2 anos após a tentativa de invasão com falsa #AjudaHumanitária na #Venezuela.

#Venezuela #Colombia #Almagro #Guaido #EstadosUnidos #OEA #ElBloqueoEsReal #DerechosHumanos

Almagro reconhece seu papel no golpe de 2019 na Bolívia.

#Bolivia #EvoMorales #OEA #EleccionesBolivia #LuisAlmagro #Fraude

O Secretário-Geral da OEA reconheceu que atuou para finalizar a destituição de Evo Morales.

O Secretário-Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, reconheceu seu papel no golpe na Bolívia que ocasionou a saída forçada do governo do ex-presidente Evo Morales.

O Secretário-Geral da OEA @ Almagro_OEA2015 admitiu que atuou para impedir a reeleição de @evoespueblo na Bolívia. Em livro que será publicado amanhã, ele disse que apoiava Morales para se candidatar à reeleição em 2019 “para ganhar sua confiança” …. (HILO) @teleSURtv

Imagen

Por meio do livro “Luis Almagro não pede perdão”, o representante da organização internacional relata como apoiou Morales para se candidatar à reeleição em 2019 “para ganhar sua confiança”.

O texto é resultado de mais de 100 entrevistas e 20 horas com Almagro nas quais se descreve sua trajetória política. Entre os eventos políticos mais significativos relatados está a estratégia para “derrubar Evo Morales”, convencendo os Estados Unidos a se aliarem a sua posição para ir contra o governo venezuelano ou seu apoio a Dilma Rouseff.

Os autores do livro mostram que o papel de Almagro na saída de Morales foi parte de uma estratégia premeditada, que começou em 2017 e culminou na Missão de Observação Eleitoral da OEA para apresentar supostas irregularidades na contagem de votos em 2019 e impedindo assim a reeleição do presidente, o que incentivou o golpe militar perpetrado.

Em relação a Evo Morales e às eleições de 2019, Almagro destacou que “abrimos uma possibilidade que era que Evo ganhasse legitimamente. Foi o custo disso. Para mim isso era impossível, impossível. Evo ainda tinha menos votos do que no referendo, então não tinha forma. Então abrimos a possibilidade de que a oposição boliviana ganhasse legitimamente. E fechamos a possibilidade de Evo roubar a eleição. “

O covid-19 e os presidentes da América Latina.

E as reuniões com os súditos de Trump continuam

Primeira visita de um presidente equatoriano à Casa Branca em 18 anos .Segundo o ministro da Defesa Oswaldo Jarrín, eles apresentarão ao presidente dos EUA uma proposta sobre uma “estratégia regional de segurança comum”, aceita pela Colômbia e pelo Peru, para combater o tráfico de drogas.

Primera visita de un presidente ecuatoriano a la Casa Blanca en 18 años: ¿qué temas abordarán Lenín Moreno y Trump?

O presidente do Equador, Lenín Moreno, partiu na terça-feira para os EUA, em uma viagem de trabalho que durará até sexta-feira, 14 de fevereiro.

“O relacionamento equatoriano-americano será fortalecido em suas diferentes facetas com a visita do Presidente da República, quase 18 anos desde a última reunião entre líderes de ambos os países em Washington”, afirma comunicado do Ministério das Relações Exteriores do Equador.

Segundo Moreno, nesta viagem, ele abordará três questões com Trump: emprego e produtividade, educação e segurança.

Em termos de emprego e produtividade, o presidente disse que solicitará que as taxas de importação sejam reduzidas a vários produtos equatorianos, que consideram altos, como brócolis, flores e alcachofra, produzidos na Serra, bem como “a bainha de atum ) “, que possui alta produtividade no litoral.

Da mesma forma, Moreno planeja abordar questões relacionadas à infraestrutura, transferência de tecnologia, energia e intercâmbio comercial. Com relação à questão educacional, o presidente sul-americano disse que tentaria aumentar o apoio aos professores que ensinam inglês no país, para que a força de trabalho passe dos atuais 200, para 1.000.

Moreno disse que negociará com Trump a respeito da “segurança física dos equatorianos e seus bens, tráfico de drogas e combate à corrupção”, por meio da troca de informações, treinamento de inteligência e equipamentos para combater “as quadrilhas organizadas. “ele disse.

Além disso, o Equador aderiu à linha de ataque que os EUA Tem sobre a Venezuela. De Quito, como Washington, eles reconheceram o deputado Juan Guaidó como o “presidente encarregado” do país sul-americano e desconhecido pelo governo do presidente Nicolás Maduro.

Milhares de crianças latinas passam o Natal em gaiolas por ordem de Trump

A prisão do ICE para crianças migrantes em McAllen, Texas. Foto: A Opinião

Mesmo quando as crianças terão que sofrer tanta injustiça, porque essa política repressiva com esses anjos, até quando vamos permitir que este ASECINO separe famílias, promova guerras no mundo, tome posse da riqueza natural, independentemente de sua localização, promova golpes e bloqueiam os países por pensarem de maneira diferente e lutarem por seus princípios … Até quando Trump …

Declarações de Johana Tablada, vice-diretora geral dos Estados Unidos do Ministério de Relações Exteriores de Cuba.

Havana, 18 de dezembro de 2019 – Como parte da XVIII edição da Série de Conversas Cubanas na política externa dos Estados Unidos, um evento organizado pela CIPI e ISRI, um painel sobre cooperação médica cubana foi desenvolvido hoje em o mundo para denunciar a perseguição e criminalização deste trabalho humanitário e altruísta pelo governo dos Estados Unidos.

Pouco antes do painel em que os especialistas cubanos e americanos apareceram, soube-se que uma nova tentativa de desacreditar nossa cooperação médica deveria ser feita na sede da Organização dos Estados Americanos, com o apoio de seu presidente, Sr. Luis Almagro .

Cubaminrex então disponibiliza a seus leitores a transcrição das declarações de Johana Tablada, vice-diretora geral dos Estados Unidos do Ministério das Relações Exteriores de Cuba, que denuncia essa manobra e destaca os princípios de solidariedade e voluntariedade das ações de nossos médicos pelo mundo:

“Seguindo as ordens do governo do presidente Donald Trump, o Sr. Luis Almagro fala ou fica em silêncio quando é ordenado. Ele nunca erra em se opor aos interesses do povo e a serviço dos interesses mais reacionários do governo dos Estados Unidos e das oligarquias nacionais.

Não é de surpreender, mas é incomum e embaraçoso que o Sr. Luis Almagro tenha recursos que não lhe pertencem para atacar programas legítimos de cooperação, mentir e ignorar o impacto real nos indicadores de saúde dos povos, do trabalho nobre e humano dos médicos e pessoal de saúde de Cuba.

Essa cooperação é realizada nas estruturas legítimas da cooperação Sul-Sul e com a participação de governos e forças locais de saúde que em nossa região – e em outras partes do mundo – apreciam e apreciam essa importante atividade.

O governo Trump cruzou todas as linhas vermelhas de decência, participando pela primeira vez em ações de assédio contra a equipe médica cubana. Não apenas reduz a ajuda externa e condiciona-a aos seus interesses políticos mais reacionários, mas também chega ao extremo de ameaçar o trabalho dos médicos cubanos, cujo trabalho nos permite aumentar a qualidade de vida sem interferir nos assuntos internos dos Estados. . Nem uma vez foi perguntado a um paciente sobre sua afiliação política ou ideológica.

Os serviços médicos prestados por meio de contratos individuais nos permitem contribuir para o financiamento de serviços caros do sistema universal de saúde de Cuba, suprimentos, tratamentos contra o câncer, reagentes e equipamentos médicos ”.

Categoria:
Cooperação Lockup
RSS Minrex:

#Cuba relatou ataque da #OEA contra colaboração médica.

“Cuba es pueblo que ama y cree, y goza en amar y creer.” José Martí

Cuba denunciou o novo ataque da Organização dos Estados Americanos (OEA), com Luis Almagro à frente, contra a colaboração médica internacional da ilha.

Esse órgão convocou para quarta-feira em Washington um fórum intitulado “A realidade sombria por trás das missões médicas cubanas” que tem o objetivo de desacreditar a participação de especialistas em saúde cubanos em programas sociais de países do Terceiro Mundo.

A conferência faz parte da campanha difamatória promovida pela Casa Branca para atacar a Revolução Cubana nas áreas em que mais desperta admiração, disse Johana Tablada, vice-diretora geral dos Estados Unidos do Ministério das Relações Exteriores.

O funcionário também definiu como embaraçoso a intenção de atacar uma atividade que beneficia milhões de seres humanos no mundo todos os dias, e faz parte dos esquemas de cooperação Sul-Sul, cobertos pelo Direito Internacional, pelos programas. das Nações Unidas e da Organização Mundial da Saúde.

Ao fazer isso, Almagro mais uma vez se coloca contra o povo e a serviço dos interesses mais reacionários do governo do presidente dos EUA, Donald Trump, e das oligarquias que o apóiam, disse ele.

Jorge Delgado, diretor da Unidade Central de Cooperação Médica do Ministério da Saúde Pública de Cuba, lembrou que, em 1963, começou uma ampla história de colaboração com nações carentes, na qual dezenas de milhares de profissionais participaram.

Ele afirmou que esses cooperadores oferecem voluntariamente seus serviços, movidos por uma convicção humanista, desinteressadamente, e assumem essa tarefa como um dever internacionalista genuíno.

O Dr. José Luis Aparicio, entretanto, rejeitou a qualificação de “escravos” que pretendem endossar médicos na ilha que prestam serviços em outros países, como parte da campanha de descrédito.

Somos apenas escravos do sagrado cumprimento do dever de salvar vidas e cuidar da saúde dos povos, cujos indicadores de saúde e satisfação hoje são a melhor evidência de solidariedade no sistema de saúde cubano.

Ambos os profissionais participam de um painel sobre cooperação médica da ilha, no Instituto Superior de Relações Internacionais “Raúl Roa”, como parte da edição XVIII da série de conversas Cuba-EUA, onde são discutidos os desafios. Relações atuais entre os dois países.

Fonte