Pontos-chave do relatório de López Obrador sobre os seus primeiros quatro anos de mandato.

#México #Política

O presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador apresentou no domingo um relatório sobre os seus primeiros quatro anos de mandato durante uma marcha na Cidade do México (CDMX).

Durante o seu discurso na Plaza de la Constitución (Zócalo) diante de quase 100.000 pessoas, o presidente abordou questões como a saúde, a economia, o ambiente e a violência no país.

Nas suas primeiras palavras, o Chefe de Estado assegurou que não iria procurar a reeleição nas próximas eleições, e salientou que defende a democracia. “Algo que me deixa muito feliz é que a maioria dos que participaram [na marcha] são jovens. Há uma mudança geracional”, disse ele.

Presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador.
Eyepix/Sipa USA / Legion-Media

O presidente salientou o aumento do salário mínimo, assim como a ajuda às mães e estudantes, expressando o seu desejo de continuar o processo.

“Gostaria que fosse unanimemente acordado entre os trabalhadores, o sector empresarial e o governo, e gostaria também que fosse cerca de 20%, porque dessa forma chegaríamos ao fim do nosso governo com um aumento de 100% em termos reais em todo o país”, disse ele.

Salientou também que espera que a economia cresça pelo menos 3,5% durante os próximos dois anos e recordou que durante o seu mandato não foi contraída nenhuma “dívida nova ou adicional”.

Durante o seu discurso, relatou que o orçamento público aumentou 57% de 2018 para 2023 em termos nominais. Ao mesmo tempo, salientou que durante o seu governo o investimento público em infra-estruturas e obras de desenvolvimento aumentou em 78 %.

Saúde, ambiente e petróleo
Por outro lado, agradeceu aos trabalhadores da saúde pelo seu trabalho durante a pandemia do coronavírus. “Aproveito esta oportunidade para expressar a nossa eterna gratidão aos médicos, enfermeiros e trabalhadores que arriscaram as suas vidas para salvar os doentes da cobiça”, disse ele.

Sublinhou também que em apenas cinco meses o governo federal tinha conseguido vacinar a maioria dos idosos.

A este respeito, comprometeu-se a alargar o sistema IMSS-Bienestar do Instituto Mexicano de Segurança Social, que fornece serviços de primeiro e segundo nível, a todo o país. “Antes do fim deste governo, os cuidados de saúde serão substancialmente melhores. Esse é o meu compromisso e vou cumpri-lo”, acrescentou ele.

No sector petrolífero, salientou que duas fábricas de coker estão em construção “para produzir 145.000 barris de gasolina por dia em vez de fuelóleo”, o que ajudará a aumentar a produção de gasolina. “Até ao final do próximo ano seremos auto-suficientes e deixaremos de comprar gasolina e gasóleo do estrangeiro”, disse ele.

Falando sobre o ambiente, o líder mexicano informou que o país está a levar a cabo o “maior programa de reflorestação do mundo” no qual 450.000 camponeses trabalham e recebem um dia de salário permanente, e anunciou a entrega de fertilizantes gratuitos a dois milhões de pequenos produtores em todo o país.

“Um país de liberdades
Quanto à segurança, López Obrador salientou que houve uma redução da violência graças à atenção prestada aos sectores mais vulneráveis. “Estou absolutamente convencido de que a paz é fruto da justiça e que a chave é prestar atenção aos jovens, à população mais vulnerável e aos marginalizados”, disse ele. Acrescentou que os crimes federais – os que afectam a saúde, economia, património e segurança da nação – tinham caído 27,3%, enquanto que os homicídios tinham caído 10% e os raptos 68%.

Por outro lado, salientou que a imunidade presidencial foi eliminada, de modo que “agora [o presidente] pode ser julgado como qualquer outro cidadão”.

O presidente chamou ao seu modelo de governo “humanismo mexicano” e afirmou que o país está a ganhar a batalha contra “o classismo, o racismo e a discriminação”, acrescentando que agora “a liberdade de expressão e o direito à dissidência estão garantidos como nunca antes”. “Este é um país de liberdades”, sublinhou ele.

Universidade de Ciego de Ávila e Universidade Chapingo do México assinam acordo de colaboração (+ Foto)

Extraído de Radio Surco

Um acordo de parceria geral assinado pela Universidade de Ciego de Avila “Máximo Gómez Báez” (UNICA) com o seu homólogo em Chapingo, México, para criar projectos que geram o máximo uso e cuidado da água, recurso natural não renovável, que ameaça a diminuir num futuro não muito distante. Continuar a ler “Universidade de Ciego de Ávila e Universidade Chapingo do México assinam acordo de colaboração (+ Foto)”

%d bloggers gostam disto: