Lei, ou algaraviar para meter um “Gato por liebre”?

#ConstituciónCubana #UnaSolaRevolucion #LaRazonEsNuestroEscudo #UnMejorPais

Por Ernesto Estévez Rams

Vivemos num planeta dominado pela hegemonia do capitalismo – mundo manifestado em formas imperiais e subimperiais, antes de mais pelos EUA desde a sua emergência após a Segunda Guerra Mundial. Numa época de declínio da hegemonia imperial dos EUA no planeta, vemos a formação cada vez mais evidente de blocos regionais que de alguma forma lhe estão contrapostos. Estes blocos, em alguns casos, são mesmo manifestações de certas burguesias nacionais cujos interesses não se alinham necessariamente com os dos EUA.

Por razões históricas e geográficas, a subordinação da América Latina à hegemonia dos EUA é muito mais acentuada e em condições de vassalagem muito mais manifestas do que em outras regiões do mundo. Pela mesma razão, a nossa região tem vindo a travar uma batalha aguda em termos contra-hegemónicos há décadas. As burguesias latino-americanas há muito que não têm capacidade e força para se estabelecerem em oposição aos EUA, mesmo que estes últimos limitem o seu próprio desenvolvimento como classe: é uma burguesia cliente.

Há tentativas de certos sectores nacionalistas das burguesias latino-americanas de se contraporem à hegemonia dos EUA, mas o seu alcance real tem sido muito limitado. A sua própria hegemonia dentro dos seus países é, quando muito, muito instável, o que levou a mais do que alguns golpes de Estado e outras derrotas violentas mais ou menos disfarçadas de uma certa legalidade “democrática”.

Esta realidade global e, em particular, regional significa que os nossos sistemas jurídicos, incluindo as constituições, não são um exercício endógeno que tem lugar fora deste contexto. Neste momento, vemos esta luta na União Europeia, onde a relação entre as constituições nacionais e a ordem política consagrada de forma supranacional no bloco está a ser discutida em termos muito concretos. O Supremo Tribunal polaco decidiu que certas disposições da UE são contrárias à Constituição polaca.

Na Europa, esta luta disfarça a violência com que se instala por detrás de uma etapa “democrática”. Noutras regiões, não há muita paciência para tais diligências e elas são rapidamente desmanteladas para mostrar a sua violência de uma forma flagrante e brutal. Quando Zelaya quis mudar a ordem constitucional do seu país, com a intenção explícita de reduzir a capacidade imperial de intervir na mesma, um golpe de Estado terminou de forma rápida e expedita, enquanto a Secretária de Estado Hilary Clinton aplaudiu sem hesitações a violação das aparentes regras teatrais, e o fim abrupto da peça com aquele deus ex machina de intervenção.

As constituições, como toda a jurisprudência que emana, num dado momento, da organização política de uma sociedade, reflectem correlações de forças internas e externas. Mas em última análise, como Marx analisou, respondem às relações de produção subjacentes, que é a classe no poder e a força da sua hegemonia face a outras classes, mas desde a emergência do imperialismo capitalista global, estas relações de produção e estas correlações de classe já não estão confinadas ao país, respondem de forma marcada às relações de classe que se estabelecem a nível supranacional. Podem reflectir, por exemplo, a capacidade de uma burguesia nacional de se proteger contra a invasão de burguesias estrangeiras. As constituições respondem aos sistemas económicos dos quais emergem. Este é um argumento antigo e bem conhecido, sistematizado por muitos, incluindo num bom número de páginas do antigo Marx.

Alguns nas suas análises constitucionais esquecem-no, ou querem que o esqueçamos. O que é novo, talvez hoje, é que o carácter de classe das leis é mais evidente e directo, que não se limita ao Estado-nação mas vai para além dele, mesmo que as leis mantenham o seu carácter nacional.

Em Cuba, todas as nossas constituições, mas em particular as que surgiram desde o triunfo da Revolução, não são apenas uma manifestação de uma ordem económica e política interna específica, mas respondem a um contexto supranacional que, em última análise, determina a nossa capacidade de sermos uma nação, ou seja, a nossa soberania, também vista como uma questão de classe; qualquer análise que ignore esta realidade como um facto essencial, grita mais pelos seus silêncios do que pelo que diz.

Os nossos artigos constitucionais sobre a irreversibilidade do socialismo e o partido único são, em primeiro lugar, artigos que respondem a este contexto supranacional, ou seja, da agressão do imperialismo global, em particular do imperialismo dos EUA contra Cuba como um Estado-nação. Vê-los de uma perspectiva endógena é puramente miópico, inconsciente ou tendencioso. Nesse sentido, estes artigos não são puramente “ideologia”, são uma manifestação, no espaço da lei, de uma vontade de defender o Estado como representação da soberania de classe que nos demos a nós próprios face ao imperialismo americano. É impressionante como tudo isto é ignorado em análises que tentam erguer como um direito “moral” justificado por certas doutrinas, ditadas à margem da nossa realidade concreta, acções políticas contra estes preceitos constitucionais e que tentam reduzir o debate a uma mera questão endógena. Cada acção política em Cuba determina o seu carácter, qualquer que seja o seu tipo, pelo posicionamento que assume na prática face ao dilema essencial da nação cubana: a sua forma de existência baseada na classe face ao imperialismo ianque.

Toda a acção política que é instrumental para a agressão dos EUA é essencialmente violenta e ilegítima, porque é útil para o exercício violento desse imperialismo. A nossa batalha dentro de Cuba é manter internamente uma esmagadora correlação socialista de forças que contraria a correlação imensamente desfavorável das forças da hegemonia imperialista fora de Cuba. As nossas leis devem responder a esta realidade. Como Fidel disse em clara síntese, a Constituição cubana é a filha da Revolução e não o contrário. E essa Revolução, protegida pela nossa história, é nacionalista, anti-imperialista e socialista. O resto é uma algaraviada para nos vender um porco num espeto.

O Estado cubano e as leis têm a obrigação de salvaguardar a tranquilidade e a segurança dos cidadãos. #Cuba

#Cuba

Por: Yudy Castro Morales

Embora as investigações sobre os tumultos ocorridos em Cuba no domingo 11 de Julho estejam em curso, José Luis Reyes Blanco, chefe do Departamento de Supervisão da Direcção do Processo Penal da Procuradoria-Geral da República (FGR), disse à Granma que “alguns dos comportamentos demonstrados constituem de facto um crime”.

Para apoiar a sua afirmação, Reyes Blanco, que tem 30 anos de experiência no sector, apelou, antes de mais, à Carta Magna, não só pela sua superioridade como Lei das Leis, mas também como projecto social, aprovado por mais de 86% dos cubanos.

O artigo 1º, disse, consagra “Cuba como um Estado de direito socialista e de justiça social, democrático, independente e soberano, organizado com todos e para o bem de todos” e, no artigo 4º, estabelece que “a defesa da pátria socialista é a maior honra e o dever supremo de todo o cubano”.

Este preceito, sublinhou o procurador, também apoia o direito dos cubanos a lutar por todos os meios, incluindo a luta armada, quando nenhum outro recurso é possível, contra alguém que tente derrubar a ordem política, económica e social que decidimos construir.

Protestas en Cuba: las fotos de la inusual manifestación contra el gobierno  en Cuba y la respuesta de la policía - BBC News Mundo

Na sua revisão dos princípios constitucionais que protegem a defesa da nação, Reyes Blanco concentrou-se também no Artigo 13, que enuncia os objectivos essenciais do Estado, entre os quais se encontram: manter e defender a independência, integridade e soberania, bem como preservar a segurança nacional.

Também chamou a atenção, como noutras ocasiões, para o Artigo 45, que se refere aos limites que a Lei Suprema estabelece sobre o exercício dos direitos dos cidadãos, como muitos, durante os tumultos dos últimos dias, levantaram como argumento “a defesa e aplicação dos seus direitos”.

Vale a pena lembrar que, segundo o texto constitucional, “o exercício dos direitos dos indivíduos é limitado apenas pelos direitos dos outros, segurança colectiva, bem-estar geral, respeito pela ordem pública, a Constituição e as leis”.

José Luis Reyes concentrou-se também no Artigo 90, que se refere às responsabilidades e deveres dos cidadãos, derivados do exercício dos seus direitos e liberdades.

A este respeito, mencionou, entre outros, “o dever de mostrar o devido respeito pelas autoridades e seus agentes; de respeitar os direitos dos outros e não abusar dos seus; e de agir nas suas relações com outras pessoas, em conformidade com os princípios da solidariedade humana, respeito e observância das regras de coexistência social”.

Sem recorrer ao conhecimento da lei, e sujeito apenas ao senso comum das pessoas, é possível afirmar que os actos em questão transgridem de forma flagrante estes limites e deveres.

Las fotos más impactantes de las multitudinarias protestas contra el  régimen de Cuba - Infobae

INFRACÇÕES E FACTORES AGRAVANTES

Neste momento, explicou José Luis Reyes, o Ministério Público realiza o controlo da investigação criminal de todos os processos, com rigoroso respeito pela qualidade e celeridade, a determinação da responsabilidade individual, as características pessoais do acusado e as circunstâncias concomitantes.

No que respeita às medidas cautelares, acrescentou, será utilizada a prisão preventiva e a prisão preventiva, de preferência para os casos mais graves, ou aqueles cometidos por reincidentes e multi-recidivistas.

Salientou ainda que serão tidas em conta circunstâncias agravantes de responsabilidade criminal, o que implica a modificação dos limites mínimos e máximos das sanções a impor:

Fazer parte de um grupo de mais de três pessoas.
Provocando graves consequências com o crime.
Envolvendo menores.
Tirar partido de uma situação especial.
Usando um meio que causa um perigo comum.
Actuar contra pessoas ou bens relacionados com actividades prioritárias para o desenvolvimento económico e social do país.
Em termos de possíveis crimes, o procurador salientou os considerados “comuns”, cometidos contra a ordem pública e a administração e jurisdição, sem ignorar outros como crimes contra a vida (ferimentos), e actos de vandalismo como o saque de lojas.

Com base neste tipo de infracções, acrescentou a desordem pública, por outras palavras, “qualquer pessoa que provoque lutas ou distúrbios em estabelecimentos abertos ao público, veículos de transporte público, círculos sociais, espectáculos, festas familiares ou públicas ou outros eventos ou locais frequentados por numerosas pessoas, é punível com uma pena de prisão de três meses a um ano ou uma multa de 100 a 300 quotas ou ambas.

Protestas en Cuba: las fotos de la inusual manifestación contra el gobierno  en Cuba y la respuesta de la policía - BBC News Mundo

“Se o objectivo for perturbar de alguma forma a ordem pública, a pena é a privação de liberdade durante um a três anos ou uma multa de 300 a 1 000 quotas ou ambas”.

Ele também especificou o que diz respeito ao ataque: “qualquer pessoa que utilize violência ou intimidação contra uma autoridade, um funcionário público, ou os seus agentes ou assistentes, para os impedir de realizar um acto próprio das suas funções, ou para exigir que o realizem, ou por vingança ou represália pelo exercício dessas funções, incorre na pena de prisão de um a três anos”.

No entanto, Reyes Blanco acrescentou, se alguma das seguintes circunstâncias coincidir nos actos supracitados: duas ou mais pessoas participam, é realizada com o uso de armas, causa lesões corporais ou danos à saúde da parte ofendida, e o objectivo prosseguido pelo agente é alcançado, a pena de privação de liberdade pode ser aumentada de três para oito anos.

Durante os actos de desestabilização, também se podem presumir as seguintes infracções:

Resistência: Qualquer pessoa que resista a uma autoridade, funcionário público ou aos seus agentes ou auxiliares no exercício das suas funções, incorre na pena de privação de liberdade de três meses a um ano ou numa multa de 100 a 300 quotas.
Desprezo: Quem ameaçar, caluniar, caluniar, difamar, insultar, insultar, insultar ou de qualquer forma ofender ou ofender, por palavra ou por escrito, a dignidade ou o decoro de uma autoridade, funcionário público, ou dos seus agentes ou auxiliares, no exercício das suas funções ou por ocasião ou ocasião, será punido com uma privação de liberdade de três meses a um ano ou uma multa de 100 a 300 quotas, ou ambas.
Desobediência: Qualquer indivíduo que desobedeça às decisões das autoridades ou dos funcionários públicos, ou às ordens dos seus agentes ou assistentes emitidas no exercício das suas funções, será punido com uma privação de liberdade por um período de três meses a um ano ou uma multa de 100 a 300 quotas ou ambas.
O DEVIDO PROCESSO, UMA PREMISSA CUBANA PARA A ACÇÃO

Sempre que falamos especificamente de processos penais, é necessário salientar, na opinião do Chefe do Departamento de Supervisão da Direcção de Processo Penal do FGR, o devido processo, entendido como o garante e guardião dos direitos dos cidadãos.

Como detalhado na Constituição, em cada caso as autoridades cubanas asseguram o cumprimento de todos os princípios que tornam isto possível, tais como

Não ser privado de liberdade, excepto por uma autoridade competente e durante o período legalmente estabelecido.
A ser prestada assistência jurídica desde o início do processo.
Presumir-se inocente até que um julgamento final seja proferido contra eles.
Ser tratado com respeito pela sua dignidade e integridade física, mental e moral, e não ser vítima de violência ou coerção de qualquer tipo para os forçar a testemunhar.
Não testemunhar contra si próprios, o seu cônjuge, companheiro ou parentes até ao quarto grau de consanguinidade e segundo grau de afinidade.
Ser informado das acusações contra ele/ela.
A ser julgado por um tribunal legalmente pré-estabelecido e ao abrigo de leis que precedem a infracção.
Comunicar imediatamente com a sua família ou familiares se for detido ou detido.
Se é uma vítima, para gozar de protecção para o exercício dos seus direitos.
Para além de qualquer dano ou prejuízo que tenha ocorrido nos últimos dias, existe um bem maior, disse o procurador, que tem sido manchado e que o Estado e as leis cubanas, a começar pela Constituição, têm a obrigação de salvaguardar. Esse bem é a tranquilidade e a segurança dos cidadãos, uma das sublimes conquistas da Revolução.

A Carta Magna, nas palavras de Reyes Blanco, “protege-nos a todos, mas em seu nome, os limites não podem ser transgredidos. O país tem o direito de se defender contra uma conduta que vise subverter a ordem constitucional. E o Código Penal mantém o seu objectivo primordial de proteger a sociedade, o povo, a ordem social, económica e política e o regime do Estado”.

Extraído de Granma

Uma honra, um dever e um direito.

#Constitucion #RevolucionCubana #Cuba #SomosContinuidad

Autor: Granma | internet@granma.cu

Que letra da lei tem maior autoridade do que a conferida pela legitimidade, quando é escrita e votada pela esmagadora maioria das pessoas que a promulga para si, para seu bem-estar, para afirmar seu presente e proteger o futuro de seus filhos?

Constitución

Qual critério é capaz de esmagar os argumentos enunciados na Constituição da República, ou de anular os direitos que o grande documento do país oferece aos seus cidadãos, quando cada palavra formulada em suas linhas foi fundamentada, proposta, debatida e endossada no participação mais ampla e ativa do povo autêntico; aquele exercício conjunto que mesclava a expertise do advogado com a agudeza inata do camponês, o ímpeto do estudante e a visão analítica do acadêmico, o pragmatismo do trabalhador e os cenários possíveis que o intelectual idealizava?

A nação independente, porém, é o maior patrimônio, e as formas escolhidas para impulsioná-la ao progresso e preservá-la como ela é, livre e soberana, também contam com garantias na Constituição que aprovou mais de 86% dos cubanos qualificados, formados como um povo. na Constituinte, encarregada de transformar seus ditames em Lei, como esta, que define o sagrado e o intocável:

ARTIGO 4

-A defesa da pátria socialista é a maior honra e o dever supremo de cada cubano.

  • A traição à pátria é o mais grave dos crimes, quem o pratica está sujeito às mais severas sanções.
    -O sistema socialista endossado por esta Constituição é irrevogável.
    -Os cidadãos têm o direito de lutar por todos os meios, inclusive a luta armada, quando nenhum outro recurso for possível, contra quem tenta derrubar a ordem política, social e econômica estabelecida por esta Constituição.

Cuba: Votar IF está votando nos sonhos de Fidel

fidel-castro-2

Por: Marco Velázquez Cristo

A campanha midiática que os inimigos da Revolução estão realizando tentando influenciar a opinião do povo para votar contra a nova Constituição, indica que nós fizemos bem, se eles a apoiaram então se nós deveríamos nos preocupar porque certamente cometeríamos erros que eles estariam sonhando com as mudanças que desejam ver em Cuba.

Nesta nova cruzada, aqueles que abertamente e com uma linguagem de confronto pedem abstenção ou não, são, digamos, mercenários públicos, aqueles que recebem dinheiro abertamente. E há aqueles que usam uma linguagem adocicada para transmitir a mesma mensagem prejudicial.

Entre estes últimos, alguns atuam movidos por interesses de classe que não estão refletidos na Lei de Leis; obviamente, eles não são os da imensa maioria das pessoas e dos outros porque são pagos por rotas ocultas aos olhos do público.

Todos juntos têm um denominador comum, eles não concordam com o projeto do país que delineia a nova Constituição e de uma maneira ou de outra eles respondem ou coincidem com o que nossos oponentes desejam ver estabelecido em Cuba.

As condições da sociedade cubana não são as mesmas que prevalecem em outros países onde a fragmentação, a preparação cultural e política insuficiente, a mídia que responde às elites e proporciona essa capacidade de influenciar setores sociais amplos, bem como a existência de estados de desconfiança e apatia nas pessoas geradas pelo engano sofrido por décadas por governos corruptos, são fatores que tornam a tarefa mais fácil para os inimigos dos mais humildes.

A falta dessas condições em nosso país tenta fornecê-las por meio de mensagens destinadas a desacreditar o novo texto constitucional e a deslegitimação do processo de debate. Tentativas de manipular setores sociais, como os religiosos e a comunidade LGBTI, não foram ausentes na tentativa de prejudicar o apoio à nova Carta Magna.

Mas a campanha está condenada ao fracasso, os cubanos sabem que não estamos votando apenas por uma nova constituição, mas também pelo projeto do país que queremos legar a nossos filhos e netos. Vamos votar pelo futuro de Cuba e da Revolução, pela continuidade e desenvolvimento dos ganhos alcançados pelo socialismo.

Vamos votar nos sonhos de Fidel que são nossos, é por isso que no dia 24 de fevereiro ele vai votar conosco.

tirado de PostCuba

%d bloggers like this: