O que chamamos CADECA a Yunior Ocidental ou CADECA Yunito? O melhor cliente da ETECSA Ele e Otaola vão casar?

#CubaVive #CubaAbre #SubversionContraCuba #ManipulacionMediatica #CubaViveYSeDefiende

Cuba: Havana recupera as suas opções recreativas .

#CubaViveYSeDefiende #CubaViveYRenace #CubaViveEnPaz #LaRazonEsNuestroEscudo #LaFuerzaDeUnPaiz

Socialismo, Democracia Popular ou Contra-Revolução .

#UnaSolaRevolucion #CubaLibreYSoberana #TuEresElPresidente #UnblockCuba #XCubaYo

Por Fabián Escalante

Mesmo sem ser um estudioso, orgulho-me de ter ouvido, lido ou debatido os discursos, artigos e reflexões de Fidel. Consequentemente, sempre que surge um evento de qualquer natureza que requer análise e compreensão, volto a ele, procuro-o e encontro a solução para as minhas preocupações ou dúvidas, bem como o caminho a seguir.

Mais uma vez hoje, regresso a algumas das suas ideias sobre a democracia socialista e o Partido, expressas no discurso das conclusões do IV Congresso, que pretendo ser um quadro para os critérios que desejo expressar a este respeito. Além disso, estão de acordo com o confronto da trama inimiga em curso.

No evento acima mencionado, salientou, entre outros conceitos, que o sistema eleitoral cubano era o mais democrático dos existentes, porque nomeou – sem politiquice – os candidatos à liderança desde a base ou círculo eleitoral até aos deputados à Assembleia do Poder Popular, o mais alto órgão de liderança do país. Além disso, em relação ao conceito de partido único, salientou que era necessário abrir as fileiras aos crentes e patriotas que aceitassem o seu programa, partilhassem os seus princípios e fossem eleitos pelos seus colectivos. Ele salientou que o Partido único, tal como o criado por Martí para a “guerra necessária”, deveria incluir todos os patriotas, revolucionários, homens e mulheres que desejavam o progresso do nosso povo.

Neles, os conceitos de Partido Único, Democracia e Socialismo foram explicitados para o futuro, e gostaria de salientar que esta intervenção data de 1991, no início do chamado período especial, que surgiu devido ao colapso da URSS e dos países socialistas da Europa de Leste e ao oportunismo imperialista ao pensar que a hora final também tinha chegado para a Revolução Cubana.

Esse acontecimento dramático – o colapso “socialista” – que num curto lapso de tempo transformou o mundo num unipolar, não foi o resultado do trabalho subversivo do inimigo, embora tenham feito esforços nesse sentido. Foram os erros políticos e económicos, as traições internas, o nascimento e desenvolvimento de uma casta burocrática em roupagem socialista, o abandono das ideias e doutrina marxista que foram as principais causas de tal implosão, um processo de gentrificação no seio das organizações comunistas desses países.

No entanto, mesmo nessas circunstâncias, o nosso Partido, como Fidel salientou, estava aberto a todos os revolucionários cubanos, aos patriotas, àqueles que desejavam o progresso do nosso povo. Reafirmou-se assim, no meio da crise económica e social acima mencionada, como o Partido da Revolução Cubana e o seu legítimo e, portanto, único representante, agrupando nas suas fileiras todos os cubanos que queriam prosperidade e continuar na construção de uma sociedade socialista.

O caminho empreendido nesta longa batalha nem sempre tem sido amplo e sem armadilhas, não faltaram retrocessos, erros, falhas e tropeços, mas foi rectificado a tempo, na maioria das vezes devido a alertas do próprio Fidel e de outros líderes.

As recentes críticas do Presidente Díaz Canel na reunião com os Presidentes das Assembleias Municipais do Poder Popular, onde afirmou que muitas das medidas socioeconómicas que estão agora a ser implementadas para melhorar as condições de vida das comunidades afectadas deveriam ter sido tomadas de antemão, foram instrutivas. Além disso, o saudável movimento popular gerado, no qual as pessoas participam activamente e em conjunto com as instituições, na solução de antigos e novos problemas no território, abre expectativas esperançosas.

Por estas razões, a melhoria do trabalho do Partido é fundamental nesta fase, para se aproximar das bases, para compreender que a política deve e deve ser levada a cabo nos territórios em que as organizações partidárias actuam. É lá, na comunidade, nos Conselhos Populares, nos círculos eleitorais, onde o inimigo contra-revolucionário decidiu dar-nos batalha e há muitos exemplos.

É no território onde o Partido deve ser forte, inteligente, agressivo, estabelecer-se como um líder social, não pelo ukase, mas pela autoridade merecida e para isso deve ser reforçado, incluindo os patriotas que aceitam o nosso programa e são representativos da comunidade. Transformar o núcleo zonal numa força de luta política e ideológica, capaz de organizar a LUTA contra a actividade subversiva do inimigo, iluminando o confuso, debatendo e ouvindo opiniões e liderando a sociedade na construção do socialismo.

O inimigo, conhecendo as nossas vulnerabilidades, está a preparar-se para atacar. Nas suas instituições no estrangeiro, formou quadros e desenvolveu uma estratégia de “golpe suave”. Aproveita os danos causados pelo bloqueio feroz imposto, a pandemia, a lentidão com que implementamos medidas económicas já aprovadas, as dificuldades de abastecimento, por vezes mal organizadas por administradores incompetentes; um “ordenado” que em tais condições provocou inflação e desorganização, mesmo na economia familiar, erros ainda por resolver, foram alguns dos factores pelos quais se concluiu que chegou o momento de derrubar a Revolução, o exemplo, a esperança.

Os primeiros incêndios da actual ofensiva foram disparados em frente ao Ministério da Cultura em Novembro do ano passado, depois, quando viram uma fraca resposta, aumentaram as acções, continuando em San Isidro, San Antonio de los Baños, Cárdenas, Centro Habana e outras localidades, e chegaram aos dias 11 e 12 de Julho passado, onde através de um uso intensivo das redes sociais, agitando deficiências, erros, cortes inesperados de electricidade e água, agravando a escassez de alimentos, ao suscitar o terror contra a Revolução, a dimensão excessiva das acções Imperiais para derrubar o governo e a ajuda necessária dos mercenários que, para uma recarga telefónica, são capazes de assassinar polícias, sabotar instituições sociais, pilhar – conseguiram provocar graves perturbações em várias localidades do país, incluindo a capital, que teve de ser confrontada pelos revolucionários e pelas forças da ordem, empenhados em manter a tranquilidade dos cidadãos.

Empunham um discurso em que “direitos humanos”, “debate aberto”, “unidade familiar”, “democracia”, a luta contra a repressão policial, a liberdade criativa, o aparente desaparecimento de barreiras ideológicas e políticas, estão todos a ser promovidos. Entretanto, o bloqueio multilateral Imperial imposto a este pequeno país e a sistemática agressão terrorista, mesmo em tempos de uma terrível e dramática pandemia, está ausente, talvez inexistente, “um pretexto comunista”.

No seu desejo de um golpe, o inimigo apelou a uma greve geral impossível a 11 de Outubro, um dia de não trabalho, enquanto as festividades do dia 10, o feriado nacional, que cai num domingo, foram transferidas para o dia seguinte, segunda-feira 11, que é um feriado nacional. Depois, com um aviso prévio significativo e intencional, apelam à realização de uma “marcha pacífica” a 20 de Novembro, data em que as nossas autoridades tinham decidido abrir o país ao turismo internacional – que dizem estar protegido pela Constituição – algo de errado e manipulado, uma vez que a Constituição é clara e declara o direito de manifestação, mas sempre para “fins lícitos e pacíficos” e para exercer estes direitos “no respeito pela ordem pública e de acordo com as regras estabelecidas pela lei”. Afirma também que a defesa da pátria SOCIALISTA é o dever supremo de todos os cidadãos e que a traição da pátria é o mais grave dos crimes. Não podia ser mais claro.

Plano contra Plano, propôs o Apóstolo, e as nossas ruas pertencem ao povo, pertencem aos revolucionários, porque a democracia é revolucionária e socialista. Actividades como as que tiveram lugar no Parque Trillo, em resposta ao sit-in em frente ao Ministério da Cultura, agora que os centros de estudo e trabalho estão a reabrir, poderiam ser exercidas, sem formalismos, procurando a espontaneidade, a autenticidade da resposta revolucionária, sem fechar o caminho ao debate, à reflexão, ao confronto de ideias, sempre que possível.

As organizações do Partido, as organizações sociais e de massas, os jovens, os mesmos que estiveram na linha da frente na luta contra a pandemia, poderiam gerar um amplo movimento, materializado em actividades públicas, de apoio à Revolução, ao Socialismo, em defesa do nosso sistema social, imperfeito, mas com realizações decisivas em todos os campos da esfera humana, para demonstrar a força da Revolução, o apoio do povo às suas realizações e ao seu programa, com o seu Partido Único à cabeça, liderando na rua, na comunidade, no bairro. Penso que este é o nosso compromisso histórico, para com a pátria e para com Fidel.

Lembrando Silvio, nesta nova batalha, lembro-me das estrofes finais de “Necio”, estreadas no IV Congresso: “Não sei o que é o destino, caminhar eu era o que eu era, lá Deus, que será divino, eu morro como eu vivi, como eu vivi…”.

Anti-Cuban #Youtuber ameaça vandalizar e criar o caos nos #EUA e em #Cuba.

#CubaSoberana #MercenariosYDelincuentes #MafiaCubanoAmericana #EliminaElBloqueo #TerrorismoNuncaMas #MiMoncadaEsHoy #ViviremosYVenceremos #AquiNoSeRindeNadie

Quem tem medo de Humberto López?

Por M. H. Lagarde

Segundo a página contrarrevolucionária Cibercuba, a ativista foi despida por seu “agressor”. Na foto, de vestido curto e chinelos nas mãos, pouco antes de o motorista alugado tirá-la da motocicleta “para não ser apanhada pelo fogo”.

Há vários meses a imprensa contrarrevolucionária da internet tem feito da figura do jornalista Humberto López seu principal alvo de ataque devido às denúncias que costuma fazer no espaço estelar do Noticiário Nacional de Televisão Cubana onde, em mais de uma ocasião, ele revelou as ações de grupos mercenários em Cuba ou com base nos Estados Unidos.

Embora as reportagens do jornalista cubano se baseiem em documentos, vídeos ou áudios de ligações telefônicas que justifiquem cada uma de suas afirmações, seu trabalho profissional tem procurado ser minimizado e desacreditado por constantes linchamentos na mídia.

Como prova da eficácia de suas denúncias, os meios de comunicação anticubanos na web, que nos últimos meses serviram de coro às suaves tentativas de golpe contra a Ilha, além de difamar seu profissionalismo e vida privada, lançaram ameaças de todo cara contra ele e sua família.

Mas a partir das ameaças, típicas dos métodos de guerra psicológica que se praticam na Internet contra quem defende a revolução cubana, alguns dos contra-revolucionários baseados na ilha entraram em ação. Há poucos dias, por exemplo, a mídia contra-revolucionária noticiou o derramamento de chapapote na fachada da casa da família do repórter na cidade de Colón, na província de Matanzas.

O mais recente caso deste tipo de provocação contra este profissional, que, além do recém-concluído 8º Congresso, foi nomeado membro do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba, aconteceu neste sábado, quando uma autodenominada direitos humanos O ativista se aproximou dele surpreso ao sair da casa de um amigo no bairro da capital La Coronela, La Lisa.

La emboscada mediática protagonizada por Yeilis Torres Cruz, miembro de la organización contrarrevolucionaria Unión Patriótica de Cuba (UNPACU), contra el periodista, mediante una directa en Facebook, no puede ser más burda sobre todo si se tiene en cuenta la premeditación con que fue realizada a mesma.

Como pode ser visto nas imagens publicadas pela ativista, que agora tenta se passar por vítima da agressão física do jornalista, a transmissão começa a quase trinta metros da porta do prédio por onde ela aparecerá logo em seguida.

Enquanto caminha em direção a Humberto López, pode-se ouvir claramente dizendo: “Conecte rápido, conecte rápido, isso é importante”, ou o que é o mesmo, conecte rapidamente, vou começar o show.

Então, em um segundo direto, cheio de contradições, a perseguidora, com lágrimas nos olhos, alegou ter sido espancada pelo jornalista e o fez sem mostrar, a não ser por uma corrente quebrada, qualquer prova da reação violenta de Humberto.

Aparentemente, a falsa vítima Yeilis não é novata na representação deste tipo de melodramas. Segundo o estudante de jornalismo Pedro Jorge Velázquez em sua página no Facebook:

“Yeilis Torres Cruz, que é de Santiago e membro da UNPACU, não faz algo assim pela primeira vez. Absolutamente nada! Ela se dedica exatamente a isso: filmar pessoas que não a autorizam com seu celular, violar a privacidade alheia, ofender publicamente em seu perfil no Facebook aqueles que ela considera “delatores bastardos” e fazer escândalos desse tipo. ela, “o comunismo cai.” Humberto não foi procurá-la, ela foi procurar Humberto. Não é a primeira vez que Yeilis coloca o celular na cueca e acusa alguém, sem provas, de tê-la ultrapassado. Como posso saber tudo? Bem, é público em seu Facebook em seu histórico direto e de postagem. Vá ver ”.

Por outro lado, ao contrário do que a maioria das plataformas digitais financiadas por órgãos do governo dos Estados Unidos afirmam que enaltecem esse tipo de ações, o provocador nunca foi promotor. Ela estudou direito na Universidad de Oriente até o quarto ano de onde foi expulsa por fraude. Posteriormente, mudou-se para Havana, onde se dedicou à prostituição até trocar o comércio mais antigo do mundo pelo da contra-revolução.

É mais do que claro que o perseguidor estava esperando em algum lugar do quarteirão que López terminasse sua visita para interpretar sua abordagem contra a privacidade do profissional.

A agressão da mídia, aliás, ocorre poucos dias depois que uma longa lista de jornalistas revolucionários circulou via Telegram, no qual, é claro, o nome de Humberto López não poderia faltar, junto com um apelo aos moradores de jornalistas para bloquearam seu caminho toda vez que tentaram sair de casa. Chance?

Outra prova da premeditação do show protagonizado pelo stalker é que, Yeilis Torres Cruz, mora a duas quadras do local onde aconteceu o direto e foi avisado, por dinheiro? Por um vizinho da presença de Humberto López na casa de seus amigos .

Depois de ser repudiado pelos vizinhos e tentar escapar em uma motocicleta, provavelmente alugada e da qual foi baixada pelo próprio motorista, Yeilis Torres foi à polícia para denunciar o suposto assalto.

Segundo o médico Jorluis Borges Galván, que a atendeu na Policlínica Cristobal Labra, a denunciante recebeu radiografias em ambos os braços sem apresentar fraturas e placa craniana onde não foi observada lesão, nem sinais de agressão ou mutilação. .

Por fim, nem é preciso dizer que nem as listas nem as provocações planejadas vão intimidar ou silenciar os jornalistas cubanos comprometidos com a Revolução e a verdade. Como costuma dizer Humberto López ao final de cada um de seus programas: “Estaremos de volta, em breve, muito em breve, com muito mais”.

A explosão de #LaCoubre: #Cuba resiste ao ataque terrorista e #Fidel convoca #PatriaoMuerte ..

#LaCoubre #Cuba #FidelCastro #PatriaOMuerte #HistoriaDeCuba #HeroesYMartires

Pátria e aproveitadores .

#CubaSeRespeta #CubaEsCultura #TraidoresNoMeRepresentan #MusicaCuban #RedesSociales #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #SubversionContraCuba

Por M. H. Lagarde Redacción Razones de Cuba

O vídeo da canção de vários artistas cubanos que vivem nos Estados Unidos junto com integrantes do chamado movimento San Isidro em Havana pode ser descrito como um hino à auto-ignomínia.

O tema idealizado pelo orixá Yotuel e também interpretado por Gente de Zona e Descemer Bueno, como era de se esperar, nada mais é do que uma instrumentação, em tom urbano, dos clichês que a propaganda anticubana de Miami espalha aos quatro. ventos todos os dias em dezenas de páginas na Internet dedicadas a denegrir Cuba.

Até o título da música em si é um equívoco, se levarmos em conta a participação no vídeo do suposto rapper Maykel Osorbo, pertencente ao Movimento San Isidro, a quem toda Cuba pôde ver, em uma transmissão direta recentemente pelo Noticiero de la televisão cubana, pedindo ao ex-presidente Donald Trump uma invasão militar para varrer a ilha da face da terra.

É essa a vida que seus autores nos prometem depois da tão desejada mudança de regime para a qual o assunto foi escrito?

“Patria y vividores” teria sido, sem dúvida, um título mais adequado, se levarmos em conta que alguns de seus intérpretes, como Gente de Zona e Descemer Bueno, “perceberam a verdade do que estava acontecendo em Cuba” após sucumbindo à chantagem do porta-voz do YouTube da máfia anticubana de Miami, Alexander Otaola, que bloqueou seu acesso ao mercado musical de Miami.

Alexander Delgado e Randy Malcom (Gente de Zona), acusados ​​do grande pecado de celebrar a presença do presidente cubano em um de seus concertos em Havana, num show de vergonhosa “liberdade”, que curiosamente “não os deixava ser eles mesmos Acabaram se desculpando, chorando, em um programa de televisão da Flórida por não terem percebido antes a ‘verdade’ do sofrimento do povo cubano.

No directo de lançamento do vídeo de outrora, Delgado garantiu que queria deixar claro que “não somos pagos por ninguém. Não temos partido, não pertencemos a nenhum partido, simplesmente falamos em nome do povo.

Eles vão ter as pessoas em seus bolsos?

Devem ter um pouco mais de decência e não justificar o egoísmo de sua covardia em nome do povo cubano. Seria muito mais honesto e compreensível se eles simplesmente aceitassem ter sido manipulados, entre pressões e promessas de vilas e piscinas, pelo partido mafioso anticubano que governa Miami para serem usados ​​como porta-vozes das próprias pessoas que afirmam defender. hoje.

Por outro lado, nada é mais banal do que as promessas de mudança e o fim do regime que, dizem, inspiram a música. Eles deveriam perguntar a Willy Chirino o quão ridículo alguém pode se sentir ao perceber que a política, mesmo a mais barata, tem a ver com profecias do tipo Walter Mercado.

Retirado de Cubasi

O verdadeiro pano de fundo das provocações na sede do Ministério da Cultura .

#MINCULT #RevoluciónCubana #Cuba #FakeNewsVSCuba #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #SubversionContraCuba #CubaEsCultura #CubaSeRespeta

Edição especial sobre os eventos do Ministério da Cultura – 27 de janeiro de 2021.

#HacemosCuba #MinisterioDeCultura #Cuba #SubversionContraCuba #ManipulacionMediatica #Provocações #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #FakeNewsVSCuba #CubaNoEsMiami #TenemosMemoria #SomosContinuidad #YoSigoAMiPresidente #CubaSeRespeta #CubaViva #CubaEsCultura

%d bloggers like this: