BOLIVIA Evo Morales Fidel Castro Hugo Chávez

A #Bolívia apresenta as armas e munições enviadas pela #Argentina e pelo #Equador ao regime de #JeanineÁñez.

O Ministro do Governo da Bolívia, Eduardo del Castillo, apresentou na segunda-feira as armas e munições enviadas da Argentina, durante a administração de Mauricio Macri, e do Equador, sob o mandato de Lenín Moreno, em Novembro de 2019, à administração de facto de Jeanine Áñez, após o golpe de Estado contra o então Presidente Evo Morales.

“Apenas para a Polícia boliviana entrou irregularmente, sem cumprir os regulamentos legais em vigor, cerca de 27.000 cartuchos de granulados de borracha, 28 gases aerossol, 19 gases aerossol, 55 granadas CN, 53 granadas de gás H, 19 granadas de gás CS”, disse Del Castillo numa conferência de imprensa.

O ministro apresentou uma cronologia da chegada das armas. Recordou que o golpe contra Morales teve lugar a 10 de Novembro e um dia depois já houve “massacres na zona sul de La Paz, deixando mortos e dezenas de feridos e detidos”, devido à repressão da polícia e das forças militares contra a população que se opôs ao golpe.

Segundo o funcionário, nesse mesmo dia, o então embaixador da Argentina, Normando Álvarez García, enviou uma nota ao Ministério dos Negócios Estrangeiros boliviano “solicitando autorização para a entrada de pessoal, material e equipamento a ser utilizado pelo Grupo de Forças Especiais ‘Alacrán’ da Gendarmerie Nacional Argentina no Estado Plurinacional da Bolívia”.

Munições enviadas da Argentina para a Bolívia durante o governo de facto de Jeanine ÁñezFacebook / Eduardo Del Castillo Del Carpio


A 12 de Novembro, Áñez proclamou-se presidente boliviano e no mesmo dia o Instituto Boliviano de Investigação Técnica e Científica da Universidade de Polícia (IITCUP) “autorizou a entrada e o porte temporário na Bolívia de armas de fogo, munições e materiais relacionados ao pessoal do Grupo de Forças Especiais ‘Alacrán’ da Argentina”, disse o ministro.

Nas primeiras horas da manhã seguinte, o material anti-riot chegou a La Paz, num voo de um avião Hercules C-130.

“Há dois tipos de material que entraram no país a 13 de Novembro. Uma foi legalmente autorizada pelo IITCUP com uma nota prévia no Ministério dos Negócios Estrangeiros, especificamente para fornecer segurança à Embaixada argentina, e a outra era de armas anti-motins não autorizadas, que não têm registo formal e não seguiam os procedimentos estabelecidos na Lei 400”, explicou Del Castillo.

O regulamento violado mencionado pelo funcionário, a Lei 400, visa regular, regular e controlar o fabrico, importação, exportação, entrada temporária e outras actividades relacionadas com armas de fogo, munições e explosivos, entre outras, no âmbito da Segurança e Defesa do Estado e da Segurança Cidadã na Bolívia.

O “Gabinete da Morte” e a expedição do Equador
No seu relato, Del Castillo disse que a 14 de Novembro houve uma reunião do gabinete do governo Áñez, que foi apelidado de “o gabinete da morte”, e onde Roxana Lizárraga, designada como Ministra das Comunicações, “obteve o envio de material anti-riot do Equador”. Foi também promulgado o Decreto Supremo 4078, isentando as Forças Armadas de responsabilidade criminal.

A 15 de Novembro, a repressão policial e militar e o massacre tiveram lugar na cidade de Huayllani, no município de Sacaba, no departamento de Cochabamba, quando milhares de camponeses da região do Chapare caminhavam em direcção a La Paz, onde tinham planeado manifestar-se contra a administração Áñez. O resultado deste massacre foi 12 mortos e 125 feridos.

Alguns dias mais tarde, “o governo de Añez providenciou a um avião boliviano o transporte de conchas e granadas anti-riot do Equador”, disse Del Castillo.

A 19 de Novembro, outro massacre teve lugar em Senkata, na cidade de El Alto, quando uma violenta operação policial e militar contra manifestantes matou 10 pessoas.

Roteiro dos EUA
“Até este ponto podemos ver que havia um plano continental para reprimir o povo boliviano”, salientou o ministro do governo.

Ministro do Governo boliviano, Eduardo del CastilloFacebook / Eduardo Del Castillo Del Carpio

Salientou que isto não consistia apenas em encomendar material anti-motim à Argentina e ao Equador após o golpe contra Morales, mas que era um plano que tinha sido organizado desde Julho de 2019 e que envolvia os EUA.

Na conferência de imprensa, Del Castillo referiu-se ao facto de, a 24 de Julho desse ano, o então Secretário de Estado Adjunto para os Assuntos do Hemisfério Ocidental da administração Donald Trump, Kevin O’Reilly, ter chegado à Bolívia e reunir-se com representantes das embaixadas do Peru, Argentina, Brasil, Organização dos Estados Americanos (OEA) e da União Europeia e insinuou a possibilidade de “uma alegada fraude eleitoral nas eleições de Outubro sem apresentar quaisquer provas”.

Depois, a partir de 20 de Outubro de 2019, quando a Bolívia realizou as eleições, em que Morales foi reeleito, iniciaram-se acções e mobilizações políticas por alegada fraude eleitoral “como estipulado no manual”, disse o funcionário, que terminou com o golpe de estado a 10 de Novembro.

Categories: #Argentina, #Lenín Moreno, bolivia, BOLIVIA Evo Morales Fidel Castro Hugo Chávez, ECUADOR, Evo Moraless, Proclamada Jeanine Áñez | Deixe um comentário

Direitos Humanos nos Estados Unidos: Esterilização Forçada.

Autor: Raúl Antonio Capote | internacionales@granma.cu

Um novo crime abala a opinião pública mundial pela dose de insensibilidade que demonstra e pelo caráter desumano e racista de seus executores.

O Serviço de Controle de Imigração e Alfândega dos Estados Unidos, ICE por sua sigla em inglês, foi acusado de remover o útero de imigrantes sob custódia daquela instituição.

A denúncia foi apresentada ao Escritório do Inspetor Geral (OIG) do Departamento de Segurança Interna (DHS) pelo Project South, Georgia Detention Watch, Georgia Latino Alliance for Human Rights e South Georgia Immigrant Support Network.

Os querelantes foram atingidos pelo alto índice de mulheres no Irwin County Detention Center (ICDC) na Geórgia – operado pela La Salle Corrections, uma empresa privada de prisão – submetidas a histerectomia nos últimos meses, cirurgia em aquele que remove todo ou parte do útero.

El Servicio de Control de Inmigración y Aduanas de Estados Unidos, ICE por su sigla en inglés, ha sido acusado por la extirpación del útero a inmigrantes bajo custodia de esa institución

As mulheres imigrantes que se submeteram ao procedimento foram enganadas sob a promessa de receber atendimento médico para resolver diversos problemas de saúde, noticia o jornal The New York Times.

Mas o caso não para por aí. Todos os dias, novos depoimentos de mulheres esterilizadas continuam a aparecer em diferentes centros de detenção, o que constitui uma violação da autonomia do corpo e dos direitos reprodutivos das detidas.

Cerca de 173 legisladores federais dos Estados Unidos enviaram uma carta ao Inspetor Geral do Departamento de Segurança Interna exigindo uma investigação imediata das queixas feitas: “Estamos horrorizados ao ver relatos de histerectomias massivas realizadas em detidos sem consentimento completo e informado.”

Porém, esse tipo de prática não é novidade naquele país. As autoridades norte-americanas em diferentes períodos da história as utilizaram, sobretudo, contra afrodescendentes, mexicanos, indígenas e prisioneiros.

No início do século 20, leis eugênicas foram promovidas em 32 estados, o que permitiu a esterilização de mais de 60.000 mulheres consideradas mentalmente deficientes ou mentalmente fracas e, mais recentemente, nas prisões da Califórnia 150 mulheres foram vítimas dessa prática entre 2006 e 2010.

O US Government Accountability Office publicou um relatório em 1976 sobre esterilizações realizadas em mulheres pertencentes a povos indígenas. Em quatro das 12 regiões investigadas, 3.406 operações foram realizadas entre 1973 e 1976 sem o consentimento das mulheres.

Em 1962, o Corpo de Paz dos Estados Unidos realizou a histerectomia forçada de mulheres indígenas na América Latina, aproveitando a boa fé, a ignorância e a necessidade das populações empobrecidas.

Mulheres guatemaltecas foram utilizadas em experimentos com produtos químicos e outros procedimentos que causam infertilidade permanente, financiados pela organização internacional Population Council, de acordo com o relatório Do controle da natalidade ao genocídio, elaborado pelo médico espanhol Alfredo Embid, coordenador do a Associação de Medicina Alternativa da Espanha.

No relatório do Dr. Embid, afirma-se que essas foram políticas implementadas pelos Estados Unidos em países do terceiro mundo, e detalha casos nas Filipinas, Indonésia, Índia, Bangladesh, Colômbia, República Dominicana, Porto Rico, El Salvador, Panamá, Bolívia, Brasil e Peru.

Essas práticas do governo dos EUA violam não apenas os princípios éticos e morais, mas também os direitos humanos das vítimas.

Categories: # Argentina, #Canadá, #Caracas, #Colombia, Grupo de Lima, #Jorge Arreaza, #Perú, #venezuela, #Brasil, #Brasil se alinha aos #EUA, #Brasil, Corrupción, #Jair Bolsonaro, #China#EEUUDonald TrumpFondo Monetario Internacional (FMI)Ivan Duque, #Donald Trump, #Estados Unidos, #ECUADOR#Paraguay#PerúAsunciónConvención de Viena, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, #Peru, amedrentamiento y violencia contra sectores populares e indígenas, bolivia, BOLIVIA Evo Morales Fidel Castro Hugo Chávez, Colombia, COLOMBIA ACUERDO DE PAZ, Contra a violência armada., Derechos Humanos, Donald Trump liderou um golpe de estado na nação bolivariana, Donald Trump, Estados Unidos, el salvador, ESTADOS UNIDOS, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Estados Unidos, Imperialismo, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, FORA TRUMP, Guatemala, Guiana, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia, India, Indonésia, La decadencia de Estados Unidos, Luis Almagro, Nicarágua, Organização dos Estados Americanos (OEA), Manipulacion Politica, Organizacion e Estados Americanos (OEA), panamá, Politica, Politica Exterior, porto rico, relações bilaterais, o governo Donald Trump, Relações Estados Unidos Cuba, República Dominicana, Tiene Colombia moral para enjuiciar a Venezuela, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump | Deixe um comentário

Intervenção do Presidente de Cuba na XVIII Cúpula ALBA-TCP

Categories: # Venezuela, #ALBA, #América Latina, #Nicarágua, #Bolívia, #Venezuela, #Cuba, #America Latina, #colaboracion medica cubana, #Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #YoSoyFidel, ALBA, ALBA-TCP, Cuba, Fidel Castro Ruz, Hugo Chávez Frías, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, ALBA, com a bandeira de Bolívar e Martí, ALBA-TCP, Alianza Bolivariana de los Pueblos de Nuestra América-Tratado de Comercio de los Pueblos (alba-tcp, América Latina e do Caribe como Zona de Paz, América Latina y el Caribe, bolivia, BOLIVIA Evo Morales Fidel Castro Hugo Chávez, CELAC, Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños (CELAC), Cuba, Organización de Estados Americanos (OEA), Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), Cuba, fidel castro, Fidel Castro y Hugo Chávez., Hugo Chavez, presidência pró-tempore #Celac, sonhos de Fidel, XVI Cúpula de Chefes de Estado e de Governo da Aliança Bolivariana para os Povos do Nosso Tratado de Comércio dos Povos da América (ALBA-TCP), | Deixe um comentário

Cooperação, o principal desafio do mecanismo CELAC-UE

Autor: Nuria Barbosa León | internet@granma.cu

O apelo para preservar o vínculo entre a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) e a União Europeia (UE), e para evitar a exclusão de qualquer nação, essencialmente a Venezuela, centrou a intervenção do Ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, na Reunião Ministerial informal desse mecanismo multilateral.

De forma virtual, representantes de mais de 50 governos discutiram a necessidade de uma resposta conjunta ao COVID-19, o uso de novas tecnologias de informação e comunicação neste contexto, iniciativas de enfrentamento às mudanças climáticas, e cooperação multilateral na recuperação pós-pandemia.

Bruno Rodriguez celac ue

“As múltiplas crises agravadas pela COVID-19 e seus efeitos devastadores evidenciaram a urgência de intensificar a solidariedade e a cooperação internacional”, disse o Chanceler cubano, e a seguir explicou o grande desafio da ilha para superar os efeitos da pandemia , dada a intensificação do bloqueio econômico, comercial e financeiro dos Estados Unidos.

«Este mecanismo deve ser, a nosso ver, o quadro de coordenação de uma resposta bi-regional aos desafios impostos pela COVID-19, que permite a participação de todos os países da CELAC e da União Europeia, sem exclusões e sem ignorar a nossa diversidade e diferentes níveis de desenvolvimento ”, defendeu o ministro cubano na reunião convocada pela Alemanha, na qualidade de presidente da UE.

Os outros países também pediram apoio à Organização Mundial e Pan-Americana da Saúde, ajuda abnegada e colaboração.

O Ministro das Relações Exteriores do México, Marcelo Ebrard Casaubon, na qualidade de Presidente Pro Tempore da Celac, destacou as múltiplas coincidências entre os valores, prioridades e perspectivas dos participantes diante dos desafios globais; entretanto, o alemão Heiko Maas anunciou a criação de um instituto transnacional de luta contra as doenças infecciosas na América Latina.

Categories: # Cuba, # Venezuela, #ALBA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Fidel, #Nicaragua, #YoSoyFidel, ALBA, ALBA-TCP, Cuba, Fidel Castro Ruz, Hugo Chávez Frías, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, ALBA, com a bandeira de Bolívar e Martí, ALBA-TCP, ALBA-TP, Alianza Bolivariana de los Pueblos de Nuestra América-Tratado de Comercio de los Pueblos (alba-tcp, América Latina e do Caribe como Zona de Paz, América Latina e do Caribe,, AMERICA LATINA, ·Venezuela, bolivia, BOLIVIA Evo Morales Fidel Castro Hugo Chávez, Caracas, #Estados Unidos, Golpe de Estado, #Mike Pence, Militar, #Nicolás Maduro Moros, #Venezuela, Caribe Sul e Antilhas, Cúpula da ALBA-TCP, Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños (CELAC), Cuba, Organización de Estados Americanos (OEA), Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), Fidel Castro Ruz, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, Fidel Castro y Hugo Chávez., Hugo Chavez, MINREX, Raúl na inauguração da Cúpula ALBA-TCP:, solidariedade, sonhos de Fidel, XVI Cúpula de Chefes de Estado e de Governo da Aliança Bolivariana para os Povos do Nosso Tratado de Comércio dos Povos da América (ALBA-TCP), | Etiquetas: | Deixe um comentário

Discurso memorável de Hugo Chávez em Cuba há 26 anos.

Categories: #ALBA, #Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Fidel, #YoSoyFidel, ALBA, ALBA-TCP, Cuba, Fidel Castro Ruz, Hugo Chávez Frías, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, ·Venezuela, BOLIVIA Evo Morales Fidel Castro Hugo Chávez, Fidel Castro Ruz, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, Fidel Castro y Hugo Chávez., Hugo Chavez, sonhos de Fidel | Deixe um comentário

Peronista, amigo de Fidel Castro e admirador de ‘Che’ Guevara: as ligações de Maradona com o lado canhoto da política..

Retirado do RT.

Nascido em Villa Fiorito, bairro humilde da cidade portenha de Lomas de Zamora, o ídolo argentino Diego Armando Maradona, falecido nesta quarta-feira aos 60 anos, nunca esqueceu suas origens. “Cresci em um bairro particular de Buenos Aires. Privado de eletricidade, água, telefone”, disse ironicamente em 2004, em uma de suas frases mais memoráveis.

Peronista, amigo de Fidel Castro y admirador del 'Che' Guevara: Los vínculos de Maradona con el lado zurdo de la política

Talvez por isso, e apesar das fortunas que conquistou como jogador, sempre se expressou politicamente ao lado dos pobres, contra a desigualdade e a favor da justiça social.

É que, fora dos campos, Diego sempre se mostrou um homem com consciência de classe, comprometido com as ideias socialistas e, na Argentina, com o peronismo, com todas as suas complexidades.

As ideias do ídolo, que também provocam rejeição nos setores conservadores, não eram apenas conhecidas por suas próprias afirmações, mas marcadas na pele. No braço direito, o argentino usava e exibia com orgulho uma tatuagem do líder da Revolução Cubana, também o argentino Ernesto ‘Che’ Guevara.

Mas a ilha também foi unida por uma profunda amizade com Fidel Castro, que o recebeu em seu país para tratamento de saúde entre 2000 e 2005.

O destino faria com que morresse no mesmo dia que seu “comandante”, como Maradona chamava Castro, falecido em 25 de novembro de 2016.

Maradona e o Socialismo do Século XXI

Sua posição política também o aproximou de outros líderes latino-americanos, como o ex-presidente venezuelano Hugo Chávez, o líder boliviano Evo Morales, o ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva ou seus compatriotas Néstor Kirchner e Cristina Fernández de Kirchner.

O apoio apaixonado de Diego Armando aos dirigentes do chamado Socialismo do Século XXI o levou a compartilhar uma viagem de trem com Chávez e Morales, em 2005, quando se realizou a lembrada ‘contra cimeira’ ou III Cúpula na cidade de Mar del Plata. de los Pueblos, em que foi rejeitado o acordo de livre comércio, conhecido como ALCA, que excluía Cuba.

Esse evento foi organizado em oposição à Cúpula das Américas, da qual participou o ex-presidente dos Estados Unidos George Bush. “Tudo o que Fidel e Chávez fizerem será para mim a maior coisa neste mundo que o assassino de Bush, o demônio, quer governar, como lhe disse o professor”, apontou então um Maradona que jogava politicamente de esquerda.

Após a morte de Chávez, o argentino manteve sua relação com o governo bolivariano da Venezuela por meio de Nicolás Maduro, a quem inclusive ofereceu ajuda para enfrentar a crise.

Os ‘irmãos’ Evo e Diego

Com Evo Morales, o vínculo foi além da política e se estendeu ao esporte. Em 2008, o ex-campeão mundial no México de 1986 jogou uma partida no Estádio Olímpico de La Paz, exigindo que a proibição da FIFA de jogar partidas internacionais a mais de 2.750 metros acima do mar fosse suspensa.

No campo esportivo, sempre criticou a liderança do órgão regulador do futebol mundial. Suas acusações de corrupção nos mais altos escalões do órgão tiveram correlação com o escândalo do ‘portão da FIFA’, pelo qual vários ex-diretores foram condenados.

Em novembro do ano passado, o astro expressamente rejeitou o golpe na Bolívia em suas redes sociais. E o ex-presidente lamentou a morte de seu “irmão” na quarta-feira, como ele considerou de sua conta no Twitter.

Sempre peronista

Na Argentina, onde é venerado pela maioria por ter conduzido a Seleção Albiceleste à sua consagração máxima, o compromisso de Maradona com o progressismo suscita repulsa em alguns setores da direita, especialmente o antiperonismo, embora haja quem prefira separar sua posição ideológica do que Esportes.

“Fui, sou e serei sempre um peronista”, foi uma das últimas frases políticas do ex-técnico de Ginástica e Esgrima La Plata, por ocasião do Dia da Fidelidade que o movimento celebra todo dia 17 de outubro.

Seu apoio constante a Cristina Kirchner e ao atual presidente Alberto Fernández -com quem se reuniu em dezembro, logo após a posse-, bem como as duras críticas que fez ao ex-presidente Mauricio Macri, aumentaram o amor e o ódio de ambos os lados da chamada. ‘crack’ que divide os argentinos.

Fernández decretou nesta quarta-feira três dias de luto e disponibilizou a Casa Rosada para o maciço velório do maior ídolo esportivo da Argentina que ali se realizará, e da cidade de Nápoles, na Itália, onde os torcedores fizeram vigília para despedir o ‘ rei’.

Categories: #Argentina, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Fidel, #YoSoyFidel, AMLO, AMLO, Andrés Manuel López Obrador, estados unidos, México, zona franca, BOLIVIA Evo Morales Fidel Castro Hugo Chávez, Cuba, fidel castro, deporte, Deportes Mundiales, Evo Moraless, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, Fidel Castro y Hugo Chávez., Hugo Chavez, Nicolás Maduro Moros, Revolución Bolivariana, Venezuela | Etiquetas: | Deixe um comentário

Almagro reconhece seu papel no golpe de 2019 na Bolívia.

O Secretário-Geral da OEA reconheceu que atuou para finalizar a destituição de Evo Morales.

O Secretário-Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, reconheceu seu papel no golpe na Bolívia que ocasionou a saída forçada do governo do ex-presidente Evo Morales.

O Secretário-Geral da OEA @ Almagro_OEA2015 admitiu que atuou para impedir a reeleição de @evoespueblo na Bolívia. Em livro que será publicado amanhã, ele disse que apoiava Morales para se candidatar à reeleição em 2019 “para ganhar sua confiança” …. (HILO) @teleSURtv

Imagen

Por meio do livro “Luis Almagro não pede perdão”, o representante da organização internacional relata como apoiou Morales para se candidatar à reeleição em 2019 “para ganhar sua confiança”.

O texto é resultado de mais de 100 entrevistas e 20 horas com Almagro nas quais se descreve sua trajetória política. Entre os eventos políticos mais significativos relatados está a estratégia para “derrubar Evo Morales”, convencendo os Estados Unidos a se aliarem a sua posição para ir contra o governo venezuelano ou seu apoio a Dilma Rouseff.

Os autores do livro mostram que o papel de Almagro na saída de Morales foi parte de uma estratégia premeditada, que começou em 2017 e culminou na Missão de Observação Eleitoral da OEA para apresentar supostas irregularidades na contagem de votos em 2019 e impedindo assim a reeleição do presidente, o que incentivou o golpe militar perpetrado.

Em relação a Evo Morales e às eleições de 2019, Almagro destacou que “abrimos uma possibilidade que era que Evo ganhasse legitimamente. Foi o custo disso. Para mim isso era impossível, impossível. Evo ainda tinha menos votos do que no referendo, então não tinha forma. Então abrimos a possibilidade de que a oposição boliviana ganhasse legitimamente. E fechamos a possibilidade de Evo roubar a eleição. “

Categories: #Almagro, #Luis Almagro, #OEA,Luis Almagro, Almagro e a cloaca do império, bolivia, BOLIVIA Evo Morales Fidel Castro Hugo Chávez, Evo Moraless, OEA, Organizacion e Estados Americanos (OEA), Secretário Geral, Luis Almagro, Secretário-Geral da OEA, | Deixe um comentário

Eles condenam a ocupação ilegal de uma clínica cubana na Bolívia.

A organização amiga de Cuba lembrou que o edifício foi legalmente adquirido pelo Estado cubano.

O Movimento Boliviano de Solidariedade com Cuba condenou o ataque à Clínica Colaboradora, fato perpetrado “por oficiais do governo de fato em cumplicidade com o Departamento de Estado dos Estados Unidos”.

Ante el auge de la propagación de la enfermedad en Bolivia, Cuba cedió el uso del edificio en favor de los pacientes, pese a la arbitrariedad de la conducta del Gobierno de facto boliviano, y a que la Mayor de las Antillas no renuncia a la titularidad del inmueble.

Por meio de uma declaração, o grupo de solidariedade lembrou que, durante 12 anos, a missão médica cubana na Bolívia teve o trabalho de centenas de especialistas.

“Com o objetivo de fornecer atendimento adequado a essas pessoas, Cuba ergueu a Clínica Colaboradora na cidade de La Paz, equipada com tecnologia de ponta, de acordo com a excelência das práticas de saúde que esse país desenvolve”, acrescentou.

Ele denunciou que há alguns dias o estabelecimento foi agredido e invadido por oficiais de fato do governo, e disse que a agressão foi liderada por dois ministros, indicados pelas numerosas violações dos Direitos Humanos desde o golpe de novembro de 2019 na nação.

O Movimento garantiu que o assalto foi realizado como um espetáculo da mídia, com a desculpa de preocupação do governo sobre o avanço da pandemia de Covid-19 e a possibilidade de usar a referida clínica para combatê-lo.

“Esse é um argumento falacioso, já que, neste momento, é evidente a ineptidão, incompetência, incapacidade de administrar e negligência criminal do governo em relação à pandemia”, enfatiza o documento.

Nesse sentido, a organização condenou o ato e denunciou “a conduta repugnante dos ministros envolvidos” e lembrou à opinião pública que os bens dessa clínica pertencem ao Estado cubano.

Da mesma forma, ele valorizou a atitude e a resposta do Ministério das Relações Exteriores de Cuba, em sintonia com uma posição ética digna e solidária.

Em uma declaração recente, o Governo das Grandes Antilhas salientou que, sem renunciar à propriedade da clínica da Collaborator’s Clinic e aos direitos que ela presta como legítimo proprietário, disponibiliza ao povo boliviano seu uso para servir doente de Covid-19 enquanto durar a crise causada pela pandemia na Bolívia.

A Clínica fazia parte das 158 unidades de saúde em que, no âmbito do Acordo de Cooperação Técnico-Científica de 1985 na área da saúde entre os governos de Cuba e Bolívia e suas atualizações subsequentes, cerca de 18.000 profissionais de saúde Eles ofereceram ao irmão boliviano mais de 73 milhões de consultas médicas.

Na Bolívia, os colaboradores de saúde da ilha prestaram seus serviços em 34 Hospitais Comunitários Abrangentes, 119 Centros Comunitários Abrangentes e cinco centros oftalmológicos, distribuídos nos nove departamentos, 28 províncias e 42 municípios do país.

Categories: #América Latina, #Nicarágua, #Bolívia, #Venezuela, #Cuba, #Bolívia, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #Salud en Cuba, ·Medicos Cubanos, BOLIVIA Evo Morales Fidel Castro Hugo Chávez, CUBA-BOLÍVIA, epidemia, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Profesionales e la Salud, Uncategorized | Etiquetas: , , , , | Deixe um comentário

Eles avaliam o impeachment de Áñez por violar os direitos humanos dos compatriotas.

A secretária do Comitê de Direitos Humanos e Igualdade de Oportunidades da Câmara dos Deputados para o Movimento ao Socialismo (MAS), Sonia Brito Sandoval, disse nesta quarta-feira que está sendo avaliada a possibilidade de submeter o presidente de fato a julgamento político. , Jeanine Áñez, por violar o direito à vida, à saúde e à circulação dos compatriotas.

A declaração de Brito teve origem depois que o governo de fato ratificou sua decisão, pelo decreto 4.200, de manter as fronteiras fechadas e não permitir a passagem de aproximadamente 200 cidadãos bolivianos que estão na cidade de Huara, Chile, e na fronteira com Bolívia.

O argumento de Áñez é que permitir a entrada desses cidadãos bolivianos seria um “risco iminente” diante da possível disseminação do Covid-19 no território nacional.

Segundo o ministro da Defesa boliviano de fato, Luis Fernando López Julio, depois de uma visita à fronteira com o Chile, “o país será protegido ao fechar a fronteira adequadamente, 100% (…) cuidaremos da vida do grande maioria dos bolivianos ”.

Para o MAS e diferentes organizações sociais, essas declarações são contrárias à Constituição e violam o direito à vida dos 200 cidadãos que estão na fronteira, aguardando a ordem que lhes permite retornar às suas casas.

Sonia Brito@soniabrito07

Exigimos al gobierno de @JeanineAnez y @KarenLongaric la inmediata repatriación de nuestros hermanos bolivianos. La decisión inhumana y violatoria a los derechos humanos de no permitirlo será pasible a un juicio. Más aún cuando cierran fronteras a los pobres y abren a sus amigos

Durante seu discurso, a deputada Brito disse que “essa decisão parece absolutamente discriminatória, racista e desumana para nós, que não vamos admitir isso ao presidente. Se algo acontecer às pessoas que estão na fronteira, é de responsabilidade absoluta da senhora Áñez. “Além disso, ela esclareceu que é importante prestar assistência médica a essas pessoas para evitar possível contágio entre elas devido à pandemia que afeta muitos países do mundo.

Posteriormente, o prefeito de Colchane, uma cidade fronteiriça com a Bolívia no Chile, Javier García, criticou fortemente o presidente de fato, Áñez, pela falta de humanismo com seus cidadãos, lamentando “a fraca recepção de seus cidadãos e a falta de humanidade da humanidade”. autoridades do seu país “. Além disso, o presidente local destacou que essas pessoas estão dormindo ao ar livre em tendas, observando que menores, mulheres grávidas e idosos estão no local.

Até a presente data, o Ministério da Saúde boliviano registrou 115 casos positivos de Covid-19, sete pessoas falecidas e um paciente com alta.

Categories: #América Latina, #Nicarágua, #Bolívia, #Venezuela, #Cuba, #Bolívia, #Chile, #salud, BOLIVIA Evo Morales Fidel Castro Hugo Chávez, Chile, Derechos Humanos, epidemia, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Profesionales e la Salud, SALUD, Uncategorized | Etiquetas: , , , , | Deixe um comentário

O legado de Hugo Chávez ainda está em vigor na Venezuela e na América Latina.

El presidente venezolano Hugo Chávez, durante un mitin celebrado el 4 de octubre de 2012.

Este 5 de março marca sete anos do desaparecimento físico do líder da Revolução Bolivariana, Hugo Chávez, que deixou para trás um legado de luta e resistência que ainda está em vigor na Venezuela e na América Latina.

El presidente de Venezuela Hugo Chávez, se une a una manifestación progubernamental para conmemorar el aniversario de la democracia venezolana, en Caracas, en enero de 2002.

A resistência do povo venezuelano às constantes agressões dos Estados Unidos e de seus aliados regionais é um sinal da validade dos ideais humanistas e sociais do comandante Chávez.

Por meio de debates, discursos e ações políticas, Hugo Chávez estava construindo um projeto para transformar a sociedade venezuelana, buscando eliminar as estruturas do sistema capitalista e promovendo os valores do socialismo: liberdade, igualdade, solidariedade.

El presidente venezolano en la Asamblea General de las Naciones Unidas en septiembre de 2006.

Apesar da aplicação de medidas coercitivas, o governo venezuelano continuou com uma profunda agenda social iniciada pelo comandante Chávez em favor da maioria do povo venezuelano.

A continuidade de missões como Great Housing Venezuela, Barrio Adentro, a entrega de alimentos pelo comitê de suprimentos (CLAP), entre outras ações sociais, responde à profunda política social mantida nos mais de 20 anos da Revolução Bolivariana.

El presidente Venezolano, Hugo Chávez, hace el saque de honor en el partido inaugural de la Copa América entre Venezuela y Bolivia, el 27 de junio de 2007, en presencia del presidente Evo Morales y el futbolista retirado Diego Armando Maradona.

Em sua caminhada, Chávez não apenas despertou a consciência do povo da Venezuela, mas também abraçou os povos da região, semeando um legado de unidade e paz na América, ao despertar o sonho de Simón Bolívar, que permanece até o dia de hoje

Como na Venezuela, os protestos sociais no Chile contra o modelo neoliberal promovido pelo presidente Sebastián Piñera são outro exemplo claro de como, sete anos após sua morte, o apelo de Chávez a se opor a modelos antissociais permanece em vigor.

El presidente de Paraguay Fernando Lugo y Hugo Chávez, durante un festival en Asunción en Agosto de 2008.

As recentes mobilizações na Colômbia e no Equador exigindo profundas reformas políticas e econômicas de seus governantes são um reflexo de como o ideal de Hugo Chávez se acalmou nos povos latino-americanos que mantêm sua luta por uma sociedade mais equilibrada, sem uma diferença entre ricos e pobres.

Durante o governo do argentino Mauricio Macri, houve manifestações e protestos contra as políticas neoliberais que minaram as melhorias sociais alcançadas nos anos do quirchnerismo.

Los presidentes de Venezuela, Hugo Chávez; Bolivia, Evo Morales; Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, y Ecuador, Rafael Correa (de izquierda a derecha), posan para la fotografía oficial de su encuentro el 30 de septiembre de 2008, en Manaos (Brasil), donde celebraron una cumbre.

A constante manifestação na Argentina nos últimos quatro anos também responde ao chamado de Hugo Chávez para enfrentar o modelo capitalista.

Sete anos após a partida física de Chávez, aqueles que continuam a denunciar os excessos do modelo capitalista e condenam o intervencionismo norte-americano continuam a lembrar as palavras do líder da Revolução Bolivariana.

El presidente de Venezuela, Hugo Chávez, juega con unos niños, durante la emisión número 343 de su programa dominical de radio y televisión "Aló Presidente" en Caracas (Venezuela), en noviembre de 2009.

Categories: # Venezuela, #Venezuela, #Venezuela, #Nicaragua, A Venezuela que a mídia nos diz, ALBA, ALBA-TCP, Cuba, Fidel Castro Ruz, Hugo Chávez Frías, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, BOLIVIA Evo Morales Fidel Castro Hugo Chávez, COMANDANTE CHAVEZ, Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, Soberania, Venezuela, EE. UU insiste em desestabilizar a Venezuela, Estados Unidos Venezuela, Fidel Castro y Hugo Chávez., Hugo Chavez, MNOAL_Venezuela, Uncategorized | Etiquetas: , , , | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: