contra o governo bolivariano

Trama e silêncio da OEA

O momento é de união entre todos os latino-americanos e caribenhos para dizer não ao golpe de estado e seus patrocinadores da Organização dos Estados Americanos

Autor: Elson Concepción Pérez | internet@granma.cu

El pueblo boliviano defiende en las calles su derecho a que se respete la soberanía del país.

O povo boliviano defende nas ruas o direito de respeitar a soberania do país. Foto: O País
A instituição projetada para atender aos interesses dos Estados Unidos, financiada e aupada por aqueles que servem como anfitriões em Washington, demonstrou seu domínio sobre a concepção, organização e execução do golpe na Bolívia. Esse é o oea.

Depois que o presidente Evo Morales foi deposto, a organização não disse uma palavra. Condenar o que aconteceu seria pedir muito. Convocar o diálogo deve ser o comportamento a seguir, e nunca o fez. Atuar para que as vidas humanas sejam respeitadas, incluindo a do presidente, do vice-presidente e de outras autoridades bolivianas, não fez parte de sua agenda.

O pior de tudo é que tanto o secretário-geral, Luis Almagro, quanto o apêndice ilegal do Grupo Lima, mantiveram um silêncio cúmplice neste caso, certamente esperando por sinais do Departamento de Estado dos EUA.

É incompreensível, mas ainda existem alguns governos na América Latina, como os do Grupo Lima, que não pertencem apenas a essa instituição nefasta, mas se prestam aos planos mais diabólicos de derrubar governos e finalizar projetos sociais que beneficiam milhões de pessoas. Cidadãos pobres de nossos países.

Devo admitir que nesta segunda-feira, quando pensei erroneamente que encontraria na rede de redes alguma declaração de condenação da citada acima – embora fosse mais cínica do que o próprio esquecimento -, sobre o que acontece na Bolívia, não me senti frustrado. não encontre nada

Enquanto o governo digno e solidário do México, ciente da necessidade de assumir uma posição em defesa da paz na Bolívia, pediu uma reunião urgente da instituição, o outro lado da moeda, o governo peruano, simplesmente pediu novas eleições na nação vizinha e que ouve acompanhar todo o processo.

Acho que chegou a hora

– Talvez devesse ter demorado muito – que os povos latino-americanos denunciem tudo à OEA, onde a vergonha, a ética e o desejo de nossas nações se impõem sobre as manobras mais sombrias de uma entidade que provou ser útil durante sua história aos seus mestres americanos acima dos interesses do povo.

Repito, é hora de apagar, de uma vez por todas, aquele fardo pesado que causa tanto dano aos processos de independência e desenvolvimento de nossos povos. É hora de desmascarar personagens como o seu secretário geral, Luis Almagro, perante o mundo, capaz de traçar os piores compromissos para provocar golpes como o consumado na Bolívia contra um presidente constitucional, eleito democraticamente, amado por seu povo, exemplo de trabalho e dignidade

Até essa instituição teve que ser acusada de fornecer informações sobre a auditoria das eleições bolivianas, que tiveram de ser divulgadas na terça-feira e, suspeitas, vazadas a partir de sábado, de madrugada.

O que se pretendia com esse vazamento, que não era criar incerteza e acender o pavio do caos e da violência?

Isso merece punição, se houver leis para julgar os miseráveis ​​deste mundo.

Além disso, o relatório acima mencionado foi escrito em uma linguagem ambígua e pouco convincente.

Imagino que Evo, sempre cheio de vergonha e dignidade, tenha percebido o significado que teve para seu país, para a América Latina e para o mundo, tendo confiado uma oea tão desacreditada, primeiro observando as eleições e depois a auditoria deles.

Mas não é tarde demais. O momento é de união entre todos os latino-americanos e o Caribe para dizer não ao golpe de estado e seus patrocinadores da Organização dos Estados Americanos.

Vamos agir, não vamos perder tempo. Os chutados na Bolívia, os que perderam os olhos nas mãos da polícia do Chile, dos camponeses, indígenas, ex-combatentes e outros colonos que são mortos todos os dias na Colômbia; aqueles que morrem ou são feridos nas favelas brasileiras pelo único crime de pedir trabalho e comida, e os milhões levados à pobreza e à extrema pobreza na Argentina de Macri, todos, absolutamente todos, exigem que os povos ajam e os únicos A maneira de fazer isso é junto, com dignidade e coragem. Esses ingredientes são vitais. E ele não tem todos eles.

E o que os ianques querem? Eles significam que desrespeitamos a OEA? Bem, se você quer dizer magnífico, diga o que dizemos: eles têm o oea como instrumento para impedir revoluções na América ». Discurso proferido por Fidel Castro na cerimônia de encerramento do Primeiro Congresso Juvenil da América Latina, em 6 de agosto de 1960.

«… a Organização dos Estados Americanos carece completamente de moral e direito de julgar e punir Cuba». Discurso proferido por Fidel Castro em 26 de julho de 1964, no décimo primeiro aniversário do ataque ao quartel de Moncada.

«Nossa posição é que esse organismo tem sido um instrumento de penetração e domínio imperialista na América Latina. Nossa posição é que esse organismo terá que desaparecer. Nossa posição é que um dia temos que estar unidos, os povos latino-americanos, para se tornar uma comunidade humana digna de respeito no mundo, unindo nossas forças, para que não sejamos o que somos hoje, que somos vítimas de agressões. É ou não é esgoto? É ou não é porão? É ou não é o Ministério das Colônias Yankee? Historicamente, essa instituição simboliza a opressão imperialista sobre nossos povos e, quando nossos povos estiverem livres, essa instituição desaparecerá. E não será necessário quando houver uma comunidade de povos latino-americanos ». Fidel Castro, entrevista à imprensa, em 4 de dezembro de 1971.

«Será que nessa instituição podre existe um cidh (Comissão Interamericana de Direitos Humanos)? Sim, eu respondo. E qual é a sua missão? Julgar a situação dos direitos humanos nos países

Membros da OEA. Os Estados Unidos são membros dessa instituição? Sim, um de seus membros mais honoráveis. Você já condenou o governo dos Estados Unidos? Não Jamais. Nem os crimes de genocídio cometidos por Bush, que custaram a vida de milhões de pessoas? Não, nunca! Como você cometerá essa injustiça? Nem a tortura da base de Guantánamo? Tanto quanto sabemos, nem uma palavra ». Reflexão de Fidel: «Mais uma vez a podre oea», de 8 de maio de 2009.

“Nunca esqueceremos que a OEA – Organização dos Estados Americanos, fundada pelos Estados Unidos no final de meados do século passado, no início da Guerra Fria – serviu apenas interesses contrários aos da América. Essa organização, justamente qualificada como “ministério de colônias” dos Estados Unidos pelo Ministro das Relações Exteriores da Dignidade, camarada Raúl Roa García, foi a que sancionou Cuba e estava disposta a apoiar e reconhecer um governo fantoche, se tivesse consolidado a invasão mercenária de Playa Girón. A lista de suas ações contra a nascente Revolução Cubana e outros governos revolucionários e progressistas é interminável. Embora nunca tenhamos incentivado outros países a deixarem essa organização, devo reiterar o que foi expresso no Brasil há alguns anos, parafraseando José Martí, que antes que Cuba retorne à OEA, o Mar do Norte se juntará para o Mar do Sul e uma cobra nascerá de um ovo de águia ”». Relatório Central para 7º. Congresso do Partido Comunista de Cuba, apresentado pelo Primeiro Secretário do Comitê Central, Geral do Exército Raúl Castro Ruz, Havana, 16 de abril de 2016.

«O sistema interamericano reativa mecanismos de memória odiosa para a região, como o Tratado de Assistência Recíproca (TIAR) e a OEA desmoralizada, consolidada como instrumento de pressão política dos Estados Unidos e das oligarquias que defendem o neoliberalismo. (…) Sim, a OEA é uma coisa muito feia. E muito cínico. Suas “preocupações” não atingem as profundezas da raiva das pessoas que se levantam contra o neoliberalismo e recebem pellets, gases e lideram protestos pacíficos ». Discurso proferido por Miguel M. Díaz-Canel Bermúdez, Presidente da República de Cuba, no encerramento do Encontro Anti-Imperialista de Solidariedade, pela democracia e contra o neoliberalismo, no Palácio de Convenções, em 3 de novembro de 2019.

Categories: #OEA, Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa Tratado dos Povos da América Trade, Carta Democrática da OEA, contra o governo bolivariano, Dança de máscaras na OEA, Donald Trump liderou um golpe de estado na nação bolivariana, Uncategorized | Etiquetas: , | Deixe um comentário

Quem faz pretextos que inflamam a chama da guerra?

A intenção não é nova, mas a decisão da Casa Branca foi mostrada inescrupulosamente pelo falcão da CIA Mike Pompeo, sob o disfarce de secretário de Estado, quando disse em um comunicado que seu país “continuará a usar todo o peso do poder econômico e diplomático”. dos Estados Unidos »contra o governo bolivariano

Rubio y Bolton, un binomio sin escrúpulos.

A intenção não é nova, mas a decisão da Casa Branca tem exteriorizado falcão sem escrúpulos cia Mike Pompeo, com traje secretário de Estado, quando ele disse em um comunicado que seu país “continuará a usar todo o peso do poder econômico e diplomático dos Estados Unidos »contra o governo bolivariano.
Pouco antes da tomada de posse, Nicolas Maduro, como presidente, Washington anunciou que vai aumentar a pressão “apoiar a democracia Assembleia Nacional (Parlamento) e chamando para a democracia ea liberdade na Venezuela”, ele twittou a casa assessor belicoso e sanguinário segurança nacional branco, John Bolton, bombas de fãs e hoaxes diplomáticas que levam apenas para braços.
Segunda-feira, o chanceler venezuelano Jorge Arreaza Bolton acusou de “promover um golpe de Estado na Venezuela, violando a Constituição, democracia e paz no país.” O Ministério dos Negócios Estrangeiros daquele país denunciou que “esta conspiração, chefiada pelo ministro da Segurança Nacional do governo dos Estados Unidos tenta impor pela força o povo venezuelano um governo fantoche cujo mandato não cumprir a Constituição nem a vontade popular, mas aos interesses das transnacionais norte-americanas, pois tentaram sem sucesso em 2002. ”
Washington subiu media, económicos e financeiros, políticos e de guerra diplomática e as ações de subversão interna contra Caracas para níveis sem precedentes, com o objetivo evidente de derrubar um governo legitimamente eleito, defensor de uma revolução bolivariana beneficiou claramente grande maiorias da cidade.
Depois de resistir duas décadas de ataques e golpes, passando por um registro dos processos eleitorais em que tem enfrentado oposição e ee. . Uu, os rostos do governo Chávez desaparecer los mapa obsessão vil com todas as armas de guerra não convencional, fase de alta intensidade, que é constantemente incitando os militares ea polícia de golpe ditatorial; em que a fome e a escassez são novamente usadas como armas para causar implosão.

inimigos fronteiras da Venezuela aquecido, a fim de fabricar um pretexto para acender a chama da guerra entre países irmãos, para facilitar a intervenção militar do Pentágono. Enquanto mundial apertar a bolsa ignorando as resoluções que tratam da vontade soberana do povo venezuelano, para impor de fora a vontade do império que pressiona com seus milhões e chantagem.
Para serviços especiais, o Conselho de Segurança Nacional e do Departamento de Estado, expoentes armado da extrema direita fascista, é uma continuação de um projeto antichavista tempo que experimentou todos os tipos de operação de inteligência, subversão e orçamentos caros, que vão desde doença rara e imprevista do presidente Hugo Chávez até a declaração injustificada da Venezuela como uma ameaça à segurança nacional dos EUA. pela administração de Barack Obama em seus últimos anos.
Os “legítimos” para o governo de Donald Trump são os golpistas de 2002 que os EUA estimulado e reconhecido; os protagonistas da sabotagem à indústria estratégica de petróleo para a sobrevivência dos venezuelanos; de terrorismo de rua em episódios
desestabilizadores quase anuais; mercenários que tentam contra a paz e roubam recursos nacionais na fronteira; os especuladores financeiros que disparam os preços e as taxas de câmbio para enfurecer as pessoas.
Claro, isso é fraturado, desacreditado e explorados oposição, que sobrevive financiados, treinados e utilizado pela Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), o National Endowment for Democracy (NED), a CIA, o Departamento de Estado, o Pentágono, a Casa Branca, a OEA ea União Europeia, apesar de alertas de respeitar a paz e soberania, com a sua irresponsável comportamento e obsessão cúmplice ee. uu eles só levam a um banho de sangue evitável na Venezuela.
Você não pode esquecer que quando o Governo da Maduro levou à mesa das negociações de paz sob os auspícios de vários negociadores internacionais, incluindo o ex-primeiro-ministro espanhol Jose Luis Rodriguez Zapatero, e estava prestes a ser alcançado um acordo mutuamente vantajoso com A oposição, o vilipendiado de Washington, recebeu ordens expressas de seus senhores para se retirarem e interromper abruptamente o caminho diplomático.

Das últimas declarações de Zapatero surgiu o alerta de que um novo Iraque ou Vietnã eram possíveis na América Latina, sim. uu e a Europa insistiu no caminho errado ao lidar com a questão da Venezuela. Em uma entrevista recente, ele reiterou que “a obsessão” contra esse país é porque “há um interesse econômico e político gigantesco de natureza estratégica sobre o que esse país representa”.
A história mostra que os bons ofícios dessas personalidades iam contra as diretrizes da comunidade de inteligência e do Pentágono, que não renunciam às maiores reservas de petróleo do mundo e a outras riquezas naturais do país sul-americano atacado.
A cumplicidade dos países latino-americanos que se comprometeram a propiciar uma área de paz na região; as posições de poder politicamente oportunistas, historicamente aliadas a nós. uu., mas recentemente espremido pelas ambições da Casa Branca, pode levar a um erro irreparável não só pela estabilidade regional, mas um ataque à segurança internacional.
Ao distribuir equitativamente a riqueza do país ao seu povo e solidariedade com a nossa América, a Revolução Bolivariana da Venezuela ganhou uma liderança regional e internacional, conquistando a admiração e gratidão de milhões de pessoas no planeta, que não ficarão de braços cruzados com a teimosia. dos Estados Unidos em esmagar seu exemplo e apreender sua riqueza.
Uma obsessão tão arcaica e cruel como a Doutrina Monroe, que é considerada uma arma fundamental da política externa dos EUA, é tão antiquada quanto o fascismo derrotado pela humanidade nos anos 40 do século passado. Os alienígenas, que a defendem com nostalgia, são perigosamente ativos. Sim por ee. uu a única carta é a guerra, para o povo venezuelano resistir é a única opção.

2015
Março: O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, declara uma emergência nacional devido à ameaça incomum e extraordinária que, em sua opinião, representa a Venezuela.

2016
Abril: A Comissão de Relações Exteriores do Senado dos EUA aprova projeto de lei para estender, até 2019, as sanções aplicadas aos funcionários do governo nacional.

2017
Fevereiro: O Escritório de Controle de Ativos dos Estados Unidos inclui o vice-presidente executivo, Tareck El Aissami, em uma lista de pessoas ligadas ao narcotráfico, sancionando-a sob a Lei de Designação de Chefes Narcóticos Estrangeiros.
Julho: Após a eleição da Assembléia Nacional Constituinte (ANC), o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, aplicou sanções a vários funcionários públicos da Venezuela e seu Presidente, congelando os bens sujeitos à jurisdição nos Estados Unidos.
Agosto: O Departamento do Tesouro sancionou vários constituintes, prefeitos, governadores e funcionários da Guarda Nacional Bolivariana.
O governo dos EUA por meio da Ordem Executiva 13808, proíbe que os bancos americanos realizem transações com o Governo ou com a Petróleos de Venezuela, s.a., bem como transações em títulos emitidos pelo Estado e pela companhia petrolífera estatal. É a primeira sanção emitida ao sistema econômico e financeiro da Venezuela.

2018
Março: O presidente Donald Trump proíbe transações, o fornecimento de financiamento e outras operações com qualquer moeda digital emitida pelo governo da Venezuela.
Abril: O chefe do Comando Sul dos EUA, Kurt Tidd, declarou que a situação na Venezuela “pode ​​acabar exigindo uma resposta em nível regional”.
Julho: O governo dos EUA sancionou 13 autoridades venezuelanas, ex-oficiais e militares, em uma tentativa de intervir na política local e impedir a eleição de candidatos para o anc.
Agosto: O presidente dos EUA ameaçou a Venezuela, dizendo que eles tinham muitas opções para a Venezuela, incluindo uma possível opção militar.
Novembro: John Bolton, assessor de segurança nacional dos EUA, anuncia novas medidas contra a Venezuela e também contra Cuba e Nicarágua.

Tomado de Granma

Categories: CIA Mike Pompeo, contra o governo bolivariano, John Bolton, Uncategorized, venezuela | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: