Constituição é filha da Revolução

Os detratores habituais apelam ao bombardeamento de Cuba.

Autor: Raúl Antonio Capote | internacionales@granma.cu

Os representantes da ultra-direita anti-cubana mais rançosa de Miami, com o seu característico ódio e ressentimento, face ao fracasso do plano de um golpe suave contra Cuba, pediram repetidamente ao governo de Joe Biden uma invasão militar da ilha, uma intervenção que seria precedida por bombardeamentos das principais cidades, vilas e alvos económicos do país.

Esse era o plano: fabricar um cenário de caos e de ingovernabilidade, como fizeram antes na Líbia, Síria ou Bolívia, quando Evo Morales foi golpe de Estado, e depois intervir para “salvar” os cubanos, para trazer com os seus bombardeiros o pax yanqui, ou seja, a paz dos cemitérios.

Cuba: Sobre la contrainsurgencia "soft" | Cubadebate

Numa recente entrevista com a rede americana Fox News, o presidente da câmara de Miami, Francis Suárez, propôs ao presidente dos EUA que realizasse um bombardeamento militar em Cuba para “apoiar as pessoas que se manifestam nas ruas”.

Suarez disse que “o que deve ser contemplado é uma coligação de possíveis acções militares em Cuba”, semelhante às intervenções dos EUA no Panamá e na ex-Jugoslávia.

O coro dos meios de comunicação digitais na remuneração do governo de Washington, os youtubers, haters e cyber-hitmen contratados pela Task Force organizada pela CIA para subverter a ordem em Cuba, os haters por comércio, os oportunistas, os genuflectores que venderam as suas almas, clamamam para semear a morte no seu país de origem.

Para os bons cubanos, para as pessoas honestas deste mundo, é difícil compreender a linguagem histérica e rancorosa com que as pessoas que não há muito tempo viviam na ilha e beneficiavam da ampla liberdade, justiça e bem-estar social que caracteriza a Revolução, falam pela morte e destruição. Menos compreensíveis ainda são aqueles que apelam, a partir da ilha, para bombas.

A história julgará aqueles que hoje exigem o sacrifício de um povo inteiro que não deixará de ser livre e independente, mesmo que o Mar do Norte se encontre com o Mar do Sul.

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #solidaridadvs bloqueo, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Constituição é filha da Revolução, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Manipulacion, Manipulacion Politica, Redes sociais | Deixe um comentário

A Lei Genocida Helms-Burton .

Por Miguel Ángel García Alzugaray

É indiscutível que o bloqueio do imperialismo ianque contra Cuba envolve uma conduta criminosa por parte do Governo dos Estados Unidos que, devido ao seu alcance e conteúdo, pode ser qualificado de genocídio, uma vez que é levado a cabo em total violação do direito internacional, a fim de submeter intencionalmente o nosso povo a condições de existência que lhe causaram enormes danos humanos, materiais, económicos e financeiros, totais ou parciais, a fim de enfraquecer a sua decisão de lutar e vencer, e de o levar a desistir da sua decisão de ser soberano e independente.

É conveniente recordar que o genocídio foi definido como: “A implementação de acções coordenadas destinadas a destruir os elementos decisivos da vida dos grupos nacionais, com o objectivo da sua aniquilação”.

Do ponto de vista jurídico, o genocídio, seja cometido em tempo de paz ou em tempo de guerra, é considerado um crime grave à luz do direito internacional.

O genocídio é actualmente regulado pela Convenção sobre a Prevenção e Punição do Crime de Genocídio de 1948 e pelo Estatuto de Roma de 1998 do Tribunal Penal Internacional (TPI) (que entrou em vigor em 2002).

Entre os numerosos regulamentos dos EUA que implementam e consolidam a criminosa guerra económica e financeira contra Cuba, a chamada Lei Helms-Burton destaca-se pela sua natureza marcadamente desumana.

A referida lei entrou em vigor em 1996. Foi concebido para codificar e endurecer a política de bloqueio económico, comercial e financeiro oficialmente imposta em 1962, com o objectivo de subverter e derrubar o governo cubano e impor um regime ao gosto do governo dos Estados Unidos.

É composto por quatro títulos e tem sido aplicado desde a sua promulgação. Caracteriza-se pelo seu âmbito extraterritorial extremo, por violar as normas e princípios do Direito Internacional, por violar as regras do comércio e das relações económicas internacionais e por ser prejudicial à soberania de outros Estados, principalmente pela aplicação das suas disposições contra empresas e pessoas estabelecidas no seu território.

O Título III estabelece a autorização para os cidadãos norte-americanos intentarem acções judiciais nos tribunais norte-americanos contra qualquer estrangeiro que “trafica” em propriedades norte-americanas nacionalizadas em Cuba nos anos 60, num processo legítimo, reconhecido pelo Supremo Tribunal dos EUA, levado a cabo pelo governo cubano em plena conformidade com a lei nacional e o direito internacional.

Entre as aberrações mais significativas, este título estende esta autorização aos proprietários que não eram cidadãos americanos na altura das nacionalizações e cujas supostas propriedades ninguém certificou.

A história regista com suficiente clareza que a política de bloqueio económico e os problemas bilaterais entre Cuba e os Estados Unidos não têm a sua origem nas nacionalizações justas que, de acordo com a lei e com direitos legítimos, foram levadas a cabo pelo governo revolucionário. As agressões militares, económicas e terroristas do governo dos Estados Unidos começaram contra Cuba antes dos actos fundamentais de nacionalização das propriedades americanas.

Título I de la Ley Helms Burton, consecuencias que persigue - Tiempo21

É bem conhecido que todas as nacionalizações de propriedades estrangeiras, incluindo propriedades americanas, contemplavam na lei um compromisso de compensação,
que o governo dos E.U.A. se recusou sequer a discutir, enquanto que foi assumido pelos governos dos requerentes de outros países, todos eles beneficiando da devida compensação que todos beneficiaram da devida compensação.

Ao abrigo das disposições da própria Lei Helms-Burton, todos os presidentes dos EUA desde 1996, incluindo Trump em 2017 e 2018, fizeram uso consecutivo do poder executivo para suspender a implementação do Título III de seis em seis meses, com base no reconhecimento de que este consiste no aspecto mais grosseiro e inaceitável deste contra o direito internacional e a soberania de outros Estados.

Também no entendimento de que a sua implementação criaria obstáculos intransponíveis a qualquer perspectiva de regularização de sinistros e indemnização aos legítimos proprietários dos EUA.

Esta lei foi quase unanimemente rejeitada pela comunidade internacional nas Nações Unidas, em organismos internacionais especializados e em organizações regionais como a Comunidade dos Estados da América Latina e das Caraíbas e a União Africana. Vários países têm leis nacionais para lidar com os efeitos extraterritoriais desta lei.

Em geral, esta monstruosidade legal é o resumo das posições mais agressivas contra Cuba e representa a estratégia mais revanchista que a extrema-direita cubano-americana em Miami concebeu para tentar destruir a Revolução Cubana.

A este respeito, é de notar que no passado 16 de Janeiro de 2019, o Departamento de Estado dos EUA anunciou a decisão de suspender por apenas 45 dias a aplicação do Título III da Lei Helms-Burton, “para realizar uma revisão cuidadosa… à luz dos interesses nacionais dos EUA e dos esforços para acelerar a transição para a democracia em Cuba, e para incluir elementos como a brutal opressão dos direitos humanos e das liberdades fundamentais por parte do regime e o seu apoio imperdoável aos regimes cada vez mais autoritários e corruptos na Venezuela e na Nicarágua”.

Com isto, o governo do então Presidente Donald Trump deu um novo passo que reforçou, de uma forma perigosa, o bloqueio contra Cuba, violando de forma flagrante o direito internacional.

Tendo em conta o acima exposto, vale a pena reflectir sobre o alcance e o conteúdo deste corpo de direito anti-cubano.

Contexto político

Colectivo de la Embajada rechaza la Ley Helms-Burton. | Embajadas y  Consulados de Cuba

Dada a continuidade do processo revolucionário e os sinais de recuperação económica, a extrema-direita cubano-americana em Miami e os sectores políticos americanos mais conservadores aumentaram a sua pressão para tomarem medidas mais eficazes, fundamentalmente contra o investimento estrangeiro em Cuba. Este interesse deu origem ao projecto de lei “Helms-Burton”, que é a união de várias peças legislativas propostas ao Congresso entre 1994 e 1995, principalmente pelos representantes cubano-americanos Ileana Ros, Lincoln Díaz-Balart e Robert Menéndez.

Assim, nas eleições legislativas de 1994, pela primeira vez em 40 anos, os Republicanos assumiram o controlo de ambas as casas do Congresso dos EUA, o que significou uma mudança para as políticas mais retrógradas e isolacionistas do espectro político americano, e um aumento do poder de influência dos grupos anti-Cubanos, aliados tradicionais dos Republicanos.

Neste ambiente, a 9 de Fevereiro de 1995, o projecto de lei foi apresentado pela primeira vez pelo Senador Jesse Helms (Republicano da Carolina do Norte) na sua qualidade de presidente da Comissão de Relações Externas do Senado. É de notar que esta foi a primeira proposta legislativa do Senador Helms após a sua tomada de posse e após uma campanha eleitoral em que anunciou as suas intenções de aumentar as sanções contra Cuba.

Ao longo de 1995, os projectos de lei Helms (Senado) e Burton (Câmara) foram objecto de numerosas modificações e negociações, embora nenhuma delas visasse modificar a sua essência agressiva e hostil contra Cuba, e mesmo contra importantes aliados dos Estados Unidos.

Finalmente, o projecto de lei foi aprovado por ambas as câmaras em 21 de Setembro e 19 de Outubro respectivamente, após mais de 4 adiamentos na data das votações, com uma clara maioria dos votos, que ultrapassou mesmo os 2/3 necessários para invalidar um possível veto presidencial.

Em 24 de Fevereiro de 1996, teve lugar a queda dos aviões do grupo terrorista “Brothers to the Rescue”. Este incidente provocou um aumento da histeria anti-cubana por parte dos sectores mais recalcitrantes dos Estados Unidos, com uma importante repercussão nos meios de comunicação social. Isto levou directamente Clinton a 26 de Fevereiro a tomar uma série de acções contra Cuba, entre elas, manifestou o seu apoio à negociação e aprovação da Helms-Burton.

As conciliações, apressadamente levadas a cabo pela Comissão da Conferência, resultaram num projecto de lei ainda mais forte a 28 de Fevereiro que incluiu, entre outros aspectos, a codificação do bloqueio, ou seja, a sua conversão de um Regulamento Federal sob o controlo do Executivo para um Acto do Congresso, que só pode ser modificado por esse órgão legislativo; bem como a redução de outros poderes presidenciais no que diz respeito à condução da política em relação a Cuba.

A 5 de Março, o Congresso aprovou o Relatório da Comissão da Conferência (o texto do projecto de lei conciliado entre as duas Câmaras) com uma votação de 74-22 no Senado e 336-86 na Câmara dos Representantes.

Implementação

A 12 de Março de 1996, o Presidente dos EUA William J. Clinton assinou e pôs em vigor o chamado Cuban Liberty and Democratic Solidarity Act de 1996, ou Libertad Act, mais conhecido pelos nomes dos seus principais promotores, o Senador (Republicano) da Carolina do Norte, Jesse Helms, e o Representante (Democrata) do Illinois, Dan Burton, mas com o qual estão comprometidos os sectores mais conservadores e ultra-direitos do espectro político norte-americano e cubano-americano.

Desde Maio de 1996 e até hoje, o Departamento de Estado tem vindo a notificar as empresas que investem em Cuba nas chamadas “propriedades confiscadas” por meio de cartas de advertência.

Por qué la Ley Helms-Burton? • Trabajadores

Em 16 de Julho de 1996, o Título III da lei entrou em vigor, e o Presidente Clinton, fazendo uso dos poderes também previstos na legislação, emitiu uma ordem paralela de suspensão temporária por 6 meses de uma parte deste Título.

A 16 de Agosto, como resultado dos protestos e críticas à lei entre os principais aliados dos Estados Unidos no mundo, incluindo as leis antídotos promulgadas por vários países e o painel apresentado à Organização Mundial do Comércio pela União Europeia, foi anunciada a nomeação de um “Enviado Especial para a Promoção da Democracia em Cuba”, cuja principal tarefa era promover e alcançar um acordo entre os principais parceiros dos Estados Unidos no que respeita a Helms-Burton, tentando assim internacionalizar a acção desta lei.

A 20 de Setembro de 1996, com vista a implementar uma aplicação mais vigorosa da Lei, foi anunciada a criação da “Unidade para a Aplicação de Helms-Burton” no Departamento de Estado, no âmbito do Gabinete de Assuntos Cubanos.

A lei estabeleceu que o presidente teria de fazer um relatório sobre a sua aplicação do Título II, para o qual, em 28 de Janeiro de 1997, o Presidente Clinton publicou com grande publicidade o documento “Apoio a uma Transição Democrática em Cuba”, carregado de forte retórica anti-cubana, e que alargou os postulados do Título II da lei, relativos a uma suposta “transição democrática” na ilha.

Como resultado de intensas negociações, a 11 de Abril de 1997, foi anunciado o “European Union-United States Understanding”, através do qual este último conseguiu a retirada dos europeus do painel apresentado à Organização Mundial do Comércio por causa da Lei Helms-Burton, em troca da promessa dos EUA de não sancionar as empresas europeias que investem em Cuba.

Este acordo foi seguido por um segundo “Acordo sobre o Reforço da Protecção do Investimento” em Maio de 1998, através do qual a União Europeia inibiria voluntariamente os investimentos em Cuba em “propriedades confiscadas” em troca do compromisso da Administração de trabalhar para a eliminação do Título IV de Helms-Burton. Posteriormente, houve várias rondas de negociações entre as partes nas quais, entre outras disputas comerciais, foi discutido o progresso destes compromissos, especialmente dada a incapacidade da Administração Clinton de obter uma emenda do Congresso ao Título IV; entretanto, não houve sanções contra empresas europeias.

Interpretação

A lei estabelece que qualquer empresa não americana que tenha relações com Cuba pode ser sujeita a represálias legais, e a gestão da empresa pode ser impedida de entrar nos Estados Unidos. Isto significava que as empresas internacionais tinham de escolher entre negociar com Cuba ou negociar com os Estados Unidos, que é um mercado muito maior.

Politicamente, esta lei pretende aumentar o clima de hostilidade na política dos EUA em relação a Cuba, forçar a destruição da Revolução Cubana, e economicamente, intimidar os empresários estrangeiros por todos os meios possíveis para tentar impedir o investimento e o comércio internacional com Cuba.

Instrumentos legais que viola

A Lei Helms-Burton viola de forma flagrante as leis e direitos humanos do povo cubano, a Constituição dos Estados Unidos e várias normas legais desse país, numerosos actos de direito internacional que regulam as relações políticas, económicas, comerciais e financeiras entre Estados, e viola a liberdade de comércio e investimento, para os quais gerou conflitos com os principais parceiros dos Estados Unidos. Entre estas violações encontram-se

O poder do Executivo para conduzir a política externa.
O princípio da “liberdade de financiamento e investimento” e “subordinação das empresas subsidiárias às leis do país residente”.
O princípio reconhecido do “respeito pela soberania dos actos das outras nações”.
A livre circulação de pessoas para efeitos de comércio.
O princípio reconhecido do “respeito pela soberania dos actos das outras nações”.
Tratados Bilaterais de Protecção do Investimento e Tratados Bilaterais de Comércio com numerosos países.
O princípio reconhecido de que “a propriedade é estabelecida de acordo com as leis do país onde está localizada”.

Consequências

Como consequência do bloqueio económico dos EUA, Cuba não pode exportar qualquer produto para essa nação, nem importar qualquer mercadoria desse país.

Não pode negociar com filiais de empresas americanas em países terceiros; não pode receber turistas americanos nem pode utilizar o dólar nas suas transacções comerciais e financeiras no estrangeiro.
Os navios e aviões cubanos não podem tocar no território dos EUA.

A exigência do povo cubano

Vale a pena notar que a 2 de Novembro de 1999, o Tribunal Provincial Popular de Havana declarou admissível o processo contra o Governo dos Estados Unidos por Danos Humanos e sancionou o povo cubano.
por danos humanos e sancionou-o para reparar e compensar o povo cubano no montante de 181,1 mil milhões de dólares e, em 5 de Maio de 2000, também por danos económicos causados pelos Estados Unidos da América.
por danos económicos causados a Cuba e condenou-a no montante de 121 mil milhões de dólares.

Além disso, o Ministério dos Negócios Estrangeiros reiterou a vontade de Cuba de encontrar uma solução para as reivindicações e compensações mútuas.

Em resumo, a Lei Helms-Burton mostra, mais claramente do que nunca, os verdadeiros objectivos da política de hostilidade desde o triunfo da Revolução e que esta política responde aos interesses da oligarquia fascista americana afectada por uma Revolução dedicada à independência nacional e à justiça social.

Os principais objectivos dos promotores desta legislação genocida são, do ponto de vista político, perpetuar o clima de hostilidade na política dos Estados Unidos em relação a Cuba, a fim de forçar a destruição da Revolução Cubana.

Do ponto de vista económico, intimidar os empresários estrangeiros por todos os meios possíveis, numa tentativa de impedir o investimento e o comércio internacional com Cuba.

Face às alusões imorais de Washington à aplicação do Título III da Lei Helms-Burton, Cuba rejeita esta ameaça da forma mais enérgica, firme e categórica. Considera-o como um acto hostil de extrema arrogância e irresponsabilidade, e ao mesmo tempo repudia a linguagem desrespeitosa e caluniosa da mensagem pública do Departamento de Estado.

Para o nosso povo, implica enfrentar mais uma vez, de forma firme, consciente e enérgica, a determinação do imperialismo dos EUA em submeter-se ao seu domínio e tutelar os destinos do nosso povo.
os destinos da nação cubana sob o seu domínio e tutela.

Se o Título III fosse aplicado como estabelecido por esta lei, qualquer cubano e todas as comunidades do país veriam ser instaurados processos nos tribunais norte-americanos sobre a propriedade das casas que ocupam, o local de trabalho onde trabalham, a escola que os seus filhos frequentam, a policlínica onde recebem cuidados médicos, os terrenos em que os seus bairros são construídos; e poderão ver a tentativa de usurpar aos cubanos a riqueza do país, as infra-estruturas, a terra arável, as indústrias, os recursos mineiros, o potencial energético e as bases sobre as quais a ciência e a tecnologia se desenvolvem e os serviços são prestados à população.

Todos devemos recordar o conteúdo aberrante do Plano Bush, que descreve e implementa em pormenor a forma como as famílias cubanas e o país seriam despojados de praticamente tudo.
seria despojado de praticamente tudo.

A este respeito, o Ministério dos Negócios Estrangeiros reiterou os postulados da Lei de Reafirmação da Dignidade e Soberania Cubanas (Lei n.º 80), e sublinha que a Lei Helms-Burton é ilegal, inaplicável e sem valor ou efeito legal. Consequentemente, considerará nula e sem efeito qualquer reivindicação nela baseada por qualquer pessoa singular ou colectiva, independentemente da cidadania ou nacionalidade.

O governo de Cuba reserva-se o direito de responder atempadamente a esta nova agressão.

Categories: # yo voto vs bloqueo, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, #solidaridadvs bloqueo, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Americam Latina, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, Constituição é filha da Revolução, CONTRA REVOLUÇÃO EM CUBA, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Contrarevolucion, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Iglesia, Ley Helms-Burton, Relaciones Cuba Estados Unidos, Religión, CubavsBloqueo, Donald Trump, Estados Unidos, Ley Helms Burton, SANCIONES, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump | Deixe um comentário

Desmantelam a “ação secreta” da contra-revolução marcada para esta sexta-feira em #Cuba.

Por Redacción Razones de Cuba

Saudações, boa noite. Voltamos hoje para continuar relatando no prazo e com todas as informações necessárias sobre cada uma das alegações subversivas de que temos notícias. É elementar no jornalismo, na comunicação, na própria vida, quando se fala de um assunto tão sério, e com grandes implicações, citar a fonte, o lugar de onde vem a informação. Mas tu, tu podes compreender perfeitamente que nem sempre isso é possível, e menos quando se trata de informações que vêm de dentro, dos próprios organizadores, de alguns protagonistas destas provocações, que em muitas ocasiões, contam, revelam, digamos, e eles falam muito. Está tudo organizado para amanhã, durante o horário comercial.

Quem o organiza? Quem é secretamente convocado?

Yasser Castellanos, um participante da farsa de San Isidro, tomou parte em muitas provocações recentes, Maykel Osorbo, também membro de San Isidro, um provocador frequente que usa linguagem agressiva e obscena nas redes sociais, solicitou publicamente uma invasão a Cuba.

Héctor Luis Valdés, representante de um dos meios de comunicação dependentes pagos dos Estados Unidos, ADN Cuba, participante de muitas provocações e incitamentos através das redes sociais. Niover Alexander Tamayo Formén, conhecido como ABÚ, membro da farsa de San Isidro, desvinculado do trabalho, elemento abertamente contra-revolucionário, essencialmente através das redes sociais, Esteban Rodríguez López também representante da mídia dependente ADN Cuba, associada a San Isidro como a anterior uns, Luis Manuel Otero Alcántara, autoproclamado líder do suposto movimento que vai libertar Cuba, vejam.

Editorial: San Isidro (+ Video) | Cubadebate

Omara Ruiz Urquiola está neste momento nos Estados Unidos, ex-professora, idealizadora de muitas das provocações recentes, essencialmente instigando outros a realizar, por exemplo, esta ação que agora, desde os Estados Unidos, ela coordena secretamente.

Qual é o motivo, o pretexto para a ação de amanhã? Eu vou explicar.

Você se lembra que, há algumas semanas, apareceu no Boulevard de San Rafael, aqui em Havana, um homem carregando uma placa chamando a atenção das pessoas que passavam em um ato franco de provocação?

Quando solicitado pelas autoridades, ele resistiu e uma altercação estourou no meio da rua. Pois bem, este jovem foi detido e encontra-se atualmente em prisão provisória durante o andamento da investigação, uma vez concluída a investigação, o Ministério Público deve, de acordo com a Lei de Processo Penal, instaurar formalmente perante os Tribunais a ação penal correspondente, e os Tribunais julgam em nome do povo cubano, ou absolvem os acusados, levando em conta todas as garantias constitucionais e processuais estabelecidas para os cidadãos.

Falamos com as autoridades do Centro onde se encontra atualmente, contam-nos que se encontra na zona onde colocam os reclusos em prisão provisória, está ali como outros na mesma situação processual, como é popularmente chamado à espera de julgamento.

Porque te explico tudo isto, porque os mencionados acima se organizaram na mais estrita compartimentação, para ir amanhã protestar em solidariedade com esta pessoa.

Como você vai fazer?

Pois bem, chegando aqui, se os integrantes da farsa de San Isidro e outros, pretendem chegar à Plaza de la Revolución amanhã às 10 da manhã e como a guerra se trata de símbolos, para se apropriar, mesmo que sejam poucos, desse espaço simbólico para os cubanos e sua revolução. Aproxime-se dos arredores do Ministério do Interior, localize o centro da Praça, chame a atenção e, claro, provoque uma resposta das autoridades, das forças de ordem que protegem o local e então o show estaria pronto, com ao vivo transmissão através das redes sociais é claro e com a cobertura imediata dos meios de comunicação dependentes, na verdade vários dos participantes são seus representantes.

Quando fazemos uma denúncia de ações provocativas anteriores, ou de seus preparativos, muitas pessoas nos perguntam se esses fatos constituiriam um crime ou não.

Dissemos e hoje ratifico que o papel dos meios de comunicação continuará a ser o de acompanhar o povo na luta pela defesa da sua Revolução, informar e fazê-lo com rapidez e oportunidade, investigar, acusar, julgar ou absolver, corresponderá aos órgãos constitucionalmente constituídos em Cuba para esses fins.

Mas já que nosso papel é informar, não posso deixar de dizê-lo, vamos ao Código Penal vigente em Cuba, se amanhã se consuma a ação secreta caberá a todos atuar em tempo hábil e dentro do estabelecido marcos legais.

Não se trata de uma ação isolada, protestos desse tipo também estão concebidos nos manuais das Forças Armadas dos Estados Unidos e pretendem segui-los como aquele guia preciso, que imaginam frutificará em Cuba. O que você acha? Eu estarei de volta em breve. Boa noite.

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Estados Unidos, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Constituição é filha da Revolução, Constituição da República de Cuba, Cuba, CONTRA REVOLUÇÃO EM CUBA, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Contra-revolução cubana, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, mentiras construídas em Washington contra Cuba, MIAMI, Terrorismo, TERRORISMO VS CUBA | Deixe um comentário

#BobMenéndez exige que #Biden coloque condições políticas em #Cuba.

Autor: Raúl Antonio Capote | internacionales@granma.cu

Enquanto 80 congressistas democratas, autoridades de mais de 15 cidades, organizações religiosas, acadêmicos e movimentos sociais americanos pediam expressamente ao presidente Joe Biden que normalizasse as relações de seu governo com Cuba, o senador Bob Menéndez exigia que o presidente condicionasse uma eventual negociação com ele. “melhorias na situação dos direitos humanos e das liberdades políticas”.

Menéndez, novo presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, foi um dos principais críticos, dentro do Partido Democrata, da aproximação entre as duas nações promovida pelo governo Barack Obama.

O pronunciamento do político anticubano ocorreu em recente evento organizado pela Fundação Inspire America, instituição sem fins lucrativos cujo objetivo é “promover a mudança de regime em Cuba”.

robert menendez

A atividade contou com a presença dos mais proeminentes animais de direita de Miami, incluindo o senador republicano da Flórida, Marco Rubio; o deputado republicano Mario Díaz-Balart, e a também republicana María Elvira Salazar, que, segundo a carta dos 80 deputados democratas a Biden, reagiu com o tom típico de sua obstinação contra a Revolução: o que eles “têm que enviar é um carta exigindo o fim da repressão ”, disse, referindo-se ao mais desgastado dos argumentos fabricados pela máfia política anticubana.

Bob Menéndez, considerado “o mais republicano dos democratas”, tem se destacado por suas ações contra Cuba e Venezuela, sendo o arquiteto, junto com Marco Rubio, de muitas das “iniciativas” propostas para prejudicar as duas nações.

Nos últimos sete anos, Robert tem estado na mira das autoridades norte-americanas por crimes de conspiração, tráfico sexual, fraude e suborno.

Em 2017, ele foi acusado de 18 acusações de fraude e suborno. Segundo o Ministério Público, o senador recebeu US $ 750 mil em doações, brindes, viagens de avião particular e férias luxuosas pagas por um benfeitor.

Anteriormente, o político ultraconservador se envolveu em um escândalo com prostitutas dominicanas. Segundo um remetente, identificado como Peter Williams, que alertou o FBI, Menéndez contratou e fez sexo com quatro adolescentes naquele país.

Os autos de acusação indicam que, entre agosto de 2006 e janeiro de 2013, o político se hospedou várias vezes em um resort na República Dominicana, conhecido por ser um refúgio exclusivo do Caribe na província de La Romana, na costa sudeste daquele país, onde Acredita-se que ele teve o referido encontro com prostitutas.

Um grande júri federal concluiu que o político usou seu gabinete senatorial para favorecer projetos “em troca de doações e favores”, para motivar declarações falsas sob juramento de trabalhadoras sexuais menores de idade e para defraudar o sistema de saúde dos Estados Unidos.

Bob também tem um histórico de permitir a propagação da prostituição, jogos de azar e extorsão de gângsteres, enquanto era prefeito de Union City, uma cidade perto de Nova York.

Recentemente, alguns meios de comunicação dos Estados Unidos classificaram o colega cubano-americano Ted Cruz, senador pelo estado do Texas, como o pior dos políticos cubano-americanos, ainda “pior que Marco Rubio”, embora, sem dúvida, entre “joias”. Como. é você, é difícil escolher.

Categories: # yo voto vs bloqueo, #Al Qaeda, Associated Press, #CIA, #cuba, #EEUU, estados unidos, MSNBC, NBC,#Reino Unido, #Rusia, Universidad de Lincoln, William Arkin, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, #Estados UnidosGrupo de LimaPalacio de Miraflores, #EstadosUnidos, #FalsosAtaquesAcústicos, Cuba, diplomáticos estadounidenses, Estados Unidos, #solidaridadvs bloqueo, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, fake news, Agencia Central de Inteligencia de Estados Unidos (CIA), antilatinoamericana agenda geopolítica belicista e Donad Trump alinhados, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, BLOQUEIO VS CUBA, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Constituição é filha da Revolução, CONTRA REVOLUÇÃO EM CUBA, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Contra-revolução cubana, CUBA - ESTADOS UNIDOS, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Iglesia, Ley Helms-Burton, Relaciones Cuba Estados Unidos, Religión, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Marco Rubio, Mario Díaz-Balart, Relaciones bilaterales., Cuba, fake news, CubavsBloqueo, Fake news, La Unión Europea se posiciona contra el bloqueo, MIAMI, relações bilaterais, o governo Donald Trump, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump | Deixe um comentário

Vendepatrias em frente ao Ministério da Cultura de Cuba, imitam os agressores do Capitólio de Washington.#GuerreroCubano

Categories: #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, ações subversivas, Acciones contra Cuba, fake news, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Constituição é filha da Revolução, CONTRA REVOLUÇÃO EM CUBA, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Contra-revolução cubana, Contrarrevolución, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, fake news, cultura, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Fake news, inimigos da Revolução, investigação internacional para crimes financeiros imputados "da revolução cubana" ., Manipulacion, Manipulacion Politica, mentiras construídas em Washington contra Cuba, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Redes sociais, Revolução, Revolução Cubana sobrevive a todas as agressões, Revolução Cubana,, Subversão contra Cuba, Subversión, Washington | Deixe um comentário

O verdadeiro pano de fundo das provocações na sede do Ministério da Cultura .

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, ações subversivas, Acciones contra Cuba, fake news, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Constitución de la República de Cuba, #Cuba, Constituição é filha da Revolução, Constituição da República de Cuba, Cuba, CONTRA REVOLUÇÃO EM CUBA, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Contra-revolução cubana, Contrarevolución, Cuba, fake news, cultura, CULTURAIS, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Fake news, Manipulacion, Manipulacion Politica, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Revolução, Revolução Cubana, Revolução Cubana sobrevive a todas as agressões, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Cuba: 62 anos de revolução.

Por Ángel Guerra Cabrera Razones de Cuba .

Sessenta e dois anos da Revolução às portas dos Estados Unidos, completados em 1º de janeiro, marcam um significado universal para a luta heróica do povo cubano.

Ainda mais meritória é a façanha quando, nos últimos quatro anos, Cuba foi submetida pelo governo de Donald Trump a um brutal ressurgimento do Bloqueio, que tornou estoicos quase todos os atos da vida cotidiana. Deve ser dito e não deve ser esquecido: durante a pandemia e a crise econômica que ela causou, Trump fez tudo o que pôde para levar Cuba à asfixia.

Internet

Sessenta e dois anos. Neste ciclo histórico foi possível medir plenamente a capacidade do povo cubano e de seus dirigentes de erguer, ante a feroz e implacável hostilidade do império, as bandeiras de liberdade, independência, soberania, unidade e integração de nosso país. América, democracia, socialismo e solidariedade. Mesmo depois do colapso da URSS, no tosco Período Especial, como recordou Raúl Castro, quando ficamos sozinhos no meio do Oeste a 90 milhas dos Estados Unidos.

A chave para a vitória nas primeiras seis décadas da Revolução foi a estreita união do povo em torno de sua vanguarda e a liderança de Fidel Castro. Isso se manifestou desde o dia do triunfo, quando a vitória esmagadora do Exército Rebelde se consolidou com a grande greve geral revolucionária de 1º de janeiro de 1959. Hoje a unidade do povo e do Partido Comunista ainda é essencial.

Muito cedo começaram as medidas radicais de transformação revolucionária e imediatamente as agressões de Washington, que não tolera a independência e a soberania dos povos. Muito menos quando se trata da América Latina e do Caribe, que ele considera seu quintal e por onde voa a doutrina Monroe.

O papel de Fidel Castro foi decisivo. Teve o mérito excepcional de conceber uma nova modalidade do sujeito revolucionário, adaptada à realidade de Cuba e, em termos gerais, dos países dependentes. Sem essa concepção e o uso criativo de todas as formas de luta, incluindo o exército como fundamental, o triunfo revolucionário não teria sido possível.

Juan Manuel Karg on Twitter: "Un 8 de enero de 1959, Fidel Castro ingresaba  en La Habana. Esta foto inédita de Perfecto Romero es publicada hoy por  primera vez por Cubadebate, a

Outro mérito extraordinário de Fidel e de seu povo foi demonstrar que nesta região do mundo foi possível realizar transformações revolucionárias que puderam ser socialistas, defendidas e transformadas em uma nova cultura política. A prova foi Playa Girón, onde os combatentes foram lutar e morrer pelo socialismo e onde os Estados Unidos sofreram sua primeira grande derrota militar na América Latina que acabou com a impunidade a que estava acostumada na região.

A partir de então, os povos latino-americanos e caribenhos tornaram-se um pouco mais independentes. A revolução foi capaz de conduzir simultaneamente a campanha nacional de alfabetização e, em perfeita sincronia, outros grandes movimentos de massa, como as transformações agrárias, a organização e operação – sem sobressalentes – da indústria socialista e a formação de um grande exército popular capaz para derrotar o inimigo imperialista.

A alfabetização e o movimento educacional que a seguiu tiveram proporções gigantescas e desempenharam um papel fundamental na condução da revolução educacional, cultural e científica que se estende por esses 62 anos.

Um exemplo magnífico é o da medicina. Poucos anos depois de 1959, o país perdeu metade de seus médicos. No entanto, isto conduziu à formação acelerada – por iniciativa de Castro – de dezenas de milhares de médicos e enfermeiras e à constituição de um sistema nacional de saúde pública gratuito, constituído por instituições que rapidamente conquistaram o apreço do povo. Além disso, a partir de 1963, com o envio da primeira brigada médica para a Argélia, iniciou-se a cooperação médica internacional, especialmente no então chamado Terceiro Mundo.

Fidel regresa a Santiago por la ruta de la Libertad: "Parecen victoriosas  las fuerzas revolucionarias" | Público
A visão de Fidel combinou o trabalho científico com a formação de médicos, expressa na criação de um sistema integrado com centros de pesquisa que têm desempenhado um papel importante na saúde das pessoas e na criação de medicamentos inovadores em meio ao bloqueio.

Além disso, junto com o pessoal de saúde, eles desempenharam um papel fundamental na luta contra o COVID-19 em Cuba, com o desenvolvimento de uma série de protocolos clínicos bem-sucedidos que permitiram obter 15 por cento mais pacientes recuperados do que no resto do mundo. planeta.

Em meio ao egoísmo e à falta de solidariedade que caracterizou as potências ocidentais durante a pandemia, Cuba enviou milhares de médicos a 29 países para combater o coronavírus. Isso estimulou o surgimento de um grande movimento internacional para conceder o Prêmio Nobel da Paz às brigadas médicas cubanas Henry Reeve.

Retirado de CubaDebate

Categories: #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Fidel, #YoSoyFidel, Constituição é filha da Revolução, Coronavirus, CoronaVirus, Noticias de Cuba, Política, CoronaVirus, Política, Cuba, fidel castro, Fidel Castro Ruz, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, sonhos de Fidel | Deixe um comentário

A Constituição é filha da Revolução

Essa idéia esclarece o significado da Magna Carta e seu papel no endosso dos direitos e deveres dos cidadãos, formulado pelo comandante-em-chefe Fidel Castro, no discurso de encerramento do XVI Congresso dos Trabalhadores Centrais de Cuba. em 28 de janeiro de 1990

Autor: 

constitución

A Constituição da República «(…) não é a mãe da história, nem é a mãe da Revolução, a nossa Constituição socialista é filha da história, é filha da nossa Revolução».
Esta idéia iluminada do significado da Constituição e os auxilia papel para endossar os direitos e deveres dos cidadãos, a formulação do Comandante-em-Chefe Fidel Castro no discurso de encerramento do XVI Congresso dos Trabalhadores União Central de Cuba, em 28 de janeiro de 1990. Continuar a ler

Categories: Constituição é filha da Revolução, Uncategorized | Etiquetas: , , , | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: