O Verão difícil de Joe Biden .

#EEUUBloquea #CubaSalva #Covid-19 #ElBloqueoEsReal #ElCaminoEsLaPaz

Por Ernesto Eimil Reigosa

Joe Biden não é muito popular neste momento. Nas últimas estimativas compiladas pelo Projecto Cinco-Trigésimo Oito, 45,7% dos inquiridos defenderam a sua administração e 48,8% dos inquiridos desaprovaram-na. Estes números contrastam com os dos seus primeiros 100 dias no cargo, quando atingiu um pico de 54 por cento de classificações positivas. O que mudou desde então?

Há uma lista muito concreta de razões para isto. Nos últimos dois meses, o país tem lutado contra a pandemia e o processo de vacinação tem abrandado, os leitos de cuidados intensivos hospitalares em alguns estados estão a transbordar e muitos dos que atingem fases graves da doença estão a morrer, especialmente aqueles que não estão vacinados. A Internet é imperdoável e recorda as previsões triunfalistas de alguns meses atrás, quando o 46º presidente disse que a luta contra a COVID-19 estava quase terminada.

Ao mesmo tempo, Biden tem enfrentado críticas da imprensa e dos seus opositores partidários relativamente à sua saúde pessoal e à retirada das tropas dos EUA do Afeganistão. O rápido avanço dos Talibãs, o colapso do exército afegão e o assassinato de 13 fuzileiros num atentado suicida no aeroporto de Cabul são as principais acções que testaram a liderança do chefe de Estado e as capacidades de controlo de danos.

Perante o aumento da covid-19 e a recusa de muitas pessoas de serem vacinadas, vários políticos republicanos escolheram como leitmotiv a resistência à vacinação e o desejo de cada pessoa de colocar no seu corpo o que acharem melhor. Embora seja verdade que este debate tem vindo a decorrer nos Estados Unidos há pelo menos cem anos, vários membros da oposição, alguns até – paradoxalmente entre aqueles que são a favor do controlo dos corpos das mulheres através de leis anti-escolha – exploraram esta discussão em seu próprio proveito.

E enquanto em solo americano alguns cidadãos disputam o significado da vacinação, milhares de quilómetros a leste de Washington um grande número de refugiados afegãos estão à espera do “ok” para começar uma nova vida no país.

para começar uma nova vida no país que os ocupou durante vinte anos e agora parece ser a sua única opção de sobrevivência. Todos os 50 Estados da União concordaram em receber aqueles que trabalharam com as forças do seu país e organizações internacionais. Mas até agora não ficou claro como este processo irá funcionar e foi sugerido que os milhares de civis, sem ligações a nenhuma das instituições anteriores e que simplesmente querem fugir dos novos governantes, não serão bem-vindos.

De acordo com a jornalista Jamelle Bouie, uma das descobertas mais consistentes da investigação da opinião pública nas últimas duas décadas mostra que cada presidente é mais divisivo do que o último. Biden poderia acabar por ser, ainda mais do que Trump, uma fonte de divisão entre americanos, pelo menos em termos de filiações partidárias. A única certeza parece ser que a polarização ideológica marcará a política americana nos anos vindouros.

Extraído da Boémia

Internet gratuita, um novo pacote ao estilo americano .

#MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #CubaNoEsMiami #Internet #RedesSociales #ManipulacionMediatica

Por Francisco Grass

Desde os acontecimentos de 11 de Julho, uma ideia absurda, ilógica e interferente foi apresentada pela extrema direita de Miami e pelos seus representantes mais fiéis, María Elvira Zalazar e o Senador Marcos Rubio. Esta ideia é a de internet “gratuita” para os cubanos em nome do governo dos EUA. A ideia é um pouco estranha, pense nisso, os Estados Unidos são uma sociedade baseada na propriedade privada, que até abandonou a concepção clássica do Estado de direito capitalista, é uma sociedade em que lhe cobram até por sorrir. Quais são as motivações por detrás desta Internet “livre”? Até à data, o mundo tem estado à espera que os Estados Unidos façam algo de bom para alguma nação ou grupo de pessoas, e do conhecimento geral, que é bastante, o número é de benevolência zero.

O 11 de Julho é um dia conhecido pela materialização de uma escalada mediática contra Cuba por operadores políticos sediados na Florida, com o apoio do governo dos EUA e do seu Departamento de Estado. Todos sabemos que a campanha mediática levada a cabo através dos hashtags #SOSCuba #SOSMatanzas, que se transformou em diferentes formas portadoras do sinal de socorro “SOS”, desencadeou um plano de desestabilização social com o objectivo de provocar uma mudança de regime na ilha.

A atitude dos Estados Unidos é vergonhosa. Que tipo de pessoas, se assim se pode chamar, constituem o governo da nação mais rica e mais influente do mundo. O governo dos Estados Unidos mantém há mais de 60 anos um bloqueio económico e financeiro da nossa ilha, um método de asfixia económica que afecta diariamente a vida quotidiana dos cubanos comuns e impede o desenvolvimento harmonioso da nação.

As acções dos Estados Unidos levaram à intensificação desta política, que para a comunidade internacional é considerada um crime contra a humanidade. O bloqueio dos EUA priva o povo cubano de uma infinidade de serviços que são normais em qualquer parte do mundo, um desses serviços é o acesso à Internet.

O descaramento do império não conhece limites, o seu mal não acredita em crianças, idosos, mulheres ou homens inocentes que sofrem diariamente dificuldades cuidadosamente engendradas pelos seus laboratórios de mudança de regime na região da América Latina e Caraíbas.

Poder-se-ia pensar que o governo dos EUA seria condescendente ou suavizente com a sua política criminosa contra Cuba no meio da pandemia de Covid-19. Mas para surpresa de ninguém, decidiram, sem qualquer consciência, utilizar a vulnerabilidade social de Cuba em seu proveito, a fim de realizar o seu sonho de tornar Cuba novamente no seu centro privado de ossos, casinos, máfias, drogas e prostituição.

O jogo macabro da Internet “livre” é a continuação do seu plano falhado de 11 de Julho. O que esperavam eles? Que nós revolucionários lhes íamos entregar facilmente o país. Que Cuba não se defenderia e que a Revolução não tem capacidade para responder a tais acontecimentos, o povo saiu em defesa do seu projecto social, do socialismo.

É lógico que o governo limitou a conectividade durante os ciberataques, que já se sabe como foram realizados, utilizando explorações de bot, trolls, contas falsas, com o apoio de utilizadores residentes principalmente nos Estados Unidos, tudo de acordo com os seus interesses e a Máfia Anti-Cubana da Florida.

Já passaram dois meses desde os acontecimentos, durante todo este tempo María Elvira Zalazar, congressista e representante federal republicana do 27º distrito da Florida, bem como os senadores Marco Rubio e Rick Scott tentaram pressionar a Administração Biden com o absurdo da Internet “livre” para o povo de Cuba.

A este respeito, Maria Elvira e uma dúzia de republicanos frustrados introduziram a Lei Americana da Liberdade e Acesso à Internet (HR5123). Segundo esta senhora, é um “plano estratégico para fornecer acesso às comunicações sem fios no estrangeiro quando há apagões, uma catástrofe ou quando regimes desonestos encerram o acesso à Internet”.

Por outro lado, Marco Rubio, juntamente com outros senadores, introduziu a alteração (#3097) à resolução orçamental do Senado que exige que a Administração Biden proporcione acesso livre, aberto e sem censura à Internet ao povo de Cuba.

Quem pensam estes senadores americanos que são? É a arrogância do império encarnada nestes políticos desprezíveis e mesquinhos. É óbvio que não estão interessados no bem-estar do povo de Cuba, de qualquer povo, apenas em continuar a viver segundo uma política obsoleta e prejudicial que afecta principalmente as famílias que estão envolvidas nos seus interesses políticos.

É possível a normalização das relações entre Cuba e os EUA ?

#Cuba #EstadosUnidos #ElBloqueoEsReal

Autor: Jorge Casals Llano | internet@granma.cu

Embora o título pareça ser apenas uma questão retórica, a verdade é que tem sido a questão mais reiterada – e não apenas em Cuba – sempre, não importa onde ou por quem, o tema das relações entre Cuba e os EUA é abordado, que na realidade é o das relações entre Cuba e o(s) governo(s) norte-americano(s). Isto é mais rigoroso, uma vez que distingue Cuba como aquilo que é, e exclui o povo norte-americano do conflito histórico.

Claro que, pelo menos desde 2015, quando sob Obama se tornou moda falar sobre a “normalização das relações”, a resposta deve ter sempre dependido do que – cada um, ou cada parte – entendeu por “normalização”. E como os dicionários nos dizem que “normalizar é submeter-se à norma, pôr em ordem, fazer algo normal…”, como se referem à norma, temos de voltar a eles para especificar que é: “um princípio que se impõe ou se adopta” e orienta o comportamento. A normalização só é, portanto, possível com base na norma (que todos, ou cada parte, aceita), do princípio adoptado como orientação de conduta e desenvolvimento correcto. Assim, se a norma que orienta a conduta das partes for diferente ou, pior ainda, se uma das partes adoptar como norma regras inaceitáveis para a outra, torna-se claro que não pode haver qualquer questão de normalização das relações entre elas.

E a norma que mostra a história das relações entre Cuba e os EUA, desde muito antes de Cuba se tornar independente, pode ser rastreada até às ambições do que viria a ser uma nação imperial e às acções que tomaria. E ao fazê-lo, pode-se ver que já em Abril de 1812, num relatório ao vice-rei de Luis de Onís, então ministro plenipotenciário de Espanha em Washington, sobre a expansão territorial dos EUA, está escrito: “A cada dia que passa vão estar mais e mais na mesma direcção que os EUA. Todos os dias as ideias ambiciosas desta República desenvolvem-se cada vez mais, e confirmando as suas opiniões hostis contra a Espanha…, este governo propôs nada menos do que fixar os seus limites na foz do Rio Norte ou Bravo, seguindo o seu curso até ao 31º grau e daí traçando uma linha recta até ao Mar do Pacífico, levando assim as províncias do Texas, Nova Santander, Coahuila, Novo México e parte da província de Nueva Vizcaya e Sonora. Este projecto parecerá um delírio para qualquer pessoa sensata, mas não é menos certo que o projecto existe, e que um plano foi elaborado expressamente destas províncias por ordem do governo, incluindo também nos referidos limites a ilha de Cuba como uma pertença natural desta República”. (Fim da citação)

Depois veio, em 1823, John Quincy Adams e a Política de Frutos Maduros; no mesmo ano a Doutrina Monroe, “América para os Americanos” e, seguindo a mesma lógica, sucessivos governos fizeram todo o possível para impedir a independência de Cuba da Espanha até que, considerando-se suficientemente poderosos, “inexplicavelmente” (a história mostra outros acontecimentos e noutras partes do mundo “inexplicáveis” e convenientemente utilizados) a explosão do Maine foi produzida como justificação para a intervenção na nossa guerra de independência, e com ela a possibilidade de tomar posse de Cuba. Depois houve mais intervenções militares que deixaram a base naval de Guantánamo e a possibilidade de transformar Cuba no primeiro enclave neocolonial…, e outros e o mesmo governo que promoveu e apoiou as ditaduras de Machado e Batista, opuseram-se, mesmo antes do triunfo de 1959, à Revolução que começou em Moncada e, desde então até aos dias de hoje, propuseram-se destruí-la.

Tendo compreendido o problema da normalização e sem falar mais da normalidade que nunca foi, é tempo de avaliar as próprias relações e mesmo se elas são convenientes para as partes. A primeira ideia que surge, também induzida pela história, é a de avaliar a adesão às normas, agora considerando as relações internacionais, a fim de tentar prever cenários possíveis.

Está para além do âmbito deste artigo enumerar mesmo o longo caminho percorrido pela humanidade para alcançar o actual sistema internacional, que se baseia formalmente em normas que reconhecem princípios como a igualdade dos Estados, a não interferência nos seus assuntos internos, a resolução pacífica de conflitos entre eles, e relações baseadas em instituições baseadas no direito internacional; nem haveria espaço suficiente para delinear as deficiências do próprio sistema.

Mas acontece que mesmo para os EUA um sistema que, segundo o Secretário de Estado Blinken no seu discurso Uma política externa para o povo americano, não é capaz de “salvar o mundo do autoritarismo” ou “responder ao desafio geopolítico colocado pela China” já não está a funcionar. O sistema também não parece servir os participantes nas recentes reuniões do g7, da NATO, do Conselho e da Comissão Europeia em que o Presidente Biden referiu a necessidade de uma “ordem mundial baseada em regras”, e até a nova Carta Atlântica recentemente assinada também fala de regras…. ainda que estas não sejam as do direito internacional nem as da Carta das Nações Unidas, nem podem explicar porque foram mesmo as antigas regras, e as políticas falhadas delas derivadas, que conduziram a catástrofes como as do Iraque, Líbia, Síria e Afeganistão, para citar apenas as mais recentes.

Quando se trata de relações, a questão hackneyed de prioridade, ou mais precisamente, a suposta “não prioridade” de Cuba para os EUA, não pode ser ignorada. A resposta torna-se evidente ao recordar a malícia com que, desde 1959, todos os presidentes dos EUA (seis democratas e sete republicanos) agiram contra Cuba; também o bloqueio com os seus milhares de milhões em perdas económicas e sofrimento para os cubanos, apesar de implicar o repúdio mundial da política genocida da ONU; a invasão da Baía dos Porcos com o seu retumbante fracasso e o ridículo dos invasores; as centenas de acções terroristas, incluindo o crime do avião dos Barbados, e os milhares de mortos e deficientes resultantes de todas estas acções… e as leis Torricelli e Helms-Burton, esta última com a intenção manifesta de transformar Cuba numa colónia ianque, e rejeitada por praticamente toda a comunidade internacional, incluindo os próprios parceiros dos EUA…. O ITSELF DOS EUA, e mesmo as 243 medidas coercivas genocidas de Trump e a sua manutenção por Biden.

Não seria pelo menos ingénuo supor que tanto interesse de 13 presidentes dos EUA (e também daqueles que os precederam desde 1812), incluindo o actual com o seu súbito e excessivo interesse no bem-estar do povo cubano, está apenas relacionado com a estratégia territorial e não com a geoestratégia do império?

A análise exige não sobrestimar – porque até desrespeitaria o establishment norte-americano e o seu “poder simbólico” baseado na história mítica do excepcionalismo e do “destino manifesto” – a influência de políticos que se dizem cubanos apenas porque serve os seus interesses comerciais, e influenciadores que devem a sua “influência” ao dinheiro atribuído no orçamento norte-americano para a subversão da ordem em Cuba e a sua capacidade de decidir a política externa da poderosa nação do Norte em relação a Cuba.

Será que tudo isto significa que não é possível que existam relações mutuamente vantajosas entre Cuba e os EUA, que as eternas reivindicações dos EUA, dos seus servos e vassalos, sobre a democracia, a liberdade e os direitos humanos, sejam mantidas, quando nos EUA estas instituições estão a ser minadas enquanto em Cuba o respeito por elas é reforçado?

Sem dúvida, uma coexistência civilizada e respeitosa, em que as acções de nenhuma das partes são contraproducentes para objectivos comuns, é benéfica para ambas as nações e é o que Cuba sempre procurou alcançar sendo coerente com a declaração de Marti que nos guia: “Cuba não anda pelo mundo a mendigar, anda como uma irmã, e age com a autoridade de uma irmã. Ao salvar-se a si próprio, salva”, o que nos fez respeitar a nós próprios como povo e nos fez ganhar o respeito dos outros. É por isso que todos sabem, amigos e não amigos, que nenhum país pode abordar a pequena ilha numa linguagem intimidante: o respeito impõe o diálogo entre iguais para lidar com questões comuns.

E se isto for verdade, não é menos verdade que Cuba sabe que não pode depender de um parceiro pouco fiável que se recusa a admitir que as questões pendentes só podem ser resolvidas com o seu governo com base na negociação e cooperação, e que insiste no pressuposto de que a pressão, a chantagem e as sanções podem pô-la de joelhos. Cuba está também consciente das mudanças aceleradas que tiveram e continuam a ter lugar neste século XXI em geoeconomia, geopolítica e governação global, que tornam cada vez mais possível distanciar-se dos mecanismos em que os EUA ainda mantêm a sua hegemonia.

Cuba tem estado sempre disposta, apesar do passado e precisamente por causa dele, a abrir o diálogo para resolver questões pendentes, todas elas, com o Governo dos EUA, com base na igualdade, respeito mútuo e dentro dos quadros do Direito Internacional e da Carta das Nações Unidas; tem também estado disposta a cooperar em todas as áreas, começando pelos campos científicos e académicos e, em particular, na biotecnologia e medicina, e incluindo os campos religiosos e culturais e as empresas em geral. Tudo isto é bem conhecido dos potenciais homólogos americanos e conhecido dos nossos amigos, dos quais há muitos nos EUA, cuja elite, entretanto, ainda luta para se encontrar após o retumbante fracasso da globalização neoliberal, a crescente aceitação do socialismo pela sua juventude e mesmo pela elite intelectual ocidental, e o recentemente emergido “capitalismo de partes interessadas” que é impossível de reconciliar.

Estados Unidos, democracia ou ditadura .

#Democracia #EstadosUnidos #CIA #OEA #LeyHelmsBurton

Por Arthur González

Pode um Estado ser democrático se apenas impõe os seus critérios aos outros através de sanções?

É por isso que os Estados Unidos são uma ditadura que manipula as relações internacionais de acordo com os seus interesses e aqueles que não se ajoelham aos seus pés são punidos com múltiplas sanções. Os exemplos são muitos e incluem Cuba, Rússia, China, Irão, Síria, Coreia do Norte, Venezuela e Nicarágua, só para mencionar aqueles que recebem mais sanções.

Desde 1959, os Estados Unidos iniciaram uma escalada de sanções contra Cuba, compreendendo que o governo revolucionário não aceitaria submeter-se às suas ordens, como os seus predecessores tinham feito desde 1902.

A sua resposta ditatorial foi implementar restrições comerciais para afectar a economia, evitar satisfazer o povo e demonstrar que era deficiente e que deveria ser derrubado.

A primeira sanção, em Julho de 1960, foi deixar de comprar açúcar cubano e não vender-lhes petróleo, criando um efeito negativo na economia da ilha, até a URSS oferecer a sua ajuda.

Em Março de 1960, a CIA iniciou actos de terrorismo com a exposição do navio francês La Coubre, que deixou 101 mortos e dezenas de pessoas física e mentalmente mutiladas, o primeiro de uma longa lista contra o povo cubano.

A 19 de Outubro de 1960, o regime americano proibiu todas as exportações de produtos ianques para Cuba e começou a recrutar emigrantes cubanos em Miami para levar a cabo uma invasão armada. Internamente, a CIA criou os primeiros grupos contra-revolucionários que levaram a cabo acções terroristas contra centros comerciais, de produção e de serviços, cinemas, teatros e escolas, actos directamente dirigidos contra a população civil.

Em Abril de 1961, a invasão armada da Baía dos Porcos materializou-se, com mercenários cubanos treinados pela CIA, que foi derrubada em 67 horas. Face à derrota esmagadora, os Yankees planearam novos planos subversivos para desestabilizar o governo revolucionário, na conhecida Operação Mangusto, aprovada por J.F. Kennedy em Fevereiro de 1962, que incluía uma invasão com o exército americano, com base em provocações auto-infligidas que a justificariam.

A Operação Mangusto contém tarefas para perpetrar actos terroristas, acções políticas, psicológicas e militares, operações de espionagem e o assassinato dos seus governantes.

Um relatório secreto da Comissão de Inteligência do Senado confirmou oito tentativas de matar Fidel Castro entre 1960 e 1965, bem como planos adicionais contra outros líderes cubanos, que continuaram até quase ao final do século XX.

Estes factos são suficientes para demonstrar que os Estados Unidos são uma ditadura e não um Estado democrático, porque aqueles que não aceitam as suas ordens pagam pela sua rebelião com sanções e morte.

Em Janeiro de 1961, cessaram as relações diplomáticas com Havana e proibiram todas as viagens e transacções financeiras de cidadãos norte-americanos a Cuba. Nesse ano, o Congresso dos EUA aprovou a Lei de Cooperação Internacional, que proibiu toda a ajuda a qualquer país comunista, incluindo Cuba, e aplicou a Lei do Comércio com o Inimigo, o único país a enfrentar uma tal sanção.

Um ano mais tarde, formalizaram a guerra económica, comercial e financeira, que é descrita como tal na própria Operação Mangusto. Sob pressão da Casa Branca, Cuba foi expulsa da OEA em 1962, a fim de a rodear política e economicamente.

Em 1963, o governo dos EUA emitiu o Regulamento de Controlo de Activos Cubanos (CACR) ao abrigo da secção 5.b da Lei do Comércio com o Inimigo de 1917. O objectivo expresso destas sanções é “isolar economicamente o governo cubano e privá-lo de dólares norte-americanos”.

O CACR proíbe a exportação directa ou indirecta de produtos, serviços e tecnologia dos EUA para Cuba. O Gabinete de Controlo de Activos Estrangeiros do Departamento do Tesouro, OFAC, está encarregado de fazer cumprir estas disposições através de um conjunto de regulamentos.

O CACR estabelece para aqueles que violam estas sanções, sanções penais que vão desde 10 anos de prisão, multas para empresas até 1 milhão de dólares americanos e multas individuais até 250.000 dólares americanos. Podem também impor sanções civis de até 55.000 dólares.

A ditadura americana, insatisfeita e frustrada por não alcançar os seus objectivos, aprovou a Lei da Democracia Cubana (Lei Torricelli) em 1992, que proíbe as filiais de empresas americanas de fazer negócios com Cuba, proíbe os cidadãos americanos de viajar para Cuba e proíbe o envio de remessas familiares.

Um dos objectivos da Lei é: “procurar uma transição pacífica para a democracia e a retoma do crescimento económico de Cuba através da aplicação cuidadosa de sanções contra o governo castrista e o apoio ao povo cubano”.

Um dos objectivos da Lei é: “procurar uma transição pacífica para a democracia e a retoma do crescimento económico de Cuba através da aplicação cuidadosa de sanções contra o governo castrista e o apoio ao povo cubano”.

A Lei Torricelli torna uma condição que: “alimentos, medicamentos e material médico para fins humanitários só podem ser disponibilizados a Cuba quando o governo cubano tiver mudado através de eleições livres e justas”.

Cuba não muda o seu rumo socialista e, portanto, os Estados Unidos, como uma ditadura total, aumenta as suas sanções numa tentativa de quebrar o povo. Em Março de 1996, o Presidente Bill Clinton assinou a Lei da Liberdade e Solidariedade Democrática de Cuba, conhecida como a Lei Helms-Burton, e as sanções assumem maior força de lei.

Esta lei visa: “reforçar as sanções internacionais contra o governo Castro e planear o apoio a um governo de transição que conduza a um governo democraticamente eleito na ilha”.

Em Outubro de 2003, o presidente dos EUA criou a Comissão de Assistência a uma Cuba Livre para elaborar planos e medidas para acelerar o processo de transição em Cuba para um regime dito “democrático e livre”. Em Maio de 2004, aprovou o plano de tarefas para realizar a sonhada “Transição pacífica para a democracia”.

Barack Obama, apesar do restabelecimento das relações diplomáticas, entre 2009 e 2016 aplicou 52 multas a bancos estrangeiros, no valor de 14.404 milhões 358.605 dólares, por violação das sanções dos EUA contra Cuba.

Quando Donald Trump se tornou presidente em Janeiro de 2019, as sanções foram reforçadas, proibindo as remessas familiares, a entrada de navios de cruzeiro para Cuba e voos dos Estados Unidos para as províncias cubanas; suspendendo o intercâmbio cultural e académico de americanos para a ilha; activando o Título 3 da Lei Helms-Burton, que permite às pessoas afectadas por nacionalizações após 1 de Janeiro de 1959 processar nos tribunais norte-americanos; e proibindo os bancos norte-americanos de processarem transacções bancárias relacionadas com Cuba através de terceiros, operações conhecidas como transacções de retorno.

Sancionou os chefes das missões médicas cubanas no estrangeiro. Recusa de licenças de leasing de aviões às companhias aéreas estatais cubanas. Impôs a regra de negar qualquer reexportação para Cuba de bens estrangeiros contendo mais de 10% de componentes norte-americanos, proibiu a utilização de dinheiro federal para trocas culturais com a ilha e sancionou o Ministério do Interior, as Forças Armadas e um grande grupo de empresas e corporações comerciais cubanas, incluindo quase todos os hotéis do país.

243 foram as suas sanções contra Cuba, prova do seu carácter ditatorial.

Antes do fim do seu mandato, voltou a incluir Cuba na lista de Patrocinadores Estatais do Terrorismo.

Joe Biden continuou na mesma linha, porque é assim que é a ditadura ianque, e em Julho de 2021 sancionou o Ministro das Forças Armadas Revolucionárias e a Brigada Especial Nacional do Ministério do Interior; o chefe da Polícia Nacional e o seu director-adjunto.

A 13 de Agosto sancionou o antigo chefe (reformado) da Direcção Política da MININT, o chefe da Secção Política da Polícia Revolucionária Nacional e a Direcção das Tropas Preventivas do Ministério das Forças Armadas Revolucionárias de Cuba. A 20 de Agosto de 2021, sancionou o Segundo Chefe do Estado-Maior General e Chefe da Direcção de Operações das FAR, o Chefe do Exército Central e o Chefe da Direcção das Prisões da MININT.

Nem mesmo Adolf Hitler assumiu uma atitude tão ditatorial como os presidentes ianques, que fazem o mesmo contra a Rússia, Venezuela, China, Irão, Nicarágua e Síria, no seu desespero de os subjugar.

Nenhuma pessoa que se preze pode afirmar que os Estados Unidos é uma democracia, porque os factos falam por si.

José Martí não estava errado quando disse:

“Os povos da América são mais livres e prósperos, quanto mais se afastam dos Estados Unidos”.

Laços de amor entre Cuba e os Estados Unidos: uma entrevista com Carlos Lazo .

#EEUUBloquea #ElBloqueoEsReal #PuentesDeAmor #CubaSalva #Sanciones #CarlosLazo

Un audiovisual extraordinario: CIA Stories The Cuban Who Conned the CIA .

#MafiaCubanoAmericana #RedesSociales #MercenariosYDelincuentes #CIA #EEUUBloquea #CubaSoberana

SOS Blockade vs Cuba .

#ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #CubaSalva #CubaEsSalud

Por: José Manzaneda

Imagine que a União Europeia impôs um bloqueio económico total à Espanha, proibindo o comércio, as transferências, o turismo, a venda e compra de tecnologia ou medicamentos, a utilização do euro, que – através de ameaças e procedimentos legais – impediu empresas de outras partes do mundo de investir, sancionou companhias de navegação que trazem gás natural ou petróleo e, por sua vez, negou a entrada no território da União Europeia aos nossos cidadãos.

Apesar de sermos um país com um elevado nível de desenvolvimento económico, imagine os efeitos devastadores que isso teria nas nossas condições de vida (em termos de salários, pensões, serviços públicos, transportes, etc.), no meio da crise económica causada pela pandemia. Bem, agora, imagine este bloqueio sobre a população de um país insular e pobre em recursos no Sul, como Cuba.

Assistimos hoje, com perplexidade, a uma operação, na imprensa e nas redes sociais, de negação do bloqueio económico, comercial e financeiro dos EUA contra Cuba, que justifica um crime contra a humanidade e a violação maciça dos direitos humanos de onze milhões de pessoas, sujeitas a uma chantagem brutal: morrer à fome ou derrubar o seu governo.

O impacto do bloqueio em cada uma das fontes de rendimento da ilha é brutal: na ordem de cinco mil milhões de dólares por ano, 430 milhões por mês. Até 2021, 147 mil milhões de dólares em perdas.

Em que consiste o bloqueio de Cuba?
As bases permanentes do cerco económico e financeiro contra Cuba são, entre outras, as seguintes:

O chamado “embargo comercial”. As empresas e cidadãos cubanos não podem vender quaisquer produtos ou serviços no maior mercado do mundo, os EUA, nem podem adquirir os seus produtos ou serviços, com excepções e regulamentos muito rigorosos (certos alimentos e medicamentos, pagos antecipadamente). Isto implica enormes ultrapassagens de custos em absolutamente todas as importações de Cuba, muitas delas provenientes de mercados distantes. Também a impossibilidade de adquirir produtos e tecnologia apenas disponíveis nos EUA.

Os navios que tocam os portos cubanos não podem continuar para os EUA, o que se multiplica, para a ilha, todos os custos de frete e seguro.

A proibição do turismo americano, o que significaria uma injecção imediata de liquidez para a economia da ilha.

Perseguição constante, sanções e pressão extraterritorial sobre empresas e países para impedir o comércio com Cuba. Empresas de países terceiros não podem exportar para os EUA produtos contendo uma única grama de açúcar cubano ou níquel, fechando uma grande parte dos mercados internacionais da ilha. Do mesmo modo, países terceiros não podem vender mercadorias a Cuba com mais de 10% de componentes norte-americanos.

A impossibilidade de Cuba obter créditos de desenvolvimento, devido ao direito de veto ou voto preferencial dos EUA em organizações financeiras multilaterais, tais como o Banco Mundial ou o Banco Interamericano de Desenvolvimento.
243 novas sanções

A estas medidas e a muitas outras não mencionadas, juntam-se 243 novas sanções impostas durante a administração de Donald Trump, das quais mais de 50 foram aprovadas durante a pandemia de Covid-19. Por exemplo:

A proibição das remessas, que tornaram a emigração cubana a única, nos EUA, que não pode enviar dinheiro às suas famílias de forma legal e segura.

O encerramento da imigração, por congelamento de vistos, devido ao encerramento do consulado dos EUA em Havana, algo que procura aumentar o efeito de “panela de pressão” sobre a população cubana. O compromisso, assinado por Barack Obama, de conceder pelo menos 20.000 vistos por ano, é agora letra morta.

A inclusão de Cuba na lista de alegados “países patrocinadores do terrorismo”, o que implica o encerramento quase completo dos bancos internacionais da ilha, e a impossibilidade, há meses, de fazer compras (de alimentos e medicamentos, por exemplo) com os dólares recolhidos.

A perseguição sistemática das companhias de navegação que trazem petróleo venezuelano para Cuba, o que levou a uma redução drástica dos transportes urbanos e das restrições eléctricas.

A restrição ainda maior das muito poucas viagens dos EUA a Cuba autorizadas pela administração Obama, bem como a proibição total de compra de produtos em terra. A proibição de cruzeiros, por exemplo, arruinou numerosos estabelecimentos do sector privado cubano.

A proibição de voos para nove dos dez aeroportos internacionais de Cuba, uma medida que afecta a comunidade cubana nos EUA, o único que não estava anteriormente sujeito a restrições de viagem.

A retirada da única licença de investimento que foi autorizada por Obama: a da empresa hoteleira Marriot.

A plena aplicação da Lei Helms-Burton, que procura afugentar todo o investimento estrangeiro, bem como a activação de dezenas de processos judiciais contra empresas de investimento, principalmente europeias, para as obrigar a abandonar a ilha.

A ruptura – através de pactos com governos aliados, tais como os do Equador e do Brasil – dos seus acordos médicos com Cuba, que lhe permitiram financiar o sistema de saúde pública da ilha. Isto explica em parte a escassez de cuidados de saúde e visa criar uma crise sanitária na ilha.

A abolição de acordos bilaterais esperançosos, como o que foi assinado – e nunca entrou em vigor – entre a Federação Cubana de Basebol e a Liga Principal de Basebol dos EUA, que teria posto fim à “fuga” de atletas e ajudado a financiar o desporto de base em Cuba.

Imagine se eles cortarem a electricidade na sua casa, fecharem as suas portas para manter fora comida e medicamentos, impedi-lo a si e aos seus dependentes de sair para ganhar a vida, e depois culpá-lo pela má gestão da sua casa e chamar-lhe ditador. É o que os EUA fazem com Cuba e o seu povo.

Uma estratégia de seis décadas de asfixia, mais o cerco da guerra económica dos últimos quatro anos, juntamente com a ausência de receitas do turismo devido à pandemia, levaram a uma situação aguda de escassez em Cuba em todas as áreas. O resultado político, esperado durante 60 anos, de uma estratégia que procura matar um povo refém através da fome e da escassez, é muito pobre: tendo conseguido que uma pequena parte da população, cansada e desesperada, ceda e se revolte contra o governo e a Revolução.

Mas a euforia é um mau conselheiro. Estas pessoas não são a maioria. A maioria conhece a causa essencial dos seus problemas, e tem saído à rua por toda Cuba, aos milhares, para defender a soberania do seu país e a Revolução. Os criminosos vão continuar a tentar. Mas Cuba continua a ser um osso duro de roer.

Tirada de CubaDebate

Cientistas cubanos esmagam campanha dos EUA .

#CubaSoberana #CubaEsSalud #VacunasCubanas #CubaSeRespeta #EEUUBloquea #CubaSalva #ElBloqueoEsReal #FakeNewsVSCuba

#PUENTESDEAMOR Contra o bloqueio em frente da Casa Branca.

#PuentesDeAmor #CubaNoEstaSola #NoMasBloqueo #CasaBlanca #CarlosLazo #SolidaridadConCuba #MiMoncadaEsHoy

Ministro dos Negócios Estrangeiros cubano rejeita novas medidas coercivas dos EUA.

#CubaSoberana #MiMoncadaEsHoy #AquiNoSeRindeNadie