Puentes de Amor rejeita as acusações do senador anti-cubano dos EUA.

#CubaEsAmor #PuentesDeAmor #CubaNoEstaSola #SolidaridadConCuba #ElCaminoEsLaPaz #AmorYNoOdio #CubaPorLaPaz

O líder do movimento de bloqueio anti-Cuba, Carlos Lazo, rejeitou as acusações do senador norte-americano Marco Rubio, que pediu ao Federal Bureau of Investigation (FBI) para investigar o grupo para determinar se estão a agir como agentes estrangeiros.

3 de Agosto de 2022
CDT00:05 (GMT) -0400

Numa declaração a que a Prensa Latina teve acesso, Lazo disse que a organização e os seus membros agem de forma transparente e esclareceu que não há contradição em ser cubano-americano e querer melhores relações entre Havana e Washington.

O senador acusa-me de me encontrar com o presidente da nação das Caraíbas, Miguel Díaz-Canel, disse o professor e salientou que se reunirá com quem for necessário para exigir o fim das sanções contra o povo cubano.

Recordou que com este objectivo em mente, no passado já tinha falado com a Senadora Mel Martínez, com as Congressistas Ileana Ros Lehtinen e Dan Burton (co-patrocinadora da Lei Helms-Burton, que codifica o bloqueio contra Cuba), e manteve um breve diálogo com outro Senador Republicano, Ted Cruz.

Referiu-se às suas tentativas de diálogo tanto com o ex-presidente Donald Trump (2017-2021), que impôs mais de 240 medidas contra Cuba, como com o actual presidente, Joe Biden, que mantém uma política semelhante à do seu antecessor, mas apenas conseguiu ver um funcionário do Departamento de Estado.

O professor baseado em Seattle e veterano de guerra do Iraque disse que também se encontraria com Rubio para explicar muitas destas questões, porque nunca esteve em Cuba, não conhece a família cubana, nunca andou nas ruas de Havana, disse Lazo.

O legislador republicano da Florida, conhecido pela sua posição anti-cubana, pediu ao FBI uma investigação “imediata” de Puentes de Amor para descobrir se estão a agir como um agente estrangeiro não registado do governo da ilha.

Lazo pergunta-se qual tem sido o seu crime “Transportar leite em pó para hospitais pediátricos? Transportar seringas para vacinações pandémicas? Transportar Custodiol para operações de transplante de fígado para crianças cubanas que precisam dele? Isto é o que fazemos e o que muitas, muitas outras organizações fazem”.

O pedido de Rubio surge após a organização ter realizado caravanas em Miami e outras cidades do país no domingo contra o bloqueio económico, comercial e financeiro que tem sufocado as famílias cubanas há mais de seis décadas.

Espero que o FBI tome medidas e investigue”, diz o coordenador da Puentes de Amor, “porque muitas coisas sairão, mas não precisamente do movimento e dos seus membros, mas de detratores que tentam constantemente sabotar qualquer entendimento entre os nossos povos.

Os odiosos incitam à violência contra a caravana de Cuba em Miami.

#EliminaElBloqueo #PorLaFamiliaCubana #CubaEsAmor #CubaPorLaSalud #PuentesDeAmor #ElCaminoEsLaPaz

CUBADEBATE

Um grupo de “odiadores” incitou à violência contra a caravana na cidade de Miami, chamado pelo movimento Pontes do Amor para exigir que o governo dos EUA acabasse com o bloqueio económico contra Cuba.

O Presidente dos EUA Joe Biden prometeu inverter as políticas fracassadas de Cuba do seu predecessor, Donald Trump. Foto: Prensa Latina

Isto foi denunciado pelo líder da iniciativa, o professor cubano-americano Carlos Lazo, que se encontrava nas ruas da cidade de Coral Gables, em Miami, rodeado por dezenas de pessoas que se manifestavam contra as sanções de Washington contra a ilha das Caraíbas, numa emissão em directo nas suas redes sociais.

Chamam-nos terroristas por levarmos medicamentos e leite em pó para Cuba para crianças e idosos, chamam-nos terroristas por sermos a favor da reunificação familiar e das viagens a Cuba, e somos a favor das pontes de amor”, disse Lazo.

“Chamam-nos terroristas por trazermos para Cuba medicamentos e leite em pó para crianças e idosos”, disse Carlos Lazo. Foto: Prensa Latina

No domingo de manhã, enquanto cubanos e amigos da ilha falavam em várias cidades do mundo contra a guerra económica que afecta as famílias cubanas há mais de 60 anos, em Miami a polícia interveio para prender aqueles que tentaram atacar os activistas.

Com slogans de “Cuba sim, bloqueio não!” e “Biden, levanta as sanções contra Cuba!” começaram o dia de solidariedade com a ilha e depois viajaram pela cidade do sul dos EUA em carros, motocicletas e bicicletas.

Ao mesmo tempo, esta manhã teve lugar uma campanha de tweeting com os hashtags #EliminateTheBlockade #UnblockCuba e #BridgesOfLove para exigir o fim da política coerciva unilateral e pedir a ambos os lados que avancem no caminho da compreensão.

O Presidente dos EUA Joe Biden prometeu inverter as políticas fracassadas de Cuba do seu antecessor, Donald Trump, mas 18 meses após a sua chegada à Casa Branca quase não há sinais nessa direcção.

Com slogans de “Cuba sim, bloqueio não!” e “Biden, levantem as sanções contra Cuba! Foto: Prensa Latina

A 16 de Maio, a administração democrática anunciou algumas medidas bem-vindas em matéria de vistos, migração regular, viagens, remessas e ajustamentos aos regulamentos para transacções com o sector não estatal; contudo, não tocaram na própria essência do bloqueio.

As autoridades cubanas expressaram que este é um passo limitado na direcção certa, mas que os anúncios não modificam de forma alguma o bloqueio, nem as principais medidas de asfixia económica tomadas pela administração Trump (2017-2021).

O bloqueio nem sequer acredita nos produtores dos EUA.

#ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #CubaViveYTrabaja #CubaNoEstaSola #CubaPorLaPaz

Autor: Granma | internet@granma.cu

O aperto do bloqueio económico, comercial e financeiro contra Cuba, resultado de uma política externa desviada pelo ódio, e um presidente que continua a não cumprir as suas promessas de campanha, bloquearam ontem uma proposta no Congresso dos EUA que procurava levantar a proibição de financiamento das exportações agrícolas para a ilha e expandir o comércio nesse sector.

Introduzido por Rashida Tlaib (D-Michigan), o projecto de lei falhou, recebendo 260 votos contra, para 163. O legislador agradeceu a Gregory Meeks (D-New York), presidente da Comissão dos Negócios Estrangeiros da Câmara, e Jim McGovern (Mass.), presidente da Comissão do Regimento, por apoiarem a emenda.

Foto: Adán

Nem mesmo porque a passagem teria ajudado os produtores agrícolas americanos, “incluindo muitos aqui no Michigan”, como disse Tlaib, ou que representaria a criação de milhares de empregos naquele país, foi a intenção subjacente à política macabra de Cuba.

Porquê? Porque os representantes anti-cubanos e os da ala mais conservadora estão a travar projectos de lei no Congresso que significariam uma aproximação entre os dois países, ou medidas que impediriam mais sofrimento para a população da ilha, sujeita ao cruel cerco unilateral, de acordo com os analistas.

Tanto que, sem esconder o seu ódio, o congressista Mario Díaz-Balart (R-Florida) disse que “embora as ditaduras marxistas tenham os seus apologistas dentro da maioria democrata, conseguimos derrotar a concessão de créditos aos opressores do povo cubano”, citou a Prensa Latina.

No entanto, na terceira Conferência de Negócios Agrícolas EUA-Cuba, realizada em Havana no passado mês de Abril, os agricultores americanos manifestaram a sua vontade de melhorar o comércio bilateral. Na altura, Paul Johnson, presidente da US-Cuba Agricultural Coalition, afirmou que a agricultura continua a ser o sector mais importante para os laços bilaterais. “O bloqueio limita significativamente o comércio porque não podemos exportar mais mercadorias para Cuba, mas devemos poder trabalhar com os produtores cubanos para aumentar a produção local, investir o nosso capital e conhecimentos em cooperação”, disse.

Ao contrário desta vontade, a administração de Joe Biden mantém os obstáculos ao comércio e não cumpre as suas promessas de campanha.

Nem os EUA nem a União Europeia têm a autoridade moral para questionar Cuba.

#CubaPorLaPaz #EEUUBloquea #CubaViveYTrabaja #UniónEuropea #RevoluciónCubana

Autor: Redacción Internacional | internacionales@granma.cu

Cuba denunciou na segunda-feira as declarações de interferência do Secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, e do Alto Representante da União Europeia (UE), Josep Borrell, sobre o vandalismo que teve lugar na ilha a 11 de Julho de 2021, como resultado de uma operação dos media e de um golpe suave para subverter a ordem no país.

Foto tirada da Internet

“Rejeitamos os comentários do Secretário de Estado norte-americano, que confirmam o envolvimento directo do governo norte-americano nas tentativas de subverter a ordem e a paz em Cuba, em violação do direito internacional”, disse Bruno Rodríguez Parrilla, membro do Gabinete Político do Partido Comunista de Cuba e Ministro dos Negócios Estrangeiros, no Twitter.

A reacção do ministro dos Negócios Estrangeiros seguiu-se a uma mensagem publicada na mesma rede social por Blinken, na qual expressou o apoio da Casa Branca aos manifestantes, e escreveu: “instamos o regime cubano a respeitar as suas vozes”.

Num outro tweet, Rodríguez Parrilla também rejeitou as declarações de Borrell, acrescentando que “à UE falta a autoridade moral para fazer juízos de valor sobre a realidade cubana”.

“Deve preocupar-se com os seus próprios problemas e com as frequentes violações dos direitos humanos nos seus estados membros”, salientou o chefe da diplomacia cubana.

As referências de Borrell à interferência não mencionam as causas dos acontecimentos e evitam a responsabilidade do governo dos EUA na sua ocorrência.

O Primeiro Secretário do Comité Central do Partido Comunista de Cuba e Presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, na véspera do 11 de Julho, salientou que a data era uma celebração do “desmantelamento de um golpe de Estado vandalista”, e confirmou que as pessoas perseguidas criminalmente por estes actos tinham gozado de todas as garantias constitucionais.

Tembló #Miami (Ver para creer)

#SolidaridadConCuba #PuentesDeAmor #CubaViveYAbraza #CubaNoEsMiami #EliminaElBloqueo #PorLaFamiliaCubana

UMA ARMA PARA ASSASSINAR #CUBA.

#EliminaElBloqueo #PuentesDeAmor #PorLaFamiliaCubana #CubaViveYAvanza #CuabaViveYRenace

FOGO NA LATA ATÉ O FUNDO CAIR PARA FORA! Miami ataca e os seus próprios meios de comunicação tiram-lhes as máscaras.

#CubaViveYAvanza #CubaViveYRenace #CubaVive #LaFuerzaDeUnPaiz #PorCubaYo

A Cuba que os Estados Unidos não querem nem nos deixam ver.

#ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #CubaNoEstaSola #CubaVive #PuentesDeAmor

Por Arthur González

Quem ler alguns jornais e sites digitais encontrará notícias de Cuba que são falsas ou distorcidas, a fim de criar matrizes negativas contra a Revolução que tanto amargor causou nos Estados Unidos desde 1958, quando não foram capazes de impedir o seu triunfo.

Centenas de milhares de dólares são desperdiçados anualmente para dirigir mensagens e notícias falsas sobre a situação interna da ilha, mas nunca mencionam as leis desumanas que espremem o pescoço do povo cubano, como por exemplo:

Comércio com a Lei do Inimigo de 1917, secção 5.b; Lei de Cooperação Internacional de 1961, secção 620.a; Regulamento de Controlo do Património Cubano de 1963; Lei da Democracia Cubana de 1992, também conhecida como Lei Torricelli; Lei de Liberdade Cubana e Solidariedade Democrática de 1996, (Lei Helms-Burton) e a Lei de Sanções Comerciais e Valorização do Comércio de 2000.

Estes Actos não são propaganda comunista como costumam chamar às reivindicações de Cuba, são o verdadeiro mash-up legal das transacções comerciais e financeiras para impedir o seu desenvolvimento económico, só porque não se deixa espezinhar e defender a sua soberania.

Numa tentativa de destruir o socialismo, desperdiçam não menos de 20 milhões de dólares anuais, financiando projectos subversivos através da NED, USAID e outras Organizações Não-Governamentais, que fornecem os grupos contra-revolucionários que vivem da história de serem “opositores”, sem suar as suas camisas.

Em 62 anos não conseguiram alcançar uma verdadeira oposição política com apoio popular, apesar da preparação e financiamento que lhes proporcionam, porque o trabalho da Revolução, embora imperfeito, dá ao povo aquilo que o sistema capitalista não é capaz de proporcionar e é por isso que há protestos maciços e milhões de emigrantes que procuram melhorar as suas vidas nas chamadas nações do primeiro mundo, fugindo do capitalismo e não precisamente do comunismo.

Nos seus esforços contra Cuba, os Yankees aproveitam as possibilidades oferecidas pelas redes sociais para intoxicar os jovens, e é por isso que apostam na fabricação de algum líder capaz de os mobilizar, como foi o caso mais recente de Yúnior García, um actor seleccionado por agentes da CIA enviados para a ilha para procurar pessoas com carisma no meio artístico-intelectual que pudessem cumprir as tarefas planeadas.

A marcha idealizada por este pequeno personagem revelou-se sal e água, apesar da máquina de propaganda com que tentaram ampliá-la internacionalmente, mas mais uma vez falharam, porque estão prontos a gastar dinheiro com os primeiros gatos que os fazem acreditar que ele é um “dissidente”, com a possibilidade de organizar uma oposição contra a Revolução.

A marcha contra-revolucionária não teve lugar a 14, 15 ou 20 de Novembro e a razão não foi porque o governo levou tanques e o exército para as ruas, porque no Chile, Colômbia e outros países o povo confronta estas forças porque tem razões para protestar, mas porque não é possível fabricar uma oposição contra-revolucionária com um pouco de dinheiro e campanhas mediáticas, quando os cubanos sabem que a sua independência e soberania estão em jogo se o país voltar a cair nas mãos dos ianques.

Muito diferente disso foi a manifestação à Revolução pela magnífica marcha dos jovens residentes de Havana, realizada a 27 de Novembro de 2021, quando estudantes de medicina e outros cursos universitários marcharam da Universidade de Havana para o monumento que comemora a vil execução de 8 estudantes de medicina inocentes, quando a Espanha era proprietária da ilha, uma marcha silenciada por ordens do regime de Joe Biden, que proibiu as suas agências de imprensa e outras agências europeias de a reflectir nas suas notícias, prova irrefutável da falta de liberdade de imprensa.

A fúria sobre esta grandiosa marcha de centenas de milhares de jovens que encheram dezenas de blocos da capital, fez com que os Estados Unidos acrescentassem uma nova sanção a Cuba, com a proibição de entrada naquele país de nove oficiais cubanos de alta patente das Forças Armadas Revolucionárias e do Ministério do Interior, alegadamente envolvidos na falsa repressão dos “activistas” forjados que queriam manifestar-se contra o governo a 15 de Novembro, não teve lugar porque aqueles que o solicitaram partiram sub-repticiamente para Espanha, uma decisão preparada antecipadamente com o apoio daquela embaixada em Havana.

Numa tentativa desesperada de desviar a atenção internacional da marcha de apoio à Revolução, Antony J. Blinken, Secretário de Estado ianque, lançou um comunicado de imprensa para recordar ridiculamente a concentração de 27 de Novembro de 2020, que instigaram através da sua agente Tania Brugueras, uma artista plástica que colabora com a CIA há décadas, uma provocação de que ninguém se lembra em Cuba, porque não alcançou as suas ilusórias intenções de criar um movimento de oposição no sector artístico e aqueles que se deixaram arrastar pelo engano e manipulação, rapidamente se afastaram dele quando souberam a verdade que estava escondida por detrás do protesto.

Blinken, na sua retórica desgastada e cansativa, descreveu a manifestação em frente ao Ministério da Cultura como “histórica”, mas não mencionou o grande desfile de jovens cubanos que invadiram as ruas de Havana a 27 de Novembro de 2021, e é por isso que ninguém em Cuba acredita nos Yankees.

Os milhões de dólares desperdiçados anualmente pelos Estados Unidos não podem comprar a consciência de um povo que aprendeu a ler, escrever e pensar, que conhece a história e o que está a acontecer no mundo de hoje, onde a pobreza aumenta a cada hora, onde as mortes por doenças curáveis são o resultado do capitalismo, As mulheres não são mestres dos seus corpos nem podem decidir sobre uma gravidez indesejada, os negros são discriminados e os jovens não vêem a luz ao fundo do túnel e fogem aos milhões de pessoas de um sistema desumano, enquanto Cuba, apesar de tantas sanções ianques, controla a Covid-19 com as suas próprias vacinas criadas pelos seus cientistas.

Esta é a realidade que os Estados Unidos não querem ver e não deixa que outros saibam, mas como José Martí expressou:

“As verdadeiras verdades reais são os factos”.

Orlando Gutiérrez Boronat: diga-me quem admira e eu digo-lhe quem é …

#CubaNoEsMiami #MafiaCubanoAmericana #CubaSeRespeta #CubaViveEnSuHistiria #CubaViveYRenace

Extraído de Juventud Rebelde

Para dizer a verdade, nem todos os empregados do negócio contra-revolucionário nos Estados Unidos são como a personagem desta história: Orlando Gutiérez Boronat. Há aqueles que também pertencem à máfia de Miami no grande negócio da contra-revolução, mas aparentemente são menos abomináveis.

Este contra-revolucionário defendeu dos Estados Unidos a aplicação em Cuba da técnica criminosa do Major Roberto D’Abuisson, o nefasto chefe dos esquadrões da morte que assolou o povo salvadorenho durante dez anos.

O Boronat nasceu por engano em Cuba. Não foi capaz de mudar o seu nome cubano, nem tem a coragem de vir lutar pela causa que afirma defender aqui, no entanto, quando colocado em frente de um microfone e de uma câmara de televisão grita horrores aos revolucionários da terra onde nasceu e (o pior de tudo) sente admiração pelas atrocidades e torturas levadas a cabo pessoalmente, ou dirigidas, por D’Abuisson, o mais sinistro executor e desmembrador da América Central.

Orlando Gutiérrez Boronat é um cubano que lamenta ser cubano e, claro, é pago em dólares para ser contra-revolucionário nos Estados Unidos como “militante” no grande negócio de tentar destruir a Revolução Cubana.

Recentemente Boronat mencionou o nome, apelido, posto militar, nacionalidade e deu como exemplo de inspiração ou bandeira para atacar Cuba, precisamente Roberto D’Abuisson: “É preciso segui-lo para acabar com Cuba”, sugeriu ele com descaramento inaudito.

O abominável homem da morte
Não há melhor epíteto para definir o assassino militar que Boronat admira do que um nazi de um novo tipo. Desde a sua juventude que se propôs a subir a escada para viver melhor do que todo o povo salvadorenho.

Oficial do exército de uma brutal tirania instalada na sua pátria, treinou (onde mais?) na Escola das Américas dos EUA, onde atingiu a patente de Major. (o maior carniceiro assassino da América Central!).

O seu registo de repressão, tortura e assassinato, disfarçado de luta antiguerrilheira, conseguiu-lhe o posto de Chefe dos Serviços Secretos da Guarda Nacional Salvadorenha, embora rapidamente tenha renunciado a essa responsabilidade com o propósito perverso de construir uma instituição ainda mais brutal, horrenda e sanguinária própria, para assassinar revolucionários na sua pátria e em toda a América Central: os esquadrões da morte, algo como um laboratório ambulante do fascismo hitleriano.

A partir de 1979 começou a mostrar que não tinha qualquer escrúpulo em exterminar milhares de jovens homens e mulheres, muitos deles nem sequer ligados à guerrilha, apenas sob a suspeita de que estavam a ajudar os combatentes clandestinos, sobretudo os militantes da Juventude Socialista e do Partido Comunista.

Era tão criminoso que quando deixou a Guarda Nacional levou consigo a lista dos membros da organização Andes 21 de Junio (uma instituição pacífica dos professores de todo o país), onde os seus endereços privados e números de telefone foram listados, e um bom número deles foi exterminado sob a sua orientação directa, muitos deles assassinados e desmembrados.

Para D’Abuisson, ensinar assuntos culturais era aparentemente uma tarefa comunista a ser punida com castração, tortura, goivadura ocular, picada eléctrica, e, finalmente, assassinato e desmembramento, a sua técnica de eliminação mais especializada.

Outro dos seus passaportes até à morte
Tal foi a crueldade, o sadismo, a premeditação e a malícia acima de tudo dos esquadrões da morte, que eles trouxeram à moda, a mando do seu criador, um método desprezível, grotesco, tenebroso e horripilante: o desmembramento de pessoas!

Para isso utilizaram um matadouro que durante o dia processava carne de bovino para exportação para os Estados Unidos, enquanto à noite desmembravam homens e mulheres patriotas lá, quer estivessem ou não ligados à luta revolucionária.

A sua monstruosidade foi ainda mais longe. A fim de tornar impossível ou extremamente difícil a identificação do assassinado, os seus restos mortais foram deixados em lugares insuspeitos, separados de acordo com a sua anatomia: cabeça, pernas e braços, indistintamente.

Tudo foi feito e dirigido pelo Major D’Abuisson com certa dissimulação, até que, devido a um controlo elementar por parte dos assassinos, aconteceu que um trabalhador, depois de se perguntar muitas vezes porque é que o seu posto de trabalho não era como o tinha deixado no dia anterior, encontrou na bandeja onde estava a cortar os pedaços dos diferentes bovinos, alguns dedos humanos sangrentos, recentemente cortados!

O crime não cessou; 15 ou 20 assassinatos foram registados diariamente, verdadeiros massacres humanos. O líder de tais esquadrões usou outros métodos ainda mais brutais, pois chegou ao ponto de encomendar métodos ainda mais horripilantes: ele punha a cabeça de um homem morto na barriga de outro, ou a cabeça do marido na da esposa ou vice-versa. Depois cosia as peças com pita, um fio fino, ou amarrava-as com uma fita, acções imperdoáveis e dantescas!

D’Abuisson era um verdadeiro louco, um carrasco, um selvagem, um sádico, um terrível criminoso. Levava sempre um cortador de carne no seu carro, e por qualquer razão aplicá-lo-ia directamente na cara de qualquer pessoa que considerasse revolucionária ou que simplesmente não gostasse.

Era um anti-comunista convicto, ao ponto de acreditar que a sua principal tarefa na vida era lutar contra ideias progressistas de independência, soberania, anti-imperialismo, verdadeira democracia popular e liberdade. E quando propôs a monstruosidade dos esquadrões da morte, disse ao governo salvadorenho, à embaixada ianque e à CIA: “Vocês fornecem o dinheiro, eu forneço os mortos”. O dinheiro era o ratatouille!

É por isso que nunca lhe faltou muita coisa. E se os seus crimes não podiam ter sido mais numerosos do que os dos campos de concentração de Hitler, foi porque havia mais pessoas na Europa do que em El Pulgarcito de América, como El Salvador foi carinhosamente chamado devido à sua pequena dimensão.

Este é o tipo de adoração sentida por Orlando Gutiérrez Boronat, o mafioso anti-Cubano que tenta agitar as águas da contra-revolução em Cuba. Ele é “um exemplo a ser imitado para destruir a Revolução Cubana”, gaba-se aos quatro ventos.

Nada, que poderia ser parafraseado como “diz-me quem admiras e eu digo-te quem tu és”.

O bloqueio, um meio para assumir o controlo de Cuba .

#UnblockCuba #ElBloqueoEsReal #Cuba #XCubaYo #JornadaDeLaCulturaCubana

Por : Manuel Gonzalez Gonzalez

Em geral, quase todos nós já ouvimos falar do bloqueio americano a Cuba, mas infelizmente, nem todos estamos plenamente conscientes do alcance e das consequências desta prática política criminosa contra o povo cubano, que afecta todos os aspectos das suas vidas, privando-os de produtos ou tornando-os desnecessariamente caros. Uma prática que a Assembleia Geral da ONU tem vindo a condenar há décadas por uma esmagadora maioria de 184 votos contra os dois votos dos Estados Unidos e de Israel.

O documentário recentemente lançado, Unblock Cuba, permite-nos mergulhar no bloqueio de uma forma conveniente e didáctica. É um trabalho louvável realizado por um grupo de jovens na casa dos vinte anos, agrupados na Furor Producciones, dirigida por Sergio Gregori, que aos quinze anos de idade se viu face a face com o bloqueio e as suas consequências.

As declarações do antigo vice-presidente do KGB, Nicolai Leonov, que actuou como tradutor entre Nikita Kruchov e Fidel Castro em várias ocasiões, são inovadoras e interessantes. Através das suas palavras, podemos ver a crise dos mísseis cubanos e a relação entre Cuba e a União Soviética de uma forma que os filmes americanos nunca nos disseram.

Outra parte muito interessante deste trabalho é que nos mostra como a aplicação de sanções extraterritoriais do bloqueio se tornou uma arma económica dos Estados Unidos contra empresas europeias e espanholas que operam em Cuba, às quais líderes como o Alto Representante da UE Josep Borrell, o Eurodeputado e ex-Ministro dos Negócios Estrangeiros José Manuel García-Margallo e a Ministra da Indústria, Comércio e Turismo María Reyes Maroto protestaram.

Unblock Cuba é o título de um documentário sobre a história e consequências do bloqueio que os governos dos EUA têm vindo a aplicar ao povo cubano desde 1960, meses após o triunfo da revolução socialista cubana, que pôs fim ao colonialismo norte-americano na ilha. O bloqueio tem sido como uma segunda pele para a revolução cubana. Como tal, este filme é, em grande parte, um documento da história da revolução. Mas não só. Mostra como, antes da revolução, Cuba estava na mira dos Estados Unidos, que primeiro tentaram comprá-la à Espanha e depois utilizaram a derrota espanhola para se instalarem na ilha. Até à revolução.

Embora o documentário tenha sido feito com meios limitados, ganhou prémios e nomeações em mais de vinte festivais. Pode ser visto na Filmin ou adquirido no website da Furor Producciones (https://www.unblockcuba.es/). Estão também a realizar exibições em diferentes cidades de Espanha, geralmente ligadas a associações de amizade com Cuba.

O desbloqueio de Cuba terminou em 2019, pelo que o impacto que o bloqueio teve durante a pandemia não aparece, tal como o facto de não poderem comprar seringas suficientes para administrar as vacinas que foram capazes de criar. A este respeito, há outro documentário, The War Against Cuba, dirigido por Reed Lindsay e produzido por Oliver Stone, cuja terceira parte incide sobre a perversão do ataque do governo dos EUA à medicina cubana no meio da pandemia. Pode ser visto no Youtube.

%d bloggers like this: