LEI DE ENCERRAMENTO DA PRISÃO DOS EUA EM GUANTANAMO PARA SER RETOMADA.

#IlegalBaseNavalEnGuantánamo #BasesIlegalesDeEEUU #AmericaLatina #ElBloqueoEsReal

Autor: Redacción Internacional | internacionales@granma.cu

Foto tirada da Internet

Os democratas no Congresso dos Estados Unidos estão a tentar aceitar um projecto de lei para encerrar a prisão na base naval ilegalmente ocupada na Baía de Guantánamo, Cuba, uma promessa não cumprida pelas administrações anteriores. Durante o mês passado, membros do Congresso têm vindo a pressionar um grupo de iniciativas para aumentar o financiamento da defesa e pedem uma análise dos elevados custos de manutenção do centro de detenção, dinheiro que sai do bolso dos contribuintes. As propostas poderiam ser submetidas a votação nas próximas semanas na Câmara dos Representantes, onde passariam sem problemas, devido à maioria democrática, embora no Senado a perspectiva seja diferente, devido ao controlo republicano. (PL)

Arribaaaa que NOS FUIMOS para GUANTÁNAMO. Aqui está uma prévia 👆.

#NoBasesMilitares #BaseNavalGuantánamo
#USOutofGuantanamo #Cuba

Seminário de paz em Cuba para divulgar declaração contra bases militares.

#CubaNoEstaSola #ConCubaNoTeMetas #SolidaridadVSBloqueo #CumbreSinLasAmericas

Guantánamo, Cuba, 5 de Maio (Prensa Latina) Activistas de cerca de vinte países irão publicar aqui hoje a declaração final do VII Seminário Internacional para a Paz e a Abolição das Bases Militares Estrangeiras.

Durante o evento, os participantes denunciaram os crimes do imperialismo contra a humanidade e exortaram ao cumprimento da Carta das Nações Unidas para evitar uma terceira guerra mundial.

A presidente do Conselho de Paz Mundial (WPC), Maria do Socorro Gomes, salientou que agora é o momento de mobilizar forças pacifistas contra a actual ordem mundial que promove a guerra impulsionada pelos Estados Unidos.

“Os americanos são proprietários de cerca de 600 bases militares estrangeiras, mantidas mesmo contra a vontade das populações; isto constitui uma ignomínia para a humanidade, pois servem de centros desestabilizadores para governos que não se enquadram nos interesses do império”, denunciou ela.

O presidente do Instituto Cubano de Amizade com os Povos, Fernando González, exigiu o regresso ao seu país do território ilegalmente ocupado pela Base Naval dos EUA em Guantánamo.

Apelou também à paz no planeta e expressou a sua gratidão pelas expressões de solidariedade com a maior ilha das Antilhas.

Desde a sua inauguração no dia anterior, o evento incluiu cerca de 19 apresentações de representantes da Colômbia, México, Argentina, do Comité Internacional para a Paz, Justiça e Dignidade dos Povos, do Partido da Esquerda Europeia e de outros movimentos progressistas.

De acordo com a agenda planeada, os delegados visitarão a cidade de Caimanera, no extremo oriente, onde poderão ver a base naval americana localizada na Baía de Guantanamo contra a vontade do povo e do governo cubanos.

Esta sexta-feira, o Encontro Regional do CMP das Caraíbas Americanas terá lugar em preparação para a XXII Assembleia Mundial da organização, marcada para Agosto deste ano no Vietname.

jf/idm

Novo livro descobre métodos de tortura da CIA na Baía de Guantánamo.

#LasBasesDeEEUU #IlegalBaseDeGuantánamo #InjerenciaDeEEUU #DerechosHumanos

PorCubasí

A verdade sobre a tortura de prisioneiros na Base Naval da Baía de Guantanamo.

Um livro descobre novos detalhes sobre os métodos utilizados pela Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA) para torturar prisioneiros.

Cathy Scott Clark, a jornalista e autora britânica, revelou, no seu livro “The Forever Prisoner”, pormenores de uma reunião secreta da CIA em que altos funcionários da CIA discutiram “técnicas de interrogatório aperfeiçoadas” e vários métodos controversos de lidar com os detidos.

O texto centra-se no caso de Abu Zubaydah, um recluso da Baía de Guantánamo, que foi abordado 83 vezes num mês, pendurado nu no tecto e privado de sono durante 11 dias consecutivos.

Nos primeiros anos da chamada “guerra ao terror” dos EUA, o centro de detenção da Baía de Guantánamo, também conhecido como “Gitmo”, tornou-se sinónimo de abuso e tortura de prisioneiros.

Os detidos nesta prisão foram sujeitos a abusos generalizados, humilhação e tortura durante os seus interrogatórios, cujos relatos foram gradualmente expostos ao mundo exterior pelos poucos inspectores que visitaram a prisão e por alguns dos reclusos que foram libertados anos mais tarde.

Além disso, Clark observou que o seu livro detalha “como o programa de interrogatório reforçado da CIA conduziu definitivamente a abusos no exército dos EUA”.

A tortura é uma prática generalizada e enraizada entre os agentes norte-americanos, uma vez que as autoridades norte-americanas não só não a condenam como a aplaudem, promovendo as carreiras dos oficiais implicados nestas violações dos direitos humanos.

O Festival Internacional de Cinema de Berlim exibe um filme sobre os prisioneiros da base naval da Baía de Guantánamo.

#FestivalDeCineBerlin #IlegalBaseDeGuantánamo #TheGuardian

Por Verónica García

O filme Rabiye Kurnaz v. George W. Bush, que recria as experiências de um dos reclusos da prisão ilegal da base naval de Guantánamo, será exibido no Festival Internacional de Cinema de Berlim.

Fotograma de la película. Foto: The Guardian.

O filme relata as experiências de Murat Kurnaz, que esteve preso na base entre 2002 e 2006. Como a maioria dos detidos, não houve acusações formais contra ele.

O filme é abordado da perspectiva da mãe de Kurnaz, Rabiye, e da sua luta pela libertação do seu filho. O realizador, Andreas Dresen, interessou-se pela história depois do regresso de Murat à Alemanha.

Segundo Dresen, a leitura do livro Cinco Anos da Minha Vida, escrito pelo homem recém-libertado, “chocou-o.

O advogado Bernhard Docke (Alexander Scheer), acompanhou a mãe, interpretada por Meltem Kaptan, numa batalha legal, que chegou ao Supremo Tribunal em Washington,
nos Estados Unidos da América.

O filme está a competir com 17 outras longas-metragens. Os resultados dos prémios serão anunciados a 16 de Fevereiro.

Cuba exige que os EUA fechem o centro de detenção de Guantánamo.

#Cuba #Guantánamo #EstadosUnidos #ElBloqueoEsReal

O Presidente Miguel Díaz-Canel denunciou na terça-feira a arbitrariedade sistemática e os abusos cometidos na base naval americana, repudiada pelo mundo, que se encontra em território ilegalmente ocupado em Guantánamo, uma província situada no leste de Cuba, e apelou também ao seu encerramento.

“Foram agora 20 anos de abusos escandalosos em território cubano ilegalmente ocupado na Baía de Guantánamo pelos maiores violadores dos direitos humanos do mundo”, escreveu o chefe de estado cubano na sua conta do Twitter.

Esta terça-feira, duas décadas após a chegada dos primeiros prisioneiros à prisão que o governo dos EUA mantém na base militar, apesar das exigências das autoridades locais para o regresso do território.

Esta denúncia surge na sequência da publicação de vários peritos em direitos humanos das Nações Unidas que condenam os abusos cometidos nesta prisão.

Os relatores independentes das Nações Unidas (ONU) sublinharam que nesta prisão há violações implacáveis e contínuas das garantias fundamentais dos prisioneiros, o que constitui uma mancha em Washington em questões como o Estado de direito.

Rejeitaram as detenções arbitrárias sem julgamento e a tortura ou maus-tratos aí cometidos. “Estas são práticas inaceitáveis para qualquer governo, mas particularmente para um governo dos EUA que afirma ser um protector dos direitos humanos”, sublinharam.

Além disso, criticaram a impunidade de que gozam aqueles que praticam estes actos e afirmaram que a Base Naval é um símbolo da sistemática falta de responsabilização e proibição da tortura patrocinada pelo Estado.

Os relatores exigiram o encerramento das instalações e o regresso dos detidos às suas casas ou a países terceiros seguros, e apelaram à reparação das pessoas torturadas e detidas arbitrariamente pelos seus agentes e à responsabilização dos responsáveis pela tortura.

Por seu lado, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Bruno Rodríguez, salientou no seu perfil que já são “20 anos de ignomínia” e recordou que 780 prisioneiros passaram em algum momento pela base norte-americana, “arbitrariamente detidos, sem julgamento ou devido processo”.

Denunciou também “tortura e tratamento degradante” contra estes prisioneiros.

Fale-me de “direitos humanos”?#BaseNavalDeGuantanamo

#EEUUBloquea #CubaSalva #DerechosHumanos #BaseNavalDeGuantanamo

La cárcel de la que muchos medios no quieren hablar. Dónde? en Guantánamo. Quienes son los carcelarios? el gobierno yanqui. @POTUS: ¿dime algo de ¨derechos humanos¨?

Imagem

Mais mentiras, coincidências e ironias.

#CubaNoEstaSola #ElBloqueoEsReal #ManipulacionMediatica #ONU #MafiaCubanoAmericana #OEA #JonBiden

Coincidentemente, a 20 de Julho de 2021, a administração do Presidente Joe Biden libertou Abdul Latif Nasir, de 56 anos de idade, que foi preso em 2001 por suspeita de ter ligações com os Taliban e de lutar contra as forças militares dos EUA no Afeganistão. Latif Nasir tinha estado detido na base ilegal de Guantánamo desde 2002 e, tal como muitos outros reclusos de lá, nunca foi oficialmente acusado de um crime, de acordo com o The New York Times, citado pela RT.

Guantánamo ainda detém 39 reclusos, 28 dos quais não foram acusados de um crime durante as quase duas décadas em que estiveram detidos na prisão, acrescenta o diário norte-americano.

As provas revelam uma “justiça” aplicada no país que acusa outros, sem a mais pequena verdade, devido a mentiras fabricadas sobre “detenções arbitrárias” ou “pessoas desaparecidas” em Cuba.

A 21 de Julho, de Miami, nos Estados Unidos, a agência noticiosa EFE saltou para o mesmo comboio de notícias falsas e informou que “os congressistas americanos pediram à Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da OEA para investigar as alegações de milhares de desaparecimentos forçados e violações por parte do regime cubano durante os protestos que começaram a 11 de Julho”.

Vejamos mais de perto o texto do despacho: … “alegações de milhares de desaparecimentos forçados e violações”. Não há uma única parte do que qualquer manual editorial ou código de ética de uma imprensa e de um jornalista estabelece, que estabelece a verificação sempre com várias fontes antes de fazer julgamentos que, como neste caso, não são verdadeiros e podem desacreditar o editor e os meios de comunicação aos quais ele ou ela pertence.

Mas este tipo de uso de palavras e opiniões fabricadas, como neste caso, é sem dúvida um hábito no mundo da mentira.

A outra parte do conteúdo corresponde aos congressistas que, não por acaso, representam distritos na Florida – onde mais! – e que exortam a referida comissão da OEA – vergonha para eles – a “iniciar uma investigação imediata sobre as violações dos direitos humanos do povo cubano por parte do regime”.

Uma recomendação que lhes pode ser dada: recorrer à OEA desacreditada para os seus objectivos não menos desacreditados apenas acrescenta lama a uma instituição que não tem credibilidade em Cuba.

E para o pequeno povo da barulheira política aninhado em Miami, uma cidade americana que ainda hoje abriga assassinos e terroristas notórios, talvez um dia haja um governo nesse país que não tenha qualquer compromisso com políticos cuja história não é outra senão o de encher os seus bolsos com dólares obtidos da indústria da contra-revolução.

O envio de notícias da EFE estaria incompleto se não incluísse outra citação que, evidentemente, ecoa: “Segundo o senador cubano-americano Marco Rubio, o regime de Miguel Díaz-Canel deteve e desapareceu milhares de cubanos por terem participado nestes protestos pacíficos”.

E finalmente, outra recomendação aos jornalistas e agências que enchem os seus escritórios com este tipo de notícias falsas: valeria a pena realizar uma investigação séria sobre o que aconteceu na prisão ilegal ou no centro de tortura criado pelos Estados Unidos em Guantánamo, um pedaço de terra retirado de Cuba, onde os detidos se encontram detidos há mais de 20 anos e nem sequer sabem porque foram levados para lá.

É então possível encontrar na própria casa imperial a explicação do que é uma detenção arbitrária e um desaparecimento forçado.

Não acha que sim?

Por fim, como pode o governo imperialista que mantém uma base militar falar de direitos humanos? força em nosso território, e sujeitar nosso povo a um bloqueio econômico criminoso? A voz do Cubanos levante-se mais uma vez contra este bloqueio .

#Cuba #ElBoqueoEsReal #PuentesDeAmor #CubaSalva #EEUUBloquea #BaseNavalDeGuantanamo #InjerenciaDeEEUU #DerechosHumanos

Imagem
%d bloggers like this: