Casa de Santa Marta, no Vaticano.

O gerenciamento do coronavírus afeta a popularidade dos presidentes da América Latina: quem são os melhores e os que são mais mal avaliados?

Em 12 de março, durante uma transmissão virtual da Eucaristia do Vaticano, o Papa Francisco disse que orava “especialmente pelas autoridades” de todo o mundo, que devem “tomar decisões difíceis das quais as pessoas não gostam”.

Sem dúvida, a crise de saúde, econômica e social causada pela pandemia de coronavírus testa a capacidade de gestão de todos os governos. Especialmente aqueles que enfrentam maiores dificuldades, seja devido a seus níveis de pobreza, sistemas de saúde precários, recessões, dívidas, agitação social ou outros problemas.

Menos de dois meses se passaram desde que o primeiro caso da doença foi detectado na América Latina. Em 2 de abril, a região ultrapassou 188.000 infecções e mais de 3.400 pessoas morreram após contrair a doença do covid-19.

La gestión del coronavirus impacta en la popularidad de los presidentes de América Latina: ¿quiénes son mejor y peor valorados?

Com o surgimento do vírus no continente, cada presidente tomou seu próprio caminho quando se trata de tomar medidas para impedir a pandemia. Desde as quarentenas mais precoces e restritivas, até aqueles que tentaram adiar ações preventivas para proteger a economia, para posições surpreendentemente relaxadas ao lidar com a crise. Em todos os países, essas decisões refletiram variações na desconfiança ou aprovação dos cidadãos.

O Brasil, o primeiro país a denunciar um paciente infectado, em 26 de fevereiro, tem mais de 6.930 afetados e um número de mortes superior a 240. Desde o início, a administração de Jair Bolsonaro minimizou o problema, para o qual catalogado como uma “gripe”, embora, ele reconheceu, uma “gripe” que pode se tornar fatal. “Alguns vão morrer? Eles vão morrer, desculpe”, declarou ele.

Bolsonaro se recusa a aplicar uma quarentena como quase todos os países vizinhos fizeram, porque acredita que a desaceleração da economia causará um “desastre”. Ele até desafiou as recomendações de seu próprio Ministério da Saúde, desenvolvendo atividades nas ruas, com assistência maciça. Firme em sua posição, ele enfrentou os governadores de distrito que aplicaram internamente o isolamento social diante do aumento exponencial de casos.

A posição do chefe de estado tem um alto custo para sua imagem: um estudo realizado pelo pesquisador Atlas Político revelou que 61% da população desaprova a gestão do líder de direita diante da pandemia. Além disso, entre 18 e 25 de março, sua imagem negativa passou de 52% para 57%, enquanto a positiva caiu de 41% para 39%. Enquanto isso, moradores de várias cidades do país pegavam caçarolas em suas casas, para rejeitar o manuseio das autoridades.

No que diz respeito ao chefe de estado, sua imagem: um estudo realizado pelo pesquisador do Atlas Político revelou que 61% da população desaprova a gestão do líder da pandemia. Além disso, entre 18 e 25 de março, sua imagem negativa passou de 52% para 57%, enquanto positiva caiu de 41% para 39%. Enquanto isso, moradores de várias cidades do país, em suas casas, rejeitam ou museu o manuseio das autoridades.

O segundo é Alejandro Giammatei, presidente da Guatemala, cujas disposições também foram radicais. Em 31 de março, o país tinha 39 casos no total e um falecido.

Na Argentina, o “crack” entre peronistas e anti-peronistas parece ter diminuído significativamente com o problema de saúde. Como nunca antes, funcionários de espaços políticos disputados estão alinhados na luta pela saúde. Nesse contexto, a figura de Alberto Fernández, que aplicou medidas drásticas para enfrentar o coronavírus, tanto em termos de saúde quanto social e economicamente, está se consolidando em bom ritmo, apesar de ter registrado 1.133 casos e 31 óbitos. .

O nível de aceitação de sua administração diante da pandemia é de 88%, segundo Mitofsky, embora para a empresa de consultoria local Analogías esse número seja maior: 94,7% da sociedade disseram que “concordam” ou “concordam fortemente “com o que foi feito até agora. E sua imagem positiva subiu para 93,8%.

A situação de Lenín Moreno no Equador é diferente. Depois de passar por meses turbulentos no final de 2019, com numerosos protestos nas ruas, o governo ficou impressionado com o número de casos de coronavírus e, principalmente, as mortes.

Em Guayaquil, a cidade mais afetada pela pandemia, cadáveres foram vistos nas ruas em face do colapso do sistema de saúde e dos serviços funerários. Centenas de parentes de pessoas falecidas relataram que passaram a ter corpos em decomposição por até quatro dias dentro de suas casas.

Apesar de as fronteiras terem sido fechadas e o isolamento obrigatório prevalecer, apenas 14% dos equatorianos aprovam a administração de Moreno, segundo o estudo realizado por Mitofsky. Ele é o presidente mais mal avaliado da região e tem o maior número de mortes depois do Brasil.

“Havia diferentes velocidades de reação. Havia governos como o da Argentina, que não esperavam pressão social ou política, mas levavam a sério a questão da saúde desde o início; e outros tentaram adiar a implementação de medidas para que o impacto econômico é o mínimo possível “, explica Bruno Dalponte, analista e pesquisador internacional da Faculdade de Ciências Sociais da América Latina (FLACSO) à RT.

“Nenhum presidente inventou a pólvora ou descobriu algo brilhante em seus planos. O que aqueles com a melhor aprovação realizaram é perceber rapidamente qual é o impacto potencial do vírus e reagir mais cedo. Depois, há as estratégias de comunicação e Políticas específicas. É essencial se comunicar com certa calma e não agir nas touradas, quando tudo estiver fora de controle “, diz o entrevistado.

Mas, para Dalponte, além dos tempos, na avaliação da administração atual, o nível de perda de prestígio anterior que cada presidente tinha antes da crise do coronavírus também é contra ou a favor.

Veja o caso de Sebastián Piñera no Chile (19% de aprovação e mais de 3.400 infecções), ou Iván Duque na Colômbia (46% e 1.065 infectados), dois presidentes que tiveram que lidar com o descontentamento social desde o final do ano passado, especialmente Piñera. “Devido à questão de uma matriz de pensamento neoliberal, ou pensar no bem-estar do país como se fosse equivalente ao bem-estar das empresas ou da economia, ambas adiaram ações que, sem dúvida, esfriam a atividade o máximo possível. Mas, finalmente, com o aumento de casos, perceberam o custo político e decidiram tomar outras decisões “, afirma o especialista.

“No caso de Lenín Moreno, além da imagem negativa anterior, existe um sistema de saúde pública altamente deficiente ou subfinanciado, ao qual se acrescenta a situação crítica em Guayaquil, com imagens muito chocantes para a opinião pública sobre o que acontece com a pessoas falecidas deixadas na rua “, acrescenta.

No México, Andrés Manuel López Obrador, com 48% de aprovação de acordo com a pesquisa de Mitofsky, parecia a princípio subestimar a situação, mesmo recomendando que os mexicanos saíssem “para comer”. O país já superou 1.378 casos positivos e 37 mortes. “Acho que a AMLO tentou minimizar a questão por medo de uma revolta da população em uma situação de emprego informal, que é de cerca de 60%. De qualquer forma, parecia muito mal gerenciada do ponto de vista da comunicação, e um enorme ato de irresponsabilidade “, analisa Dalponte.

Categories: #Argentina, #Brasil, #Brasil se alinha aos #EUA, #Brasil, Corrupción, #Jair Bolsonaro, #China#EEUU#Iran#Nicaragua.barco hospital naval Arca de la Paz, #salud, #Uruguai, Casa de Santa Marta, no Vaticano., China, Frente Amplio de Uruguay, México, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Profesionales e la Salud, Religión, Vaticano, SALUD, Uncategorized | Etiquetas: , , , , , | Deixe um comentário

Chico Buarque dá ao papa um relatório sobre a “lei” que ameaça a América Latina Escrito pela AFP

Chico Buarque

O famoso escritor e músico brasileiro Chico Buarque entregou ao Papa Francisco na terça-feira um relatório sobre o uso da justiça para fins políticos na América Latina, a “lei”, considerada uma ameaça à democracia na região, informou fontes da delegação.

Buarque, acompanhado de outros líderes latino-americanos, incluindo a advogada brasileira Carol Proner e o argentino Roberto Carlés, falou durante 45 minutos com o Papa Francisco em sua residência particular na Casa de Santa Marta, no Vaticano.

O papa argentino, extremamente sensível a essas questões, recebeu o relatório sobre “lawfare”, uma palavra recente, para indicar as chamadas “guerras legais” e a perseguição de líderes políticos e movimentos de protesto social.

“O chamado lawfare é uma técnica de guerra legal, que o general americano Charles Dunlap descreveu como um método não convencional de guerra, através do qual a lei é usada como um meio para atingir um objetivo militar”, explicaram eles.

Entre os casos apontados pelos reclamantes estão três ex-presidentes: o brasileiro Lula da Silva, atualmente preso, o equatoriano Rafael Correa e a argentina Cristina Kirchner.

“A lei é o uso indevido da lei para promover a perseguição política”, explicaram eles após a reunião.

O grupo de ativistas considera que é uma verdadeira “ameaça” à democracia em todo o mundo, e teme que a “demonização” e a deslegitimação do adversário político se espalhem mais facilmente através das novas redes de comunicação.

Continuar a ler

Categories: #Carol Proner, #Chico Buarque, #Roberto Carlés, AFP, AMERICA LATINA, Casa de Santa Marta, no Vaticano., lawfare, Uncategorized | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: