregar tudo.” É Pátria ou Morte, porque somente com essa determinação fomos livres. Grátis, como pensamento imprevisível. É pátria ou morte porque este país não pode morrer novamente. Há lágrimas que ainda correm pelo rosto e feridas que ainda queimam na pele. É Pátria ou Morte porque quem se levanta hoje com Cuba se levanta para sempre. É pátria ou morte porque o coração nos sangra.

A única maneira de ficar seguro, a única maneira de resistir ao ataque dos ventos do norte, a única maneira de ser o farol deste continente afundando, a única maneira de não ser os cães de uma ideologia opressora, a única maneira de continuar a construir um país melhor: criticando o mal feito e avançando, única forma de uma criança pobre da montanha se profissionalizar, única forma de ter nossas escolas, nossos hospitais, nossos parques; nossa arte, gratuita, crítica e genuína; A única forma de as nossas vidas serem respeitadas, a única forma de acordarmos felizes todos os dias, com um imperfeito mas nosso, é acreditar, é dizer, todos os dias, Pátria ou Morte!

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Fidel, #YoSoyFidel, ações subversivas, Acciones contra Cuba, Cuba, Historia de Cuba, Tarará, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, cultura, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, HEROES Y MARTIRES, HISTORIA DE CUBA, Manipulacion, MUSICA CUBANA, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Patria Jose Marti, Redes sociais, Subversão contra Cuba, Subversión, Terrorismo, TERRORISMO VS CUBA | Deixe um comentário

A fórmula de Praga e as revoluções coloridas para Cuba.

Por Raúl Antonio Capote

Durante a ofensiva cultural da CIA contra o socialismo, após o fim da Segunda Guerra Mundial, a agência de inteligência americana criada em 1947 se infiltrou em todos os espaços da cultura.

A CIA publicou autores conhecidos que seguiram a linha de Washington, realizaram múltiplas ações para combater a arte com algum conteúdo social, subsidiou jornais e jornalistas e comprou artistas e intelectuais.

O processo que levou à derrota do socialismo na Europa Oriental teve muito a ver com os efeitos sobre as mentes da intensa guerra cultural que eles tiveram que enfrentar durante anos, bem como com os erros desses projetos.

As “revoluções” pró-capitalistas ocorridas no chamado Campo Socialista no final da década de 1980 respondem a um roteiro semelhante, ajustado às características de cada nação, dependendo da história e da cultura. Na Bulgária, o roteiro restaurador foi montado sobre os problemas ecológicos pelos quais aquele país estava passando; na Polônia, eles se aproveitaram dos sentimentos religiosos e da inquietação em alguns setores da classe trabalhadora; na Tchecoslováquia, eles dependiam principalmente do movimento cultural e político herdeiro da Primavera de Praga, etc.

Em Praga, o movimento anti-socialista nucleado em torno de um grupo de intelectuais, entre os quais Vaclav Havel, um dramaturgo tcheco, apoiado do Ocidente pelos serviços especiais europeus e pela CIA, realizou, em 1989, uma revolução sob a bandeira da «não violência».

A grande mídia ocidental durante anos promoveu a imagem de Havel como o grande líder antiburocrático capaz de restaurar o capitalismo e trazer liberdade para seu país.

Resultado de imagen de imagenes de revoluciones de colores

Havel foi presidente do Círculo de Escritores Independentes, fundador do movimento Carta 77 e líder do grupo de oposição Foro Cívico. Recebeu vários prêmios de organizações e instituições dos Estados Unidos e da Europa, além de ser mimado pela crítica no Ocidente.

A Revolução de Veludo, como o golpe suave que acabou com o socialismo na Tchecoslováquia foi batizado, teve sucesso com relativa facilidade. Vaclav Havel foi eleito presidente, o país foi dividido em República Tcheca e Eslováquia e políticas de choque neoliberais foram postas em prática em nome dos direitos humanos e da liberdade de expressão.

O modelo de Praga foi tentado inúmeras vezes em Havana, mas a impossibilidade de encontrar líderes de uma oposição pró-capitalista obrigou a CIA a fabricar seu próprio Vaclav Havel por meio de bolsas de treinamento de liderança no exterior, prêmios e promoção na mídia.

Fabricar movimentos artísticos apoiados por prestigiosas organizações internacionais, tentando alcançar a estranha metamorfose de transformar a pseudo-arte em arte de vanguarda, para usar esses elementos contra a Revolução, é o objetivo perseguido pelos serviços especiais americanos.

A fórmula de Praga, usada contra Cuba, tem graves falhas na sua concepção e implementação. A Revolução Cubana é autêntica, filha da nossa cultura e das nossas ideias, o nacionalismo aqui é o resultado do processo de libertação anticolonial e antiimperialista. Não saber a natureza política do poder nas Grandes Antilhas os levou e os levará ao fracasso repetidas vezes.

Categories: # Cuba, #CIA, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, A Força-Tarefa da Internet para Cuba do Departamento de Estado, A força-tarefa e a guerra na internet contra Cuba, ações subversivas, Acciones contra Cuba, Cuba, Historia de Cuba, Tarará, Acciones contra Cuba, fake news, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Cuba, fake news, cultura, CULTURAIS, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Fake news, Intelectuales, Política, Red de Intelectuales y Artistas en Defensa de la Humanidad (REDH), Soberanía, Venezuela, Los artistas del Imperio, Manipulacion, Manipulacion Politica, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Subversión, Subversión contra Cuba | Deixe um comentário

Palavra precisa | Sobre a importância de conhecer a História.

Categories: # Cuba, #Al Qaeda, Associated Press, #CIA, #cuba, #EEUU, estados unidos, MSNBC, NBC,#Reino Unido, #Rusia, Universidad de Lincoln, William Arkin, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Estados Unidos, ações subversivas, Acciones contra Cuba, Cuba, Historia de Cuba, Tarará, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, cultura, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, HISTORIA DE CUBA, Jose Marti, Manipulacion, Manipulacion Politica, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Patria Jose Marti, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Lista de Cuba sobre ações terroristas dos Estados Unidos.

Por Arthur González

Os Estados Unidos se reservam o direito de fazer listas para incluir nelas os países que não se ajoelham a seus pés, porém são os maiores terroristas e o abrigo seguro de centenas de assassinos.

Cuba também pode fazer uma lista de pessoas e entidades a serem sancionadas nos Estados Unidos por executar atos criminosos, hospedar terroristas e apoiar países como Israel e as ditaduras militares dos anos 60 e 70 do último século XX.

Washington deu apoio material e político ao regime sul-africano, quando executou o desprezível sistema do Apartheid e a outras ditaduras daquele continente que reprimiram de forma selvagem seus povos, com um fardo incomparável de crimes contra a humanidade.

Guerras imperiais como as da Coréia, Vietnã, o lançamento de duas bombas nucleares sobre a população civil do Japão, são ações históricas que, por si só, são suficientes para levar os ianques a um tribunal internacional.

Os atos de terrorismo dos Estados Unidos contra Cuba são inúmeros, desde a organização, treinamento e financiamento de terroristas assassinos, invasões mercenárias, até a concessão de refúgio legal a milhares de capangas ensanguentados, guiados por funcionários do FBI e da CIA.

No topo da lista devem estar os 12 presidentes dos últimos 62 anos, porque todos aprovaram planos terroristas contra o povo cubano.

Em 23 de dezembro de 1958, o presidente Dwight Eisenhower, com o apoio do então diretor da CIA, Allen Dulles, afirmou na reunião do Conselho de Segurança Nacional: “Devemos impedir a vitória de Fidel Castro”.

Em 1º de janeiro de 1959, os Estados Unidos protegeram os assassinos e torturadores do regime do ditador Fulgencio Batista, que fugiram da justiça cubana e, apesar das notas diplomáticas exigindo sua extradição, concederam-lhes a condição de “refugiados políticos”.

Em 28 de janeiro de 1959, a primeira organização contra-revolucionária a conspirar contra a revolução cubana vitoriosa, chamada La rosa blanca, liderada por Rafael Díaz-Balart, foi formada em Miami. Também não condenaram o americano Allen Mayer, que veio dos Estados Unidos naquele mês em um pequeno avião a Cuba com a intenção de assassinar Fidel Castro.

Cuba convoca a II Simposio Internacional sobre la Revolución | Cubadebate

Eles participaram da conhecida Conspiração Trujillista, que pretendia criar uma força militar nas províncias centrais para derrubar o governo revolucionário. Foi conhecido com antecedência e desmontado em 13 de agosto de 1959 na cidade de Trinidad.

Eisenhower e Allen Dulles autorizaram três ataques aéreos entre 11 e 21 de outubro de 1959, para bombardear engenhos de açúcar na ilha, além do executado em 21 de outubro em Havana, pelo traidor Pedro Díaz Lanz, ex-chefe da Força Aérea Cubana , protegido em Miami. No atentado houve uma morte e 45 feridos, situação que o FBI conhecia e não agiu contra o responsável.

Naquele ano, houve dezenas de atentados sem que as autoridades ianques agissem.

Em março de 1960, o presidente Eisenhower aprovou o primeiro Programa de Ação Secreta da CIA contra Cuba, responsável por tarefas subversivas como a Operação Peter Pan, que tirou 14,38 crianças desacompanhadas e desacompanhadas do país com o apoio da Igreja Católica. financiamento para invadir Cuba.

Em 4 de março, a CIA explodiu o navio francês La Coubre no porto de Havana, matando 101 pessoas, ferindo 200 e mutilando-as.

John F. Kennedy, em 20 de outubro de 1960, solicitou ajuda aos “lutadores pela liberdade cubanos”, o congelamento de todos os bens cubanos nos Estados Unidos e uma ação coletiva contra o comunismo, quando já sabia dos preparativos para a invasão do Ilha; Além disso, no final de janeiro de 1960, Richard Bissel, chefe das operações secretas da CIA, informou oficialmente McGeorge Bundy, conselheiro de Segurança Nacional de J.F. Kennedy e Sidney Gottlieh, o novo chefe da divisão de serviços técnicos da CIA encarregado do programa de experimentação de drogas, sobre planos para assassinar Fidel Castro.

A prova do terrorismo dos Estados Unidos contra Cuba foi a entrega, em fevereiro de 1961 a um dos assassinos selecionados, de uma caixa de charutos preferida por Fidel, contaminada com a letal toxina botulínica. Ao mesmo tempo, o coronel Sheffind, da CIA, forneceu ao mafioso John Rosselli várias pílulas envenenadas com objetivo semelhante.

China mató a 20 espías de la CIA entre 2010 y 2012

Em 22 de fevereiro, o professor voluntário Pedro Morejón é assassinado por elementos terroristas financiados pela CIA. Nesse período, a CIA aumentou os atos terroristas em Cuba, como incêndios em shopping centers, cinemas, ataques piratas contra usinas e refinarias de petróleo.

17 de abril de 1961 ocorre a invasão e é derrubado em apenas 67 horas. Kennedy presume o fracasso e demite o diretor da CIA, o vice-diretor geral Charles P. Cabell e Richard Bissel, chefe das operações secretas.

John Alex McCone é nomeado novo diretor, que recebe a ordem de Kennedy para fazer a conhecida Operação Mongoose, o programa subversivo mais abrangente contra Cuba, que contemplava uma invasão com o exército ianque, e fez a guerra econômica, comercial e financeira oficial, juntamente com a aplicação da Lei que proíbe o Comércio com o inimigo, de 1919. Ambos são mantidos.

Sob o governo Kennedy, vários planos de assassinato de Fidel e Raúl Castro foram planejados, incluindo em junho de 1963 Kennedy aprovou um novo Programa de Ação Secreta para a CIA, com atos terroristas contra a economia, que afirma:

“Só depois que os efeitos da retaliação econômica e das ações de sabotagem são profundamente sentidos na população e nos grupos de elite, pode-se esperar que o descontentamento nas forças armadas e outros centros de poder do regime em revoltas ativas contra o comunista castrista entourage ”.

José Martí - Detalle del autor - Enciclopedia de la Literatura en México -  FLM - CONACULTA

Esta é apenas uma amostra de por que sucessivas administrações mantêm a mesma linha de trabalho, que transborda em argumentos jurídicos as denúncias de inclusão dos Estados Unidos na lista cubana, onde milhares de pessoas, entidades governamentais e privadas, devem comparecer para serem sancionadas por sua crimes de sangue contra o povo cubano.

José Martí foi exatamente quando disse:

“Não há nada mais justo do que deixar as coisas da história em ponto da verdade”

Categories: # Cuba, #Al Qaeda, Associated Press, #CIA, #cuba, #EEUU, estados unidos, MSNBC, NBC,#Reino Unido, #Rusia, Universidad de Lincoln, William Arkin, #CIA, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Estados Unidos, #Fidel, #YoSoyFidel, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Cuba, Historia de Cuba, Tarará, CUBA - ESTADOS UNIDOS, Cuba: a obsessão de EE. UU, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, EUA avalia retornar a Cuba para lista de estados patrocinadores do terrorismo, FBI, FBI, James Comey., Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, HISTORIA DE CUBA, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, política dos Estados Unidos em relação a Cuba, Relações Estados Unidos Cuba, Terrorismo, TERRORISMO VS CUBA | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: