Uma facada mortal nas negociações do México”.

#LaVerdadSiempreTriunfa #AlexSaab #Venezuela #EstadosUnidos

O Presidente venezuelano Nicolas Maduro disse domingo que os EUA sabiam que o “rapto” do seu diplomata Alex Saab iria arruinar o processo de diálogo com a oposição no México.

“O governo dos EUA sabia que ao raptar Alex Saab, membro da comissão de diálogo no México, estava a dar um golpe mortal nas conversações e negociações no México, o governo dos EUA sabia-o e ainda agiu”, disse o presidente numa emissão no canal de televisão estatal Venezolana de Televisión.

O presidente também lamentou a extradição ilegal da Saab para os EUA e anunciou que Caracas está a tomar medidas na ONU para resolver o caso do diplomata venezuelano.

Em Setembro passado, o governo venezuelano anunciou a sua decisão de acrescentar Saab ao processo de diálogo, incluindo-o como delegado pleno “à mesa redonda social que foi aprovada no acordo parcial de atenção ao povo venezuelano, assinado no México”.

O presidente indicou que, devido à extradição do diplomata, ordenou ao chefe da delegação governamental para o diálogo, Jorge Rodríguez, que se retirasse e suspendesse a viagem ao México para uma nova reunião de negociação com a oposição, marcada para domingo, 17 de Outubro; no entanto, anunciou que “outros virão”.

Além disso, denunciou que a acção das autoridades cabo-verdianas “é um rapto muito grave ao abrigo do direito internacional e diplomático”, uma vez que o Tribunal da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), “declarou em duas ocasiões que Alex Saab era inocente, que devia ser absolvido e que a extradição não era permitida e que devia ser libertado imediata e incondicionalmente”.

O diplomata venezuelano, que foi extraditado de Cabo Verde para os EUA no sábado, comparecerá perante um juiz em Miami, Florida, na segunda-feira, para formalizar a sua detenção.

Saab, que estava em prisão domiciliária desde Junho de 2020, foi transportado para Miami num avião do Departamento de Justiça dos EUA, onde enfrentará acusações de branqueamento de dinheiro no valor de mais de 350 milhões de dólares. Os procuradores dos EUA também terão aberto um processo contra vários dos associados próximos da Saab, incluindo o seu filho, bem como o seu parceiro comercial Álvaro Pulido.

#CELAC: um mecanismo de integração, diálogo e conciliação política em relação à #OEA .

#OEA #GolpeDeEstado #EstadosUnidos #ElCaminoEsLaPaz #CELAC

#ElCaminoEsLaPaz .

#ElCaminoEsLaPaz

A Missão de Verificação da ONU apresenta seu relatório sobre a implementação do Acordo de Paz na Colômbia.

#Colombia #AcuerdoDePaz #Guerrillas #ONU #Covid-19 #SaludMundial #DerechosHumanos #FARC #Venezuela #DonaldTrumpCulpable #PoliticaExterior

Intervenção do Presidente de Cuba na XVIII Cúpula ALBA-TCP

#Celac #ALBATCP #HugoChavez #FidelCastro #AmericaLatina #Bolivia #Venezuela #Cuba #Minrex #MidelDiasCanelB #Covid-19

Cooperação, o principal desafio do mecanismo CELAC-UE

#CELAC #BrunoRodriguezParrilla #Cuba #ALBA-TCP #Minrex #DiazCanelB #VamosPorMas #Somo0sContinuidad #TenemosMemoria #Covid-19 #SaludMundial #EstadosUnidosBloquea #CubaSalva #ElBloqueoEsReal #CubaApuestaPorLaSalud #Salud #AmericaLatina #HugoChavez #FidelCastro #EternoComandante

Autor: Nuria Barbosa León | internet@granma.cu

O apelo para preservar o vínculo entre a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) e a União Europeia (UE), e para evitar a exclusão de qualquer nação, essencialmente a Venezuela, centrou a intervenção do Ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, na Reunião Ministerial informal desse mecanismo multilateral.

De forma virtual, representantes de mais de 50 governos discutiram a necessidade de uma resposta conjunta ao COVID-19, o uso de novas tecnologias de informação e comunicação neste contexto, iniciativas de enfrentamento às mudanças climáticas, e cooperação multilateral na recuperação pós-pandemia.

Bruno Rodriguez celac ue

“As múltiplas crises agravadas pela COVID-19 e seus efeitos devastadores evidenciaram a urgência de intensificar a solidariedade e a cooperação internacional”, disse o Chanceler cubano, e a seguir explicou o grande desafio da ilha para superar os efeitos da pandemia , dada a intensificação do bloqueio econômico, comercial e financeiro dos Estados Unidos.

«Este mecanismo deve ser, a nosso ver, o quadro de coordenação de uma resposta bi-regional aos desafios impostos pela COVID-19, que permite a participação de todos os países da CELAC e da União Europeia, sem exclusões e sem ignorar a nossa diversidade e diferentes níveis de desenvolvimento ”, defendeu o ministro cubano na reunião convocada pela Alemanha, na qualidade de presidente da UE.

Os outros países também pediram apoio à Organização Mundial e Pan-Americana da Saúde, ajuda abnegada e colaboração.

O Ministro das Relações Exteriores do México, Marcelo Ebrard Casaubon, na qualidade de Presidente Pro Tempore da Celac, destacou as múltiplas coincidências entre os valores, prioridades e perspectivas dos participantes diante dos desafios globais; entretanto, o alemão Heiko Maas anunciou a criação de um instituto transnacional de luta contra as doenças infecciosas na América Latina.

Cuba é uma nação aberta ao diálogo?

#Cuba #RevoluciónCubana #PalabraPrecisa #MiguelDiazCanelB #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #Injerencia

A #Caricom está interessada em uma cooperação mais estreita com a #Cuba.

#CARICOM #Cuba#ElBloqueoEsReal #CubaEsSolidaridad #ConCubaTodo #CubaEsAmor #BloqueoNoSolidaridadSi #DiazCanelB #YoSigoAMiPresidente

O chefe de governo afirmou que a cooperação “tem contribuído de forma eficaz para o crescimento do bem-estar dos povos da Comunidade”.

A esse respeito, disse Browne, expressamos nossa mais sincera gratidão ao Governo de Cuba por seu apoio contínuo e pela extensão de sua boa vontade, em particular para o financiamento da Escola Regional de Artes do Caribe na Jamaica e do Centro de Tratamento de Deficiências físicas para ajudar crianças com deficiências físicas, com sede na Guiana.

Caricom

Também reafirmou o interesse de Antígua e Barbuda em continuar promovendo iniciativas sociais entre nossos países.

O chefe de governo de Antígua e Barbuda destacou a importância para a região de ampliar as relações econômicas e comerciais entre os países integrados ao Caricom e Cuba, e quanto contribuirá para isso a conclusão e implementação do Acordo de Cooperação revisado nessas áreas. ambos os lados.

Realizou-se esta terça-feira a VII Cúpula Caricom-Cuba, reunião na qual, entre outros pontos, se acordou aprofundar a implementação do referido acordo; também mantém cooperação médica, especialmente para a luta contra a Covid-19.

Os países envolvidos também concordaram com a necessidade de promover o turismo sustentável e com múltiplos destinos e de conciliar estratégias para enfrentar os desafios impostos pela mudança climática, especialmente para os pequenos Estados insulares.

CARICOM

Como parte de uma política comum, a entidade regional reiterou sua rejeição ao bloqueio econômico, financeiro e comercial imposto pelos Estados Unidos a Cuba, bem como às medidas extraterritoriais, como a Lei Helms-Burton, voltada para afetar as relações da maior ilha das Antilhas. com outros países. (PL)

Cuba teve uma grande presidência.

#CEPAL #MiguelDiazCanelB #AmericaLatina #Covid-19 #CostaRica #Cuba #VamosPorMas #EEUUBloquea #CubaSalva #BloqueoNoSolidaridadSi

Retirado do Jornal Granma .

Autor: Granma | internet@granma.cu

Cuba, com uma delegação chefiada por seu Presidente Miguel Díaz-Canel, participará hoje do Trigésimo Oitavo Período de Sessões da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), que se realizará, pela primeira vez, virtualmente pelo situação epidemiológica atual, até o próximo dia 28, analisa o site da chancelaria cubana.

De acordo com o programa do evento, Díaz-Canel entregará formalmente a Presidência pro tempore da CEPAL ao Governo da Costa Rica, depois que as Grandes Antilhas ocuparam esse cargo nos últimos dois anos, desde maio de 2018, quando o Trigésimo Sétimo Período de Sessões em Havana.

Em uma análise do trabalho de Cuba, Alicia Bárcena, secretária executiva da CEPAL, elogiou que “ele exerceu uma grande presidência, com liderança, compromisso e convicção. Foi excepcional, excelente e eles tiveram que nos acompanhar no quadro desta pandemia, mostrando capacidade de reação imediata ”, disse ele, e destacou sua contribuição solidária neste sentido, bem como sua ênfase em colocar o multilateralismo como uma ferramenta fundamental para o desenvolvimento sustentável com igualdade. “Sentiremos falta da liderança de Cuba, mas Cuba não, porque mesmo que esteja entregando a presidência, ela continuará, estou certo, desempenhando um papel muito ativo e muito importante”, disse ele, segundo a Prensa Latina.

A agenda deste período consiste em um diálogo de chanceleres, que tratará da recuperação econômica do POSCOVID-19 e uma declaração política, informou o vice-chanceler da Costa Rica, Christian Guillermet, e incluirá a reunião do Comitê de Cooperação Sul-Sul e um evento específico que tratará do Desafios do Caribe para construir melhor e, além disso, realizarão eventos paralelos sobre afrodescendentes e idosos, direitos humanos e proteção social.

Honremos os propósitos fundadores da CELAC para a unidade e o desenvolvimento da “Nossa América”

#Bruno Rodriguez #Minrex #CELAC #SaludMundial #Covid-19 #EpidemiaEstadosUnidos #EEUUBloquea #CubaSalva #ZonaDePaz #MedicosCubanos #

Declaração do Ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, na XX Reunião de Ministros das Relações Exteriores da Comunidade de Estados da América Latina e do Caribe (CELAC)

Sua Excelência Sr. Marcelo Ebrard Casaubon, Secretário de Relações Exteriores do México, Presidente Pro Tempore da CELAC,

Caros Chanceleres, todos amigos:

Pouco mais de uma década após a histórica fundação da CELAC, nosso desejo de alcançar a unidade na diversidade persiste a fim de, por meio do acordo político e da solidariedade, promover o desenvolvimento sustentável e o bem-estar dos povos da região. .

A disseminação da COVID-19 aprofundou as desigualdades na região mais desigual do planeta, onde 30% da população não tem acesso à saúde por motivos econômicos. A pandemia deverá causar a maior contração econômica da história da América Latina e do Caribe, com uma redução não inferior a, em estimativas conservadoras, para 9,1% do PIB regional e um aumento da pobreza em cerca de 45 milhões de pessoas, que se somarão aos 186 milhões que viviam nessa situação antes da pandemia; como resultado de décadas de políticas neoliberais fracassadas. Estima-se que mais 18 milhões de pessoas, de acordo com dados certamente subestimados, estarão desempregadas.

Esses efeitos devastadores mostram a urgência de se promover o multilateralismo e a cooperação. Unidos, sem exclusões de qualquer natureza, complementando-nos e compartilhando os recursos à nossa disposição, podemos enfrentar os desafios comuns em melhores condições.

Mesmo nessas circunstâncias, o governo dos Estados Unidos intensificou suas medidas coercivas unilaterais arbitrárias contra alguns de nossos países, que retardam seu desenvolvimento, dificultam as respostas à pandemia e violam o Direito Internacional, postulados na Carta das Nações Unidas. e a Proclamação da América Latina e do Caribe como Zona de Paz.

A agressividade do bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos a Cuba, hoje mais do que nunca, de forma inédita, constitui um obstáculo determinante ao desenvolvimento sustentável do povo cubano e causa enormes prejuízos econômicos e humanos.

Reafirmamos nosso apoio ao Presidente Nicolás Maduro e à união cívico-militar do povo bolivariano e chavista diante das medidas ilegais impostas pelos Estados Unidos contra a Venezuela.

Da mesma forma, nos solidarizamos com o povo e o Governo da Nicarágua e rejeitamos as medidas contra o direito desse país irmão ao bem-estar, à segurança e à paz.

O desrespeito e a manipulação crescente das organizações internacionais são inadmissíveis. Denuncio que o governo dos Estados Unidos, em sua campanha desonesta e mentirosa para desacreditar a cooperação médica internacional de Cuba, impôs à Organização Pan-Americana da Saúde, sem nenhum mandato dos Estados membros, uma avaliação de seu papel no Programa Mais Médicos no Brasil, uma iniciativa do então popular governo do PT daquele país, que beneficiou grandes setores de sua população.

Queridos colegas:

Reafirmamos a confiança depositada no fraterno México para revitalizar a CELAC, inspirada no compromisso da Cúpula da Unidade. Reiteramos nosso apoio ao exercício de sua Presidência Pro Tempore e apoiamos sua prorrogação por mais um ano. Celebramos as iniciativas de enfrentamento regional à COVID-19 e seus esforços para a finalização do Plano de Trabalho para 2020.

É fundamental, em nossa opinião, retomar o acordo e efetivar a gestão da CELAC nos foros multilaterais, como um de seus mandatos fundadores. O início da 75ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas é uma ocasião propícia para isso. A este respeito, acolhemos profundamente a Declaração Especial sobre a Questão das Ilhas Malvinas, aprovada pela Comunidade. É também necessário, quando as condições sanitárias o permitirem, relançar o diálogo político regional ao mais alto nível.

Conforme afirmou o General do Exército Raúl Castro Ruz, na Cúpula Fundacional da CELAC, em Caracas, em 2011 e passo a citar: “A Comunidade dos Estados da América Latina e do Caribe é o nosso trabalho mais precioso. Simbolicamente, consolida o conceito de região unida e soberana, comprometida com um destino comum. ” Fim da citação.

Temos o dever de fortalecer esse mecanismo de diálogo genuinamente latino-americano e caribenho, verdadeiramente independente e inclusivo. Honremos seus propósitos fundadores para a unidade e o desenvolvimento de “Nossa América”.