Cooperação política é sólida e com sinal de crescimento.

#Angola #Bélgica #EconomíaNacional #Minrex

As relações políticas entre o país e o Reino da Bélgica são consideradas sólidas e com boas oportunidades de crescimento, como na ampliação em vários domínios da cooperação, com o movimento migratório nos dois sentidos a encorajar o reforço da frequência de voos na rota Bruxelas/Luanda, considerou o embaixador belga em Angola.

Jozef Smets pronunciou-se sobre as relações político/diplomáticas mantidas com o país, quando fazia uma apreciação ao estágio político dos países africanos, principalmente os francófonos, tendo sublinhado que Angola desempenha um papel importante na estabilidade e crescimento em África, com os laços políticos e democráticos devidamente estruturados e com fortes possibilidades de consolidação.             

O embaixador belga, que teceu tais considerações durante uma entrevista exclusiva ao Jornal de Angola, por ocasião do Dia Mundial de Celebração da Francofonia- 20 de Março, anunciou que a companhia aérea belga Brussels Airlines vai aumentar de dois para três a frequência de voos semanais na rota Bruxelas/Luanda dentro de pouco tempo. “Em breve, vai ser anunciado, oficialmente, a data para o início de mais um voo semanal”, assegurou o diplomata, destacando que as negociações bilaterais para este efeito estão bem avançadas.

Jozef Smets referiu que, neste período em que a pandemia da Covid-19 diminuiu a sua ameaça no mundo, cada vez mais angolanos viajam para a Bélgica, o que se pode notar pelo volume de pedidos de vistos naquela embaixada, em Luanda. De igual modo, disse, alguns empresários vão chegando daquele país do Ocidente europeu, dando a conhecer a presença em Angola, recentemente, de um grupo de investidores belgas ligados ao sector diamantífero.

“Existem também perto de trezentos cidadãos de nacionalidade belga que residem permanentemente aqui em Angola, presentes em vários sectores, e que frequentemente visitam o país de origem ou recebem cá familiares seus”, disse, defendendo a necessidade do aumento de voos entre os dois países com vista a intensificar as relações comerciais e não só.

O embaixador do Reino da Bélgica em Angola falou também da situação migratória no seu país, revelando que 2021 foi o ano em que foram registadas menos pessoas – cerca de 20 mil – que chegaram a Bélgica com pedidos de asilo, dos quais mais de 10 mil foram aceites e os demais aguardam por uma oportunidade.

“Tivemos menos pedidos devido à crise da Covid-19, mas mesmo assim no ano passado enquadramos mais de 10 mil pessoas que chegaram de vários países do mundo, sobretudo dos continentes africano e asiático, incluindo o Médio Oriente”, disse, referindo que este é um grande desafio para um pequeno país com um território quase do tamanho da província do Bengo, com perto de 12 milhões de habitantes.

Jozef Smets disse que a situação dos imigrantes no seu país e em toda Europa vai se tornando mais complicada a cada ano, realçando que com a “invasão russa na Ucrânia”, milhares de pessoas vão chegando à Bélgica, razão pela qual serão criadas aldeias novas para acolhimento daqueles refugiados.

“Constitui sempre um desafio, mas temos que manter essa política que permite às pessoas que estão numa situação de perseguição ou que não têm futuro nos seus países por motivos políticos solicitar asilo no nosso país”, referiu. Josef Smets disse que existe um grande número de cidadãos imigrantes que escolheram viver na Bélgica por razões normais, adquirindo a nacionalidade belga, e que estão inseridos na vida política, económica e social do país. “Temos vários ministros, prefeitos e outras figuras políticas importantes de origem africana, por exemplo”, disse, referindo que a tolerância depende da componente educacional.

“A grande maioria da população já está totalmente à vontade com esta realidade, mas também recomendamos às pessoas que chegam ao nosso país para que aprendam as nossas línguas e aceitem conviver com os nossos valores de democracia e tolerância, em geral”.

Situado na Europa ocidental, o Reino da Bélgica tem três línguas oficiais, sendo o holandês (a mais falada), francês e alemão, esta última com uma comunidade de falantes mais reduzida. o diploma Josef Smets realça que em Angola, a Embaixada do Reino da Bélgica celebra o mês da Francofonia esta semana com algumas actividades políticas e culturais. 

Vladimir Prata

Pulso de opções antes da rejeição

May, uma dama não tão férrea quanto persistente, iniciou outra rodada de tentativas para obter da liderança européia alguma concessão.

Autor: 

Frente a la negativa de la mayoría de los diputados británicos que rechazan el arreglo en sus términos actuales, la primera ministra Theresa May lanzó a principios de 2019 otra iniciativa diplomática. FOTO: AFP

Confrontado com a recusa da maioria dos deputados que rejeitam o acordo na sua forma actual, o primeiro-ministro Theresa May lançado no início de 2019 uma iniciativa diplomática. Foto: AFP

Quase dois meses após a data prevista (29 de Março) para que o Brexit concreto -a britânico para fora da União Europeia (UE) – O Governo de Theresa May parece impotente para obter os legisladores Parlamento britânico aprovou o acordo alcançado com os 27 países da UE, determinar maneiras de realmente tirar o passo saída do bloco e MPs Westminster considerar limitar o escopo de negócios da sua nação, entre outras coisas. Continuar a ler “Pulso de opções antes da rejeição”

%d bloggers like this: