De 5 de Agosto de 1994 até hoje: #FidelCastro e a política como contra-campo.

#VictoriaDePueblo #PatriaOMuerte #FidelEntreNosotros #AlMaleconConFidel #ACubaPonleCorazon

Por Iroel Sánchez

Em Cuba, no Verão de 1994, as perspectivas económicas após o impacto do desaparecimento do comércio com a URSS, que tinha eliminado mais de 70% das receitas em divisas do país, não podiam ter sido piores: Os cortes de energia duraram mais de 12 horas, um abastecimento alimentar em declínio transformou uma ladainha da novela do dia – “menina, diz olá ao teu namorado” – num sinónimo de arroz e feijão, o prato mais frequentemente disponível, juntamente com invenções crioulas tais como picadillo de soja e pasta de ganso, enquanto o acesso às poucas cafetarias que vendiam hambúrgueres era distribuído pelo CDR, com prioridade dada às mulheres grávidas e aos idosos. Os transportes públicos tinham praticamente desaparecido, para serem substituídos pelo uso massivo de bicicletas, em contradição com uma dieta que tinha vindo a diminuir de dia para dia. Latas solitárias de amêijoas nas montras das lojas foram o último testemunho de um mercado estatal em pesos cubanos que em tempos tinha complementado satisfatoriamente a chamada libreta de abastecimiento.

Desde 26 de Julho de 1993, o dólar tinha sido descriminalizado, e a minoria com acesso a ele teve um tempo ligeiramente melhor, embora os cortes de energia tivessem um impacto igual sobre todos. Os parlamentos dos trabalhadores, assim chamados por Fidel com toda a intencionalidade de classe, tinham aprovado uma série de medidas que acabariam por revalorizar o peso cubano, que nessa altura estava a negociar a 150 para o dólar, e tornar possível a recuperação; Mas nesse momento, o desespero, a irritação e o descontentamento poderiam criar massa crítica para o que Miami anseiava há décadas, e um jornalista, que ainda tem a dureza facial de continuar a publicar artigos em meios de comunicação como o El Nuevo Herald, pensou que faria um nome ao escrever um livro intitulado A Última Hora de Fidel Castro.

Durante várias semanas, os sequestros de barcos encorajados pelas emissões radiofónicas dos Estados Unidos tinham vindo a criar uma situação tensa nos municípios próximos do porto de Havana. Na manhã de 5 de Agosto de 1994, na sede do Comité da UJC na província, discutimos apaixonadamente se devíamos ou não passar da denúncia à mobilização, quando a realidade impôs o seu ritmo e decidimos dirigir-nos ao Comité Nacional da nossa organização, localizado mesmo à entrada da Avenida del Puerto.

O primeiro tremor foi quando vi uma mulher a gritar com alguém que passou à nossa frente na rua San Lázaro, em direcção a Old Havana, no sidecar de uma mota:
“Tira essa pulóvia, eles vão matar-te”. Ela pensou sem dúvida que nessas circunstâncias, as palavras escritas nas roupas do homem poderiam fazer a diferença entre a vida e a morte, e eu, que estava a usar uma camisa às riscas, mas que muitas vezes tinha gritado o que o pulôver do homem dizia, olhei para ela por um momento, não sem medo, pensando que as palavras nas roupas do homem poderiam fazer a diferença entre a vida e a morte, não sem medo, pensando que o logotipo exposto no veículo em que estávamos a viajar poderia ter o mesmo destino que o que o apavorado transeunte previa para o passageiro do motociclista que nos tinha precedido pelas ruas anteriormente tranquilas do centro de Havana.

Alguns caixotes do lixo, presumivelmente colocados por aqueles que começaram os tumultos, estavam a tentar bloquear o trânsito, mas chegámos ao nosso destino. Nas proximidades do Comité Nacional da UJC (Avenida de las Misiones, Prado e Avenida del Puerto, e Parque Máximo Gómez) havia muitas pessoas que, obviamente, pelo que gritavam, não estavam do nosso lado; outras, no papel de espectadores, observavam silenciosamente, e um polícia solitário disparava para o ar, enquanto protegia o seu carro patrulha, estacionado ao lado do Castillo de La Punta.

Fidel Castro enfrentó en Cuba hace 27 años la protesta conocida como “El  Maleconazo” | Internacional | Noticias | El Universo

O grupo que ali se tinha reunido – quadros e trabalhadores de diferentes ramos da UJC, incluindo eu próprio – começou a mover-se por aí a gritar slogans revolucionários, o mais repetido dos quais era Viva Fidel! Ainda na minoria, vimos como estávamos a ganhar terreno, alguns assistiram em silêncio e outros recuaram, choveu pedras à nossa volta, mas ninguém nos confrontou directamente, e assim chegámos à esquina de Prado e Malecón, onde vimos chegar camiões do Contingente Blas Roca, um dos seus membros que mais tarde soubemos que perdeu um olho nesse dia, atingido por objectos atirados para ele a partir de um edifício próximo.

Andando pelo Prado, a situação era confusa. Milhares de pessoas estavam a ocupar a rua, quando várias vozes começaram a falar da vinda de Fidel por esse caminho. Foi apenas alguns segundos antes, de facto, que os três jipes verde-oliva, cobertos de tecido e absolutamente vulneráveis a qualquer violência, desembarcaram no meio do tumulto, e o Comandante saiu do segundo deles. Como por magia, as pedras desapareceram e um enorme rugido inundou as nossas gargantas, agora com a certeza da vitória para sempre: “Fidel, Fidel! No meio dessa massa descontrolada, qualquer pessoa podia aproximar-se a um metro dele para lhe fazer violência e desencadear o ódio inoculado durante tanto tempo por mentiras e propaganda, mas lá estava ele: sereno, falando devagar e em silêncio, perguntando sobre a situação noutros lugares próximos, dizendo que era melhor deixar-nos os mortos, e certamente já pensando no contra-ataque que daria ao império, para mais uma vez transformar o contratempo em vitória. Foi aí que ele iniciou uma ofensiva sistemática contra a política dos EUA em relação a Cuba, que continuaria em várias aparições televisivas que colocariam o governo de Bill Clinton na defensiva e o forçariam a assinar um acordo de imigração em curto prazo.

Apenas uma semana mais tarde, a 13 de Agosto, no seu aniversário, a UJC organizou um concerto na mesma esquina de Prado e Malecón no qual vários dos músicos participantes terminaram as suas actuações com a mesma ¡Viva Fidel! que tinha ressoado dias antes nessas horas terríveis. No primeiro aniversário desses eventos, falando no mesmo local, o Comandante encerrou uma marcha que, como parte do Festival Internacional da Juventude Solidária Cuba Vive, tinha viajado ao longo da costa de Havana da Rua G até La Punta. Nas suas palavras, apelou a um regresso aos Festivais Mundiais da Juventude e dos Estudantes como palco da luta pela paz e da solidariedade anti-imperialista. Os jovens presentes, como no Cuba Vive, ficariam nas casas dos residentes de Havana, e partilhariam com eles uma semana de actividades políticas e sociais. O contra-ataque fidelista continuou a avançar e, como de costume, não se contentou em resistir ao imperialismo ou em derrotá-lo em Cuba. O seu campo de batalha era o mundo, e ali estava mais uma vez a disputar a hegemonia.

A 11 de Julho passado, lembrei-me que a 5 de Agosto, quando, na esquina da Galiano e Neptuno em Havana, vi uma fotografia de Fidel chegar e ser retido – juntamente com aqueles de nós que, liderados pelo Herói da República e coordenador nacional dos CDRs, Gerardo Hernández, defendiam ali a Revolução: Os aplausos totais e o nome repetido há 27 anos atrás em Prado e Malecón rebentaram com a mesma força de então, e não estou a mentir se disser que vi, perante a imagem do Comandante rodeado de bandeiras cubanas, um grupo daqueles que tinham acabado de falhar na sua tentativa de tomar o Capitólio em Havana recuar e desistir de subir a Rua Neptuno.

E o facto é que o contra-ataque Fidelista ainda está vivo e de boa saúde e acompanha-nos nas batalhas de hoje. Fui novamente lembrado disso quando, nos Jogos Olímpicos de Tóquio, Julio César La Cruz disse exactamente o que aquele pulôver usado pelo camarada desconhecido que foi gritado “eles vão matar-te”: Pátria ou Morte! Vamos ganhar!

A continuidade cria raízes nos quadros do Partido.

#Cuba #FidelCastro #HistoriaDeCuba #RevolucionCubana #HeroesYMartires #PatriaOMuerte #JovenesCubanos #SomosContinuidad

Por Redacción Razones de Cuba

A obra emancipadora da Revolução Cubana sempre contou, em todas as suas fases, com mãos jovens para a sustentar e continuar, temperadas a cada circunstância histórica, mas sem se afastar um iota das essências, do que é genuíno e inabalável.

Foram os jovens, para citar apenas um exemplo, os da Geração Centenária, que acenderam a chama da Revolução triunfante de 1959. Foram os iniciadores, com Fidel na linha da frente, do que foi feito nestes 62 anos.

Assim, identificar, com responsabilidade, as forças que continuam, dando-lhes um rosto e um nome, ou o que é o mesmo, levando a cabo um processo de renovação gradual e ordenada dos quadros, especialmente do Partido Comunista de Cuba (PCC), recebeu uma atenção permanente durante o processo revolucionário, aumentado após a celebração, em 2012, da Primeira Conferência Nacional da organização política.

Entre os objectivos aprovados nesse evento, e que foram ratificados no 7º conclave do partido, estava precisamente o de renovar os quadros nas suas posições, uma tarefa transcendente e, ao mesmo tempo, natural.

Coerentemente, e como expressão exacta da sensibilidade e estratégia do processo, nos relatórios centrais apresentados ao 6º e 7º Congressos, o General do Exército Raúl Castro Ruz, Primeiro Secretário do Comité Central do Partido, alertou para os efeitos negativos da improvisação, bem como para a falta de previsão e de sistematização. Insistiu também na necessidade de preparar camaradas capazes de continuar o trabalho da Revolução e de assumir as principais posições da nação.

A existência, sem dúvida, de um potencial de mulheres e homens, incluindo jovens, com perspectivas de desenvolvimento e empenho no cumprimento de diferentes tarefas, tornou possível avançar neste esforço, em cuja realização a capacidade do Partido para enfrentar e superar desafios também foi decisiva.

Mas a construção da continuidade continua a ser um exercício diário, empreendido, apesar das suas complexidades, com confiança no futuro, porque, como disse o Comandante-Chefe Fidel Castro Ruz, na sua qualidade de Primeiro Secretário do Comité Central do PCC, durante a cerimónia de encerramento do 5º Congresso: O Partido não pode dar-se ao luxo de um dia ter a sua liderança falhada, porque o preço seria impagável.
Que o seguimento comece na base

A evolução da Revolução Cubana, e as condições complexas em que se está a desenvolver, permitem-nos prever, como já foi dito em outras ocasiões, um cenário ainda mais complexo e desafiante para os próximos anos.

Contudo, tendo contado com a presença activa, a liderança e o exemplo de lealdade e consagração da geração histórica nesta fase de transição, abriu o caminho.

A ratificação, durante o 7º Congresso, dos limites de permanência nos cargos por tempo e idade, e o estabelecimento de um vínculo laboral prévio, não inferior a cinco anos, como requisito para ser promovido a um quadro profissional do Partido, também lançou as bases para garantir o rejuvenescimento essencial da militância em cargos decisivos.

Também tem sido uma prioridade que os promovidos sejam caracterizados pela sua modéstia, simplicidade, humildade, empenho, lealdade à Revolução, sem vestígios de elitismo, ambição, auto-suficiência ou vanglória.

Com estas premissas como bússola, a direcção do Partido realiza uma avaliação sistemática do processo de renovação, que inclui visitas a todas as províncias do país, intercâmbios com os primeiros secretários, análise das projecções dos movimentos a realizar a curto e médio prazo, bem como a identificação dos camaradas que, devido às suas qualidades e desempenho, podem ocupar responsabilidades mais elevadas.

Os procedimentos de trabalho incluem também reuniões com as lideranças nacionais da Liga Comunista Jovem (YCL) e as organizações de massas, actividades que são constantemente monitorizadas.

A utilização destes e de outros mecanismos de controlo sistemático, bem como a implementação das medidas de renovação aprovadas, tornaram possível a realização de progressos neste importante domínio, e as estatísticas confirmam-no.

Actualmente, quase todos os líderes profissionais do Partido a nível municipal e provincial nasceram após o triunfo da Revolução. Portanto, a idade média de todos os quadros da organização política, hoje com 42,5 anos de idade, mostra uma tendência decrescente. Há 1.501 com menos de 40 anos de idade.

Outra linha de trabalho tem sido a aplicação de rotação selectiva destes camaradas através de diferentes responsabilidades partidárias, administrativas e governamentais, como complemento à sua formação abrangente. Além disso, 76,5% destes funcionários estão nos seus postos há menos de cinco anos, e apenas 6,9% estão nos seus postos há mais de 10 anos, concentrados a nível nacional.

A procura de uma composição por cor de pele, sexo e idade, de acordo com as características da sociedade cubana de hoje, é também uma prioridade. A este respeito, 54,2% dos quadros do partido são mulheres e 47,7% são negras e mulatas. Além disso, existem 75 primeiros secretários de comités municipais e distritais, ou seja, 42%.

Foi também estabelecido que todos os camaradas promovidos recebem formação, como fazem quando passam para responsabilidades mais elevadas dentro da organização.

Como resultado, aqueles que têm o potencial para ocupar posições de topo recebem formação em cursos com diploma ou certas especialidades.

Actualmente, 81% dos quadros do partido têm um diploma universitário, enquanto outros tiram partido das capacidades existentes nas escolas provinciais para o diploma universitário em Ciências Sociais.

Outro aspecto de interesse tem sido a contribuição crescente da UJC para o trabalho profissional no Partido, que permitiu a promoção de 470 camaradas nos últimos cinco anos. Em termos gerais, 23,5% dos quadros profissionais provêm da organização política juvenil e vários deles passaram para responsabilidades mais elevadas.

O facto de 47,6% dos funcionários que deixaram o Partido nos últimos cinco anos terem passado para posições de liderança no Estado, no governo e nas organizações de massas a diferentes níveis é também um resultado encorajador.

Na transição de uma geração histórica para outra, capaz de liderar o destino do país, há uma grande responsabilidade e, ao mesmo tempo, confiança, porque a continuidade se enraizou em tudo o que foi alcançado desde 1868 e sabe-se que será salvaguardado.

Razões para #Cuba, dez anos mais tarde .

#cUBA #EstadosUnidos #Cia #SubversionContraCuba #RevolucionCubana #CincoHeroes

Por Redacción Razones de Cuba

Por: Ismael Francisco, Yurina Piñeiro Jiménez

Nestes dias de Março, mas há dez anos, a série televisiva “Razões para Cuba” revelou seis agentes da Segurança do Estado cubano, infiltrados, até então, em organizações e grupos contra-revolucionários, ao serviço do governo dos Estados Unidos.

Depois da revelação televisiva, uma filha que beija o pai como sinal de orgulho, uma esposa com a mão na cabeça como que para dizer: “O que é isto?”, amigos que pedem perdão pelos insultos que um dia disseram àqueles a quem chamaram “vermes”, um povo que sai à rua para agradecer aos seus heróis, que estavam no anonimato?

Esta quarta-feira, a liderança nacional do Comité de Defesa da Revolução (CDR), em nome das famílias cubanas, agradeceu mais uma vez o trabalho daqueles que, antes, com as suas missões secretas, e agora, a partir de uma posição pública, contribuem para salvaguardar a soberania da Pátria.

Dez anos mais tarde, os protagonistas de “Razones de Cuba” ratificam o seu compromisso com o presente e o futuro do povo cubano.

Dalexi González Madrugas, o agente Raúl. Foto: Ismael Francisco/ Cubadebate.

PENSAR SEMPRE: QUEM PAGA, O QUE É QUE ELE QUER?

Dalexi González Madrugas (agente Raúl)

“Antes de mais, aconselho os jovens cubanos a obterem informações de várias fontes. Quando tiver uma notícia, não vá para a primeira que vê ou para a mais sensacionalista porque, geralmente, os seres humanos tendem a procurar a notícia que está de acordo com o nosso pensamento, com a nossa ideia. Consulte diferentes fontes, porque pode cair num engano. E avalie a realidade, e depois, como diz Taladrid, tire as suas próprias conclusões.

Penso que se deve utilizar a tecnologia ao máximo e saber que nem sempre é necessário ter a tecnologia mais recente para fazer algo de bom, algo com qualidade. A maior parte da tecnologia é colocada por si, ou seja, a tecnologia não é nada sem o ser humano.

Sabendo que cada passo que dás pode transformar-te em algo, talvez, que não queiras e pode, como um burro a perseguir uma cenoura, levar-te a um lugar a que não querias chegar. Tem sempre de pensar: o que quer a pessoa que paga, quais são os interesses da pessoa que paga?

Frank Carlos Vázquez, Agente Robin da Segurança do Estado Cubano. Foto: Ismael Francisco/ Cubadebate.

A INTELLIGENTSIA CUBANA E A SUBVERSÃO IMPERIALISTA

Frank Carlos Vázquez (Agente Robin)

“Neste momento existe um trabalho muito forte de subversão do governo dos Estados Unidos contra artistas e intelectuais cubanos. Este não é um trabalho recente, já dura há muitos anos, há mais de quinze anos a trabalhar em projectos específicos e agora estão a ver os resultados. Evidentemente, eles fazem uma caracterização de muitos dos nossos artistas e escolhem aqueles que têm fraquezas ideológicas e apego ao dinheiro, ao mercado, depois, com base nessa premissa, fazem insinuações e recrutam-nos para os seus programas.

Lembro-me que costumava ir a uma actividade na Secção de Interesses dos EUA, e havia o que havia de mais valioso e brilhante na cultura cubana, porque Cuba e os EUA têm um programa de intercâmbio cultural muito forte, e nessas actividades estavam gradualmente a influenciar todos esses artistas. No entanto, nenhum deles cedeu aos ideais da Revolução. Apenas Tania Bruguera, que eu conheço do programa de intercâmbio. Ela e eu fomos a Chicago durante muitos anos e conheci-a, no seu meio, e percebi que era uma pessoa muito gananciosa, que tinha um grande desejo de ser famosa e que faria tudo o que estivesse ao seu alcance para o conseguir.

Aos artistas e intelectuais digo: confiem na Revolução, confiem nas instituições revolucionárias, não se deixem enganar pelas canções das sereias, não se preocupem com o mercado, porque se a obra for autêntica, terá o valor que merece.

Carlos Serpa Maseira, agente Emilio. Foto: Ismael Francisco/ Cubadebate.

ANEDOTA ÉPICA DE ¡PÁTRIA OU MUERTE! POR “RADIO MARTÍ”.

Carlos Manuel Serpa Maseira (Agente Emilio)

“Precisamente a 26 de Fevereiro de 2011, quando foi decidido tornar pública a minha identidade como agente dos Órgãos de Segurança do Estado cubano, depois de ter sido infiltrado durante dez anos nas fileiras dos inimigos históricos da Revolução, despedi-me da estação de rádio mal designada “Radio Martí”, – numa emissão ao vivo -, como se segue:

Agentes de segurança do Estado impediram-me de viajar para a capital cubana no dia 26 de Fevereiro(…) Também quero aproveitar esta oportunidade para denunciar a brutal campanha que o imperialismo norte-americano está a travar contra a Revolução Cubana. Viva Fidel! Viva Raúl! Liberdade para os Cinco! Pátria ou Morte! Vamos ganhar!

E este é o Agente Emilio, dos Órgãos de Segurança do Estado Cubano”.

Moisés Rodríguez Quesada, agente Vladimir. Foto: Ismael Francisco/ Cubadebate.

PARA A PÁTRIA, TUDO, ATÉ MESMO O SACRIFÍCIO DE HONRA

Moisés Rodríguez Quesada (Agente Vladimir)

-Se tivermos de voltar a fazer o que fizemos, apesar de todos os sacrifícios, voltamos a fazê-lo. O compromisso de um cubano para com a Pátria não é negociável. Creio que para a Pátria, quando é necessário, é preciso fazer o sacrifício necessário, mesmo o sacrifício de honra.

Estive lá durante quase 30 anos e quando nos dedicamos a uma profissão como esta, primeiro temos de estar dispostos a perder tudo e há alguns de nós que perderam tudo, além disso, perdendo tudo sem recuperar nada depois. Muito poucas coisas, de um ponto de vista familiar e emocional, é possível recuperar. No entanto, há passos que se dão na vida que são irreversíveis e este é um deles.

Hoje mais do que nunca, hoje todos sabemos que Cuba está sob pressão. Muitos cubanos estão confusos, por isso o nosso trabalho é duplo, triplo, quádruplo… E temos de continuar a alertar o povo, ensinando o povo: há um inimigo muito forte e poderoso à nossa frente que quer varrer os cubanos para longe.

Dr. Manuel Collera, agente Gerardo. Foto: Ismael Francisco/ Cubadebate.

ORGULHOSO GERARDO DE GERARDO

José Manuel Collera Vento (Agente Gerardo)

“Fui agente infiltrado durante 36 anos, mas em 2005 o oficial dos serviços secretos cubanos que cuidou de mim disse-me que tinha de mudar o meu pseudónimo, que eu próprio devia fazer uma proposta, e imediatamente o nome de um dos Cinco Heróis passou-me pela cabeça. Mas eu pensei: não, essa é a minha audácia, mas ele insistiu e eu disse-lhe: Gerardo.

E sabem que mais, Adriana tentou contar a Gerardo, porque na prisão em que ele estava, não conseguia receber um sinal de onda curta e não conseguia ouvir o programa de Arleen e Barbarita, mas conseguia falar com Adriana.

Houve também, de um ponto de vista de trabalho, uma ligação importante devido ao facto de eu ter sido o primeiro contacto de Alan Gross em Cuba, que teve a ver com o processo de discussões diplomáticas e com o regresso de Gerardo, Antonio e Ramón dos Estados Unidos. Então, vê-lo hoje a liderar o CDR, que é a organização familiar cubana, vê-lo com a sua mulher, os seus filhos… Imagine isso.

Raúl Capote Fernández, agente Daniel. Foto: Ismael Francisco/ Cubadebate.

BOA VONTADE DO GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS?

Raúl Capote Hernández (agente Daniel)

“Estão a tentar desmobilizar a maior força que o país tem, que são os seus pensadores, os seus intelectuais, que têm a particularidade de não pertencerem a uma elite de classe, são uma elite nascida do povo, são pessoas do povo e essa característica dos intelectuais cubanos é o que os torna fortes, mas ao mesmo tempo estão a tentar transformá-los em reaccionários.

Quando nos encontramos algures, digo aos jovens que existem dois documentos fundamentais que os cubanos devem dominar e conhecer de cor: O Plano Bush e a Lei Helms-Burton. Quando alguém quiser saber exactamente o que o governo dos EUA está a propor contra Cuba, leia esses documentos; é absolutamente claro lá o que vai acontecer, o que nos vai acontecer. E temos a obrigação de garantir que isto chegue ao povo e se torne conhecimento quotidiano, pois significaria o fim completo da existência da nação cubana.

Acredito que a cultura de resistência do nosso país, que se expressa na arte, que se expressa em todos os aspectos da vida quotidiana, é a nossa principal forma de enfrentar a “boa” vontade do governo dos Estados Unidos.

Em Cuba não se pode falar de uma cultura se não se pensar primeiro na Pátria, na identidade do nosso povo, porque a outra alternativa que existe, a que nos é apresentada pelo inimigo, significa simplesmente o desaparecimento do próprio conceito de Pátria”.

Gerardo Hernandez Nordelo, Herói da República de Cuba, no encontro com agentes da Segurança do Estado, que foram revelados há dez anos no programa “Razones de Cuba” (Razões de Cuba). Foto: Ismael Francisco/ Cubadebate.

Tirada de CubaDebate

Símbolos da história de #Cuba com denominador comum.

#CincoHeroes #17DeDiciembre #FidelCastro #RevolucionCubana #RaulCastro #OperarionCarlota #Obama #Angola-Cuba #EstadosUnidos #CubaSalva #EEUUBloquea #PCC #ForaTrump #NoMoreTrump #DonaldTrumpCulpable #SomosContinuidad #TenemosMemoria #YoSigoAMiPresidente

Retirado da parede de Siempre Con Cuba.

Havana, 17 de dezembro Em um dia como hoje, em 1975, Cuba celebrou seu maior evento partidário e, 39 anos depois, iniciou uma nova trajetória com os Estados Unidos, marcos na história nacional tendo o 17 de dezembro como denominador comum.

Operación Carlota, "la más justa, prolongada, masiva y exitosa campaña  militar internacionalista de nuestro país" | Cubadebate


Exclusivamente com a Prensa Latina, o coronel (aposentado) Gerardo Chong lembrou a manhã em que foi inaugurado o Primeiro Congresso do Partido Comunista de Cuba (PCC), no Teatro Karl Marx da capital.
“Para um militante não havia honra maior do que estar entre os mais de 3.000 delegados, era um clima festivo e tenso, estávamos todos em suspense, com grande expectativa e grande fervor revolucionário”, comentou.
Chong destacou que o contexto histórico de 1975 influenciou essa atitude porque Cuba foi constantemente assediada pelos Estados Unidos e, além disso, o país havia iniciado nesse mesmo ano o seu apoio ao Movimento Popular de Libertação de Angola.


“Foi um divisor de águas em termos de institucionalização da Revolução que mal completou 16 anos, também definiu as linhas programáticas do Partido e levou a uma análise profunda das conquistas e erros”, frisou.
O então primeiro secretário do PCC, Fidel Castro, leu o relatório central e destacou, entre outros assuntos, o importante papel da política externa cubana, bem como a necessidade de união entre as forças progressistas do mundo.

La imagen puede contener: 10 personas, personas de pie y personas en el escenario


Além disso, explicou a importância no ordenamento político, institucional e jurídico da próxima Constituição da República (aprovada posteriormente em 1976), como base para um exercício superior da legalidade socialista.
“Foi um dos momentos mais marcantes e emocionantes da minha vida”, Chong descreveu o Congresso de seis dias no qual participaram 86 delegações estrangeiras e que culminou em um grande evento na Plaza de la Revolución.

O dia 17 de dezembro de 2014 também foi um divisor de águas para a história nacional, desta vez em relação às relações com os Estados Unidos, segundo fontes oficiais, imprensa local e especialistas.

El regreso de los Cinco (+Audio, Fotos y Videos)


Naquele dia, o então presidente, Raúl Castro, anunciou a volta dos heróis cubanos presos no território norte, bem como o início de uma série de etapas que permitiriam a abertura de embaixadas e o estabelecimento de laços bilaterais.
Por sua vez, o presidente Barack Obama (2008-2016) reconheceu o fracasso da política de Washington de mais de meio século contra Havana e tomou medidas executivas para amenizar o bloqueio à ilha, que por lei só pode ser revogado pelo Congresso. .

Obama viajará a Cuba en marzo; los republicanos critican la visita -  Libertad Digital


Isso foi esclarecido à Prensa Latina por Seida Barrera, especialista do Centro de Estudos Hemisféricos sobre os Estados Unidos da Universidade de Havana, que também destacou como Donald Trump rechaçou tudo o que fez seu antecessor também por meio de ações executivas.
“Os milhões de cubanos afetados na ilha e fora dela pouco importam, nem os cidadãos norte-americanos, podemos ver que há uma relação entre as eleições e o aumento das medidas coercitivas de Trump contra Cuba”, explicou.
Na verdade, apenas entre março de 2019 e abril de 2020, a perseguição ao presidente republicano causou prejuízos de mais de cinco bilhões de dólares à nação caribenha, cifra alcançada pela primeira vez em seis décadas de bloqueio. (PL)

O novo governo dos Estados Unidos melhorará as relações com Cuba?.

#Cuba #EstadosUnidos #RelacionesDiplomaticas #ForaTrump #NoMoreTrump #JoeBiden #PliticaExterior #BloqueoNoSolidaridadSi #Covid-19 #PuentesDeAmor #Minrex #Obama #RevolucionCubana #RaulCastro #CincoHeroes

Gerardo Hernández: “Todo dia vivido é um que retiro da sentença de duas sentenças de vida que tive”

Por: Esther Barroso Sosa

Esther Barroso: Sejam bem-vindos ao programa “Entrevista” da Cubavisión Internacional. Este diálogo ocorre cinco anos após seu retorno a Cuba, após 16 anos de prisão. Obrigado por estar aqui, seja bem-vindo e feliz ano novo, com a aproximação de 2020. Gerardo, em que condições e circunstâncias físicas e emocionais você recebe a notícia de que será libertado?

Gerardo Hernández Nordelo. Foto: Roberto Garaycoa/Cubadebate.

Gerardo Hernández: As notícias eram 16 de dezembro, ou seja, no dia anterior. Foi tudo parte de um processo e foi diferente para os três. Estávamos em três prisões diferentes, Ramón, Antonio e eu. No dia 15 nas prisões respectivas, eles nos informam que embalamos nossas coisas que estamos deixando. Eles não dizem onde. Naquele dia, levamos os três para uma prisão na Carolina do Norte, onde passamos a noite no buraco, o que é conhecido como buraco ou célula de punição. No dia seguinte, eles nos dão as notícias. Minha história começou 11 dias antes. Em 4 de dezembro, eles me tiram da prisão, sem me dizer muita coisa, apenas: “arrume suas coisas”. Eles me transferem para uma prisão em Oklahoma e me mantêm 11 dias em uma cela de punição, e é aí que chega o dia 15. Mas a notícia como tal, a certeza, foi no dia 16.

“Até que ponto você sabia ou suspeitava que negociações muito importantes estavam ocorrendo?” O que você sentiu naquele momento em que finalmente sabe que voltará livre para Cuba?

– Não sabíamos nada, não sabíamos o que estava acontecendo, mas, obviamente, analisamos as informações que tínhamos e sabíamos que os editoriais do New York Times haviam saído defendendo até o intercâmbio de prisioneiros entre os dois países. , advogando por melhores relacionamentos etc. Tudo fazia parte de um processo e eu sabia que a possibilidade existia. Nos anos de prisão, aprende-se a não ser iludido e, até que recebemos as notícias, não tínhamos certeza. Você pode imaginar, foi uma grande alegria. Lembro-me como se esse momento tivesse sido hoje. Para os três de nós que recebemos as notícias juntos, uma grande alegria. Estamos falando de mais de 16 anos de prisão, cerca de 20 fora de Cuba e, sabendo que esse retorno aconteceria, é realmente indescritível o que se sente naquele momento.

– Nelson Mandela, que é um paradigma para muitos lutadores pela paz no mundo, – eu sei que também era para você, especialmente pela experiência comum de ser preso político – ficou preso por 27 anos. Mandela escreveu uma vez: “A célula é o lugar ideal para se conhecer, me dá a possibilidade de meditar e evoluir espiritualmente”. Até que ponto esse critério corresponde? Quais foram suas estratégias específicas para resistir por 16 anos?

“Você menciona Mandela, e o exemplo de Mandela sempre esteve presente.” Nós, desde os primeiros dias da prisão, tivemos que tirar nossas contas, as mesmas juntas e separadamente. E dissemos: “Qual é a pior coisa que pode acontecer aqui, que se morre na prisão? Ou esse passou 30 anos? ”E surgiu o exemplo de Mandela, a quem sempre tivemos presente. Lembro-me de que uma das primeiras revistas que eu tinha nas mãos tinha uma foto dele, recortei e a coloquei por muito tempo presa na parede do meu celular. E é verdade que, na prisão, é preciso aprender a se conhecer, porque são circunstâncias extremamente difíceis. Você vê pessoas morrerem na prisão ou serem mortas, para as quais você não estava preparado e, além disso, se você tem uma sentença de prisão perpétua e existe a possibilidade de nunca sair da prisão, precisa aprender a viver com ela e é difícil, Mas isso é alcançado. Você aprende a viver com outras pessoas e a se conhecer ainda melhor.

“E como ele lidou com a esperança?”

– Sabíamos que o caso era complicado e que era responsabilidade das autoridades americanas nos informar imediatamente, que não teríamos um julgamento justo e que receberíamos o máximo possível de sentenças. Eles se jogaram contra nós com tudo. Todas as sentenças foram as máximas possíveis permitidas por lei e até consecutivas. Eles podem ser simultâneos. Isso é 10 e 15 anos, se for concorrente há apenas 15 anos, mas não, eles decidiram que eram consecutivos, esticaram tudo ao máximo. E sabíamos que seríamos bodes expiatórios, que os Estados Unidos derrubariam todo aquele desamparo e todo o ódio que ele teve ao longo da história contra a Revolução Cubana. Portanto, sabíamos que era possível não sair da prisão. Mas, ao mesmo tempo, sabíamos que Cuba nunca nos deixaria. Sempre tínhamos em mente a força de Fidel, sabíamos que o movimento de solidariedade estava crescendo e que tínhamos muito apoio no mundo e isso sempre nos dava muita esperança. Não apenas para deixar um dia na prisão, mas para resistir ao dia a dia.

“Suponho que qualquer momento na prisão sempre deixe uma sequela no nível humano, psicológico ou emocional. Isso aconteceu no seu caso?

“Se você me perguntar, eu digo não.” Se eles perguntarem a Adriana, minha esposa, ela provavelmente diz que sim. Mas a verdade é que nunca exigi atenção psicológica, muito menos, e acho que não tenho nenhum problema. Embora haja detalhes. Recentemente, Adriana me disse: “Você notou que toma banho de cabeça para baixo?” “Como faço para tomar banho de cabeça para baixo?” E ela: “Todo mundo toma banho na frente do jato e você toma banho na parte de trás do jato”. E eles são detalhes da vida cotidiana. Entro – outras pessoas me indicaram – entro em um restaurante ou em algum lugar público e sempre procuro o assento que está de volta à parede, de frente para tudo. E não são coisas que se expõe, mas permanecem como de costume. Eles sempre me dizem. São atitudes incorporadas. Detalhes como esses devem ter outros. Felizmente, atenção psicológica não exigi.

– Quais foram os momentos mais perigosos ou difíceis da missão que você cumpriu?

– Estávamos trabalhando contra terroristas, contra pessoas que usam armas e explosivos, que têm campos de treinamento e que estavam dispostos a matar ao longo da história e até mataram e, portanto, é um risco. E era um risco especialmente para os colegas que estavam nas organizações, René, Antonio e Pablo Roque, ao contrário de nós, os policiais, que lidavam com as informações, deram as instruções, etc., mas não colocamos a cara para dentro essas organizações. Eles fazem. Embora, obviamente, os riscos fossem para todos, porque estávamos lá naquele lugar. Quando você lida com grupos terroristas, sempre que eles descobrem uma pessoa que trabalha para Cuba em Miami, isso é fatal. Estamos falando de uma cidade onde, só por querer ir ao teatro, eles te atacam, jogam garrafas em você, cospem em você e eu me refiro aos shows de Van Van, para citar apenas um exemplo. Em Miami, havia um restaurante emblemático, o Basque Center, no qual os coquetéis molotov eram jogados, queimados, pelo simples fato de terem contratado Rosita Fornés para cantar lá. As histórias são muitas: pessoas que sofreram ataques, tentativas de bomba, etc. E nesse ambiente, que existem pessoas trabalhando para Cuba se forem descobertas … Lembro-me, estando na prisão em Miami, alguém sintonizado no rádio e em programas de microfone aberto, havia pessoas que disseram (se referindo a nós): “deixe-as ir para que Veja, o que você tem é pendurá-los. Há um segmento minoritário, mas muito poderoso, naquele lugar, capaz dessas coisas e muito mais. Os riscos eram latentes.

– O fato de ter sido preso considera um fracasso da missão e, mais do que isso, que os grupos terroristas contra os quais você estava lutando continuam em total impunidade para considerá-lo um fracasso?

“Eu não considero um fracasso.” Eu acho que as coisas acontecem como vão acontecer. Na maneira como eles nos descobrem – tudo parece indicar que foi uma traição – não havia como escapar. Pelo contrário, estou satisfeito que muitas coisas foram alcançadas com o trabalho que elas nunca tiveram a chance de descobrir. E quanto à impunidade, é verdade que ainda existem esses grupos e seus campos de treinamento, mas não é o mesmo. O grau de impunidade ousaria dizer que é mais baixo. Eles precisam ter muito mais cuidado agora. O caso serviu, entre outras coisas, para muitas pessoas descobrirem que havia terrorismo contra Cuba, que tais organizações existiam, mesmo americanos que não tinham a menor idéia de que existem campos de treinamento em seu próprio território e que outros seriam atacados. países Embora a maioria do povo americano ainda não o conheça, muitas pessoas o descobriram graças ao nosso caso. E também se soube que o FBI, em alguns casos, estava investigando essas organizações.

– O processo judicial foi polêmico, longo e complexo, com muitas interferências da imprensa, especialmente Miami e outros atores políticos, principalmente da própria comunidade cubana na Flórida. Você e os outros parceiros podem estar imersos nesse sistema judicial e conhecê-lo de dentro. Como você avalia o sistema judicial dos Estados Unidos? Sei que é difícil a posição da vítima, mas a convoco a uma reflexão que expressa em que medida é verdade ou não o que é tão amplamente divulgado na imprensa ou no cinema sobre as possibilidades de justiça do sistema judicial dos Estados Unidos. .

“Eu posso responder com exemplos.” Eu poderia lhe dizer nomes e sobrenomes de pessoas que conheci que foram presas por crimes que não cometeram. Mesmo alguns que foram acusados ​​de serem pessoas não eram. E não digo porque acreditei nas histórias deles, mas porque estudei seus documentos legais. Eu até vi cartas de advogados que diziam: “Eu li os papéis que você me enviou, sei que você está certo, mas não é um caso que me interessa, porque você não tem o dinheiro que custará a defesa ou para provar que você você é inocente, tenho que lutar com um juiz e não é conveniente para mim lutar com um juiz, porque esse é o meu trabalho diário. ” Esse tipo de coisa se enrola. Nesse sistema, se você não tiver recursos para pagar um bom advogado, o advogado que o colocará na maioria dos casos verá como você se declara culpado. É até uma queixa muito comum dos prisioneiros, eles dizem: “Eles me colocaram um advogado. A primeira coisa que ele disse quando me conheceu foi que ele tinha que se declarar culpado. Como vou me declarar culpado se é algo que eu não fiz? ”Os próprios advogados, mesmo sabendo como o sistema funciona, o motivam a se declarar culpado e dizem abertamente:“ Você pode dizer que é inocente, vá a um julgamento e eles não vão acreditar em você e eles vão te dar 15 anos; se você se declarar culpado, eles lhe darão 5 ”. Muitas pessoas aceitam a conta e dizem: “Prefiro fazer 5 anos, mesmo que inocentes, 10 ou 15”.

“Mas você foi defendido por advogados americanos …”

– O que acontece é que nosso caso foi sui generis. Os advogados sabiam que ele seria controverso, mas ele seria popular e eles o receberam desde o início, pensando em popularidade. Então eles descobriram a natureza do caso e se envolveram. Eu acho que todos os advogados de lá tiveram um papel muito bom, no sentido de que era um caso com riscos para eles e eles assumiram. Mas não é generalidade. Não éramos criminosos, não éramos ladrões, não éramos traficantes de drogas. Era um caso atraente, embora perigoso. Havia também advogados que não queriam levar o caso. Mas aqueles que aceitaram tiveram um bom papel.

—E conhecendo o povo dos Estados Unidos durante sua missão e nos anos de prisão, através do apoio à solidariedade e também ao conviver com os americanos, que opinião foi formada no sentido geral desse povo e que possibilidades eles vêem? Isso é favorável a um melhor relacionamento com Cuba?

– Penso que a grande maioria do povo americano deseja ter relações normais com Cuba. Obviamente, existem muitas pessoas boas nesse país e sabemos disso por experiência própria. O movimento de solidariedade nos Estados Unidos era forte e os companheiros que assumiram, que aderiram ao caso, até, digamos, pessoas que não têm coincidências ideológicas com Cuba, muito menos, mas sabiam que era uma injustiça e os exemplos são conhecidos. . Eu não gostaria de mencionar nomes para não deixar ninguém de fora, mas há muitas pessoas religiosas de diferentes organizações que apoiaram o caso, porque sabiam que era uma injustiça e pessoas que não sabiam muito sobre Cuba, mas quando foram explicadas qual era o caso , das injustiças cometidas com as esposas, por exemplo, de negar vistos a eles por tanto tempo, acrescentaram apoio. Há muito sentimento nesse país no sentido de que eles querem ter um relacionamento normal com Cuba. É natural que aqueles relacionamentos que prevaleceram ao longo de meio século, ou que a falta de relacionamentos para chamá-lo assim, não seja normal. O que foi visto em 2014, que algumas janelas foram abertas e na direção em que as relações de respeito mútuo entre os dois países estavam indo, aumento do turismo etc., era uma amostra do que deveria acontecer no futuro.

– Na audiência que ocorreu em 2001, em dezembro, você preparou um apelo que nunca esqueceremos. Era conciso, coerente, informativo, nada melodramático, mas o final desse apelo sempre me impressionou. Você acabou com uma frase de um patriota americano do século 18, Nathan Hale. Eu sempre pensei por que ele não acabou com Fidel, com Che ou com Martí, que morava nos Estados Unidos, que também foi vítima de espionagem. Por que terminar com a frase deste patriota? “Só me arrependo de não ter mais de uma vida para conceder ao meu país” Como você preparou essa alegação? Por que Nathan Hale

– As alegações são preparadas por cada uma delas e, em seguida, demos a elas para analisar entre todas. A frase específica de Nathan Hale era uma ideia do meu advogado Paul McKenna. Temos um bom relacionamento e conversamos sobre a possibilidade de não sair da prisão. Ele me disse: “Eles vão jogar você fora com tudo e essa é uma possibilidade que existe”. Eu digo a ele algo que apontava nessa direção: “Se eu tiver que morrer aqui, eu morro e se eu tivesse duas vidas, por essa causa, faria o mesmo”. Eu disse algo parecido. E ele me diz: “

Você sabe que na história dos Estados Unidos há alguém que disse algo semelhante? ”E ele me conta sobre Nathan Hale, alguém que reconheço que não conhecia. Então decidimos citá-lo literalmente. De fato, também foi uma mensagem para o povo americano. Lembro-me de que ofendeu algumas pessoas, especificamente Ninoska Pérez Castellón, cujo ódio pela Revolução Cubana é lendário. Ela, que estava no julgamento naquele dia, em seu programa Open Microphone, dizia: “É um cínico. Por que você não citou uma frase do seu comandante? Ele veio para citar uma frase de um patriota americano, ele é cínico. ” Isso mostrou que machucou o fato de eu ter feito isso, um pouco com o esquema que eles querem mostrar que em Cuba não queremos saber nada sobre os Estados Unidos, o que está completamente errado. Não temos nenhum problema com o povo americano, simplesmente com as administrações sucessivas que foram agressivas demais contra o nosso país. Mas há uma lógica nas relações entre os dois países que nada tem a ver com o que está acontecendo no nível do governo.

– Vamos falar dos cinco anos após 2014. Sua vida neste momento e seu papel profissional. De alguma forma, ele voltou ao que estudou. Qual tem sido sua experiência como vice-chanceler do Instituto Superior de Relações Internacionais de Cuba e, nessa perspectiva, como você vê a política externa de nosso país?

– Tive a oportunidade de ser vice-chanceler do ISRI, que é minha Alma Mater, a universidade da qual me formei em 1989. Foi uma experiência agradável e agradável voltar um pouco ao meu tempo como estudante, onde tive uma pausa quando já estava começando nas funções que você conhece. Minha vida no ISRI já estava relacionada à missão especial que tive e agora voltei a esse estágio e interajo com os alunos que, aliás, não são exatamente iguais aos da minha geração, que é o mais natural por sinal. Mas a troca com eles, sabendo como pensam, como agem, como funcionam, tem sido muito enriquecedora para mim. E quanto à política externa de Cuba, tenho orgulho de trabalhar no setor, porque sei que esse foi um campo de batalha muito importante ao longo dos anos da Revolução. Fomos atacados de todas as maneiras possíveis e o campo da diplomacia foi fundamental nas épicas batalhas travadas pelos companheiros que nos representam no serviço externo. Portanto, para mim, é uma honra e um orgulho pertencer ao MINREX.

– Você acha que há algo que Cuba poderia fazer e não fez para melhorar as relações com os Estados Unidos?

—Vulgarmente, se você fizer a alguém essa pergunta, talvez eles lhe digam que a única coisa de que precisamos é abaixar a calça e não faremos isso, porque tentamos de todas as maneiras manter relações normais. E nós dissemos isso, não temos nada contra, desde que seja baseado em respeito mútuo. Eles querem que dêmos nosso braço para torcer ou desistir de nossos princípios. Essas são coisas que nunca acontecerão. Penso que Cuba realmente fez todo o possível de maneira digna e inteligente, mantendo sempre nossa soberania, que é o que eles não nos perdoam. Mas se eu tivesse que dizer sim ou não, eu diria que não. Não há nada que Cuba possa fazer que não tenha feito para manter relações normais e de respeito mútuo. A bola está na quadra deles.

– Gerardo, muitas das criações de arte e literatura da humanidade, muitas, eu não digo tudo, são resultado de dor, sofrimento, situações extremas, traumas, doenças, até loucura, exemplos são deixados de lado. Você foi muito criativo durante os 16 anos de prisão. Onde estão o poeta, o humorista, o cartunista agora?

“Infelizmente, e é um pouco paradoxal, agora que tenho a liberdade de criar, não tenho tempo”. Então, cartuns que fiz muito poucos, acho que só um, desde que voltei. Um desenho animado do Cavaleiro de Paris para um livro de Francisco Blanco. Poemas que não escrevi. Eu acho que a diferença, ou uma das diferenças fundamentais, é que agora tenho três filhos que levam muito tempo, além do meu trabalho. E o processo de criação leva tempo. Não tive, mas não descarto a possibilidade em outro momento em que as crianças estiverem um pouco mais velhas, de voltar aos desenhos animados.

– Voltar à liberdade em Cuba é como voltar à realidade. Que desafios a vida cotidiana lhe impôs?

– Sempre afirmamos que, uma vez incorporados ao nosso país, estaríamos dispostos a dar nossa contribuição para as muitas tarefas que nossa sociedade terá pela frente. É o que estamos fazendo em Los Cinco, em lugares diferentes. Onde nos pediram para contribuir, estivemos lá. Eu diria a você que, como parte da sociedade, temos os mesmos desafios que nosso país tem para continuar trabalhando para construir a sociedade com a qual todos sonhamos, em meio a essa situação tão convulsiva que agora piorou, em meio a ameaças, do bloqueio que se intensifica. Fazemos parte desta cidade que busca maneiras de avançar, de uma forma que a torna cada vez mais difícil, mas continuamos com o mesmo orgulho de todos os cubanos e com a certeza de que esse mundo melhor com o qual sonhamos é realmente possível.

– Ele agora tem 54 anos, 16 anos de vida em várias prisões dos Estados Unidos, sem liberdade. Agora 5 anos de liberdade em Cuba Você sente que está vivendo com pressa? Você precisa recuperar os 16 anos que de alguma forma perdeu? Como você projeta para o futuro?

“Não é que eu proponha viver com pressa, vivo com pressa e tento aproveitar ao máximo cada dia.” Às vezes me pergunto se isso acontece comigo depois da experiência que tive ou é que toda a minha vida foi assim. Eu acho que toda a minha vida foi assim. Eu nunca acreditei em reencarnação, muito menos. Eu sei que essa é a única vida e que você precisa tirar vantagem dela e viver com intensidade. E eu tento fazê-lo, com mais razão após essa experiência. Embora eu nunca veja isso como o tempo que foi tirado de mim, como o tempo perdido. Pelo contrário, sempre digo que quando acordo hoje que estou vivendo é um dia que tirei deles, para a sentença de duas sentenças de vida que tive. E, acima de tudo, percebo quando recebo uma carta de um companheiro de prisão que ainda está lá, alguns me telefonaram e me lembra que, de acordo com o plano do imperialismo contra nós, eu deveria estar em uma prisão agora. Portanto, este é um momento em que estou roubando essa frase.

– Muito obrigado e como o poeta disse: boa sorte vivendo.

* Transcrição: Alicia Cascaret.

A profecia de Fidel foi cumprida: eles voltaram!

Cinco anos após o retorno dos Cinco

Era 17 de dezembro de 2014. A cidade inteira, lutando e exigindo seu retorno, tornou-se uma testemunha de que a previsão do comandante em chefe foi cumprida. Os Cinco, todos, já estavam em sua Pátria.

Autor:  | internet@granma.cu

Se cumplió la profecía de Fidel: ¡Volvieron!

Foto: Estudos da Revolução

Cinco anos após o retorno dos Cinco

Autor:  | internet@granma.cu

A profecia de Fidel foi cumprida: eles voltaram!
A profecia de Fidel foi cumprida: eles voltaram! Foto: Estudos da Revolução
Era 17 de dezembro de 2014. A cidade inteira, lutando e exigindo seu retorno, tornou-se uma testemunha de que a previsão do comandante em chefe foi cumprida. Os Cinco, todos, já estavam em sua terra natal.

Foi um feriado e chorando. Este último muito difícil de conter antes de tanta emoção. A televisão capturou cada momento, desde que o dirigível que trouxe Gerardo, Antonio e Ramón se aproximou do espaço do terminal José Martí, em Havana, até que a porta se abriu e espiou na escada de Gerardo, depois Antonio e finalmente Ramón. Como esquecer os abraços dos heróis com seus parentes lá! O abraço animado de Raul, que os esperava em nome de Fidel e de todo o povo.

As convicções se tornaram realidade. Os Cinco, cumprindo seu dever para com a Pátria, sabiam que toda a cidade queria abraçá-los, que as crianças se apressariam em beijá-los, que os jovens são mais comprometidos com o exemplo que irradiam.

Quando nesta terça-feira 17 marca cinco anos após a feliz chegada à Pátria, os Cinco Heróis fortalecem seu valor como patriotas e realizam tarefas, talvez menos arriscadas, mas também heróicas, como profissionais que são revolucionários para sempre e filhos de a Pátria que era conhecida incompleta há cinco anos, quando ainda estavam em prisões sombrias.

Esta terça-feira 17 marca cinco anos desde a chegada feliz à Pátria. Foto: Estudos da Revolução
Eles sabiam cumprir com dignidade aquelas sentenças longas e injustas e sempre tinham certeza de que apenas a 140 quilômetros daquele precipício escuro havia um país todo mobilizado para exigir seu retorno, e um líder que, com a convicção e a segurança de sempre, havia expressado: “Eles vão voltar.” E assim Raul cumpriu.

Mas a batalha pelo retorno dos Cinco, além de se tornar cada vez mais massiva em Cuba, atravessou mares e oceanos para se tornar uma bandeira, em um movimento de solidariedade de centenas de países, incluindo os Estados Unidos.

A volta de Gerardo, Antonio e Ramón completou a felicidade de uma cidade que antes, em 7 de outubro de 2011, endossava a emoção da libertação de René e, em 27 de fevereiro de 2014, a de Fernando.

São cinco jovens da cidade, formados inteiramente pela Revolução, todos preparados para cumprir qualquer missão em favor de sua terra natal.

São homens consagrados na obra que construímos e sempre colocam sua fé na vitória à frente deles, que é acompanhada por um sorriso nobre e sincero, típico dos heróis que são.

MEU PAI, OBRIGADO OBRIGADO

História de Cuba desperta interesse na feira do livro mexicana

Retirado de PL

Um dos títulos mais negociados hoje por estudos Mundo Latino, Cuba, na Feira Internacional do Livro (FIL), em Guadalajara é a minissérie momentos históricos da Revolução. Continuar a ler “História de Cuba desperta interesse na feira do livro mexicana”