#Chile e #Venezuela: mensagens diferentes .

#Chile #Venezuela

Por Atilio Borón

O domingo foi testemunha de duas importantes eleições. Na Venezuela, a conduta normal e a presença de quase todos os fragmentos da oposição constituem um sucesso extraordinário para o governo bolivariano, bem como um obstáculo difícil de digerir para os golpistas e desestabilizadores protegidos por Washington e para os burocratas reaccionários da União Europeia.

No Chile, a segunda volta deveria contar com o neonazi José Antonio Kast do Partido Republicano e Gabriel Boric, o candidato da coligação Apruebo Dignidad (Frente Amplio e o Partido Comunista). O que não era previsível era que o candidato do Pinochettismo obteria a primeira minoria relativa, quando todas as sondagens mostraram o Boric como o vencedor, embora longe de uma maioria absoluta.

Ao contrário da Venezuela, as eleições no Chile foram convocadas para eleger o presidente, deputados (155) e 27 senadores, assim como conselheiros regionais.

O cenário actual apenas permite algumas conjecturas sobre o que poderá acontecer na segunda ronda agendada para 19 de Dezembro. O registo histórico mostra que desde 1990 até hoje, os candidatos que ganharam na primeira volta também ganharam no escrutínio.

Se estes números forem confirmados, poder-se-ia dizer que estamos perante um verdadeiro terramoto político. Não só devido à vitória de Kast na primeira volta, mas também porque nenhum dos três partidos que dominaram a vida política chilena desde o fim da ditadura – a UDI, Renovación Nacional e Democracia Cristiana – terá os seus próprios candidatos na segunda volta.

É sem dúvida possível falar do fim de um ciclo, num contexto em que o povo chileno tenta, pela primeira vez na sua história, redigir uma Constituição democrática. A incerteza gerada pelo desempenho eleitoral da extrema-direita lança sombras espessas sobre a viabilidade de um objectivo tão nobre.

Na Venezuela, a eleição de domingo foi a 29ª desde que Hugo Chávez Frías tomou posse como Presidente da República a 2 de Fevereiro de 1999. Apesar disso, a oposição recalcitrante ao Chavismo, dirigida a partir de Washington e Bruxelas, não deixou de estigmatizar o governo bolivariano como uma ditadura, comparável às que assolaram a América Latina nos anos 70.

Como não recordar as sábias palavras de Eduardo Galeano quando disse “Hugo Chávez é um ditador, mas é um ditador curioso”. Ele ganhou oito eleições em cinco anos”? Nestas eleições regionais, o governo bolivariano pôs em jogo nada menos que 23 governadores e 335 gabinetes de presidentes de câmara, em conformidade com a Constituição.

Se a presença da oposição é um factor positivo, outro indicador muito eloquente é o nível de afluência às urnas dos eleitores. Deve ter-se em conta que a votação deixou de ser obrigatória em 1984 em resultado de um acordo entre as duas principais forças políticas da época: Acción Democrática e Democracia Cristiana.

Um número próximo dos 50% seria saudado com júbilo tanto na Venezuela como no Chile, dado o papel dissuasor desempenhado pela pandemia Covid-19 e, na Venezuela, a devastação do bloqueio.

Claro que, enquanto a Venezuela foi praticamente invadida por numerosas missões de observação eleitoral, com a bênção do governo de Maduro, enviado pela União Europeia, pelo Centro Carter, por numerosos peritos da ONU e outras organizações regionais da América Latina e África, no Chile estas missões são visíveis pela sua ausência, se não pelos seus magros contingentes.

Em todo o caso, quando for feita a contagem final dos resultados das “mega-eleições” venezuelanas (se não antes), os eternos guardiães das democracias choverão críticas numa tentativa de manchar o processo eleitoral e justificar novos ataques contra o governo bolivariano.

No entanto, o veredicto das urnas deve ser um poderoso dissuasor para aqueles que, em Washington e Bruxelas, há anos que apostam na “mudança de regime” criminosa no país das Caraíbas.

É improvável que assumam uma linha política diferente, porque Washington está absolutamente a apostar na “recuperação” da Venezuela a qualquer custo. Os próximos dias dar-nos-ão uma pista sobre o que está para vir em ambos os países.

Vitória e Democracia Novamente! // Daniel Devita

#Venezuela #Chavez #NicolasMaduro

“Dinheiro comunista” a nova explicação da equipe de Trump para a “fraude” eleitoral nos EUA .

#ForaTrump #TrupOut2020 #NoMoreTrump #DonaldTrumpCulpable #Covid-19 #Epiodemia #HugoChavez #Venezuela #China #Cuba

O legado de Hugo Chávez ainda está em vigor na Venezuela e na América Latina.

El presidente venezolano Hugo Chávez, durante un mitin celebrado el 4 de octubre de 2012.

Este 5 de março marca sete anos do desaparecimento físico do líder da Revolução Bolivariana, Hugo Chávez, que deixou para trás um legado de luta e resistência que ainda está em vigor na Venezuela e na América Latina.

El presidente de Venezuela Hugo Chávez, se une a una manifestación progubernamental para conmemorar el aniversario de la democracia venezolana, en Caracas, en enero de 2002.

A resistência do povo venezuelano às constantes agressões dos Estados Unidos e de seus aliados regionais é um sinal da validade dos ideais humanistas e sociais do comandante Chávez.

Por meio de debates, discursos e ações políticas, Hugo Chávez estava construindo um projeto para transformar a sociedade venezuelana, buscando eliminar as estruturas do sistema capitalista e promovendo os valores do socialismo: liberdade, igualdade, solidariedade.

El presidente venezolano en la Asamblea General de las Naciones Unidas en septiembre de 2006.

Apesar da aplicação de medidas coercitivas, o governo venezuelano continuou com uma profunda agenda social iniciada pelo comandante Chávez em favor da maioria do povo venezuelano.

A continuidade de missões como Great Housing Venezuela, Barrio Adentro, a entrega de alimentos pelo comitê de suprimentos (CLAP), entre outras ações sociais, responde à profunda política social mantida nos mais de 20 anos da Revolução Bolivariana.

El presidente Venezolano, Hugo Chávez, hace el saque de honor en el partido inaugural de la Copa América entre Venezuela y Bolivia, el 27 de junio de 2007, en presencia del presidente Evo Morales y el futbolista retirado Diego Armando Maradona.

Em sua caminhada, Chávez não apenas despertou a consciência do povo da Venezuela, mas também abraçou os povos da região, semeando um legado de unidade e paz na América, ao despertar o sonho de Simón Bolívar, que permanece até o dia de hoje

Como na Venezuela, os protestos sociais no Chile contra o modelo neoliberal promovido pelo presidente Sebastián Piñera são outro exemplo claro de como, sete anos após sua morte, o apelo de Chávez a se opor a modelos antissociais permanece em vigor.

El presidente de Paraguay Fernando Lugo y Hugo Chávez, durante un festival en Asunción en Agosto de 2008.

As recentes mobilizações na Colômbia e no Equador exigindo profundas reformas políticas e econômicas de seus governantes são um reflexo de como o ideal de Hugo Chávez se acalmou nos povos latino-americanos que mantêm sua luta por uma sociedade mais equilibrada, sem uma diferença entre ricos e pobres.

Durante o governo do argentino Mauricio Macri, houve manifestações e protestos contra as políticas neoliberais que minaram as melhorias sociais alcançadas nos anos do quirchnerismo.

Los presidentes de Venezuela, Hugo Chávez; Bolivia, Evo Morales; Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, y Ecuador, Rafael Correa (de izquierda a derecha), posan para la fotografía oficial de su encuentro el 30 de septiembre de 2008, en Manaos (Brasil), donde celebraron una cumbre.

A constante manifestação na Argentina nos últimos quatro anos também responde ao chamado de Hugo Chávez para enfrentar o modelo capitalista.

Sete anos após a partida física de Chávez, aqueles que continuam a denunciar os excessos do modelo capitalista e condenam o intervencionismo norte-americano continuam a lembrar as palavras do líder da Revolução Bolivariana.

El presidente de Venezuela, Hugo Chávez, juega con unos niños, durante la emisión número 343 de su programa dominical de radio y televisión "Aló Presidente" en Caracas (Venezuela), en noviembre de 2009.

Hugo Chávez: Te veo, siempre te veo, aunque no te puedan ver

Autor:  | internacionales@granma.cu

Parece que foi ontem, mas já se passaram sete anos. Todos nos lembramos das notícias, um golpe que nos deixou com uma dor que não cura, que não podemos mitigar. Havana, toda Cuba, estremeceu e chorou em sua despedida, na melhor amiga até mais tarde.

Eu estava procurando uma foto para recordar quando encontrei o vídeo de uma garota que recitou um poema, uma garota que cantou para Chávez no aniversário de sua semeadura. Tal era o seu sentimento, tão grande a palavra nascida em seu coração, que emocionou a todos.

Fidel y Raúl estuvieron siempre muy pendientes de la salud de Chávez.

«Eu vejo você, eu sempre vejo você, como eles não podem vê-lo / mas para você eu respondo». Aqueles que amam você, seus soldados, os milhões que você libertou da censura, aqueles que lutam, resistem e constroem, respondem.

«Para você eu respondo, já aprendi a responder / respondo com as verdades, respondo com meu amor / respondo com sua verdade que finalmente consegui entender /».

Seu pessoal responde que, inspirado por essa verdade clara e firme, travou uma das maiores batalhas da história americana.

«Tão depressa que nos deixaste, fiel soldado patriótico / Meu comandante, ouves-me?» ./ Pergunte à moça, uma venezuelana, talvez uma de muitas que deram a possibilidade de ser, uma das que estudaram no novo escolas, às quais você deu livros, lápis, salas de aula, um desses computadores canaítas, professores e professores.

Parece-me que algum senhor da minha terra, que é a sua terra, ensinou-lhe as primeiras letras, que um médico da minha terra curou seus sofrimentos, que um artista da minha terra, que é a sua terra, alegrou sua alma.

«Meu comandante, está me ouvindo? / Vejo você de manhã quando começa o amanhecer / Vejo você nas escolas / Vejo você no quartel / Vejo você nas igrejas / crente Sou de sua fé / Vejo você na longa rua de Sabaneta a pé / Te vejo, eu sempre te vejo Como eles não podem te ver? / Vejo você quando a chuva cai e minha pele fica molhada / Vejo você na natureza que pede para viver também / Vejo você praticando esportes com suor na têmpora / Vejo você quando a sede da sua sede bebe água / ».

Uma sede renovada, sem fim, porque chegar ao amanhecer é como atravessar um deserto, é conquistar toda a justiça, sem mais armas do que amor e verdade, é a sede que nunca se apaga. Sempre haverá lanças para quebrar contra o calçado gigante com botas de sete pernas.

Sete anos e aí está você. Como o Presidente Díaz-Canel disse, eles nos jogaram com tudo, nos jogaram para matar, mas ainda estamos vivos e lutando, porque você também acompanha conosco, cavalgando ao lado de nossos soldados libertadores, renascendo de esquinas, nas planícies e selvas escuras, nas montanhas e rios, vencendo a morte que você nunca terá, porque a pior e única morte real é o esquecimento, e você cresce na memória.

“Eu vejo você gigante na via láctea / eu vejo você de jaleco branco querendo fazer o bem /”.

«Meu comandante, consegues ouvir-me? / Diga-me se você me ouvir, cara? / Alguns não querem vê-lo / eles virão comigo atrás Fabricio, Alí ​​e Che / Simón Bolívar virá com o general Ezequiel / Guaicaipuro virá com José Gregorio também / Martí será acompanhado por Fidel / mãe Rosa trará aranhas com sabor de mel / as pessoas livres virão sem mudar de idéia / se eu te vir e você me vir / me ver porque eu sou Chávez e Chávez também é você / porque Chávez estamos todos lutando para vencer / Viva Chávez, caramba / ».

Até sempre comandante. Até a vitória que virá da sua mão e da de Fidel. Até à vitória, sempre.

Fonte: Poesia para Chávez. Embora eles não possam vê-lo, recitado pela garota, Alegría Marquina, tirada da vtv multimedia.

%d bloggers like this: