Os angolanos apoiam a resistência de Cuba contra as agressões dos EUA . #Cuba #Angola #ElBloqueoEsReal #UnBlockCuba

#Cuba #Angola #ElBloqueoEsReal #UnBlockCuba

Prensa Latina
Cuba recebeu novos sinais de solidariedade dos angolanos, que denunciaram aqui as agressões dos Estados Unidos contra a nação das Caraíbas e recordaram o legado histórico de Fidel Castro.

Ao abrigo das medidas de biossegurança impostas pelo Covid-19, um campus educacional em Luanda serviu de cenário para o encontro, para o qual foram convidados diplomatas da ilha, liderados pela Embaixadora Esther Armenteros.

O encontro teve lugar no Instituto Técnico de Saúde “Comandante Fidel Castro Ruz”, um lugar que evoca os estreitos laços de fraternidade entre os dois povos, disse Armenteros e o assessor de imprensa e cultura, Raúl González.

Foi um acto simbólico, com um número reduzido de participantes devido à pandemia, “mas não podíamos ignorar o aniversário de Fidel” a 13 de Agosto, disse o director-geral da escola, Antonio Pacavira.

Segundo ele, “Cuba é o fruto que nunca caiu e nunca cairá”, embora os governos dos EUA mantenham a doutrina Monroe, adoptada desde 1823 sob a ideia de que os países da América Latina cairiam como frutos maduros nas mãos de Washington.

O licenciado em psicologia sublinhou a rejeição internacional do bloqueio económico, comercial e financeiro imposto ao país antilhano há mais de meio século pela potência norte-americana.
Eles punem o povo cubano porque a sua Revolução é um exemplo de solidariedade para com o mundo”, disse o orador, que lamentou o uso de redes sociais para espalhar mentiras e falsas notícias sobre a realidade diária naquele estado insular.

Se Fidel Castro estivesse agora connosco, estaria a apelar à cooperação e solidariedade global para enfrentar o Covid-19, a única forma de pôr fim ao flagelo da doença, disse o intelectual.
Para o seu compatriota Nuno Francisco, chefe da associação de antigos estudantes angolanos formados em Cuba, essa nação poderá sempre contar com o apoio das populações africanas.

“Vim para a Ilha da Juventude (no sul do arquipélago cubano) quando tinha apenas 13 anos de idade e voltei depois de terminar a universidade; é por isso que digo sempre que sou filho de duas revoluções, de dois povos irmãos”, disse ele.

Segundo o professor reformado Viegas Baptista, ele fez parte dos primeiros grupos de jovens angolanos formados na maior ilha das Antilhas, onde nasceu o seu filho primogénito e anos mais tarde as suas duas filhas estudaram medicina.

Aos 67 anos de idade, disse ao Prensa Latina, sente-se “regozijado e feliz” com uma experiência de melhoria cultural, que também lhe deu a oportunidade de ensinar bolsistas do seu país em Cuba.
“Ensinei português e a geografia e história de Angola, que foram essenciais na educação desses estudantes, longe da sua pátria”, disse ele.

A Universidade de Havana realizou uma cerimónia de graduação para estudantes angolanos.

#Cuba #Angola #EstudiantesAngolanos #CubaCoopera #FidelCastro

A Universidade de Havana (UH), tendo em conta a situação epidemiológica actual na capital, realizou esta manhã, 20 de Agosto, na Aula Magna, de forma excepcional, simples, mas sentida, a cerimónia de atribuição de diplomas a estudantes de nacionalidade angolana, licenciados do curso 2021 desta casa de estudos superiores.

Apesar do panorama adverso que existe há vários meses, as universidades em Cuba têm-se mantido activas, desenvolvendo um importante conjunto de tarefas para enfrentar o Covid-19, e a atenção às linhas estratégicas de desenvolvimento. Em particular, a atenção e o cuidado dos estudantes estrangeiros no nosso país, incluindo os 21 estudantes angolanos que concluíram com sucesso os seus estudos e estão agora a formar-se na pátria de José Martí e Fidel Castro.

A cerimónia foi presidida pelo Dr. C. Miriam Nicado Garcia, membro do Comité Central do Partido Comunista de Cuba e Reitor da Universidade de Havana; Sr. Elio dos Santos, Primeiro Secretário da Embaixada de Angola em Cuba; Dr. C. Marian Hernandez Colina, Vice-Reitor de Formação; Dr. C. Zareska Martinez Remigios, Secretário-Geral e Jose Julian Diaz Perez, Presidente da Federação dos Estudantes Universitários da Universidade de Havana.

Também estiveram presentes directores universitários, pessoal diplomático, reitores e vice-reitores das faculdades com licenciados (Faculdade de Contabilidade e Finanças, Faculdade de Comunicação, Faculdade de Economia e Faculdade de Direito).

Após receber o diploma de licenciatura, Domingos Carlos da Conceição Rodrigues, licenciado em Direito, disse no seu discurso em seu nome:

Foi um período difícil, longe da família, aprender uma nova língua, e as exigências da carreira que tínhamos escolhido; mas tudo foi superado graças ao apoio dos professores que nunca abandonaram o seu principal objectivo: formar futuros profissionais.

A formação dos profissionais angolanos em Cuba data de 1976, e os laços de amizade entre a República de Cuba e a República de Angola reforçam-se a cada ano, com base na solidariedade e fraternidade entre os dois povos, um legado que nos exaltou durante décadas, contribuindo para a melhoria do indivíduo, tanto a nível profissional como pessoal.

Agradeceu também ao governo angolano por confiar neles e ao governo cubano por os acolher.

Posteriormente, a Dra. C. Marian Hernández Colina, Vice-Reitora de Educação da Universidade, fez as observações finais, nas quais afirmou que no ano académico em curso, 2021, há 29 países representados na UH, com 162 estudantes estrangeiros que decidiram empreender a sua formação no nosso país. Hoje, 21 estudantes angolanos completaram os seus estudos de um total de 42 estudantes daquela nação irmã que se encontram nas nossas salas de aula. No final do seu discurso e felicitando os licenciados, a Vice-Chanceler salientou: A sua Universidade de Havana, como a sua Alma Mater, terá sempre os braços abertos para novos estudantes e para reforçar a formação que está a concluir hoje.

(Extraído do website da Universidade de Havana)

Milhares de profissionais de saúde cubanos destacados em quase 40 países para apoiar a luta contra o coronavírus.

#RTenEspañol #Cuba #Coronavirus #CubaSalva #EEUUBloquea #BrigadaHenryReeve #SubversionContraCuba #CooperacionMedicaCubana #Angola #ForaTrump #Mexico #ElBloqueoEsReal

Eles prestam homenagem em Angola ao Comandante Raúl Díaz-Argüelles no 45º aniversário de sua morte.

#Angola #LaEpopeyaDeAngola #CubaCoopera #45Aniversario #RaúlDíazArgüelles #EmbajadaDeCubaEnAngola

Luanda, 11 de dezembro (Prensa Latina) Ao pé da sepultura do Comandante Raúl Díaz-Argüelles, no cemitério aqui no Alto de las Cruces, prestaram homenagem hoje aos internacionalistas cubanos mortos em combate em Angola.

Sob as condições restritivas da Covid-19, apenas um pequeno grupo de gerentes e trabalhadores da corporação Antex e diplomatas daquele país caribenho pôde participar da reunião em nome dos mais de mil compatriotas que atualmente fornecem ajuda neste país africano .

Conhecido aqui em tempos de guerra como Domingo da Silva, Díaz-Argüelles perdeu a vida na madrugada de 11 de dezembro de 1975 na comuna de Hengo, província de Cuanza Sur, durante a Batalha de Ebo.

Esse confronto épico foi decisivo e a vitória ficou a dever-se principalmente a Díaz-Argüelles, que “se tornou uma lenda na história moderna de Angola”, disse o então Ministro da Defesa deste país, Iko Carreira.

Na placa colocada no cemitério do Alto de las Cruces, em Luanda, consta também o nome do chefe militar cubano, cujos restos mortais foram transferidos anos depois para o solo nacional.

Uma jovem integrante do grupo Antex, Ariadna Rendón, encarrega-se desta vez de relembrar esses acontecimentos, expressão da solidariedade e do altruísmo de um povo que não hesitou em responder ao pedido de ajuda militar feito em 1975 pelo primeiro presidente do Angola, António Agostinho Neto.

Promovido postumamente ao posto de Brigadeiro General em 2 de dezembro de 1976, Díaz-Argüelles também foi homenageado com o título honorário de Herói da República de Cuba e em 2019 foi condecorado post mortem com a Ordem Agostinho Neto, a maior distinção que concedida ao Estado angolano.

O legado desses internacionalistas, disse o representante da Antex, inspira os atuais colaboradores cubanos, que prestam seus serviços na construção, saúde, educação e outras áreas socioeconômicas.

Profissionais das maiores das Antilhas participam hoje na luta contra as doenças, na alfabetização de crianças, mulheres e homens, na educação universitária e de nível médio, na formação de quadros do setor saúde, ‘para que a pátria de Neto continuar a avançar como uma referência social e económica para África ”, sublinhou.

Papai .

#LaEpopeyaDeAngola #Cuba #CubaCoopera #RaúlDíazArguellesGarcía #EmbajadaDeCubaEnAngola #NatashaDíazArgüelles

Por: Natasha Díaz-Argüelles

Havana, 11 de dezembro de 2020

Há cinco anos, graças ao convite do governo angolano e com o apoio da embaixadora de Cuba em Angola, Gisela García, pude realizar um sonho que durante 40 anos se guardou no meu coração: ir ao lugar onde estava uma mina O antitanque interrompeu a vida de meu pai, Raúl Díaz-Arguelles García em 11 de dezembro de 1975.

Cuba: Raúl Díaz Argüelles

Na ocasião, escrevi uma crônica de viagem, para que todos pudessem saber, em primeira mão, como foi a viagem até aquele lugar remoto no meio da selva; e como soube o que aconteceu naquele acidente fatídico que acabou com a vida dele.

Hoje, 45 anos depois de sua morte, gostaria de relembrar aqueles momentos que vivi viajando para o desconhecido.

Angola, 11 de dezembro de 2015.

Estamos no Sumbe, sairemos daqui a algumas horas ao encontro da História. Passaram 40 anos desde a morte de Raúl Jaime Díaz-Arguelles García, Domingo da Silva pelos angolanos, general de brigada e Herói da República de Cuba; Pretendo realizar o meu sonho e compromisso de ir ao seu encontro, refazer os seus passos e conhecer as suas últimas horas no meio da selva, lutando ao lado dos camaradas angolanos, onde uma mina antitanque destruiu a sua artéria femoral e ele morreu horas depois.

Cubainformacion - Artículo: Angola: Ebo rinde tributo a Díaz Argüelles a 40  años de su caída en combate

Levantamos cedo no acampamento dos colaboradores cubanos naquela cidade, o grupo de expedicionários formado por funcionários da Embaixada de Cuba e alguns colaboradores selecionados. Preparamo-nos para sair às 5:30 da manhã. Tempo úmido, previsão de chuva para a cidade de EBO, nosso destino final.

Chegamos primeiro ao Palácio do Governo e já nos esperava o general Eusebio de Brito Texeiras, governador da província de Cuanza Sul. Depois de visitar o governo, nos preparamos para partir. O general Eusebio deu as instruções do percurso e a caravana partiu às 6 da manhã. Estaria presente nesta aventura uma delegação muito numerosa, generais angolanos que lutaram com o meu pai, representantes da província do Cuanza Sul e dirigentes governamentais. Nosso jipe ​​coincidentemente estava em 4º em ordem.

A viagem foi longa, tínhamos que chegar ao município de Ebo e seguir até a aldeia de Hengo, onde faleceu, e onde foi construído um pequeno obelisco de pedra, feito pelos construtores da UNECA. O percurso do Sumbe a Condé foi bom, conseguimos avançar sem problemas, o asfalto facilitou o andamento. Pudemos apreciar a grandeza da natureza africana, suas paisagens deslumbrantes, vegetação, rios caudalosos, cachoeiras. Eles me disseram que os moradores locais enterraram seus chefes no topo das montanhas, em tumbas circulares feitas de pedras, e os fizeram sentar. Quanto mais alta a tumba, mais alta é a classificação dentro da aldeia. Que tradição!

Raúl Díaz Argüelles | Cubadebate

Ao chegarmos a Condé, paramos onde era o posto de comando das tropas cubanas e angolanas, naquela casa, hoje posto policial, foi traçada a estratégia do Combate EBO, operação que Domingo da Silva dirigiu com muita habilidade e onde o inimigo ele foi repelido com sucesso, sofrendo uma derrota esmagadora. A partir desse momento, como todos os estudiosos do conflito africano da década de 1970 reconheceram, o curso da guerra na Frente Sul mudou. Foi uma vitória decisiva nessa circunstância. As tropas revolucionárias foram fortalecidas em força e meios e preparadas para desenvolver algumas ações ofensivas que criariam as condições para posteriormente passar para uma ofensiva geral.

Iko Carreira, Ministro da Defesa angolano em 1975, escreveu: “A Batalha de Ebo foi decisiva e a vitória deveu-se sobretudo a Díaz-Argüelles, que se tornou uma lenda na história moderna de Angola.”

Continuamos a caminho de Ebo, pelo caminho pude ver o cenário da batalha, as pontes destruídas, onde se situavam as emboscadas das tropas cubanas / angolanas que fizeram o funil às tropas sul-africanas e as fecharam com fogo de artilharia; Pude viver aquele momento ouvindo as palavras de Jorge Crespo, marido da Embaixadora de Cuba, Gisela García, contando-me a história. Jorge, pôde dar-me todos estes esclarecimentos pelas visitas anteriores que fez ao local e pelos seus encontros na fase de preparação do dia, com os generais angolanos Luís Fasceira, M´Beto Traça, Coronel Trocado e outros combatentes que foram companheiros de luta. do meu pai. A partir daqui, as condições da estrada tornaram-se mais difíceis. A chuva tornou quase inacessível a passagem por esses lugares, mas a determinação e a vontade de chegar tornaram essa façanha possível.

Raúl Díaz Argüelles | Cubadebate

A viagem durou cerca de uma hora, os carros tinham que andar devagar, encontramos lagoas lamacentas a cada passo. Passamos por muitos vilarejos onde seus habitantes ficavam na beira da estrada para se despedir. Um caminho construído dias antes para tornar mais viável a chegada. Então pensei, como teria sido há 40 anos essa estrada intransitável que aqueles bravos soldados tiveram que percorrer em BTR e a pé.

Chegamos ao município de Ebo e continuamos em direção a Hengo, a cada minuto que passava meu coração batia mais forte. Muito menos estar no mesmo território onde ocorreu a explosão da mina antitanque.

Em seguida, passamos por uma ponte feita de troncos de árvores, e alguns metros acima de uma colina chegamos ao local onde há 40 anos a coluna de veículos blindados automotores, BTRs, estava pronta para ir ao resgate de um grupo de cubanos presos no fogo. dos sul-africanos. Num local isolado, ladeado por montanhas de aspecto muito estranho, por se tratarem de pedras gigantescas quase lisas, foi erguido um modesto obelisco que lembra a passagem do herói.

Não tenho palavras para descrever aquele momento em que meus olhos viram este lugar mítico, um lugar que por tantos anos tentei imaginar. Mais de cem habitantes de Ebo, 400 quilómetros a sul de Luanda, reuniram-se para o homenagear.

Na descida, os sobas da região (autoridades religiosas) deram-nos as boas-vindas, passaram uma pomada verde-amarelada nas nossas mãos, abençoaram-nos por chegar lá. De repente, eu estava na frente do obelisco, e comecei a imaginar aqueles momentos em que a coluna começou sua jornada, o momento da explosão da mina blackmore americana, reforçou o poder da explosão com um ou dois projéteis de morteiro de 60 mm, como eles tiraram meu pai do BTR destruído, como eles trataram o resto dos companheiros feridos, como apesar de seus ferimentos fatais ele continuou a dar instruções, como eles o carregaram, o colocaram em um jipe ​​e em toda a velocidade que aquele carro permitia, eles o levaram para o posto médico.

Não pude suportar tanta dor e emoção: as lágrimas começaram a escorrer, eu queria contê-las mas não pude, 40 anos de dor no coração, 40 anos de angústia, de repente desatadas. Fui até o obelisco e coloquei 9 rosas vermelhas nele e disse: “Papai, estou aqui, descanse em paz.”

O ato de memória começou e de repente, eles me dariam um presente, os habitantes de EBO me declararam “Embaixador de Ebo em Cuba e no mundo”. Foi uma cerimônia muito bonita, eles me vestiram com suas roupas de gala, colocaram uma cesta com frutas e milho na minha cabeça. A partir daquele momento ela seria filha daquela terra, e meu pai soube então que ela era “o homem branco de óculos escuros que veio de longe para ajudá-los”. Em seguida, canções, discursos e por volta das 12h30 do dia terminaram em meio a um grande aguaceiro. Segundo os nativos tinha que chover, era uma homenagem de seus deuses ao meu pai.

Depois, o retorno, para voltar da mesma forma que chegamos a este lugar inóspito. Comece a volta, com a chuva sobre nós, mas satisfeito com o dever cumprido. Chegamos ao Sumbe depois de duas horas de estrada, lá no aeroporto militar um helicóptero esperava por nós para nos levar para Luanda. Subimos e começámos a subida, para podermos apreciar as maravilhosas terras angolanas de cima, foi sem dúvida uma grande oportunidade, um espectáculo impressionante. Decorrida uma hora e 20 minutos, aterrámos no aeroporto de Luanda, onde nos esperava o General Francisco Lopes Gonçalves Afonso “Hanga”, Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica Angolana.

Assim terminou esta bela odisseia, indo ao encontro do meu pai, e refazendo o seu último dia de vida no meio da selva angolana. O meu coração sangra de dor, mas da mesma forma, com a mesma intensidade, orgulho-me de ter realizado este sonho, que durante 40 anos viveu em mim: regressar por esses caminhos, pelos seus passos, à procura dele e da História , assim, com letras maiúsculas.

Agora, se eles estão na cara, todos clamam por uma invasão armada contra Cuba..

#TodosSomosGuerrero #CubaSeRespeta #AquiNoSeRindeNadie #TerrorismoNuncaMas #TerrorismoMadeInUSA #SubversionContraCuba #PorCubaSocialista #FidelEntreNosotros #YoSoyFidel #FielesANuestraHistoria #MercenariosYDelincuentes #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #OperacionTributo

Homenagem e continuidade.

#LaEpopeiaDeAngola #InternacionalistasDeAngola #HeroesYMartires #OperaciónTributo #cUBA #HistoriaDeCuba

Autor: Eduardo Palomares Calderón | internet@granma.cu

Autor: Yisel González Fuentes | yisefuentes@gmail.com

Autor: Alfredo Herrera Sánchez | internet@granma.cu

Cuba reverenciou ontem o retorno, há 31 anos, dos restos mortais de seus filhos mortos em missões internacionalistas; o 86º aniversário do nascimento de Frank País García e o 124º aniversário da morte em combate de Antonio Maceo.

O Titã de Bronze encarna o patriotismo viril com a frase que semeou na idiossincrasia ideológica de nosso povo: “Não queremos paz sem independência.” De Frank, o General do Exército Raúl Castro disse: «Com pouco mais de 20 anos, tinha a estatura de um verdadeiro político, a maturidade de um lutador experiente, a ferocidade combativa de um veterano, a tenacidade de um homem convicto e coragem pessoal. de um combatente da linha de frente. ‘

Los caídos en misión internacionalista recibieron el tributo de la dirección el país y del pueblo de Cuba.

Os mortos em missão internacionalista receberam a homenagem da liderança do país e do povo cubano. Foto: Eduardo Palomares

Como se fosse hoje, Fidel afirmava: «Um excelente exemplo são as mães, filhos, irmãos e esposas dos nossos irmãos falecidos. Sem exceção, eles viveram até o sacrifício supremo da pessoa amada. Eles souberam transformar sua dor profunda, que abalou todos os cantos de Cuba durante a Operação Homenagem, em mais amor à pátria, em maior fidelidade e respeito pela causa pela qual o ente querido deu a vida conscientemente. Um povo capaz dessa façanha, o que não faria se chegasse a hora de defender sua própria terra! ‘

As oferendas de flores do general do Exército Raúl Castro, do presidente Miguel Díaz-Canel, do chefe da Assembleia Nacional do Poder Popular, Esteban Lazo, da Associação dos Combatentes da Revolução, do povo e dos parentes dos internacionalistas, no cemitério de Santa Ifigenia; A voz da pequena pioneira, em Cacahual, feliz “por viver numa Cuba livre, soberana e segura, onde todos os direitos são respeitados”, e dos cadetes, sentindo-se seus herdeiros, são uma profunda convicção de continuidade.

Presididos: General do Corpo de Exército Álvaro López Miera, Vice-Ministro das FAR e Luis Antonio Torres Iríbar, Primeiro Secretário do Comitê Provincial do Partido em Havana, durante o 124º aniversário da queda em combate do General-de-Brigada Antonio Maceo Grajales, seu assistente Panchito Gómez Toro, e 31 anos da Operação Homenagem. Foto: Ariel Cecilio Lemus

Como se fosse hoje, Fidel afirmava: «Um excelente exemplo são as mães, filhos, irmãos e esposas dos nossos irmãos falecidos. Sem exceção, eles viveram até o sacrifício supremo da pessoa amada. Eles souberam transformar sua dor profunda, que abalou todos os cantos de Cuba durante a Operação Homenagem, em mais amor à pátria, em maior fidelidade e respeito pela causa pela qual o ente querido deu a vida conscientemente. Um povo capaz dessa façanha, o que não faria se chegasse a hora de defender sua própria terra! ‘

As oferendas de flores do general do Exército Raúl Castro, do presidente Miguel Díaz-Canel, do chefe da Assembleia Nacional do Poder Popular, Esteban Lazo, da Associação dos Combatentes da Revolução, do povo e dos parentes dos internacionalistas, no cemitério de Santa Ifigenia; A voz da pequena pioneira, em Cacahual, feliz “por viver numa Cuba livre, soberana e segura, onde todos os direitos são respeitados”, e dos cadetes, sentindo-se seus herdeiros, são uma profunda convicção de continuidade.

presidiu: General Exército Alvaro López Miera, vice-ministro das FAR e Luis Antonio Torres Iribar, primeiro secretário do Comitê Provincial do Partido em Havana, durante o 124º aniversário da morte em combate do Major General Antonio Maceo Grajales, seu assistente Panchito Gómez Toro e o 31º aniversário da Operação Homenagem. Foto: Ariel Cecilio Lemus

Com a força de Maceo, Cuba acompanhou a África para se libertar do apartheid .

#Maceo #YoSoyFidel #Angola #JoseMarti #HistoriaDeCuba #TenemosMemoria #RevolucionCubana

Autor: José LLamos Camejo | internet@granma.cu

Uma bala o atravessou em San Pedro, em 7 de dezembro de 1896, mas não o deteve ali, onde a pátria o acolhe; O general Antonio cavalga irredutível em sua ilha. Aquela “tempestade a cavalo” que nosso apóstolo viu no Titã de Bronze, mais do que uma bela e bela metáfora, foi uma premonição.

O herói de Duaba, Mântua, Baraguá, Peralejo, açoitou viril em Santiago, quando Fidel explicou os motivos que o levaram a atacar o Moncada, e avisou, perante os que o julgavam, que primeiro a ilha afundaria no mar antes de consentirmos não sejam escravos de ninguém. O Chefe da Revolução invocou “o exemplo glorioso de nossos heróis e mártires” e os sintetizou em cinco nomes: Céspedes, Agramonte, Maceo, Gómez e Martí.

ANTONIO MACEO bARAGUA

Seu facão e sua armadura de Titã foram o que Cuba ergueu nas pastagens da África. O seu espírito e ideais emancipatórios erradicaram, daquele continente, o vergonhoso regime do apartheid, para que Angola, Namíbia, Etiópia e outras geografias ficassem livres da morte e da segregação imposta pelo regime neocolonial.

Cuba, que carrega o sangue africano nas veias, teve o privilégio de lutar e construir, junto com as nações daquele continente, uma nova ordem de convivência, unida na busca da felicidade, da igualdade e do bem-estar de todos os seus filhos, superar as consequências do colonialismo, da escravidão e do ódio às raças. Não poderia ser de outra forma, quando nossa nação surgiu na luta pela independência e pela abolição da escravidão e teve em homens como Maceo essa inspiração e força.

Hoje os zanjoneros estão se agitando novamente, tentando dividir e confundir. Mas novamente Maceo, com tanta força em sua mente quanto em seu braço, levanta-se aos milhões. E com ele Panchito Gómez, no Trillo ou em qualquer outro parque, universidade ou lugar de Cuba.

Maceo permeou o espírito e o corpo desta ilha, que hoje se levanta contra o ambicioso inimigo. Eles não podem mais nos vencer. Qualquer dia de dezembro, de qualquer ano, reiteraremos aos zanjoneros e seus mentores: Não nos entendemos!

Angola reportou 108 casos e um óbito em 24 horas.

#Angola #Saude #Coronavirus #Politica #Epidemia

Retirado do Jornal Angola

No habitual encontro com jornalistas, no Centro de Imprensa Aníbal de Melo (CIAM), sobre a evolução da pandemia no país, Franco Mufinda esclareceu que dos 108 casos anunciados, 79 foram notificados em Luanda, 15 no Cuanza-Norte, 12 no Huambo e dois na província da Huíla.  De acordo com o secretário de Estado, os infectados têm idades entre 1 e 66 anos, sendo 55 do sexo masculino e 53 do sexo feminino. 


  Na capital do país, os casos foram notificados nos municípios de Belas, Ca-zenga, Cacuaco, Quiçama, Kilamba Kiaxi, Viana, Talatona e nos distritos urbanos da Ingombota, Samba, Rangel e  Maianga.    Em relação à morte, Franco Mufinda informou que ocorreu na província do Namibe. Trata-se de um angolano de 47 anos.  Relativamente às recuperações, 42 registaram-se em Luanda, 38 na Lunda-Sul e 13 na província do Huambo.  

Com estes dados, o país contabiliza 14.742 casos confirmados, dos quais 338 óbitos, 7.444 recuperados e 6.960 activos. Deste número, cinco estão em estado crítico a receber tratamento por ventilação mecânica invasiva, 13 em situação grave, 181 são considerados moderados, 191 têm sintomas leves e 6.570 assintomáticos.   

O secretário de Estado informou que nos centros de tratamento da Covid-19, a nível do país, estão internados 390 doentes. Em quarentena institucional estão 399 cidadãos e 4.168 sob investigação epidemiológica.  Nas últimas 24 horas, o Centro Integrado de Segurança Pública (CISP) registou 103 chamadas, todas relacionadas a pedidos de informação sobre a pandemia da Covid-19. O Laboratório de Biologia Molecular processou 2.260 amostras, das quais 108 foram positivas.   Desde o início da pandemia, em Março, foram processadas 219.969 amostras, das quais 14.742 obtiveram resulta-do positivo. 
 Franco Mufinda voltou a apelar aos cidadãos para o cumprimento rigoroso das medidas de biossegurança, nomeadamente o uso correcto da máscara facial, lavagem frequente das mãos com água e sabão ou higienizá-las com álcool em gel e o respeito do distanciamento físico. 

Presente da arte cubana para um sítio histórico angolano.

#Angola #Cuba #LaEpopeyaDeAngola #CubaCoopera #45Angola

Retirado do site da Embaixada de Cuba em Angola.

O Memorial Dr. António Agostinho Neto, que homenageia o primeiro presidente de Angola, recebeu ontem uma doação de arte do pintor cubano Yasiel Palomino, para testemunhar a irmandade entre os dois povos.

É uma pintura que recria a imagem de Neto nos momentos de fundação do Estado no final de 1976, quando a proclamação da independência foi ameaçada por poderosas forças externas e os laços com a maior das Antilhas abriram um caminho sem precedentes de solidariedade internacionalista .

Um porta-voz da missão cubana nesta capital disse que se trata da sua “pequena contribuição” para as comemorações do 45º aniversário da independência angolana (11 de Novembro de 1975) e dos 45 anos das relações diplomáticas bilaterais.

Novembro é um simbolismo especial para as duas nações, disse a embaixadora Esther Armenteros no evento, relembrando esses acontecimentos, assim como as lideranças de Fidel Castro e Agostinho Neto, que partilhavam uma profunda amizade e ideais revolucionários.

Em Novembro de 1975 chegaram aqui os primeiros combatentes internacionalistas da ilha, a responder ao pedido de ajuda de Neto, e nesse mês angolanos e cubanos lutaram juntos nas batalhas de Cabinda e Quifangondo contra agressores externos, recordou.

Segundo Armenteros, Fidel e Neto foram dois grandes homens que marcaram a história dos dois países, dedicando a vida inteiramente à conquista da liberdade, da independência e do bem-estar do povo, e esse legado, aconselhou, deve ser transmitido às novas gerações.

Para António Antunes Fonseca, diretor do Memorial, a presença cubana foi fundamental não só a nível militar; Foi com esta ajuda que Angola conseguiu formar os quadros necessários para a refundação do Estado, uma vez que aquele projecto emancipatório não se podia construir com base no património colonial, considerou.

O responsável também destacou a colaboração nas áreas da saúde, educação, economia e outras esferas, porque “em todos os aspectos a presença de Cuba foi notória, antes e agora também”, resumiu.