Cooperação, o principal desafio do mecanismo CELAC-UE

#CELAC #BrunoRodriguezParrilla #Cuba #ALBA-TCP #Minrex #DiazCanelB #VamosPorMas #Somo0sContinuidad #TenemosMemoria #Covid-19 #SaludMundial #EstadosUnidosBloquea #CubaSalva #ElBloqueoEsReal #CubaApuestaPorLaSalud #Salud #AmericaLatina #HugoChavez #FidelCastro #EternoComandante

Autor: Nuria Barbosa León | internet@granma.cu

O apelo para preservar o vínculo entre a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) e a União Europeia (UE), e para evitar a exclusão de qualquer nação, essencialmente a Venezuela, centrou a intervenção do Ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, na Reunião Ministerial informal desse mecanismo multilateral.

De forma virtual, representantes de mais de 50 governos discutiram a necessidade de uma resposta conjunta ao COVID-19, o uso de novas tecnologias de informação e comunicação neste contexto, iniciativas de enfrentamento às mudanças climáticas, e cooperação multilateral na recuperação pós-pandemia.

Bruno Rodriguez celac ue

“As múltiplas crises agravadas pela COVID-19 e seus efeitos devastadores evidenciaram a urgência de intensificar a solidariedade e a cooperação internacional”, disse o Chanceler cubano, e a seguir explicou o grande desafio da ilha para superar os efeitos da pandemia , dada a intensificação do bloqueio econômico, comercial e financeiro dos Estados Unidos.

«Este mecanismo deve ser, a nosso ver, o quadro de coordenação de uma resposta bi-regional aos desafios impostos pela COVID-19, que permite a participação de todos os países da CELAC e da União Europeia, sem exclusões e sem ignorar a nossa diversidade e diferentes níveis de desenvolvimento ”, defendeu o ministro cubano na reunião convocada pela Alemanha, na qualidade de presidente da UE.

Os outros países também pediram apoio à Organização Mundial e Pan-Americana da Saúde, ajuda abnegada e colaboração.

O Ministro das Relações Exteriores do México, Marcelo Ebrard Casaubon, na qualidade de Presidente Pro Tempore da Celac, destacou as múltiplas coincidências entre os valores, prioridades e perspectivas dos participantes diante dos desafios globais; entretanto, o alemão Heiko Maas anunciou a criação de um instituto transnacional de luta contra as doenças infecciosas na América Latina.

A #Caricom está interessada em uma cooperação mais estreita com a #Cuba.

#CARICOM #Cuba#ElBloqueoEsReal #CubaEsSolidaridad #ConCubaTodo #CubaEsAmor #BloqueoNoSolidaridadSi #DiazCanelB #YoSigoAMiPresidente

O chefe de governo afirmou que a cooperação “tem contribuído de forma eficaz para o crescimento do bem-estar dos povos da Comunidade”.

A esse respeito, disse Browne, expressamos nossa mais sincera gratidão ao Governo de Cuba por seu apoio contínuo e pela extensão de sua boa vontade, em particular para o financiamento da Escola Regional de Artes do Caribe na Jamaica e do Centro de Tratamento de Deficiências físicas para ajudar crianças com deficiências físicas, com sede na Guiana.

Caricom

Também reafirmou o interesse de Antígua e Barbuda em continuar promovendo iniciativas sociais entre nossos países.

O chefe de governo de Antígua e Barbuda destacou a importância para a região de ampliar as relações econômicas e comerciais entre os países integrados ao Caricom e Cuba, e quanto contribuirá para isso a conclusão e implementação do Acordo de Cooperação revisado nessas áreas. ambos os lados.

Realizou-se esta terça-feira a VII Cúpula Caricom-Cuba, reunião na qual, entre outros pontos, se acordou aprofundar a implementação do referido acordo; também mantém cooperação médica, especialmente para a luta contra a Covid-19.

Os países envolvidos também concordaram com a necessidade de promover o turismo sustentável e com múltiplos destinos e de conciliar estratégias para enfrentar os desafios impostos pela mudança climática, especialmente para os pequenos Estados insulares.

CARICOM

Como parte de uma política comum, a entidade regional reiterou sua rejeição ao bloqueio econômico, financeiro e comercial imposto pelos Estados Unidos a Cuba, bem como às medidas extraterritoriais, como a Lei Helms-Burton, voltada para afetar as relações da maior ilha das Antilhas. com outros países. (PL)

Cuba teve uma grande presidência.

#CEPAL #MiguelDiazCanelB #AmericaLatina #Covid-19 #CostaRica #Cuba #VamosPorMas #EEUUBloquea #CubaSalva #BloqueoNoSolidaridadSi

Retirado do Jornal Granma .

Autor: Granma | internet@granma.cu

Cuba, com uma delegação chefiada por seu Presidente Miguel Díaz-Canel, participará hoje do Trigésimo Oitavo Período de Sessões da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), que se realizará, pela primeira vez, virtualmente pelo situação epidemiológica atual, até o próximo dia 28, analisa o site da chancelaria cubana.

De acordo com o programa do evento, Díaz-Canel entregará formalmente a Presidência pro tempore da CEPAL ao Governo da Costa Rica, depois que as Grandes Antilhas ocuparam esse cargo nos últimos dois anos, desde maio de 2018, quando o Trigésimo Sétimo Período de Sessões em Havana.

Em uma análise do trabalho de Cuba, Alicia Bárcena, secretária executiva da CEPAL, elogiou que “ele exerceu uma grande presidência, com liderança, compromisso e convicção. Foi excepcional, excelente e eles tiveram que nos acompanhar no quadro desta pandemia, mostrando capacidade de reação imediata ”, disse ele, e destacou sua contribuição solidária neste sentido, bem como sua ênfase em colocar o multilateralismo como uma ferramenta fundamental para o desenvolvimento sustentável com igualdade. “Sentiremos falta da liderança de Cuba, mas Cuba não, porque mesmo que esteja entregando a presidência, ela continuará, estou certo, desempenhando um papel muito ativo e muito importante”, disse ele, segundo a Prensa Latina.

A agenda deste período consiste em um diálogo de chanceleres, que tratará da recuperação econômica do POSCOVID-19 e uma declaração política, informou o vice-chanceler da Costa Rica, Christian Guillermet, e incluirá a reunião do Comitê de Cooperação Sul-Sul e um evento específico que tratará do Desafios do Caribe para construir melhor e, além disso, realizarão eventos paralelos sobre afrodescendentes e idosos, direitos humanos e proteção social.

A OMS alerta que a pandemia da covid-19 é “uma grande onda” que vai subir e descer.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou na terça-feira que a pandemia de coronavírus é “uma grande onda” e lembrou que é um vírus que não se comporta como, por exemplo, a gripe, que tende a seguir tendências sazonais Relatórios da Reuters.

La OMS advierte que la pandemia de covid-19 es "una ola grande" que va a subir y bajar

“As pessoas ainda estão pensando nas estações do ano. O que todos precisamos saber é que este é um novo vírus … e está se comportando de maneira diferente”, disse Margaret Harris, da OMS, pedindo que medidas sejam tomadas para conter transmissão do vírus.

Nesta segunda-feira, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, alertou que “a pandemia continua a acelerar”, especificando que “o número total de casos dobrou nas últimas seis semanas”.

Nesse sentido, Ghebreyesus enfatizou a importância de observar medidas de higiene contra a pandemia. “Onde essas medidas são seguidas, os casos diminuem. Onde eles não são seguidos, os casos aumentam”, resumiu.

Até agora, de acordo com dados fornecidos pela Universidade Johns Hopkins, um total de 16.495.309 casos de covid-19 foram registrados em todo o mundo, e o número de mortes associadas à doença agora totaliza 654.327.

Enquanto isso, a América Latina e o Caribe ultrapassaram os Estados Unidos no número de casos confirmados de coronavírus e já é a região mais afetada até agora pela pandemia.

Em 27 de julho, o continente americano possui 8.610.134 casos positivos e 337.439 mortes, segundo a ONU. Removendo os EUA, que é o país mais afetado em todo o mundo, com 4.148.011 infecções e 145.727 mortes, além do Canadá, que tem 113.556 casos e 8.885 mortes, a América Latina e o Caribe já concentra 4.348.567 positivos e 182.827 mortes por covid-19.

CARICOM rejeita a intensificação do bloqueio e reconhece o valor da colaboração médica cubana

Por: Cubadebate Writing

Os Chefes de Governo presentes na 31ª Reunião da Comunidade do Caribe (Caricom) reiteraram na quarta-feira sua preocupação com a intensificação das sanções anunciadas pelo governo dos Estados Unidos sob o Título III da Lei Helms-Burton, que fortalece o Embargo econômico, comercial e financeiro dos Estados Unidos contra Cuba.

A reunião foi concluída na quarta-feira em Georgetown com a participação de 15 Estados membros, representados por seus chefes de governo, além de outros cinco parceiros.

Chefes de Governo denunciaram como injustificável a aplicação de leis e medidas extraterritoriais contrárias ao Direito Internacional.

Também expressaram seu profundo apreço pela assistência médica prestada por Cuba aos Estados membros da Comunidade ao longo dos anos que ajudaram a construir seus setores de saúde em benefício e bem-estar de seus povos.

Eles reconheceram que, por seu próprio conhecimento em primeira mão, as pessoas enviadas haviam acrescentado um enorme valor para ajudar seus cidadãos.

Eles rejeitaram a afirmação de que essa assistência médica fornecida pelos cubanos era uma forma de tráfico de pessoas.

Por sua parte, o ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, em sua conta no Twitter, agradeceu aos Chefes de Governo por rejeitarem o bloqueio ao nosso país e pela defesa da CARICOM pela solidariedade que os médicos conquistam.

Bruno Rodríguez P

@BrunoRguezP

Agradezco a los Jefes de Gobierno de por su rechazo al recrudecimiento del bloqueo de vs y a la aplicación de la Ley Helms-Burton y su agradecimiento a la cooperación médica cubana que por años ha contribuido al bienestar de sus pueblos. |

Ver imagen en Twitter
246 personas están hablando de esto

Além disso, no intercâmbio, os líderes examinaram o estado de implementação das disposições do mercado único e da economia.

Por outro lado, discutiram esforços para promover iniciativas em um sistema de telecomunicações para coleta de dados; os desafios das listas negras; a eliminação de riscos e a retirada de serviços bancários correspondentes.

Outro item da agenda do grande fórum foi propor uma aliança com a Cúpula Africana e a análise de questões regionais como crime, violência e segurança.

Na reunião, houve consenso na luta contra as mudanças climáticas, na promoção da democracia, no comércio, no crescimento econômico e na segurança.

PNUD: Desigualdade na América Latina e no Caribe gera conflitos sociais

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) alertou nesta segunda-feira que a desigualdade na América Latina e no Caribe pode causar maiores crises sociais, como evidenciado pelos protestos populares em vários países da região.

América Latina y el Caribe es la segunda región más desigual del mundo, según el Informe sobre Desarrollo Humano de 2019.

O diretor para a América Latina e o Caribe do PNUD, Luis Felipe López, definiu que a desigualdade “é sem dúvida um dos problemas estruturais mais importantes da América Latina e, quando interage com outros elementos, torna-se um dos fatores de desestabilização”.

Nesta segunda-feira, o Relatório de Desenvolvimento Humano de 2019 é apresentado em todo o mundo, intitulado “Além da renda, além das médias, além do presente: desigualdades do desenvolvimento humano no século XXI”. O capítulo regional do relatório será divulgado hoje em Bogotá, Colômbia.

O relatório, enviado anteriormente à mídia, indica que a América Latina e o Caribe persistem como a segunda região mais desigual do mundo, perdendo apenas para a África Subsaariana, apesar do fato de que, na última década, centenas de milhares de pessoas deixaram o país. pobreza.

Essa grave desigualdade social causou desacordo entre amplos setores da população, cada vez mais com dificuldades no acesso à educação, à saúde ou ao sistema previdenciário, entre outros itens.

Ao longo de 2019, as populações da Colômbia, Chile, Equador e Haiti protagonizaram manifestações públicas maciças, que foram fortemente reprimidas com um saldo de dezenas de mortes e centenas de detidos e feridos.

O relatório de Desenvolvimento Humano do PNUD de 2019 destaca que o foco não pode estar apenas no crescimento econômico a qualquer custo, mas que a inclusão social deve ser privilegiada.

Lopez disse que os protestos sociais na região são explicados porque “a desigualdade em um contexto de crescimento econômico, como houve, gerou aspirações que não foram satisfeitas”.

“Essas outras manifestações de desigualdade se tornam mais evidentes, como segregação, falta de mobilidade social, falta de voz na política. Os países são mais ricos, mas igualmente desiguais ”, observou.

Integração: a semente da Nova América

A necessidade essencial da integração da América Latina e do Caribe se manifestou na Declaração Conjunta de 14 de dezembro de 2004, durante a visita oficial do Presidente Hugo Chávez Frías a Cuba.

Autor: 

Continuar a ler “Integração: a semente da Nova América”