Quem ganhou as guerras no #Iraque e no #Afeganistão ?

#EUA #OTAN #ONU #DerechosHumanos #Democracia #Terrorismo #Afganistan #Irak

Por Redacción Razones de Cuba

Durante a guerra de 20 anos contra o Afeganistão, os EUA gastaram mais de 2,2 triliões de dólares em armas. Numa outra guerra, a guerra do Iraque, o Pentágono gastou mais de 1,7 triliões de dólares desde o seu início, em Março de 2003. Em ambos os países, mais de um milhão de pessoas já morreram nos combates e a destruição material inclui danos extensivos a Sítios do Património Mundial.

E tanto no Iraque como no Afeganistão, e acrescentamos a Líbia, também atacada por Washington e pela OTAN, a situação do pós-guerra é de instabilidade, grande afetação económica e social e apropriação dos seus recursos.

Enquanto isto acontece, a despesa militar mundial no ano passado foi de quase dois triliões de dólares, como denunciou o Primeiro Secretário do Partido Comunista de Cuba e Presidente da República, Miguel Díaz-Canel, perante a Assembleia Geral da ONU. “Quantas vidas teriam sido salvas se esses recursos tivessem sido atribuídos à saúde ou à produção e distribuição de vacinas”, perguntou ele. Argumentou: “As respostas possíveis a essa questão residem numa mudança de paradigma e na transformação de uma ordem internacional profundamente desigual e antidemocrática.

Os exemplos do que aconteceu no Iraque, como no Afeganistão, mostram que os únicos vencedores nestes conflitos foram o Complexo Industrial Militar e os contratantes privados que, sob a égide da CIA ou do Pentágono, enviam dezenas de milhares de mercenários para apoiar e fazer parte dos contingentes militares mobilizados por Washington e pela OTAN.

Quando o Pentágono, sob as ordens do então presidente George W. Bush, se lançou contra o Iraque com milhares de militares e meios de guerra que incluíam armas proibidas como o uso de urânio empobrecido nas suas bombas e foguetes, uma grande parte do investimento multimilionário dedicado à guerra foi parar às mãos de empresas privadas ou contratantes.

Sob o nome Blackwater, a empresa que era considerada o principal exército mercenário do mundo teve mesmo de mudar o seu patronímico face ao óbvio descrédito após o seu envolvimento no assassinato de civis – incluindo crianças iraquianas – e na tortura.

Em 2004, na cidade martirizada de Fallujah, quatro dos seus mercenários foram executados e enforcados na ponte à entrada da cidade, acção reivindicada pela resistência iraquiana, após o assassinato de 17 civis por estes empreiteiros.

Para o trabalho genocida na nação iraquiana, as empresas privadas contratadas receberam, só nos primeiros anos da guerra, mais de 85 mil milhões de dólares, de acordo com dados do Congresso dos EUA.

No Afeganistão, de onde as tropas dos EUA e da OTAN acabam de se retirar em derrota após 20 anos de guerra, os únicos vencedores têm sido os mesmos: empreiteiros privados e o Complexo Industrial Militar dos EUA.

Dos 2,3 triliões de dólares que esta guerra injusta custou aos contribuintes americanos, estima-se que pouco mais de um trilião de dólares foi para as várias empresas privadas que contrataram milhares de mercenários. As empresas com os maiores contratos no Afeganistão, segundo estimativas de Haidi Peltier, director do projecto “20 Anos de Guerra” da Universidade de Boston, citado pela bbc, foram: “14,4 mil milhões-Dyncorp International, 13,5 mil milhões-Fluor Corporation, 3,6 mil milhões-Kellogg Brown Root (kbr), 2,5 mil milhões-Raytheon Technologies e 1,2 mil milhões-Aegis llc”.

Os números cobrem essencialmente o período 2008-2021. Acrescente-se a isto que, entre 2008 e 2017, os EUA perderam, por utilização indevida ou fraude, cerca de 15,5 mil milhões de dólares destinados à reconstrução no Afeganistão, de acordo com o The New York Times.

Os EUA e os seus aliados estão furiosos! Xi Jinping faz um apelo chocante a Putin e à Rússia.

#Rusia #China #EstadosUnidos #India #UnionEuropea #OrienteMedio

Putin chama apressadamente a retirada das tropas americanas do Afeganistão para um “voo”.

#EstadosUnidos #Afganistán #Terrorismo #Rusia

Num discurso em videoconferência por ocasião da cimeira da Organização de Cooperação de Xangai (SCO), o Presidente russo Vladimir Putin salientou na sexta-feira a necessidade de uma estratégia comum devido aos riscos associados à “fuga” dos EUA do Afeganistão.

“A nossa Organização enfrenta agora a tarefa de prosseguir uma linha comum e coordenada, tendo em conta os graves riscos associados à escalada da situação no Afeganistão após a retirada precipitada, para não dizer a fuga, das forças norte-americanas e dos seus parceiros da OTAN do país”, disse Putin.

Putin califica de "huida" la apresurada retirada de las tropas estadounidenses de Afganistán

Apelou à utilização das capacidades da SCO para apoiar “o início do processo de paz interafegão inclusivo” e para “bloquear as ameaças de terrorismo, tráfico de droga e extremismo religioso que emanam do Afeganistão”.

“Os Taliban controlam hoje quase todo o território do Afeganistão, e as novas autoridades afegãs devem ser motivadas a cumprir as suas próprias promessas de estabelecer a paz, normalizar a vida pública e garantir a segurança para todos”, afirmou.

Putin recordou que vários países da SCO partilham uma fronteira com o Afeganistão, pelo que a crise no país da Ásia Central afecta directamente os seus interesses de segurança. Nestas circunstâncias, apelou ao reinício das actividades do grupo de contacto SCO-Afeganistão, dado que este foi criado “precisamente com o objectivo de trabalhar com parceiros afegãos”.

A greve de drones dos EUA em Cabul matou um trabalhador humanitário e nove membros da família, não um terrorista do Estado islâmico.

#EstadosUnidos #Terrorismo #Afganistan #Kabul

Por Redacción Razones de Cuba

O homem morto num ataque com drone americano em Cabul, a 29 de Agosto, era na realidade um cidadão afegão pacífico que trabalhava para uma ONG americana, e não o condutor de um carro armadilhado, como Washington afirmava. A acção também matou nove membros da família da vítima, sete dos quais crianças, segundo uma investigação do The New York Times publicada na sexta-feira.

Segundo o relato do Pentágono, o seu ataque “justo” “eliminou uma ameaça iminente” ao tirar a vida a “pelo menos uma” pessoa que era “facilitadora” do Estado Islâmico da Grande Khorasan, também conhecido como ISIS-K, a organização que reivindicou a responsabilidade pelos ataques de 26 de Agosto que mataram mais de 170 pessoas, incluindo 13 soldados americanos, perto do aeroporto de Cabul.

Contudo, o The New York Times “levanta dúvidas sobre esta versão dos acontecimentos” após pesquisar imagens de câmaras de segurança e entrevistar mais de uma dúzia de colegas de trabalho e membros da família do trabalhador humanitário assassinado.

Os funcionários do Pentágono notaram que na altura do ataque não sabiam a identidade do condutor do carro, mas consideraram-no suspeito devido à forma como interpretaram as suas actividades naquele dia, sugerindo que ele visitou um abrigo do Estado islâmico e, a certa altura, carregou o que poderia ser explosivos no veículo.

O New York Times, entretanto, identificou o motorista como Zemari Ahmadi, um engenheiro eléctrico de 43 anos de idade que desde 2006 trabalhava para a ONG norte-americana Nutrition and Education International (NEI), que luta contra a desnutrição no Afeganistão. Ahmadi tinha solicitado aos EUA a sua reinstalação.

Outra das descobertas do jornal foi que as viagens de Ahmadi no dia do ataque se destinavam realmente a transportar colegas de e para o trabalho, enquanto uma análise das imagens de CCTV mostrou que o que ele carregou no veículo eram contentores de água, não explosivos.

Além disso, os meios de comunicação social investigaram as declarações dos militares dos EUA sobre as “explosões secundárias” que ocorreram após o ataque com o seu drone, que alegavam ser provas de que o veículo continha explosivos. Vários peritos que examinaram o local do ataque não encontraram provas de uma segunda explosão e concluíram que os danos eram consistentes com um único ataque com um zangão.

Reacção do Pentágono
Comentando a investigação do The New York Times, o porta-voz do Pentágono John Kirby disse aos repórteres que o Comando Central dos EUA (Centcom) “continua a avaliar os danos causados aos zangões e os danos que estes causaram. (Centcom) “continua a avaliar” o ataque, mas assegurou que “nenhum outro militar está a trabalhar mais” do que os EUA “para prevenir baixas civis”, relata a AFP.

“Como disse o [Chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA Mark] Milley, o ataque foi baseado em boa inteligência, e ainda acreditamos que evitou uma ameaça iminente ao aeroporto e aos nossos homens e mulheres que ainda serviam no aeroporto”, disse Kirby.

AFEGANISTÃO: Como é que os países se saem DEPOIS de uma INTERVENÇÃO dos EUA?

#Afganistán #EstadosUnidos #Terrorismo #Mujeres #UNICEF #DerechosHumanos

A União Europeia participou na guerra durante vinte anos e agora afirma estar preocupada com o povo afegão.

#EstadosUnidos #Afganistán #UnionEuropea #DerechosHumanos #Terrorismo

Por Arthur González

Durante quanto tempo teremos de ouvir tais padrões duplos neste mundo “democrático”, que afirma ser um “defensor” dos direitos humanos?

A União Europeia deu o seu total apoio aos Estados Unidos na sua guerra contra o Afeganistão durante vinte anos, a um custo elevado em vidas humanas e dinheiro, mas agora, perante a vergonhosa derrota do poderoso exército americano, a sua desastrosa debandada do território invadido, e a tomada do poder pelos Talibãs marcados como terroristas e traficantes de droga, Josep Borrell, Alto Representante para os Negócios Estrangeiros e Política de Segurança, disse ao jornal francês Le Journal du Dimanche: “É necessário um diálogo com os Talibãs”.

Ele acrescentou:

“O que aconteceu naquele país é uma tragédia para os afegãos e um fracasso para o Ocidente, que irá perturbar o equilíbrio do poder internacional e temos de lidar com as consequências para evitar uma repetição noutro lugar”.

Quem causou a tragédia do povo afegão?

As tropas norte-americanas e os seus aliados da NATO são os únicos responsáveis pelos milhares de mortes, incluindo crianças inocentes, mulheres e idosos, e pelos milhares de milhões de dólares desperdiçados que poderiam ter sido gastos para melhorar a vida do povo afegão.

Quem pode compreender por que razão propõem agora a necessidade de diálogo com os Talibãs, terroristas e traficantes de droga até há uma semana atrás, agora considerados pela Borrell como interlocutores inevitáveis?

Contudo, tomam uma posição muito diferente contra o governo legítimo da Venezuela, que sancionam, acusam de violação dos direitos humanos, aderem à guerra económica e financeira imposta pelos Estados Unidos, e reconhecem um fantoche dos Yankees como o suposto presidente, apesar de não ter sido eleito pelo povo, solicitando a invasão estrangeira do seu próprio país e sem apoio jurídico e popular.

Face à tomada do poder pelos Talibãs, o alto funcionário europeu emprega um discurso inconsistente, afirmando:

“O Afeganistão está ameaçado por uma crise humanitária e eu prometo que a UE quadruplicará a ajuda humanitária”.

Hipocrisia grossista, uma vez que o povo venezuelano está a sofrer uma grave crise humanitária, causada pela guerra económica e financeira de Washington e da própria União Europeia, que roubaram o dinheiro depositado nos seus bancos, o ouro, e prejudicaram a sua indústria petrolífera, a principal fonte de dinheiro, para afogar o governo constitucional do Presidente Nicolás Maduro, por não se ter ajoelhado aos seus pés.

As declarações de Borrell mostram até onde se pode ir com a duplicidade de critérios de uma política ao serviço dos interesses dos Estados Unidos, afirmando

“Os Talibãs são agora inevitáveis interlocutores, e precisamos de estabelecer uma presença em Cabul. Não podemos virar a página pensando que já não nos preocupamos com a situação. Precisamos de estabelecer ali uma presença.

O que pretendem com a sua presença em Cabul – é facilitar o financiamento e a preparação de uma oposição contra os Talibãs, como fazem na Venezuela e noutros países com governos inaceitáveis para os EUA?

A “preocupação” demonstrada na recente reunião dos Ministros dos Negócios Estrangeiros da UE na Eslovénia, e o acordo de envolvimento com os Talibãs vitoriosos, deixa uma forte indicação de planos futuros para a subversão interna, como os excelentes alunos de Washington nesta área, porque, como o Alto Comissário Europeu salientou na reunião:

“A fim de apoiar a população afegã, teremos de nos empenhar com o novo governo no Afeganistão, o que não é reconhecimento, é um compromisso operacional”.

Por outras palavras, há vinte anos que massacram o povo, porque as balas e bombas não têm nome, causando mais de 300.000 mortes, e agora dizem que querem “apoiar” a população afegã. Apoio em que aspectos”?

A esta linha de acção juntou-se o Secretário-Geral da ONU, Antonio Guterres, que convocou uma reunião ministerial para abordar a situação humanitária no Afeganistão a 13 de Setembro em Genebra, Suíça, a fim de procurar financiamento para a operação humanitária naquela nação e conseguir um acesso humanitário pleno e sem entraves.

Onde estavam estes “preocupados” com o povo afegão nos últimos vinte anos, que não condenou os EUA pela invasão, nem os forçou a sair daquele país, nem os classificou como criminosos, por matarem e mutilarem milhares de civis inocentes?

Milhões de pessoas neste mundo, que conhecem perfeitamente bem os responsáveis por tanta morte, destruição e fome neste planeta, já não podem ser tão facilmente enganadas.

Que aqueles que não os conhecem os comprem, porque, como José Martí expressou sobre os Estados Unidos:

“Segure esta nova Roma, quando ela começar a degenerar em si mesma e a querer, como a dos Césares, toda a flora e fauna do mundo para encher as suas toalhas de mesa e alimentar as suas estacas”.

Intervenção soviética vs. americana no #Afeganistão: como são semelhantes e como são díspares?

#EstadosUnidos #URSS #Afganistan #Terrorismo

Os Talibãs anunciam que tomaram completamente Panshir, o último bastião da resistência .

#EstadosUnidos #Afganistan #Terrorismo

Fortes críticas aos #EUA após a conclusão da retirada das tropas do #Afeganistão.

#EstadosUnidos #Afganistan #Russia #China #Terrorismo #FracasoDeEEUU

Chega de conflitos estéreis!

#Venezuela #Cuba #Covid-19 #Salud #GolpeDeEstado #Conakri #UnionAfricana #Etiopia #DerechosHumanos #China #Afganistan