A Globalização Neoliberal em Crise .

#EconomiaMundial #GlobalizacionNeoliberal #EstadosUnidos #China #ReinoUnido #Brexit

Por: Álvaro García Linera

Estamos a viver a articulação imprevista de quatro crises que se reforçam mutuamente: uma crise médica, uma crise económica, uma crise ambiental, e uma crise política. Uma situação de enorme perplexidade e angústia. A sociedade e o mundo parecem ter perdido o seu rumo, a sua direcção, o seu destino. Ninguém sabe o que vai acontecer a curto e médio prazo, nem ninguém pode garantir se vai haver um novo surto ou se vai surgir um novo vírus, se a crise económica se vai intensificar, se vamos sair dela, se vamos ter empregos ou poupanças. Isto leva a uma paralisia do horizonte preditivo, não só nos filósofos, o que é normal, mas nas pessoas comuns, nos cidadãos, nas pessoas que vão ao mercado, nos trabalhadores, operários, camponeses, pequenos comerciantes. O horizonte preditivo é a capacidade imaginada de nos propormos coisas a médio prazo, coisas que muitas vezes não acontecem, mas que guiam a nossa acção e o nosso comportamento. O horizonte preditivo decompôs-se, desintegrou-se. Ninguém sabe o que vai acontecer.

A suspensão do tempo
É neste sentido que proponho a categoria de “tempo suspenso”. Ainda que as coisas aconteçam, ainda que surjam conflitos, problemas, novidades, todos os dias vivemos uma suspensão do tempo. Há um movimento de tempo quando há um horizonte, quando podemos pelo menos imaginar para onde estamos a ir, para onde estamos a ir. É uma experiência muito dolorosa, uma nova experiência que estamos a viver, no sentido de que não há direcção a seguir, o que é angustiante.

A suspensão do tempo traz consigo um conjunto de sintomas e consequências. O primeiro destes é o que poderíamos chamar “um crepúsculo epocal”. O mundo assiste ao encerramento prolongado, conflituoso e agonizante da globalização neoliberal. Estamos num processo emergente de desglobalização económica que tem vindo a ganhar ritmo, mas que começou há cinco ou dez anos atrás em encaixes e arranques. A primeira vaga da globalização teve lugar no século XIX, até ao início do século XX, e a segunda no final do século XX, entre 1980 e 2010. Esta segunda onda de globalização entrou num processo de desestruturação parcial, um processo de desglobalização económica parcial. Há quatro factos que sustentam esta hipótese:

Em primeiro lugar, o comércio mundial teve uma taxa de crescimento, entre 1990 e 2012, duas a três vezes superior à taxa de crescimento do PIB mundial. De 2013 a 2020 é inferior ou, na melhor das hipóteses, igual à taxa de crescimento do PIB. O comércio, o carro-chefe dos mercados globalizados, diminuiu, de acordo com relatórios da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

O SEGUNDO FACTO É QUE OS FLUXOS DE CAPITAIS TRANSFRONTEIRIÇOS, QUE ENTRE 1989 E 2007 TINHAM CRESCIDO DE 5% PARA 20% DO PIB MUNDIAL, CAÍRAM PARA MENOS DE 5% ENTRE 2009 E HOJE.

O terceiro facto é a saída da Grã-Bretanha da União Europeia, o Brexit, que estabeleceu um limite para a expansão, pelo menos no lado ocidental, desta articulação do mercado, da economia e da política europeia. Por seu lado, os Estados Unidos, com a administração Trump, estão a iniciar um processo gradual de repatriação de capital sob o lema “América Primeiro”. Na sua administração, Trump lançou uma guerra comercial contra a China, mas também contra o Canadá e depois contra a Europa. Ele libertou velhos fantasmas de segurança nacional para tentar impedir a China de assumir a liderança global e controlar a rede 5G. Além disso, a COVID-19 acelerou os processos de reagrupamento das cadeias de valor essenciais, de modo a não repetir os processos que ocorreram na Europa quando, entre países supostamente pertencentes ao mesmo sindicato, lutaram na fronteira por causa de respiradores e material médico. Este controlo permite-lhes não depender de fornecimentos da China, Singapura, México ou Argentina, ou de qualquer outro país. Assim, temos um cenário paradoxal com a China e a Alemanha aliados do comércio livre e os Estados Unidos e a Grã-Bretanha aliados de uma visão proteccionista da economia e do mundo. Nos anos 80, estes dois últimos países lideraram a onda de globalização com Ronald Reagan e Margaret Thatcher, e agora são os seus líderes que lideram uma visão proteccionista e os comunistas, liderados pela China, que apelam a todo o mundo para que abra fronteiras e não impeça a globalização de parar.

Uma última informação sobre esta desglobalização parcial que estamos a viver é o documento que acaba de ser publicado pelo Fundo Monetário Internacional. Há um monitor fiscal e um relatório sobre a economia mundial que apresenta um conjunto de recomendações que são surpreendentes, paradoxais e até engraçadas vindas do FMI: “os prazos da dívida pública devem ser alargados”. Por outras palavras, propõem que os países não paguem a sua dívida pública, que prolonguem e estabeleçam mecanismos de reembolso para os anos seguintes. Não esquecer que foram o FMI, juntamente com Merkel e Deutsche Bank, que se impuseram à Itália, depois à Irlanda e finalmente à Grécia, para os forçar a assumir os seus compromissos de dívida. O relatório sugere “aumentar os impostos progressivos sobre os mais ricos”, não é o programa de um partido de esquerda radical, é a recomendação do FMI. Também propõe impostos “sobre as propriedades mais caras, sobre as mais-valias, e sobre a riqueza”, o que é ainda mais radical do que algumas das propostas que têm sido apresentadas por grupos de esquerda no continente. Continua para “modificar a tributação das empresas para garantir o pagamento de impostos”. Por outras palavras, ele apela a ser mais arrojado e a modificar o sistema fiscal porque há muitas pessoas ricas que fugiram aos impostos. Encerra com uma sugestão de tributação internacional da economia digital, apoio prolongado ao rendimento dos trabalhadores deslocados e aumento do investimento público. Este é um programa de reforma que há um ano era impensável, era uma heresia vinda destes organismos internacionais que funcionam como cérebros do capitalismo global.

Isto está a marcar uma mudança no zeitgeist. Alguma coisa está a mudar. Foi-se o livro de receitas da austeridade fiscal, a ameaça de que afugentar os ricos através da sua tributação nos fará perder riqueza e empregos. Há uma modificação dos parâmetros epistemológicos com que este sector do capital global estava a olhar para o que está para vir em termos desta articulação da crise ambiental, médica, económica e social. Evidentemente, há um medo de classes perigosas e explosões sociais que está a levar a uma mudança de 180º nas posições de política económica promovidas por estes ideólogos do capitalismo global, e que tinham comandado todo o neoliberalismo desde os anos 80 até 2020, em termos de redução do Estado, investimento público, impostos sobre os ricos e apoio social aos trabalhadores. Não sabemos se será temporário, mas trata-se de uma mudança substancial.

A erosão da hegemonia neoliberal conservadora
Um segundo efeito deste tempo suspenso é o que podemos qualificar como um estupor e cansaço da hegemonia neoliberal conservadora implementada nos últimos 40 anos. Não é que tenha acabado, pode durar um bom tempo mais, mas perdeu a sua capacidade de regeneração, de irradiar impulso e de articular esperanças. O neoliberalismo é mantido pela inércia, pela força da herança passada. Podemos ver isto na crise dos instrumentos que tinham sido fetichizados para organizar o futuro.

O neoliberalismo utilizou três instrumentos para criar uma narrativa, um imaginário, falso de facto, mas acreditado por muitas pessoas sobre quem organizou o futuro: o mercado, a globalização e a ciência. O mercado globalizado demonstrou que não é um tema coeso. Face à crise do vírus e à propagação de contágios, nenhum mercado fez nada. Pelo contrário, os mercados escondiam as suas cabeças como avestruzes e o que emergiu como única e última instância de protecção social foram os Estados. A globalização, enquanto ideologia de modernização, melhoria da vida e expansão ilimitada de oportunidades, já não tem a capacidade de conter o descontentamento, organizar os medrosos e acalmar as preocupações dos ansiosos. A ciência, que foi imaginada e deturpada como tendo poder ilimitado e capacidade infinita para transformar e resolver os problemas da humanidade, está agora a mostrar os seus limites. Há coisas que nós humanos não podemos resolver, confrontar ou superar, o resultado das nossas próprias acções. A ciência também tem um horizonte epocal; pode resolver muitas coisas e não outras. É preciso muito tempo, esforço, recursos e mudança de comportamento para que a ciência seja capaz de enfrentar e resolver os problemas que estamos a causar, especialmente devido à forma como temos rompido metabolicamente, orgânica e racionalmente a nossa relação com a natureza.

Tudo isto significa que a hegemonia neoliberal perdeu o seu optimismo histórico. Já não se apresenta ao mundo como portador de certezas imaginadas, horizontes plausíveis, conquistáveis e realizáveis a médio prazo. As certezas imaginadas do futuro foram estilhaçadas e este é agora o novo senso comum. Ninguém pode agora dizer qual é o destino da humanidade. A humanidade nunca tem um destino, é sempre uma incerteza, mas o que as grandes hegemonias fazem é criar um destino imaginário para a humanidade. As ideologias e hegemonias têm uma faculdade performativa: a capacidade de criar aquilo que enunciam. É esta capacidade que a hegemonia neoliberal planetária perdeu porque já não tem força para suscitar entusiasmo, para criar aderência duradoura, ou para propor um horizonte viável no tempo. É um momento de fadiga e estupor hegemónico, um momento que permite uma nova materialidade de hegemonia, que se torna porosa. Já não se apresenta como um fluxo imbatível que vai para um lado, mas como águas estagnadas, onde outros tipos de substâncias, outros tipos de elementos se infiltram. Por conseguinte, estas águas estagnadas de hegemonia conservadora falam da paralisia do horizonte preditivo. Repito: não é o fim nem do neoliberalismo económico nem da hegemonia neoliberal. É um momento de fadiga, esgotamento e enfraquecimento que pode arrastar-se durante anos, com cada vez mais dificuldades, com menos irradiação, com menos entusiasmo, com menos capacidade de gerar aderência duradoura e legitimidade activa.

Discriminação do consenso político e económico neoliberal
A terceira característica deste declínio é a quebra do consenso político e económico neoliberal. Desde a década de 1980, a hegemonia neoliberal foi capaz de se desenvolver nas esferas económica e discursiva porque fundiu duas coisas: economia de mercado livre e democracia representativa. Isto deu-lhe uma grande força. Houve um feedback entre o horizonte económico que procurou encolher o Estado, entregar bens públicos a actores privados, regular e fragmentar a força de trabalho, reduzir salários e direitos, com um sistema de democracia representativa. Após a queda do Muro de Berlim e o comunismo como alternativa à sociedade capitalista, todas as elites, quer à esquerda quer à direita, tinham optado pelo neoliberalismo, com um sentido um pouco mais social ou mais empresarial, porque partilhavam o mesmo horizonte sobre o destino da humanidade.

Após 40 anos, este núcleo de economia de mercado livre e democracia representativa começa a deslocar-se e a dissociar-se, à medida que emerge um neoliberalismo cada vez mais enraivecido. Esta é uma das características da época. Todos os anos vamos repensar a proposta neoliberal, cada vez mais enfurecida, autoritária, racista, xenófoba, antiliberal, anti-feminista, cada vez mais vingativa, cada vez mais fascista. Foi isto que aconteceu na América Latina e noutras regiões do mundo. O caso do golpe na Bolívia, a situação no Brasil, nos Estados Unidos, na Polónia e em muitos outros países. Existe um neoliberalismo cada vez mais autoritário, como forma de se entrincheirar, quando as suas forças e a sua capacidade de atracção estão a enfraquecer.

Além disso, pela primeira vez, a democracia começa a apresentar-se como um entrave às perspectivas neoliberais. O optimismo dos anos 80 foi perdido e as bandeiras democráticas são agora vistas com desconfiança porque existe uma divergência entre as elites. Ou seja, por um lado, há elites que defendem a continuação do neoliberalismo: enriquecer os ricos, virar os pobres de cabeça para baixo, continuar a privatizar e manter a austeridade fiscal; e, por outro lado, há elites e blocos sociais dispostos a implementar outras políticas mais híbridas: preocupar-se com os pobres, repensar as questões da propriedade, fiscalidade, dar poder aos comuns, entre outras questões. Esta divergência e a falta de um horizonte comum de expectativas preocupa as elites neoliberais, que começam a ver a própria democracia e os processos eleitorais com desconfiança, suspeição e distância.

Tendências da suspensão do tempo no futuro imediato
Neste tempo suspenso e ruptura do horizonte preditivo podemos identificar quatro tendências para o futuro imediato.

O primeiro está a ter lugar no debate nos grandes grupos de reflexão do capitalismo mundial: a revitalização do Estado como tema principal. Isto está a acontecer de duas maneiras. A primeira é a revitalização da utilização de recursos públicos para mitigar perdas ou expandir os lucros das empresas. Esta é a velha modalidade neoliberal que procura encolher o Estado, mas alargar a sua riqueza com bens comuns que estão sob controlo ou propriedade do Estado. Actualmente, o dinheiro público está a ser utilizado para comprar acções em grandes empresas cuja produção ou comercialização tem sido afectada pelo confinamento dos últimos meses.

De acordo com um relatório do Fundo Monetário Internacional, em Outubro de 2020, as economias avançadas tinham utilizado capital estatal equivalente a 11% do seu PIB em empréstimos e garantias, e 9% em despesas adicionais. Por outras palavras, economias avançadas como os Estados Unidos, Inglaterra, Espanha, Itália, Alemanha, Noruega, Suécia, Dinamarca, Japão ou Canadá utilizaram entre 15% e 20% do seu PIB para comprar acções de empresas, nacionalizar as perdas empresariais, conceder crédito aos bancos ou amortecer as reduções de lucros empresariais. Isto é uma revitalização do Estado, mas em termos de monopólios privados.

Outra forma de revitalização que também luta para emergir é a do Estado na sua dimensão comunitária, procurando protecção social, melhorando os salários, expandindo os direitos, aumentando o investimento público, protegendo os mais fracos, investindo na saúde e educação, criando empregos, ou nacionalizando empresas privadas para gerar recursos públicos para a população.

Cada estado tem estas duas dimensões. Como Marx salienta, “o Estado é uma comunidade ilusória”, que tem a dimensão de bens comuns (riqueza é um bem comum, impostos são um bem comum, identidades são bens comuns), mas são bens comuns de administração monopolista. O que as forças conservadoras estão a fazer é utilizar os bens comuns para benefício privado, através do reforço do monopólio do Estado; enquanto as forças sociais progressistas estão a lutar pela expansão do Estado como uma comunidade com bens a serem distribuídos e utilizados pela maioria da população. De que forma o Estado se inclina dependerá das lutas sociais, da capacidade de mobilização, da governação através do parlamento e nas ruas, da acção colectiva, e assim por diante.

Uma segunda tendência do momento presente é a utilização do excedente económico de cada sociedade. Nos próximos meses e anos, as lutas sociais, políticas e ideológicas irão aumentar entre diferentes partidos, conglomerados, grupos de pressão, classes e movimentos sociais para determinar quem irá beneficiar dos escassos recursos públicos. Com necessidades muito grandes e bens escassos, será que o sector empresarial, o trabalhador, o camponês, o trabalhador, a classe média, a burocracia, os proprietários de terras, os proprietários de terras ou os banqueiros beneficiarão? Os Estados estão a endividar-se uma ou duas gerações à frente e estão a emitir mais dinheiro para que haja circulação e movimento económico. Isto dá origem a duas disputas: sobre a utilização deste dinheiro e sobre quem vai pagar por ele.

A terceira tendência é o que podemos definir como a abertura cognitiva da sociedade. À medida que as velhas certezas se tornam mais rudimentares e rudimentares, e que o horizonte preditivo da sociedade neoliberal se estreita, as pessoas começam a abrir a sua capacidade e vontade de receber novas ideias, crenças e certezas. Os seres humanos não podem permanecer indefinidamente sem horizontes preditivos mais ou menos estáveis, a médio prazo. É uma necessidade humana porque precisamos de “aterrar”, precisamos de ancorar a projecção das nossas vidas, acções, trabalho, esforços, poupanças, apostas académicas e amorosas num tempo mais ou menos previsível. Quando isto não acontece, procuramo-lo onde pudermos. Esta é a base para a emergência de propostas muito conservadoras e quase fascistas, que é o que está a acontecer em alguns países do mundo. Na Bolívia, os derrotados das eleições foram rezar lá, foram ajoelhar-se em frente ao quartel para pedir aos militares que assumissem o governo. A saída ultraconservadora e fascista reuniu todas as pessoas envolvidas no golpe de estado: Añez, Carlos Meza, Tuto Quiroga, a Organização dos Estados Americanos, OEA. Isto é algo que nunca tinha acontecido antes no continente, nem mesmo nos anos 70, no continente. Agora vemos estas imagens patéticas do abandono da racionalidade política para apelar a este tipo de saída.

A quarta tendência são os gigantescos desafios para as forças progressistas e esquerdistas do planeta para enfrentar a gravidade deste horizonte preditivo quebrado e diluído. Mencionarei simplesmente as seis questões que qualquer proposta deve abordar ao assumir a batalha pelo senso comum e pelo horizonte preditivo da sociedade nos próximos meses e anos:

  1. A democratização política e económica, e as suas diferentes variantes. Isto é o que alguns chamam a possibilidade do socialismo democrático.
  2. A luta contra a exploração, incluindo não só a distribuição da riqueza, mas também a democratização das formas de concentração da grande propriedade.
  3. A desracialização e descolonização das relações sociais e dos laços entre os povos e entre indivíduos dentro das organizações.
  4. Os processos de despatriarcalização e de recuperação da soberania das mulheres sobre a gestão dos seus corpos e das suas relações.
  5. Um ambientalismo social que não olha para a natureza como um parque, mas vê a natureza na sua relação com a sociedade. Requer uma abordagem que restabeleça o metabolismo racional entre o homem e a natureza, tendo em conta a satisfação das necessidades básicas das pessoas mais pobres, dos pobres e dos trabalhadores.
  6. Um internacionalismo renovado. Os desafios que a esquerda e as forças progressistas enfrentam nos próximos anos residirão na sua capacidade de promover propostas cada vez mais radicais de democratização política e económica.

Creio que estamos certamente a enfrentar tempos sociais muito chocantes. Paradoxalmente, apesar de estarmos a falar de um tempo paralisado, uma série de lutas, convulsões e instabilidades permanentes estão a desenvolver-se local e tacticamente que indicam que as vitórias do lado conservador e as vitórias do lado progressista ou da esquerda também não vão durar. É uma época em que nada durará muito tempo. Cada vitória das forças conservadoras será de pés curtos e poderá entrar em colapso, e cada vitória das forças esquerdistas poderá ser de pés curtos se não souber corrigir erros e promover um conjunto de ligações com a sociedade.

Este é o conjunto de ideias que gostaria de partilhar convosco sobre o nosso tempo presente.

(Extraído da Página 12)

ESTE TEXTO É UMA ADAPTAÇÃO DA PALESTRA QUE ÁLVARO GARCÍA LINERA DEU NO CURSO “ESTADO, POLÍTICA E DEMOCRACIA NA AMÉRICA LATINA”, ONDE FOI APRESENTADO POR VICTOR SANTA MARÍA. A PALESTRA COMPLETA PODE SER ENCONTRADA EM:

O CURSO INTERNACIONAL “ESTADO, POLÍTICA E DEMOCRACIA NA AMÉRICA LATINA” É UMA INICIATIVA DIRIGIDA A ACTIVISTAS E ACTIVISTAS SOCIAIS, FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS, PROFESSORES, ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS, INVESTIGADORES, SINDICALISTAS, LÍDERES DE ORGANIZAÇÕES POLÍTICAS E NÃO GOVERNAMENTAIS, TRABALHADORES DA IMPRENSA E QUALQUER PESSOA INTERESSADA NOS DESAFIOS DA DEMOCRACIA NA AMÉRICA LATINA E NAS CARAÍBAS. FOI PROMOVIDO PELO GRUPO PUEBLA, O OBSERVATÓRIO LATINO-AMERICANO DA NOVA UNIVERSIDADE ESCOLAR, O PROGRAMA LATINO-AMERICANO DE EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E UMET. FOI ORGANIZADO PELA ESCOLA DE ESTUDOS LATINO-AMERICANOS E GLOBAIS, ELAG, E FOI APOIADO PELA PÁGINA12.

Extraído de Granma

A UE e o Reino Unido procuram resolver as falhas nos controles de fronteira entre os dois Irlandasm.

#World #ReinoUnido #UnionEuropea #Brexit #Covid-19 #Vacunas #IrlandaDelNorte #MichelBarnie

Mudanças na relação entre o Reino Unido e a UE entram em vigor após o Brexit .

#RTenEspañol #Brexit #ReinoUnido

Comissão do Parlamento Europeu aprova o acordo Brexit

A Comissão de Assuntos Constitucionais do Parlamento Europeu votou nesta quinta-feira, por maioria, a favor do acordo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (UE), brexit.

Con 23 votos a favor y tres en contra, este resultado significa el inicio del proceso interno para que el Parlamento Europeo apruebe el acuerdo.

Com 23 votos a favor e três contra, esse resultado significa o início do processo interno para a aprovação do acordo pelo Parlamento Europeu, alguns dias após a partida prevista para 31 de janeiro, com um período de transição até 31 de dezembro de 2020.

Após a aprovação do Parlamento britânico na quarta-feira e a ratificação da rainha Elizabeth II na quinta-feira, o acordo tornou-se oficialmente uma lei.

Para sexta-feira, o acordo deverá ser assinado pelos chefes do Conselho Europeu e da Comissão Europeia, enquanto o Parlamento Europeu deve aprová-lo em 29 de janeiro.

Os deputados alertaram que a sua decisão até essa data levará em conta a experiência adquirida e as garantias dadas em relação à aplicação das disposições em matéria de direitos dos cidadãos.

Para que o acordo seja válido, ele deve receber a aprovação do Parlamento Europeu por maioria dos votos expressos e será anunciado em 29 de janeiro, após a mini sessão plenária.

Os conservadores liderados por Boris Johnson ganhar a eleição com a promessa de completar o Brexit Publicado:

O Partido Conservador do Reino Unido, presidido pelo primeiro-ministro Boris Johnson, conquistou a maioria dos votos nas eleições e ocupa pelo menos 326 cadeiras dos 650 da Câmara dos Comuns.

Essas eleições não foram tanto de ‘histórias’ contra o Partido Trabalhista, mas de ‘desistências’ contra ‘permanentes’ na questão do Brexit. Isso não significa, no entanto, que os votos de quinta-feira possam ser considerados puramente um novo referendo no Brexit ou uma repetição virtual do referendo, já que diferentes partidos oferecem posições diferentes sobre o assunto e a votação é distribuída de forma mais complexa. .

Johnson procurou obter a saída do Reino Unido da União Europeia em 31 de janeiro, enquanto o líder trabalhista Jeremy Corbyn propôs renegociar os termos do Brexit com a UE e repetir o referendo.

Além do Brexit
Embora a desconexão do Reino Unido da UE seja uma questão central, decisiva e completamente inevitável nessas eleições, há outras questões em discussão, às quais foi prestada atenção durante a campanha.

Um deles é a defesa do NHS (Serviço Nacional de Saúde), o serviço nacional de saúde do Reino Unido, no âmbito de negociações com outros países. Especificamente, eles acusam Boris Johnson de estar disposto a “vender” a saúde pública a investidores estrangeiros, no contexto de uma negociação hipotética com os EUA. frente ao estabelecimento de sua política de comércio exterior. Johnson, enquanto isso, nega veementemente essa acusação e a atribui a uma suposta manobra dialética do líder trabalhista para escapar da ambiguidade de sua posição contra o Brexit.

O aquecimento global e a emergência ecológica envolvida também marcaram a campanha eleitoral britânica. Enquanto a maioria dos partidos exibe suas propostas para combatê-lo, os Conservadores e o Partido Brexit evitaram o assunto.

Essa atitude ilusória foi retratada na ausência de ambas as formações em um debate sobre mudanças climáticas organizado por uma televisão britânica. Os púlpitos reservados para esses representantes na televisão estavam simbolicamente ocupados com esculturas de gelo que derreteram com o progresso do debate, em uma alegoria visual significativa que se referia ao derretimento das calotas polares.

Votos táticos, tédio e divisão contra o Brexit: um guia para não se perder nas eleições decisivas no Reino Unido

Nesta quinta-feira, os britânicos decidem seu futuro político nas eleições em que o Brexit importa mais do que a ideologia de cada partido.

Votos tácticos, hastío y división frente al Brexit: guía para no perderte en las decisivas elecciones en el Reino Unido

Bandeiras do Reino Unido fora do Palácio de Westminster, Londres, em 1 de outubro de 2019.
Steve Taylor / http://www.globallookpress.com

O Reino Unido realiza eleições em um dos períodos mais polêmicos de sua história recente e em meio a um clima social polarizado pelo Brexit e marcado pelo cansaço da cidadania britânica pela incapacidade de seus líderes resolverem o congestionamento em suas relações. com a União Européia.

Portanto, grande parte dos britânicos comparecerá às urnas na quinta-feira de olho em Bruxelas e com a intenção de depositar o que os analistas locais chamam de “votação tática”, ou seja, para apoiar o partido que oferece seu apoio. solução favorita para o problema do Brexit, qualquer que seja sua ideologia.

Devido a essa circunstância, essas eleições não serão reduzidas a um confronto majoritário clássico entre conservadores e trabalhistas (pelo menos em termos tradicionais), nem servirão para medir as forças de esquerda e direita no país: que serão resolvidas principalmente em Esta consulta com as pesquisas é a posição predominante em relação ao Brexit. Em outras palavras, não serão outras eleições “conservadoras” contra o Partido Trabalhista, mas sim “abandono” contra os “remanescentes”.

Manifestantes a favor do Brexit em Londres (Reino Unido). 31 de outubro de 2019
Henry Nicholls / Reuters

Isso não significa, no entanto, que os votos de quinta-feira possam ser considerados puramente um novo referendo no Brexit ou uma repetição virtual do referendo, já que diferentes partidos oferecem posições diferentes sobre o assunto e a votação é distribuída de forma mais complexa. .

Além do Brexit
Embora a desconexão do Reino Unido da UE seja uma questão central, decisiva e completamente inevitável nessas eleições, há outras questões em discussão, às quais foi prestada atenção durante a campanha.

Um deles é a defesa do NHS (Serviço Nacional de Saúde), o serviço nacional de saúde do Reino Unido, no âmbito de negociações com outros países. Especificamente, do Partido Trabalhista eles acusam o atual presidente, o conservador Boris Johnson, de estar disposto a “vender” a saúde pública a investidores estrangeiros, no contexto de uma negociação hipotética com os EUA. frente ao estabelecimento de sua política de comércio exterior. Johnson, enquanto isso, nega veementemente essa acusação e a atribui a uma suposta manobra dialética do líder trabalhista para escapar da ambiguidade de sua posição contra o Brexit.

Primeiro-ministro e candidato conservador Boris Johnson em Uttoxeter (Reino Unido), em 10 de dezembro de 2019.
Toby Melville / Reuters

O aquecimento global e a emergência ecológica envolvida também marcaram a campanha eleitoral britânica. Enquanto a maioria dos partidos exibe suas propostas para combatê-lo, os Conservadores e o Partido Brexit evitaram o assunto.

Essa atitude ilusória foi retratada na ausência de ambas as formações em um debate sobre mudanças climáticas organizado por uma televisão britânica. Os púlpitos reservados para esses representantes na televisão estavam simbolicamente ocupados com esculturas de gelo que derreteram com o progresso do debate, em uma alegoria visual significativa que se referia ao derretimento das calotas polares.

Principais partidos e candidatos
As formações com mais possibilidades de monopolizar uma quantidade significativa de votos nessas próximas eleições são as seguintes:

Partido Conservador: atualmente este partido de centro-direita tem maioria na Câmara dos Comuns, tendo conquistado 318 dos 650 assentos nas eleições de 2017. Seu líder, Boris Johnson, é o atual primeiro-ministro do país e sua principal proposta para A próxima legislatura é sintetizada no slogan de sua campanha eleitoral: ‘Get Brexit Done’, isto é, materializa o Brexit e, especificamente, em 31 de janeiro.

Partido Trabalhista: Tradicionalmente considerado o principal partido de esquerda no Reino Unido, é também a força de oposição mais importante, com 262 representantes em Westminster. Seu líder, Jeremy Corbyn, agora propõe renegociar o Brexit com a União Europeia e repetir o referendo, no qual seu partido manteria uma posição neutra.

Líder trabalhista Jeremy Corbyn em Middlesbrough (Reino Unido) em 11 de dezembro de 2019.

Gonzalo Fuentes / Reuters
Partido Liberal Democrático: herdeiros históricos dos fundadores do liberalismo político, os chamados ‘whigs’ são apresentados a essas eleições lideradas pelo candidato Jo Swinson, que reivindica vigorosamente a permanência na UE e é apresentado às eleições sob o lema ‘Stop Brexit ‘ Sua atual representação parlamentar tem 19 assentos.
The Brexit Party: O nome dessa formação, fundada em 2019 e liderada por Nigel Farage, não deixa dúvidas sobre seu forte euroceticismo. Ele se apresenta a essas eleições depois de vencer as eleições europeias e monopolizar 29 dos 73 assentos designados para o Reino Unido na Eurocamara, mas em nível nacional ele decidiu não aparecer nos círculos eleitorais em que os conservadores de Boris Johnson têm grandes chances de ganhar (que em juntos, eles somam metade da terra nacional), o que reduzirá significativamente a porcentagem de votos que recebem em 12 de dezembro.
Partido Verde da Inglaterra e País de Gales: Esta formação ambiental liderada por Caroline Lucas e Jonathan Bartley é declarada favorável a um projeto de integração europeia e, portanto, contrária ao Brexit. No entanto, em um momento de crise ecológica exacerbada e com uma ameaça climática declarada em todas as instâncias científicas competentes, suas prioridades programáticas são diferentes. Atualmente, eles têm apenas um representante na Câmara dos Comuns.
Partido Nacional Escocês: Partido social-democrata e nacionalista, atualmente possui 35 dos 59 assentos que a Câmara dos Comuns reserva para a Escócia e, de fato, é a terceira força política no Reino Unido. Atualmente, eles defendem claramente a permanência na União Europeia, enquanto apoiam a realização de um novo referendo em todo o Reino Unido.
Plaid Cymru: Este partido de independência galês, liderado por Adam Price, sempre fez campanha para evitar o Brexit, pois considera altamente prejudicial para os interesses de seu país. Atualmente, eles têm uma representação de 4 deputados no Parlamento britânico.
Partido Sindicalista Democrático (da Irlanda do Norte): É a quarta força política no Reino Unido, a uma curta distância dos liberais-democratas, e a maior formação da Irlanda do Norte. Liderado por Arlene Foster, este partido advoga um acordo “sensato” para respeitar o resultado do referendo Bréxit de 2016.
O que dizem as pesquisas?
O favorito claro para vencer essas eleições é o candidato conservador Boris Johnson, que foi, aliás, quem lançou seu chamado em 29 de outubro. A maioria das pesquisas dá mais de 40% dos votos e uma vantagem de 10 a 14 pontos sobre seu concorrente imediato, o Labor Jeremy Corbyn. As últimas pesquisas dão cerca de 30% dos votos.

Para os democratas liberais, apesar do entusiasmo de seu líder Jo Swinson (que insiste em aspirar a presidir o país), as pesquisas não detêm mais de 14% dos votos.

O Partido Brexit e o Partido Verde já parecem muito fora do gancho, aos quais as previsões concedem um baixo 3% ou 4% do apoio do eleitorado.

Sessão parlamentar na Câmara dos Comuns em Londres (Reino Unido), 19 de outubro de 2019
Reuters

Em termos de representação parlamentar, os conservadores aumentariam seu número atual de cadeiras (318) para chegar a 359, enquanto os trabalhistas experimentariam uma perda notável de mais de 50 deputados: dos atuais 262 para 212. O Partido Liberal-Democrata também perderia cerca de 6 lugares, ficando em 13.

Por seu lado, o Partido Nacional Escocês poderia passar de 35 deputados para 43, um número que poderia ser decisivo se não houvesse maiorias claras.

O sistema eleitoral britânico
A maneira como o sistema eleitoral do Reino Unido funciona torna as previsões das pesquisas bastante obscuras em relação à realidade.

E é que a nação é dividida em 650 distritos eleitorais, e em cada um deles um único deputado é vitorioso, fazendo com que todos os votos destinados a outros percam absolutamente seu valor.

Os deputados eleitos formarão a Câmara dos Comuns, que exige metade mais um (326) para que um partido tenha maioria e pode formar um governo.

David Romero

O Reino Unido encontrou 39 corpos dentro de um caminhão; O Parlamento britânico se recusa a votar imediatamente no Brexit; Rússia e Síria assinam memorando; Exumação de Franco do Vale dos Caídos

Autor: Redação Internacional | internacional@granma.cu

La policía escolta a un camión en donde encontraron varios cadáveres en un parque industrial en Thurrock, Inglaterra, el miércoles 23 de octubre de 2019. (AP Foto/Alastair Grant)

Foto: AP

ENCONTRE 39 ORGANISMOS DENTRO DE UM CAMINHÃO NO REINO UNIDO

Na manhã desta quarta-feira, a polícia inglesa encontrou 39 corpos dentro de um caminhão em uma área industrial de Grays, leste de Londres. Agentes prenderam o motorista, um norueguês de 25 anos preso sob suspeita de homicídio e quem eles estão interrogando. A polícia informou a morte de um adolescente entre os mortos. Alegadamente, as vítimas são imigrantes que viajaram clandestinamente. O superintendente da polícia Andrew Mariner explicou que estão investigando a identidade do falecido, um processo que “pode ​​ser demorado” e que o caminhão entrou no Reino Unido no sábado passado, 19 de outubro. (Sputnik)

O PARLAMENTO BRITÂNICO REJEITA VOTO IMEDIATAMENTE O BREXIT E O PROCESSO ESTÁ PARADO NOVAMENTE

O acordo do Brexit voltou ao caos quando o Parlamento britânico rejeitou um prazo extremamente apertado para o primeiro-ministro Boris Johnson ratificá-lo, o que levou o líder conservador a congelar a legislação enquanto aguarda uma resposta da União Europeia. Enquanto o relógio está se aproximando do prazo de 31 de outubro para a saída do Reino Unido da UE, o Brexit continua em dúvida porque um Parlamento dividido ainda está discutindo o calendário, a estrutura da separação e, se necessário, se materializar. “Devo expressar minha decepção pelo fato de a Câmara ter votado novamente por um atraso”, disse Johnson ao Parlamento. (Reuters)

RÚSSIA E SÍRIA ASSINAM MEMÓRIA PARA PADRÃO DA SITUAÇÃO NA SÍRIA

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, e seu colega da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, concordaram em uma série de medidas relativas às próximas ações a serem implementadas para normalizar a situação na Síria. O membro do Partido Social Nacional Nacional Sírio, Sleiman Khalil, disse que este acordo demonstra o sucesso da Rússia e uma redução no papel dos EUA. uu no oriente médio Entre as medidas acordadas e divulgadas pelo ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, o compromisso de preservar a unidade política e territorial da Síria, o dever de garantir a segurança nacional da Turquia, a necessidade de combater o terrorismo em todas as suas formas e combater Tendências separatistas (RT)

A ESPANHA VAI EXECUTAR HOJE A EXMAÇÃO DE FRANCO DEL VALLE DE LOS CAÍDOS

O governo da Espanha realizará em 24 de outubro a exumação do ditador Francisco Franco, do Vale dos Caídos, um projeto de memória histórica em que ele trabalha há mais de um ano e foi atrasado pelos obstáculos judiciais impostos pela família do ditador. A exumação de Franco é feita seguindo as recomendações de uma comissão de especialistas reunida a pedido do governo em 2011, que sugeria a exumação do ditador como uma forma de reparação da memória das vítimas com quem ele compartilha um local de sepultamento. Após uma longa jornada política, os restos mortais de Franco serão transferidos para o cemitério público de Mingorrubio-El Pardo, onde será enterrado em uma cripta onde descansam os restos mortais de sua esposa, Carmen Polo. (Sputnik)

Como a rainha se move no quadro do brexit?

En el Reino Unido reinar y gobernar son atribuciones separadas. Foto: Reuters

No Reino Unido, reinar e governar são poderes separados.

Enrique Milanés León

Por mais que o Palácio de Buckingham defenda a neutralidade de seu guia, ele cuida de gestos e palavras, capas de imprensa, salões da sociedade e corredores populares procuram sinais em todo o

Em três dias de audiências e quatro de deliberações, 11 juízes da Suprema Corte do Reino Unido concluíram recentemente, por unanimidade, que a decisão do primeiro-ministro Boris Johnson de suspender o Parlamento algumas semanas antes da data prevista para a saída da União Europeu (UE) era ilegal, então a Câmara Britânica foi reaberta; o país, mais confuso, e o premier, em questão. Continuar a ler “Como a rainha se move no quadro do brexit?”

Arquitetura Européia Ultra-direita

Escrito por  Arnaldo Musa

Ultraderecha agrieta la arquitectura europea

A partida anunciada de Reino Unido da União Europeia, conhecido como Brexit, é apenas um elo na cadeia ampla e forte regado pela extrema-direita para chegar ao poder no chamado Velho Continente. Continuar a ler “Arquitetura Européia Ultra-direita”

Onda de demissões abalam Governo do Reino Unido

Seis altos governantes do Governo da primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, demitiram-se ontem, após o acordo, na quarta-feira, para o “Brexit”.

Trata-se do secretário de Estado da Justiça, Ranil Jayawardena, da ministra “júnior” para o “Brexit”, Suella Braverman, e da secretária parlamentar para a Educação, Anne-Marie Trevelyan, um cargo que faz a ligação entre o Ministério da Educação e a Câmara dos Comuns. Continuar a ler “Onda de demissões abalam Governo do Reino Unido”