Nos EUA, tomam decisões para se protegerem.

#Colombia #Europa #InjerenciaDeEEUU #Sanciones #BloqueoEconómico

A sayona ataca de novo…a sua maldição vai para mais.

#Colombia #Venezuela #InjerenciaDeEEUU #Drogas #GolpeSuave

Uma revelação que ninguém esperava!

#MafiaCubanoAmericana #Terrorismo #AmericaLatina #InjerenciaDeEEUU

A reabertura da fronteira colombiana-venezuelana é o início de um novo período de paz e cooperação.

#Colombia #Venezuela #Política #Democracia

O Petro liberta-se das garras do império.

#Colombia #InjerenciaDeEEUU #Politica

O Presidente colombiano apela a melhores parcerias e menos justificações.

#ONU #Colombia #Drogas #EstadosUnidos #Economía

A Venezuela afina os detalhes para a abertura da fronteira com a Colômbia.

#Venezuela #Colombia #Política #Economía

Para além da abertura da fronteira, os voos entre as duas nações serão retomados na próxima segunda-feira.

O Presidente venezuelano Nicolás Maduro Moros afirmou na segunda-feira que prosseguem os preparativos para a abertura da fronteira com a Colômbia, agendada para 26 de Setembro.

“Amanhã (terça-feira) há uma reunião com o Ministro dos Transportes colombiano. Na quarta-feira haverá uma videoconferência com os Ministros do Comércio e da Economia da Colômbia e da Venezuela e com o Vice-Presidente Executivo Delcy Rodríguez. Estamos a afinar os detalhes para uma boa e satisfatória abertura”, disse o dignitário.

“Estamos a coordenar todos os detalhes para que este primeiro passo seja ambicioso para avançarmos para onde devemos chegar: uma abertura total, absoluta e livre”, disse o Presidente Nicolás Maduro. | Foto: Imprensa Presidencial

Da mesma forma, o Chefe de Estado explicou que o Ministro da Defesa, Vladímir Padrino López, estava em contacto com o seu homólogo colombiano, Iván Velásquez.

“Estamos a coordenar todos os detalhes para que este primeiro passo seja um passo ambicioso para avançar em direcção ao que devemos alcançar: uma abertura total, absoluta e livre da fronteira entre a Venezuela e a Colômbia”, salientou o líder bolivariano.

Sobre esta questão, o líder venezuelano agradeceu ao seu homólogo Gustavo Petro pela sua posição a favor da abertura da fronteira comum, mostrando também o seu interesse no desenvolvimento da população fronteiriça binacional.

A abertura da fronteira entre a Venezuela e a Colômbia está prevista para 26 de Setembro, no que o presidente venezuelano descreveu como um primeiro passo importante nas relações entre os dois países, que se deterioraram desde a chegada ao poder do ex-presidente Iván Duque.

Vale a pena lembrar que os voos entre a Venezuela e a Colômbia serão retomados nessa segunda-feira, outro sinal da aproximação entre os dois governos.

Após múltiplos ataques (tanto verbais como físicos e militares) promovidos pela Colômbia contra o povo e o governo venezuelanos, o então presidente da Colômbia, Duque, reconheceu Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela.

Como resultado, o legítimo governo venezuelano chefiado pelo líder da revolução, Nicolás Maduro Moros, decidiu romper as relações diplomáticas com Bogotá.

Após a vitória nas últimas eleições do Presidente Gustavo Petro, a chegada do embaixador colombiano Armando Benedetti a Caracas a 29 de Agosto foi um sinal de uma nova vida nas relações diplomáticas. As fronteiras entre os dois países abrir-se-ão após serem fechadas durante quase sete anos.

O Estado venezuelano recupera o controlo da empresa petroquímica Monómeros.

#Venezuela #Petróleo #Colombia #InjerenciaDeEEUU #Economía

O superintendente da Colômbia, Billy Escobar, confirmou a vontade do governo venezuelano de nomear um novo conselho de administração na Monómeros.

O Estado venezuelano recuperou o controlo da empresa petroquímica Monómeros, cuja sede se situa em Barranquilla, Colômbia, na segunda-feira.

Durante uma reunião, autoridades de ambos os países assinaram o documento que formaliza a decisão sobre a empresa, entre eles o Superintendente de Empresas da Colômbia, Billy Escobar; o embaixador venezuelano em Bogotá, Félix Plasencia; e o presidente da estatal Petroquímica da Venezuela (Pequiven), Pedro Rafael Tellechea Ruíz.

As autoridades venezuelanas indicaram em várias ocasiões que tomariam as medidas necessárias para recuperar a empresa Monómeros. | Foto: Twitter @TobarteleSUR

A este respeito, Escobar declarou que a decisão das autoridades do país vizinho de nomear um novo conselho de administração para a Monómeros Colombo Venezolanos S.A., uma filial da Pequiven, foi validada.

“Ratificamos a vontade do governo venezuelano de nomear um conselho de administração, e isto corresponde à legalidade que é tratada no Estado colombiano em relação aos proprietários de uma empresa que têm a possibilidade de escolher os seus directores”, disse Escobar.

Sublinhou também que “estamos a fazer um reconhecimento legal desta situação. Estamos a validar uma decisão dos proprietários de Monómeros”.

Pela sua parte, Plasencia afirmou que “estamos a recuperar o dever de ser, a ordem, a legalidade, e o verdadeiro trânsito das coisas. Toda essa construção maléfica, errada e agressiva, que também afectou os interesses do povo venezuelano e colombiano, acabou”.

“Este é o fim de um acordo negativo para prejudicar, irritar, fazer sofrer também venezuelanos e colombianos. Uma empresa que pertence ao povo da Venezuela está a regressar ao poder do povo”, sublinhou ele.

Do mesmo modo, o embaixador venezuelano disse que “foi imposto o curso natural da lei, ordem e dever, o que significa que pusemos fim à tentativa traiçoeira, descarada e irresponsável de interferir que tanto prejudicou os interesses saudáveis dos venezuelanos”.

Plasencia reconheceu que o governo do Presidente Nicolás Maduro “exterminou de forma enérgica e certa” a arbitrariedade sobre Monómeros.

O governo venezuelano exigiu em vários espaços o cumprimento do direito internacional para recuperar a empresa Monómeros, após denunciar a apropriação ilegal da empresa pela administração do ex-presidente Iván Duque, juntamente com o ex-deputado da oposição Juan Guaidó, entre outros, bem como o roubo de milhões de dólares.

O presidente da Colômbia delineia esforços para alcançar a paz total em Guterres.

#Colombia #ONU #Paz

teleSUR

Guterres reiterou à Petro a vontade da ONU de colaborar com o seu governo na consolidação da paz e na “protecção das comunidades contra a violência”.

O Presidente colombiano Gustavo Petro reuniu-se no domingo em Nova Iorque com o Secretário-Geral das Nações Unidas (ONU) António Guterres, com quem discutiu a questão da droga e os esforços do seu governo para alcançar a paz total.

Guterres reiterou à Petro a vontade da ONU de colaborar com o seu governo na consolidação da paz, e “proteger as comunidades da violência, combater a desigualdade, promover o desenvolvimento sustentável e dar uma resposta holística à questão da droga”, de acordo com um comunicado de imprensa do organismo mundial.

O presidente colombiano está em Nova Iorque na terça-feira para participar na 77ª sessão da Assembleia Geral da ONU. | Foto: @infopresidencia

O presidente colombiano, que iniciou a sua administração em Agosto passado, está na cidade norte-americana de Nova Iorque para participar esta terça-feira no segmento de alto nível do debate geral da 77ª sessão ordinária da Assembleia Geral da ONU.

Numa declaração, a presidência colombiana disse a Guterres que “há milhões de mortos e centenas de detidos na América Latina e nos Estados Unidos que não são provenientes da guerra contra a droga”.

Mas é “um balanço que só deixou como beneficiários organizações mafiosas cada vez mais poderosas, que destruiu democracias e destruiu a vida no continente”, acrescentou ele.

O comunicado de imprensa indicou que o presidente colombiano mencionou a Guterres “a necessidade de unificar a América Latina numa posição diferente da que tem tido até agora e de abrir o caminho para uma grande discussão global sobre o facto de que, em vez de investir dinheiro público no assassinato, na morte e na destruição da democracia, seria melhor dedicá-lo à prevenção, para que estes jovens não enveredem pelo caminho do consumo e para que os nossos países não sejam destruídos”.

Na sua actividade seguinte, Petro foi ao bairro de Queens e encontrou-se no meio da rua com o presidente deste bairro de Nova Iorque, Donovan Richards, e centenas de emigrantes colombianos.

Num diálogo com os meios de comunicação, o presidente colombiano salientou que “a paz será sempre criticada. Não ouvi, em nenhum momento da história da Colômbia, onde pude observar processos de paz, que a paz não é criticada, e acredito que o que mais deve ser criticado é a guerra”.

“Se conseguirmos que todos na Colômbia abandonem o caminho das armas, estaremos a construir uma grande nação”, disse ele.

Sobre as conversações para alcançar a paz total no seu país, Petro disse que foram feitos progressos na nomeação de “negociadores de várias organizações, algumas com as quais o anterior governo de (Juan Manuel) Santos já tinha iniciado um processo, a maioria das quais inédito”.

Ele disse estar impressionado com o facto de “a revitalização da floresta tropical amazónica já estar a ser ligada ao processo de paz. Parece-me que este é um ponto-chave que nunca foi tido em conta e que poderia, se analisado em profundidade, ser o elemento que poderia conduzir a Colômbia a uma paz abrangente”.

%d bloggers gostam disto: