Um fim ao domínio da OEA na América Latina? O México acolhe uma nova cimeira Celac marcada por lideranças progressistas .

#CELAC #OEA #AMLO #CubaEnMexico #ElCaminoEsLaPaz #PuentesDeAmor

A sexta cimeira da Comunidade dos Estados da América Latina e Caraíbas (CELAC) terá lugar este fim-de-semana na Cidade do México, com a presença de 17 chefes de estado ou de governo, dois vice-presidentes e delegações de todos os países membros.

Entre os presidentes que já confirmaram a sua participação estão o argentino Alberto Fernández, o equatoriano Guillermo Lasso, o cubano Miguel Díaz-Canel, o costa-riquenho Carlos Alvarado e o uruguaio Luis Lacalle Pou, bem como o líder do país anfitrião, Andrés Manuel López Obrador.

O Celac foi formado em 2010 pelos 33 países da região com o objectivo de promover uma agenda latino-americana e caribenha e acordar passos concretos para a integração regional.

¿Fin al dominio de la OEA sobre América Latina? México acoge una nueva cumbre de la Celac marcada por los liderazgos progresistas

Na sua fundação, impulsionada por uma onda de governos progressistas, produziu uma mudança política continental, devido à sua tentativa de substituir a Organização dos Estados Americanos (OEA) em importância multilateral, excluindo os EUA e o Canadá e incluindo Cuba, que foi expulsa da primeira em 1962.

Contudo, em meados da década, a chegada dos governos de direita, bem como a morte em 2013 do seu principal promotor, o Presidente venezuelano Hugo Chávez, produziram um enfraquecimento significativo que o levou a desvanecer-se no mapa político do continente. Foi em Janeiro de 2017 quando se realizou a sua última cimeira em Punta Cana (República Dominicana).

O Celac regressa com uma OEA enfraquecida e com novas lideranças regionais como a do presidente anfitrião, Andrés Manuel López Obrador, e mudanças nos governos de países importantes como o Peru e a Argentina.

Nesses anos, a OEA tomou um novo sopro de ar fresco. Com a assunção de Luis Almagro como secretário-geral, levou a cabo uma vigorosa acção contra os governos da Bolívia e da Venezuela da qual não saiu bem devido aos resultados embaraçosos de ambas as campanhas: um golpe de Estado no primeiro (cujo executor Jeanine Añez está na prisão) e a imposição de um bloqueio financeiro e de um governo interino no segundo (cujo executor Juan Guaidó teve de restabelecer as negociações com o governo existente apesar da recusa de Almagro).

Agora, o Celac regressa com uma OEA enfraquecida e com a emergência de novas lideranças regionais como a do presidente anfitrião, Andrés Manuel López Obrador, e as mudanças de sinal nos governos de países importantes como o Peru e Argentina .

López Obrador tem sido um apoiante entusiasta do Celac e é possível que o seu papel como anfitrião lhe permita dar-lhe um impulso.

A 24 de Julho, o presidente mexicano foi particularmente duro nas suas críticas a Almagro e na sua abordagem à OEA, anunciando que pretendia conceber um plano para substituir a organização por um “organismo verdadeiramente autónomo” que fosse “o lacaio de ninguém”.

Revitalizou também o corpo. A 7 de Setembro, e pela primeira vez desde 2014, todos os países tomaram uma posição conjunta no Dia Internacional contra os Testes Nucleares. A presidência pro tempore do México tirou o Celac do seu silêncio.

Independentemente dos resultados, o cenário servirá para visualizar os novos realinhamentos políticos na região.

Agora vem a Cimeira, e todos esperam um evento que assinalará uma mudança ideológica na região, mesmo que não radical, pelo menos altamente simbólica, e um compromisso conjunto com o futuro.

Agenda da Cimeira
O Secretário dos Negócios Estrangeiros do México, Marcelo Ebrard, indicou que a questão da pandemia estaria na vanguarda, mas que havia também dois projectos em cima da mesa: a criação de uma agência inter-espacial da América Latina e das Caraíbas e a criação de um fundo para catástrofes.

No entanto, o governo boliviano propôs discutir a questão da OEA e a necessidade de reforçar o CELAC.

A questão da pandemia é de particular importância, dado que apesar da gravidade económica e da morte de mais de um milhão de pessoas na região, nem a OEA nem o Celac (nem o Grupo de Lima) tentaram, pelo menos, coordenar políticas para abordar conjuntamente a situação.

Independentemente dos resultados, o cenário servirá para visualizar os novos realinhamentos políticos na região.

Ociel Alí López: Ociel Alí López é sociólogo, analista político e professor na Universidade Central da Venezuela. Ganhou o Prémio Municipal de Literatura 2015 com o seu livro Dale más gasolina e o prémio Clacso/Asdi para jovens investigadores em 2004. É um colaborador de vários meios de comunicação social na Europa, Estados Unidos e América Latina.

AMLO concorda: A OEA deve ser deixada para trás .

#EstadosUnidos #InjerenciaDeEEUU #OEA #AMLO #CELAC

Por Piedad Córdoba Ruiz, publicado en Resumen Latinoamericano.

No contexto do bicentenário do bicentenário dos primeiros actos independentistas na Nossa América, o Presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador, AMLO, retomando a ideologia bolivariana, propõe enterrar a Organização dos Estados Americanos, que descreve correctamente como uma organização de lacaios. Devo dizer que o discurso que proferiu no passado dia 24 de Julho no Castelo de Chapultepec em homenagem ao 238º aniversário do nascimento do Libertador, é imperdível, e é um must para o debate político na região, incontornável para qualquer projecto alternativo no continente. (https://www.youtube.com/watch?v=JrvSTSyk2WE)

Qual é a diferença entre o Congresso Amphictyonic de 1826 sabotado do Panamá e a Conferência Pan-Americana de 1948 em Bogotá que deu origem à OEA? Uma grande distância nos seus objectivos, mas o monroísmo e o Santanderismo eram características constantes. O Santander convidou o delegado norte-americano e, com um preconceito claramente racista e político, excluiu o representante do Haiti. Poucas das aspirações integracionistas de Bolívar puderam ser realizadas no Panamá, dadas as apreensões das elites crioulas e a definição americana do continente como o seu espaço natural de expansão imperial, sob a premissa do Presidente Monroe de “América para os Americanos”, entendida como os americanos conhecidos como WASPs (White Anglo-Saxon and Protestant). Apenas 20 anos após o fracasso da reunião do Istmo, o México foi invadido pelos EUA e perdeu metade do seu território, pelo que não é fortuito que a preocupação do actual presidente em trazer o projecto latino-americano do Liberator de volta à mesa não seja fortuita.

Um século após o primeiro ataque imperial ao território latino-americano, e já estabelecido como potência mundial, foi convocada uma Conferência Pan-Americana, mas no interesse de Washington para reforçar o seu controlo político sobre os governos do continente no contexto da Guerra Fria. Não era suficiente, a pretensão do acordo militar do TIAR (Tratado Interamericano de Assistência Recíproca), que claramente não se aplicava quando não era do agrado da Casa Branca – como no caso das Malvinas. Com o Bogotázo ao fundo e uma Colômbia queimada pelo assassinato de Gaitán – que nos legou esta guerra que ainda não terminou – foi fundada a Organização dos Estados Americanos, quase como uma extensão viceregal do Departamento de Estado, e o colombiano Alberto Lleras Camargo – um digno herdeiro de Santander – foi nomeado como primeiro Secretário-Geral da organização. A natureza neo-colonial da OEA, que se calou com o derrube de Arbenz na Guatemala, mas se apressou a expulsar Cuba revolucionária por ordem dos EUA, foi rapidamente posta a nu.

Depois de mais de 70 anos deste olhar diplomático, que em aplicações fraudulentas da sua carta democrática assedia governos que se opõem a Washington, mas manteve o reconhecimento de todas as ditaduras do continente – desde os Somozas a Jeanine Añez, passando por todos os golpes da doutrina da Segurança Nacional com Pinochet à cabeça – vale a pena discutir a sua relevância. Um novo momento político na América Latina exige a recuperação e o reforço de uma nova arquitectura institucional para a região, uma tarefa inevitável para os governos do continente e projectos alternativos, independentemente de ganhos eleitorais ou pressões empresariais.

López Obrador tem razão quando afirma: “É tempo de uma nova coexistência entre os países do continente, o modelo imposto há mais de dois séculos está esgotado, não tem futuro e não tem saída. Digamos adeus às imposições, interferências, sanções, exclusões e bloqueios… É uma questão complexa que requer uma nova visão política e económica. A proposta não é mais nem menos do que construir algo semelhante à União Europeia, mas ligado à nossa história e à nossa realidade, às nossas identidades. Neste espírito, a substituição da OEA por um corpo verdadeiramente autónomo, não um lacaio de ninguém, mas um mediador a pedido e aceitação das partes em conflito, não deve ser excluída. É uma grande tarefa para bons diplomatas e políticos”.

Durante a onda de desafios ao neoliberalismo neste século, surgiram novas propostas de integração e articulação regional, que foram fortemente atacadas face à contra-ofensiva conservadora da última década, mas cuja validade faz parte do debate actual. Para além dos múltiplos acordos de cooperação bilateral e do início de acordos de vários tipos com referências geopolíticas e de cooperação que não Washington, a primeira década do século XXI viu surgir a ALBA-TCP (2004), PetroCaribe (2005), UNASUR e o Conselho de Defesa Sul-Americano (2008), CELAC (2011), bem como a revitalização e expansão do Mercosul. Todos estes organismos foram, desde o início, uma verificação da lógica imperial dos EUA na região e instrumentos diplomáticos fundamentais na disputa continental, embora na maioria dos casos também representassem elementos de consenso com certos interesses hegemónicos e estavam sujeitos à fragilidade inerente à instabilidade política da região.

Quando a AMLO sugere a construção de um modelo semelhante ao da União Europeia, vale também a pena revalidar outras iniciativas essenciais para a soberania regional que não puderam concretizar-se, tais como o Banco do Sul ou o sistema monetário SUCRE. A interdependência económica inerente entre os EUA e o México em particular torna as relações de integração necessárias, mas sem minar a soberania. A AMLO não propõe uma ruptura com os EUA, como denuncia a direita latino-americana. Cooperação para o desenvolvimento e bem-estar de todos os povos da América Latina e das Caraíbas, e um multilateralismo aberto que tiraria a Nossa América da subordinação estratégica da OEA.

O discurso da AMLO coincide com o início da administração do Presidente Castillo no Peru e do seu novo ministro dos Negócios Estrangeiros, o veterano ex-combatente Héctor Béjar, que deixou de facto o auto-denominado Grupo Lima sem Lima. Do México e do Peru, o bloqueio de Cuba está a ser rejeitado, a reactivação de instituições regionais que não a obsoleta OEA está a ser defendida, uma solução sem derramamento de sangue, soberana e institucional para a crise venezuelana está a ser promovida, e estão a ser feitos progressos no reconhecimento da posição de fantoche de Juan Guaidó, em cuja defesa teimosa apenas persiste o Ministério dos Negócios Estrangeiros colombiano, que continua com o discurso obsoleto do terrorismo internacional como se G.W. Bush ainda fosse presidente dos EUA. Bush ainda era presidente dos Estados Unidos da América.

No entanto, para poder assumir a aposta da AMLO de completar o feito inacabado da integração latino-americana, é necessário consolidar os processos democráticos existentes no continente e retirar à direita continental em 2022 os seus dois redutos na Nossa América: a Colômbia, cujos pactos militares e exportação de mercenários são uma ameaça à segurança regional; e o Brasil, uma potência regional, agora sujeita à insanidade fascista de Bolsonaro. Só desta forma, aquela coisa feia que é a OEA, como cantou Carlos Puebla, seria relegada para o museu da ignomínia. O Santanderismo colombiano já enviou o seu artigo de colecção, um símbolo da colecção da OEA: o embaixador ultramontano Alejandro Ordoñez Maldonado, que ainda estou à sua espera nos tribunais e na Comissão da Verdade.

Um ‘furacão de ultra-direita’? Como um partido espanhol pretende combater a esquerda na América Latina (e enfrentar o Fórum de São Paulo)

#AmericaLatina #CELAC #GrupoDeLima #EstadosUnidos #DonaldTrump #ManipulacionPolitica

O avanço da esquerda na América Latina preocupa a extrema direita espanhola. Ou pelo menos é isso que parece estar por detrás do anúncio feito pelo líder do partido Vox, Santiago Abascal, que anunciou que esta formação política irá criar uma instituição internacional para combater a “deriva comunista”.

“Estamos fundamentalmente a estabelecer relações para criar um fórum organizado para nos opormos ao que tem sido o fórum de São Paulo e o Grupo Puebla”, disse Abascal numa conferência de imprensa na segunda-feira.

Embora não tenha dado mais pormenores sobre a forma como a instituição irá funcionar, deixou claro que é “uma estrutura internacional” que irá funcionar “como uma autêntica oposição em defesa das liberdades e da democracia”, no que Vox chama “a Iberosfera”.

O político salientou que a intenção é ir além de uma declaração de intenções: nem uma carta nem um manifesto. O objectivo, segundo Abascal, é formar um fórum que reúna visões que se opõem à alegada “deriva comunista” na região.

Iberosfera?
Não é a primeira vez que este tipo de iniciativa internacional é lançada pelo partido espanhol de extrema-direita, que este ano lançou uma série de bolsas de estudo destinadas a jovens líderes através da fundação Disenso, liderada pela Abascal, para “formar futuros líderes na esfera pública e social que estejam dispostos a defender a Liberdade em ambos os lados do Atlântico”.

Contudo, a inegável mudança do tabuleiro de xadrez político na América Latina encorajou o partido de extrema-direita a colocar o pé no acelerador. A recente vitória do esquerdista Pedro Castillo no Peru; o reforço das lideranças de Andrés Manuel López Obrador e Alberto Fernández no México e na Argentina; e o ressurgimento de iniciativas de integração como a Comunidade dos Estados Americanos e das Caraíbas (Celac), juntamente com o enfraquecimento de fóruns como o Grupo Lima (nascido no seio da Organização dos Estados Americanos), são sinais de que a Vox encara com preocupação.

De facto, no final do ano passado, o partido de Abascal promoveu a assinatura da Carta de Madrid, um documento assinado por líderes da direita espanhola e latino-americana que, entre outros pontos, advertia que a região era supostamente “sequestrada por regimes totalitários de inspiração comunista”, que “infiltram-se nos centros do poder” através de iniciativas “como o Fórum de São Paulo e o Grupo Puebla” para impor a sua “agenda ideológica”.

Nesta carta, os signatários propõem “trabalhar em conjunto na defesa” dos seus valores e princípios, por outras palavras: a promoção de políticas anti-imigrantes, anti-feministas, homofóbicas e ultra-conservadoras. O objectivo? Para combater a esquerda na América Latina e rotulá-la como uma “ameaça”.

A lista de políticos que assinaram o documento incluía o ex-ministro de facto boliviano Arturo Murillo, actualmente preso nos EUA por corrupção; o ex-prefeito metropolitano de Caracas e fugitivo da justiça venezuelana, Antonio Ledezma; bem como líderes de direita em países como o Peru, Argentina, Equador, Paraguai, El Salvador, Chile, Brasil, Costa Rica, México, Espanha, Estados Unidos e Colômbia.

Quase um ano após a Carta de Madrid, o anúncio da Abascal mostra que a declaração de intenções já se transformou em acções concretas. Uma delas seria esta nova estrutura internacional destinada à ‘Iberosfera’, como Vox chama aos países “que partilham um património cultural profundamente enraizado”, que inclui os EUA e o Canadá.

É provável que o ambicioso projecto tenha amplo apoio financeiro, a julgar pelas recentes revelações sobre a ascensão do Partido Verde, cuja ascensão foi promovida com um financiamento suculento de “grandes fortunas”, de acordo com a fuga de mais de 17.000 documentos internos e confidenciais de organizações espanholas ultra-católicas reveladas pelo Wikileaks.

Regressão democrática?
No mesmo dia que o anúncio sem convicção do líder da Vox, foi publicado um artigo no website da Fundação Disenso, que afirma que “a erosão democrática é mais palpável em nações governadas por uma ala de esquerda semelhante ao Fórum de São Paulo”.

A lista de nações ‘demonizadas’ pelo autor do artigo é encabeçada, como habitualmente, pela Venezuela, Bolívia e Nicarágua, embora com a inclusão do México em quinto lugar, depois das Honduras. A conclusão não é gratuita, uma vez que Caracas foi acusada de trazer o “furacão bolivariano” para a região, através do fórum de São Paulo, e o presidente mexicano foi responsável pela revitalização do Grupo Puebla, juntamente com o presidente da Argentina, ao mesmo tempo que o declínio do Grupo Lima.

Para a ultra-direita, estes movimentos, que promovem a união regional e tendem para a esquerda mais progressista, causam “grandes danos institucionais às democracias latino-americanas” e são supostamente dirigidos a partir de Cuba para que o espectro do “comunismo” afugente os sistemas políticos “liberais”.

“Se as forças do Fórum ganharem terreno, uma transição para o autoritarismo parece inevitável”, afirma o autor do texto. A aposta de Vox é evitar que isto aconteça e impedir que a mudança na região se aproxime do Brasil de Jair Bolsonaro ou dos EUA expulsos de Donald Trump, desencadeando uma tempestade ideológica inversa na América Latina que iria confrontar o Fórum de São Paulo numa espécie de ‘furacão de ultra-direita’.

Nicarágua: Argentina, os EUA virão por si a seguir.

#AmericaLatina #ManipulacionPolitica #OEA #EstadosUnidos #Argentina #Nicaragua

Por Redacción Razones de Cuba

É por isso que eles estão tão preocupados. Não devemos esquecer que o governo nicaraguense, juntamente com o governo chinês, está a construir o segundo canal interoceânico do continente.

Após sucessivas derrotas dos EUA na Nossa América, o império está a tentar concentrar a sua artilharia contra a Nicarágua. O objectivo é evitar as eleições presidenciais de Novembro: criar todo o tipo de notícias falsas, encorajar o descontentamento social, etc.

Para este fim, o imperialismo conta com a oligarquia parasitária nicaraguense: os partidos de direita, alguns deles vindos do Sandinismo e, como sempre, da OEA, apesar de ser moribundo.

O problema da Nicarágua não é uma questão menor; tem repercussões em toda a América Central e nas Caraíbas. Tem uma importância geopolítica da primeira ordem. Politicamente, o próximo triunfo do Sandinismo e possivelmente a vitória histórica do candidato esquerdista Xiomara Castro nas Honduras poderia tornar-se mais uma derrota dos EUA.

Ortega afirma que las recientes detenciones en Nicaragua fueron por atentar  contra la seguridad - 24.06.2021, Sputnik Mundo

É por isso que eles estão tão preocupados. Não devemos esquecer que o governo nicaraguense, juntamente com o governo chinês, está a construir o segundo canal interoceânico do continente.

Na Argentina, Alberto Fernández teve uma posição hesitante sobre a Nicarágua, talvez ele não compreenda o conselho de Brecht quando disse “Primeiro eles vieram pelos comunistas e eu não disse nada porque eu não era um…”. É evidente que agora vêm também para Alberto Fernández e para o governo democrático da Argentina.

Alberto Fernández e Andrés Manuel López Obrador (AMLO), Argentina e México chamaram os seus embaixadores na Nicarágua para consulta em repúdio às violações dos direitos humanos alegadamente cometidas na Nicarágua.

Alberto Fernández ordenou a Felipe Solá que fizesse o mesmo com Daniel Capitanich, que representa os interesses diplomáticos argentinos em Manágua.

A decisão de chamar o Embaixador Capitanich para consulta é o epílogo de uma sucessão de acções diplomáticas ordenadas por Alberto Fernández que Daniel Ortega rejeitou. O presidente deu instruções a Capitanich para visitar os “presos políticos” nicaraguenses e depois Felipe Solá solicitou a libertação imediata destes “presos políticos”.

Esta atitude é desrespeitosa de um tipo diferente de diplomacia, como o Ministro dos Negócios Estrangeiros peruano Héctor Béjar salientou no seu discurso de tomada de posse nos últimos dias.

É antiético e até imoral para a Argentina pedir a libertação dos “presos políticos” nicaraguenses, quando na Argentina ainda temos presos políticos da luta anti-neoliberal contra o Macrismo.

Em consequência desta situação, o governo nicaraguense recordou também recentemente o seu embaixador Orlando José Gómez para consulta.

Não seria mau se Daniel Ortega desse instruções ao representante diplomático nicaraguense em Buenos Aires para visitar Milagro Sala, Luis D’ Elia e o resto dos prisioneiros políticos argentinos.

Extraído da Telesur

O que é que eles querem: A expansão das desigualdades?

#DerechosHumanos #Pobreza #Africa #AmericaLatina #OrienteMedio

Por Redacción Razones de Cuba

Por: Agustín Lage Dávila

É verdade que entre aqueles que procuram destruir a Revolução Cubana e inverter o processo de construção da justiça social dos últimos 60 anos, há muitos que não sabem o que querem. Reagem com raiva primitiva, ou com arrogância intelectual, às dificuldades do presente, sem se perguntarem de onde vêm e sem formularem alternativas. Mas há outros (aqui e no estrangeiro) que sabem exactamente o que querem, e são eles que manipulam os primeiros.

Que ninguém se deixe enganar: o que eles querem é a expansão das desigualdades sociais em Cuba, e claro, que caiam do lado dos poucos que beneficiam dessas desigualdades.

É isso que traria ao nosso país um processo (gradual ou abrupto) de restauração do capitalismo. Pois é exactamente isso que o capitalismo tem feito em todo o lado e a todo o momento, há mais de 300 anos: criar e ampliar as desigualdades sociais.

Mas vamos adiar (por agora) a arengua das barricadas, e voltar à frieza dos dados verificáveis.

É o capitalismo que é o modelo económico socialmente falhado que conduziu às desigualdades actuais, onde os 1% mais ricos controlam metade dos bens do mundo, enquanto os 50% mais pobres possuem colectivamente menos de 5% da riqueza global. Os 0,1% de topo da população mundial (os super-ricos) possuem 20% da riqueza global. Se o presidente dos EUA quer falar de “um sistema falhado”, deveria começar por reconhecer e explicar este colossal fracasso do capitalismo.

Washington D.C., la capital de los indigentes – NotiCel – La verdad como es  – Noticias de Puerto Rico – NOTICEL

As desigualdades produzidas pelo capitalismo mostraram uma tendência crescente durante o século XIX. Esta tendência foi interrompida pelas grandes tragédias das guerras mundiais e depois, nas três décadas que se seguiram à Segunda Guerra Mundial, houve uma contracção das desigualdades, impulsionada pelas políticas do Estado Providência implementadas pela social-democracia europeia, sobretudo sob a pressão do exemplo de justiça distributiva na URSS e no campo socialista. As políticas desses 30 anos nos países capitalistas desenvolvidos incluem diferentes combinações de nacionalização, educação pública, cuidados de saúde pública, e tributação progressiva. Estas são precisamente as políticas que os ideólogos do capitalismo criticam hoje em dia aos projectos socialistas. Embora estas políticas não tenham ido ao ponto de ultrapassar o capitalismo, impuseram limites durante algum tempo à expansão das injustiças sociais.

Mas depois tudo mudou novamente, e não para melhor. As desigualdades começaram a crescer novamente na década de 1980, como resultado das políticas neoliberais impostas pelos governos de Ronald Reagan nos Estados Unidos e Margaret Thatcher no Reino Unido, um período conhecido como a “revolução conservadora”.

Estas políticas neoliberais foram impostas à América Latina através de ditaduras militares, principalmente no Cone Sul, e as desigualdades alargaram-se a níveis indecentes. Durante o mesmo período, Cuba reduziu-os.

As desigualdades sociais têm uma componente de diferenças “entre países” e outra componente de diferenças “dentro dos países”.

Actualmente, as desigualdades entre países são a principal componente, mas quando exploramos a distribuição da riqueza dentro das sociedades, vemos também um aumento das desigualdades, especialmente nos países menos desenvolvidos. Por exemplo, os 10% mais ricos da população recebem 54% do rendimento total na África Subsaariana, 65% na África Austral, 56% no Brasil e 64% no Médio Oriente.

O NÚMERO ABSOLUTO DE PESSOAS QUE VIVEM EM FAVELAS NOS PAÍSES POBRES CRESCEU DE 650 MILHÕES PARA 863 MILHÕES ENTRE 1990 E 2012.

E estas não são apenas desigualdades de riqueza. Tornam-se também desigualdades educacionais. Nos Estados Unidos, por exemplo, existe uma relação clara entre a probabilidade de um jovem ter acesso ao ensino superior e o nível de rendimento dos seus pais: o acesso ao ensino superior é de apenas 20% para as classes mais pobres, e chega aos 90% para as mais ricas. O acesso desigual à educação espalha as desigualdades sociais para as gerações seguintes.

Isso, ou pior, é o que aqueles que manipulam as realidades cubanas nas redes sociais, e aqueles que as pagam, querem para Cuba.

E querem-no porque em todas as sociedades desiguais sempre existiu uma pequena elite que beneficia das desigualdades e as perpetua.

Mas não é isso que a maioria dos cubanos quer. O que essa imensa maioria, que está a resistir e a construir em Cuba, quer é o que está na Constituição que aprovámos em 2019, com 86. 85% dos votos, e que diz no seu Artigo 1: “Cuba é um estado socialista de direito e justiça social, democrático, independente e soberano, organizado com todos e para o bem de todos como uma república unitária e indivisível, fundada no trabalho, dignidade, humanismo e ética dos seus cidadãos para o gozo da liberdade, equidade, igualdade, solidariedade, bem-estar e prosperidade individual e colectiva”.

Nós, cubanos que construímos Cuba, sabemos muito bem o que queremos, e o que não queremos. E a verdade é que somos muitos.

Tirada de CubaDebate

Parlamentares e activistas latino-americanos condenam o bloqueio dos EUA a Cuba .

#CubaNoEstaSola #PuentesDeamor #ElBloqueoEsReal #ACubaPonleCorazon #SolidaridadVSBloqueo #CubaSoberana #TodoPorLaRevolucion

Edição Central teleSUR .

#Brasil #LavaJato #Ecuador #AmericaLatina #Salud #Covid-19

Relatório demolidor sobre o governo de #LenínMoreno e os protestos de 2019 no #Equador .

#Ecuador #OEA #UnuionEuropea #InjerenciaDeEEUU #LeninMoreno

O relatório do Departamento de #Saúde dos #E.U.A. reconhece que fez lobby para impedir a vacina #Sputnik, ajuda #MédicaCubana.

#CubaPorLaSalud #CubaSalva #EEUUBloquea #InjerenciaDeEEUU #VacunasCubanas #Russia #SputnikV #Covid-19 #SaludMundial #Brasil #AmericaLatina

Por Redacción Razones de Cuba

Também insistiu na presença de médicos cubanos, que se deslocam a diferentes países para prestar assistência.

Os dados, tal como revelados hoje em Buenos Aires pelo jornal Página 12, aparecem no relatório anual do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA (OGA, pela sua sigla em inglês, o equivalente a um ministério).

“A OGA coordenou com outras agências governamentais dos EUA para reforçar as relações diplomáticas e oferecer assistência técnica e humanitária para dissuadir os países da região de aceitar a ajuda destes Estados mal-intencionados”, afirma o relatório.

O relatório, por exemplo, reconhece ter apelado às “relações diplomáticas” bilaterais entre Washington e Brasília para forçar o gigante sul-americano, um dos mais afectados pela pandemia de Covid-19, a recusar a autorização de utilização do Sputnik V, do centro russo Gamaleya.

De acordo com o documento dos EUA, as suas recomendações destinavam-se a evitar que a Rússia “aumentasse a sua influência” na região da América Latina e das Caraíbas, informou a Telesur, embora não tenham sido fornecidos mais pormenores. Numa secção do relatório intitulada “Combater as influências malignas nas Américas”, revelada na Página 12, o relatório explicava que o objectivo era evitar que países como a Rússia, Venezuela e Cuba “aumentassem a sua influência” na região através da vacina anti-covida russa e das brigadas médicas internacionalistas de Cuba.

A vacina e os médicos cubanos actuariam “em detrimento da segurança dos Estados Unidos”, de acordo com o documento.

O relatório foi divulgado esta semana enquanto os Estados Unidos pairavam em torno do número de meio milhão de mortos da pandemia como resultado da política do ex-Presidente Donald Trump, um apoiante de “deixar morrer aqueles que têm de morrer”, como ele disse.

E o Brasil, por seu lado, com a política de saúde do Presidente Jair Bolsonaro alinhada com a de Trump, atingiu esta semana o número arrepiante de 290.000 mortes por coronavírus no total e 3.150 mortes por dia, em média.

No caso do Panamá, os Estados Unidos teriam oferecido assistência técnica do Centro de Controlo de Doenças (CDC) ao país centro-americano para rejeitar uma oferta de médicos cubanos para combater a epidemia de Covid-19.

Segundo o Telesur da Venezuela, apesar da oposição geopolítica à sua utilização, a vacina russa Gamaleya foi autorizada em cerca de 24 países, vários dos quais na América Latina e nas Caraíbas.

Também apesar da campanha contra, a cooperação médica cubana espalhou-se por três continentes e cerca de 30 países durante a pandemia de Covid-19.

“Que morram os que têm de morrer”.
Pressões dos EUA sobre a América Latina na pandemia.

Como Washington se manobrou para impedir a venda da vacina Sputnik na região e para bloquear as actividades das brigadas médicas cubanas. As coincidências de Trump e Bolsonaro e os guinchos de Mauricio Macri.

Luis Bruschtein – Página 12

Com o aumento de onze por cento de contágios em todo o país e de 19 por cento no CABA, os infectologistas que aconselham o governo avisaram que a Argentina pode estar às portas de uma segunda vaga de infecções, como aconteceu na Europa no final do Verão e ainda está a acontecer em alguns países. A chegada dos primeiros carregamentos de vacinas flexibilizou as medidas de precaução no país e a vigilância sanitária nas fronteiras. Embora não tenha anunciado quaisquer medidas concretas, o Presidente Alberto Fernandez utilizou a rede de rádio e televisão na quinta-feira para emitir um aviso aos argentinos. Se o número de contágios aumentar, terão de ser tomadas novas precauções sanitárias.

Durante as férias, muitos argentinos viajaram para o Uruguai, Brasil e Chile, que estão a viver uma onda muito forte de contágios. O perito sanitário José Carlos Escudero segue os índices mundiais da epidemia, tomando como base os relatórios periódicos publicados pelo Washington Post e pelo The New York Times.

Para descrever situações é por vezes conveniente não usar números”, diz Escudero na sua parede FB. Para o dizer sem números: hoje em dia, o risco de adoecer de coronavírus é duas vezes maior no Uruguai do que na Argentina. O risco de morrer de coronavírus é duas vezes maior no Chile do que na Argentina. O risco de morrer de coronavírus é mais de três vezes maior no Brasil do que na Argentina.

No Brasil há ainda mais de 7.000 argentinos que foram de férias no meio da epidemia, e muitos mais viajaram desde Dezembro. O próprio chefe do governo da CABA, Horacio Rodríguez Larreta, tirou ali as suas férias, num exemplo do que um político que normalmente é tomado como referência pelos seus seguidores não deve fazer.

Como no início da epidemia do ano passado, os distritos CABA com mais infecções não são os mais pobres, mas os mais ricos: Recoleta, Palermo e Belgrano, onde vivem aqueles que viajaram para o estrangeiro. Isto inclui o México, de onde os 77 estudantes infectados com o coronavírus voltaram da sua viagem de graduação.

As ramificações políticas relacionadas com a epidemia têm sido chocantes. Durante a semana, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA (equivalente ao Ministério da Saúde) divulgou um relatório no qual reconhece que durante 2020 pressionou os governos latino-americanos a não comprar a vacina russa Sputnik V e menciona os governos do Panamá e do Brasil.

Numa secção do relatório, intitulada: “Combater as influências malignas nas Américas”, explicam que utilizaram a diplomacia para impedir países como a Rússia, Venezuela ou Cuba, “aumentar a sua situação difícil” na região através da vacina anti-vírus russa e das brigadas médicas internacionalistas de Cuba. A vacina e os médicos cubanos actuariam “em detrimento da segurança dos Estados Unidos”, de acordo com o documento.

O relatório foi divulgado esta semana enquanto os Estados Unidos pairavam em torno do meio milhão de mortos pandémicos em resultado da política “deixar morrer quem tem de morrer” de Donald Trump. E o Brasil, o país que a Casa Branca estava a bloquear o acesso a um remédio estratégico, atingiu esta semana o número arrepiante de 290.000 mortes do coronavírus no total e 3.150 mortes por dia.

A diplomacia de Donald Trump pressionou o governo de Jair Bolsonaro a aprofundar esta política de armas dobradas face à pandemia, graças à qual aquele país é o terceiro no mundo em termos do número de infecções (depois dos Estados Unidos e da Índia) e o segundo em termos do número de mortes (depois dos Estados Unidos).

O país que foi pressionado a não comprar vacinas está a sofrer “o maior colapso sanitário e hospitalar da sua história”, de acordo com a Fundação Oswaldo Cruz, o maior centro de investigação científica da América Latina. Em 19 capitais brasileiras, as unidades terapêuticas já ultrapassaram 90 por cento da sua capacidade e as mortes aceleraram devido à falta de espaço. A crise levou Bolsonaro a ceder e a mudar o seu ministro da saúde. Retirou o General Eduardo Pazuello, que nada sabia sobre o assunto, e substituiu-o pelo cardiologista Marcelo Quiroga.

Trump e Bolsonaro concordaram naquela frase tremenda sobre a morte daqueles que têm de morrer. Uma metáfora malthusiana para justificar o sacrifício (evitável) de milhares de pessoas, entre pessoas saudáveis de todas as idades, com mais de 60 anos e pacientes com doenças como diabetes, coronárias, respiratórias ou imunocomprometidas.

Esta frase tinha estatuto local na altura, quando no meio da quarentena rigorosa da primeira fase, o ex-Presidente Mauricio Macri comunicou com o Presidente Alberto Fernandez para expressar o seu desacordo com a quarentena porque aqueles que tinham de morrer ainda iam morrer.

Quando se realizaram as primeiras marchas anti-quarantinas, Macri tinha dito que estava “orgulhoso dos milhares de argentinos que ontem saíram para dizer não ao medo e ao abuso, e sim ao trabalho, ao respeito e à liberdade”. No mesmo sentido, ele tinha feito declarações na Europa. As palavras de Macri a Alberto Fernández repetiram o que ele tinha dito: “deixemos todas as pessoas na rua, deixemos morrer aqueles que têm de morrer”. Esse parentesco ideológico entre Trump, Bolsonaro e Macri, induz a visualizar o Brasil e os Estados Unidos como o cenário de tragédia humanitária que poderia ter sido a Argentina se essa ideia tivesse prevalecido.

“Lamento por aqueles que perderam entes queridos, mas isso é vida”, respondeu o presidente brasileiro no ano passado a um grupo de jornalistas que lhe perguntou sobre as vítimas da epidemia. “Eu sou o Messias – pelo seu nome do meio – mas não faço milagres. É assim que é a vida. Amanhã serei eu e espero que venha da forma mais digna possível e deixe uma boa imagem”.

A divulgação do balanço anual do Departamento de Saúde dos EUA mostrou que a epidemia e as vacinas tornaram-se factores na geopolítica mundial. Face à aceitação mundial do Sputnik V, os Estados Unidos voltaram à língua da velha Guerra Fria e o Presidente Joe Biden chamou ao seu homólogo russo, Vladimir Putin, um assassino.

Assim como o Primeiro Ministro britânico Boris Johnson, que anunciou um aumento invulgar da presença militar do império nos seus 14 territórios ultramarinos, como chamam os seus enclaves coloniais, um dos quais são as Ilhas Malvinas. Estes são mecanismos que expõem a dificuldade das potências ocidentais face a um mundo cada vez mais multipolar com a Europa, Rússia e China a emergir face a um Estados Unidos enfraquecido.

Quando Trump descobriu que quanto menos a epidemia era combatida, mais ela afectava a economia, mudou a sua linha, encerrou a exportação de vacinas e começou a açambarcá-las. Sob Biden, essa política não mudou. Os Estados Unidos têm contratos para 1,5 mil milhões de vacinas e tem 300 milhões de habitantes. Os seus contratos com a Pfizer, Moderna e Johnson são cinco vezes superiores ao número de habitantes, no entanto, não permitem que nenhuma vacina saia das suas fronteiras.

A vacinação nos Estados Unidos é tão generosa que muitos mexicanos ricos viajam para o país vizinho para se vacinarem porque não requerem cidadania ou residência. O contraste com o México vizinho, que tem problemas em obter vacinas como a maior parte do resto do mundo, é acentuado. O Papa Francisco empenhou-se pessoalmente em conversações com Biden para que, no mínimo, as sobras de vacinas possam ser desviadas.

Na Argentina, o cenário continua: as autoridades do CABA afirmam que recebem menos vacinas do que outros distritos. Da província de Buenos Aires eles respondem que é o contrário porque recebem mais do que os outros. A realidade é que no distrito de Buenos Aires a vacinação progrediu nos anos 60, professores, trabalhadores da saúde e pessoal da polícia, enquanto que no CABA não se termina com os anos 80. A distribuição da vacina é super controlada e uma distribuição desigual seria muito fácil de detectar. Não há problemas de distribuição, mas sim diferentes políticas de saúde.

Extraído de Cubainformaciòn

#Cuba reconhece acções a nível mundial para exigir o fim do bloqueio dos #EstadosUnidos.

#CubaSalva #EEUUBloquea #ElBloqueoEsReal #PuentesDeAmor #EstadosUnidos #JoeBiden #Sanciones #DonaldTrumpCulpable #Asia #Oceanía #África #América #Europa.

Autor: Granma | internet@granma.cu

O Presidente da República de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, elogiou as mais de 21.000 assinaturas que apelam à administração de Joe Biden para pôr fim ao bloqueio dos EUA contra a maior das Antilhas.

Através da sua conta oficial no Twitter, o chefe de estado destacou o apoio a esta iniciativa do projecto Pontes de Amor nos Estados Unidos, promovido por cubanos que vivem no estrangeiro.

bloqueo

A carta aberta a Biden, para além de exigir o fim do bloqueio comercial e financeiro imposto à ilha durante mais de 60 anos, solicita a reabertura da embaixada de Washington em Havana e a restauração do programa de reunificação familiar, suspenso pelo antigo Presidente Donald Trump desde 2017.

Defende também o estabelecimento de “políticas compassivas e humanas” em relação a Cuba, autorizando remessas ilimitadas e encorajando as relações financeiras e comerciais, entre outras propostas.

Por outro lado, o canal YouTube Europa para Cuba confirmou a 21 de Março que o seu apelo à solidariedade com a ilha terá lugar a 27 e 28 de Março em cerca de 40 nações em todo o mundo, exigindo o fim do cerco económico dos EUA.

Os dias de solidariedade serão alargados a toda a Ásia, Oceânia, África, América e Europa.

O bloqueio é o maior obstáculo ao desenvolvimento de Cuba e uma violação dos direitos humanos. Os prejuízos acumulados em seis décadas ascendem a 144,413 milhões de dólares, e entre Abril de 2019 e Março de 2020, a acção causou prejuízos da ordem dos 5,570 milhões de dólares, um valor recorde durante um ano.

Traduzido com a versão gratuita do tradutor – http://www.DeepL.com/Translator