# Cuba

A vacina cubana contra o coronavírus… é chinesa?

Categories: # Cuba, # yo voto vs bloqueo, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #salud, #Salud en Cuba, #solidaridadvs bloqueo, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, fake news, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, China, CIENCIA, Cientistas, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Coronavirus, CoronaVirus, Noticias de Cuba, Política, CoronaVirus, Política, Cuba, fake news, CubavsBloqueo, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Manipulacion, Manipulacion Politica, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Profesionales e la Salud, Redes sociais, Vacinação | Deixe um comentário

A velha história da #FakeNews contra #Cuba.

Por Arthur González

As Falsas Notícias contra Cuba não começaram com a era da Internet, estão activas há 62 anos.

Em 1959, quando a Revolução Cubana liderada por Fidel Castro triunfou, o governo dos EUA iniciou a sua guerra mediática, com o objectivo de desinformar a opinião pública sobre o que estava a acontecer na ilha e demonizar aqueles que tinham derrubado o ditador Fulgencio Batista, apoiado política e militarmente por Washington.

Confrontado com a avalanche de mentiras, o próprio Castro convocou a imprensa nacional e estrangeira acreditada para desmascarar aqueles que tentaram acusar a Revolução, interessados em criar uma imagem distorcida e semear a rejeição da mesma, especialmente na América Latina.

O primeiro Programa de Acção de Cobertura da CIA, aprovado a 17 de Março de 1960 pelo Presidente Dwight Eisenhower, declara:

“Para que a oposição possa ser ouvida e a base de apoio popular a Castro enfraquecida, é necessário desenvolver os meios de informação ao povo cubano, a fim de iniciar uma poderosa ofensiva de propaganda em nome da oposição declarada”.

“Como principal voz da oposição, propõe-se a criação de uma estação de rádio “cinzenta”, controlada pelos Estados Unidos. Estaria provavelmente localizado na Ilha do Cisne e empregaria equipamento de potência substancial, tanto de banda de alta frequência como de rádio de radiodifusão. A preparação dos guiões (librettos) será feita nos Estados Unidos e transmitida electronicamente para o site da emissão”.

O orçamento aprovado para esta propaganda anti-cubana foi de 700.000 usd para operações e programação de rádio, e 500.000 usd para pagar os artigos na imprensa e outras publicações.

A CIA designou os oficiais David Alteé Phillips, como chefe de propaganda, pela sua experiência no golpe de Estado na Guatemala e Howard Hunt, para dirigir as acções políticas, o seu parceiro nesse evento, que viajou para Havana em Maio de 1960 para avaliar a atitude dos cubanos em relação à Revolução e observar os arredores das estações de rádio e televisão, propondo a sua destruição aquando do seu regresso.

A 17 de Maio desse ano, a Rádio Swan, localizada na ilha das Honduras, foi para o ar e, a 24 de Maio, o Director da CIA Allen Dulles informou o Conselho Nacional de Segurança das acções planeadas, incluindo a abertura de várias estações de rádio no Sul da Florida, que também transmitiriam notícias para Cuba, e a subvenção de jornais cubanos no exílio, que seriam vendidos na América Latina com informações anti-Castro.

A Rádio Cuba Independiente, La voz de Cuba libre e Massachusetts-Base Wrul, começaram as transmissões com mensagens contra-revolucionárias, carregadas de mentiras e deturpações, incluindo as que desencadearam, a 26 de Outubro de 1960, a infame Operação Peter Pan, através da Rádio Swan, que dizia:

“Mãe cubana, a próxima lei governamental será tirar-vos os vossos filhos a partir dos 5 anos de idade e devolvê-los aos 18, transformados em monstros do materialismo. Vá à igreja e siga as directrizes do clero”.

Em 28 de Janeiro de 1961, o Presidente John F. Kennedy autorizou a CIA a continuar as suas acções terroristas contra Cuba e a aumentar a propaganda, segundo um relatório do assistente especial McGeorge Bundy.

Nesse sentido, em 12 de Fevereiro, a chamada Voz da América anunciou uma série de programas contra a Revolução Cubana e o primeiro chamava-se A Anatomia de uma Promessa Quebrada, cujo objectivo era fazer os cubanos acreditar que Fidel Castro não estava a cumprir as suas promessas e estava a enganar o povo, desencadeando uma série de falsas notícias.

No mês seguinte, David Alteé Phillips apresentou um novo plano de propaganda para apoiar a invasão militar em preparação contra Cuba, com a ajuda de Howard Hunt, transferido de Miami para Washington. Entre as medidas levadas a cabo, contam-se: Divulgação da formação do Conselho Revolucionário Cubano, responsável por governar uma Cuba livre sem Castro.

As notícias falsas e distorcidas aumentaram no início de Abril, como prelúdio da invasão. A mais notável foi a expressa por Adlai Stevenson, embaixador dos EUA na ONU, sobre o bombardeamento dos aeroportos cubanos no dia 15 desse mês, assegurando que o evento foi levado a cabo por pilotos desertores cubanos da Força Aérea Revolucionária.

A mentira foi desmascarada pelo embaixador cubano Raul Roa, e Stevenson foi desacreditado perante a Assembleia Geral da ONU, uma vez que a CIA não o alertou para a operação.

A Fake News aumentou de tom antes e durante a invasão da Baía dos Porcos, preparada antecipadamente pela CIA para desinformar o povo cubano, incitar à rebelião em apoio aos mercenários e criar confusão entre os cidadãos.

Entre as mensagens falsas transmitidas pela Rádio Swan estavam:

“Alerta, alerta, vigia atentamente o arco-íris. O peixe vai levantar-se muito em breve, o rapaz está em casa. O peixe está vermelho e não vai demorar muito tempo a levantar-se”.

A 17 de Abril, começou o desembarque mercenário em Playa Giron e Playa Larga. Em nome do suposto Conselho Revolucionário, são transmitidas informações falsas, tais como estas:

“Antes do amanhecer, os patriotas cubanos nas cidades e nas montanhas, começaram a luta para libertar a nossa pátria do governo despótico de Fidel Castro e a libertação da opressão cruel do comunismo internacional”.

“A luta é inspirada pela gloriosa tradição de José Martí. O povo cubano levanta-se contra o tirano opressivo”.

“Os patriotas lutam para completar a tarefa de resgatar a Revolução, cinicamente traídos”.

“Os invasores fazem avanços constantes em todas as frentes em toda a Cuba. “O povo une as forças que lutam contra Fidel Castro”. “Raúl Castro é reportado como tendo cometido suicídio”.

“O tremendo exército de soldados patrióticos aguarda agora para dar o golpe vital para a liberdade da amada pátria”.

“A informação recebida indica que muitos milicianos abandonaram o exército de Castro”.

“Povo de Havana, ajuda os corajosos soldados do exército de libertação e realiza sabotagem contra as centrais eléctricas, acende todas as luzes da tua casa e o equipamento eléctrico, para que a procura cresça e as plantas deixem de poder gerar mais”.

Perante a derrota em apenas 62 horas, a rádio Swan transmite:

“Lamentamos ter de admitir perdas trágicas no stock. A maioria do nosso grupo chegará às Montanhas Escambray para continuar a luta”.

O mundo verificou a mentira ianque e o slogan “Pátria ou Morte” ressoou como um símbolo da soberania dos cubanos.

Nada mudou, eles não aprendem com os seus fracassos e continuam com as suas Falsas Notícias.

Foi por isso que José Martí disse:

“As trincheiras de ideias valem mais do que as trincheiras de pedras”.

Traduzido com a versão gratuita do tradutor – http://www.DeepL.com/Translator

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Estados Unidos, #Fidel, #YoSoyFidel, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, ações subversivas, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, fake news, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, fake news, Cuba, fidel castro, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, Manipulacion, Manipulacion Politica, mentiras construídas em Washington contra Cuba, MIAMI, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Redes sociais, Relações Estados Unidos Cuba, sonhos de Fidel, Subversão contra Cuba, Subversión, Washington | Deixe um comentário

Conheça o verdadeiro #Otaola, uma fotografia diz tudo.#GuerreroCubano

Categories: # Cuba, #Cuba #CIA, A Força-Tarefa da Internet para Cuba do Departamento de Estado, A força-tarefa e a guerra na internet contra Cuba, ações subversivas, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, fake news, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Redes sociais, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

O que aconteceu ao Maykel Obsorbo? Onde é que a La Diosa obteve as NOTÍCIAS FAKE sobre a vacina?#GuerreroCubano

Categories: # Cuba, ações subversivas, Acciones contra Cuba, fake news, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, fake news, Los artistas del Imperio, Manipulacion Politica, MIAMI, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Politica agressiva contra Cuba, Redes sociais, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

#Manolín y el #GuerreroCubano: Varrer o chão com Alexander Gente de Zona .

Categories: # Cuba, #Cuba #CIA, A Força-Tarefa da Internet para Cuba do Departamento de Estado, A força-tarefa e a guerra na internet contra Cuba, ações subversivas, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, fake news, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, fake news, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Intelectuales, Política, Red de Intelectuales y Artistas en Defensa de la Humanidad (REDH), Soberanía, Venezuela, Los artistas del Imperio, Manipulacion, Manipulacion Politica, MUSICA CUBANA, MUSICAS, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Redes sociais, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

#Cuba e a #China colaboram para criar “uma #Vacina de largo espectro contra muitos #Coronavírus”.

Categories: # Cuba, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #salud, #Salud en Cuba, China, CIENCIA, Coronavirus, CoronaVirus, Noticias de Cuba, Política, CoronaVirus, Política, epidemia, Organiacion Panamericana de la Salud, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Profesionales e la Salud | Deixe um comentário

#Cuba: Nota de #Prensa del #MINREX .

Categories: # Cuba, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, A força-tarefa e a guerra na internet contra Cuba, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Cuba, Historia de Cuba, Tarará, Acciones contra Cuba, fake news, BLOQUEIO VS CUBA, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, campanha anti-cubana, joe biden, MINREX, SANCIONES | Deixe um comentário

#Caravanas #PontesDeAmor contra o #Bloqueio e #Sanções contra #Cuba .

Categories: # Cuba, # yo voto vs bloqueo, #solidaridadvs bloqueo, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, CubavsBloqueo, La Unión Europea se posiciona contra el bloqueo, SANCIONES, Solidaridade | Deixe um comentário

O que deve ser um jovem comunista.

Por: Ernesto Guevara  Redacción Razones de Cuba

A Liga dos Jovens Comunistas tem de se definir com uma única palavra: vanguarda. Vós, camaradas, deveis ser a vanguarda de todos os movimentos. O primeiro a estar pronto para fazer os sacrifícios que a Revolução exige, qualquer que seja a natureza desses sacrifícios. O primeiro a trabalhar. O primeiro a estudar. O primeiro a defender o país.

Creio que a primeira coisa que deve caracterizar um jovem comunista é a honra que ele sente por ser um jovem comunista. Essa honra que o leva a mostrar perante todo o mundo que é um jovem comunista, que não o torna subterrâneo, que não o reduz a fórmulas, mas que o exprime a cada momento, que sai do seu espírito, que está interessado em mostrá-lo porque é o seu símbolo de orgulho.

Além disso, um grande sentido do dever para com a sociedade que estamos a construir, com os nossos semelhantes e com todos os homens e mulheres do mundo.

Isso é algo que deveria caracterizar o jovem comunista. Além disso, uma grande sensibilidade perante a injustiça; um espírito inconformista sempre que algo está errado, não importa quem o tenha dito. Questionar tudo o que não é compreendido; discutir e pedir esclarecimentos sobre o que não é claro; declarar guerra ao formalismo, a todos os tipos de formalismo. Estar sempre aberto para receber novas experiências, para compor a grande experiência da humanidade, que há anos avança para o caminho do socialismo, para as condições concretas do nosso país, para as realidades que existem em Cuba: e para pensar – cada um e cada um de nós – como mudar a realidade, como melhorá-la.

O jovem comunista deve ter sempre como objectivo ser o primeiro em tudo, lutar para ser o primeiro, e sentir-se incomodado se em algo ocupa outro lugar. Lutar para melhorar, para ser o primeiro. É claro que nem todos podem ser os primeiros, mas ele pode estar entre os primeiros, no grupo de vanguarda. Ser um exemplo vivo, ser o espelho onde os camaradas que não pertencem à juventude comunista podem olhar para si próprios, ser o exemplo onde homens e mulheres mais velhos que perderam um certo entusiasmo juvenil, que perderam a fé na vida e que reagem sempre bem ao estímulo de um exemplo podem olhar para si próprios. Esta é outra tarefa dos jovens comunistas.

Juntamente com isso, um grande espírito de sacrifício, um espírito de sacrifício não só para viagens heróicas, mas para cada momento. Sacrificar-se para ajudar o seu camarada em pequenas tarefas, para que possa fazer o seu trabalho, para que possa cumprir o seu dever na escola, nos seus estudos, para que possa melhorar a si próprio de qualquer forma. Estar sempre atento a toda a massa de pessoas que o rodeiam.

Ou seja: a cada jovem comunista é pedido que seja essencialmente humano, que seja tão humano que se aproxime do melhor do que é humano, que purifique o melhor do homem através do trabalho, do estudo, do exercício da solidariedade contínua.
desenvolver a sua sensibilidade ao ponto de se sentir angustiado quando um homem é assassinado em qualquer parte do mundo e de se sentir entusiasmado quando algures no mundo é hasteada uma nova bandeira da liberdade.

O jovem comunista não pode ser limitado pelas fronteiras de um território: o jovem comunista deve praticar o internacionalismo proletário e senti-lo como se fosse seu. Para recordar, como nós aspirantes a comunistas aqui em Cuba devemos recordar, que somos um exemplo real e palpável para toda a nossa América, e ainda mais para a nossa América, para outros países do mundo que também lutam noutros continentes pela sua liberdade, contra o colonialismo, contra o neocolonialismo, contra o imperialismo, contra todas as formas de opressão dos sistemas injustos; lembrar sempre que somos uma tocha ardente, que somos todos o mesmo espelho que cada um de nós individualmente é para o povo de Cuba, e somos esse espelho para os povos da América, os povos do mundo oprimido que lutam pela sua liberdade, para olhar para dentro. E devemos ser dignos desse exemplo. Em qualquer altura e em qualquer momento devemos ser dignos desse exemplo.

É isso que pensamos que um jovem comunista deve ser. E se nos dizem que somos quase românticos, que somos idealistas inveterados, que pensamos em coisas impossíveis, e que não é possível fazer com que a massa de um povo se torne quase um arquétipo humano, temos de responder, uma e mil vezes, que sim, é possível, que temos razão, que todo o povo pode avançar, que podem liquidar a mesquinhez humana (…); para nos aperfeiçoarmos como todos nós nos aperfeiçoamos dia após dia, liquidando intransigentemente todos aqueles que ficam para trás, que não são capazes de marchar ao ritmo que a Revolução Cubana está a marchar .

Categories: # América Latina, # Cuba, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #CubaCoopera, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #Estados Unidos, A Força-Tarefa da Internet para Cuba do Departamento de Estado, A força-tarefa e a guerra na internet contra Cuba, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, CONTRA REVOLUÇÃO EM CUBA, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Contra-revolução cubana, ernesto che guevara, Fidel, el ejemplo imperecedero de Maceo y Che,, HEROES Y MARTIRES, Revolução Cubana sobrevive a todas as agressões, Revolução Cubana, | Deixe um comentário

Falsos profetas e cultos de carga .

Por Ernesto Estévez Rams

Durante a Segunda Guerra Mundial, os militares norte-americanos precisavam de ir do continente para os mares em redor do Japão. As pequenas ilhas polinésias estavam cheias de aeroportos temporários e, com eles, também de produtos enlatados, vestuário industrial, e vários tipos de aparelhos; produtos da “civilização ocidental” desconhecidos da população nativa.

Uma vez terminada a guerra e eliminada a necessidade, as ilhas foram abandonadas, quase de um dia para o outro, pelo exército americano e, com ele, a mercadoria a que os nativos se tinham habituado deixou de chegar.

Determinados a trazer de volta essa “prosperidade”, usaram as pistas de aterragem, disfarçaram-se de controladores de tráfego aéreo e oficiais de aterragem e de táxi e, com paus, imitando os seus sinais, colocaram-se nas pistas nos horários habituais de chegada dos aviões, e simularam todas as manobras que tinham visto os estrangeiros fazer. Acreditavam que ao imitarem o que tinham visto em gestos e trajes, agora como liturgia, trariam de volta aquilo por que ansiavam. Estas formas particulares de culto, os antropólogos acabaram por lhes chamar cultos de carga.

A ideia de cultos de carga foi retomada pelo físico americano Richard Feymann, Prémio Nobel e um dos físicos mais coloridos do século XX. Feymann tornou-se conhecido do público em geral quando já era uma figura estabelecida no mundo científico, pela sua participação decisiva na comissão que investigou a explosão do vaivém espacial Challenger. O chamado relatório Feymann, na realidade um anexo ao oficial, acabou por ser essencial na descrição das verdadeiras causas do acidente. Toda esta história foi levada, na altura, para o cinema.

Falsos profetas y cultos de carga » EntornoInteligente

Feymann utilizou a ideia de cultos de carga, agora como metáfora, para descrever aquilo que se disfarça de ciência, usa a sua linguagem, apresenta-se como tal, mas, no fundo, é uma liturgia vazia de conteúdo que não pode, no fim de contas, fazer com que os desejados resultados da verdadeira ciência se tornem terra. Hoje, para isso, foi inventado um termo: pseudosciência.

O que diferencia a pseudociência da superstição ou outras formas de misticismo é que a primeira não se reconhece a si própria como tal. Dedica uma boa parte dos seus esforços a disfarçar-se de ciência e, portanto, a fingir que as suas reivindicações são apoiadas por provas objectivas, reprodutíveis e coerentes. Mas não é este o caso. Escondidos atrás da utilização de terminologia científica, são capazes de erguer monumentais cortinas de fumo que, infelizmente, perduram ao longo do tempo e são muito difíceis de erradicar. São mesmo capazes de enganar amplos sectores da população, incluindo instituições, decisores e agências de Estados e governos.

Vivemos num mundo onde é mais fácil aceitar mentiras que não convidam à investigação, e fornecer soluções, como as pedras filosofais, que os difíceis – e na maioria dos casos, áridos – caminhos científicos nem sempre oferecem.

Os cultos de carga, como metáfora, representam o triste cenário de uma dramaturgia que pretende invocar uma certa realidade, sem a capacidade de o fazer.

Mas a sua prática não se limita à pseudociência. Também se esconde, de uma forma mais perversa, nos bastidores do pós-moderno, e acabou por fazer parte do arsenal de instrumentos utilizados para fins políticos reaccionários.

Os demiurgo desta nova prática mística do culto da carga podem ser encontrados nos mais variados disfarces, mas todos eles fingem invocar, como liturgia vazia, gestos, actos e textos do passado, ou do presente descontextualizado.

Esta prática de influência colonizada não é assim tão nova. Havia escritores que, “iluminados” pelo auto-exílio na Europa culta, se disfarçavam de ilhéus de Milão Kundera, e acreditavam que, imitando a língua do checo, podiam invocar o seu niilismo ferozmente criativo, para acabar por ser, porque lhes faltavam – ao contrário de Kundera – referências genuínas, uma má cópia, em versão softporno, de Anäis Nin. Os pobres, os únicos tanques invasores que em Cuba tentaram chegar às nossas praias, não conseguiram, foram afundados no Houston. Aconteceu numa ilha onde o profundo sentido de soberania fez com que o seu líder, na altura, dissesse aos tiroianos e troianos que quem nos tentasse inspeccionar teria de vir em equipamento de combate.

Os evocadores da Jovem Cuba lamentam serem rotulados como activistas políticos, preferindo ser conhecidos como analistas e convidando-se a serem voluntários do ramo “democrata” do partido do poder da burguesia dos EUA.

Protestos que querem imitar o que recordamos como o de Los Trece, mas que não invocam a mesma resposta, por faltar o contexto de neocolonialismo corrupto que provoca o primeiro. Imitações de greves de fome, agora do chá e da lata de atum no quintal da casa, de pessoas que são pagas pelo norte imperial. Tentam-no num país onde um dos seus fundadores comunistas usava o jejum até à morte como forma de luta radical contra um burro com garras, capataz dos Yankees.

Cartas que se apresentam como articuladores, e que fingem imitar o verbo e o dogma de outros escritos na Europa de Leste, e cujos autores afirmam ser o tropical Vaclav Havel. São escritas num país que há 60 anos não só dialoga criticamente tudo o que faz, mas também constrói, em toda a sua complexidade e contradições, melhores formas de debate para o bem de todos.

Apelos de saudade induzidos pela ausência de greves feministas, numa invocação silenciosa de lutas justas em outros contextos. Pretendem-no, numa sociedade onde as mulheres, à medida que criam, crescem, e fazem-no a partir do sentido colectivo de pertença a um projecto cujo objectivo é conquistar toda a justiça.

Actos performativos de assassinato político que não aconteceram, torturas que não aconteceram, desaparecimentos que não existiram, como se, com o efémero espectáculo, estivessem a realizar as suas obsessões nos centros do poder hegemónico. Montaram-nos numa ilha onde os jovens enfrentavam balas para serem torturados, assassinados e desaparecidos no quartel de uma tirania ferozmente criminosa, que governou blindada pelos mesmos velhos colonizadores.

Em todos estes casos, o culto da carga, como gesto vazio, não pode superar aquela coisa muito antiga que Marx já caracterizaria, dizendo que a farsa toma conta da segunda etapa. Mas, tal como a pseudociência, pode enraizar-se nas nossas deficiências culturais e sociais, e é por isso que não podemos subestimar o demiurgo do culto contra-revolucionário da carga.

As suas práticas, também alimentadas pelas nossas deficiências, têm a capacidade de encantar, apresentando-se como verdades que não são, e praticando um exercício refinado de fogos de artifício, para se fazerem passar por um exercício legítimo.

A luta definitiva contra a irracionalidade que restaura o colonialismo inclui, de uma forma essencial, a proibição dos nossos próprios cultos de carga, aqueles que já demonstraram repetidamente que não funcionam, e que insistimos em continuar a praticar como uma liturgia vazia, conhecendo a sua futilidade, por puro hábito, conformismo, espírito de aldeia ou mediocridade grosseira. O reaccionário, na política, não é apenas o que conscientemente pretende ser, mas inclui também o que se recusa a superar-se a si próprio dialecticamente, procurando avançar.

Nesta fase da luta já sabemos que o exercício de fazer Revolução inclui necessariamente derrotar todos os cultos esterilizadores, os do inimigo e os nossos próprios. A nossa vida está em jogo.

Categories: # Cuba, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Iglesia, Ley Helms-Burton, Relaciones Cuba Estados Unidos, Religión, Injerencia De EEUU, RELIGIÃO | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: