#CumbreSinLasAmericas.

#CumbreSinLasAméricas #InjerenciaDeEEUU #CARICOM #AmericaDePie #Venezuela #Cuba #Nicaragua

ÚLTIMO MINUTO!!! Os Ministros dos Negócios Estrangeiros da CARICOM emitiram uma Declaração na qual condenam novamente o bloqueio de #Cuba e apelam a que a Cimeira seja “inclusiva e garanta a participação de todos os países do hemisfério”. Pequeno em tamanho, grande em dignidade!

O #México no lado direito da história: o caso venezuelano .

#Mexico #AMLO #Venezuela #CARICOM #AmericaLatina

Por Redacción Razones de Cuba

Por: Maximiliano Reyes Zúñiga

Ser coerente e consistente é a chave da política externa e da diplomacia. Agora que as negociações entre o governo e a oposição venezuelana estão a ter lugar no México, vale a pena reflectir sobre a posição que o governo do Presidente Andrés Manuel López Obrador tomou e as acções que nos conduziram a este ponto.

Desde o início da actual administração, o México deixou de participar no chamado Grupo Lima, enquanto a Argentina se retirou do grupo com a chegada ao poder do Presidente Alberto Fernández e Santa Lúcia acaba de fazer o mesmo. Além disso, o Peru – o país que propôs a criação do grupo e tem o nome da sua capital – está agora a apontar na mesma direcção.

A questão principal é que tal agrupamento – que consideramos ter um forte preconceito ideológico e, portanto, acaba por ser politizado – estava a interferir e, portanto, incompatível com os nossos princípios de não-intervenção e autodeterminação livre dos povos.

Em contraste, o México privilegiou uma neutralidade pró-activa na qual se tornou claro que o nosso país é a favor de uma solução duradoura para a situação na Venezuela que seja produto de um esforço nacional e com acompanhamento internacional apenas quando necessário e na condição de que seja complementar.

Nesta linha, e mantendo a coerência, criámos, juntamente com o Uruguai e CARICOM, o Mecanismo de Montevideo, que realizou duas reuniões em Fevereiro e Novembro de 2019 e que procurou complementar o diálogo nacional. A própria situação interna, mais as mudanças na configuração regional, alteraram as condições originais que lhe deram vida, mas ao mesmo tempo o México manteve-se firme na sua posição internacional.

Assim, a nossa Embaixada em Caracas tem mantido um diálogo constante tanto com o governo como com figuras da oposição, para além de proporcionar protecção aos líderes políticos venezuelanos quando necessário, incluindo Roberto Marrero e Franco Manuel Casella. Ao mesmo tempo, sempre manifestámos o nosso apoio à abordagem da situação humanitária e contra acções unilaterais ou medidas coercivas que afectam a população civil.

O nosso país também denunciou várias propostas ou iniciativas que visam a interferência, ameaça ou uso de violência. Que fique claro: o México nunca apoiaria qualquer incursão ou invasão armada, nem qualquer tipo de acção que desencadeasse um conflito armado. Para citar um exemplo, denunciámos na OEA uma tentativa de invocar o Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR), uma vez que se trata de um instrumento concebido para acabar com a agressão entre Estados, e não para lidar com situações humanitárias.

É evidente que uma solução para uma situação complexa não pode ser imposta, muito menos a partir do exterior. O facto de as negociações nacionais venezuelanas terem sido relançadas e de o nosso país as acolher é um indicador de que a nossa posição tem sido a correcta. Mais uma vez, a história provou-nos que temos razão em ter tomado a posição certa face a uma configuração política continental em mudança que deveria favorecer a não intervenção nos assuntos internos, a livre autodeterminação dos povos, o respeito, protecção e promoção dos direitos humanos e a resolução pacífica dos conflitos, como sublinhou o Presidente do México, Andrés Manuel López Obrador.

(*) Subsecretário para a América Latina e as Caraíbas. SRE

Extraído de TeleSur

Cuba defende um debate inclusivo e transparente sobre a reforma do Conselho de Segurança da ONU.

#Cuba #AmericaLatina #Caribe #Asia #ONU #CubaMinrex

O representante permanente de Cuba junto à Organização das Nações Unidas (ONU), Pedro Luis Pedroso, defendeu esta segunda-feira um debate inclusivo, participativo e transparente no âmbito do processo de reforma do Conselho de Segurança da organização internacional.

Cuba aboga por debate inclusivo y transparente en reforma del Consejo de  Seguridad de la ONU
Representante Permanente de Cuba junto à ONU, Pedro Luis Pedroso. Foto: @PedroPedrosoC

Cuba considera que este processo deve abordar todas as questões substantivas relacionadas às cinco questões principais: a categoria dos membros, a questão do veto, a representação regional, o tamanho de um Conselho de Segurança ampliado e seus métodos de trabalho, e a relação entre o Conselho e o Geral Montagem, explicou Pedroso.

O diplomata cubano expressou o apoio de seu país à ampliação do Conselho de Segurança, tanto na categoria de membros permanentes como não permanentes, com o objetivo de sanar a insuficiente representação dos países em desenvolvimento.

Segundo Cubaminrex, Pedroso sublinhou que o processo de reforma deve ser liderado pelos Estados-Membros e todas as posições devem ser tidas em conta em igualdade de condições.

Ele acredita que tal expansão deveria incluir um aumento de novos membros permanentes, pelo menos dois países da África, duas nações em desenvolvimento da Ásia e igual número da América Latina e Caribe.

“O crescimento econômico pode gerar mais desigualdade na América Latina”

#Coronavirus #Politicas #FMI #ElBloqueoEsReal #AmericaLatina #SaludMundial Manifestaciones #Pobreza #CEPAL #Venezuela #Peru #Mexico #Argentina #Ecuador #Panama #Economia #Vacunas #Minrex #Europa #

Intervenção do Presidente de Cuba na XVIII Cúpula ALBA-TCP

#Celac #ALBATCP #HugoChavez #FidelCastro #AmericaLatina #Bolivia #Venezuela #Cuba #Minrex #MidelDiasCanelB #Covid-19

A #Caricom está interessada em uma cooperação mais estreita com a #Cuba.

#CARICOM #Cuba#ElBloqueoEsReal #CubaEsSolidaridad #ConCubaTodo #CubaEsAmor #BloqueoNoSolidaridadSi #DiazCanelB #YoSigoAMiPresidente

O chefe de governo afirmou que a cooperação “tem contribuído de forma eficaz para o crescimento do bem-estar dos povos da Comunidade”.

A esse respeito, disse Browne, expressamos nossa mais sincera gratidão ao Governo de Cuba por seu apoio contínuo e pela extensão de sua boa vontade, em particular para o financiamento da Escola Regional de Artes do Caribe na Jamaica e do Centro de Tratamento de Deficiências físicas para ajudar crianças com deficiências físicas, com sede na Guiana.

Caricom

Também reafirmou o interesse de Antígua e Barbuda em continuar promovendo iniciativas sociais entre nossos países.

O chefe de governo de Antígua e Barbuda destacou a importância para a região de ampliar as relações econômicas e comerciais entre os países integrados ao Caricom e Cuba, e quanto contribuirá para isso a conclusão e implementação do Acordo de Cooperação revisado nessas áreas. ambos os lados.

Realizou-se esta terça-feira a VII Cúpula Caricom-Cuba, reunião na qual, entre outros pontos, se acordou aprofundar a implementação do referido acordo; também mantém cooperação médica, especialmente para a luta contra a Covid-19.

Os países envolvidos também concordaram com a necessidade de promover o turismo sustentável e com múltiplos destinos e de conciliar estratégias para enfrentar os desafios impostos pela mudança climática, especialmente para os pequenos Estados insulares.

CARICOM

Como parte de uma política comum, a entidade regional reiterou sua rejeição ao bloqueio econômico, financeiro e comercial imposto pelos Estados Unidos a Cuba, bem como às medidas extraterritoriais, como a Lei Helms-Burton, voltada para afetar as relações da maior ilha das Antilhas. com outros países. (PL)

Declaração Final da VII Cúpula CARICOM-Cuba.

#DiazCanelB #VamosPorMas #AmericaLatina #Cuba #SomosContinuidad #TenemosMemoria #Covid-19 #CARICOM #CELAC #

Retirado da página da embaixada.

Declaração Final da VII Cúpula CARICOM-Cuba

8 de dezembro de 2020

Nós, os Chefes de Estado e de Governo da Comunidade do Caribe (CARICOM) e da República de Cuba, nos reunimos em 8 de dezembro de 2020 por videoconferência, por ocasião da Sétima Cúpula CARICOM-Cuba e em comemoração ao quadragésimo oitavo aniversário o estabelecimento de relações diplomáticas entre os quatro Estados independentes da CARICOM e Cuba e o décimo oitavo aniversário do Dia da CARICOM-Cuba;

Orgulhoso de nossa identidade caribenha e do progressivo desenvolvimento das relações políticas e da cooperação, fortalecida por acordos, intercâmbios e consultas em foros internacionais, em benefício de nossos povos; e pautada pelos princípios da solidariedade e complementaridade;

Reafirmando as Declarações das Cúpulas de Havana de 2002, Bridgetown de 2005, Santiago de Cuba de 2008, Port of Spain de 2011, Havana de 2014 e Saint Mary de 2017;

Cientes da necessidade de trabalharmos juntos para o desenvolvimento sustentável de nossas nações, o que nos permite construir sociedades mais inclusivas, justas e equitativas e enfrentar vulnerabilidades comuns, como pequenos Estados insulares em desenvolvimento e países em áreas costeiras de baixa altitude, especialmente nas esferas econômica e econômica. de Meio Ambiente;

Profundamente comovido pela perda de vidas e preocupado com os devastadores efeitos socioeconômicos causados ​​pela pandemia de COVID-19 e os devastadores eventos climáticos, que agravaram as múltiplas crises que a humanidade enfrenta hoje;

Saudando a assistência médica prestada aos Estados membros da CARICOM pelo Governo de Cuba em resposta à pandemia de COVID-19;

RESSALTANDO a importância de unir forças para melhorar a produtividade, a infraestrutura, a conectividade aérea e marítima em nossos países; bem como expandir os laços econômicos e comerciais por meio da aplicação do Acordo Revisto sobre Comércio e Cooperação Econômica entre a CARICOM e Cuba;

Sublinhando a importância da consolidação da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), como mecanismo de acordo político e promoção da unidade e integração de nossa região, e de defesa de seus interesses nas relações internacionais e com terceiros;

Felicita Presidente Cubano a Caricom por su aniversario Avalanches.com

Reafirmando a validade da Proclamação da América Latina e do Caribe como Zona de Paz, assinada em Havana em janeiro de 2014.

Nós concordamos:

  1. Reiterar que a unidade e integração de nossa região se baseia no respeito irrestrito aos Propósitos e Princípios consagrados na Carta das Nações Unidas e no Direito Internacional, em particular, soberania, autodeterminação, integridade territorial, a não ingerência nos assuntos internos dos Estados, a solução pacífica de controvérsias, a proibição da ameaça ou do uso da força; bem como na promoção e proteção dos direitos humanos para todos.
  2. Sublinhar a importância de defender a unidade regional para preservar a paz e a estabilidade em nossos países;
  3. Saudar os resultados alcançados na Sexta Reunião de Ministros das Relações Exteriores da CARICOM e Cuba, realizada em Georgetown, Guiana, em 14 de junho de 2019, na qual se acordou a necessidade de maior cooperação, bem como de fortalecer a comércio e investimento.
  4. Reafirmamos nossa disposição de fortalecer a cooperação Sul-Sul, como expressão de solidariedade, a fim de promover programas bilaterais e regionais, bem como a cooperação triangular para o desenvolvimento, levando em consideração as prioridades nacionais.
  5. Expressar a vontade de continuar recebendo a cooperação médica que Cuba oferece, reconhecendo sua contribuição para o bem-estar da população caribenha, especialmente os valiosos recursos humanos adicionais proporcionados no combate à COVID-19. Rejeitamos qualquer tentativa de desacreditar, distorcer e obstruir a assistência médica cubana, que é de importante ajuda para a região e para o sistema de saúde do Caribe.
  6. Intercâmbio sobre as melhores experiências na gestão da pandemia COVID-19 e outras situações epidemiológicas comuns ao Caribe e avaliação do uso clínico de medicamentos biotecnológicos cubanos inovadores no tratamento e prevenção da pandemia.
  7. Reconhecer a cooperação sustentada entre Cuba e os países da Comunidade do Caribe em áreas como saúde, desenvolvimento de recursos humanos, construção, esportes, educação, conservação ambiental e redução e mitigação de riscos. desastres naturais, que contribuíram efetivamente para o desenvolvimento e o bem-estar de nossos povos.
  8. Continuar a implantação do Centro de Estímulo ao Desenvolvimento de Crianças, Adolescentes e Jovens com Necessidades Educacionais Especiais, na Guiana.
Díaz-Canel en CARICOM-CUBA: Defendamos la solidaridad y la cooperación |  Cuba Si
  1. Manter intercâmbios para o início da Escola Regional de Artes do Caribe na Jamaica.
  2. Destacar o compromisso de buscar alternativas para promover as relações econômicas e comerciais, identificando nossas fortalezas e possibilidades de complementaridade, bem como a implementação e maior uso do Segundo Protocolo Adicional ao Acordo de Comércio e Cooperação CARICOM-Cuba.
  3. Enfatizam que a atualização do modelo econômico cubano, sua Lei de Investimentos Estrangeiros e a Zona Especial de Desenvolvimento de Mariel oferecem oportunidades adicionais e amplas para acelerar e fortalecer os laços econômicos entre a CARICOM e Cuba.
  4. Reconhecer a promoção do turismo sustentável como um dos elementos fundamentais para o desenvolvimento econômico do Caribe e fortalecer a cooperação nesse sentido, incluindo o turismo com múltiplos destinos, nos termos do Memorando de Entendimento assinado entre o Governo de Cuba e os Estados da CARICOM na Sexta Cúpula Cuba – CARICOM.
  5. Enfatizamos que a mudança climática, pela magnitude de seu impacto, é um dos maiores desafios para nossas nações, afetando em particular os países em desenvolvimento, especialmente os Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento. Por isso, estamos empenhados em fortalecer os intercâmbios, no âmbito da CARICOM e nos organismos internacionais pertinentes, para mitigar seus efeitos negativos.
  6. Sublinha que a adaptação aos impactos das mudanças climáticas representa uma prioridade global imediata e urgente.
  7. Fortalecer a cooperação para a proteção do meio ambiente e o uso sustentável de nossos recursos, especialmente os do Mar do Caribe. Nesse sentido, apoiamos os esforços envidados pela Associação dos Estados do Caribe para declarar o Mar do Caribe como “Zona Especial no contexto do Desenvolvimento Sustentável”, no âmbito das Nações Unidas
  8. Acolhemos com satisfação as ações implementadas em conjunto por nossos países para reduzir o risco de desastres naturais. Destacamos a assinatura de um acordo entre a Defesa Civil de Cuba e a Agência Caribenha de Gestão de Emergências e Desastres para ampliar e integrar os sistemas regionais de alerta precoce. Da mesma forma, ressaltar os esforços conjuntos para a capacitação de diversos órgãos de resgate do Caribe e do pessoal cubano e caribenho especializado na gestão da resposta aos desastres naturais.
  9. Reiterar nosso apelo à revisão e modificação dos atuais critérios de “graduação” para receber Assistência Oficial ao Desenvolvimento, de modo que reflitam adequadamente a realidade e as necessidades específicas dos países de renda média altamente endividados, especialmente os Estados do Caribe, e integrar as diferentes dimensões do desenvolvimento sustentável incluídas na Agenda 2030, levando em consideração que os critérios atuais não refletem os níveis reais de desenvolvimento econômico e social, nem os efeitos multidimensionais da pobreza, da desigualdade e da vulnerabilidade.
  10. Expressam profunda preocupação com a inclusão dos Estados membros da CARICOM nas listas de jurisdições fiscais não cooperativas e pedem uma mudança neste enfoque, que tem consequências negativas para as economias desses países, que demonstraram sua disposição de cooperar e dialogar com a fim de encontrar soluções mutuamente vantajosas para as partes.
  11. Expressam também profunda preocupação e rejeição à redução progressiva das relações de correspondentes bancários com os países em desenvolvimento, especialmente os Estados membros da CARICOM, devido a ações para reduzir o risco em alguns dos mais grandes corporações bancárias internacionais, que ameaçam a estabilidade financeira dos países afetados e limitam seus esforços para alcançar o desenvolvimento e o crescimento socioeconômico.
  12. Destacar a importância da reparação e indenização pelos danos causados ​​pela escravidão, contratos de garantia e genocídio da população nativa do Caribe como um ato de justiça.
  13. Rejeitar a imposição de medidas coercivas unilaterais e, neste contexto, instar pelo fim imediato e incondicional do bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto pelo governo dos Estados Unidos da América contra Cuba e contra a perseguição de Transações financeiras cubanas, cuja gravidade aumentou. Reiterar a rejeição vigorosa à aplicação de leis e medidas de caráter extraterritorial como a Lei Helms-Burton, que viola flagrantemente o Direito Internacional e mina a soberania e os interesses de terceiros.
  14. Agradecer ao Governo da República de Cuba a organização que realizou para a realização da Sétima Cúpula de Chefes de Estado e de Governo da CARICOM e de Cuba por videoconferência.
  1. Realizar a Oitava Cúpula CARICOM – Cuba em 8 de dezembro de 2022 e, anteriormente, a Sétima Reunião Ministerial na República de Cuba.
  2. Aprovado no dia 8 de dezembro de 2020.

(Cubaminrex)

CARICOM rejeita a intensificação do bloqueio e reconhece o valor da colaboração médica cubana

Por: Cubadebate Writing

Os Chefes de Governo presentes na 31ª Reunião da Comunidade do Caribe (Caricom) reiteraram na quarta-feira sua preocupação com a intensificação das sanções anunciadas pelo governo dos Estados Unidos sob o Título III da Lei Helms-Burton, que fortalece o Embargo econômico, comercial e financeiro dos Estados Unidos contra Cuba.

A reunião foi concluída na quarta-feira em Georgetown com a participação de 15 Estados membros, representados por seus chefes de governo, além de outros cinco parceiros.

Chefes de Governo denunciaram como injustificável a aplicação de leis e medidas extraterritoriais contrárias ao Direito Internacional.

Também expressaram seu profundo apreço pela assistência médica prestada por Cuba aos Estados membros da Comunidade ao longo dos anos que ajudaram a construir seus setores de saúde em benefício e bem-estar de seus povos.

Eles reconheceram que, por seu próprio conhecimento em primeira mão, as pessoas enviadas haviam acrescentado um enorme valor para ajudar seus cidadãos.

Eles rejeitaram a afirmação de que essa assistência médica fornecida pelos cubanos era uma forma de tráfico de pessoas.

Por sua parte, o ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, em sua conta no Twitter, agradeceu aos Chefes de Governo por rejeitarem o bloqueio ao nosso país e pela defesa da CARICOM pela solidariedade que os médicos conquistam.

Bruno Rodríguez P

@BrunoRguezP

Agradezco a los Jefes de Gobierno de por su rechazo al recrudecimiento del bloqueo de vs y a la aplicación de la Ley Helms-Burton y su agradecimiento a la cooperación médica cubana que por años ha contribuido al bienestar de sus pueblos. |

Ver imagen en Twitter
246 personas están hablando de esto

Além disso, no intercâmbio, os líderes examinaram o estado de implementação das disposições do mercado único e da economia.

Por outro lado, discutiram esforços para promover iniciativas em um sistema de telecomunicações para coleta de dados; os desafios das listas negras; a eliminação de riscos e a retirada de serviços bancários correspondentes.

Outro item da agenda do grande fórum foi propor uma aliança com a Cúpula Africana e a análise de questões regionais como crime, violência e segurança.

Na reunião, houve consenso na luta contra as mudanças climáticas, na promoção da democracia, no comércio, no crescimento econômico e na segurança.

Condor Planeje um fantasma que persiga os Estados Unidos.

As comunicações diplomáticas e militares de várias nações latino-americanas foram ativamente monitoradas por décadas pela inteligência dos Estados Unidos (EUA), usando máquinas de criptografia fornecidas pela empresa suíça Crypto AG, uma empresa de propriedade secreta da Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA) e a agência de inteligência alemã BND.

Os governos ditatoriais da América Latina adquiriram máquinas Crypto AG na segunda metade do século passado para executar o Plano Condor, um sistema continental caracterizado pelo extermínio e desaparecimentos forçados de opositores políticos de esquerda.

Em novembro de 1975, em Santiago, Chile, durante a reunião inaugural da operação, patrocinada pelo regime Augusto Pinochet, os líderes militares de cinco ditaduras do continente assinaram um acordo para usar um sistema de criptografia.

Os equipamentos adquiridos inicialmente foram o Crypto CX-52, mas, em 1977, eles decidiram atualizar para o Crypto H-4605, sem saber que os dispositivos eram manipulados e que os EUA Eu os usei para espionar as comunicações.

De acordo com a mídia do país do norte, os documentos mostram que os funcionários da CIA ficaram alarmados com os abusos dos direitos humanos, mas os arquivos não revelam qualquer esforço substancial das agências de espionagem ou altos funcionários para detê-los.

No plano Condor, países como Chile, Paraguai, Bolívia, Brasil, Uruguai e Argentina estavam envolvidos, mas além disso, a Crypto AG vendeu máquinas manipuladas para mais de 100 nações, incluindo Irã, Egito, Paquistão, Arábia Saudita, Itália, México, Peru, Colômbia, Venezuela e Nicarágua.

Levando em conta os países que adquiriram as máquinas Crypto AG e as datas em que foram operadas, a inteligência dos EUA. Ele ficou imediatamente ciente dos massacres na Indonésia, dos abusos do apartheid na África do Sul, do golpe militar de 1973 no Chile e do golpe de 1976 na Argentina.

Também sobre o assassinato do ex-ministro das Relações Exteriores do Chile, Orlando Letelier, em Washington, em 1976, a crise dos reféns no Irã em 1979, a revolução sandinista na Nicarágua, a Guerra das Malvinas, caso em que o governo Ronald Reagan entregou dados de inteligência ao Reino Unidos, entre outros.

No entanto, a investigação indica que os principais adversários de Washington, a antiga União Soviética (URSS) e a China, nunca foram clientes da Crypto AG, porque suspeitavam de seus laços com o Ocidente.

A empresa Crypto AG foi liquidada em 2018 e duas empresas, CyOne Security, dedicaram-se à venda de sistemas de segurança ao governo suíço e à Crypto International. Eles adquiriram seus ativos. Embora os novos proprietários afirmem que não têm conexão com serviços de inteligência, a CyOne mantém o mesmo diretor executivo da Crypto AG nas últimas duas décadas.

Em abril do ano passado, dos EUA para a Argentina desclassificaram documentos que revelam o terrorismo de estado das ditaduras e como foi realizado o Plano Condor, que mostrou seu conhecimento sobre a operação.

Bolsonaro dice que desea sumar a Brasil al poderío militar de EE.UU. en la región

Bolsonaro dejó entrever, en entrevista al Sistema Brasileño de Televisión, que contaría con una base militar del imperio en territorio brasileño para sumar a su nación al poderío estadounidense en la región, expresado en más de 75 bases en América Latina y el Caribe

Estados Unidos cuenta con más de 75 bases militares en la región.

Estados Unidos cuenta con más de 75 bases militares en la región. Foto: Perú al día

EE.UU. le viró la cara al Acuerdo de París sobre cambio climático y ya Bolsonaro ha dicho que daría también ese paso, de hecho la COP 25 que debía celebrarse en su país ha sido transferida a Chile, pues el nuevo mandatario rechazó la sede; EE. UU. injustamente consideró a Cuba, Venezuela y Nicaragua como la troika del mal y Jair dinamitó con sus ofensas y condiciones el programa Más Médicos, en detrimento de la salud de su pueblo; EE. UU. arremete contra el Gobierno legítimo y democráticamente electo de Venezuela y el mimetismo del inquilino del Palacio de Planalto se repite, Estados Unidos trasladó su embajada en Israel a Jerusalén y su alumno ya prometió lo mismo. Continuar a ler “Bolsonaro dice que desea sumar a Brasil al poderío militar de EE.UU. en la región”

%d bloggers like this: