O cinema cubano regressa aos teatros norte-americanos.

#CubaEsCultura #CineCubano #EstadosUnidos #HistoriaDeCuba

Autor: Redacción Digital | internet@granma.cu

O 13º Festival de Cinema Cubano do Minnesota, nos Estados Unidos, organizado pelo Comité de Cuba do Minnesota, juntamente com a MSP Film Society e o Instituto Cubano de Arte e Indústria Cinematográfica, abriu o seu dia de exibições com o filme El Mayor, realizado por Rigoberto López, que recria a vida do pró-independência Ignacio Agramonte y Loynaz (1841-1873).

Foto: Cartel de la película

Segundo a agência noticiosa Prensa Latina, o evento decorrerá até 30 de Junho e todas as quintas-feiras serão exibidos filmes cubanos no MSP Film at The Main em Minneapolis, seguidos de discussões das obras, de acordo com os organizadores.

A 2 de Junho, Jonal Cosculluela e o Volverán los abrazos de Maritza Acosta serão projectados, um documentário com histórias de médicos cubanos que cobriram a pandemia de Covid-19 na ilha.

La Emboscada, de Alejandro Gil, é o filme escolhido para a noite de 9 de Junho no MSP Film at The Main; Canción de barrio, de Alejandro Ramírez Anderson, será exibido na quinta-feira 16 de Junho; e El último balsero, de Carlos Rafael Betancourt e Oscar Ernesto, será apresentado a 23 de Junho.

Para encerrar o festival, segundo a PL, foi escolhido o filme Los Hermanos, de Marcia Jamel e Ken Schneider.

O Festival Internacional de Cinema de Berlim exibe um filme sobre os prisioneiros da base naval da Baía de Guantánamo.

#FestivalDeCineBerlin #IlegalBaseDeGuantánamo #TheGuardian

Por Verónica García

O filme Rabiye Kurnaz v. George W. Bush, que recria as experiências de um dos reclusos da prisão ilegal da base naval de Guantánamo, será exibido no Festival Internacional de Cinema de Berlim.

Fotograma de la película. Foto: The Guardian.

O filme relata as experiências de Murat Kurnaz, que esteve preso na base entre 2002 e 2006. Como a maioria dos detidos, não houve acusações formais contra ele.

O filme é abordado da perspectiva da mãe de Kurnaz, Rabiye, e da sua luta pela libertação do seu filho. O realizador, Andreas Dresen, interessou-se pela história depois do regresso de Murat à Alemanha.

Segundo Dresen, a leitura do livro Cinco Anos da Minha Vida, escrito pelo homem recém-libertado, “chocou-o.

O advogado Bernhard Docke (Alexander Scheer), acompanhou a mãe, interpretada por Meltem Kaptan, numa batalha legal, que chegou ao Supremo Tribunal em Washington,
nos Estados Unidos da América.

O filme está a competir com 17 outras longas-metragens. Os resultados dos prémios serão anunciados a 16 de Fevereiro.

Festival de Cinema de Berlim: filme alemão mostra injustiças na base naval de Guantánamo

Diretor alemão Andreas Dresen.

Pelas lentes do diretor alemão Andreas Dresen, o Festival Internacional de Cinema de Berlim, conhecido como Berlinale, mostra hoje as injustiças cometidas na base naval de Guantánamo, território cubano ocupado ilegalmente pelos Estados Unidos.

Sob o título Rabiye Kurnaz contra George W. Bush, o filme recria as experiências do prisioneiro Murat Kurnaz, que permaneceu preso na base norte-americana entre 2002 e 2006, sem nenhuma acusação contra ele.

Segundo Dresen, o interesse por essa história surgiu quando Kurnaz saiu da prisão, tomou conhecimento das entrevistas transmitidas pela televisão e leu seu livro: Five Years of My Life, que chocou o diretor.

O filme tem como fio condutor a perspectiva da mãe do detento (Rabiye), uma mulher que lutou pelo filho até trazê-lo de volta à Alemanha, e cuja história traz esperança em meio à crueldade sofrida por Kurnaz.

Rabiye é alguém que você geralmente poderia chamar de uma mulher comum, mas quando se trata de cuidar de seus filhos, ela possui uma força impressionante, detalha o site da Berlinale ao relembrar os eventos que marcaram o destino de Murat.

“Pouco depois dos atentados de 11 de setembro de 2001, Kurnaz é acusado de terrorismo e enviado para o campo de prisioneiros de Guantánamo, o que impulsiona a viagem ao coração da política mundial para a mulher germano-turca”, observa a apresentação do audiovisual.

Ao lado do advogado de direitos humanos Bernhard Docke, interpretado por Alexander Scheer, a mãe (Meltem Kaptan) luta pela libertação do filho até chegar à Suprema Corte em Washington, nos Estados Unidos.

Incluído na seção de competição da 72ª edição do Festival, o filme concorre junto com outras 17 entregas para um dos Ursos do concurso, cujos vencedores serão anunciados no dia 16 de fevereiro.

Até o dia 20 deste mês, decorre o evento, que nesta ocasião implementa protocolos sanitários rigorosos para evitar o contágio por covid-19, ao mesmo tempo que desenvolve uma agenda paralela em plataformas virtuais.

Fita de Rabiye Kurnaz contra George W. Bush.

(Com informações da Prensa Latina)

Plantados, outro bodrio anti-Cubano .

#Cuba #Artistas #MafiaCubanoAmericana #SubversionContraCuba #CubaSalva #EEUUBloquea #MercenariosYDelincuentes #PuentesDeAmor #TraidoresNoMeRepresentan

Autor: Rolando Pérez Betancourt | internet@granma.cu

O ódio e a arte nunca estiveram ligados.

Aconteceu com Andy García e Guillermo Cabrera Infante e aquele embuste chamado A Cidade Perdida (2005), eviscerado por críticos internacionais.

Eis uma amostra do que foi dito sobre esse filme na altura, neste caso da crítica espanhola Beatriz Maldivia: “O filme é, em suma, uma série de diálogos intermináveis, mal escritos, sem ligações entre eles e sem maior objectivo do que Andy García e Cabrera Infante perpetrarem uma espécie de ensaio sobre Cuba que seria rejeitada em qualquer jornalismo infantil. É cinematograficamente – não apenas ideologicamente – nulo.

Após uma vasta publicidade durante a sua fase de preparação, e após ter sido anunciado que seria o filme mais caro preparado pelo exilado cubano (ler contra-revolução), Plantados, realizado por Lilo Vilaplana e com um guião de Ángel Santiesteban, Juan Manuel Cao e o próprio realizador, foi lançado em Miami.

O tema: recriar, a partir da ficção, “a galanteria e a resistência dos presos políticos cubanos dos anos 60 e 70 face às atrocidades do regime prisional comunista castrista”.

Em 24 horas o filme foi colocado em redes sociais, algo invulgar para um filme de estreia, e caro, que deveria continuar a ser apresentado em festivais de todo o mundo para tentar vender-se e recuperar fundos, como tentou fazer, sem sucesso, com A Cidade Perdida, rejeitado aqui e ali como infame.

Alguém nas redes achou estranho este desprendimento de lançar o filme na mosca sem recuperar um cêntimo e comentou: “Mas porque é que o fazem e não tentam obter benefícios económicos com ele?

Há dois objectivos óbvios neste lançamento precipitado dos dados: em primeiro lugar, para acrescentar à campanha subversiva contra Cuba, apresentando uma imagem propagandística e unidimensional do assunto que tratam, sem fazer referências às causas – não poucas delas criminosas – que levaram aqueles homens à prisão e, em segundo lugar, o sonho vaidoso dos cineastas de pensarem que faturaram uma obra-prima, capazes de responder – como declararam – ao que foi exposto em The Wasp Network (Olivier Assayas, 2019), um filme que os escandalizou por apresentarem verdadeiros heróis contrários aos mandamentos do império, o oposto dos “heróis” que agora tentam refazer do passado como uma “mensagem de rebelião”, dirigida a gerações que não viveram aqueles dias.

O truque de reescrever a história e deixar no caixote do lixo o que não é conveniente é um truque antigo: os Estados Unidos perderam a guerra no Vietname, mas anos mais tarde tiveram o seu Rambo, capaz de ganhar outra invasão vingativa por si só e assim dar conforto aos nostálgicos.

A contra-revolução perdeu, durante mais de 60 anos, o seu propósito de reconquista por sangue e fogo, e manobras de todo o tipo, e agora recorre ao truque habitual proporcionado pela ficção de um filme para reunir, sentimentalmente, os factos à sua conveniência.

Já no campo artístico – e os críticos profissionais darão conta disso, se lhe derem alguma atenção – Plantados permite apreciar as consequências negativas de um péssimo melodrama que confunde os tempos narrativos, divide os protagonistas em tipos muito bons e sanguinários, com diálogos verbais que procuram eficácia com cada expressão, um guião reiterativo e repleto de lugares comuns à exaustão, música sapienta e cenas de espancamentos e assassinatos em prisões e campos de trabalho que cobrem grande parte das suas quase duas horas de filmagens; O cinema espesso marcado pelos tons lacrimosos dos conflitos, e a falta de habilidade na formação de um acto de vingança contemporâneo, que deve muito à pior Hollywood, apesar do filme ter um orçamento de milhões de dólares.

Algumas mentes lúcidas no Festival de Cinema de Miami, onde o filme estreou há alguns dias, devem ter-se apercebido de que Plantados era uma lixeira e, embora o tenham aceite, não lhe deram – segundo o realizador Lilo Vilaplana- a importância que o filme merecia.

Vilaplana escreveu, na sua conta do Facebook, que o Festival tinha dado ao filme “um tratamento de quinta categoria”, que não o tinha apoiado “nem em publicidade nem em nada; é um filme feito no exílio, com artistas daqui, deveria ter-lhe sido dada outra importância”.

E indignado – e talvez também antecipando o fracasso artístico tão doloroso para qualquer criador – ele levantou a parada política: “O desrespeito do Miami Film Festival pelo exílio histórico e a sua cumplicidade com a ditadura de Castro é uma ignomínia.

E para que não houvesse dúvidas quanto às intenções do filme, escreveu que a organização do Festival não gosta de filmes como Plantados, que “gostam daqueles que constroem pontes, que dizem que devemos unir-nos, mas com a ditadura não negociamos”.

E concluiu: “Aqueles filmes que vos convidam a ir a Cuba são materiais cúmplices da ditadura, e esse regime tem de ser derrubado, porque fez muito mal aos cubanos… Eles (os realizadores do Festival) não queriam que o filme lá estivesse, e eu sentia que mesmo nas pessoas que estavam a assistir ao Festival, eles estavam chateados por o filme lá estar.

O filme encontrará o seu público num sector fervoroso da comunidade exilada e não faltarão aqueles que o promoverão como uma “obra reveladora”, sem dar crédito à manipulação das emoções que exibe, como um princípio básico de uma propaganda contra-revolucionária sujeita a um plano subversivo que não descansa.

Mas o ódio e a arte nunca estiveram ligados. Boa sorte no campo artístico da próxima vez, director, e livra-te dele.

Meu pobre anjinho ficou sem Trump.#ForaTrump

#ForaTrump #NoMoreTrump #DonaldTrumpCulpable #Cine

Autor: Rolando Pérez Betancourt | internet@granma.cu

Além dos debates causados ​​pela chamada Cultura do Cancelamento, e seus muitos pontos polêmicos, a verdade é que Macaulay Culkin concorda em suprimir Donald Trump de uma cena em que o magnata aparece conversando com a criança que interpreta o ator em Meu pobre anjinho 2, perdido em Nova York (Chris Columbus, 1992), um filme considerado um clássico e que ganha vida nos Estados Unidos a cada festa de Natal.

A decisão vem em um momento em que, na cabeça do imóvel presidente, um pote de nefastas consequências é derrubado, após o papel sedicioso que ele desempenhou na promoção de uma invasão neofascista ao Capitólio de Washington.

Como Trump levará o recorte do filme da 20th Century Fox, promovido por milhares de pessoas nas redes sociais, é algo difícil de prever quando ele deve enfrentar um segundo impeachment no Congresso e, além disso, seus cofres são recentes Daí as medidas que várias entidades têm vindo a tomar contra os seus domínios financeiros, sem esquecer que um futuro infeliz perante os tribunais – que não faltam denúncias – pode estar à sua espera ao virar da esquina.

Varios de los millones de espectadores que disfrutan cada fin de año del filme Mi pobre angelito 2, no quieren más a Trump en él. Fotograma de la película

Mas se levarmos em conta o narcisismo que levou Trump a desempenhar seu próprio papel como Trump como um empresário de sucesso em cerca de 13 ou 14 filmes, poderíamos pensar que o corte de celulóide proposto atuaria como a gota de chuva clássica em meio gole, também oprimido pelas proibições de que continua envenenando as redes sociais com suas mentiras e manipulações.

E ainda mais quando, em meio aos pedidos de muitos, seu pedido de aparecer por alguns segundos em My Poor Little Angel 2 foi tornado público ou, ao contrário, ele se recusou terminantemente a ser filmado no New York Plaza, um hotel de sua propriedade. entre 1988 e 1995.

A este respeito, o ator Matt Damon foi conclusivo: “As instalações do prédio não puderam ser acessadas até que Donald Trump conseguiu o papel.”

Em mais de uma ocasião, Trump disse que, quando jovem, ele se parecia muito com Elvis Presley, e que pode muito bem ter desenvolvido uma carreira no cinema. Em 1989, já milionário, teve a primeira chance de certo papel em um filme rodado ao lado do monumental Bo Derek, uma fábula erótica intitulada Fantasmas não podem fazer isso. Lá ele pôde ser visto fazendo caretas ao lado da atriz; ela no papel de uma jovem viúva que, após o suicídio de seu velho marido (Anthony Quinn), tenta se vingar sexual com o melhor que encontra em seu caminho.

Los mejores cameos de Donald Trump en el cine - Información

Os críticos consideraram o filme uma “abominação cinematográfica” e Trump recebeu duas indicações para o Razzie Awards, acusado de “premiar” o mais famoso da produção daquele ano: Pior Ator Coadjuvante e Pior Nova Estrela.

Ninguém se lembra daquele filme, ou de outros onde, como em My Poor Little Angel 2, apareceu por alguns segundos, mas a indignação coletiva que agora explodiu nas redes sociais não o quer mais em uma história do que todo final de ano, quase religiosamente, geralmente é visto com alegria por milhões de telespectadores.

Macaulay Culkin, agora com 40 anos, depois de expressar sua concordância com a campanha pelo corte Trump, respondeu a outra pessoa que disse que ele havia eliminado sozinho: Bravo!

Filme cubano ganha prêmio no Festival Best Global Shorts.

Retirado do teleSUR

O filme “Mambo Man”, do diretor Edesio Alejandro, ganhou como o melhor longa-metragem.

O filme “Mambo Man” (“The Mambo Man”, traduzido para o espanhol), do produtor audiovisual cubano Edesio Alejandro e do iraniano-britânico Mo Fini, ganhou o prêmio de melhor longa-metragem na temporada mais recente do festival Best Global Shorts.

Un drama de carga musical, con uno de los géneros más históricos de Cuba, es la propuesta de "Mambo Man".

Como o próprio Edesio Alejandro se comunicou em seu mural do Facebook, esse prêmio aumenta para 15 o número total de prêmios recebidos pelo filme que ele co-dirigiu. Ele disse que estava muito feliz com toda a equipe do filme e agradeceu a todos que tornaram isso possível.

Entre os prêmios recebidos pelo filme, há vários de melhor direção, melhor filme de ficção e melhor filme estrangeiro em sua jornada por vários festivais na Ásia e na Europa.

Com base em uma história verdadeira, a sinopse de “Mambo Man” descreve “a história de JC, um produtor e promotor musical cubano local, fazendeiro e acima de tudo um pai; que deve conciliar muitos papéis para permanecer no topo, um ‘peixe grande em um pequeno lago’, que vive de bom humor e imaginação “.

É o primeiro longa-metragem entre os dois diretores. Ele tem um roteiro original de Mo Fini e apresenta o aclamado cubano Héctor Noas no papel de JC (“Dioses Rotos”, “Segio y Serguei”, “Verde Verde”).

Como esperado de um filme co-dirigido por Edesio Alejandro (compositor musical de séries de TV e filmes), ele tem um forte componente musical.

A trilha sonora apresenta uma formação estelar de músicos, incluindo Eliades Ochoa (vencedor do Grammy) (do Buena Vista Social Club), Juan de Marcos González (do Afro-Cuban All Stars), Candido Fabre, David Álvarez e outros.

e apesar da guerra fria, eles levaram o Oscars.

Da política ao cinema com o mesmo “ódio”

“Que diabos foi tudo isso?”: Trump ataca a vitória de ‘Parasitas’ no Oscar

O presidente dos EUA Ele lembrou em um comício que seu país tem “problemas suficientes com a Coréia do Sul” no comércio.

"¿Qué demonios fue todo eso?": Trump arremete contra la victoria de 'Parásitos' en los Óscar

O presidente dos EUA, Donald Trump, criticou na quinta-feira o filme sul-coreano ‘Parasites’, que ganhou o Oscar de melhor filme na 92ª edição do Hollywood Academy Awards, tornando-se o primeiro filme Falando não inglês na obtenção do prestigiado prêmio.

“O vencedor é um filme da Coréia do Sul. O que diabos foi tudo isso?”, Declarou o presidente em uma manifestação no Colorado, para lembrar que seu país “tem problemas suficientes com a Coréia do Sul com o comércio”. “Além disso, eles deram ao Oscar o melhor filme do ano? Foi bom? Eu não sei”, disse Trump.

O presidente também revelou seu próprio gosto por filmes, imaginando se “podemos recuperar, por exemplo, ‘o que o vento levou'” “ou” Sunset Boulevard “.

Neon, o distribuidor norte-americano de ‘Parasites’, respondeu rapidamente às críticas do presidente do filme legendado, twittando: “Compreensível, ele não sabe ler”.

El director Bong Joon-ho y la productora Kwak Sin-ae de la película "Parasite" posan para los fotógrafos con sus respectivos Oscar.

Brad Pitt, “o pouco sábio”
O presidente também criticou Brad Pitt, o melhor ator coadjuvante de ‘Era uma Vez … em Hollywood’, que fez um comentário sobre o julgamento político de Trump durante seu discurso depois de obter o Oscar.

“Eles me disseram que só tenho 45 segundos aqui … o que é 45 segundos a mais do que o Senado deu a John Bolton esta semana”, disse o ator, referindo-se à recusa dos senadores republicanos em ouvir o testemunho do ex-conselheiro. Segurança Nacional, uma peça que poderia ter sido fundamental no julgamento político contra Trump.

Brad Pitt con su Oscar

Em sua declaração, o presidente dos EUA disse que nunca foi “um grande fã” de Pitt. “Ele concordou com sua afirmação pouco sábia. Pouco sábio! Ele é um pouco sábio”, disse ele.

‘Parasites’, o primeiro filme que não fala inglês que ganhou o Oscar de melhor filme

The Academy

@TheAcademy

Moment: @ParasiteMovie wins for Best Picture.

Parasites ‘, dirigido por Bong Joon-ho, ganhou o Oscar de melhor filme na 92ª edição do Hollywood Academy Awards, realizada neste domingo em Los Angeles. Este é o primeiro filme que não fala inglês e obtém o prêmio principal.
O filme coreano conta a história de Gi Taek, que junto com sua família está desempregado e vive em um porão. Quando o filho mais velho, Gi Woo, interpretado por Choi Woo Shik, começa a dar aulas particulares para a filha da rica família Park, o curso de suas vidas começa a ter resultados imprevisíveis.

A sátira de classe de Bong Joon Ho foi uma das produções favoritas da temporada, apesar de não ter recebido nenhuma indicação para seu elenco. No entanto, ele conquistou três grandes prêmios adicionais: melhor diretor, melhor roteiro original e melhor filme internacional.

Todos os prêmios foram o primeiro Oscar de um filme coreano. Além disso, Bong e o co-roteirista Han Jin Won se tornaram os primeiros escritores asiáticos a ganhar o prêmio de melhor roteiro.

Os outros filmes indicados nessa categoria foram: ‘Ford v Ferrari’ (‘Contra o impossível’); ‘The Irishman’; ‘Coelho Jojo’; ‘Coringa’ (‘Coringa’); ‘Pequenas mulheres’; ‘História de casamento’; ‘1917’ e ‘Era uma vez … em Hollywood’ (‘Era uma vez em Hollywood’).

A vitória de ‘Parasitos’ ocorreu em um ano em que muitos criticaram a falta de diversidade nos indicados e a ausência de cineastas. Mas a vitória permitiu a Hollywood mudar o costume e marcar uma trajetória diferente.

%d bloggers like this: