#ParaísosFiscais, #Lasso, #Piñera e #Abinader, a #CaixaDePandora está aberta ..

#ParaisosFiscais #PapelesDePandora

A extensa investigação do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) revelou no domingo que 14 líderes mundiais e 21 outros líderes que desde então deixaram o poder esconderam bens e rendimentos no valor de milhares de milhões de dólares para evitar pagar impostos em paraísos fiscais.

Os ficheiros vazados, apelidados de Pandora Papers, incluem 35 líderes mundiais – ainda no poder ou reformados – e mais de 300 funcionários públicos em todo o mundo que detêm bens em ou através de paraísos fiscais.

Os Documentos de Pandora incluem, entre outros estadistas, os três actuais líderes latino-americanos: o Presidente do Equador, Guillermo Lasso, o Presidente do Chile, Sebastián Piñera e o líder da República Dominicana, Luis Abinader. Além disso, as fugas incluem outros altos funcionários latino-americanos: 11 presidentes reformados, 90 políticos de alto nível e um governador de um banco central.

Guillermo Lasso
De acordo com os documentos divulgados, o Presidente equatoriano Guillermo Lasso teve ligações a 10 empresas offshore e trusts no Panamá e nos estados americanos do Dakota do Sul e Delaware: Bretten Trust, Liberty US Trust, Bernini Foundation, Bretten Holdings, Da Vinci Foundation, Fundación Bienes Raíces, Nora Group Investment Corp, Pietro Overseas SA, Positano Trade LLC e Tintoretto International Foundation.

Bretten Trust e Liberty US Trust foram criados em 2017, e a Lasso autorizou a transferência para esses dois trusts de empresas operadas por duas fundações de interesse privado panamenses, denominadas Bernini e Barberini. De acordo com as regras de cada fundação, seriam feitas distribuições mensais aos beneficiários após a morte de Lasso, incluindo $20.000 à sua esposa, $2.000 aos seus filhos e $1.500 ao seu irmão.

Lasso disse ao ICIJ que não tem “nenhuma relação de propriedade, controlo, benefício ou interesse de qualquer tipo” com o Bretten Trust e o Liberty US Trust e que sempre cumpriu a legislação equatoriana que proíbe candidatos e funcionários públicos de deter empresas em paraísos fiscais.

As outras entidades mencionadas foram dissolvidas e, tal como confirmado pelo presidente do país latino-americano, não têm actualmente existência legal, enquanto que a utilização passada de qualquer entidade internacional era legítima.

Luis Abinader
O presidente dominicano está ligado a duas empresas panamenhas: Littlecot Inc. e Padreso SA, criada antes de a Abinader assumir a presidência do país em 2020. Os ficheiros indicam que as acções eram inicialmente “acções ao portador”, um mecanismo que permitia esconder a identidade dos proprietários das acções.

No entanto, em 2015, uma lei panamenha obrigou as empresas a revelar os nomes dos proprietários de tais títulos. Em 2018, um representante da família presidencial enviou um documento ao prestador de serviços offshore Overseas Management Corp. Nele, os irmãos de Abinader foram listados como accionistas da Littlecot Inc e da Padreso SA em vez de “al tenedor”.

Por seu lado, o presidente dominicano esclareceu ao ICIJ que a Littlecot Inc. possui uma propriedade familiar na República Dominicana, enquanto que a Padresso SA detém acções em seis outras entidades com propriedades e extensões da universidade privada propriedade da sua família.

Quanto às acções ao portador, a Abinader esclareceu que as entidades em questão foram criadas “por consultores que contratámos para comprar as empresas nestas jurisdições (neste caso, o Panamá)”. Explicou também que estes tipos de títulos eram utilizados para “facilitar as transacções comerciais com clientes e reduzir os obstáculos administrativos para as empresas durante a constituição”.

Paralelamente, o líder salientou que é proprietário de entidades “offshore”, uma vez que a utilização de entidades dominicanas para “comprar bens ou trocar bens no estrangeiro costumava ser um desafio (e ainda é) devido à falta de reconhecimento que estas empresas têm em jurisdições estrangeiras”.

Entretanto, o porta-voz presidencial Homero Figueroa reagiu aos Pandora Papers na sua conta do Twitter, observando que a informação hoje divulgada reconhece “a transparência do presidente”.

Sebastián Piñera
O inquérito jornalístico aponta para o facto de que o actual presidente chileno Sebastián Piñera esteve envolvido em várias empresas offshore. Os filhos de Piñera detinham 33,3% das acções do projecto mineiro Dominga. Em Dezembro de 2010, quando Piñera já era presidente há nove meses, a sua família vendeu as suas acções na empresa mineira ao empresário Carlos Alberto Délano, um dos amigos de infância de Piñera. A venda foi feita através de duas empresas de fachada registadas nas Ilhas Virgens Britânicas.

A venda foi selada com dois minutos: um assinado no Chile por 14 milhões de dólares e o outro no mesmo paraíso fiscal por 138 milhões de dólares. O pagamento deveria ser feito em três prestações, mas com uma contingência: o último pagamento só seria feito se o governo chileno não declarasse a área de operações do projecto Dominga como um santuário natural. O governo de Piñera decidiu não promover a iniciativa ambiental e assim a terceira parcela foi desembolsada.

Esta decisão do governo Piñera foi precedida por outra: em Março de 2010, o presidente anunciou o cancelamento da construção da central termoeléctrica de Barrancones, após uma onda de protestos de ambientalistas. O projecto foi encerrado apesar de ter as licenças para funcionar. Na altura, não se sabia que Piñera estava envolvido no projecto Dominga, segundo o Centro de Investigación Periodística (CIPER, Chile).

Além disso, os jornais publicados revelam que alguns dias antes de Piñera tomar posse em 2018, a empresa Parque Chiloé Overseas Inc. (Parque Chiloé Overseas Inc.). (registado nas BVI e ligado a ele) fundiu-se com o Parque Chiloé SA do Chile. Esta última foi então absorvida por outra entidade chilena, Inversiones Odisea, onde quatro dos filhos do presidente possuem acções.

Entretanto, o gerente das empresas familiares de Piñera, salientou aos investigadores que o inquilino de La Moneda não participou, nem tinha conhecimento dos detalhes da compra e venda do projecto Dominga. Ao mesmo tempo, ele especificou que nem Piñera, nem nenhum dos seus familiares directos têm controlo sobre empresas registadas nas IVB.

A Presidência chilena já emitiu uma declaração explicando, entre outras coisas, que a venda do projecto Dominga já foi objecto de uma investigação e que o Ministério Público “recomendou que o caso fosse encerrado devido à inexistência de um crime”.

Por seu lado, o jornalista Marco Teruggi salientou que é difícil processar os evasores fiscais, um facto que, na sua opinião, contribui para a desigualdade na América Latina. “Num continente tão desigual, em vez de contribuir para situações de necessidades extraordinárias – como as causadas pela pandemia – estas grandes fortunas decidem fugir para evitar pagar os seus impostos e, portanto, não contribuir para o bem comum”, disse ele.

Tomado de RT

Terroristas em Miami lideram marcha pela “pátria” e “vida”

#CubaNoEsMiami #MafiaCubanoAmericana #TerrorismoMadeInUSA #PatriaOMuerte #CubaSeRespeta #CIA # ManipulacionMediatica #RedesSociales

Por M. H. Lagarde

A marcha, encabeçada por notórios terroristas, que aconteceu neste sábado em Miami para apoiar o que chamaram de “um despertar da consciência cívica em Cuba” após a canção Patria y Vida, pode ser considerada o auge da horrível realidade de Miami.

Segundo o jornal oficial da máfia anticubana de Miami, El Nuevo Herald, a caravana de carros que desfilou pelas ruas dessa cidade contou com a presença de Ramón Saúl Sánchez Rizo, presidente do Movimento pela Democracia e um dos organizadores do evento ., que liderou uma oração em apoio à subversão em Cuba.

Leia mais: IN VIDEO. Pátria e vida: o verdadeiro pano de fundo de uma campanha anticubana

Além de Ramón Saúl Sánchez, o desfile, segundo a mesma fonte, também contou com a presença do notório terrorista anticubano Orlando Gutiérrez-Boronat. Embora agora se apresentem como “pacifistas”, ambos têm uma longa história de ações terroristas contra Cuba.

Para não demorar muito nesta nota, basta dizer que Ramón Raúl Sánchez, no início de sua carreira de “lutador” pela causa de Cuba, fazia parte de organizações terroristas como a Frente de Libertação Nacional de Cuba (FLCN) e Alpha 66, organização dirigida por Andrés Nazario Sargén, acusado de mais de 20 ataques terroristas contra navios e missões diplomáticas cubanas.

Ele foi o segundo coordenador das Organizações Revolucionárias Unidas (CORU, a mesma organização à qual pertencia Posada Carriles e um relatório do Federal Bureau o identificou como um dos autores da explosão em pleno vôo de um pequeno avião com quatro turistas americanos viajando para Cuba em 1978.

Por sua vez, o porta-voz da chamada Direção Democrática Cubana, Orlando Gutiérrez Boronat, era membro da organização Abdala quando esta se fundiu com a violenta Frente de Libertação Nacional de Cuba, descrita pela CIA em seu estudo “Diagnóstico e Previsão do Terrorismo Internacional e Transnacional ”de 1976, como a organização terrorista cubana mais ativa nos Estados Unidos entre 1968 e 1975.

Suas ações “a favor da vida” incluem sua participação no ataque a um avião da companhia aérea comercial Cubana de Aviación, estacionado no aeroporto internacional de Miami, contra o qual lançou uma draga a combustível. O acontecimento causou avarias e avarias de milhares de dólares e o terror dos viajantes que embarcaram. O OPLC ganhou a ação e pagou fiança para o terrorista, que foi libertado.

Orlando Gutiérrez Boronat é também o personagem fatal que os cubanos tiveram a oportunidade de ver em suas telas de televisão depois que, em 4 de dezembro, manifestou seu apoio a uma invasão armada a Cuba para derrubar o governo socialista se os soldados cubanos usassem força letal contra os cubanos quem se opôs ao governo. Ele disse:

“Se houver uma repressão mortal, o uso da força militar para reprimir o povo cubano é legítimo e pedimos uma intervenção internacional liderada pelos Estados Unidos para derrubar esse regime e acabar com ele”.

Não é de estranhar que tais terroristas apoiem o chamado Movimento San Isidro em sua “luta”, se levarmos em conta o “amor” que uns e outros compartilham pela “Pátria” e pela “Vida”.

Prova disso é a conexão entre as ameaças feitas por Boronat e a de um dos intérpretes da canção “vital”, o suposto rapper Maykel Osorbo, que também apelou, publicamente e em voz alta, à invasão dos Estados Unidos a Cuba. .

O pretexto sônico: Entre a #CIA e #MarcoRubio (Parte II)

#Cuba #EstadosUnidos #CIA #FalsosAtaquesSonicos #DonaldTrumpCulpable #FakeNewsVsCuba #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes CubaNoEsMiami #CubaSeRespeta

Por Rafael Gonzalez Morales Redacción Razones de Cuba

Após sete meses sem revelar publicamente os supostos incidentes acústicos, e encerrado o processo de revisão da política em relação a Cuba, Marco Rubio considerou que era o momento ideal para pressionar com o objetivo de que esses fatos fossem do conhecimento de todos. Foi um cálculo político perverso baseado no facto de estes “ataques sonoros”, uma vez revelados, constituírem o pretexto perfeito para se conseguir uma deterioração progressiva das relações entre os dois países que conduziria praticamente ao desmantelamento das respectivas embaixadas.

Não se contentava com um retrocesso parcial, como o incluído no memorando de Trump, precisava gerar um clima bilateral rarefeito e tinha certeza de que essa questão tinha esse potencial. Em sua lógica maliciosa, com uma série de diplomatas americanos “afetados por uma arma poderosa de tecnologia desconhecida”, o governo dos Estados Unidos não teve escolha a não ser responder agressivamente.
Segundo investigação da publicação New Yorker, Marco Rubio “começou a cair nas reuniões que sabia o que se passava em Cuba. Funcionários do governo temiam que ele vazasse a informação a qualquer momento.

Ataque Sónico

Nesse contexto, em 9 de agosto, o jornalista da CBS Steve Dorsey perguntou ao porta-voz do Departamento de Estado: Você pode nos contar sobre os incidentes que estão acontecendo em Havana e que afetaram funcionários do governo dos Estados Unidos? O funcionário, no essencial, disse-lhe: «Temos conhecimento do que aconteceu lá. Funcionários do governo dos Estados Unidos que trabalhavam em nossa embaixada em Havana relataram alguns incidentes que causaram diversos sintomas físicos […] Não temos uma resposta definitiva sobre a origem ou causa dos incidentes.

O momento almejado pela extrema direita havia chegado para impor sua agenda sem obstáculos. Em 15 de setembro, cinco senadores republicanos do Comitê Seleto de Inteligência do Senado liderado por Marco Rubio enviaram uma carta ao então Secretário de Estado Rex Tillerson. Na carta, pediam-lhe que declarasse imediatamente todos os diplomatas cubanos nos Estados Unidos como pessoas indesejáveis ​​e, caso Cuba não tomasse medidas tangíveis, fechasse a embaixada dos Estados Unidos em Havana.

Em 29 de setembro, Tillerson anunciou a decisão de reduzir significativamente o pessoal diplomático de sua embaixada em Havana e remover todos os familiares. No comunicado, ele especificou que “até que o governo de Cuba possa garantir a segurança de nossos diplomatas”, só restará o pessoal de emergência. Além disso, emitiram um alerta de viagem aos cidadãos norte-americanos sugerindo que evitassem viajar para a ilha. Horas depois desse anúncio, Donald Trump, diante de uma pergunta de um jornalista sobre esses acontecimentos, apontou em sua linguagem típica: “Houve um grande problema em Cuba. Eles fizeram coisas muito ruins.

Nesse mesmo dia, Marco Rubio divulgou um comunicado que afirmava: “É absurda a ideia de que Cuba não saiba como esses atentados foram cometidos e quem os executou […] Até que os responsáveis ​​por esses atentados sejam levados à justiça, Estados Unidos deve expulsar imediatamente igual número de diplomatas cubanos, rebaixar a embaixada dos Estados Unidos em Havana à Seção de Interesses e considerar a inclusão de Cuba na lista de países patrocinadores do terrorismo.

Olla de grillos? (+Línea de Tiempo) (+Ilustraciones) - Cuba en Noticias

Em 3 de outubro, o Secretário de Estado indicou por meio de um comunicado à imprensa que haviam decidido que 15 funcionários da embaixada cubana em Washington deveriam deixar os Estados Unidos. Em menos de uma semana, o governo Trump adotou medidas com implicações muito negativas para as relações entre os dois países. Em termos práticos, ocorreu um desmantelamento das missões diplomáticas.

A suspensão da emissão de vistos na sede dos EUA comprometeu o cumprimento dos acordos de imigração e afetou as viagens por motivos familiares aos Estados Unidos. A cooperação em questões de interesse comum e a implementação dos 22 instrumentos bilaterais existentes também foram colocadas em risco. Portanto, o pretexto dos “ataques sônicos” começou a valer a pena e a deterioração progressiva das relações começou.

Ao contrário da posição manifestada pelo governo dos Estados Unidos de manipular esta questão por motivos políticos, as autoridades cubanas, desde que foram informadas da ocorrência destes eventos em fevereiro de 2017, deram-lhe a máxima prioridade e envolveram-se imediatamente no seu esclarecimento. Criaram um grupo de trabalho permanente responsável pelo processo de investigação no qual intervieram diversas especialidades do Ministério do Interior. Além disso, foi constituída uma comissão de especialistas composta por especialistas de alto nível dos Ministérios da Ciência, Tecnologia e Saúde Pública, tendo em consideração a natureza dos acontecimentos notificados.

Depois que o governo dos Estados Unidos divulgou publicamente essa situação, um debate crescente começou sobre esses eventos. Cientistas de renome internacional, de várias áreas do conhecimento, pertencentes a prestigiosas universidades e centros de pesquisa dos Estados Unidos e da Europa, têm sustentado várias hipóteses que lançam dúvidas sobre a ocorrência dos alegados ataques acústicos. Esses especialistas consideraram improvável que a grande variedade de sintomas fossem causados ​​por equipamentos conhecidos e que o tipo de som gravado provavelmente não causasse danos cerebrais.

Multimedia - Cuba en Noticias

Em 8 de janeiro de 2018, a agência de notícias AP revelou que a Divisão Operacional de Tecnologia do FBI emitiu um relatório afirmando que após investigar as ondas sonoras abaixo do alcance da audição humana (infra-som), aquelas que podem ser ouvidas (acústica) e aquelas que estão acima No campo auditivo (ultrassom), concluiu que não havia causa sonora para os sintomas físicos vividos pelos diplomatas norte-americanos em Havana. Em essência, a instituição especializada nos Estados Unidos legalmente autorizada a realizar esse tipo de investigação determinou que não havia evidências dos “ataques acústicos”.

Como parte de sua obsessão anticubana, Marco Rubio convocou uma audiência em 9 de janeiro na Comissão de Relações Exteriores do Senado sobre os incidentes de saúde. Seu objetivo era fazer um show político para responsabilizar o governo cubano. O legislador argumentou que era irrelevante saber se os ataques foram realizados com um dispositivo acústico ou de micro-ondas porque, em última análise, a verdade era que “24 americanos ficaram feridos”.

Ele acrescentou que o que aconteceu foi fruto de uma tecnologia tão sofisticada que os especialistas nos Estados Unidos ainda não entendem. Como o nosso cinismo sem limites, afirmou: “os responsáveis ​​por estes atentados querem introduzir atritos nas relações bilaterais”.

Retirado do contexto latino-americano

#Sanções: ilegalidade coberta.

#RTenEspañol #sanciones #ElZoom #Cuba #DerechosHumanos #UnionEuropea #China #Rusia #Democracia #Capitolio #DonaldTrumpCulpable #EstadosUnidos #ElBloqueoEsReal #AmericaLatina

Guaidó e a rota do dinheiro da Venezuela.

#EstadosUnidos #DonaldTrumpCulpable #Venezuela #AutoproclamadoGuaido #InjerenciaDeEEUU #MikePompeo #Citgo #PDVSA

Por Redacción Razones de Cuba

Autor: Elson Concepción Pérez | internet@granma.cu

Um personagem como Juan Guaidó só poderia ser fabricado pelo governo dos Estados Unidos. O montante multimilionário de dinheiro necessário ao projeto, elaborado no Departamento de Estado, foi concebido, desde o início, com base na apropriação do patrimônio do Estado venezuelano, depositado em bancos daquele país, bem como na subsidiária do petroleira PDVSA, que, sob o nome de Citgo, reside nos Estados Unidos.

Tratava-se de criar uma espécie de “governo paralelo” e ignorar e torpedear o legítimo, chefiado por Nicolás Maduro; desenvolver uma guerra econômica de possível alcance militar, e que o dinheiro para este andaime intervencionista venha dos recursos do país bolivariano.

O ex-presidente Donald Trump, e seu colaborador mais próximo, Mike Pompeo, sabiam que privar a Venezuela do dinheiro obtido com seu petróleo era a melhor maneira de deter o boom revolucionário, o desenvolvimento social e, de acordo com seus planos, o caminho para o colapso da Revolução Bolivariana .

Resultado de imagen de imagenes de trump y guaido

Para se ter uma ideia de até onde chegaram os Estados Unidos e Juan Guaidó, tomemos um exemplo: A petroleira PDVSA tinha um acordo com a Itália para que, no país europeu, fossem realizados transplantes de medula óssea em crianças venezuelanas como único caminho para salvar suas vidas. Porém, quatro deles morreram enquanto aguardavam a viagem, já que o dinheiro para custear essas operações deveria ser enviado pela subsidiária da Citgo, mas como Trump o apreendeu e proibiu o uso de seus recursos, o único destino dos bebês era o morte.

“Aquele programa de Saúde com a Itália era executado pela Citgo, confiscado pelos EUA, a Venezuela mandou os fundos pela PDVSA e eles ficaram retidos no Novo Banco, em Portugal, graças às sanções e ao bloqueio criminoso”, relatou então, em um tweet, o Ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza.

Na mensagem publicou também as ordens de pagamento emitidas pela estatal venezuelana de petróleo e os recibos das transacções rejeitados pelo banco português. A vice-presidente, Delcy Rodríguez, apontou diretamente para Juan Guaidó ter entregue o Citgo aos Estados Unidos. “Esse roubo levou ao assassinato de crianças beneficiadas por nobres programas de saúde”, afirmou.

Muitos outros danos têm causado o desfalque ou congelamento de dinheiro venezuelano por entidades estrangeiras, e milhões desses recursos foram para o bolso de Guaidó e seus acólitos e, sobretudo, para as carteiras de seus promotores.

La CNN recuerda que el 25 de enero de 2019, EE. UU. «autorizó a Juan Guaidó para controlar las cuentas del Gobierno o del Banco Central de Venezuela, depositadas en el Banco de la Reserva Federal en Nueva York u otra institución bancaria asegurada en Estados Unidos”. Foram 340 milhões de dólares confiscados ao executivo de Caracas.

A própria fonte cita que “assim que Juan Guaidó se autoproclamou presidente interino da Venezuela, em 23 de janeiro de 2019, o secretário de Estado, Mike Pompeo, emitiu um comunicado oferecendo apoio à transição na Venezuela”. Como essa empreitada não poderia ser realizada com os cofres vazios, o próprio Departamento de Estado concedeu 20 milhões de dólares ao “governo de Guaidó”, que jamais poderia influir internamente, mas que foi sacado internacionalmente com o saque de contas do país, no meio da guerra que é travada sobre ele.

O Washington Post revelou uma investigação que vincula o círculo de oposição venezuelana a atos de corrupção nos Estados Unidos, como ações vinculadas ao manejo irregular de ativos venezuelanos no exterior, recuperadas em aliança com o governo Trump.

Outra direção de como o dinheiro venezuelano é buscado em bancos estrangeiros foi encenada com as 31 toneladas de barras de ouro (2 bilhões de dólares) do país sul-americano mantidas no Banco da Inglaterra. Essa entidade recusou entregá-los ao Banco Central da Venezuela, com base no reconhecimento, pelo governo britânico, de Guaidó como presidente interino.

O litígio continua e, junto com a rota do dinheiro venezuelano confiscado ou roubado pelos Estados Unidos, o povo daquele país está privado de usar seus recursos para adquirir medicamentos e alimentos, em meio a uma pandemia que, junto com O bloqueio Os avanços econômicos da América entraram em colapso nas últimas duas décadas.

Sem Trump na Casa Branca, a comunidade internacional espera que o novo governo reprima essa posição criminosa e intrometida.

#Guaidó e a rota do dinheiro da #Venezuela.

#EstadosUnidos #Venezuela #AmericaLatina #AutoproclamadoGuaido #PDVSA #InjerenciaDeEEUU #DonaldTrumpCulpable #MikePompeo #BCV #ElBloqueoEsReal

Autor: Elson Concepción Pérez | internet@granma.cu

Um personagem como Juan Guaidó só poderia ser fabricado pelo governo dos Estados Unidos. O montante multimilionário de dinheiro necessário ao projeto, elaborado no Departamento de Estado, foi concebido, desde o início, com base na apropriação do patrimônio do Estado venezuelano, depositado em bancos daquele país, bem como na subsidiária do petroleira PDVSA, que, sob o nome de Citgo, reside nos Estados Unidos.

Tratava-se de criar uma espécie de “governo paralelo” e ignorar e torpedear o legítimo, chefiado por Nicolás Maduro; desenvolver uma guerra econômica de possível alcance militar, e que o dinheiro para este andaime intervencionista venha dos recursos do país bolivariano.

O ex-presidente Donald Trump, e seu colaborador mais próximo, Mike Pompeo, sabiam que privar a Venezuela do dinheiro obtido com seu petróleo era a melhor maneira de deter o boom revolucionário, o desenvolvimento social e, de acordo com seus planos, o caminho para o colapso da Revolução Bolivariana .

Para se ter uma ideia de até onde chegaram os Estados Unidos e Juan Guaidó, tomemos um exemplo: A petroleira PDVSA tinha um acordo com a Itália para que, no país europeu, fossem realizados transplantes de medula óssea em crianças venezuelanas como único caminho para salvar suas vidas. Porém, quatro deles morreram enquanto aguardavam a viagem, já que o dinheiro para custear essas operações deveria ser enviado pela subsidiária da Citgo, mas como Trump o apreendeu e proibiu o uso de seus recursos, o único destino dos bebês era o morte.

“Aquele programa de Saúde com a Itália era executado pela Citgo, confiscado pelos EUA, a Venezuela mandou os fundos pela PDVSA e eles ficaram retidos no Novo Banco, em Portugal, graças às sanções e ao bloqueio criminoso”, relatou então, em um tweet, o Ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza.

Na mensagem, publicou também as ordens de pagamento emitidas pela estatal venezuelana e os recibos das operações rejeitados pelo banco português. A vice-presidente, Delcy Rodríguez, apontou diretamente para Juan Guaidó ter entregue o Citgo aos Estados Unidos. “Esse roubo levou ao assassinato de crianças beneficiadas por nobres programas de saúde”, afirmou.

Muitos outros danos têm causado o desfalque ou congelamento de dinheiro venezuelano por entidades estrangeiras, e milhões desses recursos foram para o bolso de Guaidó e seus acólitos e, sobretudo, para as carteiras de seus promotores.

La CNN recuerda que el 25 de enero de 2019, EE. UU. «autorizó a Juan Guaidó para controlar las cuentas del Gobierno o del Banco Central de Venezuela, depositadas en el Banco de la Reserva Federal en Nueva York u otra institución bancaria asegurada en Estados Unidos”. Foram 340 milhões de dólares confiscados ao executivo de Caracas.

A própria fonte cita que “assim que Juan Guaidó se autoproclamou presidente interino da Venezuela, em 23 de janeiro de 2019, o secretário de Estado, Mike Pompeo, emitiu um comunicado oferecendo apoio à transição na Venezuela”. Como essa empreitada não poderia ser realizada com os cofres vazios, o próprio Departamento de Estado concedeu 20 milhões de dólares ao “governo de Guaidó”, que jamais poderia influir internamente, mas que foi sacado internacionalmente com o saque de contas do país, no meio da guerra que é travada sobre ele.

O Washington Post revelou uma investigação que vincula o círculo de oposição venezuelana a atos de corrupção nos Estados Unidos, como ações vinculadas ao manejo irregular de ativos venezuelanos no exterior, recuperadas em aliança com o governo Trump.

Outra direção da busca do dinheiro venezuelano nos bancos estrangeiros foi encenada com as 31 toneladas de lingotes de ouro (2 bilhões de dólares) do país sul-americano mantidas no Banco da Inglaterra. Essa entidade recusou entregá-los ao Banco Central da Venezuela, com base no reconhecimento, pelo governo britânico, de Guaidó como presidente interino.

O litígio continua e, junto com a rota do dinheiro venezuelano confiscado ou roubado pelos Estados Unidos, o povo daquele país está privado de usar seus recursos para adquirir medicamentos e alimentos, em meio a uma pandemia que, junto com O bloqueio Os avanços econômicos da América entraram em colapso nas últimas duas décadas.

Sem Trump na Casa Branca, a comunidade internacional espera que o novo governo reprima essa posição criminosa e intrometida.

Estados Unidos e o terrorismo de estado global.

#TerrorismoMadeInUSA #EEUUBloquea #CubaSalva #ManipulacionMediatica #SubversionContraCuba #DonaldTrumpCulpable #MikePompeo #CIA #FBI

Por Redacción Razones de Cuba

É significativo que entre as últimas ações do governo de Donald Trump, formalmente acusado de instigar um violento ataque ao Capitólio por uma multidão irada de seus seguidores, tenha reinserido Cuba na lista de patrocinadores estatais do terrorismo.

Lamenta Cuba manipulación y oportunismo político sobre el terrorismo | Cuba  Si

Lembremos que Trump interrompeu o processo de normalização das relações diplomáticas cubano-americanas, iniciado em 2014, por Barack Obama e Raúl Castro, e aprofundou o embargo criminal com medidas punitivas contra pessoas e países que participam de trocas comerciais e financeiras com os maiores das Antilhas e até proibiu a seus cidadãos de se hospedar em hotéis cubanos, além de ativar, pela primeira vez, a seção III da Lei Helms-Burton (1996), que permite que cidadãos norte-americanos ajuizem ações contra entidades ou pessoas de terceiros países que usam propriedades que foram nacionalizadas pelo Estado cubano, de acordo com a lei, após o triunfo revolucionário.

É paradoxal que o país que apoiou inúmeros golpes de estado para impor sangrentas ditaduras na América Latina e em outras regiões do mundo, que se valeu repetidamente do terrorismo para salvaguardar seus interesses geoestratégicos e proporcionou proteção e impunidade a terroristas confessos, como Luis Posadas Carriles, considere Cuba culpada deste crime contra a humanidade.

Há mais de três décadas, o colega A. Grachiov, com base no relato das operações militares abertas e encobertas realizadas pelos Estados Unidos, país que utilizou a força em 215 casos entre 1945 e 1975, designou essas ações como terrorismo global de Estado , ainda mais criminoso porque conta com o gigantesco poder de guerra e o aparato subversivo do maior estado capitalista. (p. 109) Grachiov considerou que os Estados Unidos haviam elevado o terrorismo à categoria de política de estado, apontando a Agência Central de Inteligência (CIA) como o órgão fundamental do governo para tarefas sujas:

Cuba: Estados Unidos vuelve a incluir a la isla en la lista de países  patrocinadores del terrorismo | Mike Pompeo | Donald Trump | MUNDO | EL  COMERCIO PERÚ
“Organizar e realizar ações subversivas e de sabotagem contra outras nações, atacar estadistas estrangeiros, preparar fraudes e difundir calúnias. Desta forma, ele cumpre a função de um terrorista profissional a serviço da Casa Branca [...] Além das operações secretas sob responsabilidade direta da CIA, deve-se acrescentar sua estreita cooperação com outros serviços secretos de regimes reacionários, [ …] Para que os Estados Unidos sejam tacitamente cúmplices nas operações dos serviços terroristas secretos de outros estados ”. (Sob o signo do terror. Moscou: Editorial Progreso, 1986)

Certamente, a CIA, desde a sua fundação em 1947, tem sido o órgão fundamental para a guerra suja, embora não o único, que não pode ser caracterizada senão como “terrorismo”, se tomarmos a definição do próprio Federal Bureau of Investigation (FBI), como o uso ilegal de força ou violência contra pessoas ou propriedades para intimidar ou coagir governos, a população civil ou um segmento dela, na busca de objetivos sociais ou políticos.

Voltando a Grachiov, e partindo da análise da contra-insurgência planetária dos Estados Unidos durante as respectivas administrações presidencial, republicana e democrática, propus o conceito de terrorismo de estado global para definir esta política de violência perpetrada pelos aparatos de estado imperialistas no mundo contra povos e governos com o propósito de incutir terror e em violação das normas do direito nacional e internacional.

Terrorismo contra Cuba: pasado y presente | Radio Sancti Spíritus

No estudo e análise do terrorismo, tem-se enfatizado o terrorismo individual e de grupos clandestinos de todo o espectro político, ignorando e deixando de lado o papel do imperialismo norte-americano e dos Estados capitalistas na organização do terrorismo interno e na esfera internacional. O terrorismo de Estado global viola as estruturas ideológicas e políticas de repressão legal (justificado pela estrutura legal nacional e internacional) e apela a métodos não convencionais, extensos e intensivos, para aniquilar a oposição política, o protesto social e a insurgência em escala mundial, bem como atacar governos que, como o de Cuba, não se submetem aos desígnios dos Estados Unidos e de seus aliados. (ttps: //vocesenlucha.com/wp-content/uploads/2020/12/GILBERTO-LOPEZ-Y-RIVAS.-ESTUDIANDO-LA-CONTRAINSURGENCIA-DE-EEUU.pdf).

Por sua vez, o Capítulo México da Rede em Defesa da Humanidade expressou sua mais enérgica rejeição à inclusão ilegítima e ilegal de Cuba como país promotor do terrorismo, destacando que é o terrorismo de Estado promovido pelo governo dos Estados Unidos que deveria ser condenado pela comunidade internacional, e não Cuba, que promove a paz e a solidariedade enviando médicos a dezenas de países para colaborar na luta contra a pandemia COVID-19.

Retirado de CubaDebate

Ministério das Relações Exteriores da China anunciou sanções para Mike Pompeo e 27 políticos do governo Trump .

#China #Sanciones #DonaldTrumpCulpable #MikePompeo #ElBloqueoEsReal #HongKong #InjerenciaDeEEUU

Cuba sobrevive ao bloqueio?

#ElBloqueoEsReal #BloqueoNoSolidaridadSi #PuentesDeAmor #DonaldTrumpCulpable #CubaNoEsMiami #MikePompeo #MafiaCubanoAmericana #ManipulacionMediatica #CubaPorLaSalud #CubaSalva #EEUUBloquea #CubaViva

Os Estados Unidos não têm credibilidade para condenar ninguém.

#Congreso #Capitolio #TerrorismoMadeInUSA #EEUUPatrocinaElTerrorismo #CubaSalva #EEUUBloquea #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #MikePompeo #DonaldTrumpCulpable #ForaTrump #NoMoretRump

Por Arthur González

Com tantos problemas internos que têm os Estados Unidos, ainda tentam condenar Cuba em demonstração do ódio que sentem por sua resistência vitoriosa, suportando por 62 anos uma guerra implacável para destruir sua Revolução.

Em 11 de janeiro de 2021, o Departamento de Estado anunciou que mais uma vez colocou Cuba na lista de países “Patrocinadores do Terrorismo”, na qual foi incluída em 1982 pelo presidente Ronald Reagan e retirada em 2015 por Barack Obama, um nome ridículo e nada credível pelos cidadãos decentes deste mundo.

Mike Pompeo negó el triunfo de Biden y habló de "una segunda administración  Trump"

Parece que Mike Pompeo e Donald Trump ainda não internalizaram que os Estados Unidos não têm mais autoridade moral para qualificar ninguém, depois do que o mundo observou em 6 de janeiro com os atos terroristas no Capitólio Nacional, cometidos por elementos ideologicamente formados por grupos que espalham o terror entre latinos e negros, assassinam e atropelam todos os não-brancos e fanáticos religiosos.

Cuba não invade nenhum país, nem paga por ações desestabilizadoras de governos não vinculados, como fazem os ianques todos os dias, situação dominada por milhões de pessoas no mundo.

Pompeo não sabe que os Estados Unidos causaram a morte de milhares de cubanos devido aos atos terroristas perpetrados pela CIA desde 1959? Quem eles estão tentando enganar com sua lista espúria?

A veinte años del asesinato del muchacho del Copacabana (+Audio)

Os Estados Unidos são o maior refúgio de terroristas internacionais, cubanos e outros países, autores de crimes hediondos como a queda de um avião civil cubano em pleno vôo com 73 pessoas e os responsáveis ​​residiram livremente em Miami até a morte.

Participantes do bombardeio de shopping centers, escolas, cinemas e teatros percorrem as ruas da Flórida e são até homenageados por seus assassinatos.

Querem apagar da história daquela Nação a investigação realizada pelo Comitê Seleto do Senado sobre os planos de assassinato do líder cubano Fidel Castro, conhecido como Comissão da Igreja, onde altos funcionários da CIA reconheceram quase uma dúzia deles, sem o menos se arrepende ou recebe alguma condenação?

Y Fabio nos inspira Vida - Cuba en Noticias

Isso não é prova de terrorismo de estado?

Com total cinismo, Mike Pompeo justificou a incorporação de Cuba, com a mentira de que “durante décadas, o governo cubano alimentou, abrigou e prestou atendimento médico a assassinos, fabricantes de bombas e sequestradores, enquanto muitos cubanos passam fome, vivem sem teto sem medicamentos básicos ”.

Por que o Secretário de Estado não diz que são os Estados Unidos que abrigam os terroristas assassinos mais implacáveis ​​do mundo, como Luis Posada Carriles, Orlando Bosch, Orlando Masferrer, Esteban Ventura, Guillermo Novo Sampol, Gaspar Jiménez, Hugo Acha Melgar, Joaquín Chaffardet, José Antonio Colina Pulido, Patricia Poleo, Reinaldo Rodríguez, José Guillermo Gracia, Michael Townley, Santiago Álvarez Fernández-Magriña, Oswaldo Mitat, Rodolfo Frómeta, José Basulto, José Dionisio Suuarez Orlando, Jaime García Covarrubias, In Esquivel e Carlos Alberto Montaner, entre outros, todos com as mãos manchadas de sangue?

La vieja historia del terrorismo contra Cuba... y las listas arbitrarias |  Razones de Cuba

A única razão para incluir Cuba nessa lista é aumentar as medidas de guerra econômica, com o antigo sonho de derrubar a Revolução pela fome, doença e irritação dos cidadãos, como proposto em abril de 1960 pelo então O subsecretário de Estado Lester Mallory, quando escreveu:

“O único meio previsível que temos hoje para alienar o apoio interno à Revolução é através do desencanto e do desânimo, com base na insatisfação e nas dificuldades econômicas. Qualquer meio concebível de enfraquecer a vida econômica de Cuba deve ser usado imediatamente; negando-lhe dinheiro e suprimentos para baixar os salários reais e monetários, a fim de causar fome, desespero e a derrubada do governo.

O governo Trump tem sido cruel com o povo cubano com uma centena de sanções econômicas, justamente por não concordar em se ajoelhar diante daquele império, algo inédito que não é condenado pelo Conselho de Segurança, apesar de ser um crime contra a humanidade.

Conoce a <a href='/es/s/luis posada carriles'><u>Luis  Posada Carriles</u></a>, uno de los más acérrimos enemigos de  <a href='/e... | 24 HORAS | Scoopnest

Todos sabem que estar nessa lista permite aos Estados Unidos penalizar pessoas e países que façam comércio de qualquer natureza com Cuba, restringir a ajuda externa dos Estados Unidos, proibir as exportações e vendas de defesa e impor mais controles às exportações de Cuba. artigos.

Essa é a verdade que procuram disfarçar com a suposta “luta contra o terrorismo”.

Em vez de perder tempo perseguindo a Revolução Socialista Cubana, os ianques devem cuidar de encarcerar seus terroristas que, instigados por seu desequilibrado Presidente Trump, colocaram em risco a vida de senadores, deputados e seguranças durante a tentativa de golpe. Estadual, em 6 de janeiro de 2021, com a invasão do Capitólio buscando capturar o vice-presidente Mike Pence, a fim de evitar a contagem dos votos eleitorais.

Confirma-se que este violento assalto foi realizado por grupos conspiratórios, extremistas e movimentos marginais constituídos por terroristas, dispostos a tudo para manter o seu ídolo Donald Trump na presidência.

Podrá Trump revertir el legado de Obama en Cuba? | Foreign Affairs  Latinoamérica |

Os grupos QAnon e Proud Boys são terroristas e suas ações provam isso.

Jake Angeli, conhecido como QAnon Shaman (o Shaman de QAnon), deve ser julgado por terrorismo, por ser um perigo para a segurança nacional e até internacional. No entanto, ele é considerado por muitos um “patriota”.

Nick Ochs, fundador do Proud Boys Hawaii, é outro terrorista que vive e age com total impunidade, como os de origem cubana e latino-americana que os ianques protegem.

Tim Gionet, conhecido como Baked Alaska, transmitiu ao vivo um vídeo dele dentro do Capitólio e o compartilhou nas redes sociais, um terrorista que não foi reprimido por suas ações.

Proud Boys (Chicos Orgullosos)
Música para los Proud Boys, el violento grupo de ultraderecha que apoya a  Trump | A vivir | 45RPM | Cadena SER
QAnon y los Proud Boys, los grupos radicales que lideraron el asalto - El  Día

Richard (Bigo) Barnett, é o líder de um grupo pelos direitos das armas em Gravette, Arkansas. Esse terrorista invadiu o escritório de Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Representantes, de onde roubou informações confidenciais.

A lista é extensa e mostra onde estão os verdadeiros terroristas, o que não é exatamente em Cuba.

Mas como José Martí assegurou:

“Tumbas largas são construídas com os males das próprias mãos.”

%d bloggers like this: