AMLO concorda: A OEA deve ser deixada para trás .

#EstadosUnidos #InjerenciaDeEEUU #OEA #AMLO #CELAC

Por Piedad Córdoba Ruiz, publicado en Resumen Latinoamericano.

No contexto do bicentenário do bicentenário dos primeiros actos independentistas na Nossa América, o Presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador, AMLO, retomando a ideologia bolivariana, propõe enterrar a Organização dos Estados Americanos, que descreve correctamente como uma organização de lacaios. Devo dizer que o discurso que proferiu no passado dia 24 de Julho no Castelo de Chapultepec em homenagem ao 238º aniversário do nascimento do Libertador, é imperdível, e é um must para o debate político na região, incontornável para qualquer projecto alternativo no continente. (https://www.youtube.com/watch?v=JrvSTSyk2WE)

Qual é a diferença entre o Congresso Amphictyonic de 1826 sabotado do Panamá e a Conferência Pan-Americana de 1948 em Bogotá que deu origem à OEA? Uma grande distância nos seus objectivos, mas o monroísmo e o Santanderismo eram características constantes. O Santander convidou o delegado norte-americano e, com um preconceito claramente racista e político, excluiu o representante do Haiti. Poucas das aspirações integracionistas de Bolívar puderam ser realizadas no Panamá, dadas as apreensões das elites crioulas e a definição americana do continente como o seu espaço natural de expansão imperial, sob a premissa do Presidente Monroe de “América para os Americanos”, entendida como os americanos conhecidos como WASPs (White Anglo-Saxon and Protestant). Apenas 20 anos após o fracasso da reunião do Istmo, o México foi invadido pelos EUA e perdeu metade do seu território, pelo que não é fortuito que a preocupação do actual presidente em trazer o projecto latino-americano do Liberator de volta à mesa não seja fortuita.

Um século após o primeiro ataque imperial ao território latino-americano, e já estabelecido como potência mundial, foi convocada uma Conferência Pan-Americana, mas no interesse de Washington para reforçar o seu controlo político sobre os governos do continente no contexto da Guerra Fria. Não era suficiente, a pretensão do acordo militar do TIAR (Tratado Interamericano de Assistência Recíproca), que claramente não se aplicava quando não era do agrado da Casa Branca – como no caso das Malvinas. Com o Bogotázo ao fundo e uma Colômbia queimada pelo assassinato de Gaitán – que nos legou esta guerra que ainda não terminou – foi fundada a Organização dos Estados Americanos, quase como uma extensão viceregal do Departamento de Estado, e o colombiano Alberto Lleras Camargo – um digno herdeiro de Santander – foi nomeado como primeiro Secretário-Geral da organização. A natureza neo-colonial da OEA, que se calou com o derrube de Arbenz na Guatemala, mas se apressou a expulsar Cuba revolucionária por ordem dos EUA, foi rapidamente posta a nu.

Depois de mais de 70 anos deste olhar diplomático, que em aplicações fraudulentas da sua carta democrática assedia governos que se opõem a Washington, mas manteve o reconhecimento de todas as ditaduras do continente – desde os Somozas a Jeanine Añez, passando por todos os golpes da doutrina da Segurança Nacional com Pinochet à cabeça – vale a pena discutir a sua relevância. Um novo momento político na América Latina exige a recuperação e o reforço de uma nova arquitectura institucional para a região, uma tarefa inevitável para os governos do continente e projectos alternativos, independentemente de ganhos eleitorais ou pressões empresariais.

López Obrador tem razão quando afirma: “É tempo de uma nova coexistência entre os países do continente, o modelo imposto há mais de dois séculos está esgotado, não tem futuro e não tem saída. Digamos adeus às imposições, interferências, sanções, exclusões e bloqueios… É uma questão complexa que requer uma nova visão política e económica. A proposta não é mais nem menos do que construir algo semelhante à União Europeia, mas ligado à nossa história e à nossa realidade, às nossas identidades. Neste espírito, a substituição da OEA por um corpo verdadeiramente autónomo, não um lacaio de ninguém, mas um mediador a pedido e aceitação das partes em conflito, não deve ser excluída. É uma grande tarefa para bons diplomatas e políticos”.

Durante a onda de desafios ao neoliberalismo neste século, surgiram novas propostas de integração e articulação regional, que foram fortemente atacadas face à contra-ofensiva conservadora da última década, mas cuja validade faz parte do debate actual. Para além dos múltiplos acordos de cooperação bilateral e do início de acordos de vários tipos com referências geopolíticas e de cooperação que não Washington, a primeira década do século XXI viu surgir a ALBA-TCP (2004), PetroCaribe (2005), UNASUR e o Conselho de Defesa Sul-Americano (2008), CELAC (2011), bem como a revitalização e expansão do Mercosul. Todos estes organismos foram, desde o início, uma verificação da lógica imperial dos EUA na região e instrumentos diplomáticos fundamentais na disputa continental, embora na maioria dos casos também representassem elementos de consenso com certos interesses hegemónicos e estavam sujeitos à fragilidade inerente à instabilidade política da região.

Quando a AMLO sugere a construção de um modelo semelhante ao da União Europeia, vale também a pena revalidar outras iniciativas essenciais para a soberania regional que não puderam concretizar-se, tais como o Banco do Sul ou o sistema monetário SUCRE. A interdependência económica inerente entre os EUA e o México em particular torna as relações de integração necessárias, mas sem minar a soberania. A AMLO não propõe uma ruptura com os EUA, como denuncia a direita latino-americana. Cooperação para o desenvolvimento e bem-estar de todos os povos da América Latina e das Caraíbas, e um multilateralismo aberto que tiraria a Nossa América da subordinação estratégica da OEA.

O discurso da AMLO coincide com o início da administração do Presidente Castillo no Peru e do seu novo ministro dos Negócios Estrangeiros, o veterano ex-combatente Héctor Béjar, que deixou de facto o auto-denominado Grupo Lima sem Lima. Do México e do Peru, o bloqueio de Cuba está a ser rejeitado, a reactivação de instituições regionais que não a obsoleta OEA está a ser defendida, uma solução sem derramamento de sangue, soberana e institucional para a crise venezuelana está a ser promovida, e estão a ser feitos progressos no reconhecimento da posição de fantoche de Juan Guaidó, em cuja defesa teimosa apenas persiste o Ministério dos Negócios Estrangeiros colombiano, que continua com o discurso obsoleto do terrorismo internacional como se G.W. Bush ainda fosse presidente dos EUA. Bush ainda era presidente dos Estados Unidos da América.

No entanto, para poder assumir a aposta da AMLO de completar o feito inacabado da integração latino-americana, é necessário consolidar os processos democráticos existentes no continente e retirar à direita continental em 2022 os seus dois redutos na Nossa América: a Colômbia, cujos pactos militares e exportação de mercenários são uma ameaça à segurança regional; e o Brasil, uma potência regional, agora sujeita à insanidade fascista de Bolsonaro. Só desta forma, aquela coisa feia que é a OEA, como cantou Carlos Puebla, seria relegada para o museu da ignomínia. O Santanderismo colombiano já enviou o seu artigo de colecção, um símbolo da colecção da OEA: o embaixador ultramontano Alejandro Ordoñez Maldonado, que ainda estou à sua espera nos tribunais e na Comissão da Verdade.

O governo dos EUA manipula contra Cuba para justificar um bloqueio cruel.

#ALBA-TCP #AmericaLatina #CubaSoberana #MafiaCubanoAmericana #EEUUBloquea #CubaSalva

Por Redacción Razones de Cuba

Os países da Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América – Acordo Comercial dos Povos (ALBA-TCP) expressaram a sua mais firme rejeição das novas medidas coercivas unilaterais impostas pelos Estados Unidos a dois funcionários do Ministério do Interior e às Tropas de Prevenção das Forças Armadas Revolucionárias.

A Aliança ratifica a sua solidariedade e apoio ao povo e ao governo de Cuba, disse Sacha Llorenti, o secretário executivo da organização, na sua conta do Twitter.

A ALBA-TCP condenou a aplicação de medidas coercivas unilaterais que violam os princípios fundamentais da Carta das Nações Unidas, e reiterou que estas mostram o carácter intervencionista de um Estado que transgride as disposições do Direito Internacional e procura gerar situações de desestabilização política.

A organização apelou uma vez mais à comunidade internacional a rejeitar este tipo de intimidação, e a defender a soberania, autodeterminação e independência política dos Estados.

Pela sua parte, o membro da Mesa Política Cubana e Ministro dos Negócios Estrangeiros Bruno Rodríguez Parrilla, também no Twitter, agradeceu aos países da ALBA o seu apoio na rejeição destas medidas oportunistas, que denunciou como reflectindo a duplicidade de critérios de um governo habituado à manipulação e à mentira para manter o bloqueio contra Cuba.

As novas sanções visam os funcionários Romárico Vidal Sotomayor e Pedro Orlando Martínez, ambos da Minint, e as Tropas de Prevenção das FAR.

Extraído de Granma

#Venezuela, #Nicarágua e #Cuba como navios de bandeira da esquerda.

#EstadosUnidosBloquea #ElBloqueoEsReal #UnionEuropea #EliminaElBloqueo #Nicaragua #Venezuela #Cuba Sanciones #Russia #China #Washington #ALBA-TCP #CELAC

A OEA é contra os interesses da Nossa América.

#OEA #AmericaLatina #ALBA -TCP #EstadosUnidos

Autor: Granma | internet@granma.cu

Rejeitamos as tentativas de interferir nos assuntos internos da Bolívia e as preocupações hipócritas sobre os direitos humanos, que não estavam presentes quando os apoiantes do MAS foram reprimidos e assediados. Mais uma vez monroista, o Secretariado da OEA é contra os interesses da Nossa América”, disse o Ministro dos Negócios Estrangeiros cubano Bruno Rodríguez Parrilla no Twitter, referindo-se às declarações de interferência do Secretário-Geral da Organização dos Estados Americanos, Luis Almagro.

Várias organizações, governos e a Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América – Tratado Comercial do Povo (ALBA-TCP) rejeitaram as tentativas de desacreditar todo o processo de justiça que leva a cabo a nação sul-americana contra os autores do golpe contra o ex-presidente Evo Morales.

A ALBA-TCP, numa declaração, alertou a comunidade internacional que as acções de Almagro constituem uma “violação muito grave dos princípios e objectivos da Carta das Nações Unidas, e apenas promovem o confronto e a desestabilização dos processos democráticos”.

Almagro se presenta a la reelección como secretario general de la OEA | El  Mundo | DW | 06.12.2018

O texto do organismo regional denuncia a participação da OEA no golpe de Estado na Bolívia em 2019, que se caracterizou pela repressão e a promoção do racismo, bem como a intolerância contra os movimentos sociais e os povos indígenas.

Sobre o interrogatório da detenção do ex-presidente de facto, Jeanine Áñez, e de antigos membros do seu Gabinete, acusados de sedição, terrorismo e conspiração, o porta-voz presidencial da Bolívia, Jorge Richter, afirmou que a investigação e esclarecimento dos acontecimentos violentos ocorridos em 2019 são uma dívida do Estado para com as vítimas.

Além disso, sublinhou que o conceito de “perseguição política”, repetido pelos sectores da oposição, procura manter a impunidade sobre estes massacres e deixar em aberto a possibilidade de um novo golpe de Estado.

Por outro lado, num comunicado de imprensa, o Ministério dos Negócios Estrangeiros boliviano anunciou que tinha convocado Charisse Phillips dos EUA e o Embaixador brasileiro Octavio Henrique Días García Côrtes para lhes pedir que não interviessem nos assuntos internos do Estado Plurinacional, como estipulado, no caso dos Estados Unidos, no Acordo-Quadro sobre Relações Bilaterais de Respeito Mútuo e Colaboração entre os dois governos.

Discurso del Canciller de Cuba en XXI Reunião do Conselho Político do ALBA-TCP.

#Cuba #NuestraAmérica #ALBA_TCP #CubaSalva #EEUUBloquea #DonaldTrumpCulpable #Sanciones #ElBloqueoEsReal #PuentesDeAmor #Venezuela #InjerenciaDeEEUU #BloqueoNoSolidaridaSi #TerrorismoMadeInUSA #Covid-19 #SaludMundial

Venezuela propõe banco de vacinas para os povos da ALBA.

#SaludMundial #Covid-19 #Venezuela #Cuba #NicolasMaduro #MiguelDiazCanel #ALBATCP #CELAC #CubaEsSolidaridad #CubaPorLaSalud ~EEUUBloquea #CubaSalva

Retirado de teleSUR .

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, propôs nesta segunda-feira durante a XVIII Cúpula da ALBA-TCP que se somam os esforços de Cuba e da Venezuela para a criação de um Banco de Vacinas da Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América (ALBA).

“A ALBA deve garantir através do Banco da ALBA o financiamento de todo o processo de vacinação dos países membros, deste bloco sindical”, destacou Nicolás Maduro em seu discurso.

Cuba desarrolla de manera acelerada cuatro proyectos vacunales contra el coronavirus.

Durante o encontro virtual, o presidente venezuelano especificou que devemos trabalhar para especificar toda a política de saúde e educação, o re-impulso do Petrocaribe, o apoio a todos os nossos povos e assumir a estratégia como “uma agenda da Grande Nação”.

Além disso, o chefe de governo propôs um processo de consulta permanente sobre o plano de trabalho pós-pandemia aprovado esta segunda-feira durante a Cimeira do Palácio de Miraflores.

Durante a intervenção do presidente cubano, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, soube-se que Cuba está desenvolvendo de forma acelerada quatro projetos de vacinação contra o coronavírus. “Os cientistas cubanos estão envidando todos os esforços para disponibilizá-los no próximo ano”, declarou o chefe de governo cubano.

Intervenção do Presidente de Cuba na XVIII Cúpula ALBA-TCP

#Celac #ALBATCP #HugoChavez #FidelCastro #AmericaLatina #Bolivia #Venezuela #Cuba #Minrex #MidelDiasCanelB #Covid-19

Cooperação, o principal desafio do mecanismo CELAC-UE

#CELAC #BrunoRodriguezParrilla #Cuba #ALBA-TCP #Minrex #DiazCanelB #VamosPorMas #Somo0sContinuidad #TenemosMemoria #Covid-19 #SaludMundial #EstadosUnidosBloquea #CubaSalva #ElBloqueoEsReal #CubaApuestaPorLaSalud #Salud #AmericaLatina #HugoChavez #FidelCastro #EternoComandante

Autor: Nuria Barbosa León | internet@granma.cu

O apelo para preservar o vínculo entre a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) e a União Europeia (UE), e para evitar a exclusão de qualquer nação, essencialmente a Venezuela, centrou a intervenção do Ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, na Reunião Ministerial informal desse mecanismo multilateral.

De forma virtual, representantes de mais de 50 governos discutiram a necessidade de uma resposta conjunta ao COVID-19, o uso de novas tecnologias de informação e comunicação neste contexto, iniciativas de enfrentamento às mudanças climáticas, e cooperação multilateral na recuperação pós-pandemia.

Bruno Rodriguez celac ue

“As múltiplas crises agravadas pela COVID-19 e seus efeitos devastadores evidenciaram a urgência de intensificar a solidariedade e a cooperação internacional”, disse o Chanceler cubano, e a seguir explicou o grande desafio da ilha para superar os efeitos da pandemia , dada a intensificação do bloqueio econômico, comercial e financeiro dos Estados Unidos.

«Este mecanismo deve ser, a nosso ver, o quadro de coordenação de uma resposta bi-regional aos desafios impostos pela COVID-19, que permite a participação de todos os países da CELAC e da União Europeia, sem exclusões e sem ignorar a nossa diversidade e diferentes níveis de desenvolvimento ”, defendeu o ministro cubano na reunião convocada pela Alemanha, na qualidade de presidente da UE.

Os outros países também pediram apoio à Organização Mundial e Pan-Americana da Saúde, ajuda abnegada e colaboração.

O Ministro das Relações Exteriores do México, Marcelo Ebrard Casaubon, na qualidade de Presidente Pro Tempore da Celac, destacou as múltiplas coincidências entre os valores, prioridades e perspectivas dos participantes diante dos desafios globais; entretanto, o alemão Heiko Maas anunciou a criação de um instituto transnacional de luta contra as doenças infecciosas na América Latina.

Ao vivo: Raúl e Díaz-Canel presidiram o ato de massas que encerrou a XVII Cúpula da ALBA-TCP em Cuba

Com a presença do Presidente da República de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez; Chefes de Estado e outras autoridades dos países membros da Aliança Bolivariana para os Povos da América – Tratado de Comércio dos Povos (ALBA-TCP), a XVII Cúpula desta organização regional que comemora seu 15º aniversário ocorreu em Havana.

Autor: Milagros Pichardo | internacional@granma.cu

Autor: Ana Laura Palomino | internacional@granma.cu

Autor: Yisell Rodríguez Milan | yisell@granma.cu

Autor: Yisel González Fuentes | yisefuentes@gmail.com

Acto de masas en cumbre del ALBA

Foto: Juvenal Balán
Assista ao show ao vivo aqui:

O presidente de Cuba pronuncia as palavras finais da Lei Política e Cultural em homenagem ao XV aniversário da criação da ALBA-TCP, que ocorre nos degraus.

Foto: Juvenal Balán
“Exatamente há um ano, nossa Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América se reuniu para estabelecer posições comuns contra a intensificação previsível das agressões contra nossas nações. Nossas previsões não foram exageradas.”

“O governo dos Estados Unidos e seus aliados implementaram uma campanha desestabilizadora feroz e inescrupulosa em nossa região”.

“Eles fizeram isso retomando a aplicação brutal da Doutrina Monroe com a qual o atual governo de Washington se comprometeu”.

“A recente invocação do obsoleto Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR) contra a Venezuela é outro aviso de que a paz, a democracia e a segurança na região permanecem ameaçadas”. Continuar a ler “Ao vivo: Raúl e Díaz-Canel presidiram o ato de massas que encerrou a XVII Cúpula da ALBA-TCP em Cuba”

Reafirmar o compromisso de unidade, cooperação, solidariedade e integração dos povos faz parte dos objetivos da Cúpula ALBA-TCP de 2018.