Das redes: Revolta anti-governamental em Puentes Grandes ou a revolução do arroz amarelo.

#Cuba #HuracánIan #FakeNews

Por Redacción Razones de Cuba

Era de esperar, era lógico, mas desta vez não ouvi falar disso nas redes, nem através da lente nebulosa da “Imprensa Independente”, vi-o de perto, de facto, mesmo debaixo do meu nariz. Observa-se como o pequeno grupo que tem estado sentado no canto, não esta semana, mas toda a sua vida, à volta do altifalante portátil através do qual somos sexualmente violados ao ritmo do reggaeton, fica cada vez mais alto no meio de risos e álcool.

Imagen de Razones de Cuba

Depois o maior tipo, aquele com os molares dourados, que nunca foi conhecido por ter um emprego na vizinhança, aquele que está mais longe de ser um exemplo para as gerações futuras, agarra num ramo de árvore caído e grita: “Arriba, vamo a viral a ejtooo” (Para cima, vamos viral a ejtooo). Depois os seus seguidores, entre eles adolescentes com I-Phone na mão e sapatos de marca, juntam-se, pouco a pouco, como um crescendo orquestral. Alguém puxa um caldeirão e uma colher, uma jovem com um casaco de casa transporta um bebé. De repente, um macho alfa audaz atira um contentor cheio de lixo para a Avenida 51, os carros abrandam, manobrando perigosamente à volta do lixo. Os vizinhos reúnem-se, a proporção de cidadãos corajosos que protestam contra os espectadores é esmagadoramente favorável a estes últimos. Risos, um certo gosto de diversão, histeria colectiva, confusão.

E a polícia chegou, sim senhor. Sem alarido, um carro patrulha, dois, um carro do governo local. Sem gritos, sem violência. Dois oficiais com a patente de coronel falam com o grupo (em vez da multidão, lembrem-se que a “multidão” regista e dá a sua opinião mas não participa) sem excessos. Descarregam-se, fazem a catarse necessária após horas de stress, não há uma única detenção ou situação violenta de ambos os lados. Murmuram acordos, possíveis soluções imediatas. O grande líder da rebelião popular não está lá para tudo isso, o adolescente que atirou o contentor apenas observa sem usar o seu alegado cupão, bilhete, bilhete ou virar para ser ouvido, sentado calmamente num canto. O comentário colectivo é: “Está a ficar quente aqui dentro”.

Dentro de uma hora, os veículos chegam com um paliativo acordado: alimentos em pequenas caixas e uma garrafa térmica de xarope para refrigerantes ao preço de custo. A fila acumula-se, no meio de luzes improvisadas e do folclore da cidade. Todos trazem as suas rações, chegam mesmo a comentar que o arroz amarelo é muito bom. Vejo a jovem mulher com o bebé passar com várias caixas e o incitador Golias com duas caixas gordurosas e um botão de xarope enquanto, como Pedro Navaja, o seu dente de ouro brilha por toda a avenida. Fica escuro e há silêncio mastigatório. A polícia vai-se embora.

Algumas horas mais tarde, ouve-se uma voz: “Se não voltarem a pôr o lú, eu volto a formá-lo”. Os jovens reúnem-se novamente na esquina, a noite está a avançar. Acho que eles estão a conspirar. Quando vou para a cama tarde, sinto a comoção, uma dúzia de conga bêbados e risonhos a agarrar ritmicamente os seus caldeirões ao grito de: “Ponham o lú”, enquanto encorajam os vizinhos a deixar as suas casas.

Desta vez não houve curiosos espectadores, apenas uma espreitadela através de uma janela, e não importava quantas vezes contornavam os dois quarteirões do bairro, não encontravam apoio. Desta vez nem sequer chegou a polícia. O que aconteceu? Covardia? Digestão? Ou pior… os órgãos repressivos colocaram um sedativo no xarope?

Consigo instalar-me na cama entre o calor e os mosquitos que após 4 dias já nem me mordem porque sentem tanta pena de mim. Ao longe, baixo, como um hino de derrota, um reggaetón balbucia a partir da mesma buzina, quase sem carga, uma obscenidade ininteligível. Eu consigo adormecer.

Eles nunca põem o “lú”.

Extraído de Cubadebate

Cuba: Um “regime” bipolar?

#Cuba #EstadosUnidos #Subversión #ManipulaciónMediática #RedesSocieles

Por Iroel Sánchez

Há pouco mais de quinze dias, um spot inundou a televisão cubana no horário nobre e no canal com o maior índice de audiência, promovendo um concerto em Varadero pela pessoa que, a partir de hoje, é a nova vítima da “falta de liberdade de expressão em Cuba”. Também na mesma data, ela apareceu no musical mais popular do mesmo canal. Tudo isto aconteceu após meses de declarações sistemáticas contra o governo cubano por parte da agora vítima da “censura de Castro”.

Imagem de Razones de Cuba

Há alguns dias atrás, numa instalação gerida pelo mesmo “regime” que permite tudo o acima mencionado, e paga por isso, o músico até então promovido apareceu e o áudio de uma canção foi interrompido.

Tanto pela versão que lemos inicialmente, como pela recente “banição” de outro artista, a máquina do ódio anti-Cuba lançou-se a si própria para condenar a “ditadura” e colocar muitos sob a obrigação de falar. Agora, uma versão do director do estabelecimento parece que não foi assim, que foi depois da hora de encerramento (3 da manhã) e houve um comportamento que a direcção daquele estabelecimento considerou inaceitável por parte do músico e do seu técnico de som quando foram chamados à atenção sobre o assunto.

Leer en https://www.facebook.com/100041801243554/posts/914019286668104/

O facto também não corresponde à atitude, não de um grupo de indivíduos responsáveis por essa instalação num determinado momento e local, mas sim à atitude que o “regime” tem vindo a assumir há meses e meses com o artista agora censurado. No entanto, imediatamente, os “jornalistas” que trabalham com os media pagos pelos Estados Unidos para mudar este “regime”, que por acaso estão presentes no local dos acontecimentos e que podem mover-se e fazer o que fazem em Cuba com recursos que os media do “regime” não têm, transformam-no em notícia e prova definitiva da falta de liberdades em Cuba.

Não há dúvida, o “regime” é bipolar… ou há uma parte da história que não nos estão a contar a partir daí, onde, não um regime, nem pensar, mas algumas pessoas muito más e concretas, apoiadas e financiadas pelo regime mais poderoso do mundo, esmagam discos de músicos “comunistas”, boicotam concertos, e ficam caladas quando prendem rappers a milhares de milhas de distância daquilo a que chamam ditadura cubana.

Extraído de  La Pupila Insomne

O que não disse Mailen.

#ManipulaciónMediática #MafiaCubanoAmericana #FakeNews #CubaEsSalud #CubaSalva #Solidaridad

Chapeando: Matança de reputação como uma estratégia de ódio.

#InjerenciaDeEEUU #RevoluciónCubana #FakeNews #ManipulaciónMediática

Por: Arleen Rodríguez Derivet CUBADEBATE

A transcendência obriga. Hoje, o Dia do Sol, é correcto e necessário falar sobre o triunfo histórico de Gustavo Petro e Francia Márquez na Colômbia. Toda a América está a celebrar, excepto a parte do continente que é contra a Nossa América.

Bárbara Betancourt sublinhou alguns pronunciamentos desqualificantes, tais como os do Governador da Florida, Ron De Santis, que descreveu Petro como narcoterrorista, e Mario Vargas Llosa, tradicionalmente contra as tendências populares e que disse esperar que o resultado desta eleição seja um acidente que será de curta duração.

Por seu lado, Reinier Duardo comentou as tentativas de certa imprensa de Miami de acusar Cuba de interferir nas eleições e até sugeriu que Petro foi eleito com o apoio de diplomatas cubanos. Esta é claramente uma tentativa de introduzir uma matriz ridícula para quebrar a solidariedade histórica entre Cuba e a Colômbia.

Num processo político atormentado por ameaças aos dois candidatos de centro-esquerda, que, a propósito, já disseram nas suas primeiras declarações que não procuram opor-se ao capitalismo, os detratores só se manifestaram contra eles por causa da sua origem e por proporem o fim há muito esperado dos ódios históricos na Colômbia.

O programa incluía um áudio da mulher de Petro que circulou na véspera das eleições, que mostra a extensão das ameaças à vida pessoal e familiar de Petro e da França.

Temos discutido frequentemente este tema: o assassinato da reputação. A forma como a privacidade é agredida, a manipulação mais grosseira é utilizada e os factos são mentidos ou ajustados ao que os detratores querem que o seu público acredite. Foi o que fizeram e fazem todos os dias, contra o governo de Nicolás Maduro na Venezuela, contra Evo Morales na Bolívia, contra Rafael Correa no Equador ou Cristina Kirchner na Argentina. E fazem-no contra todos os quadros dirigentes do governo cubano.

Entretanto, o quarteto é o mesmo no Sul da Flórida. Lembra-se do que Carlos Lazo disse na semana passada sobre a maioria dos emigrantes que desejam uma relação normal com o seu país, enquanto aqueles que vivem alimentando o ódio vão na direcção oposta?

A última prova deste confronto é um concerto de Ricardo Arjona, onde a actuação da canção “Puente”, da primeira menção de Havana, desencadeou as emoções dos emigrantes da ilha, que aplaudiram em voz alta: CUBA, CUBA, CUBA, CUBA.

Chapeando partilhou sons retirados do programa Guerreiro Cubano, incluindo a reacção de um ódio contra Arjona, em contraste com o caloroso acolhimento dos cubanos reunidos no concerto. Como diria Taladrid, “tire as suas próprias conclusões”. Na quinta-feira continuamos Chapeando.

As autoridades cubanas chegaram tarde ao incidente do Hotel Saratoga ou estão a dar um exemplo a seguir?

#CubaNoEstaSola #HotelSaratoga #FuerzaCuba #EnLasRedesEstamos #DefendiendoCuba #CubaEsSegura

Desde o ridículo ao repulsivo.

#FuerzaCuba #HotelSaratoga #MafiaCubanoAmericana #ManipulaciónMediática #CubaNoEstaSola

A CUBA não podia acreditar…

#CubaNoEsMiami #CubaNoEstaSola #ManipulaciónMediática #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes

Mentirosa ou esquecida .

#CubaViveYTrabaja #UnMejorPais
#RedesSociales #FakeNews #ManipulaciónMediática #CubaPorUnaMigraciónSegura

Fofoca da Oti.

#RedesSociales #SubversiónContraCuba #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes

CON FILO | Losers.

#UnAñoMásDeGirón #Cuba #ConFilo #GuerrerosDePatriaOMuerte #RimemberGirón #MercenariosYDelincuentes #MafiaCubanoAmericana

%d bloggers like this: