Feriram uma escolta presidencial e assaltam a casa do Ministro da Defesa: há uma crise de segurança no Chile?

O presidente chileno Gabriel Boric com o ex-presidente Sebastián Piñera, em Santiago, Chile, em 20 de dezembro de 2021Sebastián Vivallo Oñate / Agência Makro / Gettyimages.ru

O Governo tem alertado para a situação de violência no país, pelo que está em cima da mesa um novo esquema de protecção para o gabinete e para a população em geral.

O recente assalto à casa da ministra da Defesa chilena, Maya Fernández, e o assalto a uma escolta presidencial, que também foi sequestrada e baleada, obrigou o Executivo a analisar medidas de segurança para proteger os membros do gabinete do presidente Gabriel Boric , em um contexto de aumento da violência e de atos criminosos contra a população.

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência (Segpres), Giorgio Jackson, informou que nesta segunda-feira a questão da segurança será discutida no Comitê Político, “que está entre as preocupações” para garantir a proteção tanto dos integrantes do trem ministerial e de cidadania, recolhe a Cooperativa.

Jackson afirmou que “o foco” de todas as “ações e esforços” está voltado para os cidadãos para garantir que “não serão violados na rua” e que “não sofrerão roubos”.

Segundo o ministro da Secretaria, a proposta de segurança dirigida à população passa também pela defesa dos seus direitos perante as empresas, acesso à saúde, educação e uma pensão digna.
Crime afeta o ambiente presidencial

Na noite de sexta-feira, dois eventos aparentemente relacionados ao crime, e que ainda estão sendo investigados, afetaram o ambiente próximo do presidente chileno.

Um deles foi o assalto à residência da ministra Maya Fernández, conforme noticiado em comunicado dessa pasta, que esclareceu que a família do funcionário estava “bem de saúde” após o ocorrido.

Quando ocorreu o assalto, Fernández não estava em sua residência, localizada na comuna de Ñuñoa, enquanto seu marido e filho estavam. Ambos foram subjugados por indivíduos desconhecidos, que fugiram do local a bordo de um veículo de propriedade da família, segundo a BioBio.

O procurador em flagrante do Ministério Público compareceu ao local, que entregou os trâmites do caso aos Carabineros para que trabalhem em conjunto com a Polícia de Investigação.

Posteriormente, o carro roubado da casa do ministro foi encontrado na comunidade de Peñalolén por membros do Departamento de Ordem e Busca de Pessoas e Veículos (SEBV), informou o BioBio.

O outro ato violento ocorreu quando um sargento Carabineros, que se dirigia da comuna de San Miguel para o Palácio de la Moneda, foi abordado por três desconhecidos que o detiveram e o levaram para a comuna de Colina, a 30 quilômetros de distância.

O policial foi baleado no braço e foi retirado do veículo. De acordo com o boletim de ocorrência, ele foi levado para o hospital e está fora de risco vital.
Violência à porta

A preocupação que o Secretário da Presidência tem demonstrado para com os cidadãos está relacionada com os atos violentos que têm afetado a população. Há uma semana, por exemplo, foi noticiada a morte de uma menina de 13 anos que foi baleada na cabeça enquanto viajava de carro na região de Ñuble, no centro do país. Agora as autoridades estão investigando o que aconteceu.

Esta morte se soma à da jornalista Francisca Sandoval, que morreu na quinta-feira passada após ser baleada em 1º de maio durante uma marcha do Dia do Trabalho, na qual houve confrontos entre manifestantes e vendedores ambulantes.

Sobre o aumento de incidentes violentos, o subsecretário de Prevenção ao Crime, Eduardo Vergara, escreveu em um trinado que era “o momento em que todas as instituições” do país redobraram “esforços para prevenir o crime e lidar com a insegurança”.

Em entrevista ao Meganoticias, Vergara sublinhou que o Executivo pediu para ir às “populações, bairros e comunas” para garantir a segurança e “enfrentar indistintamente a criminalidade e a delinquência”.

“Não pode ser que no Chile se fale de segurança, e isso se torna sinônimo de desigualdade”, acrescentou. Para ele, é um erro pensar que os problemas podem ser resolvidos com mais policiais porque “o fenômeno é muito mais complexo”.

Vergara foi enfático ao afirmar que este é “sem dúvida o pior momento de segurança que o país vive desde o retorno à democracia”, segundo Emol.

Da mesma forma, Boric apontou o surto social como a causa da violência e questionou o que foi expresso pelo ex-presidente Sebastián Piñera, que assegurou que seu país era um “oásis” na América Latina. “Esta ideia de que o Chile foi uma exceção e não tivemos os problemas do resto, acho que era falsa”, disse ele.

os números vermelhos

Ao falar da explosão social, os analistas referem-se ao descontentamento e à dívida social em termos de educação, saúde, pensões, habitação e serviços. No entanto, o tema transversal que se intensificou com a pandemia foi a demanda por uma resposta estatal ao aumento da pobreza e da desigualdade.

Segundo o Ministério do Desenvolvimento Social e Família, a taxa de pobreza atingiu 10,8% da população em 2020, mais de dois pontos percentuais acima de 2017. Isso indica que no país sul-americano o número passou de 1.528.284 pessoas nessa situação precária, para 2.112.185.

Em termos de desigualdade, apenas 1% das famílias possui um quarto da riqueza do país, enquanto os 50% mais pobres das famílias possuem 2,1%.

Ao focar a atenção em outros indicadores como homicídios, percebe-se que, embora não seja o maior da região, a incidência de atos com armas de fogo preocupa as autoridades.

Em 2021 foram 695 processos policiais por homicídios no país, segundo o subsecretário de Prevenção ao Crime da Unidade de Investigação, apura o BioBio.

Sobre a circulação de armas, os Carabineros informaram que até o início de maio deste ano foram apreendidos 1.008 artefatos desse tipo, desmantelados 284 quadrilhas do crime organizado e apreendidos 7.586 quilos de drogas, segundo dados divulgados pela Emol.

RT

Os líderes latino-americanos felicitam o novo presidente do Chile, Gabriel Boric.

#Chile #LatinoAmerica #Democracia

Gabriel Boric derrota José Antonio Kast para se tornar o presidente mais votado na história do Chile

#Chile #Democracia #Elecciones #DerechosHumanos

#Chile e #Venezuela: mensagens diferentes .

#Chile #Venezuela

Por Atilio Borón

O domingo foi testemunha de duas importantes eleições. Na Venezuela, a conduta normal e a presença de quase todos os fragmentos da oposição constituem um sucesso extraordinário para o governo bolivariano, bem como um obstáculo difícil de digerir para os golpistas e desestabilizadores protegidos por Washington e para os burocratas reaccionários da União Europeia.

No Chile, a segunda volta deveria contar com o neonazi José Antonio Kast do Partido Republicano e Gabriel Boric, o candidato da coligação Apruebo Dignidad (Frente Amplio e o Partido Comunista). O que não era previsível era que o candidato do Pinochettismo obteria a primeira minoria relativa, quando todas as sondagens mostraram o Boric como o vencedor, embora longe de uma maioria absoluta.

Ao contrário da Venezuela, as eleições no Chile foram convocadas para eleger o presidente, deputados (155) e 27 senadores, assim como conselheiros regionais.

O cenário actual apenas permite algumas conjecturas sobre o que poderá acontecer na segunda ronda agendada para 19 de Dezembro. O registo histórico mostra que desde 1990 até hoje, os candidatos que ganharam na primeira volta também ganharam no escrutínio.

Se estes números forem confirmados, poder-se-ia dizer que estamos perante um verdadeiro terramoto político. Não só devido à vitória de Kast na primeira volta, mas também porque nenhum dos três partidos que dominaram a vida política chilena desde o fim da ditadura – a UDI, Renovación Nacional e Democracia Cristiana – terá os seus próprios candidatos na segunda volta.

É sem dúvida possível falar do fim de um ciclo, num contexto em que o povo chileno tenta, pela primeira vez na sua história, redigir uma Constituição democrática. A incerteza gerada pelo desempenho eleitoral da extrema-direita lança sombras espessas sobre a viabilidade de um objectivo tão nobre.

Na Venezuela, a eleição de domingo foi a 29ª desde que Hugo Chávez Frías tomou posse como Presidente da República a 2 de Fevereiro de 1999. Apesar disso, a oposição recalcitrante ao Chavismo, dirigida a partir de Washington e Bruxelas, não deixou de estigmatizar o governo bolivariano como uma ditadura, comparável às que assolaram a América Latina nos anos 70.

Como não recordar as sábias palavras de Eduardo Galeano quando disse “Hugo Chávez é um ditador, mas é um ditador curioso”. Ele ganhou oito eleições em cinco anos”? Nestas eleições regionais, o governo bolivariano pôs em jogo nada menos que 23 governadores e 335 gabinetes de presidentes de câmara, em conformidade com a Constituição.

Se a presença da oposição é um factor positivo, outro indicador muito eloquente é o nível de afluência às urnas dos eleitores. Deve ter-se em conta que a votação deixou de ser obrigatória em 1984 em resultado de um acordo entre as duas principais forças políticas da época: Acción Democrática e Democracia Cristiana.

Um número próximo dos 50% seria saudado com júbilo tanto na Venezuela como no Chile, dado o papel dissuasor desempenhado pela pandemia Covid-19 e, na Venezuela, a devastação do bloqueio.

Claro que, enquanto a Venezuela foi praticamente invadida por numerosas missões de observação eleitoral, com a bênção do governo de Maduro, enviado pela União Europeia, pelo Centro Carter, por numerosos peritos da ONU e outras organizações regionais da América Latina e África, no Chile estas missões são visíveis pela sua ausência, se não pelos seus magros contingentes.

Em todo o caso, quando for feita a contagem final dos resultados das “mega-eleições” venezuelanas (se não antes), os eternos guardiães das democracias choverão críticas numa tentativa de manchar o processo eleitoral e justificar novos ataques contra o governo bolivariano.

No entanto, o veredicto das urnas deve ser um poderoso dissuasor para aqueles que, em Washington e Bruxelas, há anos que apostam na “mudança de regime” criminosa no país das Caraíbas.

É improvável que assumam uma linha política diferente, porque Washington está absolutamente a apostar na “recuperação” da Venezuela a qualquer custo. Os próximos dias dar-nos-ão uma pista sobre o que está para vir em ambos os países.

#ParaísosFiscais, #Lasso, #Piñera e #Abinader, a #CaixaDePandora está aberta ..

#ParaisosFiscais #PapelesDePandora

A extensa investigação do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) revelou no domingo que 14 líderes mundiais e 21 outros líderes que desde então deixaram o poder esconderam bens e rendimentos no valor de milhares de milhões de dólares para evitar pagar impostos em paraísos fiscais.

Os ficheiros vazados, apelidados de Pandora Papers, incluem 35 líderes mundiais – ainda no poder ou reformados – e mais de 300 funcionários públicos em todo o mundo que detêm bens em ou através de paraísos fiscais.

Os Documentos de Pandora incluem, entre outros estadistas, os três actuais líderes latino-americanos: o Presidente do Equador, Guillermo Lasso, o Presidente do Chile, Sebastián Piñera e o líder da República Dominicana, Luis Abinader. Além disso, as fugas incluem outros altos funcionários latino-americanos: 11 presidentes reformados, 90 políticos de alto nível e um governador de um banco central.

Guillermo Lasso
De acordo com os documentos divulgados, o Presidente equatoriano Guillermo Lasso teve ligações a 10 empresas offshore e trusts no Panamá e nos estados americanos do Dakota do Sul e Delaware: Bretten Trust, Liberty US Trust, Bernini Foundation, Bretten Holdings, Da Vinci Foundation, Fundación Bienes Raíces, Nora Group Investment Corp, Pietro Overseas SA, Positano Trade LLC e Tintoretto International Foundation.

Bretten Trust e Liberty US Trust foram criados em 2017, e a Lasso autorizou a transferência para esses dois trusts de empresas operadas por duas fundações de interesse privado panamenses, denominadas Bernini e Barberini. De acordo com as regras de cada fundação, seriam feitas distribuições mensais aos beneficiários após a morte de Lasso, incluindo $20.000 à sua esposa, $2.000 aos seus filhos e $1.500 ao seu irmão.

Lasso disse ao ICIJ que não tem “nenhuma relação de propriedade, controlo, benefício ou interesse de qualquer tipo” com o Bretten Trust e o Liberty US Trust e que sempre cumpriu a legislação equatoriana que proíbe candidatos e funcionários públicos de deter empresas em paraísos fiscais.

As outras entidades mencionadas foram dissolvidas e, tal como confirmado pelo presidente do país latino-americano, não têm actualmente existência legal, enquanto que a utilização passada de qualquer entidade internacional era legítima.

Luis Abinader
O presidente dominicano está ligado a duas empresas panamenhas: Littlecot Inc. e Padreso SA, criada antes de a Abinader assumir a presidência do país em 2020. Os ficheiros indicam que as acções eram inicialmente “acções ao portador”, um mecanismo que permitia esconder a identidade dos proprietários das acções.

No entanto, em 2015, uma lei panamenha obrigou as empresas a revelar os nomes dos proprietários de tais títulos. Em 2018, um representante da família presidencial enviou um documento ao prestador de serviços offshore Overseas Management Corp. Nele, os irmãos de Abinader foram listados como accionistas da Littlecot Inc e da Padreso SA em vez de “al tenedor”.

Por seu lado, o presidente dominicano esclareceu ao ICIJ que a Littlecot Inc. possui uma propriedade familiar na República Dominicana, enquanto que a Padresso SA detém acções em seis outras entidades com propriedades e extensões da universidade privada propriedade da sua família.

Quanto às acções ao portador, a Abinader esclareceu que as entidades em questão foram criadas “por consultores que contratámos para comprar as empresas nestas jurisdições (neste caso, o Panamá)”. Explicou também que estes tipos de títulos eram utilizados para “facilitar as transacções comerciais com clientes e reduzir os obstáculos administrativos para as empresas durante a constituição”.

Paralelamente, o líder salientou que é proprietário de entidades “offshore”, uma vez que a utilização de entidades dominicanas para “comprar bens ou trocar bens no estrangeiro costumava ser um desafio (e ainda é) devido à falta de reconhecimento que estas empresas têm em jurisdições estrangeiras”.

Entretanto, o porta-voz presidencial Homero Figueroa reagiu aos Pandora Papers na sua conta do Twitter, observando que a informação hoje divulgada reconhece “a transparência do presidente”.

Sebastián Piñera
O inquérito jornalístico aponta para o facto de que o actual presidente chileno Sebastián Piñera esteve envolvido em várias empresas offshore. Os filhos de Piñera detinham 33,3% das acções do projecto mineiro Dominga. Em Dezembro de 2010, quando Piñera já era presidente há nove meses, a sua família vendeu as suas acções na empresa mineira ao empresário Carlos Alberto Délano, um dos amigos de infância de Piñera. A venda foi feita através de duas empresas de fachada registadas nas Ilhas Virgens Britânicas.

A venda foi selada com dois minutos: um assinado no Chile por 14 milhões de dólares e o outro no mesmo paraíso fiscal por 138 milhões de dólares. O pagamento deveria ser feito em três prestações, mas com uma contingência: o último pagamento só seria feito se o governo chileno não declarasse a área de operações do projecto Dominga como um santuário natural. O governo de Piñera decidiu não promover a iniciativa ambiental e assim a terceira parcela foi desembolsada.

Esta decisão do governo Piñera foi precedida por outra: em Março de 2010, o presidente anunciou o cancelamento da construção da central termoeléctrica de Barrancones, após uma onda de protestos de ambientalistas. O projecto foi encerrado apesar de ter as licenças para funcionar. Na altura, não se sabia que Piñera estava envolvido no projecto Dominga, segundo o Centro de Investigación Periodística (CIPER, Chile).

Além disso, os jornais publicados revelam que alguns dias antes de Piñera tomar posse em 2018, a empresa Parque Chiloé Overseas Inc. (Parque Chiloé Overseas Inc.). (registado nas BVI e ligado a ele) fundiu-se com o Parque Chiloé SA do Chile. Esta última foi então absorvida por outra entidade chilena, Inversiones Odisea, onde quatro dos filhos do presidente possuem acções.

Entretanto, o gerente das empresas familiares de Piñera, salientou aos investigadores que o inquilino de La Moneda não participou, nem tinha conhecimento dos detalhes da compra e venda do projecto Dominga. Ao mesmo tempo, ele especificou que nem Piñera, nem nenhum dos seus familiares directos têm controlo sobre empresas registadas nas IVB.

A Presidência chilena já emitiu uma declaração explicando, entre outras coisas, que a venda do projecto Dominga já foi objecto de uma investigação e que o Ministério Público “recomendou que o caso fosse encerrado devido à inexistência de um crime”.

Por seu lado, o jornalista Marco Teruggi salientou que é difícil processar os evasores fiscais, um facto que, na sua opinião, contribui para a desigualdade na América Latina. “Num continente tão desigual, em vez de contribuir para situações de necessidades extraordinárias – como as causadas pela pandemia – estas grandes fortunas decidem fugir para evitar pagar os seus impostos e, portanto, não contribuir para o bem comum”, disse ele.

Tomado de RT

“A política dos EUA viaja pelo mundo semeando situações infelizes de discórdia”

#RTenEspañol #Biden #Rusia #EstadosUnidos #Politica #China #Economia #Capitolio #Chile #DerechosHumanos #Salud #Covid-19

Que argumentos têm os que defendem o Prêmio Nobel da Paz para a Brigada Henry Reeve no mundo?

#PremioNovelDeLaPazParaLosMedicosCubanos #Cuba #CubaPorLaSalud #CubaSalva #Europa #Africa #Haiti #Mexico #Bolivia #China #ndonesia #Chile #Peru #Guatemala #Paquistan #Francia #BrigadaHenryReeve #MedicosCubanos #MasQueMedicos #Solidaridad #FidelCastro

Autor: Nuria Barbosa León | internet@granma.cu

O clamor mundial pela entrega do Prêmio Nobel da Paz ao contingente de Henry Reeve, especializado em desastres e graves epidemias, percorre o mundo, e seus argumentos são os mais justos e humanos para receber tão alto prêmio.

A campanha começou, por proposta de organizações de solidariedade na Europa, principalmente na França, com os movimentos Cuba Linda e Francia Cuba, em abril de 2020, e recebeu imediatamente o apoio de forças políticas, escritores e artistas, legisladores e funcionários. pessoas comuns que amam a justiça e o progresso, por meio das redes sociais e com pedidos encaminhados ao Comitê norueguês, responsável pela concessão.

Recentemente, cidadãos mexicanos de diferentes áreas da sociedade se juntaram, liderados pela vencedora do prêmio Cervantes, Elena Poniatowska.

Os defensores da candidatura alegam que, desde seu nascimento em 2005, por ideia do comandante em chefe Fidel Castro, suas primeiras missões na Guatemala e no Paquistão salvaram a vida de milhares de pessoas, após sofrerem os efeitos da tempestade tropical. Stan e um terremoto de grande intensidade no território asiático.

Embora não tenham podido ajudar o povo americano, vítima do furacão Katrina, devido à crueldade política dos governantes daquele país, a partir de 19 de setembro (data de fundação), as múltiplas brigadas têm prestado assistência aos mais necessitados de assistência médica, incluindo os Epidemia de cólera no Haiti, epidemia de Ebola na África, inundações no México e Bolívia e diversos terremotos na China, Indonésia, Chile, Peru e o próprio Haiti, em 2010.

Eles chegam aos locais de trabalho, transportando o hospital de campanha, que montam nos primeiros dias de internação, e carregam os pertences para um trabalho de sobrevivência de vários dias. O seu trabalho se alia ao ensino, já que formam paramédicos, e à investigação, já que suas experiências se refletem nas autoridades sanitárias onde atuam.

Além disso, são constituídos para cumprir rigorosamente os protocolos de Saúde de cada país, integram-se à estrutura de saúde e recebem seus pacientes gratuitamente, mesmo que não falem a mesma língua. Da mesma forma, estão preparados para oferecer cobertura médica em áreas remotas e de difícil acesso.

Seu maior mérito é salvar a vida de milhões de pessoas, com dedicação, profissionalismo, altruísmo e solidariedade, estendendo a mão, oferecendo amor, alegria e esperança de vida a todos os seus pacientes, independentemente da cor da pele, ou da religiosidade. , riqueza ou parentesco filial.

Conceder o Prêmio Nobel da Paz às brigadas Henry Reeve, segundo as pessoas que o defendem em todo o mundo, significa dar essa distinção a um grupo que realmente contribui e trabalha para o bem da humanidade. Ao mesmo tempo, uma resposta global será dada àqueles que não podem aceitar que um pequeno país bloqueado pelo imperialismo possa oferecer um serviço tão grande ao mundo.

Hospital de campañana cubano en Abbottabad que lleva por nombre

Embora suas ações não tenham sido motivadas pela obtenção de prêmios, eles detêm o Prêmio Saúde Pública em Memória do Dr. Lee Jong-Wook, concedido pela Organização Mundial da Saúde, em maio de 2017, em reconhecimento ao trabalho realizado na luta contra o Ebola na África.

De acordo com os requisitos para obter o Prêmio Nobel da Paz, eles contam o sacrifício, a dedicação, a vontade e o simples desejo de fazer o bem aos outros. Portanto, é meritório reconhecer a dignidade, a ética, o sacrifício e a honestidade que caracterizam os médicos cubanos, que partem para outros territórios movidos pelo princípio do internacionalismo proletário.

O cinismo de Dita Charanzová, vice-presidente do Parlamento Europeu.

#UnionEuropea #DitaCharanzová #Minrex #Cuba #BrunoRodriguez #MafiaAnticubana #MercenariosYDelincuentes #DerechosHumanos #CubaSalva #EEUUBloquea #Washington #RevolucionCubana #RedesSociales #SubversionContraCuba #ONU #Chile #Colombia #Ecuador #Peru #Brasil #Guatemala #JairBolsonaro #LeninMoreno #DonaldTrumpCulpable #Covid-19 #SaludMundial #JoseMarti

Conhecida por suas posições de extrema direita e fiel seguidora da linha política de Donald Trump, a tcheca Dita Charanzová, vice-presidente do Parlamento Europeu, não para de atacar Cuba e acusá-la de “violar” direitos humanos, mas sim de violações verdadeiras e criminosas por governos semelhantes a Washington, não diz uma única palavra.

Mais parecida com uma subordinada do Departamento de Estado ianque do que com o próprio Parlamento Europeu, Charanzová tenta formar uma matriz de opinião contra a Revolução Cubana, em busca da entidade que representa para romper os acordos entre a Ilha e a União Europeia, com a evidente interesse em retomar a fracassada Posição Comum, proposta por José María Aznar, outro peão dos Estados Unidos.

Internet

A que liberdades básicas e direitos humanos você se refere ao atacar Cuba?

Como se tivesse copiado o discurso de Donald Trump em 16 de junho de 2017 em Miami, a citada recentemente declarou:

“É hora de perceber que nossa estratégia atual não está funcionando em benefício do povo cubano.”

Seguindo a mesma tática ianque de querer afogar o povo cubano, passa a confundir parlamentares e a opinião pública europeia que os direitos humanos são “violados” em Cuba, tudo dentro do contexto lançado pelos ianques para defender a contra-revolução interna na Ilha, criada e financiado pelos Estados Unidos, que não tem nenhum reconhecimento popular, por sua falta de moral, ética e seu caráter mercenário.

Suas declarações fazem parte do recente encontro bilateral entre a União Européia e Cuba, situação que amarga o Departamento de Estado por insistir em isolar a Revolução e intensificar sua guerra econômica, comercial e financeira, em meio à terrível pandemia que atinge o mundo.

Para aborrecimento da máfia terrorista anticubana de Miami e dos políticos norte-americanos que se opõem a uma melhora nas relações com Havana por parte do novo governo Joe Biden, o pronunciamento da reunião bilateral presidida pelo chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, e pelo chanceler cubano Bruno Rodríguez Parilla, afirma:

“Houve um debate frutífero com o Ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, sobre as relações gerais UE-Cuba e o impacto das sanções dos EUA na economia cubana e nos interesses comerciais e de investimento da UE.”

Esta posição não é aceita por Washington, que imediatamente moveu seus peões para criticá-la e combatê-la.

O mundo pôde acompanhar a TV cubana internacional, a verdade sobre o fabricado “Movimento San Isidro”, que não é um movimento nem tem seguidores, é formado por pessoas de baixa moral, que jamais seriam aceitas em nenhum país da educada e educada Europa.

Fundación Nacional Cubano Americana - Dita Charanzova exige liberación de  presos políticos | Facebook

O apelo das redes sociais para se concentrarem perante o Ministério da Cultura, no final de 2020, foi promovido por outra das peças ianques, Tania Brugueras, uma provocadora de longa data em ações subversivas, que conquistou através da mentira, arrastando vários jovens da arte estudantes e até artistas consagrados que, ao sentirem a verdade nos vídeos veiculados na TV, se distanciaram do embuste sedicioso da embaixada dos Estados Unidos em Havana, prova da falta de autenticidade daquele inventado “Movimento”.

As evidências mostram que por trás da tcheca Dita Charanzová está a mão dos ianques, fazendo parte de suas tendenciosas campanhas apoiadas pela mídia pela Rádio Televisión Martí, geradora da guerra psicológica contra Cuba, criada e financiada pelo governo dos Estados Unidos. apesar de nunca ter sido ouvido ou visto na rádio e na televisão da ilha.

A ultradireita pró-ianque do Parlamento Europeu pretende sancionar Cuba pela suposta violação dos direitos humanos, porém não se pronuncia a favor da sanção da Colômbia pelos 84 massacres perpetrados em 2020 e outros 6 até 24 de janeiro de 2021, executado por forças paramilitares protegidas pelo regime de Iván Duque, irmão próximo dos Estados Unidos.

Um relatório recente do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, reconhece esses crimes, entre os quais há 19 crianças, 12 mulheres e mais de 352 pessoas assassinadas, muitas delas líderes sociais.

Quando esses crimes ocorreram em Cuba?

Nem um único contra-revolucionário assassinado ou desaparecido em 62 anos da Revolução.

Por que Dita Charanzová não adota posição semelhante contra o governo de Sebastián Piñera, por suas violações permanentes dos direitos humanos no Chile, onde a polícia atira em jovens que exigem justiça social, trabalho, melhor educação e eliminação das desigualdades?

La guerra mediática de #EEUU contra #Cuba; Visión histórica y percepción  política | Cuba por Siempre

O que acontece no Peru e na Guatemala com o pessoal de saúde que não preocupa o MEP?

Onde está sua consciência diante do panorama de saúde sofrido pelo povo brasileiro, diante da falta de sensibilidade do regime de Jair Bolsonaro, onde cemitérios não chegam para enterrar os cadáveres?

Quais foram suas propostas de sanções contra o regime de Lenin Moreno no Equador, por não ter programas de saúde eficazes, que resultou na morte de pacientes Covid-19 no meio da rua sem assistência?

Qual resolução você aprovou contra o governo de Donald Trump, diante do péssimo manejo da pandemia, que tornou o país mais rico do mundo o mais infectado e com o maior número de mortes em todo o planeta?

Há muita hipocrisia e cinismo no Checo Charanzová, combinado com seu ódio contra um pequeno país, que defende seu sistema socialista que permite cuidar de todos os seus cidadãos, manter um forte sistema de saúde, educação e previdência social que Ninguém, apesar das 242 sanções impostas pelos Estados Unidos somente em 2020, algo que parece não importar para esta mulher que se esforça para agradar seus patrões ianques.

José Martí foi exatamente quando disse:

“É considerado crime querer forçar a opinião pública”

Uma história de SOLIDARIEDADE🇨🇺 e IRMANDADE🇵🇦

#FidelCastro #EternoComandante #FidelEntreNosotros #IdeasQueSonBanderas 3Panama #HistoriaDeCuba #AmericaLatina #TerrorismoContraCuba #PosadaCarriles #TerrorismoMadeInUSA #PuentesDeAmor #SolidaridadConCuba #CubaSalva #EEUUBloquea #Chile #ElBloqueoEsReal #CubaCoopera #Covid-19 #SaludMundial

%d bloggers like this: