O falso pacifismo de Yunior García está enterrado em Miami .

#ElBloqueoEsReal #VacunasCubanas #CubaPorLaSalud # CienciaEnCuba #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes

Uma Cuba “democrática” que deixaria de ser pacífica e esclarecida?

#CubaSoberana #ConCubaNoTeMetas #Democracia #EstadosUnidos #AmericaLatina

MANIPULAÇÃO DOS MEDIA E ATAQUES DE MIAMI CONTRA AS VACINAS DE CUBA.

#ManipulacionMediatica #SAludEnCuba #VacunasCubanas #Covid-19 #Soberana #Abdala #CienciaEnCuba

SOS Blockade vs Cuba .

#ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #CubaSalva #CubaEsSalud

Por: José Manzaneda

Imagine que a União Europeia impôs um bloqueio económico total à Espanha, proibindo o comércio, as transferências, o turismo, a venda e compra de tecnologia ou medicamentos, a utilização do euro, que – através de ameaças e procedimentos legais – impediu empresas de outras partes do mundo de investir, sancionou companhias de navegação que trazem gás natural ou petróleo e, por sua vez, negou a entrada no território da União Europeia aos nossos cidadãos.

Apesar de sermos um país com um elevado nível de desenvolvimento económico, imagine os efeitos devastadores que isso teria nas nossas condições de vida (em termos de salários, pensões, serviços públicos, transportes, etc.), no meio da crise económica causada pela pandemia. Bem, agora, imagine este bloqueio sobre a população de um país insular e pobre em recursos no Sul, como Cuba.

Assistimos hoje, com perplexidade, a uma operação, na imprensa e nas redes sociais, de negação do bloqueio económico, comercial e financeiro dos EUA contra Cuba, que justifica um crime contra a humanidade e a violação maciça dos direitos humanos de onze milhões de pessoas, sujeitas a uma chantagem brutal: morrer à fome ou derrubar o seu governo.

O impacto do bloqueio em cada uma das fontes de rendimento da ilha é brutal: na ordem de cinco mil milhões de dólares por ano, 430 milhões por mês. Até 2021, 147 mil milhões de dólares em perdas.

Em que consiste o bloqueio de Cuba?
As bases permanentes do cerco económico e financeiro contra Cuba são, entre outras, as seguintes:

O chamado “embargo comercial”. As empresas e cidadãos cubanos não podem vender quaisquer produtos ou serviços no maior mercado do mundo, os EUA, nem podem adquirir os seus produtos ou serviços, com excepções e regulamentos muito rigorosos (certos alimentos e medicamentos, pagos antecipadamente). Isto implica enormes ultrapassagens de custos em absolutamente todas as importações de Cuba, muitas delas provenientes de mercados distantes. Também a impossibilidade de adquirir produtos e tecnologia apenas disponíveis nos EUA.

Os navios que tocam os portos cubanos não podem continuar para os EUA, o que se multiplica, para a ilha, todos os custos de frete e seguro.

A proibição do turismo americano, o que significaria uma injecção imediata de liquidez para a economia da ilha.

Perseguição constante, sanções e pressão extraterritorial sobre empresas e países para impedir o comércio com Cuba. Empresas de países terceiros não podem exportar para os EUA produtos contendo uma única grama de açúcar cubano ou níquel, fechando uma grande parte dos mercados internacionais da ilha. Do mesmo modo, países terceiros não podem vender mercadorias a Cuba com mais de 10% de componentes norte-americanos.

A impossibilidade de Cuba obter créditos de desenvolvimento, devido ao direito de veto ou voto preferencial dos EUA em organizações financeiras multilaterais, tais como o Banco Mundial ou o Banco Interamericano de Desenvolvimento.
243 novas sanções

A estas medidas e a muitas outras não mencionadas, juntam-se 243 novas sanções impostas durante a administração de Donald Trump, das quais mais de 50 foram aprovadas durante a pandemia de Covid-19. Por exemplo:

A proibição das remessas, que tornaram a emigração cubana a única, nos EUA, que não pode enviar dinheiro às suas famílias de forma legal e segura.

O encerramento da imigração, por congelamento de vistos, devido ao encerramento do consulado dos EUA em Havana, algo que procura aumentar o efeito de “panela de pressão” sobre a população cubana. O compromisso, assinado por Barack Obama, de conceder pelo menos 20.000 vistos por ano, é agora letra morta.

A inclusão de Cuba na lista de alegados “países patrocinadores do terrorismo”, o que implica o encerramento quase completo dos bancos internacionais da ilha, e a impossibilidade, há meses, de fazer compras (de alimentos e medicamentos, por exemplo) com os dólares recolhidos.

A perseguição sistemática das companhias de navegação que trazem petróleo venezuelano para Cuba, o que levou a uma redução drástica dos transportes urbanos e das restrições eléctricas.

A restrição ainda maior das muito poucas viagens dos EUA a Cuba autorizadas pela administração Obama, bem como a proibição total de compra de produtos em terra. A proibição de cruzeiros, por exemplo, arruinou numerosos estabelecimentos do sector privado cubano.

A proibição de voos para nove dos dez aeroportos internacionais de Cuba, uma medida que afecta a comunidade cubana nos EUA, o único que não estava anteriormente sujeito a restrições de viagem.

A retirada da única licença de investimento que foi autorizada por Obama: a da empresa hoteleira Marriot.

A plena aplicação da Lei Helms-Burton, que procura afugentar todo o investimento estrangeiro, bem como a activação de dezenas de processos judiciais contra empresas de investimento, principalmente europeias, para as obrigar a abandonar a ilha.

A ruptura – através de pactos com governos aliados, tais como os do Equador e do Brasil – dos seus acordos médicos com Cuba, que lhe permitiram financiar o sistema de saúde pública da ilha. Isto explica em parte a escassez de cuidados de saúde e visa criar uma crise sanitária na ilha.

A abolição de acordos bilaterais esperançosos, como o que foi assinado – e nunca entrou em vigor – entre a Federação Cubana de Basebol e a Liga Principal de Basebol dos EUA, que teria posto fim à “fuga” de atletas e ajudado a financiar o desporto de base em Cuba.

Imagine se eles cortarem a electricidade na sua casa, fecharem as suas portas para manter fora comida e medicamentos, impedi-lo a si e aos seus dependentes de sair para ganhar a vida, e depois culpá-lo pela má gestão da sua casa e chamar-lhe ditador. É o que os EUA fazem com Cuba e o seu povo.

Uma estratégia de seis décadas de asfixia, mais o cerco da guerra económica dos últimos quatro anos, juntamente com a ausência de receitas do turismo devido à pandemia, levaram a uma situação aguda de escassez em Cuba em todas as áreas. O resultado político, esperado durante 60 anos, de uma estratégia que procura matar um povo refém através da fome e da escassez, é muito pobre: tendo conseguido que uma pequena parte da população, cansada e desesperada, ceda e se revolte contra o governo e a Revolução.

Mas a euforia é um mau conselheiro. Estas pessoas não são a maioria. A maioria conhece a causa essencial dos seus problemas, e tem saído à rua por toda Cuba, aos milhares, para defender a soberania do seu país e a Revolução. Os criminosos vão continuar a tentar. Mas Cuba continua a ser um osso duro de roer.

Tirada de CubaDebate

Cientistas cubanos esmagam campanha dos EUA .

#CubaSoberana #CubaEsSalud #VacunasCubanas #CubaSeRespeta #EEUUBloquea #CubaSalva #ElBloqueoEsReal #FakeNewsVSCuba

Parlamentares e activistas latino-americanos condenam o bloqueio dos EUA a Cuba .

#CubaNoEstaSola #PuentesDeamor #ElBloqueoEsReal #ACubaPonleCorazon #SolidaridadVSBloqueo #CubaSoberana #TodoPorLaRevolucion

#Cuba – #Vacinas contra o #COVID19 Novo dilema?

#SaludMundial #CubaCoopera #OMS #CubaPorLaSalud #Capitalismo #ElBloqueoEsReal #Covid-19 #China #Rusia #VacunasCubanas #CienciaEnCuba

As vozes levantam-se mais uma vez a favor de #Cuba.

#CubaPorLaSalud #BrigadaHenryReeve #Covid-19 #CubaCoopera #CubaSalva #EEUUBloquea #SaludMundial #OMS #Panama

Vamos globalizar a cooperação, vamos avançar para o desenvolvimento sustentável .

#Cuba #ReinoUnido #Covid-19 #SaludMundial #CubaSalva #EEUUBloquea #PuentesDeAmor #ElBloqueoEsReal #SaludEnCuba

Autor: Milagros Pichardo | internacionales@granma.cu

A 18 de Março, um ano após o nosso país ter oferecido a sua mão de solidariedade ao navio de cruzeiro britânico MS Braemar, Cuba reiterou a sua total disponibilidade para continuar a sua contribuição para a redução de catástrofes, bem como a colaboração na área da saúde, incluindo o aconselhamento epidemiológico e científico, a troca de experiências adquiridas no tratamento da COVID-19, e a formação de recursos humanos.

Isto transcendeu durante o 10º Fórum Reino Unido-Caraíbas, realizado virtualmente, no qual a delegação cubana, liderada pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros Bruno Rodríguez Parrilla, participou como observador, e reiterou a contribuição activa para o sucesso da Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP26), e a vontade de trabalhar de forma construtiva para a plena implementação do Acordo de Paris.

Viajeros del MS Braemar ya se encuentran listos y seguros para regresar a casa desde Cuba

“Muitos de nós no Reino Unido apreciámos um gesto humanitário tão notável”, disse o Príncipe de Gales, em gratidão pela assistência cubana ao navio de cruzeiro MS Braemar. Foto: Ricardo López Hevia

O membro da Mesa Política do Comité Central do Partido Comunista de Cuba salientou a importância dada por Cuba ao princípio de responsabilidades comuns mas diferenciadas e à obrigação moral de fazer as transferências financeiras e tecnológicas apropriadas para os países em desenvolvimento.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros cubano agradeceu a Sua Alteza Real o Príncipe de Gales pela modesta assistência que o nosso país pôde dar aos passageiros e tripulação do navio de cruzeiro MS Braemar, que chegou ao porto de Mariel com pacientes convalescentes da COVID-19. Este gesto foi também apreciado pelo Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido, Dominic Raab.

Rodríguez Parilla salientou que, mais de um ano após a COVID-19 ter sido declarada pandémica, continua a ser um desafio global que gerou uma crise sistémica de impactos múltiplos e devastadores nas nossas sociedades, que ameaça o progresso rumo à Agenda para o Desenvolvimento Sustentável de 2030.

Especificou que, no caso de Cuba, a intensificação do bloqueio económico, comercial e financeiro imposto pelo Governo dos Estados Unidos é acrescentada, o que limita significativamente a resposta eficaz à pandemia. “No entanto, hoje temos cinco candidatos a vacinas em diferentes fases de ensaios clínicos e este ano vamos imunizar toda a população cubana”, disse ele.

Face aos crescentes e múltiplos desafios globais, o Ministro dos Negócios Estrangeiros esclareceu que a nossa nação apoia o direito dos países das Caraíbas a receberem um tratamento justo e diferenciado.

Sublinhou que partilhámos modestamente a nossa experiência no combate à pandemia, bem como o envio de 56 brigadas médicas para 40 países e territórios, incluindo 11 países africanos, três europeus e 23 da América Latina e Caraíbas, incluindo 12 nações das Caraíbas e cinco territórios ultramarinos, quatro britânicos e um francês.

Rodríguez Parrilla referiu-se à urgência de reafirmar o compromisso colectivo de todas as nações para reforçar o multilateralismo. “Vamos procurar respostas conjuntas, vamos globalizar a cooperação, vamos avançar para o desenvolvimento sustentável que os nossos povos merecem”, disse ele.

Agradeceu também o convite para esta reunião, na qual participaram Sua Alteza Real o Príncipe de Gales; Dominic Raab, Ministro dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido; Claude Joseph, Presidente do Conselho de Relações Externas e Comunitárias; Irwin LaRocque, Secretário-Geral do Caricom; assim como os Ministros dos Negócios Estrangeiros das Caraíbas.

O Departamento de #Saúde dos #EstadosUnidos pressionou o #Brasil a rejeitar a vacina #Russa #Sputnik V .

#SaludMundial #Vacunas #Covid-19 #Sanciones #InjerenciaDeEEUU #Brasil #Venezuela #Cuba #Panama #ElBloqueoEsRealm #CubaSalva #EEUUBloquea

O Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA publicou recentemente o seu relatório anual descrevendo 2020 como “um dos anos mais desafiantes da história” do país.

O documento prevê “o fim da pandemia” graças à “entrega de vacinas seguras e eficazes através da Operação Warp Speed”, um programa público-privado dedicado à criação de vacinas e métodos de tratamento covid-19.
“Fighting Malign Influences in the Americas”.

O relatório revela também que Washington pressionou o governo brasileiro a não comprar a vacina russa Sputnik V. Sob o subtítulo “Fighting Malign Influences in the Americas”, o documento explica como o Gabinete de Assuntos Globais (OGA) do Departamento de Saúde dos EUA utilizou as relações diplomáticas para “mitigar os esforços dos Estados, incluindo Cuba, Venezuela e Rússia, que estão a trabalhar para aumentar a sua influência na região, em detrimento da segurança dos EUA”.

El Departamento de Salud de EE.UU. presionó a Brasil para rechazar la vacuna rusa Sputnik V

A OGA coordenou com outras agências governamentais dos EUA para reforçar as relações diplomáticas e oferecer assistência técnica e humanitária para dissuadir os países da região de aceitar a ajuda destes estados maliciosos”, afirma o relatório.

Como parte desta estratégia, o documento confirma que o gabinete do Adido de Saúde da OGA foi utilizado para “persuadir o Brasil a rejeitar a vacina russa contra a covid-19”. Além disso, verificou-se que os Estados Unidos dissuadiram o Panamá de aceitar médicos cubanos, que têm lutado na linha da frente contra a pandemia em mais de 40 países.

Para além do Brasil, Washington enviou adidos de saúde à China, Índia, México e África do Sul, provavelmente encarregados de levar a cabo actividades semelhantes.

Em resposta às notícias, os criadores do Sputnik V afirmaram que “os países devem trabalhar em conjunto para salvar vidas”. “Os esforços para minar as vacinas não são éticos e estão a custar vidas”, diz um post na conta oficial da droga russa no Twitter.