O novo embuste contra Cuba: colocá-lo no banco dos réus no Conselho dos Direitos Humanos da ONU para tentar forçar a sua exclusão do Conselho.

#Cuba #ONU #InjerenciaDeEEUU #DerechosHumanos #ONG #ParaQuéSirveLaONU

PorMarco Velázquez Cristo

No actual cenário mundial turbulento, em que a informação sobre o conflito na Ucrânia estabelece a agenda dos media, os principais meios de comunicação social norte-americanos e ocidentais, apoiados pelas suas equipas, assumiram a responsabilidade de exagerar notícias falsas sobre o que está a acontecer naquele país, publicando e amplificando as mentiras mais cruéis e implausíveis; uma nova infâmia contra Cuba está a começar a ser forjada.

A etapa escolhida para a sua realização será a 73ª sessão do Comité contra a Tortura das Nações Unidas (ONU), a ter lugar a 19 de Abril. Aí, pretendem introduzir nos debates a análise de um relatório espúrio produzido por uma suposta “ONG” (falaremos sobre isso mais tarde) chamada Prisoners Defenders, que acusa Cuba de torturar aquilo a que chamam “prisioneiros políticos”.

Talvez os nossos inimigos estejam a considerar que, dada a atmosfera prevalecente de conhecimento dos meios de comunicação social e as condições dentro da ONU favoráveis aos seus interesses, que lhes permitiram conseguir a suspensão da Rússia do Conselho de Direitos Humanos daquela organização, poderão alcançar o mesmo resultado com Cuba ou, pelo menos, questionar a sua adesão ao Conselho.

Conceber tal alegação não é fruto da especulação selvagem. O título do artigo no The Washington Post, que poderia ser classificado como uma espécie de preâmbulo da campanha que já começa a ser desencadeada para apoiar a nova infâmia que está a ser forjada contra a nossa pátria, é sugestivo: “Opinião: Cuba tortura prisioneiros políticos e ao mesmo tempo é membro do Conselho dos Direitos Humanos da ONU”.

Por seu lado, o consórcio alemão de rádio e televisão Deutsche Welle (DW) delineou este objectivo espúrio ainda mais claramente ao publicar um artigo intitulado, “Cuba e Venezuela também pediram para deixar o Conselho de Direitos Humanos”. Este pedido é feito pela organização contra-revolucionária Center for a Free Cuba (CFC), que foi criada em Outubro de 1997 nos EUA, é financiada pela USAID e Ned e tem a missão de fomentar a subversão contra Cuba.

Como o representante cubano na Assembleia Geral salientou ao explicar o voto contra a exclusão da Rússia do Conselho de Direitos Humanos, o que aconteceu com aquele país cria um precedente que abre a porta à aplicação de medidas semelhantes a países cuja permanência e vozes são desconfortáveis para os EUA no Conselho.

Neste contexto, é evidente que já se apressam a aproveitar este precedente e tentam usá-lo para levar a cabo a sua infame agressão contra Cuba, cuja voz digna não é nada agradável ao vizinho irritante e arrogante do norte.

Mas é necessário voltar ao artigo no influente jornal americano, porque nele o seu autor, o contra-revolucionário Abraham Jiménez Enoa, com a cínica indiferença com que habitualmente manipula e mente sobre a nossa realidade, anuncia a intenção dos seus mestres de levar a cabo a provocação a que nos referimos acima.

Não me concentrarei em analisar a sua conduta, neste caso como nos anteriores, a sua falta de valores patrióticos e éticos, a sua necessidade de reconhecimento, bem como a sua coincidência e subordinação aos interesses daqueles que o financiam, são as fontes que o condicionam. Não vale a pena gastar tempo com alguém que se tenha tornado um instrumento habitual das campanhas para desacreditar Cuba. No final, não é o mensageiro que é importante, mas sim o que se pretende.

Quanto aos Defensores dos Prisioneiros, sabe-se que tem a sua sede em Madrid e está registada no Registo Nacional de Associações Espanholas, mas na realidade esta falsa ONG é uma organização criada pelo Departamento de Estado dos EUA, que a dirige através da sua Embaixada em Madrid, e a financia utilizando a USAID e a NED. O seu objectivo é a actividade subversiva contra Cuba. A partir dela, em Setembro de 2018, surgiu uma secção “especializada”, com a fachada de uma “ONG” chamada “Cuban Prisoners Defenders”, que esteve envolvida na fabricação de falsas acusações contra Cuba perante as Nações Unidas, a União Europeia e o Tribunal Penal Internacional.

A simplificação do nome no caso em questão não significa uma mudança de actores, na sua essência são a mesma entidade com objectivos semelhantes, tanto assim que os jornalistas nos meios hegemónicos utilizam indistintamente ambos os nomes.

Os seus “relatórios tratam geralmente de alegadas violações dos direitos humanos em Cuba, da alegada tortura de “presos políticos”, da dimensão da população prisional da ilha, que sobrestimam, ao mesmo tempo que mentem sobre as condições de detenção. Por exemplo, afirmam que o nosso país tem o maior número de detidos do mundo, algo que é contraditado pelo relatório World Prison Brief (WPB), um site com sede em Londres que fornece acesso gratuito a informações sobre os sistemas prisionais em todo o mundo, o que coloca os EUA em primeiro lugar no mundo em termos do número de pessoas privadas da sua liberdade.

Além disso, realizam frequentemente campanhas de desacreditação contra missões médicas cubanas, deturpando os seus objectivos e apresentando os seus participantes como vítimas de trabalho escravo.

O seu fundador e presidente é Javier Larrondo, um empresário espanhol com pais cubanos de uma família burguesa pré-revolucionária, que se apresenta como o representante em Espanha e na Europa do grupo contra-revolucionário Unión Patriótica Cubana (UNPACU), com cujo líder, o apátrida José Daniel Ferrer García, mantém relações estreitas. Este facto, bem como declarações do próprio Larrondo, apresentam os “Defensores dos Prisioneiros Cubanos” como parte da referida organização contra-revolucionária.

No entanto, o âmbito e grau de organização das suas actividades, a articulação das suas acções com as de outras organizações subversivas, o apoio que lhe dão, e o montante de financiamento necessário para elas, indicam que “Defensores dos Prisioneiros Cubanos” é muito mais do que um apêndice da UNPACU.

Javier Larrondo não é um filantropo”, como a imprensa espanhola tenta retratá-lo. Ele tem sido um adversário activo da revolução cubana durante anos, participando sistematicamente em actividades anti-cubanas, com ligações a organizações contra-revolucionárias sediadas no estrangeiro, tais como a agora extinta Fundación Hispano-Cubano (FHC), a filial espanhola da Fundação Nacional Cubano-Americana (CANF), conhecida pelo seu apoio a acções terroristas contra Cuba.

Também mantém ligações com elementos da extrema direita cubano-americana sediados nos EUA que incitam acções violentas contra a ilha, bem como com organizações terroristas sediadas na Florida, tais como a CANF. Na sua cruzada contra a maior das Antilhas, juntou forças com organizações conservadoras que respondem às autoridades norte-americanas, como por exemplo: Asociación de Iberoamericanos por la Libertad, Fundación para la Democracia Panamericana, Fundación Memorial Víctimas del Comunismo, Solidaridad sin Fronteras, The Global Liberty Alliance e o Instituto Fe y Libertad.

Todas estas acções, que apoiam e coincidem com as infames campanhas de descrédito do governo dos EUA contra Cuba, revelam a quem “Prisoners Defenders” ou “Cuban Prisoners Defenders” respondem, não importa.

Por outro lado, seria ingénuo pensar que esta nova agressão contra a nossa pátria é apenas o fruto da maldade e da baixeza dos mercenários que pagam o governo dos EUA, que vagueiam pelo mundo ruminando na sua frustração e ódio à revolução cubana. O que pretendem fazer-nos a 19 de Abril faz parte da política hostil do governo dos EUA contra Cuba. É o verdadeiro culpado.

Mas como disse Fidel, “não há força no mundo capaz de esmagar a força da verdade e das ideias”.

Tal como em outras ocasiões, falharão.

Denunciam as tentativas de entravar as relações Cuba-UE.

#UnionEuropea #InjerenciaDeEEUU #EliminaElBloqueoYa #PuentesDeAmorEnEuropa #PoniendoleCorazonACuba #CubanosVSBloqueoVaticano

Cuba denuncia novas manobras no Parlamento Europeu.

#CubaSeRespeta #ManipulacionMediatica #EEUUBloquea #MafiaCubanoAmericana #Europa #Injerencia

Por Redacción Razones de Cuba

A representação diplomática de Cuba na Bélgica e junto da União Europeia (UE) denunciou hoje a orquestração de uma nova manobra contra a ilha no Parlamento Europeu, tendo os direitos humanos como ponta de lança.

Numa declaração, advertiu que o debate de quinta-feira sobre “a situação em Cuba” faz parte do espaço que alguns eurodeputados estão a abrir no Parlamento Europeu a um pequeno grupo de cidadãos cubanos que estão a fazer o jogo do objectivo dos Estados Unidos de impor uma mudança de regime ao país das Caraíbas através da subversão e da desestabilização.

Vimos que em três das últimas seis sessões plenárias se discutiu Cuba, o único país da América Latina e das Caraíbas analisado tanto nesse período, o que demonstra a singularização, a manipulação e a duplicidade de critérios daqueles que utilizam a questão dos direitos humanos com um fundo marcadamente político, sublinhou.

Para a missão diplomática, a finalidade da nova manobra é clara, que não é outra senão dificultar as relações entre a maior das Antilhas e a UE e minar a implementação do Acordo de Diálogo Político e Cooperação entre as partes.

A este respeito, insistiu que apenas o diálogo em condições de igualdade, sob os princípios de respeito mútuo, não-interferência e cooperação, constitui a base adequada para fomentar os laços.

A Embaixada de Cuba na Bélgica atribuiu à cruzada o resultado de desacreditar ainda mais a chamada casa da democracia europeia.

Se os eurodeputados que promovem este debate estivessem realmente interessados nos direitos humanos do nosso povo, denunciariam primeiro a violação flagrante e sistemática representada pela implementação do bloqueio dos EUA, dizia o texto.

Do mesmo modo, repudiou o facto de as últimas resoluções aprovadas na ilha no Parlamento Europeu não terem tido a decência mínima para mencionar o impacto do criminoso bloqueio económico, comercial e financeiro imposto por Washington durante mais de seis décadas, um cerco que se intensificou de forma genocida no meio da pandemia de Covid-19.

A este respeito, recordou que o alcance extraterritorial da política dos EUA afecta os interesses das empresas e dos cidadãos dos países da UE, que os eurodeputados são supostos representar.

A declaração salientou que a agressividade enfrentada pelas Índias Ocidentais não poderia impedir a gestão eficaz da Covid-19 e a vacinação de 90% da sua população contra a doença com os seus próprios imunogéneos.

Também ratificou a posição do governo cubano de não ceder a ameaças e chantagem e a vontade do povo de decidir soberanamente o seu próprio destino.

A 10 de Dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos, deputados europeus e membros das forças políticas no Parlamento Europeu reconheceram a situação dos direitos humanos em Cuba e denunciaram a flagrante violação dos direitos humanos representada pelo bloqueio dos EUA.

O deputado espanhol Manu Pineda e o deputado belga Marc Botenga (GUE/NGL) destacaram as realizações de Cuba em áreas como a saúde, em particular a luta contra a pandemia, e a sua solidariedade com outros países.

O povo cubano e o governo cubano com a sua Revolução são os melhores defensores dos direitos humanos, porque os colocam no centro das suas acções, disse Pineda.

Tirada de CubaSí

Companhia britânica de cruzeiros confirma Havana como porto de origem para a época 2021/22 das Caraíbas.

#CubaSalva #Solidaridad #Covid-19 #TurismoEnCuba #CubaEsSegura

Em 18 de Março, Havana serviu de ponto de evacuação para o Reino Unido para 682 passageiros e 381 membros da tripulação do navio de cruzeiro britânico MS Braemar, propriedade de Fred. Olsen Cruise Lines. Foto: Cruise News.

Fred, empresa de cruzeiros sediada no Reino Unido. Olsen Cruise Lines, anunciou que para a temporada 2021/22 nas Caraíbas a bordo do Braemar Havana será a sua base de embarque e desembarque.

“Usar Havana como nosso novo porto de origem permite-nos realmente mostrar as Caraíbas em toda a sua glória. Significa também que podemos oferecer extensões em Havana para permitir aos nossos hóspedes tempo para desfrutar desta cidade vibrante, com partidas nocturnas de portos ou pernoites onde for possível”, disse a empresa.

“Havana sempre proporcionou muito boa satisfação aos nossos passageiros e sempre teve bons índices de satisfação para os nossos clientes, por isso é óptimo oferecer-lhes mais oportunidades de a experimentarem”, explicou.

A 18 de Março, Havana serviu de ponto de evacuação para o Reino Unido para 682 passageiros e 381 tripulantes no navio de cruzeiro britânico MS Braemar, propriedade de Fred. Olsen Cruise Lines. A operação teve início no porto de Mariel após o navio não ter sido autorizado a atracar em nenhum outro porto da região, devido à presença a bordo de várias pessoas doentes com COVID-19.

Fred. Olsen está a relançar os seus itinerários das Caraíbas para o próximo ano para mostrar dois tipos de experiência de férias aos seus hóspedes: aqueles que procuram refrescar e recarregar as suas baterias com algum sol de Inverno, e aqueles que procuram mergulhar na história e cultura da ilha que estão a visitar.

No passado, a empresa agradeceu a Cuba por permitir que o navio afectado por um surto de COVID-19 atracasse, e por ajudar no repatriamento dos seus passageiros para o Reino Unido. “Em nome de Fred. Olsen Cruise Lines Gostaria de estender os meus sinceros agradecimentos às autoridades cubanas, ao porto de Mariel e ao povo de Cuba pelo seu apoio. O seu apoio não será esquecido. Do fundo do meu coração, obrigado”, disse o director-geral da empresa, Peter Deer.

A organização francesa cuba linda alerta para a intensificação das manobras dos EUA e para as mentiras dos meios de comunicação que as acompanham .

#ConCubaNoTeMetas #SolidaridadConCuba #CuibaNoEsTaSola #CubaEsUnContinente

#notemetasconcuba

Numa declaração em vídeo, Rose-Marie Lou, de Cuba Linda, disse que “Cuba não é um pequeno arquipélago, Cuba é um continente de esperança para os povos do mundo. Cuba mostra, e ainda mais nestes tempos de pandemia, que um mundo mais justo e mais unido é possível; um mundo onde a saúde e a educação são direitos humanos, um mundo onde a vida é mais importante do que o dinheiro”.

Cuba Linda adverte sobre a intensificação das manobras desestabilizadoras dos Estados Unidos contra Cuba e apela à denúncia das mentiras mediáticas que as acompanham.
Cuba não é um pequeno arquipélago, Cuba é um continente de esperança para os povos do mundo. Cuba mostra, e ainda mais nestes tempos de pandemia, que um mundo mais justo e mais unido é possível; um mundo onde a saúde e a educação são direitos humanos, um mundo onde a vida é mais importante do que o dinheiro. Mas os Estados Unidos imperialistas e a extrema-direita em Miami não gostam que se mostre que só o socialismo salvará a humanidade. Assim, o bloqueio genocida é intensificado e as manobras sujas de desestabilização são redobradas. Numa tentativa de lançar a sociedade cubana no caos, falsos pacifistas mas verdadeiros mercenários multiplicam as provocações na ilha e apelam abertamente à intervenção militar dos EUA. Todos nós no movimento de solidariedade e todos os homens e mulheres que amam a justiça devemos estar prontos a defender a verdade sobre Cuba contra as mentiras dos meios de comunicação lacaio que não deixarão de acompanhar a manipulação abjecta. De França, Cuba Linda reafirma, mais do que nunca, a sua solidariedade com a Revolução Cubana.

Viva Cuba!

Rose-Marie LOU

Cuba Linda

Apelo em França a repudiar a campanha desestabilizadora contra Cuba .

#PuentesDeAmor #SolidaridadConCuba #ElCaminoEsLaPaz #DefendiendoCuba

Paris, 8 de Novembro (Prensa Latina) A associação francesa Cuba Linda instou hoje homens e mulheres solidários e amantes da justiça a defenderem a verdade sobre a ilha face à cruzada desestabilizadora promovida e financiada pelos Estados Unidos.

Solidaridad Francia-Cuba

A organização criada em 1998 fez o apelo à mobilização em apoio de Cuba e da sua Revolução no contexto do apelo de protesto de um pequeno sector da população em meados deste mês, com o objectivo de impor uma mudança de regime no país das Caraíbas.

Para além do bloqueio genocida, os Estados Unidos estão a intensificar as suas acções desestabilizadoras, desta vez tentando semear o caos na sociedade cubana através de falsos pacifistas e verdadeiros mercenários que multiplicam as suas provocações e até apelam à intervenção militar estrangeira, denunciou.

Rejeitou também o papel dos meios de comunicação social, que manipula as agressões contra a ilha, descrevendo-as como lacaios.

De acordo com a associação francesa, é urgente condenar as manobras contra a maior das Antilhas e a sua Revolução, bem como as mentiras dos meios de comunicação social.

Cuba é um continente de esperança para os povos do mundo, e é a prova, ainda mais em tempos de pandemia, de que é possível um planeta mais justo e mais unido, onde a saúde e a educação são direitos humanos e onde a vida é mais importante do que o dinheiro, sublinhou.

“Mas o imperialismo americano e a extrema-direita em Miami não gostam quando se mostra que só o socialismo salvará a humanidade”, disse ela.

Cuba Linda reafirmou o seu apoio à ilha, ao seu povo e à sua Revolução face à nova cruzada de desestabilização.

Onde estão os defensores dos direitos humanos aqui?#Europa #DerechosHumanos #Cuba #EstadosUnidos

#Europa #DerechosHumanos #Cuba #EstadosUnidos

O que pode a Europa ensinar a Cuba: liberdades, ou repressão .

#UnionEuropea #DerechosHumanos #Democracia #EstadosUnidos #InjerenciaDeEEUU

Por José Manzaneda

O Parlamento Europeu aprovou uma condenação de Cuba pela “extrema violência e repressão contra manifestantes pacíficos” durante os protestos de Julho (1).

“Repressão brutal” na ilha, diz a imprensa europeia (2). Mas se observarmos mais de perto as dezenas de vídeos publicados sobre esses incidentes (3) (4) (5), e desligarmos o som da narração, o que é que vemos realmente? Uma polícia cubana mal treinada que dá uma resposta morna às agressões (6), e cujas expressões mais violentas são quase infantis em comparação com as acções de muitas polícias em todo o mundo. Para começar, os da própria Europa (7).

A verdadeira brutalidade policial tem sido praticada, em mais do que alguns cenários de protesto, pela polícia espanhola, por exemplo (8). A sua intervenção contra o referendo na Catalunha em 2017 feriu cerca de 800 pessoas (9). O Tribunal dos Direitos Humanos de Estrasburgo emitiu dez condenações contra Espanha por não ter investigado queixas – mais de cinco mil casos documentados – de tortura policial e maus-tratos (10). Onde estão as condenações do Parlamento Europeu?

Falam-nos de detenções em Cuba por “demonstrarem pacificamente a sua liberdade de expressão” (11). Isto é falso. Ninguém nega que houve excessos ou acções irregulares -severificando-as investigadas pelo Ministério Público Militar-, mas em geral as operações policiais responderam não a protestos pacíficos, mas a ataques com pedras e cocktails molotov (12), e a assaltos e roubos de bens públicos (13).

O Parlamento Europeu nunca condenou o governo da Colômbia (70 mortes devido à repressão nos protestos de Abril) (14), o do Chile (34 mortes nos protestos de 2019) (15), ou o governo golpista provisório da Bolívia, que causou 32 mortes (16). Neste último caso, o Parlamento Europeu reconheceu o golpe como um governo legítimo e, meses mais tarde, denunciou a detenção do presidente como “arbitrária e ilegal” (17). O Parlamento Europeu também não condenou, em 2020, a acção policial nos EUA durante os protestos da Black Lives Matter, que resultaram em 30 mortes e 14.000 detenções (18).

A UE tem acordos de comércio e cooperação extensivos com todos estes países. Mas agora o seu Parlamento – nas mãos dos aliados de direita de Washington – apela à destruição do Acordo de Diálogo e Cooperação UE-Cuba devido a uma prática policial claramente menos repressiva do que a de todos esses países (19).

Falam-nos do assédio em Cuba aos “vencedores do Prémio Sakharov” como Guillermo Fariñas (20). Mas o que aconteceria a este último se, como europeu, confessasse na imprensa que estava a negociar com o governo dos EUA uma intervenção militar no seu país (21)? Ele já teria estado na prisão há muito tempo. Mas em Cuba, além de ser preso durante algumas horas, não lhe acontece absolutamente nada (22).

Os protestos em Cuba foram o resultado previsível de uma situação muito prolongada de dificuldades materiais, apagões, falta de medicamentos e alimentos, escassez de transportes e longas filas de espera. Mas nem o Parlamento nem os meios de comunicação social europeus explicam as suas causas. Por um lado, uma brutal guerra económica dos EUA, com 243 sanções nos últimos quatro anos, que dinamizaram cada uma das fontes de rendimento do país (acordos médicos internacionais, viagens dos EUA, remessas da emigração…) e que deixaram a ilha praticamente sem combustível, através de sanções ao seu principal fornecedor, a Venezuela, e às companhias de navegação de países terceiros (23). Por outro lado, a pandemia levou ao encerramento da única fonte de rendimento restante do país, o turismo. E finalmente, uma campanha de um milhão de dólares nos meios de comunicação social, financiada por agências federais dos EUA, para mobilizar um sector ainda pequeno mas já visível da população da ilha contra o governo cubano (24). Uma campanha na qual, a fim de inflar a imagem da repressão, inúmeras histórias falsas foram utilizadas para transformar as acções policiais no Brasil (25), África do Sul (26) e República Dominicana (27) em imagens de Cuba.

De qualquer modo, o equilíbrio não poderia ter sido mais “pírrico, vil e vil”, como o presidente do México denunciou há alguns dias, com cujas palavras de mestre nos despedimos: “É errado que o governo dos Estados Unidos utilize o bloqueio para impedir o bem-estar do povo cubano para que, forçados por necessidade, tenham de enfrentar o seu próprio governo. Se esta estratégia perversa fosse bem sucedida – algo que não parece provável dada a dignidade a que nos referimos – repito, se fosse bem sucedida, tornar-se-ia um triunfo pírrico, vil e desprezível. Uma dessas manchas que não pode ser apagada mesmo com toda a água dos oceanos” (28).

A população civil cubana e a moral do Parlamento Europeu .

#Cuba #EstadosUnidos #Europa #LeyHelmsBurton

Por René Vázquez Díaz

Os co-religionistas políticos dos Estados Unidos promoveram a inclusão de um ponto de debate acusatório contra Cuba na sessão plenária do Parlamento Europeu de 16 de Setembro. Não deveria o Parlamento Europeu discutir como a Lei Helms Burton, contrária ao direito internacional, afecta a população civil inocente em Cuba?

Com o Helms Burton Act, os Estados Unidos tentam derrubar um governo mergulhando um povo inteiro na desolação e na ruína.

O bloqueio dos EUA intercepta, torna impossível, sanciona, penaliza e paralisa praticamente todas as transacções cubanas no estrangeiro. É uma actividade imperial doentiamente diligente, viciosa e vingativa contra a população civil de um pequeno país. Os navios que atracam em portos cubanos são proibidos de tocar nos portos dos EUA durante 6 meses. Cuba é uma ilha com poucos recursos. Isto cria dificuldades intransponíveis na aquisição de bens de primeira necessidade. Indivíduos e empresas que investem em Cuba são processados e sancionados nos tribunais dos EUA.

O Professor Harry E. Vanden, Professor de Ciência Política e Estudos Internacionais, Universidade do Sul da Florida, escreveu que o governo dos EUA “impôs deliberadamente condições de vida especificamente calculadas para eliminar fisicamente parte da população cubana” (Health and Nutrition in Cuba: Effects of the US Embargo, Centro Internacional Olof Palme, 1999). No mesmo livro, a Associação Americana para a Saúde Mundial relata como o bloqueio impede os cubanos que sofrem de leucemia ou que necessitam de diálise renal de receberem tratamentos essenciais para prolongar a vida, uma vez que a aquisição destes medicamentos por Cuba é sancionada pelo bloqueio. Hoje a situação é ainda pior, depois da administração de Donald Trump ter lançado mais de 200 novas medidas punitivas contra Cuba no meio das dificuldades letais da pandemia. Biden continua a seguir a mesma política de “guerra sem soldados e bombas contra Cuba”, mas com o mesmo efeito destrutivo.

Então o Parlamento Europeu vai isolar ainda mais as crianças, mulheres, homens e idosos inocentes de Cuba? Isto mina o moral de todos os envolvidos no Parlamento Europeu; é também um escárnio da Comunidade Internacional e uma violação dos Direitos Humanos. De que lado está então o Parlamento Europeu, do lado da população civil inocente de Cuba, ou apoia a guerra económica genocida extra-territorial dos EUA?

Tirada de CubaDebate

#Cuba reconhece acções a nível mundial para exigir o fim do bloqueio dos #EstadosUnidos.

#CubaSalva #EEUUBloquea #ElBloqueoEsReal #PuentesDeAmor #EstadosUnidos #JoeBiden #Sanciones #DonaldTrumpCulpable #Asia #Oceanía #África #América #Europa.

Autor: Granma | internet@granma.cu

O Presidente da República de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, elogiou as mais de 21.000 assinaturas que apelam à administração de Joe Biden para pôr fim ao bloqueio dos EUA contra a maior das Antilhas.

Através da sua conta oficial no Twitter, o chefe de estado destacou o apoio a esta iniciativa do projecto Pontes de Amor nos Estados Unidos, promovido por cubanos que vivem no estrangeiro.

bloqueo

A carta aberta a Biden, para além de exigir o fim do bloqueio comercial e financeiro imposto à ilha durante mais de 60 anos, solicita a reabertura da embaixada de Washington em Havana e a restauração do programa de reunificação familiar, suspenso pelo antigo Presidente Donald Trump desde 2017.

Defende também o estabelecimento de “políticas compassivas e humanas” em relação a Cuba, autorizando remessas ilimitadas e encorajando as relações financeiras e comerciais, entre outras propostas.

Por outro lado, o canal YouTube Europa para Cuba confirmou a 21 de Março que o seu apelo à solidariedade com a ilha terá lugar a 27 e 28 de Março em cerca de 40 nações em todo o mundo, exigindo o fim do cerco económico dos EUA.

Os dias de solidariedade serão alargados a toda a Ásia, Oceânia, África, América e Europa.

O bloqueio é o maior obstáculo ao desenvolvimento de Cuba e uma violação dos direitos humanos. Os prejuízos acumulados em seis décadas ascendem a 144,413 milhões de dólares, e entre Abril de 2019 e Março de 2020, a acção causou prejuízos da ordem dos 5,570 milhões de dólares, um valor recorde durante um ano.

Traduzido com a versão gratuita do tradutor – http://www.DeepL.com/Translator

%d bloggers like this: