O que esperar da reabertura dos serviços consulares na Embaixada dos EUA em Cuba?

#EmbajadaDeEEUUEnCuba #FalsosAtaquesAcústicos #RelacionesCubaEEUU

Estudios Verdad en Pellizcando en Vivo .

#RdesSociales #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #ConCubaNoTeMetas

Um ‘furacão de ultra-direita’? Como um partido espanhol pretende combater a esquerda na América Latina (e enfrentar o Fórum de São Paulo)

#AmericaLatina #CELAC #GrupoDeLima #EstadosUnidos #DonaldTrump #ManipulacionPolitica

O avanço da esquerda na América Latina preocupa a extrema direita espanhola. Ou pelo menos é isso que parece estar por detrás do anúncio feito pelo líder do partido Vox, Santiago Abascal, que anunciou que esta formação política irá criar uma instituição internacional para combater a “deriva comunista”.

“Estamos fundamentalmente a estabelecer relações para criar um fórum organizado para nos opormos ao que tem sido o fórum de São Paulo e o Grupo Puebla”, disse Abascal numa conferência de imprensa na segunda-feira.

Embora não tenha dado mais pormenores sobre a forma como a instituição irá funcionar, deixou claro que é “uma estrutura internacional” que irá funcionar “como uma autêntica oposição em defesa das liberdades e da democracia”, no que Vox chama “a Iberosfera”.

O político salientou que a intenção é ir além de uma declaração de intenções: nem uma carta nem um manifesto. O objectivo, segundo Abascal, é formar um fórum que reúna visões que se opõem à alegada “deriva comunista” na região.

Iberosfera?
Não é a primeira vez que este tipo de iniciativa internacional é lançada pelo partido espanhol de extrema-direita, que este ano lançou uma série de bolsas de estudo destinadas a jovens líderes através da fundação Disenso, liderada pela Abascal, para “formar futuros líderes na esfera pública e social que estejam dispostos a defender a Liberdade em ambos os lados do Atlântico”.

Contudo, a inegável mudança do tabuleiro de xadrez político na América Latina encorajou o partido de extrema-direita a colocar o pé no acelerador. A recente vitória do esquerdista Pedro Castillo no Peru; o reforço das lideranças de Andrés Manuel López Obrador e Alberto Fernández no México e na Argentina; e o ressurgimento de iniciativas de integração como a Comunidade dos Estados Americanos e das Caraíbas (Celac), juntamente com o enfraquecimento de fóruns como o Grupo Lima (nascido no seio da Organização dos Estados Americanos), são sinais de que a Vox encara com preocupação.

De facto, no final do ano passado, o partido de Abascal promoveu a assinatura da Carta de Madrid, um documento assinado por líderes da direita espanhola e latino-americana que, entre outros pontos, advertia que a região era supostamente “sequestrada por regimes totalitários de inspiração comunista”, que “infiltram-se nos centros do poder” através de iniciativas “como o Fórum de São Paulo e o Grupo Puebla” para impor a sua “agenda ideológica”.

Nesta carta, os signatários propõem “trabalhar em conjunto na defesa” dos seus valores e princípios, por outras palavras: a promoção de políticas anti-imigrantes, anti-feministas, homofóbicas e ultra-conservadoras. O objectivo? Para combater a esquerda na América Latina e rotulá-la como uma “ameaça”.

A lista de políticos que assinaram o documento incluía o ex-ministro de facto boliviano Arturo Murillo, actualmente preso nos EUA por corrupção; o ex-prefeito metropolitano de Caracas e fugitivo da justiça venezuelana, Antonio Ledezma; bem como líderes de direita em países como o Peru, Argentina, Equador, Paraguai, El Salvador, Chile, Brasil, Costa Rica, México, Espanha, Estados Unidos e Colômbia.

Quase um ano após a Carta de Madrid, o anúncio da Abascal mostra que a declaração de intenções já se transformou em acções concretas. Uma delas seria esta nova estrutura internacional destinada à ‘Iberosfera’, como Vox chama aos países “que partilham um património cultural profundamente enraizado”, que inclui os EUA e o Canadá.

É provável que o ambicioso projecto tenha amplo apoio financeiro, a julgar pelas recentes revelações sobre a ascensão do Partido Verde, cuja ascensão foi promovida com um financiamento suculento de “grandes fortunas”, de acordo com a fuga de mais de 17.000 documentos internos e confidenciais de organizações espanholas ultra-católicas reveladas pelo Wikileaks.

Regressão democrática?
No mesmo dia que o anúncio sem convicção do líder da Vox, foi publicado um artigo no website da Fundação Disenso, que afirma que “a erosão democrática é mais palpável em nações governadas por uma ala de esquerda semelhante ao Fórum de São Paulo”.

A lista de nações ‘demonizadas’ pelo autor do artigo é encabeçada, como habitualmente, pela Venezuela, Bolívia e Nicarágua, embora com a inclusão do México em quinto lugar, depois das Honduras. A conclusão não é gratuita, uma vez que Caracas foi acusada de trazer o “furacão bolivariano” para a região, através do fórum de São Paulo, e o presidente mexicano foi responsável pela revitalização do Grupo Puebla, juntamente com o presidente da Argentina, ao mesmo tempo que o declínio do Grupo Lima.

Para a ultra-direita, estes movimentos, que promovem a união regional e tendem para a esquerda mais progressista, causam “grandes danos institucionais às democracias latino-americanas” e são supostamente dirigidos a partir de Cuba para que o espectro do “comunismo” afugente os sistemas políticos “liberais”.

“Se as forças do Fórum ganharem terreno, uma transição para o autoritarismo parece inevitável”, afirma o autor do texto. A aposta de Vox é evitar que isto aconteça e impedir que a mudança na região se aproxime do Brasil de Jair Bolsonaro ou dos EUA expulsos de Donald Trump, desencadeando uma tempestade ideológica inversa na América Latina que iria confrontar o Fórum de São Paulo numa espécie de ‘furacão de ultra-direita’.

Agentes ianques no Parlamento Europeu.

#Cuba #UnionEuropea #InjerenciaDeEEUU #ElBloqueoEsReal

Por Arthur González –

É uma pena ver como o Parlamento Europeu perdeu a sua independência para se ajoelhar às ordens de Washington. Os que se gabam de sua “democracia” nada mais fazem do que seguir docilmente a política ianque contra países cujos governos não são aceitáveis ​​para os Estados Unidos, como Rússia, China, Irã, Cuba e Venezuela, aprovando resoluções e sanções contra eles. com ambas as mãos.

A politização da questão dos direitos humanos é incomparável, parece que a cúpula do Parlamento Europeu e os membros dos partidos de direita não consideram os constantes e crescentes massacres que ocorreram na Colômbia contra líderes sociais, ou o assassinato de lutadores , como violações de direitos humanos, como é o caso de Berta Cáceres, assassinada em Honduras.

Para os governos da Colômbia e de Honduras não há sanções ou resoluções condenatórias, embora as mortes aumentem em dias.

No entanto, as posições que Dita Charanzová, vice-presidente do Parlamento Europeu, toma contra Cuba vão além do bom senso e mostra que ela só segue instruções dadas pelos ianques.

O preocupante é que a chamada “liberdade de expressão e pensamento”, que tanto exige o tcheco Charanzová, seja espezinhada por ela, ao exigir que o embaixador da União Européia em Havana seja destituído de seu posto, apenas reconhecer a verdade que os inimigos de Cuba não aceitam.

O embaixador Alberto Navarro assinou uma carta aberta ao novo presidente dos Estados Unidos Joe Biden, junto com centenas de cubanos da ilha e outros residentes no exterior, além de um grande grupo de americanos, em sua maioria intelectuais e artistas, na qual pedem o fim do o bloqueio comercial, econômico e financeiro imposto ao povo cubano durante 60 anos, o mais longo da história da humanidade, algo que o direito internacional qualifica como crime contra a humanidade para seus fins, porque como afirmou Lester Mallory em 1960, então vice-secretário de Estado:

“Qualquer meio concebível de enfraquecer a vida econômica de Cuba deve ser usado imediatamente. Negar-lhe dinheiro e suprimentos para baixar os salários reais e monetários, a fim de causar fome, desespero e a derrubada do governo.

A referida carta aberta irritou imediatamente Washington e deu ordens aos seus agentes no Parlamento Europeu, incluindo Dita Charanzová e dezasseis eurodeputados do Partido Popular, Liberal e outros grupos de direita, como a espanhola Dolores Montserrat, Esteban González Pons, Antonio López -Isturiz e Leopoldo López Gil, o último pai do terrorista venezuelano e agente da CIA de mesmo nome, aos quais se juntaram os grupos Renew e ECR.

No seu desespero por ameaçar aqueles que assumem posições de bravura e soberania, os ianques revelam os seus peões dentro do corpo europeu, o que nos permite calibrar a forma como usam para manipular à vontade os votos no Parlamento.

Os argumentos expressos para exigir a retirada do Embaixador Navarro de Cuba foram:

“A carta constitui um fato grave em uma linha de ação totalmente infeliz e errática, sobre o que deveria ser a defesa de nossos interesses e valores como união de estados democráticos e de direito”.

“Nosso embaixador em Havana assume posições políticas alinhadas com um regime que não respeita nem defende os direitos humanos ou a pluralidade democrática e permite licenças mais típicas de um líder político do que de um representante diplomático”.

O cinismo grosso, porque aqueles que assumem posições antidemocráticas, violam a pluralidade e seguem a mesma política dos Estados Unidos contra Cuba, são precisamente os parlamentares que não admitem a independência da ilha.

O assunto tem outros antecedentes que irritam os inimigos de Cuba, é que este embaixador não se curva às mentiras construídas em Miami, declarando que não considera que haja uma ditadura em Cuba, uma posição digna que os capangas tchecos e espanhóis descrevem. como “Mais um ato na longa lista de queixas que o Embaixador Navarro infligiu ao Parlamento Europeu.”

Este embaixador, ciente das falsidades fabricadas contra o governo cubano, não aceitou a participação de vários mercenários a serviço dos Estados Unidos, em uma audição de vídeo organizada pela Delegação para a América Central do Parlamento Europeu, decisão que irritou os Yankees, sendo acusados ​​pelo direito parlamentar de boicotar e negar o acesso às instalações da UE em Havana, aos que não representam o povo cubano, apesar das tentativas de torná-los personalidades na ilha, com a entrega do Prêmio Sakharov

Estes argumentos foram apresentados numa carta que Dita Charanzová e os eurodeputados de direita enviaram ao Alto Representante para a Política Externa da União Europeia, Josep Borrell, uma manobra óbvia para legalizar a conduta que teve de assumir para ficar bem com os ianques, porque perante os olhos do mundo o seu apelo do Embaixador Navarro a Bruxelas, respondeu ao pedido do vice-presidente do Parlamento e não às ordens de Washington.

Repugnantes posições de subordinação aos Estados Unidos que buscam dificultar o diálogo da União Européia com Cuba, continuar cercando o povo, matá-lo de fome e doenças e culpar o socialismo, estratégia reconhecida pelo Conselho de Relações Exteriores quando em 1999 afirmou:

“A oposição dos Estados Unidos à Revolução Cubana e o apoio à democracia e ao desenvolvimento neste hemisfério conseguiram frustrar as ambições cubanas de expandir seu modelo econômico e influência política”.

José Martí foi preciso quando expressou:

“Apenas pessoas nulas e malvadas perdem tempo com a linguagem.”

Subversion em Cuba: seguindo a trilha do dinheiro.

#Cuba #RedesSociales #ManipulacionPolitica #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #SubversionContraCuba #EstadosUnidos #TerrorismoMadeInUSA

Cuba e a arma sônica de James Bond .

#Cuba #SubversionContraCuba #Diplomati#Embajada #FalsosAtaquesSonicos #JameBond #DonaldTrumpCulpable #ElBloqueoEsReal

Discurso del Canciller de Cuba en XXI Reunião do Conselho Político do ALBA-TCP.

#Cuba #NuestraAmérica #ALBA_TCP #CubaSalva #EEUUBloquea #DonaldTrumpCulpable #Sanciones #ElBloqueoEsReal #PuentesDeAmor #Venezuela #InjerenciaDeEEUU #BloqueoNoSolidaridaSi #TerrorismoMadeInUSA #Covid-19 #SaludMundial

Muito #BomDia #Amigos cafeisiño para todos.

#BomDia #Amigos #Cafe

40 Mensagens inesquecíveis de bom dia sábado alegre e Abençoado | Sabado  alegre, Bom dia feliz sabado, Bom dia sabado

Marcos mais importantes em 123 anos de agressão dos #EUA contra #Cuba.

#PalabraPrecisa #EEUU #Cuba #FlsosAtaquesAcusticos #FalsosAtaquesSonicos #EstadosUnidosMiente #ElBloqueoEsReal

Pátria e aproveitadores .

#CubaSeRespeta #CubaEsCultura #TraidoresNoMeRepresentan #MusicaCuban #RedesSociales #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #SubversionContraCuba

Por M. H. Lagarde Redacción Razones de Cuba

O vídeo da canção de vários artistas cubanos que vivem nos Estados Unidos junto com integrantes do chamado movimento San Isidro em Havana pode ser descrito como um hino à auto-ignomínia.

O tema idealizado pelo orixá Yotuel e também interpretado por Gente de Zona e Descemer Bueno, como era de se esperar, nada mais é do que uma instrumentação, em tom urbano, dos clichês que a propaganda anticubana de Miami espalha aos quatro. ventos todos os dias em dezenas de páginas na Internet dedicadas a denegrir Cuba.

Até o título da música em si é um equívoco, se levarmos em conta a participação no vídeo do suposto rapper Maykel Osorbo, pertencente ao Movimento San Isidro, a quem toda Cuba pôde ver, em uma transmissão direta recentemente pelo Noticiero de la televisão cubana, pedindo ao ex-presidente Donald Trump uma invasão militar para varrer a ilha da face da terra.

É essa a vida que seus autores nos prometem depois da tão desejada mudança de regime para a qual o assunto foi escrito?

“Patria y vividores” teria sido, sem dúvida, um título mais adequado, se levarmos em conta que alguns de seus intérpretes, como Gente de Zona e Descemer Bueno, “perceberam a verdade do que estava acontecendo em Cuba” após sucumbindo à chantagem do porta-voz do YouTube da máfia anticubana de Miami, Alexander Otaola, que bloqueou seu acesso ao mercado musical de Miami.

Alexander Delgado e Randy Malcom (Gente de Zona), acusados ​​do grande pecado de celebrar a presença do presidente cubano em um de seus concertos em Havana, num show de vergonhosa “liberdade”, que curiosamente “não os deixava ser eles mesmos Acabaram se desculpando, chorando, em um programa de televisão da Flórida por não terem percebido antes a ‘verdade’ do sofrimento do povo cubano.

No directo de lançamento do vídeo de outrora, Delgado garantiu que queria deixar claro que “não somos pagos por ninguém. Não temos partido, não pertencemos a nenhum partido, simplesmente falamos em nome do povo.

Eles vão ter as pessoas em seus bolsos?

Devem ter um pouco mais de decência e não justificar o egoísmo de sua covardia em nome do povo cubano. Seria muito mais honesto e compreensível se eles simplesmente aceitassem ter sido manipulados, entre pressões e promessas de vilas e piscinas, pelo partido mafioso anticubano que governa Miami para serem usados ​​como porta-vozes das próprias pessoas que afirmam defender. hoje.

Por outro lado, nada é mais banal do que as promessas de mudança e o fim do regime que, dizem, inspiram a música. Eles deveriam perguntar a Willy Chirino o quão ridículo alguém pode se sentir ao perceber que a política, mesmo a mais barata, tem a ver com profecias do tipo Walter Mercado.

Retirado de Cubasi

%d bloggers like this: