Díaz-Canel: É nosso dever e honra promover e reforçar o magnífico trabalho de Fidel e Chávez.

#ALBA-TCP #ElCaminoEsLa Paz #PuentesDeAmor #YoSigoAMiPresidente #CELAC #AmericaLatina

Por Redacción Razones de Cuba

Discurso de Miguel Mario Díaz-Canel Bermúdez, Primeiro Secretário do Comité Central do Partido Comunista de Cuba e Presidente da República de Cuba, na inauguração da 20ª Cimeira da ALBA-TCP, no Palácio da Revolução, a 14 de Dezembro de 2021, “63º Ano da Revolução”.

Versões curtas – Presidência de Cuba

Caros Chefes de Estado e de Governo, Chefes de delegações que nos acompanham;

Compañero Sacha Llorenti Soliz, Secretário Executivo da ALBA-TCP:

São todos bem-vindos e recebem um abraço caloroso e afectuoso do General do Exército Raúl Castro Ruz.

É verdadeiramente estimulante voltar a vê-lo pessoalmente. Retomar as nossas reuniões cara-a-cara em Havana é duplamente inspirador. Não só porque a nossa proximidade é um sinal de que estamos a ultrapassar uma crise de saúde sem precedentes, mas também pela feliz circunstância de o estarmos a fazer para celebrar a 20ª Cimeira da Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América (ALBA-TCP) e para comemorar o 17º aniversário da sua fundação pelos líderes históricos das revoluções cubana e bolivariana, Fidel Castro Ruz e Hugo Rafael Chávez Frías.

Hoje damos um caloroso e afectuoso acolhimento a Santa Lúcia, mais uma vez sentada à volta desta mesa de irmãos que temos orgulho em receber (Aplausos).

Estamos particularmente satisfeitos com a vitória alcançada pelo Partido Socialista Unido da Venezuela e pelo Grande Pólo Patriótico nas recentes eleições regionais (Aplausos). Os resultados destas eleições foram uma retumbante rejeição a todas as campanhas que o império tem vindo a travar há anos contra a nobre pátria de Bolívar e Chávez. A Revolução Bolivariana não só resistiu a todos os ataques: ganhou!

De forma precisa, sob a liderança efectiva de Nicolás Maduro e graças à unidade cívico-militar, as forças revolucionárias e chavistas demonstraram que a razão e a verdade estão do seu lado, e que o destino da Venezuela é decidido pelo povo venezuelano e não pelos interesses e aspirações de dominação que tentam impor a partir do estrangeiro.

Irmão Nicolás, uma vez mais ratificamos o nosso apoio, solidariedade e firme compromisso de lealdade para com o seu povo e governo.

Do mesmo modo, felicitamos especialmente o Presidente Comandante Daniel Ortega Saavedra pela sua vitória nas eleições mais recentes (Aplausos). Mais uma vez, e apesar das fortes campanhas de difamação, o povo nicaraguense cerrou fileiras atrás do Governo de Reconciliação e Unidade Nacional.

A este corajoso povo nicaraguense e aos seus líderes, que juntos desafiam as políticas ameaçadoras e interferentes do Governo dos EUA e dos seus aliados, reafirmamos o nosso apoio permanente e a nossa maior solidariedade.

A recente tentativa de desestabilizar o Estado Plurinacional da Bolívia recebeu uma resposta firme do povo boliviano em estreita unidade com o nosso irmão Presidente Luis Arce Catacora, a quem reiteramos o nosso firme apoio e compromisso. Estamos consigo, irmão Lucho! (Aplausos.)

Estamos também com os nossos irmãos das Caraíbas, apoiando o seu direito a receber tratamento justo, especial e diferenciado, tão necessário para enfrentar os desafios decorrentes das alterações climáticas, das catástrofes naturais, do injusto sistema financeiro internacional e das novas e difíceis condições que nos foram impostas pela pandemia de VIH/SIDA.

Caros irmãos e irmãs:

Com a pandemia, as taxas de pobreza, desemprego e desigualdade na América Latina e nas Caraíbas aumentaram. A injusta ordem económica internacional e o papel secundário reservado dentro dela para a região agravaram este panorama para os nossos povos.

O mais terrível é que a emergência sanitária global não impediu a continuação das decisões neoliberais que favorecem a pilhagem de recursos das nações empobrecidas do Sul.

A cooperação internacional foi relegada para segundo plano e os interesses nacionais foram privilegiados nos países que dispunham de mais recursos para enfrentar a pandemia.

Medidas proteccionistas foram aplicadas de forma criminosa, impedindo e mesmo impedindo que os mais necessitados tivessem acesso urgente a material médico, respiradores artificiais, vacinas, medicamentos, pessoal de saúde e testes de diagnóstico.

Por puro egoísmo político e frio cálculo económico, a rapidez com que os cientistas encontraram vacinas para nos imunizar contra o vírus SRA-COV-2 foi desperdiçada. Nestas condições, os planos globais para lidar com a COVID-19 e a crise económica e social provocada pela pandemia são logicamente insuficientes. Não foi possível alcançar os objectivos estabelecidos.

Consciente da situação dramática gerada pela confluência destes factores, o imperialismo americano não só não parou, como reforçou os seus planos de dominação e hegemonia sobre a nossa região.

Mas as forças progressistas e os movimentos sociais e populares também responderam com uma melhor coordenação para resistir à investida.

Vários dos membros deste mecanismo de integração de que tanto nos orgulhamos são vítimas da aplicação de medidas económicas coercivas unilaterais, que se intensificaram nos piores momentos da pandemia, apelando a manobras políticas e operações mediáticas baseadas em mentiras e poderosas alavancas tecnológicas que o imperialismo não hesitou em utilizar sem uma sombra de vergonha.

Sendo o inimigo mais antigo do império na região, Cuba continua a ser o principal alvo da política obsessiva de perseguição do governo dos EUA, que oportunista e vilmente utilizou a pandemia como aliado nas suas tentativas nunca abandonadas de derrubar a Revolução Cubana.

Atacou e danificou, com campanhas falaciosas e pressões de todo o tipo, a cooperação que prestamos a dezenas de países, incluindo os desta Aliança, embora não tenha conseguido muito com estas manobras vis. Hoje, gostaria de vos agradecer as repetidas expressões de solidariedade e a ajuda atempada que recebemos, especialmente de muitos de vós, durante os momentos mais difíceis da pandemia no nosso país, precisamente quando a política hostil dos EUA contra Cuba mais se intensificou.

Por estas e outras razões, o apelo da actual administração dos EUA a uma chamada Cimeira da Democracia, da qual vários dos Estados aqui representados foram excluídos, é um acto profundamente hipócrita. Uma democracia incrível que exclui e nega outros modelos de desenvolvimento socioeconómico. Com toda a honestidade, deveria chamar-se a Cimeira Não-Democrática.

As nossas democracias não baseiam a sua força no poder do dinheiro ou das armas. Aqueles de nós que reuniram as suas energias e potencialidades em torno da ALBA-TCP não cabem nos moldes concebidos pelo império para os seus súbditos ou seus cúmplices.

A ALBA-TCP nasceu da unidade, é alimentada pela solidariedade e cooperação e afirma-se no poder dos povos para transformar a história.

No meio do pior vendaval que o mundo já enfrentou, a ALBA-TCP não perdeu o seu caminho. Ajustou a prática da solidariedade, o princípio fundador da Aliança, às condições e possibilidades de cada parte, e a cooperação mútua não demorou muito a chegar.

O vulcão que, coincidindo com o pior momento epidemiológico, afectou São Vicente e Granadinas deu-nos também a oportunidade de mostrar o poder desta solidariedade no seio da ALBA.

A Venezuela já o provou. Sob os rigores da guerra económica que enfrentava, estava pronto a partilhar tudo o que podia e fê-lo com outros estados membros da Aliança, particularmente Cuba.

Nicarágua, Bolívia, São Vicente e Granadinas, Granada, São Cristóvão e Nevis, em circunstâncias difíceis, enviaram doações ao povo cubano pelas quais estamos profundamente gratos.

As vacinas que os nossos dedicados cientistas criaram são partilhadas com outras nações da Aliança, enquanto excelentes profissionais e técnicos de saúde cubanos cooperam nos cuidados de saúde.

Esta Cimeira é o culminar de um ano de trabalho árduo e de revitalização da Aliança. Uma dúzia de reuniões realizadas em 2021, bem como a celebração da 19ª Cimeira do nosso mecanismo a 25 de Junho na República bolivariana irmã da Venezuela, serviram para promover múltiplas acções.

Ainda há muito a fazer e estamos conscientes disso, daí o apelo a continuar a reforçar a Aliança.

Neste caminho, encorajo-vos agora a partilhar ideias.

Reafirmo o empenho de Cuba na unidade e na promoção da cooperação e integração regionais, no desenvolvimento do CELAC e na implementação da Proclamação da América Latina e das Caraíbas como Zona de Paz.

Perante os desafios que enfrentamos, Cuba não cessará nos seus esforços para construir uma sociedade socialista cada vez mais justa e humana, mais solidária e mais internacionalista.

E em direcção a esse horizonte só podemos marchar “num quadro apertado, como a prata nas raízes dos Andes”, segundo a frase muito gráfica de José Martí no seu ensaio magistral A Nossa América.

Fidel e Chávez fizeram mais progressos do que qualquer outra pessoa nesse caminho para a integração. É o dever e a honra dos seus humildes seguidores, os seus leais discípulos, promover e reforçar esta magnífica obra.

Muito obrigado.

AMLO concorda: A OEA deve ser deixada para trás .

#EstadosUnidos #InjerenciaDeEEUU #OEA #AMLO #CELAC

Por Piedad Córdoba Ruiz, publicado en Resumen Latinoamericano.

No contexto do bicentenário do bicentenário dos primeiros actos independentistas na Nossa América, o Presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador, AMLO, retomando a ideologia bolivariana, propõe enterrar a Organização dos Estados Americanos, que descreve correctamente como uma organização de lacaios. Devo dizer que o discurso que proferiu no passado dia 24 de Julho no Castelo de Chapultepec em homenagem ao 238º aniversário do nascimento do Libertador, é imperdível, e é um must para o debate político na região, incontornável para qualquer projecto alternativo no continente. (https://www.youtube.com/watch?v=JrvSTSyk2WE)

Qual é a diferença entre o Congresso Amphictyonic de 1826 sabotado do Panamá e a Conferência Pan-Americana de 1948 em Bogotá que deu origem à OEA? Uma grande distância nos seus objectivos, mas o monroísmo e o Santanderismo eram características constantes. O Santander convidou o delegado norte-americano e, com um preconceito claramente racista e político, excluiu o representante do Haiti. Poucas das aspirações integracionistas de Bolívar puderam ser realizadas no Panamá, dadas as apreensões das elites crioulas e a definição americana do continente como o seu espaço natural de expansão imperial, sob a premissa do Presidente Monroe de “América para os Americanos”, entendida como os americanos conhecidos como WASPs (White Anglo-Saxon and Protestant). Apenas 20 anos após o fracasso da reunião do Istmo, o México foi invadido pelos EUA e perdeu metade do seu território, pelo que não é fortuito que a preocupação do actual presidente em trazer o projecto latino-americano do Liberator de volta à mesa não seja fortuita.

Um século após o primeiro ataque imperial ao território latino-americano, e já estabelecido como potência mundial, foi convocada uma Conferência Pan-Americana, mas no interesse de Washington para reforçar o seu controlo político sobre os governos do continente no contexto da Guerra Fria. Não era suficiente, a pretensão do acordo militar do TIAR (Tratado Interamericano de Assistência Recíproca), que claramente não se aplicava quando não era do agrado da Casa Branca – como no caso das Malvinas. Com o Bogotázo ao fundo e uma Colômbia queimada pelo assassinato de Gaitán – que nos legou esta guerra que ainda não terminou – foi fundada a Organização dos Estados Americanos, quase como uma extensão viceregal do Departamento de Estado, e o colombiano Alberto Lleras Camargo – um digno herdeiro de Santander – foi nomeado como primeiro Secretário-Geral da organização. A natureza neo-colonial da OEA, que se calou com o derrube de Arbenz na Guatemala, mas se apressou a expulsar Cuba revolucionária por ordem dos EUA, foi rapidamente posta a nu.

Depois de mais de 70 anos deste olhar diplomático, que em aplicações fraudulentas da sua carta democrática assedia governos que se opõem a Washington, mas manteve o reconhecimento de todas as ditaduras do continente – desde os Somozas a Jeanine Añez, passando por todos os golpes da doutrina da Segurança Nacional com Pinochet à cabeça – vale a pena discutir a sua relevância. Um novo momento político na América Latina exige a recuperação e o reforço de uma nova arquitectura institucional para a região, uma tarefa inevitável para os governos do continente e projectos alternativos, independentemente de ganhos eleitorais ou pressões empresariais.

López Obrador tem razão quando afirma: “É tempo de uma nova coexistência entre os países do continente, o modelo imposto há mais de dois séculos está esgotado, não tem futuro e não tem saída. Digamos adeus às imposições, interferências, sanções, exclusões e bloqueios… É uma questão complexa que requer uma nova visão política e económica. A proposta não é mais nem menos do que construir algo semelhante à União Europeia, mas ligado à nossa história e à nossa realidade, às nossas identidades. Neste espírito, a substituição da OEA por um corpo verdadeiramente autónomo, não um lacaio de ninguém, mas um mediador a pedido e aceitação das partes em conflito, não deve ser excluída. É uma grande tarefa para bons diplomatas e políticos”.

Durante a onda de desafios ao neoliberalismo neste século, surgiram novas propostas de integração e articulação regional, que foram fortemente atacadas face à contra-ofensiva conservadora da última década, mas cuja validade faz parte do debate actual. Para além dos múltiplos acordos de cooperação bilateral e do início de acordos de vários tipos com referências geopolíticas e de cooperação que não Washington, a primeira década do século XXI viu surgir a ALBA-TCP (2004), PetroCaribe (2005), UNASUR e o Conselho de Defesa Sul-Americano (2008), CELAC (2011), bem como a revitalização e expansão do Mercosul. Todos estes organismos foram, desde o início, uma verificação da lógica imperial dos EUA na região e instrumentos diplomáticos fundamentais na disputa continental, embora na maioria dos casos também representassem elementos de consenso com certos interesses hegemónicos e estavam sujeitos à fragilidade inerente à instabilidade política da região.

Quando a AMLO sugere a construção de um modelo semelhante ao da União Europeia, vale também a pena revalidar outras iniciativas essenciais para a soberania regional que não puderam concretizar-se, tais como o Banco do Sul ou o sistema monetário SUCRE. A interdependência económica inerente entre os EUA e o México em particular torna as relações de integração necessárias, mas sem minar a soberania. A AMLO não propõe uma ruptura com os EUA, como denuncia a direita latino-americana. Cooperação para o desenvolvimento e bem-estar de todos os povos da América Latina e das Caraíbas, e um multilateralismo aberto que tiraria a Nossa América da subordinação estratégica da OEA.

O discurso da AMLO coincide com o início da administração do Presidente Castillo no Peru e do seu novo ministro dos Negócios Estrangeiros, o veterano ex-combatente Héctor Béjar, que deixou de facto o auto-denominado Grupo Lima sem Lima. Do México e do Peru, o bloqueio de Cuba está a ser rejeitado, a reactivação de instituições regionais que não a obsoleta OEA está a ser defendida, uma solução sem derramamento de sangue, soberana e institucional para a crise venezuelana está a ser promovida, e estão a ser feitos progressos no reconhecimento da posição de fantoche de Juan Guaidó, em cuja defesa teimosa apenas persiste o Ministério dos Negócios Estrangeiros colombiano, que continua com o discurso obsoleto do terrorismo internacional como se G.W. Bush ainda fosse presidente dos EUA. Bush ainda era presidente dos Estados Unidos da América.

No entanto, para poder assumir a aposta da AMLO de completar o feito inacabado da integração latino-americana, é necessário consolidar os processos democráticos existentes no continente e retirar à direita continental em 2022 os seus dois redutos na Nossa América: a Colômbia, cujos pactos militares e exportação de mercenários são uma ameaça à segurança regional; e o Brasil, uma potência regional, agora sujeita à insanidade fascista de Bolsonaro. Só desta forma, aquela coisa feia que é a OEA, como cantou Carlos Puebla, seria relegada para o museu da ignomínia. O Santanderismo colombiano já enviou o seu artigo de colecção, um símbolo da colecção da OEA: o embaixador ultramontano Alejandro Ordoñez Maldonado, que ainda estou à sua espera nos tribunais e na Comissão da Verdade.

Discurso del Canciller de Cuba en XXI Reunião do Conselho Político do ALBA-TCP.

#Cuba #NuestraAmérica #ALBA_TCP #CubaSalva #EEUUBloquea #DonaldTrumpCulpable #Sanciones #ElBloqueoEsReal #PuentesDeAmor #Venezuela #InjerenciaDeEEUU #BloqueoNoSolidaridaSi #TerrorismoMadeInUSA #Covid-19 #SaludMundial

Existem oportunidades ilimitadas para os americanos em Cuba.

#EconomiaNacional #Comercio #EEUUBloquea #CubaSalva #Congreso #ElBloqueoEsReal #BloqueoNoSolidaridadSi #PuentesDeAmor #Solidaridad

O emaranhado de leis que conformam o bloqueio impõe sérios obstáculos ao desenvolvimento de Cuba .

#EEUUBloquea #CubaSalva #ElBloqueoEsReal #BloqueoNoSolidaridadSi #PuentesDeAmor #RevolucionCubana #Economia #Comercio

“O crescimento econômico pode gerar mais desigualdade na América Latina”

#Coronavirus #Politicas #FMI #ElBloqueoEsReal #AmericaLatina #SaludMundial Manifestaciones #Pobreza #CEPAL #Venezuela #Peru #Mexico #Argentina #Ecuador #Panama #Economia #Vacunas #Minrex #Europa #

Venezuela propõe banco de vacinas para os povos da ALBA.

#SaludMundial #Covid-19 #Venezuela #Cuba #NicolasMaduro #MiguelDiazCanel #ALBATCP #CELAC #CubaEsSolidaridad #CubaPorLaSalud ~EEUUBloquea #CubaSalva

Retirado de teleSUR .

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, propôs nesta segunda-feira durante a XVIII Cúpula da ALBA-TCP que se somam os esforços de Cuba e da Venezuela para a criação de um Banco de Vacinas da Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América (ALBA).

“A ALBA deve garantir através do Banco da ALBA o financiamento de todo o processo de vacinação dos países membros, deste bloco sindical”, destacou Nicolás Maduro em seu discurso.

Cuba desarrolla de manera acelerada cuatro proyectos vacunales contra el coronavirus.

Durante o encontro virtual, o presidente venezuelano especificou que devemos trabalhar para especificar toda a política de saúde e educação, o re-impulso do Petrocaribe, o apoio a todos os nossos povos e assumir a estratégia como “uma agenda da Grande Nação”.

Além disso, o chefe de governo propôs um processo de consulta permanente sobre o plano de trabalho pós-pandemia aprovado esta segunda-feira durante a Cimeira do Palácio de Miraflores.

Durante a intervenção do presidente cubano, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, soube-se que Cuba está desenvolvendo de forma acelerada quatro projetos de vacinação contra o coronavírus. “Os cientistas cubanos estão envidando todos os esforços para disponibilizá-los no próximo ano”, declarou o chefe de governo cubano.

Intervenção do Presidente de Cuba na XVIII Cúpula ALBA-TCP

#Celac #ALBATCP #HugoChavez #FidelCastro #AmericaLatina #Bolivia #Venezuela #Cuba #Minrex #MidelDiasCanelB #Covid-19

Cooperação, o principal desafio do mecanismo CELAC-UE

#CELAC #BrunoRodriguezParrilla #Cuba #ALBA-TCP #Minrex #DiazCanelB #VamosPorMas #Somo0sContinuidad #TenemosMemoria #Covid-19 #SaludMundial #EstadosUnidosBloquea #CubaSalva #ElBloqueoEsReal #CubaApuestaPorLaSalud #Salud #AmericaLatina #HugoChavez #FidelCastro #EternoComandante

Autor: Nuria Barbosa León | internet@granma.cu

O apelo para preservar o vínculo entre a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) e a União Europeia (UE), e para evitar a exclusão de qualquer nação, essencialmente a Venezuela, centrou a intervenção do Ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, na Reunião Ministerial informal desse mecanismo multilateral.

De forma virtual, representantes de mais de 50 governos discutiram a necessidade de uma resposta conjunta ao COVID-19, o uso de novas tecnologias de informação e comunicação neste contexto, iniciativas de enfrentamento às mudanças climáticas, e cooperação multilateral na recuperação pós-pandemia.

Bruno Rodriguez celac ue

“As múltiplas crises agravadas pela COVID-19 e seus efeitos devastadores evidenciaram a urgência de intensificar a solidariedade e a cooperação internacional”, disse o Chanceler cubano, e a seguir explicou o grande desafio da ilha para superar os efeitos da pandemia , dada a intensificação do bloqueio econômico, comercial e financeiro dos Estados Unidos.

«Este mecanismo deve ser, a nosso ver, o quadro de coordenação de uma resposta bi-regional aos desafios impostos pela COVID-19, que permite a participação de todos os países da CELAC e da União Europeia, sem exclusões e sem ignorar a nossa diversidade e diferentes níveis de desenvolvimento ”, defendeu o ministro cubano na reunião convocada pela Alemanha, na qualidade de presidente da UE.

Os outros países também pediram apoio à Organização Mundial e Pan-Americana da Saúde, ajuda abnegada e colaboração.

O Ministro das Relações Exteriores do México, Marcelo Ebrard Casaubon, na qualidade de Presidente Pro Tempore da Celac, destacou as múltiplas coincidências entre os valores, prioridades e perspectivas dos participantes diante dos desafios globais; entretanto, o alemão Heiko Maas anunciou a criação de um instituto transnacional de luta contra as doenças infecciosas na América Latina.

Ao vivo: Raúl e Díaz-Canel presidiram o ato de massas que encerrou a XVII Cúpula da ALBA-TCP em Cuba

Com a presença do Presidente da República de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez; Chefes de Estado e outras autoridades dos países membros da Aliança Bolivariana para os Povos da América – Tratado de Comércio dos Povos (ALBA-TCP), a XVII Cúpula desta organização regional que comemora seu 15º aniversário ocorreu em Havana.

Autor: Milagros Pichardo | internacional@granma.cu

Autor: Ana Laura Palomino | internacional@granma.cu

Autor: Yisell Rodríguez Milan | yisell@granma.cu

Autor: Yisel González Fuentes | yisefuentes@gmail.com

Acto de masas en cumbre del ALBA

Foto: Juvenal Balán
Assista ao show ao vivo aqui:

O presidente de Cuba pronuncia as palavras finais da Lei Política e Cultural em homenagem ao XV aniversário da criação da ALBA-TCP, que ocorre nos degraus.

Foto: Juvenal Balán
“Exatamente há um ano, nossa Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América se reuniu para estabelecer posições comuns contra a intensificação previsível das agressões contra nossas nações. Nossas previsões não foram exageradas.”

“O governo dos Estados Unidos e seus aliados implementaram uma campanha desestabilizadora feroz e inescrupulosa em nossa região”.

“Eles fizeram isso retomando a aplicação brutal da Doutrina Monroe com a qual o atual governo de Washington se comprometeu”.

“A recente invocação do obsoleto Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR) contra a Venezuela é outro aviso de que a paz, a democracia e a segurança na região permanecem ameaçadas”. Continuar a ler “Ao vivo: Raúl e Díaz-Canel presidiram o ato de massas que encerrou a XVII Cúpula da ALBA-TCP em Cuba”

%d bloggers like this: