#Unicef e Cuba em oficina de neonatologia associada ao Covid-19.

#UNICEF #CubaPorLaVida #CienciaEnCuba VacunasCubanas #Covid-19

Prensa Latina

O Dr. Guillermo Agustín Zambosco, chefe de Neonatologia no hospital italiano de La Plata, Argentina, dará palestras relacionadas com a recepção e estabilização de bebés prematuros na sala de parto e na unidade neonatal quando os bebés nascem de mães positivas para a SRA-Cov-2.

O também presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Saúde Materna e Infantil, será responsável por temas como a amamentação e a pandemia, a nutrição de bebés prematuros, e a restrição do crescimento intra-uterino como uma possível sequela desta terrível doença.

O Workshop Nacional de Actualização sobre a gestão de recém-nascidos prematuros extremos e críticos no contexto do Covid-19 terá início na próxima sexta-feira com convidados estrangeiros e representantes da UNICEF.

Outros tópicos relacionados, tais como a sepse neonatal, o seu diagnóstico e tratamento, bem como transfusões de glóbulos vermelhos e plaquetas, serão discutidos ao longo de dois dias.

O programa do segundo dia incluirá uma troca de pontos de vista de chefes de departamentos neonatais e outros professores neonatais sobre novos conhecimentos e abordagens ao apoio ventilatório não-invasivo, cuidados de enfermagem no doente crítico e lesões associadas ao ventilador.

Conseguir excelentes cuidados com o recém nascido prematuro, actualizar a gestão nutricional, aprender sobre critérios para a administração de produtos sanguíneos, optimizar o uso de antibióticos nos primeiros dias de vida e formar especialistas nas diferentes modalidades respiratórias são alguns dos objectivos do encontro.

Aumentar a qualidade, competência e desempenho do pessoal de saúde responsável pelos cuidados neonatais, reduzir a desnutrição pós-natal e alcançar indicadores de excelência nos cuidados e atenção ao recém-nascido também fazem parte dos resultados esperados deste evento patrocinado pela nação das Caraíbas.

mgt/dia/alb

Candidato à vacina cubana com o antigénio Omicron pronto.

#CienciaEnCuba #CubaPorLaSalud #VacunasCubanas #CIGB

Autor: Liz Conde Sánchez | internet@granma.cu

O Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia (CIGB) já tem a vacina candidata contendo o antigénio da variante do SRA-CoV-2 Omicron, que irá continuar, a partir de agora, com as correspondentes avaliações pré-clínicas e clínicas.

La noticia se dio a conocer en reunión técnica con las máximas autoridades de BioCubaFarma Foto: José Manuel Correa

Isto foi anunciado pelo membro da Mesa Política do Comité Central do Partido e directora geral do CIGB, Dra. Martha Ayala Ávila, durante uma reunião técnica com as mais altas autoridades do Grupo Empresarial BioCubaFarma, onde ela informou que, no futuro imediato, irão continuar com as avaliações pré-clínicas e toxicológicas em modelos animais, passando depois à fase de estudos clínicos, em conjunto com o Centro de Controlo Estatal de Medicamentos, Equipamentos e Dispositivos Médicos (Cecmed) e o Ministério da Saúde Pública (Minsap).

A partir da sede do CIGB, o director explicou que o novo candidato a vacina se baseia na sequência do RBD, o domínio receptor de ligação das células humanas, através do qual este tipo de coronavírus penetra.

Até agora, disse ele, a sua imunogenicidade foi avaliada em modelos animais, e foi demonstrado que tem a capacidade de induzir uma elevada imugenicidade.

Portanto, afirmou, “estamos agora em condições de enfrentar o desenvolvimento desta candidata à vacina, a fim de continuar a acumular estudos pré-clínicos, realizar estudos clínicos e, o mais rapidamente possível, analisar quando estaríamos em condições de utilizar a candidata à vacina na população”.

Ayala Ávila salientou também que, com base no seu domínio tecnológico, o CIGB tem a capacidade de produzir este candidato a vacina nas suas plantas, de se ligar aos Laboratórios AICA, e de realizar estudos clínicos em coordenação com o Minsap, sempre com a aprovação da autoridade reguladora cubana.

O membro do Bureau do Partido Político salientou que, desde que o CIGB começou a trabalhar no desenvolvimento de candidatos à vacina anti-COVID-19, tem estado atento à evolução do vírus e, com base no seu domínio da plataforma tecnológica utilizada para desenvolver a vacina Abdala, tem também vindo a obter antígenos vacinais de outras variantes.

“Tínhamos antigénios vacinais baseados nas variantes Alfa, Beta, Gamma e Delta no laboratório, e quando a variante Omicron apareceu e se tornou uma variante preocupante, trabalhámos então na obtenção do antigénio para nos proteger dela”, disse ela.

Martha Ayala Ávila, directora general del CIGB, centro dasarrollador del nuevo candidato vacunal contra la variante Omicron Foto: José Manuel Correa

Ayala Ávila salientou que a maioria das vacinas existentes são baseadas na variante D614G (detectada em Wuhan), mas nos últimos dois anos e meio o vírus evoluiu, introduzindo novas mutações em áreas importantes da sua estrutura que têm a ver com a sua capacidade de infectar e transmitir, e que podem escapar à resposta imunológica induzida em indivíduos por infecções ou vacinas anteriores.

Acrescentou que as vacinas actuais, incluindo as vacinas cubanas, conseguiram aumentar a imunidade, induzir uma resposta potente ao vírus e controlar os surtos pandémicos, mas estas variantes de Omicron estão a afastar-se da original, e é pertinente pensar num novo candidato a vacina para aumentar no futuro.

Precisamente sobre este assunto, o Dr. Eduardo Martínez Díaz, presidente da BioCubaFarma, disse que a estratégia com este candidato a vacina é utilizá-la se, no futuro, for necessária uma nova reactivação, como as previsões científicas parecem indicar, e para o qual os trabalhos estão a ser acelerados.

Este candidato, acrescentou ele, seria mais eficaz em termos de neutralização contra as novas variantes que estão a ser derivadas da Omicron, e representa uma vantagem em termos de antecipação de outras possíveis variantes que possam surgir.

Ambas as autoridades científicas salientaram que, por enquanto, o reforço será efectuado com as vacinas actuais, que demonstraram capacidade de resposta imunológica contra as variantes da SRA-CoV-2.

Finalmente, Martha Ayala Ávila disse que “vamos tentar fazer avançar o candidato à vacina o mais rapidamente possível, mas não podemos deixar de fazer as coisas que são exigidas por lei, cumprindo as boas práticas de fabrico”.

The Washington Post lo reconoció!

#CubaSalva #CubaPorLaSalud #VacunasCubanas #ElBloqueoEsReal #SancionesMadeInUSA

As vacinas cubanas são as mais seguras do mundo, dizem as autoridades mexicanas .

#CubaEsSalud #VacunasCubanas #ElBloqueoEsReal #CubaViveYTrabaja

Cidade do México, 14 de Junho (Prensa Latina) As vacinas cubanas estão entre as mais seguras do mundo, incluindo a vacina pediátrica Abdala contra Covid-19, disse hoje o subsecretário de saúde do México, Hugo López-Gatellis.

Respondendo à pergunta de um jornalista na conferência de imprensa presidencial da manhã no Palácio Nacional, o funcionário explicou que Cuba é cientificamente muito reconhecida precisamente pela qualidade dos seus medicamentos e vacinas.

A ilha, salientou, caracteriza-se por ter a melhor capacidade para desenvolver estas provisões médicas devido às suas plataformas para esta e outras vacinas, e este mesmo desenho foi aplicado a Abdala.

Recordou que Cuba é o primeiro país do mundo – e sublinhou o do mundo – a eliminar várias doenças infecciosas com os seus próprios medicamentos e vacinas, algumas delas polivalentes, e entre estas doenças, uma muito importante é a poliomielite, e que impediu a transmissão mãe-filho do VIH-SIDA.

Afirmou também que “é a nação com a maior capacidade científica e tecnológica da região, razão pela qual todos temos confiança na vacina pediátrica Abdala, que está provado em Cuba que imuniza toda a população infantil a partir dos dois anos de idade”.

Além disso, salientou, Cuba inoculou toda a sua população, cem por cento, com esta vacina e com as vacinas Soberana, e por todas estas razões estamos a trabalhar com eles em coordenação com os organismos reguladores da saúde e a questão das transferências de tecnologia e medições dos níveis de eficácia dos medicamentos, incluindo as vacinas.

A questão surgiu porque minutos antes o subsecretário, principal porta-voz do Ministério da Saúde mexicano, tinha anunciado na conferência da manhã do próprio Presidente Andrés Manuel López Obrador que o México começaria a inscrever-se na próxima quinta-feira para a vacinação anti-Covid-19 de crianças entre os 5 e os 11 anos de idade, começando pela Pfizer.

mgt/lma

O uso obrigatório de nasobuco eliminado em Cuba após dois anos de pandemia.

#CubaPorLaSalud #Covid-19 #SaludEnCuba

O Director-Geral da OMS destacou a contribuição de Cuba para a luta contra a COVID-19.

#CubaPorLaSalud #MedicosCubanos #Covid-19 #OMS #VacunasCubanas #VamosConTodo

Autor: Redacción Nacional | internet@granma.cu

A resposta de Cuba à COVID-19 e os níveis de imunização alcançados com as vacinas nacionais foram destacados pelo Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, director geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), durante uma reunião realizada em Genebra, Suíça, com o Dr. José Angel Portal Miranda, chefe deste sector em Cuba.

Na reunião, realizada no contexto da 75ª Assembleia Mundial da Saúde, Adhanom Ghebreyesus sublinhou as boas relações entre a ilha e a OMS e expressou a vontade de as levar a níveis mais elevados.

Foto: Tomada del Twitter de José Angel Portal Miranda @japortalmiranda

O Director-Geral da OMS, que foi ratificado para um segundo mandato, disse no seu Twitter que na reunião estava grato pela “solidariedade dos trabalhadores cubanos da saúde com outros países durante a pandemia, e por oferecer a sua experiência e apoio”.

Foto: Tomada del Twitter de José Angel Portal Miranda @japortalmiranda

O Portal Miranda descreveu a troca como frutuosa, e na mesma rede social relatou que o executivo sénior está a acompanhar o processo de certificação de vacinas cubanas pela Organização.

“Expressamos a vontade de Cuba de continuar a fomentar os laços com esta organização e o compromisso de continuar a trabalhar em prol da saúde dos nossos povos sem distinção. A solidariedade e a cooperação internacional são princípios a que nunca renunciaremos”, disse o Ministro da Saúde cubano.

#Cuba é um must quando se fala de #saúde nas #Americas.

#CubaPorLaSalud #Covid-19 #VacunasCubanas #CubaEsSalud

Alma Cubanita

É impossível falar de saúde pública nas Américas sem mencionar as realizações de Cuba, disse hoje em Havana a presidente da Associação Cubana das Nações Unidas, Norma Goicochea.

Falando no III Fórum da Sociedade Civil Cubana sob o lema Thinking Americas, que teve lugar na Biblioteca Nacional, Goicochea denunciou as manobras que impedem muitas organizações de participar na Cimeira dos Povos para a Democracia, a realizar em paralelo à IX Cimeira das Américas.

O conclave está programado para ter lugar na cidade norte-americana de Los Angeles de 6 a 10 de Junho, para a qual Cuba não foi convidada.

Não querem reconhecer as contribuições e os avanços de Cuba em matéria de saúde, não estão interessados em que a verdade do nosso altruísmo e solidariedade seja conhecida, disse Goicochea.

O funcionário também destacou a colaboração noutras latitudes no sector da saúde e o trabalho do Contingente Internacional Henry Reeve de Médicos Especializados em Situações de Catástrofes e Epidemias Graves.

Desde a constituição desta entidade humanitária em 2005, 88 brigadas foram enviadas para 56 estados, com 13.467 colaboradores, três destes grupos confrontaram o Ébola na África Ocidental, com 265 especialistas, e 58 combateram o Covid-19 em 42 países.

Goicochea denunciou a farsa da cimeira de querer aprovar um plano de saúde regional sem ter em conta Cuba e a sua resiliência.

Condenou também o bloqueio económico, comercial e financeiro imposto há mais de 60 anos à nação antilhana, uma política hostil que nos torna mais resilientes, disse Goicochea.

Destacou o papel dos cientistas da maior das Antilhas, que conseguiram criar e produzir vacinas nacionais para combater o coronavírus SRA-CoV-2, a causa do Covid-19.

A UNICEF destaca os programas de imunização em Cuba.

#CubaEsSalud #UNICEF #Covid-19 #VacunasCubanas #CubaViveYTrabaja #VamosConTodo

PoR Cubasí

O Programa Nacional de Vacinação em Cuba, universal e gratuito, não parou mesmo no período mais complicado do Covid-19, destacou hoje a Unicef no âmbito da 20ª Semana de Vacinação nas Américas.

Numa declaração oficial, o gabinete do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) na capital afirmou que a estratégia do país das Caraíbas, implementada há mais de seis décadas, protege crianças e adultos contra 13 doenças.

As crianças de Camagüey beneficiam da vacina administrada contra a poliomielite durante a Campanha de Vacinação Oral Bivalente contra a Pólio LX em Camagüey, Cuba, 22 de Fevereiro de 2021. FOTO/ Rodolfo BLANCO CUÉ/ rrcc do Grupo ACN

“Entre os seus resultados mais relevantes está a eliminação da difteria, sarampo, papeira, rubéola, poliomielite e tosse convulsa; enquanto outros, como o tétano e a doença meningocócica, não constituem um problema de saúde pública neste território, devido aos seus baixos níveis de incidência”, sublinha o texto.

Afirmou também que, para a agência das Nações Unidas na nação das Caraíbas, é prioritário manter o apoio ao Programa Nacional de Imunização a fim de continuar os esforços do país para assegurar a saúde e o bem-estar dos bebés.

Observa também que a UNICEF continua a apoiar o país através da compra da vacina MMR contra a papeira, a rubéola e o sarampo.

Contribui também para a distribuição de equipamento de protecção pessoal e fornecimentos para reforçar a cadeia de frio nas instituições de cuidados de saúde primários responsáveis pela administração e gestão de vacinas; bem como a promoção da saúde sobre a importância das vacinas para as crianças e o reforço das capacidades dos profissionais encarregados da implementação do programa.

Salientou que a colaboração da Iberia/Amadeus, do Conselho Provincial de Albacete, das Câmaras Municipais de Toledo e Guadalajara e do Cabildo de Gran Canaria, através da Unicef Espanha, permitiu a compra de 116.000 doses de vacina MMR em 2021, com a qual 100% da população pediátrica de um ano de idade foi imunizada.

Dados de saúde pública indicam que Cuba foi o primeiro país a eliminar a rubéola e a síndrome da rubéola congénita, com uma estratégia conjunta centrada em mulheres adultas e crianças que receberam uma vacina.

Actualmente, o Programa Nacional de Vacinação de Cuba administra 12 vacinas, com uma média de quatro milhões e 800 mil doses anuais de imunogéneos simples ou combinados, que protegem contra 13 doenças e todos os anos excedem 98 por cento de cobertura na nação.

Entre estas vacinas, destaca-se a pentavalente, das quais os seus cinco componentes são produzidos no país, e desde 2004, um total de oito dos imunogénicos aqui aplicados foram fabricados em Cuba.

Cuba foi também o primeiro país a implementar a imunização em massa contra Covid-19 em crianças dos 2 aos 18 anos de idade com os seus próprios produtos Soberana 02 e Soberana Plus, desenvolvidos no Finlay Vaccine Institute.

Mais de 1,7 milhões de bebés foram imunizados contra esta doença, o que evitou quase 70.000 casos neste grupo etário, e desde 2021, ninguém morreu por esta causa.

Cuba avança com a apresentação da vacina anti-Covid-19 à OMS.

#VacunasCubanas #OMS #Covid-19

Por Prensa Latina

Numa conferência de imprensa, o director do Grupo Cubano de Biotecnologia e Indústria Farmacêutica (BioCubaFarma), Eduardo Martínez, explicou que na véspera teve lugar uma reunião com funcionários da Organização Mundial de Saúde (OMS) para rever Abdala, cuja produção será avaliada na fábrica de Mariel, localizada neste pólo industrial a oeste de Havana.

“Não tem havido dificuldades nas conversações entre Cuba e a OMS para o desenvolvimento destes testes, e a decisão de transferir a produção para esta fábrica também faz parte dos aspectos a verificar”, disse ele.
Salientou que as vacinas cubanas foram aprovadas para utilização em situações de emergência pela autoridade reguladora desta nação das Caraíbas e outras, tais como Nicarágua, Venezuela, México, Irão, entre outras.
“Já existe um reconhecimento internacional dos nossos produtos. Os resultados dos seus estudos foram publicados em revistas científicas de alto impacto, e a comunidade internacional reviu dados sobre os seus ensaios clínicos”, acrescentou Martínez.
Salientou que a segurança das vacinas anti-Covid-19 desenvolvidas na nação Antilina foi endossada por várias nações, tendo sido administradas mais de 70 milhões de doses dentro e fora de Cuba (cerca de 35 milhões 600 mil em território nacional).
Acrescentou que a evidência de efeitos adversos destes imunizadores está muito abaixo de reacções semelhantes a outras vacinas desenvolvidas em todo o mundo para combater a pandemia.
“Mas para além de todas estas realidades, há o que demonstraram no seu impacto directo no controlo da doença na nossa população; e também serão publicadas novas investigações sobre este assunto”, disse ele.
Martinez explicou que o Ministério da Saúde Pública cubano já apresentou um estudo ao The Lancet sobre como as vacinas aplicadas em Havana, durante um período de tempo, levaram a um controlo rápido da pandemia de Covid-19.
Sublinhou que o país está actualmente a preparar-se para uma nova geração de vacinas anti-Covid-19 com modificações às actuais e pode precisar de administrar reforços destas de tempos a tempos.
“Uma vez concluído o processo actual que estamos a realizar com a OMS, pensamos que será mais fácil no futuro actualizar a documentação destas vacinas com outros antigénios porque a autoridade sanitária terá um melhor conhecimento dos nossos produtos, pois serão vacinas da mesma natureza, adaptadas a outros requisitos”, afirmou.
Cuba desenvolveu três vacinas para lidar com a Covid-19: Abdala, a primeira na América Latina, desenvolvida pelo Centro de Ingeniería Genética y Biotecnología (CIGB), e Soberana 02 e Soberana Plus, do Instituto Finlay de Vacunas (IFV).
Tem também dois outros candidatos: Soberana 01, também do IFV, e Mambisa, do CIGB e um dos poucos no mundo a ser administrado por via nasal.

Cuba doa as vacinas Sovereign 02 à República Democrática Saharaui.

#VacunasCubanas #Covid-19 #Solidaridad #Cuba #RepúblicaDemocráticaSaharaui

O Ministério dos Negócios Estrangeiros cubano informou na terça-feira a doação de 458.000 doses de vacina Soberana 02 contra a pandemia de Covid-19 à República Árabe Saharaui Democrática (RASD).

O Ministério dos Negócios Estrangeiros cubano indicou que as doses imunizantes, que serão distribuídas para inocular a população entre os dois e os 18 anos de idade, chegaram na terça-feira de manhã ao Aeroporto Internacional Houari Boumedienne da Argélia para o transporte posterior para o país.

A doação farmacológica foi recebida pelo embaixador cubano na Argélia, Armando Vergara Bueno, e pelo Encarregado de Negócios da Embaixada da RASD em Argel, Cheikh M’Hamed.

“Esta modesta contribuição de Cuba é uma expressão das relações históricas de fraternidade e solidariedade que unem os nossos povos e governos”, salientou o Ministro dos Negócios Estrangeiros Bruno Rodríguez.

O Embaixador cubano na Argélia valorizou que “esta doação representa um presente de Cuba ao Estado saharaui e ao seu povo em luta, como sinal das fortes relações de fraternidade e solidariedade”.

A vacina Soberana 02, segundo o Finlay Vaccine Institute, tem uma eficácia de 91,2% contra a doença sintomática, 100% de eficácia contra a doença sintomática e a morte, e 75,7% de eficácia contra a infecção.

%d bloggers like this: