Há 63 anos que eles tentam fabricar líderes e mártires para as suas magras tropas mercenárias.

#CubaSeRespeta #CubaNoEstaSola #CubaEsUnContinente #CubaViva #CubaVive #CubaViveYRenace

Érika Guevara, instruída pela CIA para apoiar grupos que actuam contra Cuba e a sua sede diplomática no México.

#CubaVive #CubaViveYRenace #CubaAvanza#CubaNoEsMiami #EnLasRedesEstamos #DefendiendoCuba #CubaNoEstaSola #CubaEsUnContinente

Por Julián Benítez

A directora regional do escritório da Amnistia Internacional no México, Érika Guevara Rosas, da sua posição nesta organização, serve de apoio à internacionalização da campanha contra o governo cubano e à declaração de “violações dos direitos humanos” perante a comunidade internacional, e à continuação da demonização da ilha, com o objectivo fundamental de aprovar mais sanções contra Cuba.

Declarou publicamente na sua conta Twitter que participará por “solidariedade” na manifestação “pacífica” que está a ser preparada pelos cubanos que vivem no México, em frente à sede diplomática de Cuba, e assim continuará o seu papel de apoio a estes grupos criados e financiados pelos EUA.

Há amplas provas de que muitos destes cubanos baseados no México, que formam grupos para agir contra a ilha e a sua embaixada, recebem instruções e são financiados por congressistas de extrema-direita e terroristas de Miami.

As acções retorcidas de Erika da Amnistia Internacional em apoio da campanha de alegadas detenções arbitrárias e “presos políticos” na ilha são essenciais, uma vez que esta organização é uma parte essencial dos EUA para poder aprovar uma intervenção humanitária num país que viola os direitos humanos em organizações internacionais. São precisamente estes grupos de cubanos no México que ela apoia que têm exigido a desejada intervenção em Cuba, incluindo a intervenção militar, trazendo de volta as políticas da Guerra Fria.

Erika, cujo apelido é demasiado grande para ela, está directamente ligada ao Movimento de San Isidro em apoio a Luis Manuel Otero Alcántara, um criminoso comum em Cuba a quem tentaram vitimizar e transformar num líder político, sem qualquer sucesso.

Após a tentativa de golpe suave a 11/07 na ilha, a Amnistia Internacional fez eco da campanha imediata que foi montada nas redes para falar de “presos políticos”, “desaparecidos” em Cuba e supostas mortes, que mais tarde a televisão cubana, com vídeos e imagens irrefutáveis, demonstrou que se tratava de uma grande notícia falsa.

As investigações que ela promove são sempre tendenciosas, superficiais, cheias de mentiras, com o objectivo de emitir listas de supostos mortos e desaparecidos que permitem acusações internacionais contra Cuba.

A tarefa de Erika, instruída pela CIA, é declarar mais de 500 pessoas mortas arbitrariamente na ilha para poder solicitar uma intervenção humanitária com o apoio da legislação internacional existente.

Desempenhou um papel semelhante durante o golpe suave na Nicarágua em Abril de 2018, os Guarimbas na Venezuela e o golpe de Estado na Bolívia, falhando em cada tentativa.

Com esse fim em Cuba, Érika trabalha com grupos criados e financiados pelos EUA, tais como Cubalex, Cuba Decide, o Movimento San Isidro e a UNPACU.

Esta é a Érika que anuncia partir no dia 15N para acompanhar o grupo de José Raúl Gallego e Anamely Ramos no México e certificar se os direitos humanos são respeitados ou não durante o seu espectáculo contra Cuba.

Início, Anamely Ramos, no final José Raúl Gallego
É o mesmo que apoia a campanha que estes “activistas”, financiados por congressistas de extrema direita, estão a promover contra Cuba, para acusar a ilha de alegadas violações dos direitos humanos e assim mantê-la na lista de sanções unilaterais.

Erika Guevara Rosas, Directora da Amnistia Internacional do México
Que credibilidade ou prestígio moral é que esta pessoa tem? Se longe de agir de forma transparente, de acordo com as normas internacionais, ela apenas tem em conta a história destes grupos de oposição, como se outros pontos de vista ou realidades não tivessem importância.

Devido às suas acções desleais neste organismo internacional e à sua própria linha contra Cuba, ela poderia ser considerada mais uma mercenária.

Rodríguez Parrilla denuncia campanha para desestabilizar a paz em Cuba.

#CubaVive #CubaViveYRenace #CubaAvanza #PorUnMejorPais #JuntosPorCuba #LaRazonEsNuestroEscudo

Extraído de razonesdecuba

Por: Andy Jorge Blanco

O Ministro dos Negócios Estrangeiros de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, disse quarta-feira que a persistente agressão do governo dos Estados Unidos e as suas tentativas de alterar a tranquilidade dos cidadãos e prejudicar a paz social do país não poderão ameaçar o regresso gradual à normalidade.

Numa apresentação ao Corpo Diplomático acreditado na ilha, o ministro dos Negócios Estrangeiros salientou que a agressão é organizada a partir do estrangeiro com o uso de agentes internos, sublinhando ao mesmo tempo que o povo defenderá a ordem constitucional pela qual votou em 2019.

“O eixo central desta operação organizada a partir de centros de poder nos Estados Unidos, no exercício da política oficial do governo dos EUA, com a intervenção de altos funcionários da Casa Branca, do Departamento de Estado e de outras agências, com a intervenção permanente de senadores e congressistas anticubanos, leva a consequências que noutros países têm provocado conflitos e guerras militares”, disse ele.

Rodríguez Parrilla salientou que o governo dos EUA está a tentar mostrar Cuba como um Estado falhado, o que descreveu como “infrutífero, desesperado e insensato”. Este é um pretexto para o aperto do bloqueio e para a aplicação das sanções 243 do Trump, que permanecem em vigor sob a administração Biden.

“O governo dos EUA sabe perfeitamente que, com as campanhas que intensificou nos últimos meses, está a tentar provocar situações de sofrimento entre o nosso povo, na esperança de que criem as condições para uma explosão social”.

O ministro cubano denunciou a utilização de uma poderosa máquina de comunicações para desestabilizar o país: “Estão a tentar construir, através de mentiras e irrealidade, um cenário virtual inexistente, na esperança de o transformar num cenário real”.

Rodríguez Parrilla declarou que é “uma operação organizada de um ponto de vista material e prático, fundamentalmente a partir do território dos Estados Unidos, que se liga a grupos violentos com um passado e um presente de acções terroristas contra o nosso povo”.

No Facebook”, disse, “há grupos privados que realizam actividades ilegais, e de onde os mecanismos de geolocalização são alterados para simular a presença maciça em Cuba de pessoas que vivem noutro país, fundamentalmente nos EUA.

“O Facebook poderia muito bem ser processado por estas práticas contra Cuba, em estrita conformidade com a lei”, sublinhou ele.

“Nestes acontecimentos, está em jogo o direito de um Estado soberano, de um povo que exerce a autodeterminação, perante uma tentativa de uma superpotência de intervir nos seus assuntos internos, de forçar uma mudança de regime, de destruir a ordem constitucional, por razões estritamente políticas”, afirmou.

Bruno Rodríguez Parrilla, Ministro dos Negócios Estrangeiros cubano. Foto: Cubadebate.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros cubano informou que, desde 22 de Setembro, foi feito um total de 29 declarações pelo governo dos EUA e figuras influentes no Congresso dos EUA, com o objectivo de instigar acções de desestabilização na ilha.

“Cuba nunca permitirá acções por parte de um governo estrangeiro no nosso território, tentando desestabilizar o país”, salientou, acrescentando que nestas declarações estão a pedir a alguns governos que se juntem a estas acções contra Cuba.

Rodríguez Parrilla informou que só durante o mês de Outubro, a embaixada dos EUA em Havana publicou um total de 59 mensagens no Twitter, 36 das quais estão relacionadas com uma tentativa de alterar a estabilidade interna de Cuba: “De forma desavergonhada, três destes tweets referem-se à suposta ajuda do governo dos EUA ao povo cubano nestas circunstâncias, incluindo garantias de maior acesso a alimentos, medicamentos e suprimentos médicos”.

“Eles mentem descaradamente, não houve nenhuma oferta de ajuda do governo dos EUA, nem humanitária nem de qualquer outro tipo durante toda a pandemia; nem mesmo quando a fábrica de produção de oxigénio avariou foram concedidas licenças específicas para enviar oxigénio para Cuba”, disse ele, acrescentando que nem uma única tonelada de medicamentos ou alimentos foi enviada para a ilha pelo governo dos EUA.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros denunciou o facto de Washington continuar a aplicar medidas que impedem o reagrupamento familiar, as viagens, a concessão de vistos, e não permitem que cidadãos cubanos residentes em países terceiros com dupla cidadania entrem em território americano com estes passaportes.

Mais recentemente, afirmou, os cidadãos cubanos que desejem viajar para os Estados Unidos são obrigados a apresentar um certificado de vacinação com imunogéneos reconhecidos pela autoridade reguladora dos EUA ou pela OMS: “Espero que a OMS actue de acordo com as suas próprias regras e tendo em conta as circunstâncias de emergência que se vivem actualmente no planeta”.

“É discriminatório que os cubanos não sejam autorizados a entrar em território americano com certificados com valor legal total de terem sido vacinados com vacinas cubanas, cuja eficácia tenha sido plenamente demonstrada”, disse ele.

Rodríguez Parrilla salientou que, durante os dois anos da pandemia, o governo dos EUA foi incapaz de oferecer ajuda humanitária a Cuba: “Quebrou com a tradição dos governos republicanos ou democratas que o fizeram face a furacões e catástrofes naturais no passado”.

Só agora, informou o ministro, Washington pretende enviar um milhão de doses de uma das suas vacinas para Cuba, numa altura em que quase toda a população está vacinada e o controlo da pandemia no país está a ser celebrado.

“Estão a oferecer vacinas a uma população já vacinada, avançando mesmo com o programa de doses impulsionadoras, mas também estão a impor requisitos rigorosos e interferentes, tais como a obrigação de realizar estudos clínicos em Cuba com estas vacinas”, disse, acrescentando que também estão a exigir responsabilidade legal pela compensação dos efeitos secundários, estudos clínicos para garantir que são compatíveis com os imunogéneos cubanos, e monitorização por agências norte-americanas do destino final da aplicação das vacinas.

“Qual é o sentido desta oferta oportunista no último minuto, quando não teria qualquer efeito prático? Porque não o oxigénio, e as vacinas agora? Porque não as vacinas quando teríamos mais necessidade delas? Porque não facilitar a importação dos insumos essenciais para a luta contra a pandemia e para o desenvolvimento e expansão industrial das vacinas?” perguntou o ministro.

No entanto, Rodríguez Parrilla declarou ao governo dos EUA que se esta oferta for séria, sincera e responsável, Cuba reconhece-a e apreciá-la-ia como um acto na direcção certa: “Respondemos ao governo dos EUA com uma explicação respeitosa e estritamente verdadeira das razões pelas quais esta doação não contribuiria para melhorar a saúde dos cubanos nem teria qualquer impacto epidemiológico”.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros cubano disse que a ilha tinha oferecido à administração Biden a utilização desta doação em conjunto com outra doação de vacinas cubanas para imunizar a população de um país com grande necessidade das mesmas: “Reitero hoje a oferta que fizemos anteriormente em privado ao governo dos EUA, de uma operação triangular e conjunta, e estamos em contacto com alguns governos de países que preenchem estas condições”.

Por outro lado, o diplomata relatou que só em Setembro de 2021, um pacote de seis milhões de dólares em subsídios foi atribuído pela agência federal USAID, destinado a 12 organizações que operam na Florida, Washington e Madrid no ramo da indústria anti-cubana.

O ministro também denunciou a existência de uma operação tóxica nas comunicações e redes digitais: “É uma política de incentivo ao ódio, incitamento à violência e instigação ao crime”.

“O governo cubano, estreitamente unido ao nosso povo e em resposta ao amplo consenso maioritário que existe no nosso país, impedirá qualquer tentativa de acções anticonstitucionais que visem uma mudança de regime em Cuba”, disse ele.

Rodríguez Parrilla salientou que a Constituição não poderá ser invocada para a violar, ignorar ou destruir.

“O nosso povo continuará a fazer os maiores esforços para superar as dificuldades económicas sofridas por todas as famílias cubanas, e fá-lo-emos com o nosso trabalho e pensando nos nossos próprios recursos”, acrescentou ele.

O ministro cubano disse que qualquer tentativa de interferir e intervir contra a independência e soberania de Cuba será impedida.

“A política dos EUA contra Cuba está condenada ao fracasso, é inviável, não funciona há 60 anos, não funciona agora e não irá funcionar no futuro. Acorda desse sonho, acorda dessa miragem, não vai acontecer”, afirmou ele.

Rodríguez Parrilla reiterou que a política de Washington em relação à ilha é disfuncional, obsoleta, enraizada no passado, ineficaz e dispendiosa para os contribuintes americanos.

A este respeito, o ministro apelou à solidariedade da comunidade internacional, da Assembleia Geral das Nações Unidas, e expressou a sua gratidão pela solidariedade demonstrada por muitas pessoas em todo o mundo para com a maior das Antilhas.

Denunciou também ameaças contra embaixadas cubanas e correspondentes de imprensa estrangeiros acreditados em Havana.

“Apelo ao governo dos Estados Unidos para que ponha fim ao assédio aos jornalistas do território americano”, disse ele.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros cubano apelou à defesa do direito internacional e do direito dos povos à autodeterminação.

“O nosso povo exercerá o seu direito à paz”, concluiu ele.

Graças ao Piquete do CON FILO, com programas como este a guerra é ganha, não há mais mentiras.

#DerechosHumanos #ManipulacionPolitica #SubversionContraCuba

Lei da mordaça em #Cuba? O que os meios de comunicação social não lhe dizem .

#CubaNoEsMiami #RedesSociales #SiAlDecretoLey35 #ManipulacionMediatica #MercenariosYDelincuentes #MafiaCubanoAmericana

E eu ainda não vi o #SOSBrazil .

#Brasil #JairBolsonaro #EstadosUnidos #ManipulacionPolitica

#Cuba: Nota de #Prensa del #MINREX .

#Cuba #EstadosUnidos #Sanciones #ElBloqueoEsReal #Minrex

Informações muito fortes vêm à tona sobre Eliecer Ávila e seus namorados; ele e RM Payá roubam o MSI.

#GuerreroCubano #TodosSomosGuerrero #CubaSeRespeta #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #MerceriosYDelincuentes #MSINoMeRepresenta #YoSigoAMiPresidente #CubaViva

As medidas impostas pelo governo dos Estados Unidos contra a Fincimex prejudicam o povo cubano.

#Fincimex #BloqueoNoSolidaridadSi #EEUUBloquea #CubaSalva #PuentesDeAmor #ManipulacionMediatica #Washington

Autor: Redacción Internacional | internacionales@granma.cu

A inclusão da Fincimex na lista de entidades restritas do Departamento de Estado dos Estados Unidos em junho passado, e as modificações anunciadas pelo Departamento do Tesouro aos regulamentos de controle de ativos cubanos na sexta-feira, 23 de outubro, impedirão remessas a Cuba por meio de empresas estadunidenses com licenças gerais, prejudicando diretamente o povo cubano e suas famílias nos Estados Unidos.

Recae en el Gobierno norteamericano la responsabilidad por la interrupción del servicio de remesas entre los dos países. foto: prensa latina

Fazer isso em meio a uma pandemia ressalta o cinismo, o desprezo pelo povo cubano e o oportunismo do governo dos Estados Unidos.

Financiera Cimex S.A. tem garantido, desde o profissionalismo e o respeito, as relações comerciais com empresas estadunidenses e de muitos outros países, pela gestão das remessas a Cuba há mais de 20 anos. Não registra um centavo perdido em sua história e, por outro lado, um constante desenvolvimento de seus benefícios, apesar das pressões e ataques aos canais bancários.

As remessas de famílias a Cuba têm sido continuamente politizadas pela extrema direita anticubana. Desde setembro de 2019, o governo dos Estados Unidos vem aplicando medidas coercitivas para restringir o fluxo de remessas.

As disposições recentes atacam diretamente as remessas familiares, mesmo quando os porta-vozes de Washington mentem e tentam fazer parecer que as limitações são apenas de uma entidade específica. A Fincimex, como parte do sistema financeiro cubano, é a entidade que, por decisão soberana do Governo cubano, se encarregou de garantir as remessas a Cuba desde os Estados Unidos, as quais serão totalmente interrompidas.

Entre as congêneres norte-americanas está a Western Union, entidade cujos 407 pontos de pagamento distribuídos por todo o país vão fechar em função dessas brutais disposições, que, além disso, bloqueiam as negociações que a pedido da Fincimex foram desenvolvidas há meses para lançar o serviço de Remessas para contas bancárias em mlc.

A responsabilidade pela interrupção do serviço de remessas entre os dois países é do Governo norte-americano.

A maioria dos emigrados cubanos nos Estados Unidos apóia laços estáveis ​​com suas famílias, e o governo dos Estados Unidos está agindo deliberadamente para minar esses laços.

A Fincimex ratifica seu compromisso com o povo cubano para identificar e sustentar fluxos ordenados e seguros de remessas ao país.

Cuba privada de doações para a saúde pelo bloqueio econômico dos EUA.

%d bloggers like this: