CON FILO : Díaz-Canel no México e a Cimeira Celac, por detrás da última campanha anti-Cuba .

#DiazCanelEnMexico #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #Uruguai #CELAC

Para aqueles que ficaram com dúvidas sobre o acolhimento do presidente cubano #DiasCanelEnMexico .

#DiazCanelEnMexico #CubaEnMexico #BienvenidosDiazCanel

Porta-vozes da OEA .

#DiazCanelEnMexico #CubaEnMexico #CELAC #OEA #ManipulacionPolitica #EEUUBloquea #BastaDeHipicresia #NoMasMentiras #LetCubaLive

Estou cansado da HP. Isto é o que significa ser cubano . CARAJOOOOOOOOO

#CubaEnMexico #DiazCanelEnMexico #SolidaridConCuba

O final da OEA .

#OEA #EstadosUnidos #ManipulacionPolitica #ElCaminoEsLaPaz #CELAC

Lo vuelve hacer, no te lo pierdas .

#CubaEnMexico #DiazCanelEnMexico #AMLO #EstadosUnidos #ElBloqueoEsReal

Desafios enfrentados pelo CELAC na sua VI Cimeira.

#CubaEnMexico #AMLO #CELAC #Covid-19

A criação da Comunidade de Estados da América Latina e Caraíbas (CELAC) permitiu reactivar este mecanismo de integração política, numa situação regional que sabemos ser complexa, disse Anayansi Rodríguez Camejo, vice-ministro cubano dos Negócios Estrangeiros.

Antes da 6ª Cimeira de Chefes de Estado e de Governo da CELAC no México, o vice-ministro do Ministério dos Negócios Estrangeiros (Minrex) partilhou com a imprensa os desafios e as principais questões que serão abordadas na reunião.

Segundo o sítio Web da Presidência cubana de hoje, Rodríguez Camejo reconheceu que a CELAC passou por momentos complexos em certas ocasiões, no entanto, considerou um facto fundamental o facto de ter sido capaz de preservar o seu acervo ao longo de todos estes anos de existência, nos quais o México desempenhou um papel essencial nos últimos 20 meses em que exerceu a presidência pro tempore.

O diplomata recordou que a unidade tornou possível enfrentar cenários complexos e superá-los como um todo, e valorizou que, no meio das dificuldades, esta Comunidade de Estados, fundada em Fevereiro de 2010, não deixou de cumprir o seu papel de mecanismo de integração genuinamente latino-americano e caribenho.

O facto de a VI Cimeira se realizar desta vez na Cidade do México é também um sinal de que retomámos a cooperação regional a alto nível, embora nos últimos anos as reuniões não tenham deixado de se realizar a diferentes níveis, incluindo parceiros extra-regionais, em particular com a China e a União Africana, disse ele.

No que diz respeito aos principais temas da agenda, Rodríguez Camejo salientou que a pandemia da COVID-19, “estará no centro das nossas discussões, que se concentrarão na procura do que podemos fazer como região para alcançarmos a auto-suficiência em saúde”.

Também estarão em discussão questões transcendentais como a preservação da região como Zona de Paz; a primeira região densamente povoada do planeta livre de armas nucleares; desarmamento geral; a luta contra a pobreza, a desigualdade e as alterações climáticas em preparação para a 26ª Conferência das Partes a ter lugar no Reino Unido.

Da mesma forma, procurará reforçar o papel do CELAC, para que possa ser o verdadeiro e legítimo representante da América Latina e das Caraíbas, através de um debate transparente, aberto e franco entre todas as nações.

Relativamente à participação de Cuba na Cimeira, o chefe adjunto da Minrex confirmou que Cuba está disposta a contribuir para estes esforços do CELAC para que a região possa ter um projecto e iniciativas que permitam o acesso universal às vacinas a preços acessíveis.

Cuba tem toda a disposição para participar neste esforço regional colectivo e contribuir assim para a distribuição e fornecimento de vacinas e serviços a preços acessíveis que garantam o acesso universal para todos, afirmou.

Desde a sua fundação a 23 de Fevereiro de 2010, o CELAC é o fórum mais representativo da região, reunindo os 33 países da América Latina e das Caraíbas, e é o espaço por excelência de diálogo, consulta e cooperação para resolver os desafios enfrentados pela comunidade como um todo.

(Com informação da ACN)

Cuba e México: Mais de um século de Solidariedade .

#CubaEnMexico #DiazCanelEnMexico #AMLOLujoDePresidente #CELAC #OEA #EstadosUnidos #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana

Por Alejandra Brito Blanco

A relação bilateral entre Cuba e o México remonta ao alvorecer do século passado. Os laços de amizade estão enraizados na história e na proximidade geográfica de ambos os países.

“A influência da política externa dos EUA é predominante nas Américas. Há apenas um caso especial: o de Cuba, o país que durante mais de meio século afirmou a sua independência ao confrontar politicamente os Estados Unidos”, disse o presidente da nação asteca, Andrés Manuel López Obrador, na XXI Reunião dos Ministros dos Negócios Estrangeiros da CELAC. A AMLO convidou recentemente o líder cubano a fazer um discurso como parte das celebrações do Grito de Dolores. A 20 de Maio, os laços oficiais entre os dois países atingiram 120 anos de existência ininterrupta.

Um olhar para trás na história revela a importância das ligações entre os dois estados americanos. Os veteranos cubanos Gabriel González e Felipe Herrero desempenharam um papel importante nas guerras de independência cubanas. Do mesmo modo, o líder independentista mexicano Benito Juárez, confrontado com o avanço do conservadorismo em 1853, viajou para as Grandes Antilhas, onde aprendeu o ofício de tabaqueira twister. No seu regresso a casa, os seus amigos cubanos apoiaram-no com navios e material de guerra, relata o artigo Benito Juárez ainda está vivo no México e em Cuba.

No México, o Apóstolo José Martí e Julio Antonio Mella levaram a cabo grande parte da sua vida e obra patriótica. A primeira metade do século XX foi marcada por relações cordiais e cooperativas, com algum distanciamento durante o Machadato e o pentarchismo de 1933. Durante o governo de Lázaro Cárdenas, os laços culturais foram reforçados e ainda hoje estão de boa saúde.

Um marco significativo ocorreu no contexto do golpe de Estado de Fulgencio Batista. Embora o México tenha permanecido fiel aos princípios de não intervenção e autodeterminação consagrados na Doutrina Estrada, abriu as suas portas aos revolucionários que fugiam da ditadura.

Foi precisamente a partir daí que o iate Granma, símbolo da luta insurrecional que abriu as portas ao triunfo da Revolução Cubana a 1 de Janeiro de 1959, zarpou. Foi lá que os 82 membros da tripulação foram treinados e onde Fidel e Ernesto “Che” Guevara se encontraram pela primeira vez.

Legenda: O iate Granma partiu de Tuxpan, México, a 25 de Novembro de 1956. Foto tirada da Radio Rebelde.

Durante o período revolucionário, houve também inúmeros momentos significativos. Após a declaração do carácter socialista da transformação social em Cuba, quando os Estados Unidos promoveram a expulsão da ilha da Organização dos Estados Americanos (OEA), a nação asteca foi a única a opor-se a esta posição e a manter as suas relações com a ilha das Caraíbas.

Após um período de arrefecimento, em 2013 os presidentes Raúl Castro e Enrique Peña Nieto anunciaram um “relançamento” das relações entre os dois países. No final do mesmo ano, o ministro dos negócios estrangeiros da ilha, Bruno Rodríguez Parrilla, assinou oito acordos com representantes da América Central.

Legenda: López Obrador manifestou em várias ocasiões a sua rejeição do bloqueio imposto a Cuba pelos Estados Unidos. Foto tirada da Revista Afal.

Os laços diplomáticos, comerciais e culturais entre os dois povos são uma referência a nível continental. O México reafirmou em organizações internacionais a sua rejeição do bloqueio imposto pelos Estados Unidos à maior das Antilhas. Este governo liderou as doações de alimentos, medicamentos e material médico para lidar com o surto de Covid-19. Anteriormente, os médicos cubanos tinham prestado assistência ao país vizinho para combater a pandemia.

Imagen
Falámos com o Presidente cubano Miguel Díaz-Canel; agradecemos-lhe o apoio que recebemos de enfermeiras e médicos cubanos para lidar com a pandemia. O México e Cuba são geminados pela história e pela solidariedade.

O respeito e a solidariedade têm sido as chaves para uma relação tão duradoura. Isto é expresso nas palavras de Andrés Manuel López Obrador na XXI Reunião dos Ministros dos Negócios Estrangeiros da CELAC: “Creio que, pela sua luta em defesa da soberania do seu país, o povo cubano merece o prémio da dignidade”. Cuba é um exemplo de resistência e “por isso mesmo, deveria ser declarada património mundial”, concluiu o presidente.

Nova operação contra Cuba .

#AMLO #Mexico #CubaEsBienvenida #CubaEnMexico #DiazCanelEnMexico #CELAC #ONU #EstadosUnidos #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana

Ao império genocida do norte.

#AMLO #Mexico #CubaEnMexico #CubaEsBienvenida #DiazCanelEnMexico